Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: A vida interior.

“Vivo, mas já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gál. II, 20).

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

Este artigo é dirigido especialmente a nós do Clero, mas, obviamente, “mutatis mutandis”, se aplica também aos leigos.

mongeHoje lamenta-se a falta de padres, mas antes a lamentar seria a falta de padres santos. Sob o pretexto desta falta de padres, avoca-se até a necessidade de se acabar com o celibato  acerdotal. Realmente teríamos mais padres, mas o necessário é que tenhamos padres santos. Aí está a diferença, aí está a solução.

Também, D. Gänswein disse:  “um ministério ampliado – com um membro ativo e um membro contemplativo”, se referindo respectivamente ao Papa Francisco e ao “Papa Emérito” Ratzinger. “Data venia”, na minha humilde visão, acho isto impossível de ser legitimado por argumentos teológicos, e mesmo, pelos da Teologia Ascética e Mística.

Deus exige de nós Padres, seus Ministros, uma dupla vida: a vida interior, vida de recolhimento, de piedade, de oração e mortificação, “vigiai e orai”, “fazei penitência”; e a vida exterior, a vida ativa, a vida das obras, do apostolado: “ensinai”; pregai”…  apascentai
minhas ovelhas”. Estas duas vidas não se devem separar, aliás completam-se maravilhosamente. Embora a vida contemplativa seja em si mesma, melhor que a ativa, o ideal todavia, para o sacerdote, é a fusão das duas vidas que constitui o verdadeiro apostolado, obra principal do cristianismo. Mas é preciso que a vida contemplativa seja a base da vida ativa, que esta seja a exteriorização daquela. A contemplação deve ser a raiz da seiva da qual a vida ativa vive e se alimenta.

A vida interior é a vida mesma de Jesus Cristo animando a alma como a alma anima o corpo ao qual está unida. Do mesmo modo como a alma é o princípio das operações do corpo, cujos órgãos move; os olhos para ver, os pés para andar, a língua para falar, a mão para agir, assim Jesus Cristo vivendo na alma verdadeiramente interior é o princípio de todas as suas operações sobrenaturais, sem nunca encontrar da sua parte a menor resistência. É Ele que inspira todos os pensamentos, todos os afetos, todas as determinações, quem regra mesmo exteriormente todos os atos e movimentos do seu corpo para contê-los nos limites de uma perfeita modéstia.

Por conseguinte, a alma é penetrada do Espírito de Jesus Cristo, espírito que , a leva a pensar, julgar, amar, detestar, sofrer, trabalhar, querer como Ele, por Ele, com Ele e então as ações exteriores só podem ser a manifestação da vida, do espírito de Jesus Cristo em nós. “Não sou mais eu que vivo, é Jesus que vive em mim”.

Este é o ideal da vida cristã. São Paulo, para no-la fazer entender melhor, serve-se da comparação do enxerto que vem a ser uma mesma coisa com a árvore em que foi inserido, vive da sua vida, alimenta-se de sua seiva. A alma interior é este enxerto, inserido em Jesus Cristo, a árvore de cuja vida participa, de sorte que ela tem com ele um só pensamento, um só querer e não querer.

O mesmo Apóstolo diz ainda que Jesus Cristo é o chefe do corpo do qual nós somos membros, “Cristo é a cabeça… nós somos os membros do seu corpo” (Ef. V, 30). Mas a cabeça e os membros vivem da mesma vida; e como da cabeça a vida dimana sobre os membros inferiores, assim de Jesus dimana sobre as almas que Lhe são unidas, como ao seu Chefe, uma vida toda divina e esta vida é a vida interior. Portanto, vida cristã, vida interior, santidade não diferem essencialmente; são três graus desta união da alma a Nosso Senhor, da ação de Nosso Senhor sobre a alma, dócil à sua direção; são a aurora, a plena luz, o esplendor do mesmo sol.

VIDA INTERIOR é, pois, o estado da atividade de uma alma que, pela sua união a Jesus Cristo, reage contra as inclinações naturais e se esforça por alcançar o hábito de julgar e dirigir-se em tudo, segundo a doutrina e os exemplos de Jesus Cristo. Dois movimentos, portanto: a alma se retira, se separa daquilo que a criatura tem de contrário à união a Deus; e se orienta para Deus. Faz o caminho inverso do pecado.

