Papa recebe Macri com frieza em encontro de apenas 22 minutos.

O Globo, CIDADE DO VATICANO — Os dois argentinos mais importantes e poderosos, o Papa Francisco e o presidente Maurício Macri, se encontraram neste sábado no Vaticano pela primeira vez. Macri viajou com a intenção de suavizar a relação com o Pontífice, que já passou por alguns desencontros, mas os gestos indicam que a reunião saiu pior que o esperado. O encontro durou apenas 22 minutos, com fotos mostrando o Papa, normalmente carismático, muito sério e frio.

2016-891910737-201602270830123917_afp_20160227

Ao fim da visita, o presidente contou ao “La Nación” que convidou o pontífice à Argentina, mas Francisco respondeu que a visita não ocorrerá neste ano, porque a agenda dele está cheia, mas garantiu que viajará ao país o quanto antes. Desde que assumiu o cargo, Francisco já esteve na América Latina para visitar Brasil, Paraguai, Bolívia, México e Cuba, mas até agora não viajou para seu país de origem.

Macri chegou a dizer a jornalistas que a reunião tinha sido “muito boa”, mas não convenceu. Enquanto isso, o departamento de Imprensa do Vaticano disse que o encontro, que ocorreu na Biblioteca do Palácio Apostólico, foi “cordial”, com a abordagem de temas de interesses mútuos.

Macri contou que Francisco expressou preocupação com a pobreza e o narcotráfico na Argentina, e os dois concordaram em trabalhar em conjunto sobre os temas. Macri disse ao Papa que seu governo busca atrair investimento ao país para criar emprego e ressaltou que buscar unir os argentinos.

Por outro lado, o Pontífice apontou a importância de restabelecer relações com o mundo e ser razoável e confiável, e falou da importância em complementar o ensino com esporte, arte e educação pública.

Ao fim do encontro desde sábado, o Papa cumprimentou um por um a delegação de dez pessoas que acompanhou Macri na visita. Entre eles, estava a primeira-dama Juliana Awada, vestida de preto e com um véu na cabeça, e a chanceler Susana Malcorra. Em seguida, ocorreu a tradicional troca de presente.

imagens-do-dia-best-pictures-of-day-20140317-009-original

Com Cristina Kirchner – Outrora. Risos e beijos.

DESENCONTROS NO PASSADO

Os dois argentinos já tiveram suas discordâncias no passado. No final de 2009, quando Macri era líder do partido Proposta Republicana (Pro), ele decidiu não recorrer de uma decisão judicial que permitiu o casamento de Alex Freyre e José María Di Bello, o que causou um rebuliço na Igreja. Dias depois, Macri e Bergoglio se encontraram na tentativa de reconciliar as posições, mas o mal-estar continuou.

A tensão entre eles voltou a se elevar em setembro de 2012, quando o então prefeito de Buenos Aires decidiu regulamentar um protocolo que permitiu não punir abortos na cidade, outro tema sensível para o cardeal. O Papa, por sua vez, enviou recentemente um rosário de presente à dissidente detida Milagro Sala, gesto interpretado como apoio político à titular da organização Tupac Amaru.

Segundo fontes próximas ao Papa, Francisco está farto de ser utilizado politicamente na Argentina, como fez Cristina Kirchner, que o visitava por qualquer desculpa para sair em fotos com ele. Parece que agora, o Pontífice quer ter uma relação mais profissional como Chefe de Estado, mas ninguém esperava uma frieza tão evidente.

Anúncios
Tags:

12 Comentários to “Papa recebe Macri com frieza em encontro de apenas 22 minutos.”

  1. Olha esse Macri tem sido o bam-bam-bam dos liberais aqui na América Latina. Mas como todo liberal, pelo que pude ver da reportagem acima, no quesito moral ele é um imoral.
    Mas não creio que a frieza evidente do Santo Padre seja por assuntos morais.

    • Boa, Pedro! É isso mesmo! A frieza do Francisco I é porque ele não é um comunista,nem muçulmano, nem ateu como o Scalffari, nem transexual, nem é Raul Castro, nem Fidel, nem Putin, nem um chefe de alguma seita. É porque é privatista e contrário à política de socialização; ao menos por ora.

