Das conversas com Frei Betto.

Por Hermes Rodrigues Nery | FratresInUnum.com

Em 1996, enquanto percorria um dos corredores da PUC-SP, vi um cartaz que anunciava um curso de grego, no convento dos dominicanos, na rua Atibaia, próximo dali. Eu não tinha suficiente informação, na época, para saber a história daquele convento (um reduto esquerdista, ninho dos TLs, onde residia Frei Betto), e inscrevi-me no curso, tendo sido, por alguns meses, aluno da Ir. Sônia de Fátima Battagin, que depois viajou como missionária para o Gabão.

99099c1c-ab73-4053-af4c-fbc6f617444a

Eram duas aulas no mesmo dia, uma no começo e outra no final da manhã, ficando, portanto com um intervalo de quase uma hora e meia, em que eu ficava aguardando na biblioteca do convento. Foi lá que tomei contato, mais profundamente, com toda a literatura marxista que já grassava dentro da Igreja, nos seminários, faculdades, etc., teses de doutorado e mestrado, as obras de Gustavo Gutierrez, Joseph Comblin, Leonardo Boff et caterva.

Enquanto lia aquilo tudo, com uma certa tristeza, constatava que não tinha nada a ver com o Catecismo da Igreja Católica, era um outro conteúdo, uma deturpação, uma corrosão e um desvio de doutrina, com todos os reducionismos e equívocos que fariam da ideologização da fé um dos piores efeitos da Teologia da Libertação e do relativismo.

Como frequentei a biblioteca por alguns meses, nos intervalos das aulas de grego, Frei Betto passava por lá, conversava com quem lá estava, trocava ideias, e, em alguns momentos, conversamos sobre toda aquela literatura, a crise da Igreja pós Vaticano II, sendo ele um ardoroso defensor da democratização da Igreja, do sacerdócio feminino, do celibato opcional, etc. Ele então, de bom grado, aceitou que gravássemos as conversas, que eu pretendia transcrevê-las para estudo e publicação, com todos os questionamentos que eu desejava fazer, mesmo ainda sem ter grande conhecimento do quanto tudo aquilo destoava da sã doutrina católica.

Somente agora, vinte anos depois, revendo aquelas fitas, pude entender o que estava acontecendo, o que ocorreu nos anos 70-80-90 na vida da Igreja, especialmente no Brasil e na América Latina. E o que conversei com Frei Betto, nas conversas gravadas e informais, confirma que havia, sim, um projeto de poder regional (a Pátria Grande), como expressão do internacionalismo de esquerda, especialmente após a criação do Foro de São Paulo, em 1990. E o aparelhamento da Igreja foi fundamental para a expansão desse projeto de poder, com Lula como uma das lideranças-chaves desse projeto de poder, concebido para ser duradouro, um projeto totalitário, com a retórica da democracia como método revolucionário. O biógrafo de Lula estava tão convencido do sucesso desse projeto de poder pela capacidade de organização do PT e de sua extraordinária eficácia na captação de recursos e da mobilização das bases (das OnGs e movimentos criados para dar suporte ao PT), tudo isso possível pelo aparelhamento das instituições, da imprensa, dos meios acadêmicos, especialmente da Igreja. Disse-me que os movimentos populares (e também o PT) tinham muitos bispos e até cardeais trabalhando, em silêncio, nos bastidores, para a concretização do projeto de poder das esquerdas, dos movimentos populares, etc. E que esse aparelhamento fazia a força do PT, e o tornava quase que imbatível. E chegando ao poder (o que para ele era inevitável), fariam a revolução, dando poder aos conselhos populares, etc.

Mas o que mais me impressionou daquelas conversas, já, naquela época, foram duas convicções de Frei Betto, naquele distante ano de 1996:

  1. Eles fariam Lula Presidente da República, sem dúvida alguma, ele estava absolutamente convencido disso (estávamos ainda no primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso);
  2. Eles fariam um papa latino-americano.

E dentre os bispos que estavam trabalhando para isso, eles podiam contar com D. Cláudio Hummes, na época, arcebispo de Fortaleza.

