As memórias do coroinha Jorge Mario Bergoglio.

Por Rorate Caeli | Tradução: Gercione Lima – FratresInUnum.com: Um livro infantil intitulado “Caro Papa Francisco” está pra ser lançado em 1 de março.

Enquanto, sem dúvida, haverá muito para ser analisado assim que for publicado, um trecho desse livro já foi compartilhado conosco e muito nos chamou atenção. E – como é típico com este Pontificado – não com uma boa impressão.

Papa Francisco, como se poderia supor, serviu a missa tradicional em latim quando era ainda um menino. Se você quer saber por que a Tradição da Igreja nunca atraiu o jovem Jorge Bergoglio, talvez esta explicação perturbadora nos diga o porquê:

Caro Papa Francisco

Alguma vez você ficou ao lado do sacerdote servindo como coroinha?

Saudações de Alessio ( Itália, 9 anos de idade)

Caro Alessio, sim, eu já fui coroinha. E você? Qual papel você desempenha entre os coroinhas? Agora é bem fácil, você deve saber. Você precisa saber que quando eu era menino a Missa era celebrada bem diferente do que é hoje. Naqueles tempos, o padre ficava de frente para o altar, que era bem encostado na parede, e não de frente para o povo. Então o livro que ele usava pra celebrar a Missa, o missal, era colocado do lado direito do altar. Mas antes da leitura do Evangelho tinha sempre que ser movido para o lado esquerdo. Aquele era o meu trabalho: carregá-lo da direita para a esquerda e da esquerda para a direita. Era exaustivo! Eu o carregava com toda a minha energia, mas eu não era muito forte. Uma vez enquanto carregava eu o deixei cair, então o padre teve que me ajudar. Algum trabalho eu fiz! A missa não era em italiano naquele tempo. O padre falava mas eu não entendia nada do que ele dizia e nem meus amigos. Assim, no espírito de gozação, nós ficávamos arremedando o padre, fazendo trocadilhos com as palavras para elas ficarem parecidas com palavras esquisitas em espanhol. Nós nos divertíamos e realmente curtimos servir a Missa.

Anúncios
Tags:

44 Comentários to “As memórias do coroinha Jorge Mario Bergoglio.”

  1. Que exemplo para os coroinhas e acólitos… E “acólitas”…

    Que delícia esta igreja pós-conciliar…

  2. Quanta piedade a dele! Já não sabia o que era a missa desde aquele tempo…

  3. A pouca piedade, na mais tenra idade, é lamentável.

    Mas nesse ponto eu tenho que dar uma colher de chá para ele pois ele citou um período da infância. Criança pensa assim mesmo.

  4. Gozação? Com um padre a celebrar a Santa Missa? Com todo o respeito, merecia uma surra, isto sim.

  5. Triste e ridículo sem dúvida, mas o depoimento do desajuizado velhote argentino que hoje ocupa o Trono de São Pedro demonstra uma realidade do tempo pré-conciliar: a Missa e a liturgia antigas impregnavam muito a vida do povo, nos seus mais miúdos aspectos, os comuns e rudes conheciam tanto os dizeres latinos da Missa que até PIADAS (sem maldade) faziam dela. Sei disso por minha família (e se a família é italiana, a coisa piora!), ao Dominus vobiscum, um velho tio dizia: “barriga cheia não corre riscum

    Compare-se no entanto a religiosidade de outrora com a de agora, na liturgia vernácula dos requebros e tambores. Nenhum Costinha ou Ary Toledo vence na irreverência um sacerdote efeminado que sai sambando com o Santíssimo Sacramento, ou uma piedosa mocinha do “ministério de música” que sussurra canções sensuais com falsete de aeromoça.

    Senhor Bergoglio, o senhor transformou a Igreja numa piada. E sem graça.

  6. Este espírito de gozação,diversão e curtição vem de longe…anos 60.

  7. Clearnes de plantão….Cadê vocês??

  8. Se este é o pecado que um coroinha comete na Santa Missa de sempre Tridentina, imagine o que os coroinhas cometem na missa nova.

  9. Apenas vulgar.

  10. Valha-me Deus!
    Pois o meu caçulinha sabe responder a missa toda em latim e acolita com toda a piedade do mundo. Eu, hein?

