“Herético”. O veredito do Cardeal Müller sobre Fernandez, o primeiro conselheiro do Papa.

Em uma entrevista na última edição da “Herder Korrespondenz”, o Cardeal Gerhard L. Müller chamou nada menos que de “herege” a um tipo que se passa como “um dos conselheiros mais próximos do Papa”.

Por Sandro Magister | Tradução: FratresInUnum.com: Eis o que disse o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé:

“O ensinamento sobre o papado enquanto instituição divina não pode ser relativizado por ninguém, porque isso significaria querer corrigir o próprio Deus. […] Já faz algum tempo, que tem alguém que está sendo apresentado por determinados meios de comunicação como um dos conselheiros mais próximos do Papa, segundo o qual se pode muito bem deslocar a sede papal para Medellin ou espalhar os dicastérios da cúria por diferentes igrejas locais. Isso é fundamentalmente errado e até mesmo herético [sogar häretisch]. Sobre essa matéria, basta ler a constituição dogmática “Lumen Gentium” do Concílio Vaticano II para reconhecer o absurdo eclesiológico destes jogos mentais. A sede do papa é a Igreja de São Pedro em Roma”.

jpg_1351304Müller acrescentou que a missão explícita de São Pedro, de “guiar toda a Igreja como seu pastor supremo”, foi transmitida “para a Igreja de Roma e, com ela, a seu bispo, o papa”. E isso “não é um jogo organizativo, mas feito para preservar a unidade dada por Deus” e que também inclui “o papel do alto clero da Igreja romana, os cardeais, que ajudam o Papa no exercício do seu Primado”.

Não é difícil adivinhar quem é que está na mira de Müller. Trata-se de Dom Víctor Manuel Fernández, reitor da Universidade Católica Argentina em Buenos Aires e confidente de longa data de Jorge Mario Bergoglio, bem como, de fato, seu teólogo de confiança e arquiteto principal de seus principais documentos, desde a “Evangelii Gaudium” a “Amoris Laetitia “, e esta última chega ao ponto de plagiar trechos de artigos escritos pelo próprio Fernández há dez anos atrás:

“Amoris Laetitia” tem um escritor fantasma. Chama-se Víctor Manuel Fernández.

Mas o que o Cardeal Müller não engoliu mesmo de Fernández, é o que ele disse em uma entrevista ao “Corriere della Sera” de 10 de Maio de 2015:

“A Cúria do Vaticano não é uma estrutura essencial. O Papa poderia muito bem ir viver fora de Roma, ter um dicastério em Roma e outro em Bogotá, e talvez se conectar por teleconferência com os peritos em liturgia residentes na Alemanha. Em torno do Papa o que existe é um sentido teológico, é o colégio de bispos para servir o povo. […] os próprios cardeais podem desaparecer, na medida em que não são essenciais”.

E Fernández disse ainda, acusando precisamente o Cardeal Prefeito, que em entrevista ao “La Croix”, em 29 de Março, havia atribuído à Congregação para a Doutrina da fé “a missão de estruturação teológica” de um  Pontificado eminentemente “pastoral” como é o de Francisco:

“Eu li que alguns dizem que a Cúria Romana é uma parte essencial da missão da Igreja, ou que um prefeito do Vaticano é a bússola segura que impede a Igreja de cair no pensamento light, ou que aquele prefeito assegura a unidade da fé e garante ao pontífice uma teologia séria. Mas os Católicos, ao lerem o Evangelho, sabem que Cristo assegurou uma guia e iluminação especial ao papa junto a todos os bispos, mas não a um prefeito ou a uma outra estrutura. Quando se ouve dizer coisas desse tipo, quase parece que o papa é apenas um representante deles, ou aquele que veio para perturbá-los e deve ser controlado”.

Mais de um ano se passou desde que o teólogo argentino disparou contra Muller, mas aparentemente o Papa não ficou nem um pouco incomodado, visto que o mantém cada vez mais próximo.

E agora que Müller emitiu contra Fernández o veredito de “heresia”, é certo que quem vai cair ainda mais baixo no conceito do papa será ele, o cardeal, que já não conta para nada como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, e muito menos para a “estruturação teológica” deste pontificado.

A este propósito, não é de excluir que o Papa se referia especialmente a Müller quando, em seu terceiro sermão no retiro para sacerdotes, em 2 de Junho, disse ao comentar o encontro de Jesus com a mulher adúltera:

“Às vezes me dá uma mistura de pena e indignação quando alguém se esforça para explicar a última recomendação, o ‘não peques mais” e utiliza esta frase para “defender” Jesus e não o fato de que Ele passou por cima da lei”.