Anúncios

25 Comentários to “Das conversas com Frei Betto.”

  1. Completamente coerente, e preciso o texto. Tudo o que está, realmente, acontecendo desde a assunção dos petralhas no poder… poder esse que eles não querem abandonar! Só sairão escorraçados!
    Mesmo assim, como sua militância é fiel e fanática, sangue pode correr!

  2. Professor Hermes, esse artigo terá continuação? Está muito bom, mas sinto que o sr. ainda tem muito a falar sobre este assunto…

  3. E tem gente que acha que não há um complot em curso no seio da Igreja… pasme!

  4. Caramba….que projeto de Poder. Que Deus nos Livre desses fanáticos esquerdistas.

  5. Bingo!!!
    Aliás, esse bingo não foi dado pelo último número acertado, foram todos os números da cartela eximiamente concatenados e estudados. Temos aí o resultado e como as coisas vão se encaixando.

  6. Parabéns, prof. Hermes!
    O povo cristão brasileiro perdeu muito em não elegê-lo Deputado Federal (por São Paulo). Preferiram os palhaços Tiririca, os corruptos Petistas e o Maluf.

    Pois bem…

    A guerra é espiritual.
    Portanto, nossas armas tb serão espirituais: terço, confissões, orações, jejuns, penitências, missas, bíblia… resumindo: são as pedrinhas de David contra o Gigante Golias.

    Estamos vivendo os Sinais dos Tempos:
    – abominação da desolação: fim da eucaristia);
    – Pestes (AIDS, Câncer, Zika, Dengue….)
    – Sinais de guerra (Coréia, China, Oriente Médio, Europa, Paquistão/Índia…).
    – Fome, seca, enchente;
    – Terremotos…

    Que Deus não nos puna na mesma proporção de nossas faltas, diz o Salmista.

    É a hora dos mártires!

    Se Deus é por nós, quem será contra nós (as Jararacas da vida, os PeTralhas, os Bettos, os Boffs?!?)

  7. Muito interessante o depoimento do Sr. Hermes.
    Só discordo de um ponto: que tudo o que o corifeu da TL, Frei Betto, discrepava do “Catecismo da Igreja Católica”. Que ele releia o novo catecismo, procure ver sua origem e verá que não passa de produto da nova teologia condenada por Pio XII na Humanae generis. Ainda que esta esteja nele citada só por tática.

  8. Haverá uma continuação do artigo Prof. Hermes?

  9. 13 de março…uma data infeliz para a Igreja Católica, nada a comemorar..

  10. Tive notícia também que a biblioteca dos dominicanos, outrora impecavelmente mantida por Da. Hercília, contava, como habitué, com a presença de Rveda. Madre Betina de Castro Havana que começou frequentá-la ainda nos tempos de Padre Lebré, em 1934. Betina, que militou no MR8 x 3 sem nunca abrir mão do Terraço Itália, participa, hoje, dos coletivos prafrentex “meu corpo minhas regras” e “celibato na sauninha”. Frustrada, sonha com a Pátria que não pariu.

  11. Essa certamente é a fumaça de Satanás que penetrou por uma brecha na Igreja da qual falou o Papa Beato Paulo VI

  12. Não saiu nada na imprensa, até agora, que nos desse uma visão clara dos acontecimentos escandalosos que tem se sucedido desde a eleição do Papa Francisco. Este artigo é *chave*! É o artigo mais importante sobre o atual pontificado a sair na imprensa mundial.

  13. Papa Paulo VI que contribuiu, e em muito, com a penetração da fumaça de Satanás na Igreja. Esta fumaça entrou com a Nova Missa, cujo o grande obreiro da mesma foi precisamente Paulo VI.

  14. Pergunto:
    Irá publicar ,trancrito ou em áudio,essas gravações?
    Leonardo Boff realmente foi excomungado por Bento XVI?
    Qual é a real situação de Frei Beto na Igreja? É ou foi sacerdote? Foi excomungado e por quem?Pax et Bono.

