Bispos celebram o Dia de Oração pelo Cuidado da Criação.

Por Arquidiocese do Rio de Janeiro – O Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação – instituído pelo Papa Francisco – foi comemorado com uma celebração ecumênica, no dia 2 de setembro, às margens do rio Paraíba do Sul, na cidade de Volta Redonda, com a presença de líderes religiosos e dos bispos diocesanos da Província Eclesiástica de São Sebastião do Rio de Janeiro.

Os participantes foram acolhidos pelo bispo da Diocese da Barra do Piraí-Volta Redonda, Dom Francisco Biasin, que também é o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CNBB.

“É muito importante receber os nossos irmãos e irmãs de outras representações religiosas no Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação nessa celebração junto ao Rio Paraíba do Sul, fonte de vida para todos nós”, disse.

O local da celebração foi sugerido pelo arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, que também é o presidente do Regional Leste 1 da CNBB, com a finalidade de dar visibilidade às questões referentes ao rio Paraíba do Sul.

“O Papa Francisco nos convida a tratar com misericórdia a nossa Casa Comum. Na sua mensagem ao mundo, ele acrescenta duas novas obras de misericórdia: uma espiritual e uma temporal. Em primeiro lugar, contemplar e bendizer ao Senhor pela criação, e em segundo, ter atitudes concretas que cuidem da Casa Comum”, destacou o cardeal.

Com a presença de crianças da Infância Missionária, após a celebração, os participantes saíram em caminhada até a beira-rio, onde plantaram mudas de espécie nativa para representar a necessidade da recuperação da mata ciliar e como compromisso de promover essa ação ampliada onde atuam.

Para o pastor Mauro Paiva, da Igreja Metodista, é preciso cuidar da Casa Comum como o próprio Reino de Deus. “Se não tivermos a visão e o compromisso, como administradores do Reino, da terra que o Senhor nos colocou, as gerações futuras estarão comprometidas”.

Para a representante do candomblé, Márcia Mireles, é na natureza que se reconhece as divindades. “Eu preciso da conservação do meio ambiente, das florestas, dos animais que são sacralizados para que eu possa reconhecer aquilo que cultuo. No dia em que acabar a natureza, acaba-se o candomblé”, destacou.

Ainda no período da manhã, foi realizado na ponte Dom Waldyr Calheiros um abraço simbólico ao rio Paraíba do Sul.

O pastor Donizete Cavalheiro, representante do Conselho de Pastores de Volta Redonda, elogiou a iniciativa e convidou para a reflexão. “Deus nos deu o poder, o direito de cuidar da sua criação. Nós, como povo de Deus, independentemente da religião, precisamos cuidar do que Deus fez para nós”, disse.

A representante do Conselho Espírita do Estado do Rio, Nair Ângela de Santana, afirmou que o homem é a única espécie na Terra que está conseguindo destruir o seu habitat. “Pequenas contribuições no dia a dia ajudam para que tenhamos êxitos. Nossas preces precisam estar acompanhadas de atitude”.

No período da tarde, os bispos se reuniram com técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), do Comitê do Médio Paraíba do Sul (CBH-MPS), da Comissão Ambiental Sul e  um professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) para discutir a situação do rio Paraíba do Sul.

“A questão desse rio, que atravessa o Estado do Rio de Janeiro e em relação ao qual tantas cidades dependem, já tem sido aprofundada e questionada pelas organizações que se ocupam com a ecologia nessas regiões”, acrescentou Dom Orani.

Fotos: Diocese da Barra do Piraí-Volta Redonda

Anúncios
Tags:

44 Comentários to “Bispos celebram o Dia de Oração pelo Cuidado da Criação.”

  1. Pobre D. Fernando Rifan… tem que se sujeitar a cada coisa…

  2. Quando alguém conhece a história do Cardeal Merry del Val e olha para o Cardeal do RJ sente dor e pena. Qualquer que já leu alguma coisa sobre Dom Antônio de Castro Mayer e vê Dom Rifan fingindo ser ecologista com uma muda de árvore na mão, sente dor e pena. E como comparar sem sofrimento a história de Dom Geraldo de Proença Sigaud e Dom Marcel Lefebvre e olha estes Bispos enganando essa meia dúzia de tontos, fingido seles também, na margem desse rio feio, com uma oração que não é oração, com uma causa que não é uma causa. Veja as fotos: todos os Bispos de cabeça baixa, fingindo que estão lendo um papel que deve ter só besteira escrita. Sem entusiasmo, sem vontade, sem acreditar naquilo que estão fazendo. Só pra manter a comunhão, valor máximo e supra sumo deste tempos horrorosos. Alguns para fugir do cargo de Bispo Auxiliar e ganhar uma Diocese pra chamar de sua. Não devem suportar o Cardeal e sua puxação de saco sem fim. Ao invés de chamarem o Povo para a Adoração, para a Penitência, para o Rosário, para uma formação séria sobre a Missa, para ensinar ao Povo o valor da Família, para visitar os Doentes e os Pobres, para anunciar aos Jovens Universitários a verdadeira História da Igreja. Estão fazendo o quê? Se fingindo de ecologistas, coisa que eles mesmos odeiam, para agradar Sua Santidade e fazer média com os artistas de televisão. Próximo passo será dizer que pararam de tomar banho e só se locomovem de bicicleta para SALVAR O PLANETA. E a cura das almas?

  3. Não é porque não acho que isso seja importante, pelo contrário é muito importante, é o planeta que vivemos, mas o que adianta conservarmos o planeta e perdemos a vida eterna, ao meu ver se a Igreja cuidasse das almas sua finalidade primeira, todo o resto se resolveria automaticamente , não teríamos fome, o planeta não seria degradado, não teríamos tantas injustiças, porque o reinado social do nosso senhor jesus Cristo é superior a qualquer reunião ecumênica; Há se esses Bispos soubessem o poder que eles tem?

  4. …Para a representante do candomblé, Márcia Mireles, é na natureza que se reconhece as divindades. “Eu preciso da conservação do meio ambiente, das florestas, dos animais que são sacralizados para que eu possa reconhecer aquilo que cultuo. No dia em que acabar a natureza, acaba-se o candomblé…”

    Simplesmente estarrecedor ! Espíritas… Protestantes… Animistas… & Cia Lmtda e ali entre eles, ninguém mais ninguém menos que Dom Rifan… Personificação cabal daquilo que o Papa deseja para os católicos tradicionais “não alinhados”, os quais ele tanto deseja cooptar: simplesmente alcançar o intento de que, por fim todos, se submetam a seus desvairos.

    DOCE, BENDITO E SAPIENCIAL IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA, SEJA A NOSSA SALVAÇÃO !

