Lutero, um Maquiavel da fé.

Por Francesco Agnoli, La Nuova Bussola Quotidiana, 18 de agosto de 2016 | Tradução: FratresInUnum.comPor ocasião do quinto centenário da revolução de Martinho Lutero, o confronto entre os cardeais alemães já vem se desenvolvendo por um bom tempo: por um lado, o Cardeais Kasper e Marx, que se declaram abertamente admiradores de Lutero e, do outro, os cardeais Mueller, Brandmüller e Cordes, que se encontram, por sua vez, na esteira do pensamento católico, vendo em Lutero o homem que desfigurou o Evangelho e despedaçou a Igreja, dividindo assim o Cristianismo e a Europa.

O casamento de Lutero.

O casamento de Lutero.

Não se trata, porém, de um debate teológico de alto nível, mas, no entanto, há implicações no que diz respeito à lei natural e ao modo como é concebido o matrimônio cristão. Kasper e Marx estão buscando, já há alguns anos e principalmente após a abdicação de Bento XVI, limitar a condenação do adultério e legitimar, mais ou menos abertamente, o segundo casamento, com aberturas graduais também ao casamento gay. O que tudo isso tem a ver com Lutero?

Talvez até mais do que se imagina. Em primeiro lugar, a respeito da doutrina, porque ele nega o caráter de sacramento do matrimônio e o submete à jurisdição secular, ou seja, ao poder do soberano e dos Estados. Esta concepção dessacraliza o casamento e o priva de seu tradicional significado sobrenatural.

No âmbito dos fatos, a primeira coisa que devemos recordar é o casamento do Lutero com uma ex-freira cisterciense, Catherine von Bora, com quem teve seis filhos. Os dois passaram então a residir no antigo convento agostiniano de Wittenberg, doado a eles pelo príncipe eleitor da Saxônia (o qual por sua vez, deve a Lutero o fato de ter usurpado os bens da Igreja Católica em suas terras). Lutero e Catherine tornaram-se, assim, um modelo para que, através do seu exemplo, os reformadores “operassem várias vezes, muitas vezes em grupos inteiros, para arrancar freiras de seus claustros e fazer delas suas esposas.” Depois de um rapto de religiosas ocorrido na noite do Sábado Santo de 1523, Lutero definiu o organizador do sequestro como um “feliz ladrão ” e felicitou-o por ter “liberado essas pobres almas do cativeiro” (ver Jacques Maritain, I tre riformatori. Lutero. Cartesio. Rousseau, Morcelliana, Brescia, 1990, p. 215). Estes foram os anos em que muitas religiosas alemãs foram obrigadas a deixar seus mosteiros, muitas vezes contra a própria vontade, para regressar às suas casas ou para se casar.

O segundo fato a ser lembrado é o seguinte: Lutero, para não perder o apoio do landegrave Filipe de Hesse, “um dos dois pilares políticos em que se apoiava o luteranismo”, permitiu que ele se casasse com sua segunda esposa, uma empregada de dezessete anos, Margarete von Saale. Filipe já tinha uma esposa, Cristina da Saxônia, com quem teve sete filhos. Estamos em 1539. Lutero não queria escândalos barulhentos, não quer ter que justificar publicamente uma bigamia, mas teve que concordar com as exigências de Filipe, um libertino inveterado, que sofria de sífilis, mas acabou concedendo porque era “necessário preservar a integridade da força militar da reforma.”

Então, ele decide agir com astúcia: esperando que ninguém venha a saber, secretamente comunica a Filipe que o seu casamento suplementar poderia ser determinado por uma “necessidade de consciência”. Em outras palavras: tudo bem com a bigamia, desde que ela não seja pública. Assim escreveram Lutero e Melanchthon: “Se, então, a Vossa Alteza é definitivamente determinada a tomar uma segunda esposa, nossa opinião é que isso deve permanecer em segredo.” Mas uma vez realizado o casamento, Filipe envia a Lutero, que era chegado em comidas e bebidas caras e imponentes, “uma garrafa de vinho que chegou às portas de Wittenberg, quando o segredo da bigamia já havia corrido solto por obra da irmã de Filipe.”

