E a “misericórdia” recai sobre Michael Voris.

Michael Voris se tornou internacionalmente conhecido por seu apostolado a favor da fé Católica. Ele peitou Bruno Forte durante o Sínodo da Família, ao perguntar-lhe que contribuição o estilo de vida homossexual podia dar para a Igreja. Michael Voris, agora compreendemos a razão, tornou-se um combatente contra a máfia e o lobby gay que estão destruindo a Igreja. A misericórdia dos misericordiosistas é cavar e desenterrar o passado do homem para chantageá-lo. Se Deus esquece os pecados perdoados, alguns Bispos misericordiosistas não esquecem!

Michael Voris revela como Jesus o libertou de um estilo de vida homossexual.

Por LifeSiteNews, 22 de abril de 2016 | Tradução: FratresInUnum.com  – O pregador Católico online Michael Voris, o fundador do site Church Militant e conhecido mundialmente por seu famoso programa “The Vortex, onde mentiras e falsidades são pegas e expostas”, revelou pela primeira vez que esteve ativamente envolvido com o estilo de vida homossexual “durante um período de tempo prolongado”.

O fenômeno da internet que sempre teve o zelo de expor erros e falsidades mesmo quando envolvia bispos, há muito tempo havia admitido que se converteu deixando pra trás um estilo de vida pecaminoso, sem, contudo, jamais ter antes revelado sua natureza específica.

“Eu já disse muitas vezes – em público – que eu estava em um estado de pecado mortal e se eu tivesse morrido, eu teria sido condenado”, disse Voris em um episódio do Vortex divulgado quinta-feira. “Eu vou revelar agora que na maioria dos meus anos, até a idade dos trinta, fui uma pessoa confusa sobre a minha própria sexualidade e vivi uma vida de relacionamentos de coabitação com homens homossexuais”, disse ele. Vorris fez questão de deixar claro que esses graves pecados ocorreram antes de sua “conversão para a Fé”.

“Desde a minha volta à Fé, eu passei a abominar todos estes pecados, especialmente os outros muitos e muitos pecados que cometi que nada têm a ver com a sexualidade”, acrescentou Voris.

Voris disse que decidiu se antecipar e revelar os detalhes de seu passado por ter recebido informação segura sugerindo que “a Arquidiocese de Nova York está recolhendo, preparando e filtrando silenciosamente detalhes da minha vida passada com o objetivo de me desacreditar publicamente, fechar este apostolado e o trabalho que fazemos aqui”. Mas, além desso impulso, Voris diz se arrepender de não ter revelado a natureza de seus pecados antes  porque “é como se estivesse limitando Deus”e não deixando talvez que seu exemplo pudesse inspirar outros envolvidos com o estilo de vida homossexual a se voltar para Deus para buscar ajuda.

“Desde o tempo do meu retorno à Fé, eu não queria outra coisa, senão que outros pudessem também experimentar a alegria e a verdade vivificante da Igreja Católica”, disse Voris, “para saber que os mortos podem ser levantados, para considerar profundamente o que realmente significa  ‘Com Deus todas as coisas são possíveis”.

“Ele pode até restaurar a sua antes confusa e ferida sexualidade”, acrescentou Voris. “Não importa – qualquer que seja o problema, seja qual for o pecado, seja qual for a profundidade da escuridão mais densa, não há lugar que Deus não possa ir até você e o resgatar”

Durante o episódio especial de Vortex, o fundador do site Church Militante pede desculpas a “qualquer um que se sinta ofendido” por essas revelações, deixando claro que ele “jamais teve a intenção de enganar”, mas apenas “não via a necessidade de fornecer detalhes explícitos dos seus pecados passados” .

Enquanto ele diz não saber quais serão as consequências dessa revelação para o seu apostolado, ele reza para que “seja feita a vontade de Deus”. Concluindo, diz: “Nós nunca deixaremos de  declarar  estas verdades, as glórias da Fé, independentemente do que vier acontecer. “

* * *

Divulgamos, a seguir, nossa transcrição do vídeo em que Michael Voris faz a revelação.

Se você tem filhos por perto, talvez seja melhor vocês verem o que eu tenho a dizer antes deles.

Como vocês provavelmente sabem, esse apostolado esteve um pouco silencioso ao longo desta semana. Mas porque uma situação evoluiu rapidamente eu devo deixar-lhes a par do que está acontecendo. Essa situação envolve os pecados de minha vida passada antes da minha volta completa à Fé Católica. Nós temos informações seguras vindas de várias fontes de autoridade que a Arquidiocese de Nova York está coletando e preparando silenciosamente um dossiê com detalhes da minha vida passada com o objetivo de me desacreditar publicamente, fechar esse apostolado e o trabalho que desenvolvemos aqui.