  5. Puxa! Fui ver as fotos sem prestar atenção no título e jurei que era mais uma manifestação do MST.
    Qualquer semelhança é mera coincidência… ou não.

  6. Em passeata pró-vida não aparece UM! Agora quando é pra defender tatu-bola, mico leão dourado, grama, mato e etc aí eles vão todos felizes bater foto.

  7. “Tomem severas medidas para combater a fome, a peste, a pobreza, a impureza da atmosfera e contemplem com complacencia a contaminação dos espíritos”. S Pio X.
    O que nos tem parecido é que há uma tendencia atual de transformar a Igreja, a partir de dentro, numa instituição eco-humanista, congregando e/ou sendo associada a outras crendices de criações humanas, numa ONG cuidadora dos mais pobres e afins, e simultanea e gradativamente deixando a doutrina ortodoxa, a espiritualidade e a conversão pessoal para um segundo ou nenhum plano, preferencialmente, que sejam extintas das mentes o mais rápido possível!
    E para que tal tarefa esteja em franca ascensão, veio a calhar o dissipante mundo presente tecnológico, gerador de uma sensação de o homem a tudo dominar, apesar de contar com inúmeras armadilhas imperceptiveis que, a cada dia mais sutilmente prendem os incautos ao sistema, sem que o percebam, de estarem tangidos para onde jamais desejariam ser levados…
    *”Não é que esse tipo de ações que poderiam ser exercidas por nossos irmãos infiltrados na Igreja… Dentro de alguns anos esse clero jovem terá forçosamente ocupado todas as funções; será quem governa, administra, julga, forma o conselho soberano e será chamado para eleger o Pontífice que terá que reinar, e este Pontífice como a maioria de seus contemporâneos, estarão mais ou menos imbuídos dos princípios humanitários que começaremos a pôr em circulação. É um pequeno grão de mostarda que confiamos à terra; mas o sol da justiça o fará crescer até o mais alto poder, e um dia vereis a abundancia de grãos que produzirá este grãozinho”…
    Seriam os personagens acima os grãozinhos replicados em franca produção do que estimavam produzir com suas inúmeras ciladas?
    * A Conjuração anticristã – Mons H Delassus

  8. No dia em que aceitou ser bispo coadjutor da Adm. Apostólica, Dom Rifan automaticamente se filiou à CNBB, e estava ciente disso. Aí não jeito, tem que encarar essas coisas em nome da “perfeita comunhão”… é a famosa política da boa vizinhança… entendo o lado dele e não o julgo.

  9. Que soco no estômago recebi agora… D Rifan de clarygman e o pior, para ser mais alinhado ainda ao cardeal Tempesta ,plantando uma árvore… RIDÍCULO… CÔMICO se não fosse TRÁGICO…

    A lógica de carreirista tipo o cardeal Tempesta é clara e triste; ele vive bajulando o Bispo de Roma… Será que pensa que um dia pode chegar a Cátedra de Pedro???Penso que sim… Afinal… Se um tipo Bergóglio chegou, nada mais nos espanta…

    Só seria bom ele lembrar que o cardeal Scherer tinha quase certeza de ser o novo Paulo VII depois da renúncia do Papa Bento…Segundo diz no seu livro o Papa Bento também ficou surpreso com a eleição de Bergóglio…
    Que complô fizeram no e com o Papado de Bento XVI!!!!

    Essa foto é repugnante e no estilo total e absoluto do Bispo de Roma…

    Dom Fernando Arêas Rifan…Por essa eu jamais esperava…

    Fique firme FSSPX, fique firme… Se pra ganhar um status de “regularização” é preciso prevaricar como está fazendo cada vez mais de maneira ridícula e repugnante o Bispo da AASJM, fique na “irregularidade”… O mínimo do mínimo que podemos esperar de alguém é a coerência, quanto mais de um Bispo, e mais ainda de um que foi secretário pessoal de D. Mayer, que sofreu na pele os horrores na chegada de D. Carlos Alberto em Campos nos idos 81… Que foi testemunha das lágrimas de D. Mayer quando da recepção do Missal de Paulo VI ans mãos e também de quando voltou das Sagrações em Ecône, proibindo qualquer homenagem que queriam lhe prestar à sua chegada…

    Quando alguns padres e fiéis da Administração dizem que há algo mais nas tratativas de D. Rifan com Roma quando da regularização que ele ocultou para os padres, inclusive, para D. Licinio, ele nega…
    O tempo está mostrando mais rápido que esperávamos que D. Roberto tinha razão quando disse que, “a situação de Campos era uma anormalidade”, quando lhe perguntaram numa palestra sobre a situação da Administração…

    Quem sabe um dia a noite d. Fernando não faça uma visitinha a algum terreiro de macumba pra ajudar os pais de santos a preservarem o ambiente, e na manhã seguinte celebre um Solene Pontifical na sua Catedral, entrando de capa magna e tudo mais, pra mostrar a Roma e a Bergóglio que ele não só aderiu ao Vaticano II como também aderiu aos bilhões de espíritos demoníacos de porco do Concílio que infernizam a Igreja de Deus…

    Por essa eu não esperava…

    Fraternidade Sacerdotal São Pio X, não caia no “canto da sereia de romana”, sobretudo, depois do fatídico e triste e terrível e infeliz e tenebroso ano de 2013, de infeliz e triste memória…

    S. João Crisóstomo, rogai por nós!

    • Como fiel da Administração, sinceramente não vejo nada de mais em Dom Rifan plantar uma árvore. E outra: se ele deixar de participar de encontros e congêneres da CNBB, com certeza será rifado…

  10. No próximo encontro haverrá “missas ecumênicas pela natureza” com a participação de diaconisas e elementos litúrgicos tridentinos, tudo no espírito da hermenêutica da continuidade, sob o bafejo da comissão Ecclesia Adflicta. E quem não apoiar a iniciativa terá de sair debaixo do guarda-chuva da oficialidade e ser taxado de cismático lefebvrista. Bem-aventurados os que sofrem por causa da justiça.

  11. “com a presença de crianças da infância missionária”

    Ai de vós, precitos, corrompendo a fé dos pequenos.

  12. É, senhor Dom Rifan. Quem te viu, quem te vê!

  13. Logo recitaremos o Requiem pelo conservadorismo/tradicionalismo. Estamos vivendo uma nova onda aos moldes da fase pré-conciliar que vai levar de roldão os conservadores. Naqueles tempos acreditavam os católicos que alguma coisa tinha que mudar, que havia alguma coisa boa nos modernistas. A história se repete.

