Vaticano: ‘Publicação do Terceiro Segredo de Fátima é Completa’ (mas estaria completamente publicado?)

Por  – The Remnant | Tradução: Fabiano Rollim – FratresInUnum.comPara uma aparição da Virgem Maria que ocorreu há cem anos, e em relação a qual nos foi garantido que se tratava exclusivamente de uma lição de história do século XX, até que ela tem chamado bastante atenção ultimamente.

Para se inteirar – primeiro, tivemos as lembranças de Alice Von Hildebrand no blog OnePeterFive sobre o Terceiro Segredo de Fátima tendo a ver com uma apostasia que começaria no topo da Igreja.

6c8bb439f78d2818cf0a18b679522b8a_lUma semana depois, tivemos a confirmação de uma afirmação, feita há uma década pelo Pe. Ingo Dollinger – amigo pessoal do Cardeal Ratzinger/Papa Bento XVI –, de que, após a descrição que este último fizera do Terceiro Segredo como tendo a ver com uma crise de fé, um concílio mau e uma Missa má (e a apresentação bastante diferente disso feita pelo Vaticano no ano 2000), o então Cardeal Ratzinger teria afirmado que havia realmente mais sobre o segredo do que o publicado.

E de novo, por mais interessante que seja esse desenvolvimento, foi simplesmente uma reconfirmação de uma afirmação de uma década atrás feita pelo Pe. Dollinger, e que já tinha sido previamente publicada pelo Pe. Gruner e por outros.

Mas então aconteceu algo verdadeiramente espantoso: a Sala de Imprensa do Vaticano publicou uma negação com palavras fortes daquilo que havia ignorado por uma década – uma negação supostamente do próprio Bento XVI, aparentemente sua primeira reação pública a alguma coisa desde sua renúncia.

Ora, se a intenção da Sala de Imprensa do Vaticano era abafar toda a controvérsia sobre o Terceiro Segredo de Fátima, eles falharam lastimosamente. Para aqueles que têm acompanhado as denúncias de acobertamento feitas pelos “fatimistas”, essa negação realmente bizarra do Vaticano só serve para pôr mais lenha na fogueira.

Mas antes de analisar a negação do Vaticano, vamos ponderar quão bizarro é que o Vaticano responda à história de OnePeterFive agora, após ela já ser conhecida, ter sido publicada e citada repetidamente por fatimistas por quase uma década. Tudo bem, é possível que a matéria no OnePeterFive tenha dado nova força à história, mas Antonio Socci e Chris Ferrara já publicaram e venderam inúmeros livros sobre a intriga envolvendo o Segredo de Fátima – e mesmo assim o Vaticano fingiu não ter nada com isso, sem jamais refutar ou abordar a montanha de evidências sobre a existência de um texto não revelado no Segredo de Fátima. Por alguma razão, isso repentinamente conseguiu uma resposta imediata e pública por parte do Vaticano agora? Por quê? Mais e mais curiosíssimo, como disse certa vez outra Alice. Tenho minhas teorias sobre isso, mas vamos primeiro à resposta do Vaticano.

Para entender corretamente a resposta do Vaticano sob o ponto de vista de um fatimista bem informado, é necessário entender o que a maioria dos fatimistas têm alegado sempre. A mídia católica em geral frequentemente desconsidera os fatimistas insistindo que, para acreditar neles, você tem de estar disposto a chamar vários papas de mentirosos. Isso simplesmente não é verdade. O que a maioria dos fatimistas alega é que o Vaticano está jogando com algum tipo de restrição mental.

Resumindo, os fatimistas afirmam há tempos que existe um texto adicional escrito pela Irmã Lúcia por volta da mesma época em que escreveu a visão com a qual estamos todos familiarizados. Esse texto adicional contém as palavras de Nossa Senhora explicando a visão e provavelmente contendo um alerta sobre enormes ameaças à fé que viriam de dentro da Igreja. Antes do ano 2000, o contexto e o provável conteúdo do Terceiro Segredo foram atestados por tantas pessoas que os conheciam que é impossível simplesmente desconsiderar isso. Os fatimistas alegam que, por alguma razão, seja por causa do conteúdo alarmante ou por causa da acusação feita às mudanças na Igreja durante e após o Concílio Vaticano II, os papas desde João XXIII teriam questionado a validade de certos aspectos desse texto do Segredo. Eles o teriam considerado tão alarmante, tão perigoso, ou tão desconfortável, que teriam questionado se não teria sido contaminado de alguma forma, talvez pela própria Irmã Lúcia. Assim, tendo se recusado a aceitar a autenticidade e veracidade desse texto, eles o teriam excluído mentalmente, considerando-o uma parte ilegítima do Terceiro Segredo.