Eu nunca escondi que minha vida antes da minha conversão à Fé foi extremamente pecaminosa. Eu disse isso muitas vezes – em público – que eu estava em um estado de pecado mortal, e se eu tivesse morrido, eu teria sido condenado. Também revelei que esses pecados eram de natureza sexual e que eles ocorreram ao longo de um período de tempo prolongado. O que eu não fiz foi revelar a natureza específica ou detalhes dos pecados, porque quando eu retornei de volta para a casa, para a Igreja, eu não pensei que uma confissão pública cheia de detalhes era necessária para começar a proclamar a grande misericórdia de Deus.

Talvez essa tenha sido uma avaliação errada. Eu seriamente não sei. Talvez ao longo destes anos eu deveria ter revelado maiores detalhes. Mas eu penso assim agora, e mais ainda nesse momento específico.

Seja lá o que for, agora eu vou revelar que na maioria dos meus anos durante meus trinta anos, eu vivi confuso com relação a minha própria sexualidade, eu vivi uma vida de relações de cohabitação com homens homossexuais. Externamente, eu vivia aquele estilo de vida e contribui para o escândalo, além dos pecados sexuais propriamente ditos. Mas no meu interior, eu estava profundamente dividido e em conflito em relação a tudo aquilo. Durante grande parte dos meus vinte anos, eu tive relações sexuais tanto com homens adultos como mulheres adultas.

Estes são os pecados de minha vida passada os quais eu admito, torno públicos e assumo minha responsabilidade por eles. E tudo isso se deu antes do meu retorno à Fé.

Desde a minha reversão, eu passei a abominar todos estes pecados, especialmente num mundo de muitos e muitos outros pecados que nada têm a ver com a sexualidade. Eu havia cedido às dores profundas da minha juventude, buscando consolo na luxúria, e, nesse processo, abri mão de minha masculinidade.

Muitos de vocês conhecem a história de orações e sacrifícios da minha mãe intercedendo a Deus em meu favor para que eu deixasse aquela vida pecaminosa e voltasse para casa, para a Igreja. Como último recurso, ela rezou oferecendo a Deus qualquer sofrimento que fosse necessário para obter as graças suficientes para minha conversão. Foi logo depois desse oferecimento de vida que os médicos a diagnosticaram com um câncer no estômago em estágio inicial. Alguns anos mais tarde ela faleceu.

Durante o último ano de sua vida, eu comecei a mudar, começei a receber os Sacramentos com mais frequência. Quando minha mãe morreu, eu jurei sobre o seu caixão que eu mudaria de vida. Eu disse: “Mãe, o que você passou por minha causa, não terá sido em vão”. Eu retornei total e completamente à Fé e no giro de dois anos mais tarde, comecei este apostolado.

Eu estava nas nuvens, cheio de gratidão pelo que Deus havia feito por mim através da minha mãe e de seu sofrimento. Eu tinha sido resgatado de uma escuridão espiritual infeliz, horrível,  onde eu quase perdi toda a compreensão de mim mesmo. E a fim de compreender a grande misericórdia de Deus aqui, você tem que perceber as grandes profundezas do mal correspondente em que eu me encontrava mergulhado. Aqueles foram terríveis dias, anos.

Eu trazia dentro de mim uma grande dor provenientes da minha infância e minha juventude que precisavam ser superadas e em vez de recomendar-me a Deus na minha juventude, eu cedi à  carne e morri espiritualmente. Eu tremo cada vez que penso agora qual seria a minha sorte se eu tivesse morrido em um acidente de trânsito ou algo assim.

Eu tinha aberto mão de mim mesmo – da minha masculinidade, minha identidade, minha auto-compreensão, a minha própria dignidade como um católico batizado. Como já disse publicamente, sem mencionar os detalhes, eu vivi uma vida terrível e estaria no inferno se eu tivesse sido morto antes de voltar para a Fé.

Eu quero tomar um momento para pedir perdão a qualquer um que de alguma forma se sinta ofendido por essa revelação.  Eu jamais tive a intenção de iludir ou enganar. Eu só não via a necessidade de fornecer detalhes explícitos dos pecados do passado, a fim de informar as pessoas sobre a Fé. Eu pensei que bastava simplesmente declarar a verdade, enfatizar que levei uma vida horrível, e que através dos esforços de minha mãe, foi me concedido graça suficiente para voltar para casa como um filho pródigo.

Desde o tempo do meu retorno à fé, eu não queria outra coisa senão que outros também pudessem experimentar a alegria e a verdade da Igreja Católica, para saber que os mortos podem ser levantados, e considerar profundamente o que realmente significa:  “Com Deus todas as coisas são possíveis”.

