Prefeito da Congregação para o Culto Divino: Sacerdotes, a partir de novembro, celebrem ad orientem! “Ouçamos novamente o lamento de Deus proclamado pelo profeta Jeremias: ‘eles voltaram as costas para mim’ (2:27) . Voltemo-nos novamente para o Senhor!”

Por Messa in Latino | Tradução: FratresInUnum.com: O Cardeal Sarah lança um apelo solene aos sacerdotes para que celebrem ad orientem a partir do primeiro domingo do Advento em 2016!

Isso acontece em Londres, na abertura da Conferência Sacra Liturgia 2016. E o Bispo de Fréjus-Toulon, Mons. Rey, respondeu imediatamente que assim o fará na sua diocese, depois de ter enviado uma carta a todos os seus sacerdotes.

img_7841_810_500_55_s_c1

 

Cardeal Sarah apela a todos os sacerdotes para que celebrem a missa ad orientem.

Por Edward Pentin – National Catholic Register | Tradução: FratresInUnum.com: O Cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, pediu a todos os sacerdotes para que retornem “tão logo seja possível” a celebrar a missa ad orientem, ou seja, voltados para o oriente ao invés de frente para a congregação.

O cardeal, ao fazer o que muitos consideram ser um anúncio histórico na Conferência Sacra Liturgia deste ano em Londres,  ontem à noite, disse que é “muito importante” que esta prática seja universalmente reintroduzida e sugeriu o período do Advento deste ano como um bom momento para fazê-lo.

Ele pediu aos sacerdotes para “implementar esta prática sempre que for possível, com prudência e com a catequese necessária”, mas também com a “confiança de que isso é algo bom para a Igreja, algo de bom para o nosso povo.”

Até antes das mudanças litúrgicas que se seguiram ao Concílio Vaticano II, os sacerdotes do rito latino só celebravam a missa ad orientem.

Cardeal Sarah também revelou em seu discurso que o Papa Francisco pediu-lhe, em abril, para começar um estudo sobre a reforma da reforma litúrgica que se seguiu ao Concílio, e para pesquisar  as possibilidades de enriquecimento mútuo entre as formas mais antigas e mais recentes do rito romano, como foi mencionado anteriormente pelo Papa Bento XVI.

“Este será um trabalho delicado e peço a sua paciência e orações”, disse o cardeal Sarah. “Mas se queremos implementar o Sacrosanctum Concilium mais fielmente, se desejamos alcançar o que foi almejado pelo Concílio, esta é uma questão séria que deve ser cuidadosamente estudada e agilizada com a necessária clareza e prudência”.

Aqui abaixo estão as palavras de discurso do Cardeal Sarah a respeito de seu desejo de que todos os sacerdotes voltem a celebrar ad orientem:

“Quero fazer um apelo a todos os sacerdotes. Os senhores talvez puderam ler meu artigo no L’Osservatore Romano, há um ano (12 de Junho de 2015), ou a minha entrevista para a revista Família Cristã, em maio deste ano. Em ambas as ocasiões, eu disse que creio que é muito importante retornar o mais rapidamente possível a uma orientação comum, tanto os sacerdotes como os fiéis voltados juntos para a mesma direção –  ou pelo menos para a abside -, para o Senhor que vem naquelas partes dos ritos litúrgicos quando estamos nos dirigindo a Deus. Esta prática é permitida pela legislação litúrgica atual. É perfeitamente legítima no rito moderno. Na verdade, creio que é um passo muito importante assegurar que em nossas celebrações o Senhor esteja verdadeiramente no centro.

