Papa emérito Bento XVI rompe o silêncio e fala de ‘profunda crise’ atingindo a Igreja após o Vaticano II.

Por LifeSiteNews.com, 16 de março de 2016 | Tradução: Gercione Lima – FratresInUnum.com: No dia 16 de março, ao falar publicamente em uma rara aparição, o Papa Bento XVI deu uma entrevista ao Avvenire, o jornal da Conferência Episcopal Italiana, abordando uma “dupla e profunda crise” que a Igreja está enfrentando na esteira do Concílio Vaticano II. A notícia já chegou até a Alemanha como cortesia do vaticanista Giuseppe Nardi, do site de notícias católicas da Alemanha vinculado a Katholisches.info.

O Papa retoma o uso do saturnoO Papa Bento nos recorda a antiga e indispensável convicção católica da possibilidade da perda da salvação eterna, ou que as pessoas vão para o inferno:

Os missionários do século 16 estavam convencidos de que uma pessoa não batizada está condenada para sempre. Após o Concílio [Vaticano II], essa convicção foi definitivamente abandonada. O resultado foi uma dupla e profunda crise. Sem essa atenção para com a salvação, a Fé perde o seu fundamento.

Além disso, ele fala de uma “profunda evolução do dogma” em relação ao dogma “fora da Igreja não existe salvação”. Esta mudança proposital do dogma levou, aos olhos do papa, a uma perda do zelo missionário na Igreja – “Qualquer motivação para um futuro compromisso missionário foi removido”.

Papa Bento XVI faz uma pergunta penetrante suscitada por essa mudança palpável de atitude da Igreja: “Por que você deveria tentar convencer as pessoas a aceitar a fé cristã, se elas podem ser salvas sem ela?”

No tocante a outras consequências dessa nova atitude na Igreja, os próprios católicos, aos olhos de Bento XVI, estão menos comprometidos com sua fé: se há quem possa se salvar por outros meios, “por que então deveria o cristão estar obrigado à necessidade da fé cristã e de sua moral”?, perguntou o papa. E ele conclui: “Mas se a fé e a salvação não são mais interdependentes, a própria fé se torna menos motivante”.

Papa Bento também refuta tanto a idéia do “cristão anônimo” desenvolvida por Karl Rahner, como aquela idéia indiferentista segundo a qual todas as religiões são igualmente valiosas e úteis para alcançar a vida eterna.

“Ainda menos aceitável é a solução proposta pelas teorias pluralistas de religião, segundo a qual, todas as religiões, cada uma à sua maneira, seriam meios de salvação e, nesse sentido, deveriam ser consideradas equivalente em seus efeitos”, disse. Neste contexto, ele também aborda as idéias exploratórias do já falecido cardeal jesuíta Henri de Lubac, acerca das consideradas “substituições vicariais de Cristo” que têm que ser agora novamente “refletidas com mais profundidade”.

No que toca à relação do homem com a tecnologia e o amor, o Papa Bento nos lembra da importância do afeto humano, dizendo que o homem ainda anseia em seu coração “que o Bom Samaritano venha em seu auxílio”.

E continua: “Na dureza do mundo da tecnologia – no qual sentimentos não contam mais – a esperança de um amor salvífico cresce, um amor que gostaria de ser dado livremente e generosamente”.

Também Bento lembra à sua audiência  que: “a Igreja não é feita sozinha, ela foi criada por Deus e é continuamente formada por Ele. Esta encontra expressão nos sacramentos, sobretudo no do Batismo: eu entro na Igreja não por um ato burocrático, mas pelo auxílio deste Sacramento “Bento também insiste que sempre,” necessitamos da graça e do perdão”.

 

Anúncios
Tags:

33 Responses to “Papa emérito Bento XVI rompe o silêncio e fala de ‘profunda crise’ atingindo a Igreja após o Vaticano II.”

  1. Santo Padre, o Papa Bento!
    Finalmente ar fresco, finalmente uma brisa e uma bússola nos dias confusos em que vivemos!

    Bem-haja, Santidade!
    Firmes na Fé, sempre e na Fé de sempre!

  2. que saudades deste Papa!

  3. Graças a Deus!

  4. Resumidamente..ter colocado a Missa tridentina em segundo lugar e a missa nova em primeiro, foi a desgraça do cvII, tudo o mais pode-se discutir, mas mexeu na Missa..

  5. É difícil aceitar que um pastor tão brilhante tenha renunciado, a obstinação do papa Bento XVI em defender a fé católica me emociona, me faz refletir que sem ele, as coisas estariam mais calamitosas e que de certa forma ele ainda segura o leme da barca de Pedro.

