Papa: não à teoria do género, acolher todos como faria Jesus.

Rádio Vaticano – A visita à Geórgia e o Azerbaijão, as suas próximas viagens, as questões do género e homossexualidade, as relações com a China, os novos Cardeais e muitos outros temas estiveram no centro da conversa do Papa Francisco com os jornalistas durante o voo de regresso de Baku

“Obrigado como sempre pelo trabalho de vocês. Perguntem o que quiserem”, disse o Papa Francisco aos jornalistas que o acompanharam nos três dias de viagem ao Cáucaso, primeiro à Geórgia e depois ao Azerbaijão. Na conferência de imprensa, a primeira tendo ao lado o novo Director da Sala de Imprensa, Georg Burke, o Pontífice comentou suas impressões sobre os dois países visitados, falou das próximas viagens, do Consistório e das eleições nos Estados Unidos. Eis os principais trechos.

Uma jornalista georgiana afirmou que os cidadãos da Geórgia ficaram muito impressionados pelos discursos de Francisco e de modo especial pela foto do Papa junto com o Patriarca que foi compartilha milhares de vezes nas redes sociais. A pergunta foi sobre uma futura colaboração com as Igrejas Ortodoxas em relação às diferenças doutrinais.

Papa Francisco:

Eu tive duas surpresas na Geórgia. Uma é a Geórgia. Eu nunca imaginei tanta cultura, tanta fé, tanta cristandade. Um povo crente, com uma cultura cristã muito antiga, um povo de muitos mártires. E eu descobri uma coisa que não conhecia: a amplidão desta fé georgiana. A segunda surpresa foi o Patriarca: é um homem de Deus, este homem me comoveu. As vezes que eu o encontrei saí com o coração emocionado, e com a sensação de ter encontrado um homem de Deus. Verdadeiramente, um homem de Deus. Sobre as coisas que nos unem e nos separam, eu diria: não vamos discutir as questões de doutrina, vamos deixá-las para os teólogos, eles sabem fazer isso melhor do que nós. Discutem e são bravos, são bons, têm boa vontade; os teólogos de uma parte e da outra. O que devemos fazer nós, o povo? Rezar uns pelos outros. Isso é muito importante: a oração. E segundo, fazer as coisas juntos: há os pobres, trabalhemos juntos com os pobres; há este problema, podemos resolvê-lo juntos? Vamos fazer isso juntos; há os migrantes? Vamos trabalhar juntos… Vamos fazer as coisas de bem pelos outros, juntos. Isso podemos fazer. E este é o caminho do ecumenismo. Não só o caminho da doutrina: este é o último; se chegará ao fim. Mas vamos começar a caminhar juntos. E com boa vontade, isso pode ser feito, se deve fazer. Hoje o ecumenismo se deve fazer caminhando juntos, rezando uns pelos outros. E que os teólogos continuem conversando entre eles, estudando entre eles. Não só… Mas a Geórgia é maravilhosa, é algo que eu não esperava: uma Nação cristã, mas na medula…

Matrimónio e divórcio

Em relação ao matrimónio e divórcio, o Papa sublinhou que o matrimónio como imagem de Deus é a união entre homem e mulher. “A imagem de Deus não é o homem, mas o homem com a mulher que formam uma só carne quando se unem no matrimónio. Esta é a verdade”, sublinhou.

Segundo o pontífice, nesta cultura os conflitos e problemas não são bem administrados, como também as filosofias de hoje: faço isso, depois quando me canso faço aquilo, faço o terceiro e o quarto; é uma guerra mundial contra o matrimónio. “Devemos estar atentos a não deixar entrar em nós essas ideias. O matrimónio é imagem de Deus, homem e mulher numa só carne. Quando isso é destruído, se suja ou se desfigura a imagem de Deus. A Amoris laetitia fala sobre como tratar estes casos, como tratar as famílias feridas e aqui entra a misericórdia. O matrimónio ferido, os casais feridos: entra a misericórdia. O princípio é este, mas as fraquezas humanas e os pecados existem. Porém, a fraqueza e o pecado não têm a última palavra. A última palavra é a da misericórdia! Na Amoris laetitia se fala de matrimónio, do fundamento do matrimónio, como se preparar ao matrimónio, como educar os filhos, e no capítulo VIII, quando vêm os problemas, como se resolvem. Se resolvem com quatro critérios: acolher as famílias feridas, acompanhar, discernir cada caso e integrar, refazer. Isto significa colaborar nesta segunda fase, nesta recriação maravilhosa que o Senhor fez através da redenção. Existe o pecado, a ruptura, mas também a misericórdia, a redenção: a cura.”

Teoria do género

Sobre a teoria do género, definida pelo Papa Francisco como “grande inimiga, uma ameaça contra o matrimónio”, o pontífice disse que acompanhou na sua vida de sacerdote as pessoas com tendências e práticas homossexuais.