  2. O Papa está farto agora de se deixar utilizar pelo governo argentino? Mas no tempo de Kirchner, em que não foram poucas as vezes em que isso ocorreu, com reiteradas visitas e sorrisinhos, não demonstrava estar tão farto. Não é possível que em todo aquele tempo não soubesse que estava sendo usado. Agora, com Macri, em uma única visita, já está farto. É, no mínimo, estranho.
    Por outro lado, e isso vale também para um possível descontentamento também com Kirchner, sempre me espantou o pouco caso que o Papa faz de visitar sua terra natal. Entra-se já, neste mês, no quarto ano de pontificado e, até o momento, nem menção.
    João Paulo II, logo que eleito, foi logo para a Polônia, fazendo aquele memorável discurso que abalou o regime comunista. Bento XVI, embora menos ligação tivesse com a pátria por ter estado a serviço da Cúria por tantos anos, graças à JMJ, foi logo para a Alemanha também.
    Dá impressão de que o Papa não quer confrontar-se diretamente com os argentinos. Talvez se visse obrigado a tomar posições sobre certos temas, sobre uma realidade que conhece muito bem e que sabem que ele conhece. Receará talvez que um profeta não seja bem aceito em sua pátria?

  3. Nenhum dos dois se salva: um por estar errado nos princípios, o outro, por incoerência.

  4. Ao que parece, o papa Francisco teria uma atenção particularizada mais direcionada aos bolivarianos, enquanto o presidente Macri tenderia à direita, e não teria dado a devida atenção a ele, apesar de em certos pontos Macri compartilhar da agenda da esquerda, como na adoção do relativismo, constante nos procedimentos acima; de qualquer forma, era desafeto de Cristina Kirchner, a vermelha da Argentina, que mantinha excelentes relações com o papa Francisco.
    O que sabemos é que depois de mais de 50 anos de massiva doutrinação ideológica nas Américas, difícil saber quem não se deixou por ela se contaminar – Macri não escapou a ela, se até mesmo não poucos eclesiásticos se subverter – quer por ignorancia ou conivencia mais parecendo ser por essa, tornando-se dentre os promotores do marxismo nas Américas, por não o combater ostensivamente, permitindo que a sociedade de tradição católica fosse chantageada pelos engodos do material-ateísmo das hienas comunistas.
    Macri também andou dando mostras de nada ser afinado ás esquerdas, de gentalha da laia de Maduro – com quem trocou farpas tempos atrás e são praticamente desafetos – incluindo-se o cocaleiro Evo Morales e mais golpistas da A Latina, e que pareceriam ser bem sintonizados com o papa Francisco!
    Oportunamente, apenas com o Brasil poderia confrontar na hora certa; certamente, não é nada simpático ao sinistro lulopetismo – desgraça que afeta o Brasil, ética-moral-religiosa e financeiramente e que se está no poder, declarado por eles mesmos que, sem velado e ostensivo apoios dos religiosos, seria impossível chegarem ao poder!

  5. “o Pontífice quer ter uma relação mais profissional como Chefe de Estado”
    conversa fiada, ele se derreteu com Fidel, Evo e Cristina, notadamente, comunistas e simpatizantes

  6. Ao menos desta vez não ofereceram uma “virgen desatanudos”.

  7. A impressão que se temdas fotos acima do papa Francisco bastante serio e distante do presidente argentino Macri , de um encontro de apenas 22 minutos insignificantes, logo de 2 compatriotas de alto nível, poderia dar uma ideia de nada serem simpáticos um ao outro, levando-se em conta que noutros tempos não eram nada afinados.
    A impressão das fotos é de um mero encontro pro forma; quanto mais rápido possível falassem o que deviam seria o melhor!
    E tchau!.

  8. Talvez se o Macri tivesse levado um crucifixo com uma foice e um martelo como o cocaleiro fez o Francisco abriria aquele sorrisão.

