A busca desesperada pelo Catolicismo: A longa e turbulenta jornada de uma judia convertida à Igreja Católica.

Por Laura Evans, Culture Wars | Tradução: Daniel Sender – FratresInUnum.com:  Um ano após o começo de minha interminável jornada na tentativa de me tornar uma católica tive este pesadelo: estava presa no telhado de um arranha céu e várias pessoas estavam lá comigo. Um por um foram sendo resgatados até que apenas eu restasse lá, totalmente sozinha. Meu terror crescia enquanto o dia se tornava noite. Não tendo ajuda alguma a vista, decidi tomar a questão em minhas próprias mãos.

arranhaceu

Minha única esperança estava em descer pela lateral do prédio. Era um caminho traiçoeiro, mas de alguma forma consegui chegar ao térreo, onde encontro as pessoas que poderiam ter me resgatado. Caminho em direção a elas com lágrimas aos olhos e pergunto lamentosa, “Por que vocês não vieram ao meu resgate?” Todos eles me encaram com um olhar vazio, sem resposta. Acordei deste sonho soluçando.

Eu buscava desesperadamente me tornar católica, até que finalmente tentei entrar na Igreja Católica. Lá encontrei uma burocracia sem fim e entraves que fariam um dia no DETRAN parecer como um passeio no parque. Ao invés do apoio entusiástico que tinha encontrado nas igrejas protestantes, no catolicismo encontrei uma lentidão que pouco dizia respeito às palavras de Cristo, segundo as quais devemos prontamente fazer discípulos de todas as nações.

No protestantismo evangélico, onde inesperadamente me encontrei ao começo de meus 50 anos, as pessoas moveriam céu e terra buscando ajudar a mim e a outros a “nascerem novamente”. Não importava se a igreja estivesse fechando para o dia ou se os fiéis estivessem correndo atrás do bacon com ovos. Quando uma alma perdida vaga pela igreja – negócio como sempre – há uma parada brusca. Se o prédio cair em chamas os protestantes ainda assim estariam evangelizando, apesar dos bombeiros e do fogo. Mas e os católicos? Encontrei um universo completamente diferente, onde rígidas regras prevaleciam (mesmo aquelas que pareciam violar o Direito Canônico) e receber pessoas na Igreja parecia ser a última coisa na lista de coisas à fazer.

Mas como é que sequer cheguei a este mundo novo, sendo eu a pessoa mais improvável a querer me tornar católica? Minha história começa ao final de 2009, quando após uma vida inteira de Judaísmo/Budismo/Paganismo, de alguma forma eu me sentia movida a buscar a Igreja. Quando as pessoas perguntam-me o por que ser tão rara a conversão dos judeus ao Cristianismo, eu sempre respondo a mesma coisa, “só Deus sabe”. Não tenho a mínima ideia do porque, foi tudo o trabalho de Deus dentro de mim.

Como muitos judeus, absorvi desde a infância uma aversão ao Cristianismo. Não tinha muitos amigos cristãos, detestava o Natal e nunca havia entrado em uma igreja durante toda a minha vida. Mas de alguma forma, por razões que apenas Ele concebe, foi plantada uma grande fome em meu coração há alguns anos para conhecer Deus e o fazê-lo em uma igreja Cristã.

Comecei no protestantismo, onde permaneci por muitos anos. Este foi um movimento de sorte. Se eu tivesse me deparado com os bloqueios que posteriormente encontrei no mundo católico, talvez jamais tivesse me tornado cristã.

No protestantismo encontrei presbiterianos amigáveis e luteranos receptivos. Estava particularmente intrigada pelos evangélicos e pentecostais, que calorosamente me convidaram ao seu rebanho e passaram horas transmitindo-me as informações que desconhecia, como quem foi Jesus Cristo? Como se parece uma Bíblia e o que ela diz? Aceitei Jesus Cristo como meu salvador pessoal no começo de 2010, fui batizada em uma igreja crente na Bíblia alguns meses depois e nunca mais olhei para trás.

Mas, por mais maravilhoso que tudo isso fosse, sentia uma inquietude e uma fome dentro de mim por algo a mais, mesmo não sabendo exatamente o que isso era. Embora estivesse tendo muitas experiências boas em minha igreja, meu relacionamento com Jesus não crescia e nada estava sendo mudado em meu âmago, por mais que eu tentasse.

Busquei por esta coisa efêmera de igreja protestante a igreja protestante, dos batistas aos pentecostais, até que em um dia qualquer ao final de Novembro de 2013 (na realidade, este era o primeiro dia do Advento), apareceu subitamente o pensamento em meu cérebro de que eu talvez devesse me tornar católica. Esta era uma ideia nova, que jamais havia considerado, talvez pelo fato de protestantes não-denominacionais serem tão abertamente hostis perante a Igreja Católica.

Isto aconteceu enquanto lia o capítulo sobre Martin Lutero no livro de Mike Jones, “Modernos Degenerados” [1]. Quando Jones descrevia o comportamento mulherengo, o gosto pela embriaguez de Lutero e suas terríveis manipulações de freiras e padres, uma luz atravessou minha mente. Protestantismo vêm da palavra “protesto” – eu jamais havia juntado estes dois.

Não me agradava nem um pouco a ideia de fazer parte de um movimento radical, ou de insurreição. Tendo então já rejeitado minha própria juventude rebelde, percebi com horror que, de alguma forma, encontrei meu caminho em outro movimento revolucionário, o protestantismo. Então decidi começar a frequentar Missas católicas e a aprender o máximo possível sobre o catolicismo.

O que encontrei me fez querer correr por minha vida o mais rápido possível de volta aos protestantes. Descobri católicos que não sabiam o básico sobre a doutrina religiosa da Igreja e outros que desafiavam abertamente os ensinamentos morais. Escutei estranhos termos novos, como os “católicos de cafeteria”[2]. Me deparei com uma multidão de pessoas que não liam a Bíblia e praticavam sua fé com indiferença. Não consigo contar quantas vezes disseram-me que não precisava tornar-me católica, pois tendo sido batizada protestante – ou sendo judia – já era o suficiente. Em resumo, encontrei a Igreja Católica de hoje.

Apesar de meu choque com o estado da Igreja, comecei a fazer intensas pesquisas sobre a teologia Católica, o que clareou e corrigiu muitas doutrinas que me preocupavam no protestantismo. Também pesquisei o motivo de a Igreja Católica ter se tornado tão desordenada e caótica, ou seja, sobre a infiltração de diversas forças nefastas. Mas, mais importante do que tudo isso, encantei-me com a Missa e com o Santíssimo Sacramento, que me arrancaram lágrimas aos olhos mais de uma vez. Meu relacionamento com Jesus cresceu a trancos e barrancos e comecei a realizar as mudanças necessárias em meu comportamento. Finalmente descobri o que estive procurando todo esse tempo, e isso era Jesus em Sua única verdadeira Igreja Católica.

Mas depois de ter tomado a decisão de me juntar à Igreja, deparei-me com o maior choque de todos – isso seria uma tarefa hercúlea. E qual foi o maior obstáculo no caminho entre mim e a eternidade? Minha desgraça, assim como a de muitos outros, foi ter me deparado com o RICA.

Iniciação para Adultos

RICA significa Rito de Iniciação Cristã para Adultos. Ele foi criado posteriormente ao Concílio Vaticano II, aquele período de livre experimentação selvagem: coroinhas meninas, dançarinos litúrgicos, bruxas no altar, casais dando beijos de língua durante o Beijo da Paz e Ministros da Eucaristia. Algumas destas novidades já haviam sido expurgadas, como as bruxas e dançarinas (apesar de uma igreja local ainda ter as últimas). Mas, infelizmente, muitas novidades pegaram, incluindo o beijo e o RICA.

Embora o RICA tenha sido primeiramente introduzido em um número pequeno de paróquias nos anos 70 e começo dos 80, tornou-se onipresente em toda diocese a partir de 1986. Mesmo que evidências e um amplo estudo por parte de um grupo de Bispos tenham revelado problemas generalizados no RICA, ele ainda é a norma para os adultos, o desafio que todos devem passar para chegarem ao Santíssimo Sacramento e à Eternidade.

