Sobre o divórcio, eram exatamente os fariseus que decidiam “caso por caso”.

Por Francesco Agnoli – La Nuova Bussola Quotidiana | Tradução: FratresInUnum.com: Frequentemente se lê, nos dias de hoje, que, entre os defensores da indissolubilidade do matrimônio estariam muitos fariseus que escolhem uma posição muito “rigorosa” porque são contrários à misericórdia ou porque gostariam de afirmar uma superioridade moral sobre o próximo, fechando, assim, a porta. A Igreja “aberta” seria, portanto, uma igreja que rejeita o legalismo hipócrita dos fariseus e estabelece uma nova visão da misericórdia e, no caso do casamento, uma nova visão da fidelidade e do adultério.

img-_innerart-_ag2_1

Os fariseus

Certamente que pode haver, entre os que se apresentam como defensores da verdade, alguns fariseus. A verdade pode, de fato, tornar-se um ídolo e um cassetete para usar contra os outros. Mas isso não ocorre quando quem a defende o faz com amor, primeiro para consigo mesmo, e porque acredita que ela deve ser testemunhada e anunciada com humildade e para o bem de todos (não como um privilégio ou como uma fonte de orgulho). Mas, deixando de lado os julgamentos, muitas vezes temerários, sobre os motivos que moveram muitos padres no Sínodo a manter a doutrina tradicional diante das teses de alguns membros do episcopado da Europa do Norte, é importante voltar ao Evangelho, e observar realmente o comportamento dos fariseus.

Será que ali os encontramos intencionados a defender, em nome da lei, a indissolubilidade do casamento, tão claramente anunciada por Cristo?

Não, ocorre exatamente o oposto.

Os fariseus são os ferrenhos opositores da doutrina evangélica sobre o matrimônio. São eles que se aproximam de Jesus tentando desafiar sua clareza ao perguntar-lhe “se é lícito repudiar a esposa por qualquer motivo” (Mateus 19.3). Porque segundo a lei de Moisés, de fato, era concedido ao homem o direito de repúdio mediante uma carta de divórcio, dando a ele a permissão de se casar novamente. Jesus, por sua vez, não entra na casuística rabínica, não fica perdido nos “casos individuais”. Ele, que mais do que ninguém conhece caso a caso e os julga com misericórdia, não faz outra coisa senão recordar-lhes que  “no princípio não era assim”, que Moisés “por causa de sua dureza de vossos corações concedeu-lhes repudiar suas esposas” e que o plano original de Deus é que o casal se torne “uma só carne”.

“O que Deus uniu”, afirma Jesus, sabendo que a sua palavra será dura e difícil de entender, “o homem não separe”. E assim é encerrada de uma vez por todas a lei de Moisés que havia gerado uma grande casuística (deixava ao discernimento dos rabinos sobre qual seria a lista de possíveis causas de repúdio), e é anunciada  a nova lei do amor. “Terminada a lição aos fariseus”, escreve Joseph Ricciotti, em sua obra “Vida de Jesus”, “os discípulos voltam novamente à questão dolorosa da esposa, interrogando Jesus privadamente em casa”. Sim, a indissolubilidade realmente não era do agrado de nenhum deles, mas Jesus não encontra palavras diferentes, menos claras, mais flexíveis para evitar que alguém exclamasse: “Se, portanto, é assim a condição do homem em relação à sua esposa, não convém nem mesmo se casar” .

Se tudo isso é verdade, para um católico resta apenas uma possibilidade: reconhecer que o adultério e o estudo de caso a caso, amado pelos fariseus, não têm lugar na visão evangélica, da qual a doutrina tradicional é simplesmente uma transcrição, porque pertence ao reino da lei, a mesma lei que os fariseus sempre deturparam para atacar Jesus.

A única lei de Cristo, no entanto, é o amor, assim como Deus o quis desde o princípio. Este amor, e aqui está o escândalo para todos, mesmo para os discípulos, contempla até a presença da cruz. E é por isso que na visão do mundo e na de muitos homens da Igreja a “boa nova” parece muito dura. Por isso gostariam de introduzir a exceção, a casuística, em uma religião em que Deus vai às últimas consequências com sua lealdade e seu amor, até o ponto de ser acusado de violar a lei de Moisés para ser crucificado, porque Ele diz coisas incompreensíveis e não quer diluí-las.