É importante entender essa distinção, já que esclarece muitas declarações feitas por prelados desde o ano 2000 em relação ao Segredo e a situações sinistras na Igreja; declarações que se tornariam incompatíveis e estranhamente escrupulosas sem essa distinção. Ainda que possam saber que existe um texto adicional escrito pela Irmã Lúcia, usam essa restrição mental para exclui-lo do Terceiro Segredo “legítimo”. Em suas cabeças, não estão mentindo, mas ao mesmo tempo, fazem de tudo para jamais confirmar que há mais sobre o Terceiro Segredo, porque tal confirmação causaria um clamor por sua revelação a que seria difícil ou até impossível resistir.

Com esse entendimento, podemos ver facilmente por que esta estranha negação das palavras do Pe. Dollinger apenas porá mais lenha na fogueira.

Alguns artigos publicados recentemente atribuem ao professor Ingo Dollinger declarações segundo as quais o cardeal Joseph Ratzinger, depois da publicação, em junho de 2000, do Terceiro segredo de Fátima, havia-lhe confiado que tal publicação não era completa.

A esse respeito, o Papa emérito Bento XVI comunica que “não falou nunca com o professor Dollinger acerca de Fátima” e afirma claramente que as frases atribuídas ao professor Dollinger sobre esse tema são “pura invenção, absolutamente não verdadeiras” e reitera decididamente: “A publicação do Terceiro segredo de Fátima é completa”.


De saída, essa negação quer convencer o leitor de uma coisa: é tudo mentira; o então Cardeal Ratzinger nunca nem falou com o Pe. Dollinger sobre Fátima.

Só que não é isso o que a declaração diz realmente. O primeiro parágrafo apresenta um cenário bem preciso; a saber, o do comentário do Cardeal Ratzinger após o ano 2000 de que a publicação não era completa. Mas o parágrafo seguinte começa com uma precisão bem crítica: “A esse respeito.” Essa precisão indica que a declaração não está negando especificamente que o Cardeal Ratzinger tenha falado com o Pe. Dollinger sobre Fátima, mas diz simplesmente que o Papa Bento XVI não disse ao Pe. Dollinger que a “publicação não era completa.”

Isso é interessante porque não nega, de forma alguma, a afirmação do Pe. Dollinger de que, antes do ano 2000, o Cardeal Ratzinger tenha conversado com ele sobre o Terceiro Segredo e o tenha caracterizado de uma maneira muito diferente do que foi revelado no ano 2000. Essa é uma parte crítica do que o Pe. Dollinger alega, e não é de forma alguma negada nessa declaração. A única coisa que é negada é que o Papa Bento XVI tenha dito: “a publicação não é completa.”

Só que esta frase, “a publicação é completa”, é crítica, motivo pelo qual dediquei um tempo para explicar a questão da restrição mental. Se você entende que eles usaram de restrição mental para excluir aquele texto adicional do Terceiro Segredo, não é mentira dizer que a publicação do Terceiro Segredo é completa, já que podem ou não “acreditar” que o texto adicional seja uma parte autêntica do Terceiro Segredo. Mais que isso, já sabemos que “a publicação é completa”. O Vaticano deixou isso claro no ano 2000. De fato, é esse precisamente o problema, de acordo com os fatimistas. A publicação é completa ainda que as palavras da Virgem não apareçam em nenhum lugar. A frase “a publicação é completa” não significa nada se você entende o jogo da restrição mental.

Quanto às palavras atribuídas ao Papa Bento XVI na negação da Sala de Imprensa do Vaticano – de que as afirmações do Pe. Dollinger são “pura invenção, absolutamente não verdadeiras” – temos de admitir que isso pode ser verdade, mesmo se a veemência da reprimenda não se pareça em nada com Ratzinger e pareça estranhamente abrupta ao repreender um velho amigo.

Ainda mais, é difícil não notar que nos deram a conhecer apenas essas citações abruptas extraídas de Bento XVI sem absolutamente qualquer contexto ou entendimento das verdadeiras perguntas feitas ao Papa emérito. Isso lembra as citações fora de contexto atribuídas à Irmã Lúcia pelo Cardeal Bertone em apoio à revelação do Segredo no ano 2000; três linhas extraídas de uma entrevista de 4 horas com uma senhora idosa. Honestamente, sem o contexto adequado, essas citações são de muito pouco valor para determinar a verdade da questão, possuindo valor apenas na percepção do público geral.