O sistema anterior ao Vaticano II era mais brando, embora fosse mais eficiente. Suponha-se que um homem, chamemos ele de “Joe”, quisesse tornar-se católico. Joe teria buscado um padre e exporia a ele o desejo de juntar-se à Igreja. O padre teria compaixão pelo pobre homem condenado ao inferno e teria aliviado o sofrimento de Joe, encontrando-se algumas vezes com ele e batizando-o logo em seguida. O padre teria compreendido que a alma eterna de Joe dependia da absolvição de seus pecados e do recebimento do Corpo e Sangue de Cristo ASAP, o mais cedo possível. E ele também reconheceria que ao falhar em seu compromisso, sua própria salvação estaria em risco.

Tudo isso mudou nos anos 80, quando essa abordagem acessível metamorfoseou-se na monstruosidade que temos hoje, o RICA. Hoje, para alguém como eu, sedenta em seu desejo de ingressar na Igreja, é dito que deve ser paciente e esperar. Agora há incontáveis degraus a serem superados, regras a serem obedecidas e sofríveis experiências grupais obrigatórias de ligação voltadas ao bem-estar.

E se uma pessoa dá para trás – se não quiser esperar meses a fio, abominar experiências psicológicas grupais de autoajuda com um bando de estranhos, ou se não quiser estar no altar com estas pessoas e passar por vários Ritos e rituais – bem, então ele está com azar. As coisas são do jeito que são e ninguém tem o interesse em mudá-las. Apesar de uma menina com 7 anos, que ainda cutuque o nariz e molhe a cama, poder receber a Primeira Comunhão, o adulto de hoje têm de navegar por um complicado labirinto, uma versão católica do campo de treinamento militar, até que chegue o momento propício, uma vez ao ano, quando a ele é permitido adentrar a Igreja na Missa da Vigília Pascal (Isso se ele sequer chegar a ir tão longe).

Embora supostamente existam exceções para as pessoas que não querem ou possam passar pelo RICA, encontrar um padre disposto a fazê-lo, como descobri, é como encontrar a proverbial agulha no palheiro. Os padres estão ocupados demais fazendo outras tarefas mais importantes. Um sacerdote disse-me francamente que se ele abrisse uma exceção para mim, teria de fazê-lo para os outros. Isso abre a questão de que se o maior problema de um padre é uma multidão de pessoas clamando para juntar-se à Igreja Católica, isto seria algo tão ruim assim?

De qualquer forma, hoje em dia os padres estão apenas perifericamente envolvidos na tarefa pivô de trazer pessoas para a Igreja Católica. A responsabilidade crucial da conversão foi passada adiante na maioria das paróquias, sendo delegada aos leigos. Uma pequeno número é composto por funcionários pagos, cuja vida depende da perpetuação do sistema. Mas é mais frequente que voluntários comandem o show, normalmente aposentados e casais sem filhos, com tempo de sobra e a necessidade de sentido e pertencimento a algo.

Alguns dos professores sabem do que falam, mas a maior parte é composta por pessoas com boa vontade, mas teologicamente desinformadas. E além destas, há também aquelas com uma agenda esquerdista que é promovida aos infelizes participantes, que se encontram suspensos no espaço sideral espiritual por meses a fio, com a cenoura da salvação pendurada a sua frente.

Proponentes do RICA se referem a ele como uma experiência profunda, evocativa tanto a potenciais católicos quanto para toda a paróquia, uma experiência que data da ritualística dos primeiros dias da Igreja. Séculos atrás, assim como hoje, prospectos ao Cristianismo necessitavam de apadrinhamento e precisavam passar por vários ritos públicos. Também como hoje, os potenciais conversos precisavam se retirar da Missa antes da Liturgia da Eucaristia.

Porém, haviam razões válidas para o apadrinhamento e o retirar-se da Igreja há centenas de anos. A jovem Igreja estava sob severo ataque por uma variedade de inimigos que tentavam infiltrá-la e destruí-la. A Igreja instituiu uma série de complicados procedimentos para proteger a si mesma e, em especial, o Santíssimo Sacramento.

Um prospecto necessitava de um padrinho que assegurasse seu caráter, para garantir, por exemplo, que ele não fosse um espião. Os ritos públicos eram conduzidos em frente à igreja para garantir que a comunidade conhecesse e confiasse no recém-ingresso. O neófito, por sua vez, precisava se retirar antes da Liturgia da Eucaristia para proteger o Corpo e o Sangue do perigo.

Hoje, a necessidade do apadrinhamento e elaborados ritos públicos parece arcaica, mas os proponentes do RICA garantem que estes não são bons apenas aos participantes, mas também um sopro de ar fresco para os párocos antigos, que podem receber um pouco do prazer místico observando aos membros do Rito no altar. Mas, para mim, se a paixão dos párocos pela fé tornou-se tão fria que eles precisam de pretendentes a católicos prostrados em frente a eles como macacos de circo, isto é uma triste visão da Igreja de hoje.

Com relação à prática de dispensar potenciais conversos antes da Liturgia da Eucaristia – para participar de, adivinhe?, mais aulas – como um membro do RICA poderia aprender sobre a Liturgia e experimentar a Presença Real se ele tem de se retirar antes do momento central da Missa Católica Romana? E como um potencial novo católico pode sentir-se parte da Igreja se é feito com que ele se retire?

E eis a questão mais relevante: o RICA realmente funciona? Vale a pena os muitos meses de espera e preparação, assim como os gastos? O novo sistema é melhor que o antigo?

Os proponentes do RICA dizem que sim e insistem que o programa leva a uma melhor retenção dos recém convertidos. Eles nos recordam que os católicos estavam saindo da Igreja em pencas antes da introdução do programa.

Embora seja verdade que houve um êxodo em massa de católicos nos anos 60 e 70, não foi por causa da ausência do RICA, mas por conta da sedutora atração do sexo, drogas e rock n’ roll naquela época rebelde. Contudo, antes dos anos 60, as igrejas estavam cheias de fiéis.

Curiosamente por toda a internet sobreviventes do RICA reclamam de seu rígido sistema, sua péssima catequese e de suas agendas esquerdistas. Mas o que dizem as pesquisas?

A mais extensa pesquisa do RICA, conduzida no ano 2000 pela Conferência Nacional de Bispos Católicos dos EUA, expõe um retrato sombrio. Foram descobertos problemas generalizados, como o alto índice de desistência, professores mal treinados responsáveis por espalhar erros doutrinários e a promoção de ideias não ortodoxas, como a de padres casados ou sacerdotes mulheres.

E sobre a alegação de que os católicos recém formados permanecem na Igreja? Infelizmente, no período de um a cinco anos após a conversão perto de 40% dos novos fiéis já não vão semanalmente à Missa. Minha opinião é que as classes os fecharam, abrigando os novatos e tornando-os dependentes de sua pequena panelinha. Passadas as experiências voltadas ao sentir-se bem, de dar as mãos na busca de aceitação, eles são confrontados com a desordem e a confusão que é a Igreja Católica de hoje, e muitos não conseguem lidar com isso.

Dada a abundância de problemas encontrados, por acaso os Bispos sugeriram cortar toda essa confusão desgovernada? Não. Ao invés disso, sua solução foi… mais cursos pós-conversão, algo chamado mistagogia. Através da mistagogia, os novos católicos são jogados de volta ao salão da paróquia para mais uma sessão de aulas e experiências de grupo.

Se há tantos problemas com o RICA, por que o programa ainda não foi abandonado de uma vez por todas? Meu palpite é que há diversos motivos para isso.

O primeiro é mais benigno, tendo a ver mais com a natureza humana. As pessoas não gostam de mudanças. É mais fácil fazer a mesma coisa de novo e de novo, não importando se isso é útil ou deletério. Existe uma espécie de atitude no RICA de “nós sempre fizemos isso. Assim, temos de continuar a fazê-lo”.