E então, caros Padres, peço-lhes que implementem esta prática onde for possível, com prudência e com a necessária catequese, certamente, mas também com a confiança de pastor  de que trata-se de algo bom para a Igreja, bom para o nosso povo. O seu próprio juízo pastoral determinará como e quando isso será possível, mas, talvez, começá-lo no primeiro Domingo do Advento deste ano, quando esperamos ‘o Senhor que vem’ e que ‘não tardará’ (ver: Introito da Missa de quarta-feira da primeira semana do Advento) pode ser um boníssimo tempo para tal. Caros padres, ouçamos novamente o lamento de Deus proclamado pelo profeta Jeremias: “eles voltaram as costas para mim” (2:27) . Voltemo-nos novamente para o Senhor”.

… Desejo apelar também aos meus irmãos bispos: por favor, voltem os seus padres e seu povo ao Senhor dessa forma, particularmente em grandes celebrações em suas dioceses e em sua catedral. Por favor, formem os seus seminaristas na verdade de que não somos chamados ao sacerdócio para estarmos nós mesmos no centro da liturgia, mas para levar os fiéis de Cristo a Ele como irmãos adoradores. Por favor, facilitem essa simples, porém profunda reforma em suas diocese, catedrais, paróquias e seminários”.

Para mais excertos do discurso do Cardeal Sarah, veja a página do facebook da Conferência Sacra Liturgia aqui.

Anúncios

31 Comentários to “Prefeito da Congregação para o Culto Divino: Sacerdotes, a partir de novembro, celebrem ad orientem! “Ouçamos novamente o lamento de Deus proclamado pelo profeta Jeremias: ‘eles voltaram as costas para mim’ (2:27) . Voltemo-nos novamente para o Senhor!””

  1. Rorate Caeli (Deus seja louvado por essa notícia!)

  2. Os cardeais e bispos africanos já demonstraram claramente que não pactuam com modernismos, e note-se que nem entre eles há divergencias, mantendo-se fieis à Igreja de sempre, deixando de lado os Kasper et alii muito incomodados!
    Foi de um africano, D Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e Sacramentos que poderia ter eclodido um movimento como esse, antiantropocentrista de forma mais evidente, há tempos bastante implantado na liturgia para evidenciar o novo deus-homem ideologista em detrimento do Senhor Deus Verdadeiro que tem direito a ser priorizado e adorado, além doutros de idem diversos países desse continente que já se mostraram avessos aos novidadeiros liturgicistas.
    Seriam as não poucas resistencias às invencionices litúrgico-religiosas que estariam surtindo os primeiros efeitos?

    • Como não compactuam com modernismo, se celebram o rito mais modernista que se tem notícia na Igreja?

      Além disso, esse apelo vai de encontro ao missal, pelo que qualquer padre pode não dar ouvidos ao Cardeal.

  3. A notícia é ótima; apenas, permitindo-me uma ironia tétrica, eu diria que o estado do clero contemporâneo é tal que, ao lerem essa história de Oriente, certos padres e bispos vão achar que é pra passarem a rezar a missa voltados para a loja maçônica mais próxima… (rs)

