Microcefalia: o novo pretexto para o aborto.

(“Temos que conquistar nosso terreno centímetro por centímetro”)

[www.providaanapolis.org.br]

Neste setor de abortos há uma corrente forte da qual participam muitos médicos, que acreditam no dogma de Hitler. O aborto deu a algumas pessoas grande poder sobre a vida e sobre a morte. Aguardamos o tempo em que a mãe terá o direito de matar o seu filho até algumas horas depois do parto normal. Quando a criança nasce a mãe deve ter a possibilidade de olhar bem para ela e ver se corresponde à sua expectativa e resolver se ela deve continuar vivendo. Isto é o ideal, o sonho, naturalmente. Mas ainda estamos muito longe do tempo em que a sociedade em seu conjunto aceite uma coisa destas. Temos que ir muito devagar.

Se se dissesse uma coisa destas logo no começo, quando entrou em vigor a Lei do Aborto, teria havido protestos, o público teria ficado horrorizado. Temos que conquistar nosso terreno centímetro por centímetro[1].

As palavras acima foram pronunciadas por um farmacêutico, dono de um consultório de teste de gravidez em Londres. Foram gravadas secretamente pelos jornalistas Michael Litchfield e Susan Kentish, que investigavam o que ocorria nas clínicas de aborto logo após a sua legalização na Inglaterra (o “Abortion Act”, de 1967). Esta foi uma das vezes em que os jornalistas se depararam com uma simpatia entre os praticantes do aborto e as ideias nazifascistas. Digna de nota é a frase: “Temos que conquistar nosso terreno centímetro por centímetro”.

No Brasil está acontecendo algo semelhante. Em abril de 2012, o Supremo Tribunal Federal julgou procedente o pedido da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54 (ADPF 54), deixando de considerar crime o aborto de crianças anencéfalas. Agora, com o surto do nascimento de crianças com o perímetro cefálico menor que 32 centímetros (microcefalia), fato este supostamente associado ao vírus zika, eis que aparece um grupo desejando pleitear na Suprema Corte o aborto de tais bebês de cabeça pequena[2]. E o advogado que defendeu a ignóbil causa do aborto de anencéfalos é hoje ministro do STF: Luís Roberto Barroso. Pode-se imaginar qual será o voto dele quanto à morte dos portadores de microcefalia…

Uma jornalista portadora de microcefalia

Não foi à toa que a jornalista Ana Carolina Cáceres, 24 anos, moradora de Campo Grande (MS), portadora de microcefalia, reagiu com indignação à notícia do plano de liberar o aborto de pessoas como ela. Eis o que ela disse em entrevista à BBC Brasil:

Quando li a reportagem sobre a ação que pede a liberação do aborto em caso de microcefalia no Supremo Tribunal Federal (STF), levei para o lado pessoal. Me senti ofendida. Me senti atacada.

No dia em que nasci, o médico falou que eu não teria nenhuma chance de sobreviver. Tenho microcefalia, meu crânio é menor que a média. O doutor falou: ‘ela não vai andar, não vai falar e, com o tempo, entrará em um estado vegetativo até morrer’.

Ele – como muita gente hoje – estava errado.

Meu pai conta que comecei a andar de repente. Com um aninho, vi um cachorro passando e levantei para ir atrás dele. Cresci, fui à escola, me formei e entrei na universidade. Hoje eu sou jornalista e escrevo em um blog.

Escolhi este curso para dar voz a pessoas que, como eu, não se sentem representadas. Queria ser uma porta-voz da microcefalia e, como projeto final de curso, escrevi um livro sobre minha vida e a de outras 5 pessoas com esta síndrome (microcefalia não é doença, tá? É síndrome!).

Com a explosão de casos no Brasil, a necessidade de informação é ainda mais importante e tem muita gente precisando superar preconceitos e se informar mais. O ministro da Saúde, por exemplo. Ele disse que o Brasil terá uma ‘geração de sequelados’ por causa da microcefalia.

Se estivesse na frente dele, eu diria: ‘Meu filho, mais sequelada que a sua frase não dá para ser, não’.

Porque a microcefalia é uma caixinha de surpresas. Pode haver problemas mais sérios, ou não. Acho que quem opta pelo aborto não dá nem chance de a criança vingar e sobreviver, como aconteceu comigo e com tanta gente que trabalha, estuda, faz coisas normais – e tem microcefalia.

As mães dessas pessoas não optaram pelo aborto. É por isso que nós existimos[3].