  15. Olhe que está ao lado na data infeliz, mais do que INFELIZ de março de 2013 na sacada de São Pedro…
    Bergóglio????
    Papa legítimo…Sem dúvida…Mas, vários Papas também legítimos foram verdadeiros Judas Iscariotes no passado…
    Nunca engoli nem engolirei os engôdos de Bergóglio, jamais…
    Um Papa que a torto e a direito precisa de um intérprete para tentar, para os tontos, tapar o sol com a peneira e dizer que ele não disse o que em verdade DISSE…Só louco pra cai na dele…

    DATA MAIS QUE INFELIZ PRA IGREJA: MARÇO DE 2013…

    Uma promessa ainda não cumprida: “POR FIM MEU IMACULADO CORAÇÃO TRIUNFARÁ”!!!!!!

  16. O que sucedia acima nos tempos das aulas do exemplar católico prof Hermes, contatos com o frei Betto e literatura esquerdista, mais longinquamente eram a concretização de planos em estagios mais avançados aos que se propusera a maçonaria nos anos 1820 adiante, planejados pelos famosos Vindice e Nubius, num processo lento, gradativo e empreendido com toda sutileza e tenacidade para implantação; afinal, os patrocinadores oficiais dos futuros acontecimentos via maçonaria eram os membros da Sinagoga de Satanás, coadjuvados por asseclas seus infiltrados dentro da Igreja, que começaram a se despontar mais intensamente e se apresentaram ostensivos a partir do Vaticano II adiante.
    O próprio Papa Paulo VI em suas recorrentes lamentações de os inimigos terem se aproveitado desse concilio para se imporem, reclamou que ele e mais teriam sido frágeis como oposicionistas; o caso Bugnini e associados, assim como outros movimentos incipientes heterodoxos, como a embrionaria TL, deve ter-lhe causado grandes impactos!
    Mais no campo das realizações, como aqui no Brasil, o próprio Lula e outros destacados comunistas daqui, comparsas desse esquema, já declararam sem meias palavras: sem ajuda da “Igreja católica”, o PT não teria alcançado o poder, e esse partido comunista conta hoje com varios subservientes, desde cardeais, bispos a inúmeros comunistas sacerdotes, como os apoiadores da vermelha TL, os da idem CNBB, dessa os silentes em os denunciar – assim como os vários “religiosos” infiltrados mais diretamente em “movimentos sociais” = (milícias comunistas) e em outros partidos comunistas nas mesmas direções de subverterem as pessoas!
    Os próprios marxistas reconhecem que são tangidos por forças ocultas que os impulsionam a serem diabólicos na consecução de suas perfidias:
    “O Estado não funciona. Como funciona? O carro não obedece: o homem está ao volante, mas parece não dirigir, o carro não corre na direção desejada – ele avança conforme o desejo de outras forças” – Lênin.
    Ainda bem que N Senhora do B Sucesso já no-los previu:
    “Campearão os vícios da impureza, a blasfemia e o sacrilégio naquele tempo de depravada desolação, calando-se que deveria falar. (II 17).

  17. Paulo VI estendia a mão para os comunistas, e então teve uma resposta:RESISTENCIA

    http://www.pliniocorreadeoliveira.info/MAN%20-%201974-04-08_Resistencia.htm#.VudVGhv2bgw

  18. Para quem quiser, existe o livro que Frei Betto escreveu sobre o que viveu durante o regime militar. Anos depois, o livro tornou-se filme: “Batismo de Sangue”. Já pensei em assistir só para ver como ele coloca essa parte da história e se dá mais dicas sobre o aparelhamento de setores da Igreja no Brasil em prol do projeto de poder da esquerda. Talvez o prof. Hermes tenha lido ou conheça este livro.

    Deus tenha piedade de nosso país.

  19. “Enquanto lia aquilo tudo, com uma certa tristeza, constatava que não tinha nada a ver com o Catecismo da Igreja Católica, era um outro conteúdo, uma deturpação, uma corrosão e um desvio de doutrina, com todos os reducionismos e equívocos que fariam da ideologização da fé um dos piores efeitos da Teologia da Libertação e do relativismo”. (Hermes Rodrigues Nery)

    É preciso que se entenda que um dos piores efeitos da Teologia da Libertação não foi a “ideologização da fé” na expressão mais conhecida do termo, mas sim o contrário! O pior efeito foi o que eles chamam de “desideologização da fé”. Dom Boaventura Kloppenburg explicou isso com muita propriedade em seu livro Igreja Popular:

