Papa quer criar comissão para estudar diaconado feminino.

Francisco encontrou-se com 800 religiosas de institutos femininos dos cinco continentes

Cidade do Vaticano, 12 mai 2016 (Ecclesia) – O Papa Francisco anunciou hoje no Vaticano a criação de uma comissão para estudar a possibilidade do diaconado feminino, durante um encontro com a União Internacional de Superioras Gerais (UISG) de institutos religiosos.

“A presença das mulheres na Igreja toca na questão do diaconado permanente e, a esse respeito, o Papa Francisco disse que seria útil constituir uma comissão de estudo que se ocupe do tema”, informa o jornal do Vaticano, ‘L’Osservatore Romano’.

O encontro do Papa com mais de 800 religiosas de institutos femininos decorreu na sala Paulo VI, sem transmissão televisiva ou qualquer discurso preparado por Francisco, que respondeu a algumas questões que lhe foram colocadas.

A sala de imprensa da Santa Sé não divulgou, até ao momento, o conteúdo das respostas, mas o ‘Osservatore Romano’ adianta que Francisco falou da inserção das mulheres na vida da Igreja e dos “obstáculos” que ainda encontram.

No “longo colóquio”, acrescenta o jornal, o Papa falou do pouco protagonismo das mulheres, leigas e consagradas, nos processos de decisão na Igreja e na pregação.

As religiosas, provenientes de 80 países, encontram-se em Roma até sexta-feira para a reunião plenária da UISG, em representação de meio milhão de consagradas.

O diaconado é o primeiro grau do Sacramento da Ordem (diaconado, sacerdócio, episcopado), atualmente reservado aos homens, na Igreja Católica.

O Concílio Vaticano II (1962-1965) restaurou o diaconado permanente, a que podem aceder homens casados (depois de terem completado 35 anos de idade), o que não acontece com o sacerdócio.

O diaconado exercido por candidatos ao sacerdócio só é concedido a homens solteiros.

Com origem grega, a palavra ‘diácono’ pode traduzir-se por servidor, e corresponde a alguém especialmente destinado na Igreja Católica às atividades caritativas, a anunciar a Bíblia e a exercer funções litúrgicas, como assistir o bispo e o padre nas missas, administrar o Batismo, presidir a casamentos e exéquias, entre outras funções.

Na Carta aos Romanos (século I), o Apóstolo Paulo faz referência a Febe, “diaconisa na igreja de Cêncreas”, e há outras notícias de mulheres solteiras ou viúvas que, na Igreja dos primeiros séculos, desempenhavam certas funções dos diáconos que não seriam adequadas para homens no contacto com outras mulheres – nomeadamente em cuidados a doentes e ritos batismais (imersão e unções).

Esta instituição foi desaparecendo com o fim do Batismo por imersão e a gene­ra­lização do Batismo das crianças.

O Papa escreveu na sua primeira exortação apostólica, ‘A Alegria do Evangelho’, que a Igreja Católica tem de “ampliar os espaços” para uma presença feminina “mais incisiva”.

Francisco quer ver essa presença alargada aos “vários lugares onde se tomam as decisões importantes, tanto na Igreja como nas estruturas sociais”.

“As reivindicações dos legítimos direitos das mulheres, a partir da firme convicção de que homens e mulheres têm a mesma dignidade, colocam à Igreja questões profundas que a desafiam e não se podem iludir superficialmente”, refere.

O Papa convocou responsáveis eclesiais e os teólogos, para que ajudassem a “reconhecer melhor” o “possível lugar das mulheres onde se tomam decisões importantes, nos diferentes âmbitos da Igreja”.

A exortação apostólica deixa claro, no entanto, que o “sacerdócio reservado aos homens, como sinal de Cristo Esposo que Se entrega na Eucaristia”, é uma questão que “não se põe em discussão”.

Anúncios
Tags:

27 Comentários to “Papa quer criar comissão para estudar diaconado feminino.”

  1. Ao meu ver, isso se trata de um processo revolucionário de promoção da mulher ao sacerdócio dentro Igreja Católica, processo que começou com a permissão de as mulheres distribuírem a comunhão e de as meninas servirem como acólitas. Os anseios das freiras feministas, dos religiosos e do clero progressistas estão se realizando para tristeza dos católicos conservadores e tradicionalistas. Tempos difíceis e graves estes em que estamos vivendo!!! O que mais virá???!!! Deus tenha misericórdia de nós!