Todas as coisas são possíveis. “Ainda que os vossos pecados sejam como escarlate, Eu os tornarei brancos como a lã”. Mesmo aquele pecado aparentemente mais difícil, irreversível, aquele que nem com um milhão de tentativas você consegue desvencilhar-se. Todas as coisas são possíveis. Nada é impossível para Deus. Ele pode restaurar até mesmo uma sexualidade confusa e despedaçada. Não importa – seja qual for o problema, seja qual for o pecado, seja qual for a profundidade da escuridão mais densa, não há lugar que Deus não possa ir até você e salvá-lo.

Ele fez isso para um número incontável de homens e mulheres com vidas horríveis, vidas horríveis que se tornaram santas: Paulo, Agostinho, Francisco, Inácio, Margarida de Cortona, a santa padroeira de prostitutas reformadas.

A Igreja está repleta de tais histórias, tanto que quase se poderia dizer que parece ser a missão da Igreja recolher os pecadores mais miseráveis e transformá-los em santos. Isso é exatamente o que a missão da Igreja é!

Há um poder real na Cruz. Não é apenas poesia bonitinha e canções Igreja. “Levante alto a cruz de Cristo”, de fato. São Paulo percebeu isso quando ele parou de assassinar os primeiros católicos. Eu não estou aqui retratando-me como um santo, mas hoje estou aqui para dizer-lhe tudo sobre a transformação que a fé produz, é real. É verdade. Eu sei que é verdade.

Através dos ensinamentos desta Santa Igreja Católica estabelecidos pelo Filho de Deus em Pedro pela minha salvação, a sua salvação, por meio de Seus sacramentos, através de Seu poder intrínseco, que foi me dado de volta a minha masculinidade que eu tinha desperdiçado.

Eu fui restaurado à vida. É verdade, cada pedaço dela. E quando você sabe, você sabe – e você quer todos os outros venham a conhecê-la. E você quer se certificar que nada os impeça de saber o que agora você sabe.

É libertador. É uma grande alegria.

Desde nossos primeiros dias, o que nós fazemos aqui tornou-se um alvo para o demônio. Ele nos colocou diante de tantas armadilhas que é até difícil para mim mesmo lembrar. O objetivo tem sido o de fazer-nos fechar esta missão porque falamos constantemente sobre a glória da Igreja Católica e seu poder vivificante. Ele não quer que a mensagem seja ouvida. Ele quer que as pessoas continuem sendo ludibriadas.

Fiz muitos erros e erros como o líder daqui, mas no que diz respeito a este ponto específico, foi um erro não trazer isto a público antes. Mas eu não o fiz para enganar, mas porque eu não entendia a necessidade.

Agora eu faço. Eu estava limitando Deus. Eu estava restringindo, colocando limitações na boa nova de Seu poder salvífico. Ele não apenas me salvou de uma vida ruim – Isso é muito geral. Em termos mais concretos eu me afundei nas profundezas das águas escuras mais poderosas, a tempestade, um mar de pecado, e Ele retirou-me de lá- pois nada é impossível para Deus. Nada.

Eu não sei ainda qual será o resultado de tudo isso. É difícil falar e para além de desagradável recordar. Mas esses pecados são o passado. Esta é uma nova vida, um novo homem, como diz São Paulo.

É por isso que quando estive em Fátima há cinco anos atrás, eu aproveitei-me do momento e consagrei especificamente a minha castidade à Bem Aventurada Mãe. Aquela virtude que eu havia profanado, agora eu pedi que fosse consagrada, protegida por ela.

Desde o seu primeiro momento, esse apostolado foi colocado sob os cuidados de São Miguel Arcanjo e Nossa Mãe Santíssima, Aquele que o derrotou no céu e aquela que o derrotou na terra e na eternidade. E como um lembrete para ele: você vai atacar em seu calcanhar, mas ela vai esmagar sua cabeça.

Nós nunca deixaremos de declarar estas verdades, as glórias da fé católica, independentemente do que venha acontecer. Se tudo isto está ameaçado por causa das revelações dos meus pecados passados, então rezem para que seja feita a vontade de Deus.

Obrigado por suas orações, seu apoio e sua compreensão, bem como a medida de perdão que vocês estão prontos para estender.

23 Comentários to “E a “misericórdia” recai sobre Michael Voris.”

  1. Que nojeira isso que acontece dentro de Igreja.

    Tenho compaixão desse homem em ter que expor um passado triste que Deus mesmo havia já perdoado e que não tinha obrigação nenhuma de expor sua privacidade, que era coisa dele com seu confessor.

    Claro que por ser um homem público isso era possível de acontecer, mas vindo da Igreja?

    Provável que sejam homossexuais da arquidiocese e que estejam ainda na ativa (mundanos) pra receberem informações desse tipo de outros conhecidos do meio.

    Jogo baixo e sujo! Esse povo não teme a justiça de Deus.