    BXVI foi o papa da minha conversão e será sempre o papa da minha vida!

    Vida longa ao papa Bento XVI!

    • Sobra vontade mas falta saúde,sempre digo ,compare a foto de Bento XVI na posse e agora e veja como ele envelheceu rápido demais.

  6. De suma importancia são os sacramentos, mas esta crise de fé relatada nesta postagem, trata-se de uma ofensiva de Guerra Psicológica travada pelo Comunismo ateu e, aqui tomo minha as palavras e Monsenhor Delassus, para fazer com que as pessoas percam o senso do sobrenatural.

    Esta ofensiva psicológica do Comunismo na Igreja, segundo abstraímos do livro Revolução e Contra-Revolução de Plínio Correa de Oliveira, ve a ser de grande revelância para esta crise de fé em que vivemos:

    “Não seria possível descrever esta guerra psicológica sem tratar acuradamente do seu desenrolar naquilo que é a própria alma do Ocidente, ou seja, o cristianismo, e mais precisamente a Religião Católica, que é o cristianismo em sua plenitude absoluta e em sua autenticidade única.

    O Concílio Vaticano II

    Dentro da perspectiva de Revolução e Contra-Revolução, o êxito dos êxitos alcançado pelo comunismo pós-staliniano sorridente foi o silêncio enigmático, desconcertante, espantoso e apocalipticamente trágico do Concílio Vaticano II a respeito do comunismo.

    (…)

    É penoso dizê-lo. Mas a evidência dos fatos aponta, neste sentido, o Concílio Vaticano II como uma das maiores calamidades, se não a maior, da História da Igreja. A partir dele penetrou na Igreja, em proporções impensáveis, a “fumaça de Satanás”, que se vai dilatando dia a dia mais, com a terrível força de expansão dos gases. Para escândalo de incontáveis almas, o Corpo Místico de Cristo entrou no sinistro processo da como que autodemolição.

    Daí resultou para a Igreja e para o que ainda resta de civilização cristã, uma imensa derrocada. A Ostpolitik vaticana, por exemplo, e a infiltração gigantesca do comunismo nos meios católicos, são efeitos de todas estas calamidades. E constituem outros tantos êxitos da ofensiva psicológica da III Revolução contra a Igreja.”

    PS: para os que tiverem interesse em um maior aprofundamento nas palavras e Plínio Correa de Oliveira indico a postagem a seguir: http://sputnikputin.blogspot.com.br/2015/12/a-metamorfose-do-comunismo.html

  7. Nosso querido Papa! Ele tem razão e todos nós envolvidos em pastorais, catequese e etc devemos fazer ecoar essas reflexões.

  8. Belas e verdadeiras palavras do sempre reinante o Papa Emérito Bento XVI. Esse sim um verdadeiro Pedro… verdadeiro filho de Deus…. verdadeiro PAPA…

  9. Anderson Dainezi: “BXVI foi o papa da minha conversão e será sempre o papa da minha vida!
    Vida longa ao papa Bento XVI!” [2] :D

  10. Embora verdadeiras as palavras de Bento XVI, e como tal bem vindas, é de um primarismo absoluto. A culpa não é dele, mas do mundo que deu as costas às verdades tão cristalinas.

  11. Uma importante mensagem que o seu Papado deixou: Nunca nos esqueçamos dos três princípios inalienáveis.

  12. O que o Papa Bento XVI disse foi o que eu sempre pensei, e é onde está o paradoxo da concepção de fé cristã de muitos hoje: Afinal, porque ser católico se em qualquer outra religião se pode encontrar a salvação? Não seria melhor então ir para uma igreja mais organizada e onde os ministros (líderes) dão mais testemunho de vida? Infelizmente o que vemos na maioria das paróquias são padres e catequistas ensinando justamente o oposto do que o Papa Bento XVI expressou nessa entrevista.

