A Última Superstição: Uma Refutação do Neoateísmo.

Confira abaixo um trecho de A Última Superstição: Uma Refutação do Neoateísmo, do tomista americano Edward Feser (tradução de Eduardo Levy). As Edições Cristo Rei estão realizando uma campanha de crowdfunding para a publicação do livro no Brasil. Faltam dez dias para o término da campanha e se a meta não for alcançada o livro não será publicado.

Ajude!

O link para a página da campanha é o seguinte: www.kickante.com.br/campanhas/ultima-supersticao

* * *

O filósofo Quentin Smith, defensor muito mais sério e admirável do ateísmo do que qualquer um dos ditos “neoateus”, lamentou a espantosa falta de conhecimento que muitos dos seus colegas pensadores secularistas manifestam quando tentam criticar a crença religiosa. Pois eles geralmente mostram desconhecer os sofisticados argumentos apresentados por filósofos de inclinação religiosa, preferindo, em lugar disso, atacar espantalhos e apresentar simplórias caricaturas jornalísticas da religião. Segundo Smith, a conclusão é que, com exceção dos poucos filósofos secularistas especialistas nos argumentos dos pensadores religiosos sérios e em responder a eles, como ele próprio, “a grande maioria dos filósofos naturalistas têm uma crença injustificada de que o naturalismo é verdadeiro e de que o teísmo (ou sobrenaturalismo) é falso”. O filósofo político Jeremy Waldron, que ninguém pode acusar de ser membro da “direita religiosa”, faz juízo semelhante das atitudes dos secularistas em relação ao emprego do discurso religioso na política:

unnamed

“Teóricos secularistas costumam supor que sabem como o discurso religioso funciona: apresentam-no como uma prescrição divina rudimentar, sustentada pela ameaça de condenação ao Inferno e derivada de uma revelação geral ou particular e o contrastam com a elegante complexidade de um argumento filosófico de Rawls (digamos) ou Dworkin. Com tal imagem em mente, acham uma obviedade que o discurso religioso deva ser excluído da vida pública. Mas aqueles que se deram ao trabalho de conhecer bem os argumentos de fundo religioso existentes na teoria política moderna sabem que isso é em grande parte uma farsa.”

Além disso, mesmo quando os intelectuais secularistas se dão ao trabalho de considerar as visões dos pensadores religiosos sérios, eles têm uma tendência peculiar de aplicar a elas um padrão que não aplicam a outros argumentos controversos. Secularistas podem argumentar a favor das conclusões mais ofensivas e intuitivamente absurdas — que não há nada intrinsecamente errado com o bestialismo, a necrofilia ou, digamos, o infanticídio, como sugere Peter Singer, professor de ética de Universidade de Princeton —, e mesmo os filósofos que discordam dessas conclusões estão dispostos a tratá-las com a maior das seriedades, insistindo que tais visões devem ser pelo menos, ainda que implausíveis à primeira vista, recebidas com respeito. Em todas as outras áreas de controvérsia, virtualmente nenhum argumento é considerado definitivamente refutado: a atitude comum é a de que é sempre possível a um defensor de determinada posição responder às objeções usuais a ela, de modo que essa posição deve ser considerada “ainda na mesa”. Não obstante, quando se trata, digamos, de um argumento a favor da existência de Deus, o mero fato de alguém algum dia ter levantado uma objeção a ele é tratado como prova afirmativa de que o religioso simplesmente não “soube justificar-se” e de que não se deve prestar atenção adicional a seu argumento. Contanto que aquele que as defende possua o mínimo de capacidade argumentativa e retórica, é certo que se dará atenção às ideias secularistas. Por mais especulativas, intuitivamente implausíveis ou mesmo mirabolantes que sejam, elas são valorizadas como modos de “nos fazer pensar”, de “fazer o debate progredir” e de “olhar as coisas de um jeito diferente” e ganham um lugar na lista de leituras dos acadêmicos e no currículo universitário. Tratam-se as ideias religiosas, em contraste, como se apenas algo tão incontroverso quanto uma prova geométrica em sua defesa pudesse torná-las dignas de um momento de atenção.