  11. Quem é o pai do espírito zombeteiro e irreverência ? Alguém sabe?

  12. Com todo respeito que devo ao Bispo de Roma…Mas é muito bobo… Fazer piada com o Coração da Fé Católica…Ele quer chamar a atenção de qualquer maneira…Mesmo caindo no ridículo…A que ponto chegou o Bispo que ocupa a Sede de Pedro hoje…

  13. Surreal… Simplesmente surreal….

    Este homem desacredita a própria Igreja que representa! Não bastava a des-sacralização que a Igreja enfrenta (sacralidade em parte como que restaurada, pelo menos liturgicamente, por Bento XVI), ainda temos de ouvir este desabafo (triste) de um Pontífice.

    É certo que eram pensamentos de crianças. Também fui acólito e todos nós brincávamos, às vezes mesmo na Missa (Novo Rito, claro). Faz parte, mas todos tínhamos o sentido do Mistério Sagrado que ali estava a acontecer.

    Ainda que fosse esse o pensamento infantil e postura de criança, é bobo demais o papa admitir isto, publicamente, na posição em que está! “Nós nos divertíamos (!!) Na gozação (!!). Já para não falar no “leve” tom de ironizar e diminuir o Rito Antigo.

    Mais uma oportunidade perdida para estar calado. Uma entre tantas.

  14. Isto é vergonhoso, não cabe ao bispo de Roma fazer este tipo de comentário que faz pouco caso de um rito da Igreja. Ele como Papa deveria ter mais cuidado com o que fala, ele tem que lembra que ele não é mais o bispo la da arquidiocese de Buenos Aires e o que ele falava não tinha uma repercussão tao grande e grave.

    Sei que ele era só uma criança e mas agora ele é adulto e teria que medir mais as suas palavras. E a piedade começa desde pequeno, tiramos por São Tarcísio. Como bispo de Roma ele deveria medir melhor sua palavras.

    Isto é vergonhoso para qualquer pessoa quem dirá para o um Sumo Pontifício.

    Rezemos pelos nosso santo Padre.

  15. A uma semelhante carta que teria respondido o Padre Pio? É fácil de adivinhar.
    Fico pensando na impressão que a resposta do papa tenha deixado no espírito daquela pobre criança de 9 anos… Que ótima oportunidade de despertar quem sabe uma vocação sacerdotal? Quem sabe aquela criança estivesse esperando um pão de seu papa (Pai) e recebeu… pedra de tropeço. Torcemos para que Alessio tenha reparado só a intenção do papa em fazer graça e deixá-lo alegre.

  16. … Nós nos divertíamos e realmente curtimos servir a Missa…
    Será que esse curtir corresponderia ao nosso aqui “curto” Madonna, o Iron Maiden, as sexo-novelas da Globo, os Rock in Rio, Fidel Castro, Putin, Kiril e suas ideologias…
    Vindice e Nubius também tinham suas “curtições”…

  17. É sério isso aqui? Ele falou mesmo assim? Poderia ter complementado com um sincero arrependimento para fechar sua resposta. Zombava da Missa antiga e depois de idoso continua zombando pelo visto.

  18. Bom, sabemos que ele já carregou o Livro para a esquerda… Agora rezo para alguém traze-lo de volta no Altar.

  19. Sério que vocês acreditaram nisso? kkkkkkkkkkkkk
    Depois que esse “livro” for lançado, veremos se este trecho estará lá. Salve Maria.

  20. Santíssimo Sacramento, o Papa disse isso mesmo? Se é verdade, será uma confissão daquilo que já havíamos percebido: Francisco é teologicamente paupérrimo e tem uma formação deficiente na Sagrada Doutrina. Pelo jeito, isso vem de longe. Esse Papa é de fazer chorar, Santo Deus!!

  21. Caro Fabrício, o onus da prova cabe a quem acusa. Se a pessoa é acusada de algo, quem acusou é que prova. Nesse caso você nos acusa de ter acreditado em algo que não existe. Só que existe sim…o livro foi lançado no dia 1 de março e está disponível na Amazon pra quem quiser encomendar e LER:

    http://www.amazon.ca/Dear-Pope-Francis-Answers-Children/dp/0829444335/ref=sr_1_2?tag=ca-skim0x1342-20&ie=UTF8&qid=1456972862&sr=8-2&keywords=9780829440997%7c9780829441000%7c9780829444339%7c9780829444353

    Você também pode comprar a edição em espanhol pela Editora Loyola dos Jesuitas:

    http://www.loyolapress.com/querido-papa-francisco-recursos.htm

    Que tal comprar um exemplar, ler e nos brindar com outras pérolas bergoglianas? Antes de dizer que algo não é verdade, pelo menos se dê ao trabalho de checar as fontes ao invés de vir aqui com o mesmo espírito zombeteiro.