  13. Deus de minha alma…Por que esse PAPA MAGNO renunciou????
    Saúde??? A de João Paulo II estava 1000 vezes pior…

    “Belas e verdadeiras palavras do sempre reinante o Papa Emérito Bento XVI. Esse sim um verdadeiro Pedro… verdadeiro filho de Deus…. verdadeiro PAPA…”

    Verdadeira bússola para a barca da Igreja que agora anda a deriva das ondas Bergoglianas que são mais turvas e desordenadas que tudo…

  14. O sempre bem recordado papa Bento XVI é simples, conciso, objetivo, extremamente doutrinario, não dá margem a segundas interpretações nas alocuções ou deixa pairarem dúvidas sobre um texto: como sempre, impecável; dubiedade e intenções alienantes jamais foram com ele!
    … *É difícil acreditar que o Papa Bento XVI renunciou livremente ao seu ministério como sucessor de Pedro.”
    E após saída do papa Bento XVI…
    … **Fica cada vez mais evidente que o Vaticano, através da sua Secretaria de Estado tomou a estrada do “politicamente correto”.
    Concordamos plenamente; conforme o que sucede no presente, com o relativismo sob a fora de supostos “diálogos” com tantas religiões por aí deduz se que, se o espírito missionario da Igreja estava amainado após o Vaticano II adiante, então após a saida do papa Bento XVI pareceu recrudescer!
    Não é que no presente tentariam equalizar a doutrina da Igreja católica com as satano-humanistas e, refundindo todas essas, forjariam desse supra sumo uma religião palatável, o que parece, e atenderia às aspirações da New Age?

  15. Meu coração arde ao ouvir as palavras do Papa, inconfundíveis, sem necessidade de correção, explicação, esclarecimentos sobre “o que o Papa realmente quis dizer”…

  16. Será que ele está voltando atrás? até onde lembro ele era da turma de Henri de Lubac, e fã assumido de Pierre de Chardin.

  17. Só para lembrar…
    Já foi enviado esse texto do Papa Bento para alguns Bispos chafurdados na lama putrefata da tl que, mesmo tenso saído de cena, mesmo vendo que sua inventivas liberteiras não deram em nada, continuam fazendo de Bergóglio um verdadeiro Papa, que só agora o Vaticano II continua seu argionamento…

    DEUS NOS LIVRE E GUARDE DESSE FLAGELO MISERÁVEL PÓS VAT II….

    “Meu coração arde ao ouvir as palavras do Papa, inconfundíveis, sem necessidade de correção, explicação, esclarecimentos sobre “o que o Papa realmente quis dizer”… ( II ).

  18. Suas reflexões, Papa emérito Bento XVI, deixam-me sempre muito bem! Na verdade, muito se deve ainda pensar sobre os muitos que se sentem quase que abandonados pela igreja, ou porque não sejam Batizados ou então viva ainda amigavelmente e mais ainda…

  19. Cada um tem a sua opinião. A renúncia de Bento XVI, me incomoda o coração todos os dias! A minha consciência, ou minha intuição, esse algo interior, me leva a pensar que o engano e artimanhas diabólicas incutiram em SS Bento XVI a intenção de preservar a Igreja com a renúncia, portanto é inválida.

    Segundo o Código Canônico:
    Cân. 188 — A renúncia apresentada por medo grave, injustamente incutido, por dolo ou erro substancial ou feita simoniacamente, é inválida pelo próprio direito.

    Aquele dia 11 de Fevereiro de 2013, um dia lindo em Roma, e no final do dia, a grande trovoada e o raio caiu sobre São Pedro…Bento XVI, parecia tão acabado nos dias seguintes ao anúncio da renúncia, mas Nosso Senhor terá prolongado a sua vida para exercer o Ministério Petrino na oração e no recolhimento…, o cetro da justiça continua em suas mãos.

  20. “Meu coração arde ao ouvir as palavras do Papa, inconfundíveis, sem necessidade de correção, explicação, esclarecimentos sobre “o que o Papa realmente quis dizer”… ( II ).
    Estamos com saudades Bento! Obrigado por suportar a Igreja na oração, como Jesus diz é mais valioso aquele que faz as boas obras as escondidas. Mas por favor, volte. Precisamos de você nessa batalha, a cada dia que passa Bergolio fala de ecumenismo(Vejam os jornais da rede “vida”). e isso está infectando a Igreja. Reze pela gente e volte!

  21. “E disseram um ao outro: Porventura, não nos ardia o coração, quando ele, pelo caminho, nos falava, quando nos expunha as Escrituras?” (Lc 24. 32).

    Viva o Papa !

  22. Hoje vivemos tempos conturbados e nada fáceis. Actualmente temos dois Papas. Ora a verdade teológica é que só há um Papa. Quando um Papa abdica ele regressa ao seu estado anterior (padre, bispo, monge, cardeal). Com Bento XVI não foi assim. Ele quis afirmar-se na mesma Papa. Não existe, nem nunca existiu Papas Eméritos. Nas história da Igreja sempre que houve mais que um Papa, procurou-se descobrir qual era o verdadeiro Papa e todos os outros renunciaram, após se chegar a uma conclusão. Ora hoje, temos dois Papas. Há algo errado. Se, por exemplo, Francisco abdicar, teremos 3 Papas. Um absurdo. Algo está mal. Qual deles é o Papa? Esta é que é a questão. Qual deles é o Papa, já que a verdade teológica nos diz que só há um Papa? Aqui reside a confusão dos tempos e é evidente que há mão do demónio nesta situação da Igreja. Pensem bem. A verdade teológica e a Tradição da Igreja, a própria história, nos diz que não pode haver dois Papas.