Uma sobrevivente de um aborto tentado

Tatiana Alves Baliana, 34 anos, funcionária pública de Uberlândia (MG), sobrevivente de uma tentativa de aborto, dá o seguinte testemunho:

Amados irmãos, peço-lhes um favor:

Deitem em sua cama e aconcheguem em seus cobertores, edredons e lençóis.

Durmam…

De repente, vocês têm a sensação de perder o ar, ficam ofegantes, mas como saber se é sonho ou realidade?

É a realidade e, estão perdendo o ar, não conseguem respirar e, até mesmo desfalecem…

Têm a sensação de estar caindo em um abismo, mas de repente o ar volta!!!

Ai, como é bom ter a sensação de respirar, sentir o ar encher os seus pulmões…

Sensação de vida, né?

Pois bem, lembram-se da falta de ar, da vontade constante de respirar e não poder? De cair em um abismo e não conseguir voltar?

Sim, eu sei bem o que é isto, eu passei por isto…

Passei por isto como uma criança indefesa que não tinha para onde ir ou correr…

Nasci aos 5 meses e meio de gestação em um aborto provocado por sonda, onde esta sensação que vocês tiveram, eu tive, porém com um detalhe: nasci morta.

Para a honra e glória da Santíssima Trindade, da Santíssima Virgem e de meu Santo Anjo da Guarda, eu comecei a me mexer e gritaram: O feto está vivo!

Sim, eu era um feto, para os médicos, enfermeiras e técnicos de enfermagem, eu era apenas um feto lutando pela vida, após inúmeras tentativas de aborto, até a que culminou com o meu nascimento, abandono no hospital e a minha adoção.

Portanto amados, se vocês acham que o aborto é direito da mulher, pois “meu corpo, minhas regras”, pensem no corpo e nas regras da criança que está sendo gestada.

Só Deus sabe a minha missão e o motivo por que consegui sobreviver. Sou uma mulher feliz, pois tenho uma família maravilhosa, à qual só tenho a agradecer.

Mas, eu sei o que sinto todas as vezes que vejo notícias de abortos, ou até fotos de instrumentos usados para este infanticídio. Sinto que sou eu que estou sendo abortada, que o que aconteceu no dia 29/10/1981 está acontecendo novamente, só que desta vez com outros instrumentos, outras formas e outros jeitos.

Eu passei por isto, e não quero que nenhuma criança sofra o que eu sofri. Tente, coloque-se no lugar daquela criança. Tenho certeza que você não ficaria feliz de morrer de formas tão cruéis.

Lembre-se: Deus deu a vida e somente Ele tem o poder para tirá-la.

O primeiro inocente

Infelizmente, o juiz Jesseir Coelho de Alcântara, célebre em Goiânia por autorizar abortos eugênicos, passou agora a defender publicamente o direito ao aborto de crianças microcéfalas. Eis suas palavras:

Se houver pedido oportuno por alguma gestante no caso de gravidez com microcefalia e zika com comprovação médica de que esse bebê não vai nascer com vida, analogicamente a autorização judicial poderá ser concedida[4].

Acontece que a microcefalia não é nenhuma sentença de morte logo após o parto. Normalmente tais crianças nascem vivas (que o diga Ana Carolina Cáceres), a menos que haja alguém que queira abortá-las.

Embora o juiz Jesseir insista que o aborto deve ser avaliado “caso a caso” e que “é importante não banalizar”, não sei de um único caso em que esse magistrado tenha negado um pedido de aborto de deficientes.

Segundo Ricardo Dip, Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo,

é conhecido o emblemático episódio — difundido até pela indústria do cinema — em que um oficial nazista, durante os processos do Tribunal de Nuremberg, explicou a um seu colega, médico e militar norte-americano, que as atrocidades do nacional-socialismo germinaram a contar do dia em que se aceitou, sem resistência, matar o primeiro inocente[5].

Conscientemente ou não, o juiz Jesseir, após ter autorizado a morte do primeiro inocente, tem conquistado centímetro por centímetro o terreno rumo ao aborto irrestrito e ao homicídio neonatal. Talvez ele venha a descobrir isso tarde demais…

Anápolis, 15 de fevereiro de 2016.

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz

[1] LITCHFIELD, Michael; KENTISH, Susan. Bebês para queimar: a indústria do aborto na Inglaterra. 6. ed. São Paulo, Paulinas, 1985, p. 52-54. Título original: Babies for burning: the abortion business in Britain. O “copyright” é de 1974.