  14. Dom Rifan, onde está o padre Rifan? Morreu né.

  15. Lembrei de um quadro do extinto humorístico Os Trapalhões, onde o Didi aparecia como mendigo, travesti, zumbi ou em qualquer situação desfavorável e dizia ao Dedé: “EU SOU VOCÊ AMANHÃ!”

    Dom Rifan precisa enviar esta sua simpática foto de terno e buquê a dom Fellay com esta célebre frase de Renato Aragão no verso.

  16. Fico pensando no que Dom Antônio de Castro Mayer diria de uma coisa dessas…

  17. Bispo Rifan foi porque quis.

    Esse tipo de palhaçada sincretista deve ser marcada com antecedência, para que os “convidados” (macumbistas, salteadores protestantes, cismáticos e congêneres) possam aí concorrer e serem confirmados em seu erros e superstições.

    Esperto e modesto como pensa ser, a ponto de querer trapacear com Deus Pai, o Bispo Rifan poderia ter alegado uma viagem ao Exterior (como ele costuma fazer), para ordenar um ostiário ou um subdiácono, escapando assim da ocasião vergonhosa de renegar Jesus Cristo, a Igreja católica e seu pai no sacerdócio, o corajoso homem de Igreja D. Antônio de Castro Mayer. Mas não…: o Bispo Rifan quis mesmo fazer bonito e parecer bonzinho para o megalomaníaco e medíocre arcebispo do Rio de Janeiro, o frade Tempesta.

    Enquanto isso, falam as estatísticas.

    O Rio é o Estado que, proporcionalmente, tem menos católicos na Federação: 45,8%. O Rio de Janeiro, justamente onde Eugênio Sales, sonhando-se um novo São Carlos Borromeu, aplicou à risca e com mão de ferro as fracassadas diretrizes do forrobodó chamado Vaticano Segundo. Deu no que deu.

    Esperemos… Deus castiga.

  18. A cnbb é panteísta, e ponto final. Eu já trato os cnbbistas como inimigos da Igreja Católica Apostólica Romana (quinta coluna). Mesmo que, eles, os cnbbistas, sejam recebidos com pompas pelo Vaticano.

  19. “O que adianta o homem ganhar o mundo todo, se vier a perder sua alma?” São João Vianney dizia que se deixasse uma paroquia sem padre, o povo em pouco tempo adoraria as pedras, as arvores. Estamos vivendo o tempo em que os próprios padres estão levando as almas a adorarem as criaturas em vez do Criador. É verdade que temos que cuidar das coisas criadas, pois elas, assim como nós, foram criadas para dar glória ao Deus Verdadeiro. Logo, não se pode inverter a ordem das coisas, a criatura receber a a glória do Criador. Em nome de uma falsa paz, uma falsa felicidade, uma falsa preocupação com as criaturas, acabamos desprezado aquilo que realmente é necessário, vide Marta e Maria. Não poderia deixar de ver o respeito humano, ao deixar a batina talvez para não “constranger” os “irmão” de outras denominações religiosas. Realmente o clima de nosso país é quente, o que não impediria a troca da cor do hábito clerical. O não uso se justificaria em um país onde é proibido o uso da vesta clerical, como na antiga URSS, mas aqui no Brasil laico, que respeita e aceita todas a religiões, ainda mais em lugares públicos? E complicado de entender.

  20. Parabéns ao Fratres in Unum pelo trabalho de divulgação dos fatos!

    Gostaria apenas de me focar na foto de Dom Fernando sem batina.

    Bem, pergunto aos meus ex confrades da União Sacerdotal São João Maria Vianney e da Administração Apostólica:

    Esta é a igreja que vocês quiseram construir?

    Tenho certeza que não, pois teriam ficado na Diocese de Campos com Dom Navarro e teriam economizado seu modesto dinheiro na construção de uma nova diocese, o que neste momento lhes proporcionaria melhor conforto diante das enfermidades.

    Eu não olho pra esta foto com tristeza, pois desejo mesmo que Dom Fernando tenha o castigo que merece.

    Olho pra esta foto com pena de milhares de pessoas leigas e religiosas de vários Municípios do RJ que foram enganadas e que não sabiam de nada de “Reconhecimento” quando este fora surpreendentemente anunciado pelo clero.

    Para estas pessoas leigas, entoo o Salmo 21 (Visão Profética dos Sofrimentos do Servo do Senhor).

    Desejo sim que muitos amigos que me formaram durante mais de 20 anos sejam consolados nestas horas difíceis e de trevas pra esta Administração Apostólica.

    Ao clero, eu desejo que pague pelos seus erros também neste mundo. Pois quem deu o corpo discente da Administração Apostólica não foram apenas os que ainda vivem neste mundo miserável, mas também os muitos que já se foram, e no anonimato.

    A memória dos velhos não será esquecida!

    Tenho a honra de ter sido crismado por Dom Licínio Rangel e ter sido formado numa igreja em que Dom Fernando era um mero padre, e corrigido por outros padres.

    “Ao anjo da igreja de Sardes, escreve: Eis o que diz aquele que tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas. Conheço as tuas obras: és considerado vivo, mas estás morto. Sê vigilante e consolida o resto que ia morrer, pois não achei tuas obras perfeitas diante de meu Deus. Lembra-te de como recebeste e ouviste a doutrina. Observa-a e arrepende-te. Se não vigiares, virei a ti como um ladrão, e não saberás a que horas te surpreenderei. Todavia, tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes; andarão comigo vestidas de branco, porque o merecem. O vencedor será assim revestido de vestes brancas. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, e o proclamarei diante de meu Pai e dos seus anjos.” (Apoc. 3, 1-5).

    Psiu! Sr. Bispo, não é com roupas sociais que se planta mudas de árvores e se suja a mão de terra!!!

    Att,

  21. Caros Frates, desculpem-me pelo longo comentário. Estou muito cansada, mas tive que postar porque ele traz informações importantes para os que não sabem a realidade terrível por trás dessas famigeradas fotos. Creio eu que no afã de se ajustar à agenda bergogliana muitos ali presentes sequer sonham que estão cuspindo para o alto.
    Tomei então a liberdade de traduzir um artigo da jornalista americana Jennifer Hast publicado em outubro de 2002:

    ***Qualquer um que tenha estudado o movimento ambiental global com certeza já ouviu falar no termo “Gaia”. O culto de Gaia é um renascimento do paganismo que rejeita o Cristianismo, considerando-o como seu maior inimigo, e que vê a fé cristã como único obstáculo ao estabelecimento de uma religião global centrada na adoração Gaia e na união de todas as formas de vida em torno da deusa ou”Mãe Terra”.
    Uma mistura astuta e desonesta de ciência, paganismo, misticismo oriental, e feminismo fez desse culto pagão uma ameaça crescente à igreja de Cristo. A adoração de Gaia é o cerne da política ambiental de hoje. O Tratado das Espécies ameaçadas de extinção, o Tratado da Biodiversidade das Nações Unidas e de várias ONGS, o Conselho sobre o Desenvolvimento Sustentável etc, são tudo cria do culto de Gaia tentando salvar a “Mãe Terra”. Este movimento religioso, com características de seita, está sendo promovido por celebridades e formadores de opinião como o ex-vice-presidente Albert Gore, a CNN que é uma emissora de Ted Turner, bem como as Nações Unidas e suas várias ONGs. O livro de Al Gore “Earth in the Balance” é apenas um dos muitos livros que proclama descaradamente a divindade da Terra e culpa os “fanáticos seguidores de Jesus Cristo”, tão prejudiciais ao meio ambiente, pela decadência desta deusa pagã. As Nações Unidas tem sido extremamente bem sucedida em infundir a “Religião Verde” como um órgão governamental internacional que vem afetando e controlando de modo crescente vários setores de nossas vidas.

    Então, o que vem a ser este novo culto de Gaia? É basicamente uma versão requentada e modernizada do paganismo condenado por Deus na Bíblia. Ciência, teoria da evolução, e crença em uma era espacial apenas adquiriu uma nova faceta que torna o paganismo mais digerível e convincente para o homem moderno. Mas é o mesmo velho paganismo com todos os seus males. Existem outros movimentos de cunho religioso que tentaram propagar a mesma idéia dobre a divindade da “mãe terra”, mas só o novo culto de Gaia conseguiu unir o movimento ambiental, o movimento New Age, religiões orientais, e até mesmo os líderes de muitas denominações cristãs em torno de uma versão única e bastarda do paganismo. A única capaz de deter tal avanço era ainda a Igreja Católica.

    Boa parte desse sucesso pode ser creditado a James Lovelock. Lovelock trabalhou para a NASA durante a década de 1960 como consultor para o “Life on Mars”, um projeto de nave espacial Viking. A teoria de Lovelock afirma que a terra, a biosfera está intimamente ligada ao seu ambiente, agindo como um sistema único, um sistema vivo que se auto-regula de forma a manter as condições que são adequados para a vida. Este sistema vivo, segundo ele, é o resultado de uma forma de meta-vida que ocupou nossos planeta há bilhões de anos atrás e iniciou o processo de transformar este planeta em sua própria substância. Todas as formas de vida no planeta, de acordo com Lovelock , são parte de Gaia – uma parte de uma deusa espírito que sustenta a vida na Terra. Desde a sua transformação em um sistema vivo, ele teoriza, as intervenções de Gaia produziram a diversidade através de um processo de evolução das criaturas no planeta Terra. Da perspectiva de Lovelock que viu a Terra a partir do espaço, o que ele viu não foi um planeta, mas um sistema vivo auto-evolutivo e auto-regulador. Sua teoria apresenta a terra não como a rocha que é, mas como um ser vivo. Ele nomeou-a Gaia, em homenagem à deusa mitológica grega que teria criado o mundo dos vivos tirando-o do Caos.

    A ideia da Terra como a vida, espírito divino não é nova. Platão disse: “Devemos afirmar que o cosmos, mais do que qualquer outra coisa, é o que mais estreitamente se assemelha a alma vivente da qual todos os outros seres vivos, individual ou geneticamente, são parte. Uma criatura viva que é a mais perfeita entre todas as formas”. Como a mais nova versão do paganismo, Gaia é totalmente aceita pelo movimento da Nova Era e se encaixa perfeitamente no misticismo oriental, mas era necessária a ciência para reunir num só caldeirão, evolucionistas e humanistas apaixonados pela ciência. Para essas pessoas, Gaia se tornou palatável pelo modelo criado por Lovelock, uma teoria matemática e científica concebida para refutar as críticas contra Darwin. Assim como a evolução elimina a necessidade de um criador divino, o modelo de Lovelock forneceu uma teoria da evolução da vida na Terra, que incorpora a seleção natural em um mundo que está interligado. Ele elimina a idéia de um Deus pessoal e Onipotente e faz dos seres humanos uma parte do espírito divino que é Gaia.

    Mais atraente ainda para os seguidores da Nova Era e o Movimento Ecumenista é o lado místico de Gaia. Eles podem facilmente se acostumar à crença de que os seres humanos podem ter experiências místicas ou uma relação espiritual com Gaia. A conexão e a crença de que os seres humanos são parte dessa consciência coletiva chamada Gaia agrada a eles. Gaia ensina que um “Espírito da Terra”, deusa, ou cérebro planetário deve ser protegido. É essa crença que alimenta o movimento ambientalista, o desenvolvimento sustentável e um impulso global para o retorno das nações industrializadas a uma forma primitiva de vida. Algo que é útil ao Comunismo Internacional. Tal como aconteceu com os evolucionistas, os humanistas, e as outras religiões pagãs do mundo, Gaia nomeou o Cristianismo como o grande obstáculo para a evolução humana e nosso destino espiritual. Um documento encomendado pela ONU e patrocinado pela Convenção sobre Diversidade Biológica e Avaliação da Biodiversidade Global, se refere explicitamente ao Cristianismo como uma fé que coloca os seres humanos acima ou alheios à natureza e despoja a natureza de suas qualidades sagradas. O documento afirma:

    “Conversão ao Cristianismo significou portanto, o abandono de uma afinidade com o mundo natural para muitos habitantes da floresta, camponeses, pescadores em todo o mundo … Nas montanhas do nordeste da Índia que fazem fronteira com a China e Mianmar foi apoiada a criação em pequena escala, de sociedades em grande parte autônomas até 1950. Essas pessoas seguiam suas próprias tradições religiosas que incluía separar 10% e 30% do meio ambiente considerados como bosques e lagos sagrados”.

    Ao mesmo tempo que condena o Cristianismo como a raiz de todo o mal ecológico, o documento prossegue elogiando o budismo e o hinduísmo porque eles “não se afastam drasticamente da perspectiva dos seres humanos como membros de uma comunidade de seres que incluiem outras vidas e elementos não-vivos”. Religiões não-cristãs são, definitivamente, favorecidas pelo governo global como bons administradores da Mãe Terra.