  4. A posição do sacerdote na Missa de Paulo VI é originalmente para ser “versus Deum”. Mas, a reforma litúrgica pós-conciliar admitia (ao que parece intencionalmente) celebrar também voltado para o povo. Isso começou como uma exceção, a qual os modernistas aproveitaram e transformaram em regra geral no mundo todo, fazendo a posição “versus Deum” desaparecer da nova liturgia eucarística.
    E, com ela, desapareceu um forte elemento da pedagogia do Santo Sacrifício. Não era necessário dizer o que se passava. Bastava olhar e ver que no altar estava o sacerdote oferecendo a Deus o Santo Sacrifício do Corpo e do Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Porque ele (padre) estava de frente para Deus. E a assembleia também estava de frente para Deus, presente na Eucaristia consagrada e no Sacrário sobre o altar.
    Hoje, com o padre voltado para a assembleia, a impressão dada é que a Missa é oferecida ao homem. Parece uma confirmação prática do “culto do homem”, inaugurado por Paulo VI no final do Concílio. E essa impressão não se desfaz mesmo depois da consagração do pão e do vinho, quando, sem dúvida, o sacerdote tem diante de si Jesus Cristo Eucarístico e olha para Ele, mas também continua a olhar para a assembléia.
    É preciso voltar à orientação “versus Deum”, a mais digna, mais santa e mais apropriada para demonstrar um culto a Deus, e não ao homem.
    Segundo dizem, Bento XVI já pretendia isso na chamada “reforma da reforma da Missa”.
    A exortação do Eminentíssimo Cardeal Sarah é surpreendente nesses tempos e bastante bem-vinda por nós.
    A questão é: o clero do mundo (especialmente o do Brasil) vai aceitar essa recomendação ou fará de conta que nada foi dito? Celebrar “versus Deum” lembra uma “volta ao passado” e o clero odeia qualquer coisa que insinue essa volta. Quem nunca ouviu – inclusive em programas de televisão “católicos” – sacerdotes dizerem frases como “antigamente o padre dava as costas para o povo”? O gesto de celebrar voltado a Deus é propositalmente mal explicado pelos modernistas e a maior parte dos fiéis há muito já engoliu a isca. Quantas vezes já ouvimos fiéis fazerem côro com isso, dizendo: “a celebração antiga não serve, pois dava as costas ao povo”? Isso já nos mostra que nossos padres não abraçarão a recomendação do Cardeal Sarah, exceto se houver um milagre.

  5. Sábias e belas palavras do Cardeal. Que em novembro todo o clero acate a essa indicação, pois isso com certeza diminuirá e muito a quantidade de abusos litúrgicos na missa nova, além de favorecer ainda mais a difusão da missa tradicional em todo o mundo.

  6. Vamos ver se vão obedecer. Vejamos ainda se o Sr. Papa Francisco não nos brindará com algum comentário impressionante também sobre isso.

  7. Se for obrigatório, a CNBB irá enrolar isso como puder. Já está há quase dez anos enrolando a tradução do Missal Romano.

    Não tenho intimidade nem amizade com meu pároco, nem com o bispo, nem com padre moderno algum. Preciso arrumar um jeito de cobrar isso deles. E rezarei com fervor nessa intenção.

  8. Duvido muito que irão acatar isso aqui no Brasil. Os bispos da CNB do B e os padres TL que são a maioria farão força para que as dioceses não implementem essas mudanças. Apenas os mais conservadores vão aderir a mudança.

  9. Se ao menos conseguir-mos uma celebração por semana sem a interferência dos Bispos modernistas brasileiros, já será uma vitória. Enquanto o Vaticano na pessoa do Santo Padre o Papa não tomar severas providências a respeitos dos Bispos e padres modernistas que insistem em acabar com a forma correta da Santas Missa, não teremos paz. Devemos continuar de joelhos em orações, pedindo a santa mãe de Deus maria Santissima que toque os corações de todos os sacerdotes do mundo para essa conversão…

    Salve Maria

    Que Deus ilumine e proteja o Cardeal Sarah para que nenhum mau aconteça com ele…

  10. As palavras do Cardeal Sarah merecem todos os aplausos.

    Mas pergunto-me porque não emitiu ele um decreto ou uma carta aos bispos nesse sentido. Esse seria o meio normal de levar a cabo a proposição. Nenhum bispo nem nenhum padre é obrigado a considerar, e nem muito menos seguir, uma sugestão feita verbalmente por um cardeal numa conferência.

    Sem haver uma formalização, são meras palavras ao vento.