Dada a seriedade da questão – algo tão sério, de fato, que fez o Vaticano não apenas responder, mas obter do Papa emérito Bento XVI um comentário pela primeira vez em mais de 3 anos – essa é uma resposta nada séria. Se o Vaticano está realmente interessado em encerrar essa questão, deixe que Chris Ferrara e Antonio Socci façam uma entrevista completa com o Papa Bento XVI e com o Cardeal Bertone, articulando propriamente as perguntas e registrando de uma vez por todas as respostas completas e integrais.

Talvez a história do Pe. Dollinger não seja verdadeira em todos os seus detalhes e o Vaticano tenha se sentido à vontade para responder com aquela negação, para fortalecer a afirmação e a percepção pública de que todo o Terceiro Segredo tenha sido revelado. Entretanto, tenho acompanhado essa história de Fátima muito de perto e, após ler essa última negação vaticana, só posso ficar mais do que nunca convencido de que há mais coisa por trás disso tudo.

Tags:

13 Comentários to “Vaticano: ‘Publicação do Terceiro Segredo de Fátima é Completa’ (mas estaria completamente publicado?)”

  1. Na afirmação do Vaticano “a publicação é completa”, “sob o ponto de vista de um fatimista bem informado”, está implicito que “a publicação (não) é completa”.

  2. Não foi completamente publicado. No livro azul, Nossa Senhora revela ao Pe. Gobbi que a outra parte do terceiro segredo, que até então estava omitida seria conhecida por todos com o decorrer dos fatos: “Roma será a sede do anticristo”.
    Claro que hoje o Pp. Bento foi obrigado a omitir a verdade, mas é só analisar o toda a realidade que estamos vivendo como Igreja atualmente: todo o contexto que levou a renúncia de Bento, a eleição de Bergoglio e suas pretensas reformas somadas as declarações de Ganswein…será que precisa desenhar?

  3. Acho incrível essas elocubrações cujos autores parecem ter sido os próprios redatores do Segredo, tão bem o conhecem, mais que as autoridades eclesiásticas…

  4. Em 1936, pouco antes de partir para sua viagem aos Estados Unidos, o Secretário de Estado de Pio XI, Cardeal Eugênio Pacelli, o futuro Pio XII, disse ao Conde Enrico Pietro Galleazzi:

    “Suponha, meu caro amigo, que o comunismo seja apenas o mais visível dos órgãos de subversão contra a Igreja e contra a tradição da revelação divina, então nós vamos assistir á invasão de tudo o que é espiritual, a filosofia, a ciência, o direito, o ensino, as artes, a imprensa a literatura, o teatro e a religião. Estou obcecado pelas confidências da Virgem à pequena Lúcia de Fátima. ESSA OBSTINAÇÃO DE NOSSA SENHORA diante do perigo que ameaça a Igreja, é um aviso divino contra o suicídio que representaria A ALTERAÇÃO DA FÉ, EM SUA LITURGIA, SUA TEOLOGIA e sua alma”.(…) (destaques meus)
    “Ouço em redor de mim os inovadores que querem desmantelar a Capela Sagrada, destruir a chama universal da Igreja, rejeitar seus ornamentos, dar-lhe remorso de seu passado histórico”.
    “Pois bem, meu caro amigo, estou convicto que a Igreja de Pedro deve assumir o seu passado ou então ela cavará sua sepultura”.
    “…um dia virá em que o mundo civilizado renegará seu Deus, em que a Igreja duvidará como Pedro duvidou. Ela será tentada a crer que o homem se tornou Deus, que seu Filho é apenas um símbolo, uma filosofia como tantas outras, e nas igrejas os cristãos procurarão em vão a lâmpada vermelha em que Deus os espera”. (Monsenhor Georges Roche e Philippe St. Germain, Pie XII devant l´Histoire, Laffont, Paris, 1972, pp 52 – 53; idem Abbé Daniel Le Roux, Pierre m´aimes-tu?, edit Fideliter, Brout Vernet 1986. p. 1; idem Padre Dominique Bourmaud, Cien Años de Modernismo, Ed Fundación San Pio X Buenos Aires, 2006, p. 312; apud Dom Bernard Fellay, Superior Geral da FSSPX, Resposta de 22 de junho de 2001 à carta do Cardeal Castrillon Hoyos de 7 de maio de 2001. Communicantes, Août 2001, http://www.sspx.ca/Communicantes/Aug2001/French/Monseigneur_Fellay_repond.htm).