    Todos os membros desta ” Religião Verde”, concordam entre si que a Terra está em um estado de crise e que esta situação de emergência ecológica é o resultado das tradições cristãs. Eles acreditam que a crença judaico- cristã segundo a qual Deus escolheu o homem para reinar sobre a terra, levou-o a explorar e abusar da Mãe Terra. O Monoteísmo, segundo eles afirmam, separou os seres humanos de sua antiga conexão com a terra, e para inverter esta tendência, os Governos, a mídia, os nossos sistema de ensino, artistas e outras áreas de influência devem reavivar o mito pagão centralizado na terra e reconectar-nos nos ao espírito da Terra”********

    Aí está. O que vocês estão vendo nessas fotos é a impostura religiosa em ação, o mistério da iniquidade em velocidade máxima, o cumprimento da profecia paulina na Carta aos Romanos:

    “Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos”.
    (Romanos 1:21,22)

    São Paulo vai mais adiante e nos explica o motivo pelo qual a nossa sociedade cristã paganizada se tornou esse mar de imundície, depravação sexual institucionalizada, escândalos de abuso sexual entre o clero, assassinato de inocentes pelo aborto, pornografia e idolatria. Quando os homens começaram a adorar a criação em vez do Criador, a ira de Deus se manifestou. Assim, na medida que as sociedades outrora cristãs caem na apostasia e começam novamente a desligar-se da Verdade Revelada para adotar a adoração da “Mãe Terra”, ou qualquer outro espírito enganador, o mal e decepção em sua nova religião é evidenciado pela resposta de Deus.

    “Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém. Por isso Deus os abandonou às paixões infames”.
    (Romanos 1:25,26)

    Está em curso um esforço concentrado e unificado por parte destas organizações e outras para fundir o culto de Gaia com o Cristianismo em nome da tolerância, do ecumenismo, da biodiversidade, da sustentabilidade e da preservação da Mãe Terra. É uma batalha contra Cristo e Sua Revelação. Mas saibam que São João Crisóstomo na sua Homilia 49 sobre o Evangelho de Mateus deixou bem claro:

    “Quando a heresia se apossar da Igreja, saibam que não haverá prova de fé e de cristandade senão nas Sagradas Escrituras, porque os que se voltarem para outros lugares perecerão”.
    Se nos envergonharmos da nossa fé, se comprometermos nossas crenças e tradições como fazem os impostores das fotos, e ignorarmos o que está acontecendo, estaremos cavando nossa própria sepultura e inúmeras almas se perderão por causa da nossa complacência, covardia e inação. Foi o que Nossa Senhora nos disse claramente em Fátima.
    LAUDATO SI!!! Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Mãe Maria Santíssima!
    Laudetur Jesus Christus et Maria Immaculata. Amen.

    • Gercione, louvado seja Deus por sua vida e seu apostolado. Obrigada pelo esclarecimento.
      Na inauguração do suposto ano da misericórdia o banco mundial ofereceu aquela projeção ridícula (fiat lux) de animais, indígenas, budistas e afins, já era uma espécie de culto a Gaia. Era solenidade da Imaculada Conceição e não houve nenhuma alusão à Mãe de Deus. Na dita projeção, aparece uma imagem na qual 3 camelos deambulando sem rumo em um cenário de destruição, parodiando a imagem dos magos que seguiam a estrela de Belém.
      Por ocasião da comemoração dos 300 anos de Aparecida em cada local que a imagem percorre é tirado um punhado de terra que é abençoado no final da missa e será trazido para o Santuário nacional para o dia da festa na qual estará presente o ecopapa. A decoração interna do santuário também está a caráter: árvores, animais, etc. Isto também faz parte do culto ecológico. Permaneçamos firmes e unidos na fé e na oração.

  22. Triste por ver Dom Tarcisio no meio dessa pataquada. Ele foi um dos melhores, senão o melhor, professor de Teologia que tive e que por muitos anos tentei imitar, até os minimos detalhes, no jeito de dar aulas, no jeito de falar, de esmiuçar cada ponto do tema, de sempre retornar com o conteúdo, de relembrar tudo concisamente, de rir, de brincar seriamente, enfim, foi um professor inesquecível. Evidente que não penso como ele em vista de eu ser tradicionalista, mais é um bispo em que admiro a seriedade e as boas intenções.

  23. Apenas mais um comentário…

    “…Nós, seus pais, sentimo-nos honrados porque aquele nosso único filho, que de bom grado oferecemos a Deus, já que Ele foi chamado a consagrar sua vida no sacerdócio, com a graça de Deus, tem sido fiel à sua vocação e está honrando a sua batina, sua fé e a doutrina tradicional da Igreja, mesmo à custa de muitas perseguições…” (Trecho da carta do Sr. Bady e D. Jove à imprensa, em Setembro de 1986, quando da perseguição, na Diocese, aos padres fiéis à Tradição) (Quer agrade, quer desagrade, fls 07).

    Infelizmente, Dom Fernando Arêas Rifan escolheu o lado progressista! Seja respeitada sua escolha!

    Mas também seja respeitada a escolha de milhares de homens e mulheres que deram suas vidas por essa Igreja, que é chamada atualmente de Administração Apostólica; que deram seu apoio aos Padres tradicionalistas de Campos; e que agora são obrigados a engolirem um papelão desses!!!

    Apenas desejo que justiça seja feita! E que quem lutou contra o progressismo e não se rendeu possa ter seus direitos respeitados por esta Roma e por este Bispo.

    A situação converge para um Ponto de Escolha, em que cada um da Administração Apostólica terá de escolher de qual lado vai ficar: progressista ou tradicionalista.

    Já fiz as minhas escolhas. Creio que não há mais nada para falar sobre isto.

    Paz e bem para todos!
    Salve Maria!

    Peço ao Fratres a caridade de publicar meus dois comentários neste post, pois são dos momentos mais importantes de minha vida. Não poderia deixar passar esta sem fazer estes comentários.

    Obrigado!

    E obrigado pela divulgação dos fatos!

    Att,

    • Sr. Vítor,

      As alterações doutrinais rumo ao modernismo foram calmamente introduzidas nas cabeças dos fiéis da Adm. Apostólica e, numa época de pouco acesso à informação, quase todos fomos assimilando essas mudanças confiando em nossos sacerdotes e baseados em interpretações largas da Infalibilidade Pontifícia e da Graça de Estado dos bispos e sacerdotes. Em suma, transformamo-nos no grupo da “obediência cega”, postura outrora tão fortemente criticada por nós mesmos!

      Quando as mudanças comportamentais e disciplinares começaram a aparecer, como admitir mulheres mal-vestidas nas Missas e mesmo a Comunhão para tais, alguns começaram a abrir os olhos (eu inclusive) pois os resultados do “acordo” começaram a aparecer e não mais reconhecemos a árvore plantada por Dom Antônio de Castro Mayer, agora adoecida e de frutos amargos.