  2. A misericordia para ser “misericordiosamente” aplicada tem as oportunidades adequadas sob o “caso a caso”!
    O diabo mudou de tática: ao invés de arrebanhar inimigos externos dedicados a caluniarem e perseguirem a Igreja das mais diversas formas e esquemas, passou a infiltrá-los para dentro da instituição, pois a autodemolição seria mais eficiente que o método anterior, e parece estar sendo melhor sucedido nessa nova empreitada!
    O lamentável antecedente comportamental desse ex homossexual assumido, quando vilizado para o desvirtuar perante a sociedade, mostra de que naipe são cristãos os que o caluniam, senão reedições dos antigos fariseus junto à pecadora pública, a qual o Mestre não condenou – Teus pecados te estão perdoados; vai-te e não peques mais!
    Dessa forma absurda procedem: a pessoa arrepende-se, dispõe-se e muda radicalmente a vida na firme decisão de direcionar-se para novos rumos, mas os que deveriam incentivá-la no mantenimento da conversão, passam a ser-lhe seus piores algozes!
    Quantos santos temos hoje nos altares, cujas vidas pregressas foram dedicadas a todo tipo de perversões e maldades? Se assim fosse, esses estariam sumariamente condenados à perdição eterna, o lógico, dentro do anti cristão Dogma do Fatalidade de outras religiões!
    Como cristãos misericordiosos, deveremos louvar o Michael Voris, como exemplo a seguir, de quem formalmente decidiu em tempo hábil a mudar de vida, como quem saiu do mais profundo lamaçal da miseria ética-moral, sobreviveu à avalanche erótica e homossexualista que se precipita sobre tantos em nossa sociedade modernista, que não conseguem se sobrepor a ela e são tragados, no entanto, ele desvencilhou-se dela!
    Aliás, hoje, como em Sodoma e Gomorra e nas Bacanais, temos a boemia pública com muitas mulheres semi-nuas exibindo seus “dotes” à vista de todos, inclusive dentro da igrejas, vestidas com as mesmas roupas quando vão às boites ou aos inferninhos!
    Porque seus acusadores não usam os proprios talentos para denunciarem e empreenderem uma cruzada contra tais aberrações?”

  3. Como Voris já foi seminarista, ele provavelmente sabe do que está falando quando denuncia o lobby gay na Igreja.

  4. Parece que o ambiente na hierarquia da Igreja não é para amadores.

    Ali se encontram todas as misérias humanas…

    Sempre foi e será assim.

    Esse é o sinal mais evidente de que o que sustenta a Igreja é o Espírito Santo.

  5. “Jogo baixo e sujo! Esse povo não teme a justiça de Deus.” (BIS)

    Quem se arrependeu, confessou e fez penitência mudando de vida não pode mais ser acusado. O diabo sabe bem disso e se contorce.

    No entanto, os pecadores que gostam do seu pecado, e são contumazes, são também os primeiros a acusarem os outros das suas faltas passadas, quer dizer: em certo sentido eles são piores que o próprio diabo.

  6. E ainda tem padre que diz que não existe cura gay… e proibe que os catequistas de sua paróquia digam “va e não peques mais”.

    • Só lembrando que ele não falou de cura da tendência, mas sim que abandonou o estilo de vida. Há uma clara distinção de que a tendência é uma inclinação desordenada, mas não é pecado, e que os atos homossexuais são pecaminosos.

    • @ CourageBrasil:

      Ele disse:”Através dos ensinamentos desta Santa Igreja Católica estabelecidos pelo Filho de Deus em Pedro pela minha salvação, a sua salvação, por meio de Seus sacramentos, através de Seu poder intrínseco, que foi me dado de volta a minha masculinidade que eu tinha desperdiçado.”

      Se a masculinidade lhe foi restaurada, é lícito supor que as tendências desordenadas que ele tivesse antes foram curadas. Deus pode, de fato, ressuscitar os mortos.

  7. Assisti a este episódio no dia em que foi posto on-line. Fiquei com a profunda convicção de que o Sr. Voris é um Santo Agostinho dos nossos tempos, e que foi suscitado por Deus, que ouviu as preces de sua falecida mãe, para denunciar o estado vergonhoso do clero no Ocidente. Eis porque ele é perseguido pelo aparelho eclesiástico americano, e porque ele é tão famoso: ele diz a verdade, e não poupa a vara.
    Que Deus o abençoe, pois creio que meus bisnetos ainda hão de pedir a intercessão de Michael Voris.

    • Restituir a masculinidade não quer dizer “ipso facto” uma cura da desordem. Todos os livros bons de psiquiatria e psicologia abordam que é necessário ao homem que sofre com tendências homossexuais descobrir sua masculinidade, entrar no mundo masculino como meio necessário para que haja uma superação emocional sem que isso signifique em cura.