    Fonte: http://goo.gl/mgAHkA

    ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

    Sobre o Terceiro Segredo de Fátima, o Cardeal Oddi observou que o segredo:

    “Não tem nada a ver com Gorbachev. A Virgem Abençoada nos alertou contra a apostasia na Igreja.”

    Mas, então, são bem certos os raciocínios de que Nossa Senhora teria falado da Igreja de um suicídio e de uma apostasia na Igreja.
    No artigo de Solideo Paolini (http://www.unavox.it/ArtDiversi/div042.htm) há uma citação do Cardeal Ciappi (falecido em 1996) falando a mesma coisa.

    “E se o Cardeal Oddi, que teve uma conversa com a Irmã Lúcia, trouxe dela a convicção “que o Terceiro Segredo predizia algo terrível feito pela Igreja”, obviamente no sentido impróprio aos homens da Igreja, o Cardeal Ciappi, que foi por decênios e sob vários Pontífices “teólogo do Papa”, foi absolutamente lapidar ao escrever pouco antes de morrer: “No terceiro segredo se profetiza, entre outras coisas, que a grande apostasia na Igreja partirá de seu cume”.

    Ou o Cardeal Ciappi mentiu, ou ele leu isso mesmo no Terceiro Segredo de Fátima. Mas, se o Terceiro Segredo disse tal coisa, Nossa Senhora teria predito uma apostasia levada a cabo pelo cume da Igreja, isto é, por um Papa.
    É natural, então, que os Papas responsáveis por esse suicídio e apostasia não o quisessem publicar
    Isso mesmo é confirmado por outros testemunhos ainda.