      Embora a maioria dos fiéis tenha abraçado o modernismo em maior ou menor grau ou simplesmente se omitido perante às mudanças e agirem “fazendo a sua parte” (como se isso fosse possível em um ambiente modernista…), algumas centenas começaram a procurar ramos ainda saudáveis da árvore (os pouquíssimos sacerdotes que se opõem às mudanças), cerca de outra centena procurou abrigo na FSSPX e um ou outro procurou o Mosteiro da Santa Cruz em Nova Friburgo/RJ.

      Hoje, a Adm. Apostólica é o pior exemplo do que poderá se tornar – e infelizmente está se tornando – a FSSPX. Se alguém se horrorizou com Dom Fernando Rifan nessa infeliz situação (eu não me assustei, mas senti um forte dissabor ao vê-lo sem batina), dever-se-ia igualmente horrorizar com tantos sacerdotes da obra de Dom Lefebvre defendendo caminho similar e com o consentimento tácito dos 3 Bispos cujas Sagrações custaram tanto a nós, defensores da Tradição.

      Como vai ficar a FSSPX com ou sem acordo, dado que as mudanças já estão acontecendo? Não sei, mas espero que ao menos não chegue à situação crítica de Campos.

  24. Piegas! Esse tipo de evento só tem um resultado prático, agregar inocentes úteis para a causa melancia e para atazanar a vida de quem é obrigado por ofício ou por necessidade de utilizar a rodovia.

    O movimento ecológico, constituído e gerido por neocomunistas, viúvas do muro de Berlim, não tem como objetivo salvar a natureza (no máximo salvar a plantação de canábis) seu objetivo primordial é agredir o capitalismo e criar obstáculos ao desenvolvimento econômico. Falacias são pregadas aos 4 ventos e de tanto serem repetidas pela mídia “politicamente correta” viram verdades e dogmas que enganam praticamente todo mundo.

    Apostasia! No campo espiritual o evento é devastador, pode alguém agradar a dois senhores?
    “Não lanceis aos cães as coisas santas, não atireis aos porcos as vossas pérolas, para que não as calquem com os seus pés, e, voltando-se contra vós, vos despedacem.” (São Mateus 7:5)

  25. “O Papa Francisco nos convida a tratar com misericórdia a nossa Casa Comum.” Essa frase bizarra resume bem o espírito de porco da coisa toda, querem transformar nossa Santa Madre Igreja na maior de todas as ONGs do George Soros.

  26. Se os arautos da pseudo-resistência hoje ficam horrorizados com Dom Fernando Rifan usando clerygman e sem batina, deveriam igualmente se horrorizar com o fato de que entre os Bispos sagrados por Dom Lefebvre o único que eu vejo fazendo caminho similar é justamente Dom Williamson. Ele costuma viajar sem batina, talvez pra evitar ser reconhecido já que ele é adepto de teorias de conspiração. As imagens de sua partida no aeroporto de Buenos Aires e chegada em Londres são públicas pra quem quiser ver:

    Ao invés de se perguntarem “como vai ficar a FSSPX com ou sem acordo, dado que as mudanças já estão acontecendo”, deveriam rezar mais pela obra de Dom Lefebvre, pois como disse Galadriel na obra de Tolkien: “A Fraternidade está em cima da ponta de uma faca. Dispersa, mas só um pouco, e se ela falhar será para a ruína de todos. Mas a esperança permanece enquanto a Fraternidade é verdadeira”.
    Existem forças agora trabalhando na Igreja que estão muito acima do nosso entendimento, então o melhor é rezarmos e oferecermos sacrifícios ao invés de ficar atacando aqueles que ainda fazem algo pra preservar o que ainda resta da Igreja.

    • Reitero todas as suas palavras Georcione.

      Pax Domini,

    • Sra. Gercione,

      Rezemos por todos os que combatem o modernismo, pois a Sã Doutrina não está confinada ou guarnecida por grupos, mas disponível à prática de todos os de boa vontade. Minha preocupação especial para com a FSSPX é porque antes do “acordo” não víamos nenhuma diferença entre esta, a União Sacerdotal São João Vianney e o Mosteiro da Santa Cruz: estávamos unidos pela Defesa da Fé e nossa força incomodava sobremaneira os inimigos de Cristo.

      Infelizmente, é com tristeza que vejo expoentes da FSSPX querendo um “acordo” e atestanto que nada mudará, pois esse argumento é um misto de ingenuidade e imprudência. Conheço bem essa história como fiel assistido pelos “Padres de Campos” e, sendo sincero, não vejo como justificar o apoio a um acordo nos dias de hoje.

      Dom Licíno Rangel, grande Bispo que tive o privilégio de conhecer e sempre disposto a guardar seu rebanho, confiou em João Paulo II e no então Cardeal Ratzinger, que assumiram uma postura conservadora e estavam em campanha contra os modernistas radicais e contra a Nova Ordem Mundial (ver documento “Dominus Jesus”, resposta à infame “Carta da Terra” da ONU) mas dizia que caso aparecerem dificuldades ele faria o caminho de volta. A FSSPX fez algo semelhante, confiando e criando um canal de comunicação com Bento XVI, que já estava sob pesados ataques, mas continua suas tratativas vendo o caos que está assolando mesmo os conservadores e modernistas não-radicais. Destarte, como justificar, ou melhor, como cogitar um acordo perante Francisco e Müller? Até agora, os únicos frutos que essas tratativas renderam foram exatamente as fraturas na obra de Dom Lefebvre.

      O que desune os combatentes da Tradição é exatamente a aproximação para com a Roma modernista, tanto que quem mais vejo ser atacada é exatamente a USML (notadamente Dom Richard Willamson) e seus apoiadores, pois são os que mantêm a postura de Dom Lefebvre quando das Sagrações de 1988, quando este já havia compreendido completamente as ciladas dos modernistas.

      Nossa Senhora das Dores, rogai por nós!
      São Pio X, rogai por nós!

      P.S. -> Na foto, tenho a impressão que Dom Williamson está com um agasalho sobre a batina, pois é possível discernir na perna esquerda dele a bainha da calça social e a ponta da batina, próxima ao joelho do policial. Já vi vários outros sacerdotes usarem agasalhos semelhantes.

  27. Eis o que ensinava o então Padre Fernando Rifan:

    “Escândalo Farisaico”

    Autor: Pe. Fernando Arêas Rifan

    O escândalo farisaico, ensina o catecismo, acontece quando uma palavra ou ação, irrepreensível em si mesma, provoca espanto e escândalo em certas pessoas tendenciosas, as quais fecham os olhos para outros fatos realmente escandalosos.

    O nome vem do procedimento semelhante dos Fariseus, dos quais Jesus disse que “filtravam um mosquito e engoliam um camelo” (Mt. 23, 24). Cometiam os maiores crimes e injustiças e se escandalizavam, por exemplo, quando Jesus, para fazer o bem, não observava, como eles queriam, a lei do sábado.