[2] Ricardo SENRA. Grupo prepara ação no STF por aborto em casos de microcefalia. BBC Brasil, 26 jan. 2016, in:http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160126_zika_stf_pai_rs

[3] Ricardo SENRA. ‘Sou plena, feliz e existo porque minha mãe não optou pelo aborto’, diz jornalista com microcefalia. BBC Brasil, 1 fev. 2016, in: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/02/160201_microcefalia_aborto_pontodevista_ss

[4] Jesseir Coelho de ALCÂNTARA. Aborto em casos de microcefalia. O Popular, 2 fev. 2016, p.7.

[5] Ricardo DIP. Os direitos humanos do neoconstitucionalismo: direito natural da pós-modernidade? Aquinate, n. 17 (2012), p. 14, in: http://www.aquinate.net/revista/edicao_atual/Artigos/17/C.Aq.17.Art.Dip.pp.13-27..pdf

Tags:

6 Comentários to “Microcefalia: o novo pretexto para o aborto.”

  1. Ainda há santos pastores no meu país!
    Estamos vivendo um guerra entre a Cultura da Vida X “cultura” da morte (Jo 10,10). Naturalmente, o Príncipe deste mundo (Antiga Serpente) vai de vento e popa, ganhando algumas batalhas. Mas, no final, a guerra será ganha pelo Exército de Maria, será o triunfo o Imaculado Coração de Maria (Fátima-1917).
    Sempre foi assim, sempre será assim: desde Herodes X Santos Inocentes; Hitler (Raça Ariana-Eugenia) X demais povos (holocausto)…
    Aparentemente, estamos perdendo a guerra, pois os instrumentos do mal estão infiltrados no quotidiano: pílula do dia seguinte, aborto, DIU…
    Eles alteraram inclusive o nome ABORTO para INTERRUPÇÃO DA GRAVIDEZ INDESEJADA…
    Defendo a tese que os bispos locais (Igreja Particular) deveriam “ex-officio” excomungarem as autoridades civis (Presidente Dilma, juízes como esse de Goiânia…), sanitárias (médicos…), políticos (PT, PCdoB…) que defendem o aborto expressamente, sob pena de responder (o bispo) por sua Grave Omissão diante do Tribunal Divino como coautor dessa tragédia humana.
    Estamos à beira de barbárie mundial, onde a lei do mais forte (ONU, Fundações internacionais: Ford…, senhores do mundo, eugenistas…) condena à pena capital Santos Inocentes sem direito à Defesa.
    A título de curiosidade, vou listar abaixo um série de Direitos que o Nascituro possui, para fins de conhecimento, reflexão e divulgação:

    DIREITOS DO NASCITURO

    Definição: É o ser humano concebido que irá nascer (FETO).

    DETALHE: O coração de todo ser humano COMEÇA a bater a partir do 20º dia da concepção e continuará batendo até a morte do indivíduo.

    “A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro” (artigo 2º , do Código Civil Brasileiro).

    DIREITOS

    1- direitos da Personalidade: nome, imagem e sepultura (tanto o nascituro como tb o natimorto);

    2- direito aos Alimentos gravídicos;

    3- ser adotado, com consentimento do seu representante legal (CC, art. 372);

    4- receber doação, se aceita pelos pais (CC, art. 1.169);

    5- adquirir por testamento, se concebido até a morte do testador (CC, art. 1.169);

    6- ter um Curador ao Ventre se o pai falecer e a mãe, estando grávida, não tiver pátrio poder, notando-se que, se a mulher estiver interdita, o seu Curador será o do nascituro (CC, arts. 458 e 462 e seu parágrafo único); ver reconhecida sua filiação e até mesmo pleiteá-la judicialmente por seu representante; suceder, seja legitimamente ou por testamento; ser representado nos atos da vida jurídica; ter garantia de direitos previdenciários e trabalhistas, como, por exemplo, direito à pensão por acidente profissional sofrido por seus pais; proteção penal garantindo-lhe a vida e o direito de nascer, etc.”[21]

    7- direito à indenização a título de danos materiais e morais, por ser vítima de medicamentos ministrados de forma errada, resultando seqüelas no futuro.

    8- Ação investigatória de paternidade, proposta pela mãe, mas em nome do filho. Apesar de ser um direito personalíssimo, a mãe poderá propor em seu nome, para ter seu direito assegurado.