    Fonte: http://goo.gl/KoBQN3

  5. Alguns dias atrás, eu escrevi a um sacerdote (o pe. Rodrigo Maria, fundador da Fraternidade Arca de Maria) que eu sabia ter algo a dizer sobre as revelações do padre Dollinger, pedindo-lhe que comunicasse ao Fratres o seu relato. Ele gentilmente atendeu o meu pedido e postou seu comentário neste post: https://fratresinunum.com/2016/05/23/onepeterfive-responde-ao-desmentido-da-sala-de-imprensa-da-santa-se-dollinger-confirma-dialogo/#comments. Reproduzo aqui as palavras dele, para quem ainda não tiver lido o seu comentário-relato:
    “Por Deus e Pela Rainha!
    Estudei no seminário Maior Imaculado Coração de Maria entre os anos de 1994 e 1999. Tendo sido ordenado sacerdote em 08 de dezembro de 2000 pela imposição das mãos do grande bispo de Anápolis-GO, Dom Manoel Pestana Filho.
    Entre as maiores graças que tive em minha vida estão a graça de ter sido pastoreado por um santo bispo( Dom Manoel Pestana) e de ter tido um santo reitor, o Reverendíssimo Pe. Dr. Ingo Dollinger.
    Tive a graça de conhecer bem, o Pe. Dollinger, homem profundamente espiritual e grande amor a Igreja, que equacionava de modo admirável o conhecimento e a simplicidade, a gravidade das responsabilidades e a alegria.
    Todos os dias quando ia para a bela capela do seminário fazer minhas meditações, lá já se encontrava o reverendo reitor, a partir das 04:00 da manhã. Era filho espiritual de São Pio de Pietrelcina. Teve o privilégio de receber do próprio São Pio as chaves da sua cela, de forma a poder ter acesso direto ao grande santo muitas vezes quanto ia a San Giovane Rotondo. Pe Dollinger conheceu pessoalmente boa parte dos grandes místicos de seu tempo e foi de um desses que ele recebeu menções sobre o conteúdo da terceira parte do segredo de Fátima que não havia sido revelada.
    Tive a graça de gozar da estima e da confiança do Pe. Dollinger de quem tornei-me grande amigo e a quem eu tinha em conta de um grande pai espiritual e excepcional formador.
    Pe. Dollinger, além de reitor do Seminário Maior, trabalhava também com o Cardeal Ratzinger na Congregação para Doutrina da Fé. Ele era secretário da comissão de diálogo com a maçonaria, razão pela qual ele tinha um grandíssimo conhecimento a respeito daquela instituição, inclusive revelando coisas que jamais poderia conhecer pelos livros.
    A convivência e o conhecimento que o Pe. Dollinger tinha para com o Cardeal Ratizinger eram grandes. Tinham uma leitura muito semelhante sobre as razões da atual crise da Igreja.
    O aluno do Pe. Dollinger a que o artigo acima se refere sou eu.
    Em certa altura, em um dos muitos diálogos que tivemos, quando falávamos sobre a crise na Igreja, e toda a apostasia, ele me confidenciou o que passo a relatar:
    Disse-me que tendo conhecimento com muitas almas místicas de seu tempo, uma delas lhe falou sobre o conteúdo da terceira parte do segredo, que parecia explicar a atual situação da Igreja, bem como o silêncio e a tergiversação das autoridades eclesiásticas a cerca do tema. Ele me disse que, segundo essa alma mística, o conteúdo da terceira parte do segredo seriam essencialmente essas palavras: ”Virá um Concílio, por meio do qual a apostasia entrará na Igreja…diga ao Papa que não faça o Concílio”…quando o Pe. Dollinger perguntou ao Cardeal Ratzinger se era realmente esse o conteúdo do segredo o Cardeal silenciou( porque segundo explicou Pe. Dollinger o Cardeal estava obrigado por juramento a não pronunciar-se a cerca do tema)…depois o Pe. Dollinger perguntou ao Cardeal porque não se divulgou o conteúdo da terceira parte do segredo e a resposta de sua Eminência foi: ”Porque agora é tarde demais”.
    Na altura, meu magnífico reitor me explicava que a revelação da terceira parte do segredo teria consequências inimagináveis no seio da Igreja. Como explicar ao povo que fizeram um Concílio, apesar da advertência de Nossa Senhora, pelo qual a doutrina católica seria relativizada e prostituída, o impulso missionário da Igreja quase completamente destruído e a liturgia avacalhada levando milhões de pessoas a perderem a fé? Como reagiria o episcopado que em grande parte tem o Concílio Vaticano II como ”super dogma”? A divulgação oficial disso poderia levar a uma confusão generalizada e a muitas divisões no seio da Igreja.
    O Pe. Dollinger explicou que era esta a razão pela qual Nossa Senhora queria que o segredo fosse revelado em 1960. Fez também questão de explicar que o Papa João XXIII leu o segredo, mas ainda assim quis convocar o Concílio, procurando entretanto brindá-lo de todos os modos para que nenhuma heresia entrasse. Em seu grande otimismo talvez o Papa pensasse que a profecia poderia se referir a um outro concílio e não àquele que ele estava convocando.