    • Caro Ronald, Deus de fato pode ressuscitar os mortos, e ele o faz quando, onde e com quem Ele quer. Mas sempre lembramos, como dissemos antes, que há é a própria Igreja que faz a distinção entre a tendência ser uma inclinação desordenada, mas não é pecado, e que os atos homossexuais, esse sim, são pecaminosos. Por que lembrar disso? Porque, infelizmente, muitos dentro da Igreja ainda pensam que a tendência é uma escolha, quando ela não é. Temos o exemplo de muitos, em nosso apostolado, que apesar de não terem desenvolvido a atração pelo sexo oposto, vivem uma vida santa, procurando viver sua masculinidade ou feminilidade dada por Deus, e carregando a cruz de ainda sentir a atração.

  8. Perdoem-me, fratres. Mas, embora eu seja homem, estou emocionado com este testemunho. A Verdade existe, Ela é Real, Salvífica, Redentora e Católica: Nosso Senhor Jesus Cristo.

  9. Ronald Pacheco Pinheiro,

    Masculinidade recuperada não necessariamente significa cura de tendência desorganizada. E sim a ruptura de atos contra a natureza masculina (ex: prática homossexual). Ou seja, como homem deixou de praticar atos não-masculinos. Mas a raiz da tendência pode estar ainda lá (sentimentos, etc..)

    Sendo isso ou não, ele faz o que a Igreja pede: CASTIDADE. Isso basta!

  10. Pelo jeito muitos nao acreditam que para Deus nada e’ impossivel. O que e’ a cura desta tendencia, comparada com a ressureicao dos mortos, que at’e bem pouco tempo santos da Igreja realizavam. j’a vi jovens confusos quanto a sexualidade casarem, terem seus filhos e esquecerem o caso de vez e parecem bem em paz. Alias uma amiga minha psicologa tratou um caso deste com sucesso. Tudo causado pelas mas influencias e um lar desfeito com um pai violento, o qual nao querem seguir como exemplo. Talvez esta suposta “tendencia” seja apenas um sintoma de varias sindromes ou probkemas psicologicos.

  11. Aubrey Byrne,

    Deus pode tudo, de fato! A pergunta que temos que fazer é a seguinte: Deus de fato quer curar a tendência dessa pessoa?

    Digo isso porque penso que Deus permita esse tipo de coisa para que diante dessa cruz de cada dia – que é a tendência homossexual – a pessoa chegue à santidade. Assim diz o Catecismo da Igreja.

    Isso pode e deve ser utilizado a favor do homossexual, isto é, a tendência pode servir de “trampolim” para que a pessoa alcance o Céu, mediante sua renúncia diária de suas vontades e desejos, penitência, oração e jejum.

    É fazer do limão uma limonada. É como uma pessoa com câncer. Deus pode curar, mas nem sempre é a vontade de Deus que se cure, pois a doença servirá para purificação de sua alma e de sua aproximação com Deus.

    Lembremos das duas frases de Cristo:

    “Pai, se quiseres, afasta de mim este cálice; contudo, não seja feita a minha vontade, mas a tua!” e
    “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia, e siga-me”

    • Entendo o que diz Ricardo. Infelizmente presenciei alguns casos em que esta doenca venceu, como no caso dos demonios que vem para a casa limpa e arrumada. Mas nao custa pedir a Deus e fazer jejum por cura, pois Ele nao daria pedra quando se pede pao e ha de ser inistente e ter fe acredito. Mas tambem o que disse e’ valido, porque se ele pode nos ouviir e tudo pode, tambem decide como quer conforme Sua vontade. isto nao deve ser obstaculo para tentar pedir por gracas. Arrumar atitude conformista demais nao e’ tambem o caso.Ele nos pede que tenhamos nossas oracoes com humildade e esforco de conversao e com desejo de retorno: Reze mas trabalhe para ajudar que as coisas acontecam.

  12. Sim, não é errado pedir por cura. Só não pode a pessoa querer exigir a cura de Deus e depois, sem buscar a Sua vontade, acabar se frustrando por conta de uma tendência homossexual que não tenha desaparecido. Mas concordo, pedir por cura não é errado.