Além disso, existem ainda disputas pelo controle e feudos pessoais a serem mantidos. Se o RICA fosse desmantelado, os funcionários pagos rapidamente perderiam seu emprego e os aposentados seriam privados de seu sentimento de propósito. O programa é também o ganha pão de muitas companhias que vendem vídeos, livros e currículos de ensino. Mas, além de ser autossuficiente, o RICA reflete algumas das forças perniciosas que entraram na Igreja pós Vaticano II.

Uma destas é o falso culto ao conhecimento, que é uma preocupante remanescente dos Fariseus. Ao invés de evangelizar com base no Evangelho, a Igreja passa a lembrar um clube elitista, onde apenas alguns podem se juntar, mas somente após muitos meses de aula e acúmulo de vastas quantidades de conhecimento.

Esta abordagem ao estilo de uma universidade deixa muitos de fora. Por exemplo, aqueles com inteligência limitada, pessoas que viajam muito e não podem frequentar aulas por meses a fio, pais com filhos que precisam de cuidado constante, pessoas cronicamente doentes, com ansiedade social e qualquer um que não tenha condições físicas, intelectuais ou que simplesmente não queira ir a um curso semanal de uma a duas horas, encontrar-se regularmente com um padrinho e passar por ritos públicos por sete a nove meses.

Quanto às outras influências perniciosas na Igreja, muitos católicos se apaixonaram pela psicologia e por grupos. Sintonize à rádio católica e na maior parte do dia haverá fiéis emotivos vertendo vísceras a um psicólogo sobre seus problemas familiares. Ao invés de voltar-se a Jesus em oração, receber os Sacramentos e esforçar-se para abrir uma Bíblia, muitos católicos, da mesma forma que os seculares, preferem soluções psicológicas ao seu sofrimento pessoal.

O RICA é um exemplo clássico da psicologização na Igreja, com seu formato interpessoal grupal de compartilhamento de experiências e realização de exercícios voltados ao sentir-se bem. Os participantes revelam suas alegrias e mágoas ao longo do caminho. Obstáculos no caminho são confessados e dissecados. O participante do programa tem sua própria espécie de conselheiro sob a forma de seu padrinho. Da mesma forma que um viciado necessita de um padrinho e um grupo de AA para mantê-lo sóbrio, o membro do RICA precisa de um grupo e um padrinho para mimá-lo, alimentá-lo a colheradas rumo à Igreja.

E a Igreja ainda não discerniu o quão daninhos podem ser a psicologia e os grupos? Não foram centenas de freiras, padres e seminaristas corrompidos ao frequentarem grupos nos anos 60 e 70 e não perderam muitos sua fé, renunciando às suas Santas Ordens? Grupos podem ser perigosos, pois podem levar ao controle social via doutrinação e pensamento grupal.

Sob meu ponto de vista, o principal arquiteto do RICA e outras desventuras pós-Vaticano II não possui a forma humana, não são as pessoas com frequente boa vontade, que criam e coordenam os programas. O mentor é o bom e velho demônio, Lúcifer, pois é ele quem beneficia-se quando potenciais conversos não cruzam à linha de chegada e são privados da Presença Real de Jesus – e talvez até mesmo da própria salvação. Infelizmente, pude conhecer muito bem as táticas do Maligno enquanto tentei por mais de um ano fazer meu caminho rumo à Igreja Católica sem o RICA.

Novembro de 2013

Como podem se lembrar, Deus colocou no meu coração em Novembro de 2013 que talvez eu devesse me tornar católica. Passei vários meses mergulhando nos ensinamentos católicos, indo à Missa e encontrando-me com padres e católicos devotos. Após oito meses estava convencida que a Igreja Católica era a Igreja de Jesus Cristo. Sentia-me pronta, disposta e preparada para tornar-me católica. Mas o problema era que o RICA não tinha sequer começado.

Queria fazer parte da Igreja rapidamente, pois estava convencida que este era o único caminho para a salvação. Embora não estivesse planejando morrer a qualquer momento em breve, a verdade é que não sou nenhuma flor de primavera. Mas havia outra razão para o meu desespero, eu estava sendo atacada por espíritos demoníacos fazendo hora extra para garantir que eu jamais me tornasse católica.

Eles plantavam continuamente dúvida e desconfiança em minha mente sobre a Igreja Católica. Jamais havia passado por algo assim no mundo protestante, onde o Inimigo mal levantava sua cabeça, muito menos mostrava seus dentes. Mas tão logo comecei a me tornar católica, havia um exército de espíritos negros me atormentando, que acredito terem muito a ver com minha ancestralidade judaica.

Servi de piada, “Você jamais se encaixará lá sendo judia. Você é diferente demais”; fui tentada, “Veja, eles não querem você lá, você não é bem vinda”; desencorajada, “Você está perdendo o seu tempo. Não pode confiar em nenhum deles”. Mas o Maligno foi além, aterrorizando-me com o medo de que eu estava traindo os meus ancestrais. Tinha pensamentos petrificantes, onde Deus me punia com o fogo eterno no Inferno. Era como se o mundo demoníaco inteiro estivesse lançando um ataque frontal completo.

O Inimigo conhecia meus pontos fracos, os medos que me foram plantados desde a infância sobre o Cristianismo. Não existem muitos pecados no Judaísmo moderno: aborto, promiscuidade, experimentação com drogas – nenhum é encorajado, mas não é a pior coisa no mundo. A pior coisa? A pior coisa é tornar-se católico. Então, entre minha programação de infância e os demônios que atormentavam-me, sabia que não tinha condições de tolerar mais nove meses de espera e incerteza.

Pressentia isso, mas não podia fazer muito sobre o assunto. Expus tanto a um padre quanto ao pároco de minha igreja, mas nenhum deles estava disposto a realizar uma catequese individual. Então, tomada de espírito esportivo, fui à primeira reunião do RICA em minha paróquia no mês de Julho.

A experiência foi tão insuportável quanto eu havia imaginado. Era tarde da noite, quando já estava exausta. Embora os membros do grupo fossem agradáveis, nenhum deles era cristão devoto e eu tinha preocupações que minha recém conquistada fé fosse abalada passando meses com pessoas majoritariamente descrentes. Olhando o currículo – que, como a maioria dos cursos, começava com o menor denominador comum – me senti deprimida. Após muita oração, percebi que tinha de encontrar um caminho alternativo rumo à Igreja.

Elaborei um e-mail proveniente do fundo do meu coração para o padre encarregado da catequese em minha igreja. Comovida, compartilhei meu amor por Cristo e Sua Igreja. Lembrei ao padre de minha fiel assiduidade à igreja e que após meses de presença regular havia me tornado outra fiel constante na igreja. Expliquei que a incerteza estava me deixando aberta a um feroz ataque espiritual e que me seria de grande ajuda ter um plano para o meu ingresso na Igreja, especialmente em um tempo em breve. Esperei ansiosamente por sua resposta. Uma semana depois não havia nada.

Tentei aproximar-me dele na igreja, mas ele parecia me evitar. Uma mensagem deixada em sua secretária eletrônica não foi respondida. Neste momento estava além do ponto de ruptura, sob tanta pressão que escrevi a ele novamente, mas dessa vez copiei a mensagem aos dois coordenadores leigos do RICA. Dessa vez o padre respondeu, embora sem compromissos firmados.

Sentindo que não estava indo a lugar algum em minha igreja, a qual chamarei de igreja 1, decidi contatar algumas outras paróquias locais. Telefonei para outra igreja, a igreja 2, e consegui falar com o padre. Compartilhei novamente minha profunda paixão pela Igreja e meu desejo de me juntar a ela o mais cedo possível. O padre me informou que não havia nada que ele pudesse fazer, que eu deveria falar com o pároco, mas ele recém havia partido em prolongadas férias.

