Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: Amor confiante (VI).

“O Filho do Homem veio salvar o que se tinha perdido” (Mt 18, 11).
“Sou Eu, não temais” (Lc 24, 36).

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

Continuação e término da Conferência do P. Mateo Crawley-Boevey

“Digo-vos mais: confiai, porque esse Jesus, que vos convida ao abandono, à Sua intimidade, vê mais claro que vós mesmos. Se vedes cem defeitos, Ele encontra mil e, não obstante, vos ama e vos chama. Seu amor não é, nem pode ser, como o de um amigo ou o de um noivo, um amor-ilusão, e sim fundamentado na verdade. Ele não vos quer porque imagine coisas diferentes da realidade, pois para Ele, na ordem moral, não há camuflagens. Ama-vos tais como sois. Daí a frase, tão feliz quanto ousada, de Santa Teresinha: “Que mau gosto tiveste, Jesus, querendo-me feia como sou… Não modifiques em nada esse mau gosto, para que não me exponha a ser substituída por um anjo”.

sagrado coração de jesusNa amizade terrena, o excesso de familiaridade revela misérias anteriormente desconhecidas. Por isso, desmoronam-se tantos carinhos, fundados em ilusões… Mas com Nosso Senhor a coisa é outra. “Jesus vos ama como ninguém e vos perdoa como ninguém – diz o famoso convertido inglês Pe. Faber – justamente porque vos conhece como ninguém”.

A Ele, jamais se surpreende, porque mesmo no santo, que faz milagres, pode-se ver o abismo de fragilidade que traz, no interior, o taumaturgo. Por isso mesmo também vos disse, há pouco, que se contenta,  Ele, que tudo vê, com grandes e santos desejos, pois melhor do que nós sabe que muitos deles, por sinceros que sejam, não são realizáveis. Mas vosso desejo já é a Seus olhos um ato de amor, quando sois sinceros e não vaidosos. Quanto são de fato desejos, e não caprichos ou devaneios.

“Paz, portanto, aos de boa vontade” (Lc  2, 30). Paz àqueles que compreenderam e saborearam quão bondoso é o Senhor! Paz aos que sabem, por experiência, que seu jugo é suave e leve a sua carga (Mt 11, 30). Muito mais que a preocupação exagerada, ainda que legítima de curar vossos males, tende a santa preocupação da Sua glória. “Preocupa-te de Mim, só de Mim, dizia Jesus a Santa Margarida Maria – e Eu me preocuparei de ti e de tudo que é teu”.

Há apóstolos que não compreendem ainda este grande espírito e gastam suspiros e tempo em pedir isto ou aquilo. Depois, quando já estão cansados, ajuntam: “Venha a nós o Vosso Reino”.

Não façais assim. Começai o trabalho da vossa santificação e do apostolado com este grito, vindo da alma: “Venha a nós o Vosso Reino, o reino do Vosso Coração, do vosso Amor”, e Ele dirá: “E Eu me encarrego de todos os teus outros interesses”. Por aí vedes quanto é ampla, segura, sólida e bela a doutrina do Coração de Jesus! Como se vive bem, luta-se, trabalha-se nesse santuário em que tudo é verdade, paz e força e gozo no Espírito Santo! Bebei à saciedade desse Coração “Fonte inesgotável de vida” e de amor misericordioso. Nele quero ter minha morada, minha escola, meu céu. Esse Coração me basta. Sou pobre, paupérrimo, mas nesse Coração não temo. São muitos aqueles que julgam ser árduo e dificílimo salvar-se. Eu, ao contrário, creio, raciocinando junto desta cátedra divina, luminosa, que não é tão fácil perder-se, pois que para isso é preciso romper as amarras que são os braços do Senhor, forçar a cidadela redentora que é Seu Coração.

Compenetrai-vos, zelosos apóstolos, desta grande doutrina, visto que não há novidades depois do Evangelho, mas que, por vontade explícita do céu, é todo um sistema doutrinário, toda uma espiritualidade, que envolve hoje a terra sob o título de “Reinado do Coração de Jesus”.

Vivei deste pão do amor e da confiança ilimitada, para depois dar essa mesma substância, verdadeiro maná, a muitas almas que têm um conceito mesquinho, desfigurado de Cristo Nosso Senhor.

Ardei na chamas do Coração Divino para, em seguida, queimar a outros. Confiai, vivei no abandono, para infiltrar em outros a confiança, alicerçada no Evangelho, na lei de Cristo, no espírito da Igreja.

Aos débeis, aos maus e pecadores, falai no mesmo tom de Jesus, como Jesus, como o Coração de Jesus. Ouvi como sentencia a pecadora que jaz aos Seus pés divinos: Mulher, “nem eu te condenarei. Vai e não peques mais” (Jo 8, 11).

Discípulos, aprendei as ideias, a linguagem, o estilo do Mestre!

Para terminar, um dos parágrafos mais admiráveis, em doutrina e eloquência, de Santa Teresinha: “Não vou a Deus pelo caminho da confiança e do amor por me julgar preservada do pecado mortal. Ah! Sinto-o perfeitamente, ainda que tivesse por sobre a consciência todos os crimes possíveis, não perderia nada da minha confiança; iria, com o coração destroçado pelo arrependimento, refugiar-me nos braços do meu Salvador. Bem sei quanto ama ao filho pródigo e já ouvi as Suas palavras a Santa Madalena, à mulher adúltera e à Samaritana. Não, ninguém poderá jamais amedrontar-me, porque sei a que ater-me, acerca do seu amor e sua misericórdia. Sei que toda essa multidão de ofensas desapareceriam num abrir e fechar de olhos, como uma gota d’água lançada sobre brasas ardentes” (História de uma alma).

Término.

Anúncios
Tags:

2 Comentários to “Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: Amor confiante (VI).”

  1. A rejeição às propostas de Jesus, possuidoras de toda fundamentação e, ao inverso, o homem optando pelas ideologias propagandeando-se como solucionadoras da problemática do homem e do que o envolve por meio de seus artificialismos, eis pois o problema maior com que defronta nosso mundo atual, cada vez mais imergindo no relativismo e sendo tragado por uma torrente descomunal de males – e em nível ascendente de forma inimaginável!
    “Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor! Jer 17,5.
    O trechinho abaixo revelado a S Margarida Maria expõe o que o Mestre quer de nós, O Qual é a propria solução definitiva; não é ao contrario do vazio ideológico que a modernidade adotou?
    “Preocupa-te de Mim, só de Mim, dizia Jesus a Santa Margarida Maria – e Eu me preocuparei de ti e de tudo que é teu”.
    Quando aderimos ao acima, tornamo-nos os felizes partícipes do abaixo concernente a um fim exitoso, por não ter dado ouvidos aos niilistas:
    “Feliz o homem que pôs sua esperança no Senhor, e não segue os idólatras nem os apóstatas”. Sal 40,5.
    O mundo atual está totalmente na direção oposta, cada vez mais tendo a mente obscurecida, de forma quase desvairada querendo achar saída para a estabilidade e a paz; no entanto, quanto mais se esforça, mais frustrado está, em muitos casos, já no desespero total, bastando ver a paranoia existente nos locais mais “seguros” de como estão…

  2. Quando Jesus orou a Seu Pai foi pelos que Lhe deu, deixou o mundo de lado, pois ele não está nem aí!
    Jo 17 10: “Por eles eu rogo; não rogo pelo mundo, mas pelos que me deste, porque são teus.