  9. Prisão de ativista argentina acende tensão entre Macri e papa Francisco
    A Igreja Católica teme que Mauricio Macri e seus aliados políticos possam estar determinados a acabar com os movimentos sociais na Argentina
    A prisão de uma ativista argentina por corrupção tem gerado tensão entre o novo presidente da Argentina, Mauricio Macri, e o papa Francisco. Milagro Sala é a comandante da Túpac Amaru, organização que oferece assistência a famílias necessitadas na província de Jujuy, no norte do país, e foi detida no mês passado por acusações de fraude, extorsão e associações ilícitas.
    O papa, que já foi arcebispo de Buenos Aires, é um grande defensor dos movimentos sociais argentinos, associações de trabalhadores desempregados, ativistas dos direitos humanos e ambientais. A prisão de Milagro causou preocupação entre membros da Igreja Católica argentina, que acreditam que Macri e seus aliados políticos possam estar determinados a acabar com esses movimentos sociais, presentes principalmente nas províncias mais pobres do país.
    “Temos de tomar cuidado para não escorregar no que Francisco chama de ‘xenofobia sutil’ sob o disfarce da nobre batalha contra a corrupção”, escreveu Dom Jorge Lozano, um dos líderes argentinos da Igreja Católica, em uma coluna no jornal La Nación. O bispo se ofereceu para mediar com o governo a libertação de Milagro. O caso da ativista argentina presa também deve ser um dos tópicos abordados na visita de Mauricio Macri a Roma, marcada para o dia 27 de fevereiro.
    Nenhum outro ativista argentino ganhou tanto destaque durante os governos de Cristina Kirchner como Milagro. Sob a sua liderança, a associação Túpac Amaru cresceu e hoje possui um orçamento equivalente a 196 milhões de reais e uma frota de 40 veículos. Com subsídios do governo de Cristina, a organização de Milagro distribuiu moradias para os quase 70.000 membros da Túpac Amaru – quase todos indígenas – e empregou cerca de 5.000 trabalhadores em uma província de somente 673.000 pessoas.
    Entretanto, a associação também já foi acusada de utilizar táticas violentas na sua luta pelos direitos dos cidadãos de Jujuy. As alegações incluem a morte de uma menina de cinco anos de idade em um tiroteio envolvendo membros da Túpac Amaru, tráfico de drogas e ataques violentos contra um juiz, um jornal e delegacias de polícia.
    Com o fim do governo de Cristina e o corte dos subsídios fornecidos pelo seu governo, a Túpac Amaru organizou uma longa ocupação do lado de fora do palácio do governo de Jujuy. Os protestos incomodaram o novo governo da província, e Milagro foi presa em 16 de janeiro. A ocupação inicial foi cancelada e transferida para a capital Buenos Aires. Os apoiadores da causa instalaram tendas na Plaza de Mayo, em frente ao gabinete presidencial de Macri.
    Milagro Sala chegou a conhecer o papa Francisco, quando o pontífice, então conhecido como Jorge Bergoglio, visitou as regiões em que a associação Túpac Amaru atua. A ativista também visitou Francisco em Roma, em 2014, e recebeu de presente uma imagem da Virgem Maria como agradecimento por seu trabalho na Argentina.
    (Da redação)

    http://veja.abril.com.br/noticia/mundo/prisao-de-ativista-argentina-acende-tensao-entre-macri-e-papa-francisco

    La lujosa vida de Milagro Sala
    AUTOS Y CASAS
    La familia de Milagro sala cuentaCON tres autosCON un valor que ronda, cada uno, los 20 mil dólares. También tienen una casa de tres plantas y pileta.
    Milagro Sala es una dirigente kirchnerista que siempre habló de pobreza y que manejó cientos de planes sociales en la provincia de Jujuy.
    Pero sus palabras parecen haber sido muy distintas de su práctica y de algunos gustos lujosos que ella y su familia se dieron: tanto la dirigente de la Tupac Amaru como sus dos hijos, son dueños cada uno de un vehículo de más de 20 mil dólares. Además, Sala tiene una propiedad de tres plantas y pileta en el barrio Cuyaya, en San Salvador de Jujuy.

    “Lo compré apenas salió. Mi hermana también lo tiene. Yo laburo en dos radios FM. Ahorré plata trabajando, hice en un montón de cosas. Antes de todo esto, éramos vendedores ambulantes, fueron como ocho años trabajando”. Así justificó Sergio Chorolque, uno de los hijos de Milagro Sala, la procedencia de los dos Fiat 500 que tienen ella y su hermana. Este modelo de la automotriz italiana tiene un costo en el mercado local de entre 215 mil y 270 mil pesos.
    Según se dió a conocer la semana pasada, la líder de la Tupac Amaru también cuenta con su propio vehículo, un automóvil eléctrico valuado en 28 mil dólares. En diálogo con radio Radio La Red, el marido de Sala, Raúl Noro dijo que “el Smart se los regalaron 12 personas agradecidas a Milagro”. Y agregó que “hay que comprobar que todas las acusaciones contra mi esposa. Aún no se ha comprobado nada”.
    Por otro lado, ayer se dieron a conocer imágenes de la casa donde vive la familia de la dirigente. La propiedad, a la que pudo acceder por fuera el canal TN a través de un dron, cuentaCON un inmenso patio, tres plantas, pileta y un tobogán de agua. Está ubicada en la calle Gordaliza al 1771, en el barrio Cuyaya, San Salvador de Jujuy.

    Esa misma casa fue la que la semana pasada allanó la policía jujeña, en el marco de un expediente en el que se investiga a Sala por presunto mal manejo de fondos asignados por el Estado provincial.

    http://www.clarin.com/politica/lujosa-vida-Milagro-Sala_0_1515448737.html

  10. Vulpinas faces, ambas.