  23. Que me perdoe Bento XVI, mas no momento atual, a maior crise pela qual passa a Igreja é a crise do Papado. Crise essa que ele muito contribuiu para que se acentuasse com sua renúncia.
    De fato, os missionários do século XVI estavam convencidos não apenas a respeito do dogma Extra Ecclesiam nulla salus (Fora da Igreja não existe salvação), como também acerca da jurisdição do Papa sobre toda e qualquer criatura humana “ratione peccati”, isto é, na medida em que as atividades de determinada pessoa dizem respeito à vida eterna.
    Nenhum Católico em sã consciência jamais rejeitou que é absolutamente necessário à salvação de toda criatura humana estar sujeita ao Romano Pontífice. (Porro subesse Romano Pontifici omni humanae creaturae declaramus, dicimus, definimus, et pronuntiamus omnino esse de necessitate salutis).
    Igualmente qualquer Católico por mais ignorante que fosse, sabia que foi o próprio Jesus que concedeu o Primado a Pedro ao estabelecer sua Igreja. Sabiam também que esse era um encargo vitalício que não contemplava “aposentadoria”.
    Mas eis que após a renúncia de Bento XVI e a eleição pra lá de duvidosa de Bergoglio, essa convicção parece ter sido definitivamente abandonada. O resultado foi que se até um Papa pode renunciar a um compromisso empenhado com o próprio Cristo, que dirá os seus subordinados!
    Sem falar que temos agora um homem na Cátedra de Pedro que nega todas as prerrogativas do cargo pra promover os novos dogmas da “colegialidade e do ecumenismo”, mas não hesita em usar essas mesmas prerrogativas quando é pra punir os que se opoem à sua revolução!
    Sejamos realistas! O papado se encontra no olho do furacão com com as atitudes estaparfúdias de Bergoglio e com as decisões revolucionárias que vão sendo anunciadas. A renúncia do papa, segundo ele próprio definiu, já está institucionalizada com a saída de Bento XVI. A colegialidade está sendo exercida de modo mais efetivo com a Comissão dos Cardeais encarregados de elaborar o Projeto de reforma da Igreja. Os documentos promulgados revelam uma conexão direta do magistério papal com os magistérios locais. O Motu Proprio Mitis Iudex Dominus Iesus de 15 de agosto de 2015, embasado em uma teologia da Igreja particular e do bispo local, reforma de atacado vários aspectos da vida eclesial: faz a primeira reforma estrutural de uma prática secular, descentraliza as decisões referentes aos processos de nulidade matrimonial, deslocando a decisão do âmbito estritamente jurídico para o pastoral (cf. w2.vatican.va).

    Então Jesus lhes revelou: “Ainda esta noite, todos vós me abandonareis. Pois assim está escrito: ‘Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas”. (Mateus 26:31)

  24. Bento XVI é o grande culpado pelo caos Francisco estabelecido aí. Não fosse sua renúncia nada disso teria ocorrido. Ele abiu um precedente sem par: um papa poder renunciar por considerar-se incapaz de seguir com o pontificado. Até então a renúncia só por motivos de gravíssimo impedimento. O papado é vitalício. Bento XVI mudou isso.

  25. Na minha humilde opinião, Bento XVI foi obrigado a renunciar!

  26. Papa Bento, quanta falta o Sr. faz a Santa Igreja. Precisamos de um pastor, para guiar o nosso povo na fé e na doutrina.

  27. Certa vez um sacerdote muito ligado a tradição me disse que, na visão dele, o Santo padre Bento XVI renunciou pois, de todas as inovações e revoluções que foram feitas na Igreja, a reforma do papado o teria obrigado a renunciar. Ele não suportou.

    Quando disseram para ele: “Tudo já foi reformado, falta o Papado”. Bento XVI renunciou, não suportou. Preferiu ficar como emérito e rezar pela Igreja de longe e aguardar o que Nosso Senhor fará disso tudo.

  28. Glória a Deus por sua existência Santo Padre !!!! Que Nossa Senhora sempre o guarde. Em Jesus e Maria. Henrique Nakagawa

Trackbacks