    Pe. Dollinger contou-me sobre a longa correspondência entre o Vaticano e os bispos, para assegurar a solidez e concordância dos temas que seriam tratados. Segundo o que narrou, o concílio deveria ser rápido e durar apenas alguns poucos meses. Mas essa história mudou graças a atuação do Cardeal francês ligado à maçonaria chamado Tisserant. O reverendo reitor narrou que poucos meses antes do início do concílio, esse cardeal se reuniu com alguns outros para fazer algo em vista da mudanças das regras do Concílio, que modo que este deixasse de lado tudo o que já havia sido produzido na correspondência com os bispos e se produzisse novos textos a partir da assembléia que iria se reunir. Contou que estes cardeais fizeram (de modo velado ) um grande loby para que os bispos votassem pela mudança das regras de forma que a assembléia pudesse produzir seus próprios documentos. Na aula inaugural do Concílio, já tendo sido feito o ”trabalho” de bastidores, o Papa foi interpelado diante de todos para que mudasse as regras…que ao menos colocasse em votação…o Papa, resolveu então colocar em votação as regras da produção dos documentos do Concílio, crendo que os bispos iriam ratificar as regras elaboradas pelo Vaticano e valorizar todo o trabalho que já havia sido feito, além do que seria a ocasião para ressaltar a unidade dos bispos com o Vaticano e o sucessor de Pedro… O Papa colocou em votação e…perdeu. Pe Dollinger disse que o Papa chorou, mas não quis voltar atrás… depois seguiu-se toda a história que já conhecemos( um pouco)…massacraram os bispos com muitos textos, de forma que estes não conseguiam analisar tudo, levando-os assim a confiarem demasiado na autoridade intelectual dos grandes teólogos para fazerem as sínteses e elaborarem os textos dos documentos. A consequência disso se expressa em frases como a do grande teólogo Schillebeeckx: ”Escrevemos os documentos do Concílio em uma linguagem propositadamente dúbia, porque sabíamos a interpretação que daríamos depois”.
    Sobre este fato da atuação do Cardeal Tisserant, juntamente com outros, para mudarem as regras de elaboração dos documentos do Concílio, há um fato importante a acrescentar. Haviam alguns outros poucos em quem o Pe Dollinger tinha uma grande confiança e a quem confidenciou também algumas coisas importantes, entre eles o reverendíssimo Pe. Almir que foi Secretário Geral na Fraternidade São Pedro e trabalhou no secretariado da Eclesia Dei. O Pe. Dollinger me narrou que ao contar essa história da sórdida atuação do cardeal Tisserant ao Pe. Almir, saiu do chão do seu escritório no seminário, diante dos olhos deles, uma fumaça preta, no exato momento quando o reverendo Pe. Almir exclamava: ”Mas isso é diabólico!!!” e o magnífico reitor confirmava:”Realmente diabólico”…. Este fato foi contado sob juramento e registrado no livro de casos reservados da Cúria Diocesana de Anápolis-GO, segundo narrou Pe. Dollinger.
    À pergunta se a Igreja teria mentido ao publicar no ano 2000 um texto que não correspondia a revelação feita por Nossa Senhora a explicação seria a seguinte: Ao revelar a terceira parte do segredo Nossa Senhora mostrou aos pastorinhos uma visão correspondente a essa parte e disse textualmente o que era o segredo. Lúcia escreveu o segredo, assim como a narração da visão, que também permaneceu em segredo, sendo esta a parte secreta revelada pelo Vaticano.Tanto que a Santíssima disse : ”Não conteis a ninguém, mas ao Francisco podereis contar.”… ora, Francisco também havia visto o que Nossa Senhora mostrou, mas não havia escutado as palavras que Ela tinha dito, pois ele apenas via Nossa Senhora, mas não ouvia, nem falava. Assim sendo, quando ela disse: ”ao Francisco podeis contar…” ela se referia às suas palavras e não à visão. Hoje nos encontramos na mesma situação de Francisco, ou seja, sabemos o que foi a visão, mas não sabemos as palavras que Nossa Senhora disse. Deste modo, podemos afirmar que a Igreja não mentiu, pois realmente revelou um segredo manifestado por Nossa Senhora em Fátima, mas não revelou as palavras de Nossa Senhora, a exemplo da primeira e segunda parte do segredo.
    Creio ser importante acrescentar que o Pe. Dollinger fazia questão de deixar claro que, Nossa Senhora não dizia que o Concílio não era de Deus, mas que, segundo seu entendimento, seria instrumentalizado para estabelecer a apostasia como de fato aconteceu.
    Pe. Dollinger me fez manter segredo sobre o tema da terceira parte do segredo de Fátima. E assim o fiz por muitos anos(quase 10 anos), até que em uma viagem com Dom Manoel Pestana à Itália para participar do retiro anual do Movimento Sacerdotal Mariano, no momento do almoço, na mesa com alguns sacerdotes, Dom Manoel contou a mesma história, pelo que me desobriguei do segredo, ainda que o tenha comentado com pouquíssimas pessoas, entre elas esse aluno do Prof. Orlando Fedeli.
    Concordo plenamente com a abordagem do artigo que diz que o texto foi semanticamente cuidadosamente elaborado. Que é significativo que o Papa Bento XVI rompa o silêncio, e que pela primeira vez, utilize os meios de comunicação oficiais para fazer este ”esclarecimento”…e que o ”esclarecimento” se dê em terceira pessoa. Concordo também que a reação das autoridades no Vaticano evidenciam que este é um tema latente e definitivamente não esclarecido de modo cabal.
    Pe. Rodrigo Maria, escravo inútil da Santíssima Virgem.”