Cristo manifesta assim a sua misericórdia: não fazendo concessões às exigências dos fariseus, nem às dos apóstolos (alguns dos quais são casados e não estão felizes de ver tolhida a possibilidade tradicional de repúdio), ou para os ajustes que fariam diminuir o número de seus inimigos, mas dando todo o seu coração para a humanidade (misericórdia deriva literalmente de  miseris cor dare: dar o coração aos pobres): a fim de que os homens aprendam a doar-se a seus entes queridos, seus filhos, sua esposa, seus próprios amigos. Se os cristãos anunciam a possibilidade de um amor assim, eles não anunciam uma lei, mas o próprio amor de Cristo.

E para aqueles que repetem que o amor indissolúvel é um anúncio irrealista no Ocidente de hoje, recordem-se, primeiro, que nem tampouco parecia realista há dois mil anos quando o divórcio e o repúdio no Império Romano eram a norma, e em segundo lugar, que Cristo não é Maquiavel. Ele não veio para explicar-nos a “realidade real”, ou para nos recordar de como o homem é fraco e frágil (isso qualquer um chega por si só), mas para nos indicar as alturas da santidade, o caminho para felicidade. Ele veio para nos dizer: “Sede perfeitos como perfeito é o vosso Pai que está nos céus” (Mateus 5:48).  Será que ele também estava voando alto demais?  Qualquer anúncio que não lembre ao homem sua filiação com Deus e essa possibilidade de grandeza e amor total é um anúncio humano, demasiado humano. Não é a “boa nova”.

4 Comentários to “Sobre o divórcio, eram exatamente os fariseus que decidiam “caso por caso”.”

  1. Belo artigo. A verdade está ai, pra quem quiser ler, entender, e aceitar.

  2. Eis aí a abertura inicial do “caso a caso”, particularmente se incidente em autoridades eclesiásticas desvirtuadas – existem diversas, caso recente das Filipinas – direcionando os incautos para o divorcio (católico?) e suas consequencias como: concubinato, filhos ilegítimos e criados num ambiente adúltero e de péssimos exemplos paternos, antecipadamente sendo pervertidos e predispondo-os como futuros divorciados ou amasiados, além de presas de um ambiente atual totalmente devotado para o material-ateísmo!
    Já não bastam a midia erótica e alienante dentro dos lares das novelas e orgias dos BBBs, videos e programas portadores de modelos de vida da prostituição sob diversos ãngulos!
    A situação torna-se mais deprimente e caótica por ser coadjuvada por diversos membros relativizados da Igreja, quer incentivadores, como os da TL e os silentes, cujas bocas estariam lacradas; brevemente, outros pontos da doutrina católica serão os próximos alvos das incursões!
    *”Quanto ao Sacramento do Matrimônio, que simboliza a união de Cristo com a Igreja, será atacado e profanado em toda a extensão da palavra. (…) Impor-se-ão leis iníquas com o objetivo de extinguir esse Sacramento, facilitando a todos viverem mal, propagando-se a geração de filhos malnascidos, sem a bênção da Igreja. Irá decaindo rapidamente o espírito cristão”. “Apagar-se-á a luz da Fé até se chegar a uma quase total e geral corrupção de costumes. Acrescidos ainda os efeitos da educação laica, isto será motivo para escassearem as vocações sacerdotais e religiosas (II, 6 e 7).
    A **seita, havendo-se apoderado de todas as classes sociais, “possuirá sutileza para introduzir-se nos ambientes domésticos, que perderão as crianças. Nesse tempo infausto mal se encontrará a inocência infantil. Desta forma perder-se-ão as vocações para o sacerdócio e será uma verdadeira calamidade” (II, 135).
    Isso acima configuraria a “seita”, equivalente ao revolucionarismo que adentra a doutrina da Igreja em certos trechos numa linguagem capciosa, dubia, ardilosa e ambigua, que levaria as mentalidades mal formadas tirarem não sei quantas conclusões, precipitarem-se no relativismo, cada qual julgando-se correto por sutilmente a doutrina apresentar opções ou contradições, como no protestantismo!
    * ** N Senhora do B Sucesso.

  3. A melhor explanação sobre o assunto!

  4. Nossa Santa Igreja Católica, que somos todos nós padecentes aqui na Terra, estamos correndo perigo… Que teria que nos guiar ao caminho da santidade, nos perde. JESUS VENHA A NÓS O VOSSO REINO!