    A história se repete.

    Quantos estão rasgando as suas vestes, a modo dos Fariseus, escandalizados porque Dom Marcel Lefebvre, para continuar com a Tradição da Igreja e fazer frente à heresia reinante, resolveu sagrar bispos realmente católicos!

    Mas não se escandalizaram quando João Paulo II, visitando um templo luterano, elogiou a profunda religiosidade e a herança espiritual de Lutero (17/11/1980)! Nem se escandalizaram quando, acompanhado de vários Cardeais, João Paulo II, num templo luterano em Roma, participou de um ofício herético e recitou uma oração composta por Lutero (11/12/1983)!

    Nem se escandalizaram quando João Paulo II recebeu uma delegação da maçonaria judaica B’nai B’rith, qualificando a recepção de “encontro entre irmãos” (17/4/1984)!

    Nem se escandalizaram quando, na Tailândia, João Paulo II visitou o Patriarca Budista de Vasana Tera, diante do qual ele se inclinou profundamente (12/6/1984)!

    Nem se escandalizaram quando, no Togo, ele assistiu, na “Floresta Santa”, a ritos animistas e participou de ritos satânicos em Kara, em Togoville (8/8/1985)!

    Nem se escandalizaram quando João Paulo II, na Índia, recebeu de uma sacerdotisa hindu, na testa, o sinal de “Tilak” (2/2/1986)!

    Nem se escandalizaram quando João Paulo II visitou a grande Sinagoga de Roma, onde participou da recitação de salmos (13/4/1986)! Nem quando João Paulo II convidava os católicos e judeus a prepararem juntos o mundo para a vinda do Messias (!) (24/6/1986)!

    Nem se escandalizaram quando, na Igreja de São Pedro, em Assis, no encontro promovido pelo Vaticano, os bonzos adoraram o Grande Lama, que para eles é a reencarnação de Buda, sentado de costas para o Sacrário, com o Santíssimo (cfr. Avvenire 28/10/1986)!

    Nem quando, no mesmo encontro, na mesma igreja, o ídolo de Buda foi colocado sobre o Tabernáculo do Altar principal e lá foi adorado por eles (cf. Avvenire e Il Mattino 28/10/1986)!

    Nem quando, ainda no encontro de Assis, patrocinado pelo Vaticano, os hindus invocaram os seus deuses, sentados em torno do altar da Igreja de Santa Maria Maior (cfr. Il Corriere della Sera, 28/10/1986)!

    Quem, portanto, não sentiu profunda dor no coração ao ver assim o Sangue de Cristo ser pisado e a missão da Igreja ser traída, só hipocritamente poderá “rasgar as vestes” e “atirar pedras” diante da atitude firme e corajosa de Dom Marcel Lefebvre, levado unicamente pelo amor à Santa Igreja de Deus.

    Já dizia São Gregório Magno: “É preferível que aconteça um escândalo que esconder a verdade. Escândalo duplo seria tolerar o erro, cobrir um crime com sua desculpa para não dizer sua cumplicidade“!

  28. Tanto aborto e os bispo preocupados em plantar árvores…..misericórdia…

  29. Percebam. Para sabermos o porquê dessas mudanças tão radicais no meio dos tradicionalistas analisem os líderes dos grupos mutantes. Normalmente ficam ricos, ou são agraciados com prestígio, ou ganham algum cargo. Não é exatamente esse o caso dos Arautos do Evangelho a ponto do seu líder erigir a sua Clálândia? Ou do grupo de Santo Orlando Fedeli que agora anda com a prestigiosa companhia de Dom Odílio Scherer?

  30. O sofisma para tentar justificar esse tipo de aproximação do clero administrativo de Campos com o clero conciliar gestor da massa falida da Igreja do Rio de Janeiro é o seguinte:

    “- Veja bem… Se nós nos mantivermos isolados, não conseguiremos espaço algum nas Dioceses para divulgar a Missa Tradicional…Precisamos nos manter próximos…bem juntinhos…abraçadinhos à causa conciliante: também nós somos Povo a caminho rumo à construção do Reino que também é nosso! Precisamos ter os pés no chão nessa caminhada! Assim, quando precisarmos de algo, seremos ouvidos”.

    Quer dizer: os fins (divulgação da Missa Tradicional) justificam os meios (participar de atos espúrios e escandalosos que atentam FRONTALMENTE contra a honra da Igreja, o Magistério, a Sagrada Escritura e a simples razão).

    No entanto, essa tese de que “os fins justificam os meios” é COMPLETAMENTE imoral, pois, como se sabe, “bonum ex integra causa, malum ex quocumque defectu”. Para um ato ser moralmente bom, não basta que sua finalidade seja boa: também os MEIOS precisam sê-lo.

    Mas certo Administrador infiel, agindo assim, parece não ter muita preocupação com a moral e muito menos com a fé. Como, neste caso, do Administrador infiel, não se lhe pode facilmente imputar ignorância, forçoso é concluir que age de má fé.

    Fico pensando nas crianças que lá estavam: vendo o despacho de macumba à beira Rio e a profissão de fé panteísta que se divulgou, enquanto os Bispos dão risadinha e incentivam o irenismo, a confusão religiosa e a degradação da Pessoa Jesus Cristo ao papel de “mais um” na multidão. Para que servem esses senhores?

    “-Aiiiimm…! Deixa de ser radical! Não é o m e i s m o deuz; deuz é um só; todas as religiões levam a deuz! deuz só muda de nome. Tanto faz! Sua Santidade o Santo Padre o Papa Francisco Primeiro vai até comemorar os 30 anos do encontro de Assis! Você tá por fora!”

    Conclusão: É nisso que dá a promoção de candidatos ineptos às Sagradas Ordens. Eles devastam furiosamente a Vinha de Deus.