  6. Fratres,

    Caro Ferretti,

    Salve Maria! De fato, ao que apontam as fortes evidências e a coletânea de comentários colhidos no passado pelos que tiveram acesso ao texto, a terceira parte do Segredo da Virgem Santíssima não foi, muitíssimo provavelmente, publicada na íntegra. Assim pensa também Dom Fellay (vide a mais recente entrevista dele, gravada no 13 de maio deste ano). A hipótese do recurso à restrição mental, como sugere o presente texto, é possível. Um pedido: poderiam (ou algum leitor) nos comentar ou publicar algo sobre as especulações acerca de que existiram “duas irmãs Lúcias”? Tempos atrás li este artigo (e alguns outros) sobre o assunto: (trata-se de tradução de texto da Dra. Marian Therese Horvat). Confesso que as fotografias da reverenda religiosa até mais ou menos o fim dos anos 50 e as do período posterior a isso parecem retratar duas pessoas muito distintas. Uma simples observação do formato do queixo, dos dentes, dos lábios, das sobrancelhas e de outras feições faciais parece revelar serem, realmente, pessoas diferentes… Ou nada disso procede ou faz sentido? Qual a opinião dos fatimistas?

    “Benedicat nobis Dominus et custodiat nos.”

  7. Tudo levaria a crer que os provaveis demolidores a partir do interior da Igreja para não se auto incriminarem, teriam escusado de revelar ostensivamente o 3º Segredo, ou alterado o texto para escamotearem o assunto para que não se tornassem suspeitos diretos com que sucede de apostasia na Igreja, sucedendo isso após certos grupos infiltrados dentro da Igreja atuando no Vaticano II – A Bugnini & Cia – conseguindo sutis alterações doutrinarias e litúrgicas para seus intentos maléficos – aliás, agiram como artífices de Satã!
    Os previstos remotamente por N Senhora do Bom Sucesso para os sec XIX e XX dão ideia dessas tramas e suas implantações em nosso tempo, em pleno vigor, compartilhando com N Senhora de Fátima.
    Por quererem servir às meias, serão rejeitadas por Deus:
    “O Menino Jesus revelou a Madre Mariana que muitas almas religiosas e sacerdotais “querem servir-Me às meias, conservando seus caprichos e gênios, em tudo satisfazendo suas vontades e tomando liberdades incompatíveis com seu estado e profissão. Eu não as tolero; nada pela metade me agrada. Eu as abandono e deixo que sigam todos os desejos de seu coração pervertido para desconhecê-las diante de Meu Pai Celeste. Ai daqueles e daquelas!” (II, 93).
    Calar-se-á quem deveria falar:
    “Quase não se encontrará a inocência nas crianças nem pudor nas mulheres, e nessa suprema necessidade da Igreja, calar-se-á aquele a quem competia a tempo falar” (II, 7).
    Essa grave omissão é repetida por Nossa Senhora na aparição seguinte, em 2/02/1610:
    “Campearão vícios de impureza, a blasfêmia e o sacrilégio naquele tempo de depravada desolação, calando-se quem deveria falar” (II, 17).
    E Nossa Senhora faz à sua dileta filha esta declaração terrível:
    “Tempos funestos sobrevirão, nos quais (…) aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão as mãos aos inimigos da Igreja para fazer o que estes quiserem” (II, 98).
    Trechinho de carta do grande bispo D Manuel Pestana de 20/01/1988 enviada ao presidente da CNBB Dom Luciano Mendes de Almeida pelos recorrentes desvios de conduta da CNBB, tida como ante-cãmara do comunismo, agindo pró marxistas, enquanto o povo era cooptado pelas ideologias e chegamos ao atual estagio de nos situarmos hoje dentro de um ambiente extremamente devasso e relativizado religioso-ético-moral.
    … “Creio que já ultrapassamos os limites do tolerável. Nem mais seríamos “canes non valentes latrare[2], responsáveis diante de Deus e da Igreja pelas inimagináveis consequências do nosso silêncio no meio do sofrido povo de Deus, se, estupidificados pelo engodo da ‘unidade’, continuássemos engolindo a infidelidade e apostasia que escorrem do alto. Não é apenas a fumaça de Satanás que entrou na Igreja, por alguma fenda oculta, como lamentava o Santo Padre Paulo VI: é, transpondo triunfalmente os portões, o diabo inteiro, presente nos mais altos postos, através de seus fiéis seguidores”.
    Admite-se que esses seguidores a que se referiu multiplicaram-se com o tempo, constantes em La Salette.
    O mesmo confirmou o grande Pe Gabrielle Amorth em seu livro “Um Exorcista Conta-nos” do qual D Manuel Pestana foi o prefaciador.

  8. O presente texto começa assim:

    “Para uma aparição da Virgem Maria que ocorreu há cem anos, e em relação a qual NOS FOI GARANTIDO que se tratava exclusivamente de uma lição de história do século XX, até que ela tem chamado bastante atenção ultimamente.” (destaque meu).