Ainda não estava pronta para jogar a toalha, então contatei outra igreja local, a igreja 3. Fui direto ao ponto e marquei um horário com o pároco. Nessa altura já havia me armado com algumas poderosas informações novas – um pequeno e obscuro segredo sobre o RICA –, de que a forma como ele é coordenado pode ser uma violação à Lei Canônica. De acordo coma Lei, o programa é destinado apenas aos não batizados. Católicos batizados e protestantes devem ser trazidos à Igreja o mais rápido possível e sem complicações indevidas. E mesmo assim isso não está sendo feito e, na realidade, a maior parte das pessoas no RICA é composta de católicos batizados e protestantes.

O pároco na igreja 3 foi simpático ao meu pedido. Ele reconheceu que pessoas como eu, protestantes batizados e devotos, deveriam ser recebidos na Igreja sem o RICA. Contudo, ele não estava disposto a envolver-se na questão, pois eu já havia começado o processo na igreja 1. Ele se ofereceu para contatá-los e fazer alguma pressão sobre o padre, mas dado que este já estava aos nervos comigo, achei que isso não seria um movimento político sábio.

Havia uma outra igreja local, a igreja 4, mas decidi não tentar naquela. Ao mesmo tempo, minha amiga Mary estava lá tentando tornar-se católica sem o RICA e enfrentava os mesmos impedimentos que eu. Sendo uma pessoa tímida e quieta por natureza, ela foi a uma reunião do RICA e jamais retornou, dizendo que era “como uma cruel reunião de fraternidade estudantil”. Ela resignou-se em ir às Missas, mas jamais estando em plena Comunhão com a Igreja. Ao ver a angústia na face de minha querida amiga, me tornei mais determinada a encontrar meu caminho para a Igreja e, assim, ajudar Mary a também ser recebida.

Eu tinha uma ideia final: enviaria um e-mail a um afável padre na igreja 1 que ocasionalmente celebra a Missa lá, embora na maior parte do tempo ele ministre aulas para a Diocese. Novamente expus a ele meu amor por Cristo e Sua verdadeira Igreja e o sofrimento da espera. Poderia ele ajudar a tornar-me católica?

O padre respondeu rapidamente e parabenizou-me entusiasticamente por buscar o catolicismo. Mas infelizmente me pediu desculpas, pois seu cronograma demandava tanto que ele não tinha tempo para encontrar-se comigo neste ano, embora me desejasse bem.

Outra rejeição era mais do que eu podia suportar. Nessa altura eu estava já sofrendo de uma grande vulnerabilidade. Não era fácil permanecer pedindo ajuda apenas para ser continuamente negada. Infelizmente, descarreguei minhas frustrações nele.

Disse a ele que estava sendo passada para trás por todo mundo, pois todos estavam ocupados demais fazendo alguma outra coisa, não podendo ajudar uma protestante desesperada em luta para se tornar católica. Desafiei a ele: ou a Igreja Católica é a verdadeira fonte de salvação e seus padres devem mover céu e terra para levar suas ovelhas rumo a ela, ou não era o único veículo para a salvação. Nesse caso, não havia pressa para que eu me convertesse ou mesmo que alguém me ajudasse. Não poderiam ser ambos ao mesmo tempo. Qual era a verdade?

Não houve resposta. Após alguns dias, me sentindo mal por ter descarregado toda minha indignação nele, enviei um e-mail pedindo perdão. Ele graciosamente aceitou minhas desculpas, embora ainda não houvesse oferta de ajuda.

Sem nenhuma outra ideia, estava no ponto mais baixo de uma jornada já repleta de percalços. Não sabia mais o que fazer. Nesse momento já estava cheia de constantes dúvidas e desconfianças referentes aos católicos e à Igreja. Não sabia se isso se devia a uma guerra espiritual sendo travada contra mim ou ao Espírito Santo fazendo com que eu retornasse à minha antiga igreja protestante.

Caí de joelhos e realizei a oração mais fervente de toda a minha vida. Enquanto soluçava, implorei a Cristo que revelasse a mim o que Ele queria que eu fizesse. Após vários minutos de oração, um abençoada calma varreu-me. Pela primeira vez desde que comecei a busca para tornar-me católica, senti-me em paz. Sentia que Jesus dizia a mim, “Você é minha filha amada. Não se preocupe, você passará a eternidade comigo”. Senti-me enormemente grata por este momento de graça.

Dez Meses

Já era agora Setembro, 10 meses desde o começo de minha exploração do catolicismo. Fiz uma boa amiga na igreja 1, que estava determinada a me ajudar a tornar-me católica. Em meu nome ela tomou o padre e compartilhou sua grande preocupação em deixar-me sozinha durante esse processo. Na Missa do Domingo seguinte, o padre surpreendeu-me oferecendo um encontro somente entre nós dois, mas havia uma condição. Eu tinha de passar pelo primeiro rito, o Rito de Boas Vindas, que aconteceria em duas de semanas. Relutantemente concordei.

Minha intuição dizia que estar lá com meu padrinho em frente à paróquia inteira, enquanto era analisada de cima a baixo, da cabeça aos pés, me tornaria sujeita a ferozes ataques espirituais. Eu estava certa. Não consegui dormir na noite anterior, sentia-me fraca nos joelhos e quase desmaiei durante a cerimônia. O nível de exposição pública sem ter ainda um plano para quando ou como eu seria recebida deu ao Inimigo liberdade para atormentar-me sem piedade. Mas eu mantive minha parte da barganha e então tive meu primeiro encontro com o padre.

Gostaria de dizer que tudo ocorreu bem e que felizmente ele logo após me guiou para a Igreja, mas esse infelizmente não foi o caso. Seu plano era que eu seguisse o mesmo currículo que os outros participantes do RICA pelos próximos sete meses, começando desde o começo, com um vídeo chamado “Quem foi Jesus?”. Também teria que participar dos outros ritos e rituais.

Neste ponto, meses de nervosismo vieram à tona e eu perdi minha calma. Raivosamente disse a ele que não precisava começar do começo, que já havia pesquisado intensamente a Igreja por quase um ano e tinha ido a mais Missas do que podia já contar. Rispidamente disse a ele que nunca em toda a minha vida tinha sido tão tratada como uma idiota quanto em meu ano no mundo católico, que ninguém parecia acreditar que eu realmente soubesse o que era melhor para mim – que era tornar-me católica o mais rápido possível.

O padre também ficou nervoso. Claramente dez meses de tensão tinham tomado seu custo a ambos: ele lidando com uma pároca que não queria jogar pelas regras do RICA e eu, pronta, disposta e capaz de tornar-me católica, mas não encontrando porta alguma aberta. Ao fim de nosso encontro, pedi desculpas por minha explosão. Ele também pediu desculpas a mim. Partimos em bases amigáveis, embora eu tenha recusado sua oferta de continuar o encontro.

Novembro de 2014

Era agora Novembro de 2014, começo do Advento. Também fazia um ano desde que Deus tinha posto em meu coração que talvez eu devesse tornar-me católica. Estava já desgastada e abatida por tudo. Embora tentasse não tomar todas as rejeições de forma pessoal, sentia-me emocionalmente quebrada e ferida. E eu estava sozinha. Sentia falta do companheirismo e senso de pertença em minha antiga igreja protestante.

Foi então que tomei a mais triste decisão de toda a minha vida. Era tempo de voltar ao mundo protestante.

Pela primeira vez em um ano de Missas, não dirigi meu carro rumo à Igreja Católica em um domingo. Ao invés disso, fui à minha antiga igreja. Os frequentadores estavam felizes em me ver, embora surpresos. E vi algo a mais em suas faces: eles estavam feridos, sentindo-se abandonados por eu ter rejeitado sua bondade e amizade tendo-os deixado. Claramente eu não era a única que tinha sido ferida neste processo.