Sentindo-se em apuros, Lutero, que irá merecer de Tommaso Campanella o título de “Machiavel da fé”, aconselha Filipe a declarar publicamente que Margarete não é sua esposa legítima, “substituindo o ato do casamento por uma outra ação em cartório, declarando Margarete apenas sua concubina”. Filipe se recusa e ainda insta Lutero a confirmar publicamente que ele mesmo havia concedido uma dispensa. Mas Lutero, que em outras ocasiões não hesitaria em propor traduções falsas de passagens bíblicas, buscando legitimar suas razões, respondeu que seu conselho era um segredo, “e que agora tornou-se nulo e sem efeito, porque tinha se tornado público” (Federico A. Rossi di Marignano, Martin Lutero e Caterina von Bora, Ancora, Milano, 2013, p. 343-347; Angela Pellicciari, Martin Lutero, Cantagalli, Siena, 2013, p. 109-113)..

Alguns anos antes destes acontecimentos, em 1531, Lutero, em uma de suas muitas cartas em que procurava o favor dos poderosos, escreveu a Henrique VIII, rei da Inglaterra dizendo que sim, o casamento é indissolúvel, mas… com a permissão da Rainha poderia se casar com uma segunda mulher, como no Antigo Testamento. Como sabemos, Henrique VIII resolveu pedir dispensa não a Lutero, mas ao papa de Roma, e como não a obteve, tomou pra si próprio a questão, proclamou o cisma com Roma, e, no final, de repúdio em repúdio “em consciência”, chegará ao notável número de 6 esposas (algumas das quais mandou matar sem escrúpulos).

Se o efeito evidente da revolução de Lutero, com relação ao casamento, foi o pretexto que achou para ele mesmo arrancar a batina e para os príncipes poderem repudiar suas legítimas esposas e viver na poligamia, é óbvio que no plano da doutrina tudo estava destinado a mudar gradualmente. Devemos sempre ter em conta um fato: Lutero procura constantemente na nobreza alemã seu principal interlocutor, ele precisa vencer sua luta contra Roma. E a nobreza alemã, como a de outros países, estava lutando contra a Igreja não só por questões políticas de poder, mas também sobre a doutrina do casamento: muitas vezes os nobres não aceitavam a indissolubilidade do casamento, nem as restrições impostas por Roma (proibição de casamentos combinados, casamentos consanguíneos … etc).

Além disso, por razões ligadas às suas nobres condições sociais ou hereditárias, os nobres reivindicavam, mais do que outros, o direito dos pais de dar ou recusar o consentimento aos noivos, enquanto a Igreja Romana, ao contrário, reconhece apenas o consentimento mútuo dos noivos como os únicos ministros do Sacramento, com o direito de decidir sobre seu casamento. Lutero e os reformadores respondem então a estas “necessidades” dos nobres, e muito mais. Antes de mais nada, criticando a indissolubilidade absoluta.

Lutero reconhece, assim, pelo menos quatro razões para o divórcio: adultério, impotência ocorrida durante o casamento (enquanto na Igreja Católica a impotência é causa antecedente de nulidade), a “deserção maliciosa” e a obstinação tenaz do cônjuge em recusar a relação conjugal (com relação a esse caso, chega ao ponto de escrever: “Se a mulher negligencia seu dever, a autoridade temporal deve obrigá-la ou condená-la à morte”).

Inevitável que as aberturas de Lutero acabariam por gerar outras, como as dos anabatistas, favoráveis à poligamia, ou aquelas de seu discípulo M. Butzer, segundo o qual Cristo jamais teria abolido o repúdio, e que caberia às autoridades políticas legislar sem limites nem condições com relação ao divórcio. Além disso, Lutero e os reformadores insistem, com diferentes tons, sobre a adequação do consentimento dos pais, repreendendo a Igreja por reduzir essa importância, e ainda se esforçam para reduzir os impedimentos de consanguinidade (Jean Gaudemet, Il matrimonio in Occidente, Sei, Torino, 1996, p. 207-2012).