    Ocorre que o Papa Raztinger disse outra coisa a respeito…

    “Enganar-se-ia quem pensasse que a missão profética de Fátima esteja concluída”
    Bento XVI, Sermão em Fátima em 13 de Maio de 2010

    “Possam os sete anos que nos separam do centenário das Aparições (2017) apressar o anunciado
    triunfo do Coração Imaculado de Maria” Bento XVI em Portugal, 2010

  9. Fratres, salve Maria!
    Creio que fiz uma constatação de interesse:
    Na última segunda-feira, dia 06 de junho, assisti à aula do querido e reverendo Padre Paulo Ricardo a respeito do terceiro segredo de Fátima.
    Em mais de um momento ele deixou claro que reconhece que o evento “Fátima” é sobrenatural e que tem muitas perguntas a respeito do terceiro segredo.
    Em uma dada altura da aula, ele cita um argumento muito usado por altos membros da Cúria Romana: o de que a irmã Lúcia, mero instrumento que foi, pode ter (em sua limitação humana) se equivocado ao escrever a explicação de Nossa Senhora a respeito do terceiro segredo e que, justamente por isso, o Vaticano tenha preferido manter oculta essa parte uma vez que ela poderia não retratar fielmente o que quis dizer Nossa Senhora no chamado terceiro segredo.
    Há um contra-argumento extremamente interessante que consta do diário inédito da Irmã Lúcia intitulado “O meu caminho”. Vejam:
    Por volta das 16h do dia 3 de janeiro de 1944, na capela do convento, diante do sacrário, Lúcia pediu a Jesus que lhe fizesse conhecer a Sua vontade: “senti então, que uma mão amiga, carinhosa e maternal me toca no ombro”.
    É “a Mãe do Céu” que lhe diz: “Está em paz e escreve o que te mandam, NÃO PORÉM O QUE TE É DADO ENTENDER do seu significado”, querendo aludir ao significado da visão que a própria Virgem lhe tinha revelado. (destaque meu).
    (…)
    Assim lhe foi dada a força para que escrevesse o Terceiro Segredo.

    Trecho extraído do diário inédito da Irmã Lúcia intitulado “O meu caminho”. Fonte: https://goo.gl/bsycxf
    Do acima exposto, fica muito claro que o Céu preveniu claramente a possibilidade de que a Irmã Lúcia escrevesse algo distorcendo o que Nossa Senhora disse.
    Mais. Nas numerosas visões que teve, Irmã Lúcia seria corrigida caso escrevesse algo que não fosse do agrado do Céu.
    Salve Maria!

  10. A irmã Lúcia disse que o terceiro segredo deveria ser revelado quando ela morresse ou no início da década de 60. O estranho é que decidiram que o segredo não seria revelado e a sua aparência mudou completamente neste período. Só por este motivo já acho tudo muito suspeito.

  11. Está claro que existe uma explicação da visão da tereira parte do segredo que nunca foi revelada pelo Vaticano, e essa parte não é uma mera interpretação da vidente como querem as autoridades conciliares para assim encobrir os seus crimes contra Deus e contra a humanidade. Não! O que Lucia escreveu foram as palavras de Nossa Senhora, e não o que foi dado a ela entender.Na sequência Nossa Senhora disse que sim, ao Francisco ela poderia contar, isso porque o Francisco só via e não ouvia o que dizia Nossa Senhora.

  12. Toda esta história está mal contada. Na realidade, as relações do Dr. Dollinger com o cardeal Ratzinger concerniam à questão do Opus Angelorum, do qual o referido doutor era um advogado ferrenho e Ratzinger um crítico severo. Ratzinger jamais abriria a boca sobre Fátima com o dr. Dollinger.
    Ratzinger via com preocupação o Seminário Diocesano de Anápolis controlado pelo Opus Angelorum, obra esta considerada uma bruxaria até por membros do clero diocesano.

  13. Livro azul do Movimento Sacerdotal Mariano. Fátima, 13 de maio de 1990 – aniversário das aparições
    O meu terceiro segredo que revelei aqui às crianças a quem apareci e que até agora ainda não vos foi revelado, tornar-se á evidente para todos pelo próprio desenrolar dos acontecimentos.
    A igreja conhecerá a hora de sua maior apostasia, o homem iníquo introduzir-se-à no seu interior e sentar-se á no próprio Templo de Deus, enquanto o pequeno resto que permanecerá fiel será submetido as maiores provas e perseguições.
    A humanidade viverá a hora do seu grande castigo e será assim preparada para receber o Senhor Jesus que voltará a vós na glória.
    Segredo de Salette: “Roma perderá a fé e será a sede do anticristo.
    Catecismo da Igreja Católica: § 675 – Antes do advento de Cristo, a Igreja deve passar por uma provação final que abalará a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha a peregrinação dela na terra desvendará o ‘mistério da iniquidade’ sob a forma de uma impostura religiosa que há de trazer aos homens uma solução aparente aos seus problemas, à custa da apostasia da verdade”.
    Tiremos nossas conclusões.