Sentei em um banco e olhei ao redor de minha antiga igreja, que já havia conhecido tão bem. O ambiente não parecia familiar, era estranho. O que me espantou mais foi a ausência: a ausência do Crucifixo, da Procissão, dos padres – mas, mais do que tudo, a ausência do Santíssimo Sacramento. Senti uma angustiante dor em meu estômago por conta do profundo vazio. Tinha passado a vida inteira buscando por Algo, por Alguém e eu havia finalmente encontrado Ele em Sua verdadeira Igreja. Mas agora eu estava no risco de perdê-Lo novamente.

Percebi que eu tinha de fazer uma escolha: protestante ou católica. Não podia ter os dois. Mas já não era mais protestante, havia deixado isso para trás há algum tempo. Apesar de meu status dentro da Igreja, no mais profundo do meu coração eu era católica.

Antes do fim do culto, recolhi meus pertences e levantei-me. Dei adeus a algumas pessoas e então quietamente saí, triste, como um jovem adulto deixando uma família que já não é mais dele. Eu sabia que provavelmente jamais veria estas pessoas novamente.

Na Missa do Domingo seguinte, pensei em uma opção final. Se isso não funcionasse, me resignaria a continuar assistindo à Missa, sem jamais tornar-me católica. (Tinha a esperança de que o ensinamento católico sobre o Batismo de Desejo fosse o suficiente para que eu pudesse ir para o céu).

Minha ideia? Contatar a igreja 2 e ver se o pároco que estava em férias prolongadas já havia retornado. Liguei para lá e descobri que sim.

Encontrei com ele pouco tempo depois. Foi então que os céus se abriram para mim. Pela décima vez recontei meu intenso e profundo desejo em receber os Sacramentos na verdadeira Igreja de Cristo. O pároco escutava atento. Finalmente ele disse, “Jamais vi alguém mais sedento pelos Sacramentos que você. Tinha já ouvido falar de pessoas como você, mas jamais havia visto algo assim”. E, pela primeira vez, alguém havia dito isso como se fosse uma coisa boa.

Ele consideraria trazer-me para a Igreja antes de Abril, mas havia um porém, eu teria de atender às classes do RICA em sua igreja. Concordei.

As aulas eram bem menos rigorosas do que o outro programa – apenas uma hora após a Missa, sem aulas à noite, visitas de campo ou tarefas para casa. A maior parte dos membros do grupo era composto de católicos fiéis que estavam lá pelo senso de comunidade, e eles me inspiraram com seu amor pela fé.

Depois de algumas semanas no meu novo programa RICA, estava gostando do companheirismo, mas espantou-me um dia o fato de não estar mais próxima a tornar-me católica do que há um ano atrás. Agora relegada a uma terra espiritual de ninguém – não mais protestante, mas não ainda católica – os espíritos negros aproveitavam-se para me perseguir. Foi na manhã de uma aula do programa que tive o pesadelo de estar presa no telhado sem ninguém para me resgatar e acordei soluçando.

Na aula daquele dia os portões se abriram e comecei a chorar incontrolavelmente. Contei a eles sobre o sonho, sobre meus 13 meses tentando encontrar alguém que pudesse me ajudar a entrar na Igreja. Expliquei o desespero para ter meus pecados perdoados pela Confissão e receber o Santíssimo Sacramento. Quando terminei, todos me encaravam paralisados em silêncio.

Após o fim da aula, o coordenador do RICA me chamou em um canto. Ele me disse que sua opinião era que eu já estava preparada para tornar-me católica e que iria escrever ao pároco e recomendaria que fosse recebida na Igreja o mais cedo possível. Dei um abraço de gratidão a ele. Deus tinha mandado alguém para me resgatar.

Após alguns dias me encontrei com o pároco, que me perguntou algo que me estarreceu, “Quando você gostaria de ser recebida na Igreja?” Ele até mesmo ofereceu-se para celebrar uma Missa privada especialmente para mim. Escolhemos uma data (embora o pároco precisasse da permissão do Bispo, outro entrave burocrático que me deixou com comichões por várias semanas). Ele também agendou comigo um horário para minha primeira Confissão.

A Noite Anterior

Na noite anterior à Confissão deitei em minha cama de olhos bem abertos, incapaz de adormecer. Sentia algo que jamais havia sentido antes, não era alegria ou felicidade – mas algo muito além disso. Sentia-me abençoada. Meu corpo abençoadamente arrepiava-se na perspectiva de receber meu primeiro Sacramento Católico. Não apenas eu seria absolvida dos pecados que carreguei comigo por anos, mas uma vez que tivesse meu primeiro Sacramento “eles” não conseguiriam me manter de fora. Fossem as regras burocráticas que me impediam, ou os demônios que me praguejavam.

Fui recebida na Igreja Católica no começo de 2015, o que foi a experiência mais incrível de toda a minha vida. O pároco a personalizou, falando sobre meu amor por Jesus e pela Igreja. Ele celebrou uma Missa inteira, embora estivessem apenas algumas pessoas lá.

Infelizmente nenhum de meus amigos protestantes que havia convidado veio. Sabia que não era nada pessoal, mas por conta de suas concepções erradas do Catolicismo eles não podiam apoiar minha conversão. Eles fizeram sua escolha e eu fiz a minha.

Enquanto escrevo isso, outra rodada de classes do RICA começa nas igrejas ao redor do país. Minha alegria em finalmente ter tornado-me católica é marcada pela tristeza por aquilo que tive de passar, daquilo que a Igreja faz as pessoas passarem para estarem em plena Comunhão com Nosso Senhor.

Como muitos fiascos pós Vaticano II, o RICA precisa acabar. A Igreja precisa voltar à sua obrigação de fazer rapidamente discípulos de todas as nações.

Se não o fizer, o Corpo de Cristo continuará a diminuir e muitas pessoas que necessitam de Jesus e de nossa fé cairão por entre as rachaduras. Isto será uma péssima notícia para a Igreja Católica, mas serão ótimas notícias para as ergonômicas igrejas evangélicas e pentecostais que espalham-se como fogo selvagem pelo mundo afora. O que estes protestantes sabem – e que muitos católicos tragicamente se esqueceram – é que trazer pessoas a Cristo é o motivo de estarmos aqui. E os protestantes entendem que, ao fazê-lo, a alma eterna que estão salvando é também a sua.

“Laura Evans” é um pseudônimo. Ela foi recebida na Igreja Católica no começo de 2015. Pouco tempo depois ajudou sua amiga Mary a ser também recebida na Igreja como ela, sem o RICA. Ambas são mulheres católicas devotas e fiéis, que frequentam às Missas todo Domingo. Laura gostaria de expressar sua profunda gratidão a Mike Jones por seu incontável apoio durante sua longa e turbulenta jornada rumo à Igreja Católica. “Obrigado Mike. Não conseguiria ter passado por isso sem você.”

Este artigo está presente na edição de Dezembro de 2015 da revista Culture Wars.

[1] Degenerate Moderns. E. Michael Jones é um historiador católico americano, autor de mais de uma dezena de livros sobre a história da Igreja, política e cultura. É também editor da publicação “Culture Wars” [Guerras Culturais], onde este artigo está presente.

[2] “Católicos de cafeteria” são aqueles que discordam convenientemente dos ensinamentos morais da Igreja quando lhes convêm.

Tags:

18 Comentários to “A busca desesperada pelo Catolicismo: A longa e turbulenta jornada de uma judia convertida à Igreja Católica.”