Com efeito, o Cardeal Müller tinha, de fato, escrito ao tomar uma posição em 2013, tendo em vista o sínodo sobre a família:

“Outra tendência em favor da admissão de divorciados novamente casados aos sacramentos é aquela que invoca o argumento da misericórdia. Porque o próprio Jesus era solidário com os sofredores, doando-lhes o seu amor misericordioso, a misericórdia seria um sinal especial de autêntico discipulado. Isso é verdade, mas é um argumento fraco quando se trata de matéria teológica e sacramental, porque toda a ordem sacramental é exatamente obra da misericórdia divina e não pode ser revogada sem negar o mesmo princípio que a sustenta.

“Através do que objetivamente soa como uma alusão falsa à misericórdia, incorre-se no risco da banalização da própria imagem de Deus, segundo a qual Deus não poderia fazer outra coisa senão perdoar. Ao mistério de Deus pertencem, além da misericórdia, também  a santidade e a justiça. Se resolvem ocultar esses atributos de Deus e não levam a sério a realidade do pecado, não se pode nem mesmo levar às pessoas a sua misericórdia.

“Jesus encontrou a mulher adúltera com grande compaixão, mas também disse: “Vai, e não peques mais” (Jo 8, 11). A misericórdia de Deus não dispensa dos mandamentos de Deus e das instruções da Igreja, antes, ela concede o poder da graça para a sua plena realização, para levantar-se após a queda e para uma vida de perfeição à imagem do Pai celeste “.

Mais do que isso, Müller escreveu em um livro-entrevista de 2014 e outro em 2016.

Anúncios

13 Comentários to ““Herético”. O veredito do Cardeal Müller sobre Fernandez, o primeiro conselheiro do Papa.”

  1. Quem diria que eu concordaria um dia com um teólogo da libertação como Müller mais que com o papa!

    Francisco realmente é um homem de “novidades” e “surpresas do espírito”… Só não sei ainda que espírito é esse…

  2. Sua eminência reverendíssima Dom Tucho, o especialista em osculogia.

  3. Pedir que “não peques mais”, é mais que Misericórdia, pois obedecer é estar unida ao Pai. Portanto, Muller tem razão.

  4. Cardeal Müller só está onde está porque Bento XVI ainda é vivo. Rezemos para que Deus dê a Bento XVI uma vida longuíssima!