  13. Uma idéia falsa que tem sido muito divulgada em nossos dias é que Deus cria algumas pessoas homossexuais e pra adicionar insulto à injúria há quem tem a ousadia de espalhar a blasfêmia de que “Deus pode permitir esse tipo de coisa para que diante dessa cruz de cada dia – que seria a tendência homossexual – a pessoa chegue à santidade”.
    É como dizer ao ladrão que sua tendência de meter a mão no alheio é algo permitido por Deus pra ver se ele chega à santidade. Tipo assim, você chega para o ladrão que acabou de sair da cadeia e diz pra ele que Deus arrumou pra ele um emprego num banco, mas não o curou de sua tendência a roubar. Cabe a ele agora provar pra Deus que pode viver com sua tendência ao roubo, matando um leão por dia pra não estender a mão até a caixa registradora!
    Deus não submete ninguém a esse tipo de tentação!
    “Ninguém, ao ser tentado, diga: por Deus estou sendo tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta.Mas cada um é tentado, quando atraído e enganado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz ao pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte.
    (Tiago 1:13-15)
    E assim vamos vendo como o dique vai se rompendo até que a avalanche de heresias toma conta da Igreja e ninguém mais consegue colocar a cabeça pra fora do atoleiro. Chegamos a um ponto em que até muitos daqueles que se consideram “católicos tradicionais” creem que não há nada de errado com a orientação homossexual, mas apenas com os atos homossexuais. A verdade é que Deus não cria nenhuma pessoa com uma orientação homossexual:
    Eis o que diz o Livro do Génesis no relato da criação do Homem: “Deus criou o Homem à Sua imagem e semelhança, varão e mulher os criou”. Logo em seguida, Deus os abençoou e lhes ordenou: “Sede férteis e multiplicai-vos! Aí que foi estabelecida a orientação sexual do ser humano. Uma orientação que depois é confirmada por Jesus Cristo depois da Encarnação do Verbo:
    “ele, porém, respondendo, disse-lhes: não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, e disse: portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu o homem não separe” (Mt 19,4-6) .
    Fora disso o que existe é desorientação, é perda do rumo, desvio.
    Uma única orientação sexual foi estabelecida pelo próprio Criador ao criar homem e mulher um para o outro.
    Aqueles que vivem buscando subterfúgios pra fugir dessa realidade é porque já se deixaram dominar pelo espírito desse mundo e não têm a menor noção do mundo sobrenatural.
    Pois bem, ao ter coragem de dizer às pessoas que estão nessa condição que a desorientação que eles sofrem é perversa e anti natural, que não é parte do plano de Deus pra nenhum ser humano, demonstramos uma grande caridade e amor genuíno por suas almas criadas à imagem e semelhança de Deus. Damos a elas não apenas o conhecimento mas também os meios para se libertarem dessa condição e restaurarem a imagem de Cristo que lhes foi impressa no Batismo e desfigurada pelo pecado. Se uma pessoa envolvida nesse estilo de vida, pela graça de Deus abandona essa vida de abominável pecado mortal, adere em plenitude à fé Católica e aos Sacramentos, possui uma vida de intensa oração e verdadeira devoção à Mãe de Deus e ao santo Rosário, então ele ou ela será libertada do homossexualismo sem qualquer sombra de dúvida. Nosso Senhor nos diz: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8:32) Ao conhecer a verdade sobre a sua verdadeira vocação e empregando os meios deixados pelo próprio Cristo para nossa salvação, qualquer um poderá se libertar dessa perversa desorientação.

    Foi isso que disse a Irmã Lúcia ao Padre Fuentes naquela famosa entrevista em 1957:

    “Olhe, padre, a Santíssima Virgem, nestes últimos tempos em que vivemos, deu nova eficácia à oração do Santo Rosário … de tal maneira que não há nenhum problema, por mais difícil que seja, tanto temporal como, sobretudo, espiritual, na vida pessoal de cada um de nós, das nossas famílias, das famílias do mundo, ou das comunidades religiosas, ou até da vida dos povos e das nações, que não possa ser resolvido pelo Rosário. Não há nenhum problema, digo-vos, por mais difícil que seja, que não possamos resolver pela oração do Santo Rosário.”

    “Com Deus todas as coisas são possíveis”.

  14. Gercione,

    Onde foi que eu disse que Deus criou a pessoa com orientação homossexual? Eu disse claramente que após instalada a orientação, que é sim desordenada (nunca neguei isso) – Deus pode sim PERMITIR que isso faça com que a pessoa pela sua luta constante à santidade chegue à santidade. Quem diz é o Catecismo.

    Agora você como uma pessoa inteligente que é, digo sem ironia porque acompanho sempre seus artigos, sabe que o que caracteriza um pecado não é aquilo que a pessoa sente ou deixa de sentir, mas sim o ATO (prática), ou seja, o CONSENTIMENTO a esses desejos e pensamentos impuros.

    Ninguém irá ao inferno por ter uma tendência homossexual, e se você tiver afirmando um absurdo desse, que prove o contrário com base no ensinamento da Igreja.

    Uma pessoa pode ter a tendência homossexual e ser casta, SIM!

    Com isso, não estou dizendo que a tendência homossexual é ordenada, pelo contrário, desde o começo todos estão afirmando aqui que de fato é desordenado, é óbvio que o é. Mas dizer que isso é pecado você beira à ignorância.