  11. Pobre e bomcardeal será o próximo prato do cardápio do Grande Oriente.

  12. Fui aluno do bispo Dom Clemente Isnard, um dos mentores da pseudo-reforma litúrgica do Concílio Vaticano II. Nas aulas ele se vangloriava de ter celebrado, com um grupo de leigos, num sítio isolado, na década de 40, uma Missa onde o padre estava voltado para o povo, como é hoje. Ele dizia que foi a primeira Missa no Brasil celebrada daquela forma. Essa ‘reforma’ litúrgica prolongou-se durante e depois do CVII. Agora estamos assistindo uma reforma da reforma que foi iniciada com o Papa Bento XVI, interrompida nos últimos anos. Eu celebro assim há quatro anos, ‘ad orientem’, e é muito bom, pois o sacerdote fica concentrado no altar, mais recolhido sem distrair com o que se passa na rua ou na porta da Igreja. Que venham novas mudanças. Para melhor.

  13. Recordo quando criança que assistindo a Missa televisionada em uma grande canal de Tv aos domingos de manhã, esperava que e uma dessas Missas, viesse um padre e celebrasse como a Missa do padre de minha paróquia no exílio. Infelizmente isso nunca aconteceu. Recordo também que a Missa do galo que tradicionalmente também era transmitida nesse mesmo canal, eu ficava esperançoso que com os cantos em gregoriano e em latim, o Papa trouxesse o Rito Antigo, mas quando chegava nas leituras, no ofertório e na distribuição da Santíssima Eucaristia, via que nada mudaria. As intenções de algumas poucas almas são boas, mas é preciso que se mude o coração, mude o cerne das consciências, a parte superficial, externa, por mais reta que sejam, ficam apenas em momentos, em ocasiões. Esperamos que haja bons frutos esse pedido do Cardeal, e que as poucas almas que possuem cura das almas, caminhem mais longe, mais profundo nas almas. Que ao contrário do mundo que vive de aparência, nós católicos nos convertemos inteiramente à Verdade única.

  14. Que sopro abençoado na Igreja de Cristo! Que excelente atitude e defesa do Cardeal Robert Sarah!

  15. Simples. O exemplo vem de cima. É só começar pelo Papa. Vamos ver se Francisco apoia esta mudança.

  16. Cardeal Sarah é um homem bom e santo. Que ama a Deus e a Igreja. Nossa Senhora o proteja.

    Minhas preces habituais são que Nosso Senhor venha ontem, hoje, agora mesmo, imediatamente…Que seja precedido por Sua Mãe santíssima. Que frustre qualquer plano humano.

    E toda vez que digo essas preces a algum católico que conheço, logo protesta. Dizendo que ainda não é tempo. Só na cabecinha dele. Pois que mundo anda muito perverso e só alguém sem juízo não quer que Jesus Cristo reine absoluto imediatamente.

    Não me interessa nenhuma previsão com base em datas ou revelações. Que elas estejam certas ou não. Não darão prejuízos algum as almas.

    Que fico perplexo são protestos dos tipos “minha filha ainda nem se formou”, “não alcancei a graça que pedi”, “não sou santo ainda”….Que importa isso?! Nossa Senhora dá um jeito(castigos) antes.

    Diante de um mundo que jaz sob o maligno, só uma mentalidade muito pior para não desejar que Nosso Senhor venha o quanto antes. Espero que Ele seja o sucessor imediato do Papa. Após Sua Mãe Santíssima agora mesmo derrotar o demonio. E governe absoluto para sempre. Amem!

  17. A cobra acabou de acender o cigarro, em poucos instantes ela começar a fumar. Aguardem os próximos capítulos porque essa novela promete ser quente.

  18. A Santa Madre Igreja é divina. Já Bento XVI disse que a Missa Tradicional nunca foi ab-rogada e disse também que nela não se deve dizer que o celebrante está de costas para o povo. O correto teologicamente falando é dizer que o celebrante e o povo, todos estão voltados para Nosso Senhor! E devemos dizer outrossim que o celebrante está fazendo as vezes de Jesus Cristo como ponte, isto é, como mediador entre o povo e Deus, Nosso Senhor. É com este espírito que devemos participar da Santa Missa e não com o espírito progressista de se estar participando de uma reunião fraternal presidida pelo sacerdote.
    Agora, vamos ver onde estará a verdadeira obediência!!!