    • Cara Gercione, nesses mesmos Jesuitas, o Fabrício poderá encontrar todos os livros do “bispo” Macedo… mesmo eu já tendo reclamado com a Editora, o dinheiro deve ser mais importante da Ad Maiorem Dei Gloriam!

  22. Esses comentários vulgares me deixaram profundamente indignada porque se tem algo durante a missa que também me comove profundamente é a piedade de nossos coroinhas. É ver como neles abunda o Dom da Piedade mesmo antes de terem recebido o Sacramento da Confirmação. São meninos de 7 anos de idade que mal acabaram de receber a Primeira Comunhão e eu nunca vi em nenhum deles, nenhum gesto de zombaria, de gracinha no altar, muito pelo contrário!

  23. Caçoar da Igreja é um dos vícios do clero decadente do Vaticano II.

    Lembro de meu pároco, um sacramentino metido a ecumenista, debochando do Stabat Mater ao “cantá-lo” com numa conhecida melodia de Tantum Ergo:

    “dumpedéeeba, dumpendéeeba, dumpendéeeba”

    Ele repetia isso com gozo infernal e gargalhava (sozinho).

    Ele fumava no salão paroquial da igreja, onde se celebrava da Missa, logo depois da Missa… Um dia, eu era menino ainda, fui escondido no tal salão e espatifei os cinzeiros no chão. O pároco colecionava mitras no seu armário de presunções e também criava salamandras. Não conseguiu destruir minha fé. Até hoje consigo ouvi-lo troçando do verso:

    “Dum pendebat Filius”.

    Um prelado meu amigo, falecido, dizia que debochar dos costumes da Igreja era tática comum, por exemplo, na CRB dos anos 1960. Alguém vinha, soltava uma piadinha grosseira desse naipe, e as pessoas (padres, freiras) se calavam pra não parecerem “carolas”.

    Desconfio que a carta do artigo em epígrafe é fake. Esperemos Padre Lombardi desmentir. Ou nem isso.

  24. O Iesu dulcis, o Iesu pie, o Iesu fili Mariae.

  25. Por isso que tradicionalistas nunca serão levados a sério.
    Os caras são tão mal humorados que não conseguem ver a pureza e sinceridade numa criança.
    Também pudera, o livro de cabeceira dos ditos tradicionalistas nunca foi, nem será o Evangelho; talvez por isso sejam tão pesados…

    Obs.: publique se quiser, de toda forma você editor lerá isto. Certamente ficará irado, mas isto é apenas uma outra forma de agir dos tradicionalistas: estar sempre intolerante; e pior, dizer que assim está em nome de Deus!

    • Nossa… Estou tão irado…

    • É mesmo, Seu Machado?
      Que beleza essa sua teoria da pureza!
      E o que o senhor acha das “criancinhas” de oito, nove anos, correndo e gritando nos corredores das paróquias, enquanto o padre celebra a missa? Acha isso muito puro e singelo, é?
      Pois pra mim, isso se chama teoria dos pais molengões, que não sabem que um pouco de disciplina, educação e respeito fazem muito bem pra alma de uma criança.

    • Continue sendo politicamente correto, sr, Paulo; o sr. tem todas as qualidades e merece! É filiado à TL e devoto da CNBB?

    • A pureza e a sinceridade da criança eu consigo ver. No Alessio.

  26. Enfim, um pouco de lucidez!!! Obrigado por publicarem a resposta do Paulo Machado!

    Sem dúvida é aqui q mora os “cristãos com cara de vinagre”!

    • Ok. Nós também nunca levamos a sério a vcs, pseudo católicos do pastelão “Vaticano Dois, a desgraça”. Aliás, o fato mesmo de Vcs não se tocarem com mais essa bergogliada, mostra bem a que nível (baixo) está algo que se chama “piedade” para com as coisas de Deus nosso Senhor. Essa piedade era observada até pelos pagãos no culto aos seus falsos deuses. Pelo jeito, Vcs estão aquém deles nesse quesito mínimo da vida religiosa. Parabéns…

  27. “…no espírito de gozação, nós ficávamos arremedando o padre, fazendo trocadilhos com as palavras para elas ficarem parecidas com palavras esquisitas em espanhol. Nós nos divertíamos e realmente curtimos servir a Missa.”
    Como era comovente a devoção do jovem Bergoglio pela Missa…

  28. É uma chacota com a coisa mais sagrada que existe, a Santa Missa.

    Primeiro, ele critica indiretamente a Missa de Sempre por ser, como deve ser, Versus Deum.