    • para a tristeza dos Catolicos Alex. Tradicionalistas nao existem. Somos tradicionais.

    • AH, sim. Então todos aqueles que mantêm a tradição viva seguido o legado de Dom Lefebvre, Dom Mayer e principalmente de todos os papas pré-Vaticano II não existem. E só há dois tipos de católicos: os que não aceitam o Vaticano II (os tradicionalistas ou simplesmente católicos) e os que aceitam, progressistas ou neocons. Se se aceita esse triste concilio com a desculpa esfarrapada que ele foi mal interpretado se é tão progressista quanto esses aí que querem o sacerdócio feminino. A única diferença é a falta de coragem para admitir o óbvio e largar essa fonte de tudo de ruim que veio de 1960 pra cá.

  2. Uma questão teológica: caso o diaconato feminino seja instaurado ou aprovado na Igreja, os sacramentos do batismo e do matrimônio que seriam celebrados por essas diaconisas seriam válidos?

    • Alex, em muitas Comunidades, sobretudo em Lugares chamados de Terra de Missão, mulheres ou religiosas têm a faculdade para assistir matrimônios, dada pela Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos. Quando eu era seminarista em Brasília, na década de 1990, a Irmã Celeste, Vicentina, tinha essa faculdade para a expansão da Samambaia DF. Para o Batismo é o próprio Ordinário Local que dá o chamado Ministério Extraordinário do Batismo. A Irmã supra citada também administrava o Batismo. Isso não fere a validade de nenhum dos dois sacramentos. Quem realiza o matrimônio é o casal de noivos, quem assiste (diácono, padre, bispo, leigo ou leiga) é apenas testemunha. No Batismo a validade se dá se a pessoa está viva e se se utiliza água para realizar o mandato do Senhor. No perigo iminente de morte QUALQUER pessoa pode realizá-lo. Já para os outros sacramentos o caminho é outro, claro.

    • Pe. José William, obrigado pela resposta esclarecedora!
      A sua bênção!

  3. só pode estar de brincadeira!

  4. Francisco Bergoglio até que estava demorando pra dar esse passo. Finalmente, o primeiro realmente concreto para termos mulheres sacerdotisas na igreja, pois após o diaconato, o que as impedirá de serem presbíteras? Só nos falta mesmo isso: ter uma enxurrada de ordenações inválidas na Igreja.

  5. Primeiro decidem depois para parecer mais “democrático” ou mais fundamentado na teologia arranjam estas comissões para justificar o que já está decidido na cabeça de Bergoglio e da maçonaria.

  6. Alguém explica isto?

    «O Papa se disse inclinado à possibilidade de promover pequenas mudanças na lei da Igreja, desde que – fez questão de afirmar – isso seja sempre o resultado de um discernimento profundo por parte das autoridades competentes».

    Portanto, esperemos (mais) mudanças!

    http://br.radiovaticana.va/news/2016/05/12/papa_n%C3%A3o_descarta_comiss%C3%A3o_para_estudar_diaconato_feminino/1229402

  7. De pois dessa atitude esperar o quê mais…

  8. Se ele quer comemorar um cisma em 2017 criando outro, já deu o primeiro passo! ;)

  9. Bastou dizerem que a popularidade dele estava caindo pra ele se sair com mais essa novidade! Hagan lio! É o tema desse Pontificado satânico! Bergoglio é a síntese de todos os hereges e quem diz isso é a Pascendi:

    “Pouco resta-nos finalmente dizer a respeito das pretensões do modernista como reformador. Já pelo que está exposto fica mais que patente a mania de inovação que move estes homens; mania esta que não poupa absolutamente nada ao Catolicismo. Querem a inovação da filosofia, particularmente nos seminários; de tal sorte que, desterrada a filosofia dos escolásticos para a história da filosofia, entre os sistemas já obsoletos, seja ensinada aos moços a moderna filosofia, que é a única verdadeira correspondente aos nossos tempos. Para a reforma da teologia, querem que aquela teologia que chamamos racional, seja fundamentada na filosofia moderna. Desejam, além disto, que a teologia positiva se baseie na história dos dogmas. Querem também que a história seja escrita e ensinada pelos seus métodos e com preceitos novos. Dizem que os dogmas e a sua evolução devem entrar em acordo com a ciência e a história. Para o catecismo, exigem que nos livros de catequese se introduzam só aqueles dogmas, que tiverem sido reformados e estiverem ao alcance da inteligência do vulgo. Acerca do culto, clamam que se devem diminuir as devoções externas e proibir que aumentem, embora, a bem da verdade, outros mais favoráveis ao simbolismo, se mostrem nisto mais indulgentes. Gritam a altas vozes que o regime eclesiástico deve ser renovado em todos os sentidos, mas especialmente na disciplina e no dogma. Por isto, dizem que por dentro e por fora se deve entrar em acordo com a consciência moderna, que se acha de todo inclinada para a democracia; e assim também dizem que o clero inferior e o laicato devem tomar parte no governo, que deve ser descentralizado. Também devem ser transformadas as Congregações romanas, e antes de todas, as do Santo Ofício e do Índice. Deve mudar-se a atitude da autoridade eclesiástica nas questões políticas e sociais, de tal sorte que não se intrometa nas disposições civis, mas procure amoldar-se a elas, para penetrá-las no seu espírito. Em moral estão pelo Americanismo, dizendo que as virtudes ativas devem antepor-se às passivas, e que convém promover o exercício daquelas de preferência a estas. Desejam que o clero volte à antiga humildade e pobreza e querem-no também de acordo no pensamento e na ação com os preceitos do modernismo. Finalmente não falta entre eles quem, obedecendo muito de boa mente aos acenos dos seus mestres protestantes, até deseje ver suprimido do sacerdócio o sacro celibato. Que restará, pois, de intacto na Igreja, que não deva por eles ou segundo os seus princípios ser reformado? […]
    Isto já é bastante para bem nos certificarmos de que muitos são os caminhos, pelos quais a doutrina modernista vai acabar no ateísmo e na destruição de toda religião. Neste caminho os protestantes deram o primeiro passo; os modernistas o segundo; pouco falta para o completo ateísmo”.
    http://w2.vatican.va/content/pius-x/pt/encyclicals/documents/hf_p-x_enc_19070908_pascendi-dominici-gregis.html

    • Aí quando nós seguimos São Pio X e os outros papas que pregavam com ortodoxia e verdadeira caridade, somos os cismáticos e os hereges. Mas nossos acusadores são tão burros e tão ridículos que, nem provam o cisma, – já que aquela excomunhão de 1988 já foi provada que não valeu – nem a heresia. O importante para esse povo não é a fé verdadeira, mas sim se agarrar a autoridade com mentalidade bovina. Rezemos por esse papa, pois ele não tem piedade nem da própria alma e nem daquelas que o seguem.

  10. É impressionante a vontade deste homem de destruir o que encontrou. Ele quer mesmo implodir a Igreja. Trata-se de uma fixação, ninguém tira isso da cabeça dele. Msgr. Lefebvre estava certo, o golpe de mestre do demônio é colocar a obediência a serviço da destruição. Qual Bispo vai contestar o Papa? Qual Padre vai contestar o Bispo? Qual fiel vai contestar o Padre? E nessa jogada nojenta eles vão colocando as piores desgraças nos maiores cargos. O coitado do meu Vigário, que é modernista, já está sendo acusado de ” querer ser mais católico do que o Papa”. A Igreja que Cristo fundou está cada vez mais se tornando a religião do homem, que serve o homem e está voltada para o homem, chutando o Senhor pra escanteio. Não fosse a promessa de Cristo e a força do Espírito Santo, já teria afundado há muito tempo. Deus tenha misericórdia de nós!

    • Quando alguém vem com esse papo de “você quer ser mais católico que o papa” eu logo pergunto em tom de ironia: como se mede o nível de catolicidade? Me empresta essa máquina que eu quero usar.

    • Quando questionarem se você quer ser “mais católico que o Papa” faça como a Gercione e mostre a Enciclica Pascendi para seu interlocutor neocon modernista e rccista. Se ele tentar relativizar os ensinamentos de São Pio X dizendo que os tempos de hoje são outros e diferentes de antigamente, devolva a pergunta:
      VOCÊ QUER SER MAIS CATÓLICO DO QUE O PAPA SÂO PIO X???”