  1. Um sumario bastante restrito desse mar infindo de queixas e lamurias da judia convertida ao catolicismo foram os imensos obstáculos à sua frente para tentar se filiar à Igreja católica, por incuria dos que deveriam recebê-la com a máxima atenção, pois os protestantes, como relatou, se for para “converter” um “transviado” para a sua seita, diligenciar para que ele se “entregue a Jesus e seja salvo”, não medem esforços; valem-se de quaisquer artificios e artimanhas, empenham-se com denodo, mesmo que sejam por meios duvidosos!
    Se recordássemos do trecho bíblico, Lc 16 1, 8 – filhos das trevas – bem que poderia trazer uma luz do por que de os católicos de modo geral serem frouxos, a começar da Alta Hierarquia, e um dos exemplos é o que sucede no Brasil; talvez noutros países ex cristãos não se diferiria a situação: os inimigos da Igreja são postados no poder, como os maquiavélicos marxistas e eles parecem conformados, estarem satisfeitos, ou até mesmo se juntando a eles e, por aqui os escãndalos nesse último item já passou do máximo tolerável – nunca se revoltam ou se contrapõem aos desafetos da Igreja, de modo geral!
    Sabemos que os filhos das trevas são mais espertos do que os filhos da luz, frase atualíssima nos dias de hoje, cada dia mais justificada pelos procedimentos daqueles, como os filhos das trevas nas igrejas marginais protestantes, por ex., e outros nas ideologias, que arranjam qualquer esquema para perverter ou fazer o mal aos outros, sem serem incomodados pelos que deveriam se comportar como sendo os filhos da luz!
    Aqueles são brilhantes em suas atitudes para fazerem o mal, enquanto os filhos da luz muitas vezes se omitem no bem e no múnus de trazer mais almas para a Igreja – então, de uns tempos para cá com um tal “ecumenismo”…
    Interessante foi com que pericia ela notou como a Igreja está infestada de inimigos; também, com que argucia percebeu as deformidades no protestantismo – enquanto na Igreja, é nos membros dela – não na doutrina!
    Vejam as diferenças entre grupos protestantes pelas esquinas nos fins de semana tentando cooptar “católicos” para suas hostes e o contrario!
    Ao acaso, v já teve a oportunidade alguma vez de presenciar um empenho paroquial, advertencias – a começar do vigario – de preservar a comunidade de cair no engodo das seitas marginais à Igreja, como as relativistas protestantes ou das idem ideologias?

  2. A Igreja nunca renegou a sua obrigação de fazer rapidamente discípulos de todas as nações, mas a impostura que tomou de assalto a hierarquia da Igreja, essa sim em nome da promoção do Ecumenismo e da Liberdade Religiosa, traiu o mandato de Jesus Cristo:

    “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
    Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”.
    (Mateus 28:19,20)

    Recentemente fez notícia até nos jornais dos Judeus a brilhante conclusão dos teólogos do Vaticano: “Os judeus não necessitam de Jesus para serem salvos”.
    “Embora os Judeus não acreditem em Jesus Cristo como Redentor Universal, eles tem parte na salvação, porque os dons e o chamado de Deus pra eles são irrevogáveis”.
    http://www.jewsnews.co.il/2016/02/01/vatican-jews-dont-need-jesus-to-be-saved.html

    Então a ordem do dia é essa: nada de falar em conversão de Judeus porque eles já estão salvos por causa do DNA. Conversão de muçulmanos também nem pensar, porque eles e nós, segundo a impostura sediada no Vaticano, “adoramos o mesmo Deus”.
    Enquanto isso, na SSPX se tenta seguir fielmente o mandato!
    Ainda ontem a filha recém nascida de uma judia convertida foi batizada em nossa capela. Essa mesma judia de família ortodoxa se batizou, fez primeira Comunhão, Confirmação e se casou na nossa capela. Nos Estados Unidos há muitos casos como o dela.

  3. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, que deseja a salvação dos pecadores, e não sua condenação! Parabéns à “Laura Evans”, ex-judia, e à sua amiga Mary, que se tornaram católicas! Os percalços que a protagonista passou são de rir, e congratulemo-nos por não existir o tal do “RICA” no Brasil. A situação de qualquer norte-americano é bem pior que a de qualquer brasileiro quanto a ingressar na fé católica, lembrando que os EUA são um país de matriz maçônica, e com grande percentual de evangélicos… Que Deus Onipotente tenha piedade!

    Os encontros de “Catequese com Adultos” no Brasil são bem mais brandos do que o tal do “RICA”: com 30 encontros aos sábados (admitidas no máximo quatro faltas), o catecúmeno, ou o católico em reconversão, recebe os Sacramentos da Iniciação Cristã. É certo que existe muito despreparo dos catequistas, já que muitos são “católicos de cafeteria”; conheço um coordenador de catequese que se gaba de não gostar de ler e nem de estudar, e que se gaba ao mesmo tempo de que sua evangelização é “profunda” (!!). O fato é que muitos católicos estão mais inteirados da programação televisiva e de outras banalidades usuais de hoje do que do conteúdo da fé católica, da Palavra e mesmo da devoção séria. A catequização proporcionada hoje pelas paróquias poderia ser chamada de “secularismo intuitivo com pitadas de curso bíblico e bastante lastro de politicamente correto”.

    Porém, tendo em vista o exemplo de “Laura Evans”, que gosta de estudar e já sabia consideravelmente acerva da Fé Católica, dos Sacramentos, da Igreja e muito mais, seria facílimo para ela encarar a “Catequese com Adultos”… Teria sido mais fácil ela se naturalizar brasileira e aprender a Língua Portuguesa para depois se tornar católica aqui (rs). Era só ela economizar seus comentários durante os encontros (para não ferir o catequista, demonstrando o despreparo deste nos temas), não falar muito sobre si mesma, ser pontual, levar algum petisco para o coffee break, fazer as leituras que lhe fossem pedidas, os exercícios escritos em sala, escolher uma boa madrinha, comparecer aos ensaios antes da Vigília Pascal e pronto: receberia, sem sérios abalos, no dia marcado, os Santos Sacramentos. Daí seria apenas continuar frequentando a Missa que, em pouquíssimo tempo, ela seria convidada a ser assistente em alguma Pastoral.

    Passei por isso, por minha vez, eu que sou um católico reconverso após os 30 anos de idade. E quando disse para que se economize nos comentários durante os encontros, não defendo que o católico mantenha o lume debaixo do alqueire, e nem que nutra respeito humano, mas que, por bom senso, não use a “Catequese com Adultos” como ocasião de partilha daquilo que estudou a mais por conta própria, pois isso não será aproveitado nem pelos colegas, e nem pelo catequista, e você passará a ser um mero revolucionário com sinal invertido, que nem foi devidamente admitido à Fé Católica e quer “usurpar” os cargos das lideranças da Paróquia. Após a recepção dos Sacramentos, e tendo já uma firme devoção, mantendo a frequência à Missa e o estudo, e já estando em alguma Pastoral, aí sim: não só haverá oportunidades de sobra, mas também a obrigação de admoestar os que estão caminhando com você para que aprendam direito aquilo em que acreditam, e a que devotam tempo precioso de suas vidas. As consequências que advém disso não desenvolverei, por falta de tempo, e para não incomodar os leitores com idiossincrasias que não vem ao caso.

    • Filêmon,
      bom comentário o seu e confirmo tudo o que você disse. Fiz parte da equipe de catequese de adultos de minha paróquia e sei exatamente o que você disse.
      Um catequista chegou a sugerir que talvez o diabo e o inferno não existam. Outra ensinou que quando estamos aborrecidos ou confusos deveríamos XINGAR DEUS. Questionei os palestrantes sobre estes absurdos e provoquei mal-estar no grupo. Fui expulso da equipe por “falar demais”.

  4. Quanto drama… Imagine se nossa ex-judia/protestante que quer um catolicismo fast food tivesse vivido nos primeiros séculos da era cristã, dos longos, “burocráticos” e rígidos três anos (ou mais) de Catecumenato…

    Em meio a todos os seus demônios, melindres litúrgicos e pressões à hierarquia, qualquer pastor sério hesitaria prudentemente em aceitar uma potencial desequilibrada para um processo tão sério que é o da conversão.