    Entreviste qualquer padre mais tradicional e questione se a tendência ou os atos é que são pecados. A luta que se faz pela castidade (santidade) é renunciando a ela por meio da oração, o Santo Rosário, como você mesmo citou e as práticas de penitência que a Igreja nos ensina.

  15. Prezada D. Gercione,

    Suas posições são no mais das vezes muito acertadas, mas nesse caso me afasto diametralmente da senhora no seguinte ponto. Primeiro, Deus permite sim que sobrevenham males às pessoas, males de toda sorte, inclusive vícios que humilham. A vergonha da imperfeição, a senhora mesma tão bem referiu aqui:

    https://fratresinunum.com/2014/03/11/desabafo-de-leitor/#comment-86400

    No mais das vezes, as conversões — com todas as libertações interiores que dela resultam, que é o que mais importa enfatizar aqui — não são instantâneas. Há conversões na história que são assombrosas sim, como a de um São Paulo. Deus não apenas converteu seu coração no tempo de um tombo de cavalo, como o instruiu em Sua sabedoria nesse mesmo tempo, para que, a partir dali, desse o testemunho que deu. Mas na história da humanidade, e nas histórias particulares das pessoas, não é assim que se dá. Um muitíssimo instruído Padre da Fraternidade de São Pio X, insuspeito de qualquer espécie de conivência com o pecado, diz que as almas movimentam-se tão lentamente quanto os navios. O leme é pequeno, a alma é enorme. Mudar a rota de um navio requer tempo. Virou-se o leme todinho para a direita, mas o navio só atingirá a plenitude dessa mudança de direção muito depois de o leme ter-se virado. Assim a alma.

    Infelizmente não estamos mais naquele tempo em que a filosofia do Evangelho era o ar que a cristandade respirava, e por isso as sucessivas gerações vêm sofrendo e se deteriorando rapidamente com o espírito liberal do mundo, e seu estrago se faz sentir em todos os âmbitos, mesmo naquelas famílias formalmente intactas. O espírito católico de outrora era uma força muito persuasiva, eficiente, uma orientação que pairava no ar… Só que a revolução cultural trabalha por sepultar de vez esse espírito que um dia regeu nações, reinos, famílias, de modo que as pessoas não podem mais contar com essa ajuda. Assim, imagine-se o que o liberalismo não faz de estrago em alguém que, por permissão de Deus, viveu um grande período de sua vida sem a fé e sem a Graça. Para lhe destruir a concepção de sua própria identidade, de sua própria sexualidade, — esse âmbito tão sensível do ser humano porque fortemente ligado à afetividade e à moral, tão fortemente atacada — não custa nada.

    É o caso aqui.

    Pois bem, nesse contexto, quando vejo alguém que, apesar de todo o incentivo do mundo ao pecado, e a despeito de seu próprio vício, de sua péssima tendência ainda não completamente vencida, trilhar o caminho de retorno, o itinerário da conversão, uma conversão progressiva primeiro da inteligência e depois da vontade, eu entendo que é o caso de apoiar e não de levantar o dedo em riste. Eles estão na metade do caminho. É desejável que continuem, que progridam até o fim, e que cheguem à reversão completa de sua tristíssima condição, mas se chegarão à plenitude dessa vitória não sabemos, só Deus o sabe.

    No entanto, devemos desejar sim que vivam castos ainda que não totalmente livres (por enquanto), do que que dêem asas à sua desdita só para salvar o nosso sim, sim, não, não. Isso aliás é o pior: eles mal acabam de se libertar de um jugo pesadíssimo, mas não falta quem lhes aponte o dedo chamando-os de blasfemadores e dizendo que a letra escarlate ainda está lá. Disso está cheio o orbe católico tradicional. Felizmente — felizmente! — não os seus Padres, graças a Deus.

    Não adianta pretendermos que na Tradição Católica temos um oásis, um pedaço de mundo não-pecador, ou ao menos de gente antes imperfeita que se perfectibilizou. Isso não existe. A imensa maioria, (que, por uma especial graça do céu, reconheceu na Tradição a Verdade Eterna) é egressa desse mesmo mundão liberal, isto é: um punhado de pecadores que sabe exatamente de quais maldades é capaz, mas amou a verdade e se negou a continuar vivendo sob o reinado do demônio, e por isso se agarra desesperadamente nas mãos do Senhor, que é a sua força, para não pecar mais e não O ofender.

    Mais católico que isso, ainda estou para ver.