  5. Tem uns tempos, Gercione disse que “Tucho” Fernández estava por trás…

  6. Há varios indicios que a maçonaria esteja por trás disso, pois as conspirações que enceta desde o século XIX de forma coordenada, hoje camuflada nos partidos comunistas que são seus subsidiarios, mantém seguidamente as ações se esforçando por destruir a Igreja!
    Uma delas é a infiltrando de seus adeptos e alardeando eventuais erros de seus clérigos – mesmo assim, se não for alguns dos deles agregados ao clero promovendo escãndalos!
    Outro front, é evidenciando quando se trata de atribuir à Igreja algum fato degradante, ou pela conspiração do silêncio, quando convém calar sobre algo favorável a ela, como em tantos séculos e até hoje exerce também papel do Estado, socorrendo necessitados, mantendo o ensino e a cultura, e em mais ações em que também é mestra incomparável, e que jamais são por conveniencias recordadas na midia pela sua parcialidade!
    Até mesmo os casos de pedofilia e aberrações na Igreja são denunciados e de quando em tempo requentados, enquanto no relativismo protestante com que mantêm excelentes relacionamentos são muito superiores e injustificáveis por, além de serem casados, alguns têm filiais – “orar”(os-oris) com a irmã, enquanto o irmão se encontra distante, no trabalho – e além terem sexo à vontade…
    A maçonaria se enquadra bem nos parâmetros de Marx: “nada há de absoluto, definitivo e sagrado”; a conhecida TL, aliada dos PCs possui-lhes idem afinidades, assim também os conspiradores silenciosos que não os denunciam, caso das direções da CNBB desde a gênese, como recentemente apoiando os comunistas!
    Excertos dos papéis secretos da Alta Venda dos Carbonários que teriam a ver com ideias de certos assessores heterodoxos papais de longa data, atualmente bem ostensivos:
    … “Para assegurarmos um Papa nas devidas proporções, devemos inicialmente preparar para este Papa um geração digna do reino que sonhamos. Deixai de lado a velhice e a idade madura, procurai a juventude e se possível até as crianças (…) os conquistareis sem grande esforço uma dupla reputação de bom católico e patriota. Esta reputação fará chegar nossa doutrina tanto ao meio do clero jovem, como no interior dos conventos.
    Dentro de alguns anos esse clero jovem terá forçosamente ocupado todas as funções; será quem governa, administra, julga, forma o conselho soberano e será chamado para eleger o Pontífice que terá que reinar, e este Pontífice como a maioria de seus contemporâneos, estarão mais ou menos imbuídos dos princípios humanitários que começaremos a pôr em circulação. É um pequeno grão de mostarda que confiamos à terra; mas o sol da justiça i fará crescer até o mais alto poder, e um dia vereis a abundancia de grãos que produzirá este grãozinho.
    Na rota que indicamos a nossos irmãos, há grandes obstáculos que teremos que vencer e muitas dificuldades a superar. Triunfaremos graças à experiência e perspicácia; mas a meta é tão brilhante que devemos içar todas as velas para alcançá-la. Quereis revolucionar a Itália? Procurai o Papa que acabamos de pintar o retrato. Se quereis estabelecer o reino dos eleitos sobre o trono da prostituta Babilônia, que o clero marche sob vosso estandarte, acreditando ir sempre atrás das Chaves apostólicas.
    Se quereis fazer desaparecer o último vestígio dos tiranos opressores, lançai vossas redes como Simão Bar Jonas; lançai-as não no mar, mas no fundo das sacristias, dos seminários e dos conventos; e se não demorais, vos prometemos uma pesca mais milagrosa que a deles. O pescador de peixes se converteu em pescador de homens, vós os rodeareis de amigos junto a Cátedra Apostólica. Vós havereis pregado uma revolução em tiara e pluvial, marchando com a cruz e o estandarte, uma revolução que não precisará mais do que uma fagulha para incendiar os quatro cantos do mundo.” (Instrução Permanente de 1820, op. Cit. Pg.82-90).
    Vejamos ainda um extrato da carta de “Nubius” a “Volpe” de 3 de abril de 1824:
    “Foi posto sobre nossos ombros uma pesada carga, querido Volpe. Devemos tornar imoral a educação da Igreja, devemos chegar por pequenos meios mal definidos porém bem graduados, ao triunfo da ideia revolucionária graças a um papa. Marchamos ainda tateando neste projeto que sempre me pareceu *sobre-humano” (…). (Op. Cit. Pg.129).
    *diabólico.

  7. Perguntar não ofende: Será que sua eminência germânica não sabe que João Paulo II (Tertio Millenio Adveniente) defendeu a tese de uma nova modalidade de exercício do ministério petrino?
    O padre Fernandez pode com razão dizer-se fundamentado no magistério do referido papa da igreja pós-conciliar.
    Por que filtra moscas e engole camelos, sr. Cardeal/

  8. Herético mas também poderia ter dito erórtico.

  9. I A doutrina espúria do beijoqueiro torna a mediação da Igreja algo supérfluo, quase um estorvo. A consequência disso é um afrouxamento ainda maior dos laços da comunhão eclesial. A função do diabo é justamente esta: dividir e afastar. Basta perceber o clima que se instaurou na Igreja para se chegar concluir, empiricamente, que Bergoglio não é movido pela caridade. Pois a caridade unifica e ódio separa.

  10. Para quem não sabe, sua eminência, o arcebispo Dom Tucho, fora o convidado de honra na apresentação do novo “evangelho” de Sergio Bergman.
    https://odogmadafe.wordpress.com/category/evangelho-segundo-francisco/

  11. Nada de anormal para quem está acompanhando a trajetória de Bergoglio. Fernandez combina perfeitamente com Kasper, Danneels, Martini, Boff e Küng.
    No team Bergoglio há lugar para todos: hereges, cismáticos, excomungados, comunistas, sodomitas, pecadores públicos e privados.
    Só não tem lugar para fundamentalistas e gente de coração endurecido.

  12. “Francisco realmente é um homem de “novidades” e “surpresas do espírito”… Só não sei ainda que espírito é esse…”

    Meu caro, você ainda tem alguma dúvida de qual espírito vive soprando surpresas a Bergóglio???

    Esse espírito é aquele “homicida desde o princípio”… “pai da mentira”…”pervertido e pervertedor”…

    “Jesus disse-lhes: Vi Satanás cair do céu como um raio.” ( Lc10,18).

    Lembra do raio caído na cúpula vaticana no dia da renúncia de Bento XVI???

    Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira e rainha do Brasil, rogai por nós!

  13. ”Formando este plano, terei usado de leviandade? Ou são puramente humanas as resoluções que tomo, de modo que haja em mim o sim e depois o não? Deus é testemunha de que quando vos dirijo a palavra, não existe um sim e depois um não.” (2 Coríntios 1,17-18)