  5. Quanta “misericórdia” no comentário acima! “Demônios, milindres litúrgicos, uma potencial desequilibrada”! Se eu fosse uma pagã qualquer tentando me converter ao Catolicismo, certamente o receio de encontrar um Arturo Boscoli pela frente seria um fator que me levaria a pensar duas vezes! Porque assim fala a Escritura: “Por vossa causa o nome de Deus é blasfemado entre os pagãos”. (Romanos 2:24)
    Então quer dizer que pra entrar pra Igreja Católica um pagão precisa antes fazer um curso de teologia com pós em Escolástica? Em algumas faculdades é o que basta pra se conseguir um título de bacharel em teologia: “burocráticos” e rígidos três anos (ou mais).
    Não me consta que os primeiros missionários exigiam isso dos índios, aliás sequer precisavam ser alfabetizados!
    Certamente que o ideal seria o Catecismo dos primeiros séculos da era cristã, com a catequese mistagógica, a didaqué, com o batistério na parte externa da Igreja, com o Domingo in Albis, com a Missa dos Catecúmenos onde os não batizados sequer permaneciam no templo durante a celebração do Sacrifício no rito tradicional. Mas trazer à baila o exemplo do Catecumenato dos primeiros séculos pra uma igreja modernista atual que se tornou mais protestante do que o próprio Martinho Lutero é no mínimo brincadeira de mau gosto!
    O mais interessante é que nosso caloroso interlocutor certamente não teria a coragem de chamr Bergoglio de “potencial desequilirado” por apressar o processo de dissolução de um casamento Católico, como se se tratasse de um divórcio civil!
    No seu novo Motu Proprio, Bergoglio sublinha que o objectivo é “promover a rapidez dos processos”, para que os católicos não se sintam “oprimidos pelas trevas da dúvida” durante um longo período.
    Mas um potencial converso pode ser “oprimido pelas trevas da dúvida” durante um longo período, enquanto os burocratas da Igreja Conciliar decidem se vai pegar mal ou não para o Ecumenismo essa “mudança de religião”!
    Na noite de 22 de março de 2008, por ocasião da Vigília Pascal, Magdi Allam, vice-editor do Corriere della Sera, depois de 56 anos de vida como muçulmano, decidiu se converter ao Catolicismo e recebeu das mãos do Papa, Bento XVI, na Basílica de São Pedro os sacramentos: batismo, confirmação e Eucaristia.
    Ele conta em dois de seus livros que o aparelho de Estado do Vaticano até o último momento fez pressão sobre Bento XVI para que não o batizasse:

    “Eu me mantive até agora reservado sobre a minha experiência direta com a realidade interna da Igreja, que me fez tocar a gravidade de um conflito aceso entre o Papa Bento XVI e o aparato que supervisiona a gestão do Estado do Vaticano, e só o fiz em consideração ao Papa Bento por ter sido ele mesmo quem se decidiu me batizar, me crismar e me dar a minha primeira Comunhão na noite da vigília pascal de 22 de março de 2008.
    E então quando no final da cerimônia religiosa na suntuosidade da Basílica de São Pedro, depois de 3 horas que duraram uma eternidade, mas que eu tenho como o dia mais lindo da minha vida, eu me vi diante do Papa e da companhia do meu padrinho Maurizio Lupi que se limitou a me sorrir com um sorriso leve, mas de uma serenidade absoluta de quem está em paz consigo mesmo e com o Senhor. Mas tão logo nos afastamos para a esquerda para saudar o assistente do Papa, Monsenhor Georg Ganswein, descobrimos em seus lábios um sorriso intenso e uma exclamação de júbilo: NÓS VENCEMOS!! Tínhamos vencido e se alguém venceu, isso significa que alguém perdeu. E quem perdeu eu logo pereci assim que saímos da porta da Basílica pra abraçar Monsenhor Fisichella. Apareceu então o cardeal Giovanni Battista Re, na época Prefeito da Congregação para os Bispos que voltando-se em alta voz e com tom ameaçador para Monsenhor Fisichella disse-lhe:
    _ Se Bin Laden estivesse vivo, saberíamos a quem deveríamos enviá-lo!
    Sucessivamente, de várias fontes seguras eu tive a certeza de que até o último instante o aparelho de Estado do Vaticano exerceu forte pressão sobre Bento XVI para dissuadi-lo de me dar o Batismo, por medo de represálias por parte dos terroristas islâmicos, mas o Papa não retrocedeu.
    É um fato específico e concreto que evidencia como Bento XVI teve que confrontar-se com poderes internos do Vaticano. Poderes esses que com a finalidade de salvaguardar a própria segurança chegam ao ponto de achar que devem impedir o Papa de cumprir aquela que é a sua missão: levar Cristo a qualquer um que O queira. E é um caso emblemático esse conflito entre a Igreja Universal cuja substância é a espiritualidade e um Vaticano terreno que se funda no materialismo como qualquer outro Estado”.
    https://www.amazon.ca/Islam-Siamo-guerra-Magdi-Cristiano-ebook/dp/B017LA9B6A/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1474917441&sr=8-1&keywords=Magdi+Cristiano

  6. Eu fui batizado quando era criança, mas até a fase adulta me considerava ateu. Um dia, comecei a sentir uma força me puxando para a conversão. Uma força incompreensível. Minha conversão iniciou-se no aspecto intelectual, e creio que não foi por acaso, pois o meu ateísmo também tinha bases pseudo-intelectuais. Tive uma catequese excepcional para a minha primeira comunhão e a crisma, ambas já adulto. O processo foi demorado, mas eu me resignei e aceitei. Entendo a preocupação da Igreja, mas fico dividido pois também entendo perfeitamente o desespero da autora do texto: às vezes, precisamos de um remédio espiritual de forma imediata. O ensinamento que venha depois. O que ainda me choca na Igreja Católica é a pouca proximidade dos fiéis com os padres. Já vi uma pessoa chorando sozinha na igreja, e o padre passando por ela, mais preocupado com a gerência da paróquia do que com o fiel. Não custava nada ter parado para acolher, talvez fosse uma pessoa pronta para a conversão ou um católico em desespero, pedindo ajuda. Deus fala também através dos padres, não fala? Os protestantes suprem a carência afetiva das pessoas com muito mais eficiência e talvez por isso estejam conquistando tantos fiéis para as suas seitas. As pessoas estão carentes de Cristo, de amor e até de atenção. O pastor protestante recebe, acolhe e o trata como amigo, pena que depois o leva à perdição da alma.

  7. O primeiro amor
    Começou então Filipe a falar, e, principiando por essa passagem da Escritura, anunciou-lhe Jesus.
    Continuando o caminho, encontraram água. Disse então o eunuco: Eis aí a água. Que impede que eu seja batizado?
    Filipe respondeu: Se crês de todo o coração, podes sê-lo. Eu creio, disse ele, que Jesus Cristo é o Filho de Deus.
    E mandou parar o carro. Ambos desceram à água e Filipe batizou o eunuco.
    Mal saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe dos olhares do eunuco, que, cheio de alegria, continuou o seu caminho. (Atos 8:35-39)

    A Prudência
    Entende-se que na igreja primitiva, diante da perseguição e martírio “iniciar alguém desconhecido” era questão de vida ou morte.

    A Burocracia
    Esse estado de coisas de cria dificuldades não é novidade, é anterior à graça, existe desde o tempo da lei e dos profetas.
    Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Vós fechais aos homens o Reino dos céus. Vós mesmos não entrais e nem deixais que entrem os que querem entrar. (São Mateus 23:13)

  8. Caro Arturo Boscoli, tenha Misericórdia dos seus irmãos afastados e que querem entrar na Santa Igreja, você agora quer “restringir” a conversão aos “ídolos” que você próprio criou? De que adianta tanta inteligência, conhecimento da Doutrina, Teologia e seja lá o que for… tudo para confortar o seu próprio ego, será que todo o seu esforço em aprender tudo o que você julga saber é para Honra e Glória do Nosso Senhor Jesus Cristo? ou por que você “acha” que todo esse vão conhecimento vai levá-lo a Salvação? Sem amor ao próximo de nada adianta meu amigo, aquele que diz amar a Deus e não ama ao seu irmão, é um mentiroso. Tire a trave do seu olho primeiro, antes de acusá-la de tanta coisa.

    Se a Tradição Católica forma pessoas com esse pensamento que você expôs, é melhor viver na ignorância mesmo, certamente Deus terá mais misericórdia. Mas é assim mesmo, em todo lugar tem o “trigo” e o “joio”.