A Igreja Católica, por sua parte, com o Concílio de Trento, examinará minuciosamente as posições de Lutero, confirmando de uma vez por todas o caráter sacramental do matrimônio e sua indissolubilidade, negando a legitimidade do divórcio luterano, insistindo, apesar da pressão do nobreza francesa, que o consentimento dos pais, embora desejável, não é vinculante, e condenando a posição luterana segundo a qual é impossível viver em castidade. A posição expressa pelo Concílio de Trento será reafirmada pela Igreja e pelos papas por 500 anos, sem alterações.

Tags:

2 Comentários to “Lutero, um Maquiavel da fé.”

  1. Lutero foi um revolucionario – podemo-lo comparar aos atuais caóticos e peçonhentos marxistas – e seus subsequentes seguem-lhe no mesmo itinerario, em que cada um decide no que julgue mais certo ou conveniente; sem dúvidas, podemos atribuir a ele a invenção da “doutrina do cristianismo subjetivista”!
    Lutero não fez reforma alguma, mas se aproveitou dos erros e abusos reinantes àquela época um pretexto para deixar a Igreja e um meio para justificar seus erros, ao invés de ficar nela e procurar efetuar a conversão de si e dos seus membros alienados á fé para a verdadeira doutrina, a seu inverso, de como procederam muitos santos!
    Ademais, ele manteve muitos dos próprios abusos, apenas procurando brechas na doutrina para justificá-los pela negação de que eles fossem errados, e ainda sancionou ulteriores renúncias às normas do verdadeiro cristianismo até então praticado – portanto, optando por um catolicismo macaqueado para si e seguidores!
    Não é sem motivos que a maçonaria mantém excelentes relacionamentos com os protestantes, mesmo com seus subsidiarios comunistas, pois o relativismo é a tõnica desses e as divergencias eventualmente existentes são faceis de se superarem – um acordo entre cavalheiros pode ser facilmente costurado, porque não?
    As facções protestantes são bastante dissensas entre si e as acusações de pastores das múltiplas seitas de pertença à maçonaria são bem conhecidas, por eles mesmos entre si se acusarem, apontando nomes – eventualmente negadas pelos acusados – levando-se em conta que nenhum ou raros maçons importantes o admitem formalmente!
    Nem mesmo nossa Igreja católica escapou à sanha deles, pois se Mino Peccorelli estivesse entre nós, os acréscimos à lista dos 102 maçons cardeais áquela época, hoje beiraria no mínimo a uns 200, levando-se em conta a quantidade de esquerdistas cardeais heterodoxos, à la Kasper & Cia, os quais de uma ou outra forma seguem as pegadas heterodoxas de Lutero!
    Anos atrás, quando as disputas nas tvs americanas entre super pastores protestantes eram de uma descomunal ferocidade, a quantidade de “podres” que uns expunham dos adversarios era a ponto de, se um deles possuísse um harém, seria “fichinha”…
    O grande papa Leão X (1513-1521) foi quem excomungou Martinho Lutero em 1521, pela Bula Exurge Domini, pela desobediência e rebeldia do Lutero por não se retratar – ele era monge agostiniano – persistindo a sentença condenatoria até hoje nele e nos adeptos, sendo real impecilho a seus subsequentes associados para se salvarem, ao deixarem a Igreja de Jesus Cristo, a católica, por se juntarem a uma das milhares de seitas marginais, soberbas, dissensas entre si, conspiradoras, relativistas, alienadas, simples invencionices humanas!

    • O grande papa Leão X (1513-1521) foi quem excomungou Martinho Lutero em 1521, pela Bula Exurge Domini….eu enviei eta Bula mas não publicaram,