  11. E assim aos poucos vai se realizando o sonho de Stálin de destruir a Igreja Católica…

  12. Amanha estarao reivindicando o direito á catedra de Pedro. João Paulo II e Bento XVI com todo seus carisma nao conseguiram agradar a todos como o Papa Francisco que tem agradado a gregos e troianos, isto me preocupa em muito pois nem mesmo o Cristo agradou a tantos.

  13. Hoje Antônio Socci revelou um particular no anúncio dessa famigerada comissão. Quando a gente pensava que já tinha visto e ouvido tudo!!

    “TROPPE DONNETTE”? LA “STIMA” DI BERGOGLIO PER LE CONSACRATE
    .
    Ieri, nell’evento in cui papa Bergoglio ha annunciato la Commissione sul diaconato alle donne, se n’è uscito anche con questa singolare affermazione: “troppe donne consacrate sono ‘donnette’ piuttosto che persone coinvolte nel ministero del servizio”.
    Siamo abituati ad ascoltare insulti quotidiani contro i cristiani da parte di papa Bergoglio, quindi questo non sorprende.
    Di certo però espressioni simili non manifestano quella grande stima per le donne che i media attribuiscono al papa argentino.
    Peraltro consiglierei a papa Bergoglio – invece di (mal)trattare le “donnette” consacrate (che dovrebbe solo ringraziare) – di considerare se, per caso, nella “sua” Chiesa non vi sia anzitutto un problema di “ometti”…

    TRADUZINDO:

    “Mulherzinhas demais”? A estima de Bergoglio pelas mulheres consagradas.
    .
    Ontem, no evento em que Bergoglio anunciou a Comissão sobre o diaconato para as mulheres, ele também saiu com esta notável declaração: “Muitas mulheres consagradas são apenas mulherzinhas pequenas, em vez de pessoas realmente envolvidas no ministério de serviço.”
    Estamos acostumados a ouvir insultos diários contra os cristãos por parte do Papa Bergoglio, de modo que este também não nos surpreende.
    Mas, certamente, expressões similares não demonstram aquela grande estima pelas mulheres que os meios de comunicação atribuem ao papa argentino.
    No entanto eu recomendaria ao Papa Bergoglio – que em vez de (des) tratar as “mulherzinhas” consagradas (a quem ele só deveria agradecer) – examinar se por acaso, na “sua” igreja não existe antes de tudo um problema de “homenzinhos” …

  14. De passo em passo a igreja revolucionária e humanista do Vaticano II macha a cada vez mais para o abismo. Não me importo mais com o que Francisco diz, faz ou escreve. No máximo rezo para que se converta e que as almas não se percam junto com ele.

  15. Parece que em vez da Igreja Anglicana se unir à Igreja Católica, a Igreja Católica é que vai se unir à Igreja Anglicana… E já que uma mulher (a rainha) é a chefe da dita Igreja, teremos assim a primeira papisa…
    O processo na dita denominação começou assim há uns 40 anos atrás: primeiro diaconisas, depois sacerdotisas e agora bispas. Pelos menos os anglicanos tradicionais tiveram a chance de se unir à Igreja Católica. E eu, que quero viver e morrer, na minha Igreja, vou me unir a quem? Ao patriarca de Moscou?

  16. Vejam! Parece que isso vai gerar uma polêmica acalorada.
    Cardeal adverte que Igreja irá se dividir sobre mulheres diaconisas
    https://br.noticias.yahoo.com/cardeal-adverte-igreja-ir%C3%A1-se-dividir-mulheres-diaconisas-144821989.html

  17. Quando se começa a ter saudades de João Paulo II, o papa que promoveu o encontro islamo-búdico e panteísta de Assis, então algo está indo de péssimo a inqualificável.

  18. “As reivindicações dos legítimos direitos das mulheres, a partir da firme convicção de que homens e mulheres têm a mesma dignidade, colocam à Igreja questões profundas que a desafiam e não se podem iludir superficialmente”.

    É a ditadura dos direitos humanos chegando à Igreja.