  19. O problema é que a reforma da reforma não irá introduzir os elementos que Montini/Bugnini deceparam para tornar a liturgia católica aceitável à cambada luterana e outras seitas pífias e heréticas, haja vista o senhor Bergoglio ter oferecido, recentemente, um cálice litúrgico ao salteador luterano residente em Roma. E pior; pode ser que o bispo argentino decrete a abrogaçao do Summorum Pontificum, a ser superado, more hegeliano, por sua reforma do irreformavel.

  20. Excelente iniciativa. Acho que o cardeal está com os dias contados no Vaticano.

    • Os padres e o coro não estão rezando ou cantando o glória dos domingos e solenidades integramente, conforme a prescrição obrigatória da IGMR. Poucos usam casula em missa ferial. Que se dirá do que nao for instituído obrigatoriamente…

  21. Aproveitando o assunto, gostaria de partilhar uma questão interessante sobre liturgia. Outro dia vi no Facebook do Padre Gabriele Amorth um link de um texto sobre o acúmulo de intenções na Santa Missa. O texto cita o cânon 948 do CDC que diz: “Devem aplicar-se missas distintas nas intenções daqueles em favor de cada um dos quais foi oferecida e aceita uma espórtula, mesmo diminuta.”
    Fiquei surpreso, pois não sabia que o acúmulo de intenções na missa é um abuso. O texto está em
    https://gloria.tv/article/jLGWwXCuq4KV3L3rTyB9nBa82
    P.S.: Como não entendo italiano, usei o Google para ler o texto.

  22. Palavra profética .voltemos ao senhor

  23. Deveriam distribuir publicação com essa orientação, além de sugestão de como recompor esse altar de forma simples, econômica e respeitadora da regra litúrgica, pois muitos templos, com fiés de baixo poder aquisitivo, foram construídos com arquitetura que não prevê essa possibilidade.

  24. Que a Paz esteja com todos! Meus irmãos e irmãs, não esqueçamos de orar muito para que estas ideias sejam postas em prática, principalmente aqui no Brasil, onde o modernismo invadiu as santas missas. Todos sabem que a maioria dos sacerdotes e das pessoas fazem da missa um “evento social” para conversar, rir, bater palmas, se sentirem felizes e alegres… infelizmente são poucos os que respeitam a casa de Deus e estão lá para adorá-Lo. Que Deus tenha misericórdia de nós e nos permita participar de missas celebradas para Ele e não para homens. Oremos!

  25. Se, e se, obedecerem, o que é quase impossível pois é só uma recomendação não documentada (mesmo que fosse seria ignorada) e não tem aval do papa, vão ter que acabar com as capelinhas laterais onde repousa o Santíssimo Sacramento. Isso é regra na construção e reforma de templos “em conformidade com o CVII”. Até mesmo igrejas históricas foram reformadas e colocados altares-mesa e retirado o sacrário do alta e posto “pra escanteio”.

  26. Enfim a Santa Sé deu seu parecer e disse que não está prevista “reforma da reforma”. Não sejamos ingênuos em pensar que para os expetaculistas, missa “ad orientem” irá conter abusos. Aqui não se trata de competições entre conservadores e modernistas, como uma visão eclesiástica de mortadelas X coxinhas. Isso se trata de um maniqueísmo pernicioso e nada produtivo em termos litúrgico-teológicos. O problema que temos hoje não são os modernistas, mas os “modinistas”. Estes até usam da roupagem conservadora para seus shows. Haja vista o uso de batinas, paramentos luxuosos, valorização estética que não tem como objetivo oferecer “o melhor para o Cristo” nem fazer com que o Cristo seja o centro, mas unicamente focalizar na centralidade do ego. Isto é o problema e não é mudança de “posição” que irá conter. O defeito é de “fábrica”, ou seja, está dentro, não fora.