    “Repetem à exaustão que a Igreja está e sempre esteve a serviço da burguesia, que ela é o instrumento dominador do povo nas mãos da burguesia nacional e internacional, que ela apresenta um cristianismo ligado ideologicamente ao sistema dominante e por isso mesmo ela foi infiel ao Evangelho, que perverteu sua missão. Porém a palavra- chave, aquela que diz tudo, de acordo com eles é “IDEOLOGIZAR”.
    A acusação mais constante é que a fé foi ideologizada. Por isso a tarefa mais importante ( e aqui entram as campanhas da fraternidade esvaziando a Quaresma) é “desideologizar a fé”. Portanto, a ação mais transcendental será promover a luta ideológica no próprio seio da Igreja ( e agora, contando com seu expoente máximo no vértice da Igreja).

    No vocabulário esquerdista, a palavra IDEOLOGIA se refere a tudo que distorce a realidade e ampara os interesses do opressor ou dos privilegiados. O próprio Gustavo Gutierrez explica ideologia como uma dissimulação da realidade, como um conhecimento não autêntico.
    Assim entendida pejorativamente, a palavra IDEOLOGIA é aplicada à fé, cunhando um termo que virou osso na boca dos cães da TL: “fé ideologizada”, a qual tem o sentido de uma fé inautêntica, porque não está a serviço dos pobres e oprimidos, seria uma fé enganosa porque legitima os interesses dos poderosos.
    O religioso ou clérigo de formação esquerdista tem verdadeira ojeriza ao que ele chama “fé ideologizada”. Do alto de sua pretensa superioridade moral e intelectual, ele considera todos aqueles exercícios de piedade ou devoção católica tradicional como pura expressão da “fé ideologizada: cruzada de rosários, adoração eucarística, peregrinação a santuários, procissões em honra aos Santos…etc.
    Enfim, ele tem ojeriza a qualquer coisa que lembre a Igreja Tridentina, os Padres da Igreja, a exegese tradicional, a mística e a ascética. Tudo isso precisa de uma “releitura”, uma reinterpretação.
    Segundo explicou Dom Boaventura, faz- se assim necessário e urgente o “desbloqueio ideológico das massas cristãs”, já que segundo os marxistas, o povo cristão tem sua consciência bloqueada por uma “fé e moral” ideologizada, que não lhes permite libertar suas energias para poder se engajar em ações revolucionárias como guerrilhas, invasões de terras, confronto com as autoridades, etc, como faz por exemplo, o MST.
    Mas esse desbloqueio das consciências não se resume à simples eliminação das resistências internas e bloqueio psicológico contra atos criminosos. Já no III Encontro Latino Americano dos Cristãos pelo Socialismo, outro alvo traçado foi contra o “moralismo puritano” que também seria fruto de uma moral burguesa.
    Esse Encontro afirmava que o cristão autêntico é apenas aquele comprometido com a libertação do próximo e com uma rejeição de quaisquer normas, doutrinas e documentos que obscurecem seu amor ao próximo e à liberdade.
    Lembram-se daquele discursinho de Bergoglio no final do Sínodo? “…Os verdadeiros defensores da doutrina não são os que defendem a letra, mas o espírito; não as idéias, mas o homem; não as fórmulas, mas a gratuidade do amor de Deus e do seu perdão”.
    Palavrinhas bem capciosas pra dizer é o homem e não a Doutrina de Cristo “ideologizada” que conta.
    É evidente que o resultado final desse método de “desbloquear as consciências” foi um completo relaxamento moral e um novo conceito de pecado.
    João Paulo II ainda tentou soar o alarme com a Veritatis Splendor…mas foi tarde demais. A grande maioria do clero que se declara “progressista” já superou há muito tempo o sentido do pecado como algo derivado da ruptura com os 10 Mandamentos. Bergoglio deu a João Paulo II uma canonização de conveniência e sepultou de vez o que ainda sobrava de seu Magistério.
    Um dos instrumentos mais utilizados nesse processo de “desbloqueio das consciências” foi o casamento entre Marx e Freud que gerou um outro verme, o qual provocou uma catástrofe em seminários e Institutos Religiosos: Wilhem Reich.
    Da revolução marxista para a revolução sexual foi só um passo e foi assim que tivemos a enxurrada de escândalos sexuais envolvendo o clero durante s décadas de 70 e 80. Primeiro promoveram a devassião dentro dos Seminários e Institutos Religiosos que aplicaram as teorias de Willem Reich…depois tiraram dos resultados as armas pra atacar a própria Igreja e destruir a autoridade moral dos sacerdotes.
    Agora o que está em curso e a todo vapor é a destruiçãoo da instituição do Papado como preconizada no livro de Boff: Igreja Carisma e Poder. Eles já não escondem o fato de que o Papado nunca mais será a mesma Instituição depois desse terremoto chamado Bergoglio. Enquanto Paulo VI simplesmente abandonou o Triregno, Bergoglio está fazendo do triplice poder o Papa: Pai dos reis, Reitor do mundo e Vigário de Cristo objeto de riso e chacota no mundo inteiro.