Que os secularistas, os quais se orgulham de supostamente ter mais conhecimento e ser mais razoáveis, com tanta frequência condenem os religiosos com douta ignorância daquilo em que estes acreditam de fato e sem aplicar a eles os critérios pelos quais julgam as próprias ideias, indica que outro fator, em geral atribuído aos religiosos, está em jogo aqui, a saber, o wishful thinking [“pensamento desejoso”], um desejo tão forte de que uma afirmação seja verdadeira que triunfa sobre a análise racional dos indícios existentes a favor disso. Pois o caso é que as pessoas que acreditam em Deus não são, de modo algum, as únicas que podem ter possíveis interesses escusos na questão da existência dEle. O filósofo Thomas Nagel reconhece que é comum haver um “medo da religião” subjacente aos trabalhos dos seus colegas intelectuais secularistas e que isso trouxe “consequências vastas e muitas vezes perniciosas para a vida intelectual contemporânea”:

“Falo por experiência própria, estando eu mesmo fortemente sujeito a esse medo: quero que o ateísmo seja verdadeiro e fico incomodado com o fato de que algumas das pessoas mais inteligentes e bem informadas que conheço são religiosas. Não é só que eu não acredite em Deus e, naturalmente, espere estar certo em minha crença. É que eu torço para que não haja Deus nenhum! Não quero que haja um Deus; não quero que o universo seja assim. Minha hipótese é que esse problema de autoridade cósmica não é uma condição rara e que ele é responsável por grande parte do cientificismo e do reducionismo da nossa época. Uma das tendências que ele intensifica é o ridículo abuso da biologia evolutiva para explicar tudo que diz respeito à vida humana, incluindo tudo que diz respeito à mente humana.”

É verdade que o medo da morte, a ânsia por justiça cósmica e o desejo de encarar as nossas vidas como dotadas de sentido podem nos levar a querer acreditar que temos almas imortais criadas especialmente por um Deus que nos recompensará ou nos punirá por nossas ações nesta vida. Porém, não é menos verdade que o desejo de libertar-se dos padrões morais tradicionais e o medo de certas consequências políticas e sociais (reais ou imaginárias) da veracidade da crença religiosa também podem nos levar a querer acreditar que somos apenas animais engenhosos sem nenhum propósito para as nossas vidas a não ser aqueles que escolhemos estabelecer para elas e que não há nenhum juiz cósmico que nos punirá por desobedecermos a uma lei moral objetiva. Assim como a religião, o ateísmo muitas vezes se apoia mais numa vontade de crer do que em argumentos racionais desapaixonados.

* * *

É Edward Feser, em “A última superstição”, que não deixa pedra sob pedra. Adquira de antemão o seu exemplar e ajude a garantir a publicação do livro em português: http://www.kickante.com.br/campanhas/ultima-supersticao

* * *

Todo anúncio veiculado em FratresInUnum.com é absolutamente gratuito, visando apenas o bem das almas e a glória de Deus. Caso queira divulgar algo, nosso e-mail de contato é fratresinunum@gmail.com

Anúncios
Tags:

5 Comentários to “A Última Superstição: Uma Refutação do Neoateísmo.”

  1. Esse é um dos melhores livros que li na vida. Edward Feser é genial, acompanho o blog dele diariamente.
    Parabéns pela tradução que o livro consiga apoio.
    Recomendou o livro no meu blog em 2013.
    http://thyselfolord.blogspot.com.br/2013/05/as-fontes-do-mal-indicacao-de-um-livro.html?m=1

    Abraço,
    Pedro Erik

  2. Problema é que os leitores da Europa não têm como adquirir o livro já que o mesmo apenas admite contribuição na moeda Real.

  3. No fundo não exitem ateus, o que existe são pessoas anti-religião, ou pior, são adeptas do maligno que tentam desacreditar tudo o que é sagrado.
    Num universo governado por LEIS, os dogmas dos ditos ateístas falam de leis da Natureza e das leis da Física, seus argumentos não excluem o legislador, no fundo usam uma semântica redundante para corroborá-lo.
    Os maiores cientistas da histórias eram profundamente religiosos; as publicações religiosas de Newton apesar de pouco conhecidas são bem maior que a sua obra cientifica; Einstein, apesar de relapso, sempre foi ligado a religião e ao sionismo judaico, ele declinou do convite feito pelo rabinato para ser o primeiro presidente de Israel.
    A verdeira ciência leva ao conhecimento de DEUS através das suas maravilhas. A verdeira religião leva diretamente à DEUS através da fé e da graça.

  4. Obra magnífica! Vou colaborar.