    9- Ser registrado nos livros competentes:

    Se retirado morto – registro livro auxiliar
    Se retirado com vida (respirar) – dois registros (nascimento e óbito) – art. 53, § 1º e § 2º. Da LRP

    “Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim”
    (Mateus 25:45)

  2. Sabemos com toda certeza que o aborto nesse caso específico de microcefalia é aplicação das ideologias sob o gramscianismo para se imporem as mazelas na sociedade, no caso, um pretexto casuístico para se cometer o aborto, eliminarem portadores de microcefalia por supostas sequelas e a relativizar de um modo total, sendo sua aplicação à la “sutil, lenta e gradativamente” e, quando as pessoas derem por fé das ciladas, será tarde – já foram aprisionadas!
    Isso nos recorda de como a protagonizadora disso, a maçonaria, vem agindo por meio de seus agentes, os partidos comunistas, PCs; aliás, tal subversão de modo intensivo vem desde o século XIX, quando intensificou suas infiltrações dentro da Igreja e, por meio desses seus agentes travestidos de religiosos, têm sido fundamentais para eleição de PCs, os quais têm o aborto como programa de governo, como o PT, PC do B, PSOL, PSB etc., compartilhando os militantes do partido, apoiadores, eleitores e grandemente mais os religiosos silentes ou coniventes, e não poucos temos desses!
    Quantos no Brasil de atuação ostensiva anti ideologistas assumidos temos no presente, senão aquela 1/2 duzia de sempre, pelo menos na net, conhecidos?!
    “AINDA DEFENDO o Lula e a Dilma , e o Aécio e os Bispos da CNBB”… quando leio expressões de baixo calão contra eles” – Pe Zezinho, no FACEBOOK.
    Recordar é viver: o método empreendido abaixo corresponde ao descrito acima, por deficit de apologistas católicos:
    *”Em nossos dias, a voz da maioria dos bispos se assemelha ao silêncio dos cordeiros diante de lobos furiosos, os fiéis são abandonados como ovelhas sem defesa. Cristo foi reconhecido pelos homens como alguém que falava e agia em uníssono, que tinha poder e é este poder que Ele concedeu a Seus apóstolos. No mundo de hoje, os bispos precisam se libertar de todos os laços mundanos e – depois de terem feito penitência – converterem-se novamente a Cristo, para que fortalecidos pelo Espírito Santo possam anunciar Cristo como o único Salvador. Em última análise, deve-se prestar contas a Deus por tudo o que foi feito e por tudo o que não foi feito”.
    “Não seria supérfluo lembrar aos meus irmãos no episcopado de uma afirmação feita por uma loja maçônica italiana a partir por volta do ano de 1820: “Nosso trabalho é um trabalho de uma centena de anos. Deixemos de lado as pessoas mais velhas e vamos nos concentrar na juventude. Os seminaristas se tornarão sacerdotes com as nossas ideias liberais. Não devemos nos lisonjear com falsas esperanças. Nós não vamos conseguir fazer um Papa franco-maçom. No entanto, bispos liberais, que irão trabalhar na comitiva papal, irão propor a ele, na tarefa de governar a Igreja, pensamentos e idéias que são vantajosas para nós e para o Papa irá implementá-las na prática. Esta intenção do Franco-maçons está sendo implementada cada vez mais e de forma aberta, não só graças aos inimigos declarados da Igreja, mas com a conivência de algumas falsas testemunhas que ocupam altos cargos na Igreja hierárquica. Não é sem razão que o beato Paulo VI disse: “por alguma fresta da Igreja, o espírito de Satanás penetrou no interior da Igreja.” Acho que este tipo de fenda se tornou nos nossos dias bastante ampla e o diabo usa todas as forças a fim de subverter a Igreja de Cristo”…
    “”Carta aberta de um arcebispo sobre a crise na Igreja”. D Jan Pawel Lenga

  3. Enquanto isso na Itália, o jornal favorito de Bergoglio, La Reppublica, entra firme na campanha pelo aborto de crianças cujas mães foram contaminadas com o vírus Zika:

    http://www.repubblica.it/cronaca/2016/02/20/news/verona_la_prima_italiana_incinta_con_la_zika_mio_figlio_mai_nato_per_colpa_del_virus_-133821900/?ref=twhr