    Me dói a alma ler um comentário como esse seu, a verdadeira humildade passa longe de você. Sinceramente, pegue todo esse seu conhecimento e “jogue no lixo”, converta-se primeiro. Concordo que a Misericórdia tem que “andar junta” com a “Divina Justiça”. Mas não ter misericórdia nenhuma é cavar a própria sepultura no inferno, quanto “farisaísmo” e hipocrisia em um tão curto comentário.

    “Estude menos, e ame mais meu irmão”, pois você ainda não está convertido! Digo isso sem peso nenhum na consciência, nem procurarei um Confessionário por esse motivo, mas meu dever me leva a essa indignação. Impossível, um Católico que tenha “um pingo” sequer de misericórdia, ler esse seu comentário e não ficar indignado.

    “No final, seremos julgados pelo amor”

    Salve Maria Imaculada!

    A Paz de Cristo!

    André.

  9. Engraçado como a administração do Fratres não publicou meu comentário em resposta ao irmão Arturo Boscoli, certamente por achar que o mesmo foi desrespeitoso ou desnecessário.

    Agora se eu posto um comentário falando mal da Igreja modernista ou do Santo Pe o Papa, certamente o publicariam, como vejo inúmeros do gênero nesse site. Não sei que “santo critério” vocês utilizam…

    Salve Maria Imaculada!

    A Paz de Cristo!

    André

  10. Entendo o desespero da autora do texto, e creio ser não tanto pela demora ou extensa preparação para a tão importante recepção na Igreja, mas sim pela qualidade da formação (pelo que se pode ver a mesma buscava a doutrina católica por conta própria e confrontava com essa “outra coisa” oferecida no curso…

    Digo que entendo porque recordo bem minha “formação” para o Crisma… todo encontro era um constrangimento… nos faziam cantar e dançar musiquinhas ridículas, participar de dinâmicas onde a vergonha própria e alheia é que dava o tom, rebolar e por aí vai… quando não era isso, era sessão de sentimentalismo barato ou erro doutrinário do grosso…

    Na crisma de meus irmãos, que eram mal vistos por se recusarem a requebrar durante a Missa (não porque compreendessem a gravidade de tal ato, uma vez que tiveram péssima “formação”, mas porque tinham vergonha mesmo) uma “catequista” foi impedida – juntamente com seu grupo – pelo Bispo de fazer uma apresentação de dança coreografada NO MEIO DA MISSA… sem disfarçar sua indignação pela “falta de consideração” do Bispo (pois haviam ensaiado) ela simplesmente saiu – de cara emburrada – no meio da Missa… desde então não mais “ajuda” na comunidade e, ao q me consta, sequer vai às Missas dominicais. ..

  11. Aos quinze anos, manifestei à minha família protestante o desejo de me batizar na Igreja Católica — não o tinha sido em nenhuma igreja –, e ele me foi negado.
    À revelia de sua vontade, busquei o Batismo em duas paróquias. Por causa das aulas insuportáveis de catequese [?], busquei o Batismo sem terminar essas aulas e o consegui, por um sacerdote já falecido, ao qual eternamente sou grato. No outro dia mesmo, recebi a Comunhão e agora me falta a Crisma. Tenho minha certidão de Batismo, creio nos artigos do Credo: sou católico romano!
    No caso narrado, seria mais fácil para a ex-protestante, uma vez que a Igreja Romana considera válido o batismo de algumas das confissões históricas. Era só buscar um sacerdote, se confessar, inclusive da prática do protestantismo, lhe declarar a crença nas verdades de fé e de moral da Igreja, e receber a Eucaristia. Ele não lhe poderia negar a absolvição, uma vez que ela demonstraria arrependimento de suas faltas.
    Meu desafio agora é ter paciência para suportar as futuras aulas de Crisma numa paróquia ou conseguir que um Pároco ma consiga dum Bispo sem eu ter frequentado aulas de catequese. Se não houver jeito, que o Senhor me conceda a graça de participar delas, e do extremo incômodo que elas certamente me causarão, como penitência pelos meus pecados e para completar os sofrimentos, sobretudo morais, que faltaram à sua paixão.
    (Prouvera Deus haver um provão, na Igreja e um pequeno ritual de confissão de fé, para comprovarmos nossos conhecimentos de Doutrina e recebermos os sacramentos com a dispensa desses algumas vezes malditos cursos de preparação)

  12. Essa senhora custou a encontrar quem a acolhesse na Igreja, pois a quase totalidade do clero, está imbuída do veneno do dialogismo incutida nos ambientes católicos.

    Assim, também os “monges” protestantes da comunidade de Taizé quiseram, antes do Vaticano II, passar à Igreja, mas foram desaconselhados: “Depois do concílio”, foi-lhes dito, ” isso não será mais preciso”.

    E, de fato, não há sentido algum em se falar de conversão para quem está imbuído do dialogismo conciliar.

    É claro, por outro lado, que a doutrina católica deve ser exposta de maneira civilizada, e não aos pontapés. Mas não é isso que o conciliantes entendem por “diálogo”. Por diálogo eles entendem a efetiva paridade de condições entre a parte católica e a outra (protestante, BUdita, macumbeira, mafomética, animista e o que mais houver no panteão).

    Isso, porém, é desonesto do ponto de vista intelectual, moral e doutrinal. Pois a Igreja católica NÃO pode abrir mão da vantagem de JÁ POSSUIR a plenitude da verdade acerca do mistério de Deus, de Jesus Cristo e da si mesma.

    A simples simulação de paridade, por motivo de captatio benevolentiae, já seria algo absolutamente imoral e pecaminoso.

    Jesus Cristo não disse “ide e dialogai”. O Evangelho é um anúncio, não uma disputa ou uma barganha.

    De resto, os resultados práticos da tara dialógica estão aí: a palhaçada pan-teísta dos encontros de Assis e congêneres, onde a fé em Jesus Cristo deixa de ser necessária. Isso só é possível porque se deixou de entender a fé como doutrina revelada: a fé, para os dialogantes, é apenas um sentimento, uma adesão incomunicável e solipsista a uma divindade sem rosto, sem história ou, pior, com muitos rostos e com muitas histórias.

    Eis onde foi dar a aventura: no abismo que traga e dissolve tudo o que a Igreja professou e ensinou acerca de sua missão divina.

  13. Fiquei comovido e tocado de compaixão pelos sofrimentos pelos quais essa judia teve de passar para se tornar católica.

    Não entendo como algumas pessoas são capazes de desqualificar o sofrimento alheio, taxando-o de desequilíbrio.

    Se formos pensar em Santo Agostinho em suas Confissões, por exemplo, ele também narra a sua ansiedade e angustia em sua espera pelo batismo, chegando a derramar lágrimas muitas vezes. Será que por isso também Santo Agostinho mereceria ser taxado de desequilibrado?

  14. Sexta-feira passada presenciei algo curioso que me fez lembrar do caso da conversão dessa judia. Eu estava à tarde em uma paróquia aguardando o pároco para me confessar. Na fila de espera para falar com o padre estava uma senhora que à primeira vista não tinha nada de extraordinário, quero dizer, parecia ser mais uma católica aguardando a sua vez para falar com o sacerdote, se não fosse o fato de ela ter se identificado como evangélica e estar se sentindo chamada a entrar para a Igreja Católica. Ela disse aos que estavam na fila aguardando o padre que ela estava tendo todas as noites sonhos com Nossa Senhora Rosa Mística e, que por isso, ela estava pensando que esses sonhos recorrentes se tratavam de uma mensagem de Deus para ela entrar na Igreja Católica e que ela iria falar com o pároco sobre isso. Eu fiquei impressionado com essa coincidência, pois nessa mesma semana tinha lido o relato dessa judia americana ruma à Igreja Católica para se tornar católica. Infelizmente não pude conversar com essa senhora porque havia outras pessoas mais próximas que estavam conversando com ela, mas fiquei impressionado com essa coincidência.