Caríssimos, não posso deixar de enumerar aqui alguns princípios e avisos práticos dados por D. Chautard:

1.      Não se lançar nas obras por mera atividade natural. Orar para conhecer e seguir sempre a vontade de Deus.

2.      É imprudente e nocivo ficar durante muito tempo num período de ocupações excessivas.

3.      Regulamento determinando o emprego habitual do tempo.

4.      Quanto mais ocupações, maior necessidade de contemplação.

5.      Nas múltiplas obras que são da vontade de Deus, conservar a sede de vida interior.

6.      Relance de olhos seguro, justo e penetrante para distinguir se é sob a influência de Jesus que se conserva na ação.

AVISOS PRÁTICOS:

1.      Convencer-se profundamente da necessidade do regulamento sobretudo quanto a hora de se levantar rigorosamente fixada. E levantar cedo, dizia S. Francisco de Sales, faz bem … “à la santé et à la sainteté”…

2.      A meditação de manhã é a base e elemento indispensável da vida interior.

3.      Missa, comunhão, recitação do Breviário, funções litúrgicas são minas incomparáveis de vida interior e devem ser exploradas com fé e fervor cada dia crescentes.

4.      da vida interior e portanto do apostolado. Exame particular e exame geral, bem como meditação e vida litúrgica, devem tender sempre para o hábito da guarda do coração, por meio da qual se realiza a união do “vigilate” e do “orate”.

5.      Comunhões espirituais e orações jaculatórias.

6.      Piedoso estudo da Sagrada Escritura, sobretudo do Novo Testamento. Todos os dias, ou pelo menos muitas vezes na semana.

7.      Preparada pela guarda do coração, confissão semanal impregnada de contrição sincera, de dor verdadeira e de firme propósito cada vez mais leal e resoluto.

8.      Retiro anual utilíssimo, mas insuficiente. É preciso também um retiro mensal sobretudo ao homem de obras.

– Todos estes meios concorrem para a meditação bem feita ou dela decorrem. Por isso a meditação é o elemento indispensável (O assunto continua no próximo artigo).

Tags:

4 Comentários to “Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: A vida interior.”

  1. O leigo, apesar de dividido entre as obras do Reino do Senhor e as ocupações desse mundo, tem de tal modo proceder que sobrasse sempre tempo para cuidar dos interesses da fé para si, para outrem e vivesse desapegado, como usuario dos bens – ad usum – nada mais!
    E que também sempre arranjasse tempo disponível para essa tarefa, levando-se em conta que “NÃO TER TEMPO” É QUESTÃO DE INTERESSE OU NÃO, e se moldasse no que diz S Paulo:
    ¨Isto, porém, vos digo, irmãos, que o tempo se abrevia; o que resta é que também os que têm mulheres sejam como se não as tivessem;
    E os que choram, como se não chorassem; e os que folgam, como se não folgassem; e os que compram, como se não possuíssem;
    E os que usam deste mundo, como se dele não abusassem, porque a aparência deste mundo passa.
    1 Cor 7 29-31.
    Quanto à questão de permissão de os padres se casarem, teríamos mais quantidade, porém qualitativamente decairia bastante, pois facilitaria a mercenarios se infiltrarem em meio ao clero, aprontarem ainda mais escãndalos, nivelando-se a pastores protestantes que vivem publicamente acusando-se mutuamente nessas igrejas marginais, desprovidas de magisterio – ou cada qual no seu – e facilitarem ainda mais a proliferação de seitas; ter-se-ia saudade do modelo anterior!
    Abordando o assunto dos dois papas, ponderou D Jan Pawel Lenga: *“É difícil acreditar que o Papa Bento XVI renunciou livremente ao seu ministério como sucessor de Pedro!”
    *Carta aberta de um arcebispo sobre a crise na Igreja.

  2. Corrigindo: Nos AVISOS PRÁTICOS nº 4, a frase: da vida interior e portanto do apostolado, deve ser deslocada para o fim do nº 8. Há ainda pequenos outros erros de digitação dos quais peço aos caríssimos leitores, desculpas.

  3. Os Cartuxos são, no meu entender, a comunidade mais contemplativa que há.
    A foto que ilustra a matéria é a expressão mais bem acabada da via contemplativa…

  4. Texto maravilhoso e instigante.