    • Sem dúvidas, Gercione, mas nesse casos os comunas fazem a aplicação ao pé da letra do que já li por aqui, do maior “profeta” comunista, o Lênin: <>!
      A tal defesa dos pobres que fazem é um esquema para subirem ao poder, como sereias que atraem e depois matam, e materialistas e ateus que são, agem traindo os que puseram voto de confiança neles, como o imperialista e burguês Fidel Castro depois que subiu poder – todos de coleira no pescoço e fecho éclair na boca!
      Sabem como estão os enfermeiros de Cuba aqui e suas famílias reféns na favela Cuba? E o país ainda no tempo das carruagens, com o povo passando fome e debaixo da sola dos comunistas e de canga no pescoço?

  20. É evidente que o resultado final desse método de “desbloquear as consciências” foi um completo relaxamento moral e um novo conceito de pecado.
    João Paulo II ainda tentou soar o alarme com a Veritatis Splendor…mas foi tarde demais. A grande maioria do clero que se declara “progressista” já superou há muito tempo o sentido do pecado como algo derivado da ruptura com os 10 Mandamentos. Bergoglio deu a João Paulo II uma canonização de conveniência e sepultou de vez o que ainda sobrava de seu Magistério.
    Um dos instrumentos mais utilizados nesse processo de “desbloqueio das consciências” foi o casamento entre Marx e Freud que gerou um outro verme, o qual provocou uma catástrofe em seminários e Institutos Religiosos: Wilhem Reich.
    Da revolução marxista para a revolução sexual foi só um passo e foi assim que tivemos a enxurrada de escândalos sexuais envolvendo o clero durante s décadas de 70 e 80. Primeiro promoveram a devassião dentro dos Seminários e Institutos Religiosos que aplicaram as teorias de Willem Reich…depois tiraram dos resultados as armas pra atacar a própria Igreja e destruir a autoridade moral dos sacerdotes.
    Agora o que está em curso e a todo vapor é a destruiçãoo da instituição do Papado como preconizada no livro de Boff: Igreja Carisma e Poder. Eles já não escondem o fato de que o Papado nunca mais será a mesma Instituição depois desse terremoto chamado Bergoglio. Enquanto Paulo VI simplesmente abandonou o Triregno, Bergoglio está fazendo do triplice poder o Papa: Pai dos reis, Reitor do mundo e Vigário de Cristo objeto de riso e chacota no mundo inteiro. (2)

    Perfeito!!

  21. E eles são tão descarados que falam abertamente e em tom de bravata sobre a reforma do Papado:

    “O Papa Francisco é um fruto maduro da primavera conciliar. Sua vida eclesial sintetiza os propósitos conciliares. Vindo do “fim do mundo”, distante dos mecanismos de autopreservação próprios das instituições tradicionais e das grandes burocracias, apresenta-se livre para fazer a “reforma inadiável” da Igreja, dentre as quais a reforma do papado”.

    http://www.vidapastoral.com.br/ano/o-papado-reformavel/

  22. Só que “esqueceram-se de combinar com os russos” , ou no caso , com a Virgem Maria .