    Depois, critica indiretamente também um gesto litúrgico da Missa de Sempre, o de mudar um livro sagrado da esquerda para a direita, como se fosse algo pouco significante e sem sentido.

    Na sequência, critica indiretamente o fato da Missa ser em latim, novamente como se isto não tivesse importância e valor sacro.

    Por último, ensina as crianças que “servir” como acólito é se “divertir” com zombarias naquele momento mais solene de todas as celebrações litúrgicas que existem.

    Isso é diabólico!

  29. Acredito que a declaração do papa não deve ser necessariamente vista como um ataque aos tradicionalistas. Ao contrário, Francisco parece ter tido uma boa intenção: mostrar proximidade com as crianças através do bom humor. Porém, por mais que essa interpretação faça sentido, a declaração continua sendo perturbadora ao meu ver por não terminar com o progresso no entendimento do sacrifício da missa que o pontífice obteve com seu amadurecimento. Em outras palavras, com todo respeito ao papa, essa resposta me pareceu ser uma história para crianças sem uma lição de moral no final.

  30. Sr. Paulo Machado e Sr. Bernardo.
    Há um grande equívoco no entendimento dos senhores. O texto não pode ser atribuído a uma criança, advindo de sua inocência, mas é nada mais, nada menos, uma declaração do Papa. Foi escrito (e parece que realmente é documento autêntico) por um ancião. Ademais, devido a altíssima posição que goza, certas posições são inconvenientes. Não é adequado, e muito menos inocente, o chefe da Igreja fazer gozações de ritual sublime mesmo que vetusto.
    Se o comentário fosse do indivíduo Bergoglio até seria tolerado, mas como Francisco I sua fala é de toda inadequada.
    Aí está o erro. Francisco costuma falar como se fosse o Bergoglio pontificando. Ora, o povo católico não quer saber dos comentários de Bergoglio. Quer saber o que ele tem para falar enquanto Francisco I.
    Embora não veja na declaração erro tal que violasse a doutrina, vejo, por outro lado, uma manifestação vulgar que está tornando-se frequente. Os senhores concordam que um papa não pode portar-se vulgarmente?
    O fato de ter origem popular, ou querer parecer do povo, não induz comportar-se com vulgaridade. Dom Luciano de Almeida era um bispo modernista. Pelo que eu sei não tinha origem aristocrática, mas não descambava para o vulgar. O mesmo se pode falar de Dom Scherer.
    São Pio X tinha origem popular, mas sempre soube comportar-se dignamente como papa.
    Por fim, indago: Qual seria a posição da opinião pública se o principal executivo da Disney debochasse dos desenhos originais de Walt Disney para destacar as novas realizações do estúdio?

    • Watchman,

      D. Luciano Mendes de Almeida era aristocrata de quatro costados. Realmente, nunca conseguiu ser vulgar, apesar de suas ideias funestas enquanto expoente da imbecil e *germânica* TL. Embora possa parecer falta de caridade, quando D. Luciano sofreu um acidente de carro, um velho padre dos tempos de D. Duarte me disse, como quem sabia muito e falava pouco: “digitus Dei”.

  31. Meus amigos quando lemos essas notícias, que infelizmente não são as primeiras e nem serão as últimas, é normal o sentimento de indignação, porque ” zelus domus tuae comedit me”. Mas passada a indignação é preciso saber o que Nosso Senhor espera de nós diante desses sacrilégios.
    Don Dolindo Ruotolo em sua obra “Chi morrà, vedrà… il Purgatorio e il Paradiso” conta inúmeros relatos de manifestações das almas do Purgatório e em um dos capítulos ele descreve as visões de Santa Francesca Romana:

    “Santa Francesca Romana teve uma visão do Purgatório dividido em três partes distintas: na região superior estão as almas que sofrem a dor única da perda, isto é, a privação da visão de Deus, ou alguma pena menor e de curta duração, para torná-la apta a gozar a visão de Deus. Na região média, onde a Santa viu escrito: Purgatório, estavam as almas que cometeram pecados leves, ou que deveríamos, acrescentamos nós, libertar-se das penas de pecados mortais perdoados quanto à culpa. No fundo do abismo, e na proximidade do Inferno, ela viu a terceira região, ou seja, o lugar mais baixo do Purgatório, todo cheio de um fogo claro e penetrante, diferente daquele do inferno que é escuro e sombrio. Esta terceira região ela viu dividida em três compartimentos, onde as penas vão gradualmente aumentando, segundo o grau de responsabilidade das almas e do grau de glória e felicidade a qual devem atingir; o primeiro é reservado para os leigos, o segundo para os clérigos não ordenados in sacris; o terceiro para os sacerdotes e bispos. Deve-se considerar que este terceiro compartimento tem um lugar ínfimo ainda reservado para Religiosos e Religiosas, que, tendo tido maiores meios de santificação e mais a iluminação de Deus, têm uma responsabilidade maior por seus pecados, e, portanto, uma maior necessidade de expiação.
    Tanto os sacerdotes como os religiosos, chamados ao mais alto grau de santidade, devem alcançar um elevado estado de glória, e por isso eles precisam de uma purificação especial, o que torna o seu estado mais doloroso. Sua purificação portanto não é um ato de severa vingança de Deus, mas é um concurso de amor. É um fato que a maioria das manifestações do sofrimento das almas do Purgatório em grande dor é justamente dada por sacerdotes e almas religiosas. E faz sentido pois assim como é lógico que aqueles destinados a uma classe superior de estudos ou arte, devem ter uma preparação mais profunda e cuidadosa, igualmente os religiosos destinados a uma maior glória passam por uma pena mais profunda e prolongada”.

    O Santo Cura D’Ars também conta em seu sermão “Eu venho em nome de Deus”, que São Severino, Arcebispo de Colônia, apareceu a um de seus amigos muito tempo depois de sua morte e disse-lhe que ele havia passado um longo tempo no Purgatório por ter adiado pra de noite, as orações do breviário que ele devia ter recitado pela manhã.
    Então pensem agora na gravidade que é um religioso, sacerdote, Bispo ou Papa caçoar da Igreja e de seus Santos Mistérios!
    Temos que redobrar nossas orações por eles! Aproveitemos pois o resto da Quaresma para beber junto com Jesus do mesmo vinagre que lhe ofereceram enquanto padecia na cruz. Temos que ser sim cristãos com “cara de vinagre”, porque foi o que deram a Jesus quando Ele disse “tenho sede”. Essa é a hora da Paixão da Igreja.
    Temos que rezar também por pessoas como o Sr. Paulo Machado e Sr. Bernardo. Ambos trazem os nomes de grandes e combativos Santos: São Paulo e São Bernardo! Por algum motivo seus pais deram-lhes esses nomes! Talvez tenham recebido na infância uma educação religiosa tradicional, à qual infelizmente se tornaram infiéis.
    Lembrem-se que o modernismo transformou muitas almas Católicas em terrenos áridos e inúteis, mas assim como um campo não irrigado muitas vezes se apresenta viçoso porque no subsolo corre um lençol de água vivificante sem que ninguém o saiba, do mesmo modo muitos dos que chegam a esse blog, mesmo esperneando como a criança diante da agulha da vacina, mais cedo ou mais tarde acabam se convencendo da verdade. Rezemos por eles!

  32. Segundo consta, o papa Francisco tinha intenção de ser açougueiro quando criança e achava interessante o retalhar das carnes e outros mais do oficio…
    Acho que algo como esse fato deveria ter sido omitido por prudencia para não desmerecer a fé, ainda que tivesse feito isso: prudencia e caldo de galinha não fazem mal a ninguém!

  33. “Espírito de gozação”, “arremedando o padre”?? Pelo pouco que eu sei estes tipos de atitudes tem relação com entidades diabólicas, ainda mais na hora da Santa Missa!

  34. Não sei o que me deixa mais perplexo… Esta publicação papal ou o anestesiamento (conformismo) de tantos católicos diante de tamanho absurdo, inimaginável vindo de um Papa. Parece que reina uma falta de sobriedade geral nessas pessoas que não conseguem ver nada de errado neste pontificado, nem mesmo com esta corrupção infantil sacrílega de Bergoglio… A zombaria tem o agravante de ser ensinada às crianças. Repito: isto é diabólico… Inimaginável. Estarrecedor! Aonde iremos parar? Daqui a pouco está todo mundo fazendo adoração ao diabo e achando normal, alegando que Deus quer a misericórdia e estar a nos usar para dialogar com o satanás, dando às mãos para ele rumo ao Céu, pois a esta altura já nem existirá inferno… O que está acontecendo é uma tentativa de subversão total do catolicismo.

  35. Meu filho serviu como coroinha dos 9 aos 16 anos sempre com seriedade e respeito. lembro uma vez do espanto que sofreram, ele e os demais, quando um padre durante a consagração se referiu a hóstia magna, em tom zombeteiro, chamando-a de “bolachão”. Lamentável.