  16. A única “tendência” que eu vejo aqui é aquela de muita leniência com relação ao fenômeno do homossexualismo.
    Essa é a tendência dos nossos tempos: aquele pecado do qual não se ousava sequer dizer o nome, é debatido, justificado, defendido, propagado, discutido com base em conjecturas e textos modernistas que estão muito longe do que escreveram Santo Agostinho, São Pedro Damião, São João Crisóstomo entre outros sobre essa matéria.
    Ora, se o que caracteriza um pecado não é aquilo que a pessoa sente ou deixa de sentir, mas sim o ATO (prática), ou seja, o CONSENTIMENTO a esses desejos e pensamentos impuros, então a palavra homossexual deveria ser aplicada apenas àqueles que praticam o ato e não aos que de alguma forma se sentem tentados a cometê-los.
    Eu só não sei como esse raciocínio pode se aplicar àquelas palavras de Jesus:
    -“Ouvistes o que foi dito: ‘Não cometerás adultério’. Eu, porém, vos digo, que qualquer um que olhar para uma mulher com intenção impura, em seu coração, já cometeu adultério com ela. Se o teu olho direito te leva a pecar, arranca-o e lança-o fora de ti; pois te é mais proveitoso perder um dos teus membros do que todo o teu corpo ser lançado no inferno”.
    Se o simples fato de olhar pra uma pessoa do sexo oposto com desejos impuros já é adultério, o que não dizer então do fato de cobiçar sexualmente uma pessoa do mesmo sexo?
    A verdade é que houve uma mudança de paradigma na Igreja com relação ao pecado da sodomia que culminou naquela famigerada passagem do Novo Catecismo de João Paulo II:

    2358 Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta.

    O que vem a ser “discriminação injusta”? O fato de pessoas com essa inclinação não poderem ser sacerdotes? E se não podem ser sacerdotes por que também não podem se casar? E já que se esforçam pra serem castas por que não podem ser líderes de escoteiros ou dar aulas em escolas Católicas?
    A ideia de que não há nada de errado com a inclinação ou tendência homossexual (o que contradiz claramente Romanos 1 e tudo que foi escrito em Patrística sobre a Carta aos Romanos) é responsável pelo fato de que:
    1) seminários Novus Ordo estão transbordando de homossexuais; sendo que muitos deles ao se tornarem padres e até Bispos provocaram o maior escândalo sexual da história da Igreja.
    2) Os homossexuais ganharam uma ascendência em sociedades outrora Católicas e seus estilos de vida passaram não apenas a ser tolerados como comemorados.
    3) “Casamento” gay se tornou legal em várias nações outrora Católicas culminando agora com o endosso do próprio Papa e do Presidente da CEI à lei Cirinná que aprovou tal abominação numa terra santificada pelo sangue dos mártires.

    Michael Vorris em momento algum se assume como “Homossexual” ou diz que foi “curado da homossexualidade”. Ele diz claramente que foi LIBERTO de um estilo de vida, porque é disso que se trata.
    Nunca vou me esquecer do depoimento da mãe de um ex-travesti que conseguiu a libertação de seu filho dessa perversão porque banhava o chão da igreja todos os dias com suas lágrimas e implorava a Deus dizendo:
    _ Senhor, Vós me destes um filho HOMEM!
    Dizer às pessoas que sofrem com esse desvio que “sua tendência é profundamente enraizada”, e que a única coisa a fazer é esforçar-se pra ser casto, na minha opinião é um desserviço. É por um limite no poder e na misericórdia de Deus.
    Pois eu digo a qualquer um que sofre com essa desorientação e quer sair dela:
    _Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará.” (Efésios 5:14).
    Deus não vos criou para essa escravidão, mas para a liberdade. Portanto, permanecei firmes e não vos sujeiteis outra vez a um jugo de escravidão, pois outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz.

  17. Quando Jesus diz olhar com INTENÇÃO impura, diz claramente que houve consentimento, Gercione. Ele (o homem que deseja a mulher) QUIS desejá-la em seu coração, isto é, consentiu ao desejo. Qual a dificuldade de entender isso? Pergunte isso a um padre de confiança que você tenha.

    E quanto ao que você diz que Deus não nos criou para escravidão, mas para a liberdade, assino embaixo. A escravidão quem gera é o pecado.

  18. nao vou discutir esta postagem aqui . Alguem definiu Voris uma vez da seguinte forma:” muita clareza e pouca caridade” algo nao tao dificil de achar junto com a arrogancia em certos tradicionalistas. Creio que a conta veio ser cobrada dele porque quem acompanha seus videos nota que ele tem mudado bastante e esta se deixando levar pelo sucesso. Parei de assisti-lo quando ele fez uma critica muito pouco caridosa a SSPX, dizendo que eles iriam para o inferno e seus sacramentos colocavam em risco de danacao aos seus fieis. Nos ultimos tempos a pedagogia do inferno estava exagerada a ponto de escandalizar fieis. Parece que ninguem exceto ele estria livre disto. Esta reportagem explica bem alguns pontos. http://remnantnewspaper.com/web/index.php/fetzen-fliegen/item/1264-pay-no-attention-to-the-man-behind-the-vortex