  31. Sr. Pedro Rocha, eu já explique aqui várias vezes que essa posição adotada tanto pelo SSPX como pela chamada “Resistência” ( que se esfacelou justamente pelo mesmo motivo), ou seja CONCÍLIO NÃO, PAPA SIM, é que os leva a criar um canal de comunicação seja lá com quem for o Pontífice em exercício.
    Uma posição que já foi assumida até pelo próprio Dom Richard Willamson, que disse claramente que se o Papa o chamasse em Roma e lhe oferecesse uma prelazia, ele estaria no dia seguinte no avião:

    https://intribulationepatientes.wordpress.com/2016/03/02/dom-williamson-pegaria-o-proximo-aviao-para-roma/

    Portanto não creio que o que desune os combatentes da Tradição é exatamente a aproximação para com a Roma modernista, mas sim o elemento humano com suas indiossincrasias. Alguns dentro desses movimentos são enrustidos sedevacantistas, outros correm atrás de um “rabo” de mitra, outros adotam aquela posição “amigo de inimigo meu, é meu inimigo também” e por aí vai.
    Nas minhas conversas com Padre Pfluger eu vi que ele ficou muito tocado pelas proibições de Roma, os “divietos” de se celebrar em Santuários Católicos sobretudo durante as grandes peregrinações, afetado por um apostolado que cresce e que enfrenta entraves pra comprar igrejas e por aí vai. Talvez ele realmente acredite que um acordo prático facilitaria na resolução desses problemas, mas a maioria dentro da SSPX não acredita e assim está criado o impasse.
    Na minha simples posição de leiga eu não vi essas grandes mudanças que o senhor alega. Talvez alguns no clero tenham sido afetados, mas como simples leiga o que eu quero é a Missa Tradicional, O catecismo Tradicional, todos os sacramentos no rito tradicional, sermões que se atenham às epístolas e ao Evangelho, sacerdotes de conduta ilibada, assistência espiritual na minha doença e pra minha família e isso graças ao bom Deus não tem faltado!
    Muita gente que estava nesse movimento de Resistência voltou pra SSPX com o rabinho entre as pernas depois de terem feito um pedido formal e público de desculpas aos sacerdotes que eles caluniaram. Isso porque depois de baterem cabeça nesse movimento, depois de passarem até meses sem ver a cara de um sacerdote, quem dirá uma missa, viram que estavam sendo privados da missa, da comunidade de fiéis por picuinhas que escapam ao seu controle. E é isso sim que desune os Católicos tradicionalistas: o joio espalhado por Satanás.

    P.S. -> Na foto, Dom Williamson não está com um agasalho sobre a batina, pois há várias outras fotos na net que o mostram saindo do aeroporto de Buenos Aires escoltado usando inclusive um boné. Soube que ele gosta de disfarçar-se em suas viagens por causa de suas teorias de conspiração. Ele realmente acredita que estão tentando assassiná-lo.

  32. Sra. Gercione,

    É com satisfação que recebo seu comentário, por confirmar o que na chamada “Resistência” também é dito: de que boa parte da FSSPX está fiel ao legado de Dom Lefebvre, malgrado a nítida influência modernista que infelizmente já assola certas comunidades/pessoas. Mas o que particularmente me preocupa é a crença, como a do Revmo. Pe. Pfluger, de que um “acordo” melhoraria a situação da FSSPX, pois era exatamente isso que nos da Adm. Apostólica pensávamos e o tempo provou que estávamos errados: os modernistas nos cedem espaço, mas o preço foi o abandono do legado de Dom Antônio. Ainda assim, há Sacerdotes e Bispos diocesanos que impõem restrições não só à Adm. Apostólica mas a grupos conservadores, bastando ver o ocorrido com Dom Rogério Livieres e aos Franciscanos da Imaculada.

    Nessa questão crucial – a defesa da Tradição – é nítido que os filhos de Dom Lefebvre hoje se dividem em correntes, baseando-se em interpretações da postura do próprio Bispo fundador da FSSPX ao longo do tempo: o diálogo até onde for possível (postura pré-1988) e o afastamento completo (pós-1988). Não pretendo fazer juízo de quem defende cada uma dessas posturas, mas a História comprova que o afastamento da Roma conciliar e as Sagrações foram imprescindíveis à causa da Tradição e o fator que uniu não somente Bispos e Sacerdotes como também as diversas ordens religiosas por eles apoiadas.

    Falando por mim mesmo, não corroboro o otimismo para com o “acordo”, pois como simples leigo já trilhei esse caminho e estou fazendo o caminho de volta, mas quando voltei não achei a FSSPX que conhecia exatamente por ver que a ilusão da qual acordei também grassa hoje nesta. Por já ter passado pelas mesmas dúvidas e esperanças que muitos na FSSPX hoje estão nutrindo, compartilho do ceticismo e da postura anti-acordo defendida pelos sacerdotes da USML, bem como ofereço minha solidariedade e orações por todos os que combatem pela Tradição não só pedindo a graça da Fortaleza mas também para zelar para que os que estejam de pé não caiam. Se na FSSPX há canas se deixando agitar pelo vento modernista, a USML também não deixa de ter seus problemas, como a saída de Sacerdotes que hoje seguem seus próprios caminhos (já esperava por isso, pois uma cisão como ocorrida dá oportunidade para que outros saiam por motivos distintos); alguns tristemente se associando a cismáticos!

    Resumindo, Dom Lefebvre e Dom Antônio sempre se submeteram à Roma Eterna, mas achavam infrutífero discutir com a Roma modernista e se apartaram desta. A História corrobora a prudência destes grandes Bispos, pois só temos a perder em não seguir essa recomendação.

    São Pio X, rogai por nós!

    P.S. -> De fato Dom Williamson está de clergyman. Considerando que ele foi usado como estopim (a entrevista na qual ele faz um comentário sobre o “Relatório Leuchter”) para o recrudescimento dos ataques à Bento XVI, também tomaria precauções pois a questão da “shoah” é muitíssimo maior do que deveria ser um debate acadêmico. Eu mesmo já vi um Sacerdote da Adm. Apostólica ser insultado na Rodoviária Novo Rio (Rio de Janeiro/RJ), além de lembrar de um Sacerdote da FSSPX que nos disse em uma palestra (tempos “pré-acordo” de Campos) que por estar de batina foi insultado na Espanha e na França foi ameaçado de apedrejamento! Entrementes, é algo bem diferente do triste evento relatado na matéria acima, pois o que aprendi dos “Padres de Campos” é que a clergyman é para ser usada em lugares onde há franca perseguição ao Clero, não no Brasil…

  33. Qualquer pessoa dotada do mínimo de lucidez será capaz de concluir que, dos Bispos da Tradilândia, Mons. Williamson é o que mais se aproxima da linha doutrinal defendida por Mons. Marcel Lefebvre.

    A grande diferença entre ambos – Mons. Lefebvre e Williamson – é posicionamento político, uma vez que que Mons. Lefebvre nunca foi revisionista e nunca achou assunto de pouca monta os monstruosos crimes racistas e o genocídio do povo judeu (e outras minorias) promovido pelo infame regime nazista.

    Para quem não sabe, ou finge não não saber, o pai de Mons. Lefebvre, René Lefebvre, homem de comunhão diária e pai de um Bispo (Marcel), um padre e três religiosas, foi preso e sentenciado à morte pela quadrilha do Terceiro Reich, e MORREU num campo de concentração nazista em 1944, POR CONTA de sua ativa oposição ao invasor alemão. Seu corpo nunca foi encontrado.