    O título é:” Verona, a primeira italiana grávida com a zika e meu filho que jamais nasceu por culpa do vírus”.
    Na verdade, ela culpa o vírus pelo filho não ter nascido. Dá a entender de início, que a criança nasceu morta e prematura, mas não foi nada disso!
    Essa italiana que contraiu o vírus em Natal RN, enquanto morava no Brasil, voltou à Itália e ali constataram alterações na gravidez, disseram que o menino, que “sarebbe dovuto nascere il giorno dell’Immacolata, a Verona”, ou seja, que deveria nascer no dia da Imaculada Conceição em Verona, se escapasse iria ser como um vegetal e aconselharam-lhe o aborto, que na Itália depois de 3 meses é ilegal: “a quel punto però era al settimo mese. “In Italia non possiamo”, hanno detto. Poi, quasi di nascosto, mi hanno dato un foglio”.
    Deram pra ela quase que escondido, uma folha de papel dizendo que ela poderia ir ao Centro clinico universitario di Lubiana, na Eslovenia ( antigo país comunista) e ela foi.
    Ela estava com sete meses de gravidez. Ali a criança foi induzida a um parto precoce e assassinada. E ela ainda guarda um cartãozinho com a impressão da mãozinha e do pezinho!
    O mais interessante é a propaganda junto à visão misericordiosista do assassinato:

    “A Lubiana abbiamo potuto celebrare un funerale per Pietro, insieme agli altri bambini mai nati. Lì si usa così. Abbiamo sparso le sue ceneri su una collina, è simbolo della pancia di una mamma. Questa foglia è caduta proprio in quel momento. Ho la sensazione che protegga lui. E me”.

    Traduzindo: em Lubiana foi possível celebrar um funeral para Pietro, junto às outras crianças jamais nascidas (abortadas). Ali se faz assim. Espalhamos então suas cinzas sobre uma colina que é o símbolo da barriga de uma mãe. Essa folha de plátano caiu bem naquela momento. E eu tenho a sensação de que ela protege ele e também a mim”.

    Resumindo, o jornal faz uma crítica ao fato da Itália não permitir o aborto depois de 3 meses pra casos como esses e ainda entra na campanha pela liberação do aborto em países como o Brasil afetado pela epidemia do Zika.
    O que eu tenho a dizer às mulheres que cometeram um aborto é o seguinte: só Deus sabe o que passava em seu coração e mente quando você foi levada a esse gesto extremo de assassinar o fruto do seu próprio ventre. Mas independente da razão, tal assassinato só foi possível porque você consentiu, então procure o mais rápido possível um sacerdote autorizado pra se confessar, de preferência que seja um Bispo e depois se prepare para uma longa vida de penitência porque um dia, inevitavelmente, “olharão para aquele, a quem traspassaram, e chorarão por ele, como se chora amargamente pelo primogênito…”( Zacarias 12, 10)

  4. Vocês estão ficando cada vez mais utópicos!

    Os bispos brasileiros não estão nem ai para aborto ou união homossexual. São raros os sacerdotes que estão empenhados na batalha pela vida e por uma moralidade na sociedade.

    A maioria dos sacerdotes brasileiros estão mais preocupados com o velho populismo de sempre do terceiro mundo: saneamento básico, salário mínimo, reforma agraria, ecologismo, igualitarismo, cesta básica para os pobres, etc etc etc.

    Bem, muito dessa culpa eu coloco nas mãos de muitos conservadores e tradicionalistas que com medinho de uma excomunhão não querem ver que os maiores responsáveis por essa situação são os judas sacerdotes dentro da Madre Igreja que sempre apoiaram, e continuam apoiando, esse populismo de esquerda do terceiro mundo na America Latina…

    …continuem assim e verão como a Igreja continuará afundando cada vez mais.

  5. Que os bispos gritem e não são ouvidos – o mundo não os ouviram – na geração em que a civilização indiferente e mouca ousa contrariar a Deus, ao menos teriam sido avisados. Mas é Deus que tudo vê não vai deixar em vão o trabalho daqueles que ainda gritam.

    Os bispos mudos, da CNBB, recebem elogios e aplausos, em sessão solene no Congresso Nacional pela “campanha-esgoto”:

    http://www12.senado.gov.br/radio/1/noticia/sessao-do-congresso-celebra-campanha-da-fraternidade-2016

  6. O que precisa ser desmascarado é uma propaganda fruto de uma Guerra Psicológica Revolucionária querendo legalizar o aborto tendo hoje como mote a “microcefalia” e a “zika”.

    Cintificamente não há comprovação que a zika causa a microcefalia.

    Infelizmente Papa Francisco é o “garoto propaganda” desta Guerra Psicológica.