“Eu as acompanhei e aproximei do Senhor. Nunca abandonei ninguém. Quando uma pessoa tem essa condição e chega diante de Jesus, o Senhor não lhe dirá: Vai embora porque você é homossexual! Não! Eu me referi sobre a maldade que se faz hoje com a doutrinação da teoria do género. Uma coisa é a pessoa ter essa tendência, essa opção, e também quem muda de sexo. Outra coisa é ensinar nas escolas esta linha para mudar a mentalidade. Isso eu chamo de colonizações ideológicas”, disse o Papa.

O Santo Padre disse que no ano passado recebeu uma carta de um espanhol que contou a sua história de quando era menino e garoto. Era uma menina, uma garota e sofreu muito porque se sentia garoto, mas fisicamente era uma garota. Quando se tornou adulto foi operado, mudou sua identidade civil, se casou e trabalha no ministério.

“As tendências ou desequilíbrios hormonais causam muitos problemas e devemos estar atentos a não dizer: É tudo a mesma coisa! Mas acolher, acompanhar, estudar, discernir e integrar cada caso, sempre com a misericórdia de Deus.”

Consistório

O Papa Francisco falou ainda do próximo Consistório, para o qual foram propostas três datas, sendo uma delas o primeiro Domingo do Advento, e que decidirá voltando desta viagem ao Cáucaso. Sobre a escolha dos cardeais, o Pontífice disse que está estudando os nomes. “A lista é longa, mas há somente 13 lugares”, afirmou, acrescentando que lhe agrada a ideia de ver a universalidade da Igreja no Colégio cardinalício. “Não somente o centro – por assim dizer – ‘europeu’. Os cinco continentes, se possível.”

Viagem a Fátima

“Certamente, por enquanto, irei a Portugal, e irei somente a Fátima. Por enquanto. Por quê? Há um problema. Neste Ano Santo foram suspensas as visitas ad limina; ano que vem, devo fazer as visitas ad limina deste ano e do próximo. E há pouco tempo para as viagens. Mas a Portugal irei (o Pontífice mencionou a data de 13 de maio). À Índia e Bangladesh, quase certo. À África ainda não está certo o país, tudo depende seja do clima, em qual mês, porque se é no noroeste da África é um coisa, se é no sudoeste, é outra. E depende também da situação política e das guerras ali… Mas há possibilidades pensadas na África. Na América, disse que quando o processo de paz, se sair, gostaria de ir [à Colômbia], quando tudo estiver concluído…mas tudo depende do que dirá o povo. O povo é soberano.”

Possível viagem à China

“Temos boas relações, se estuda e se fala, há comissões de trabalho… Eu sou optimista. O povo chinês tem a minha estima. Outro dia, por exemplo, houve um congresso de dois dias sobre a Laudato si’ na Academia das Ciências, e havia uma delegação chinesa do presidente. E o presidente chinês me enviou um presente… há boas relações… Eu gostaria [de ir à China], mas ainda não penso nisso…”

Beatificação de padre Hamel

Outra pergunta dos jornalistas foi sobre a beatificação de Pe. Hamel, degolado na França em julho. O Papa confirmou que o Card. Amato está analisando a questão, sem esperar os cinco anos exigidos para o início do processo.

Prémio Nobel da Paz

Sobre a escolha do vencedor do Nobel da Paz, que será anunciado em 7 de outubro, Francisco pediu que se fala mais das vítimas inocentes das guerras e conflitos. “É um pecado contra Jesus Cristo, porque a carne dessas crianças, dessa gente doente, desses idosos indefesos é a carne de Cristo. Seria necessário que a humanidade dissesse algo pelas vítimas das guerras. Para aqueles que fazem a paz, Jesus disse que são bem-aventurados. Mas as vítimas das guerras, devemos dizer algo e tomar consciência, eh? Lançar uma bomba sobre um hospital de crianças e morrem 30, 40; sobre uma escola… esta é a tragédia dos nossos dias.”

Conselho para os eleitores americanos

“Em campanha eleitoral, eu jamais digo uma palavra. O povo é soberano, somente digo: estude bem as propostas, reze e escolha em consciência! Agora saio do problema e vou para a ficção, porque não quero falar do problema concreto. Quando num país existem dois, três, quatro candidatos que não satisfazem a todos, significa que a vida política daquele país é demasiado politizada, mas não tem cultura política. E uma das tarefas da Igreja e do ensino nas faculdades é ensinar a ter cultura política. Existem países – penso na América Latina – que são demasiado politizados, mas não têm cultura política; sou deste partido, deste e daquele outro, mas afectivamente, sem um pensamento claro sobre as bases, as propostas.”

Conflito entre a Arménia e o Azerbaijão

Uma pergunta sobre o conflito entre a Arménia e o Azerbaijão: o que deve ocorrer para se chegar a uma paz permanente que tutele os direitos humanos? E qual papel poderia ter o Santo Padre?

Papa Francisco:

Duas vezes, em dois discursos eu falei sobre isso. No último eu falei sobre o papel das religiões para ajudar nesta questão. Creio que o único caminho seja o do diálogo, o do diálogo sincero, sem nada sob a mesa, sincero, face a face. Uma negociação sincera. E se não se pode chegar a isso, ter então a coragem de ir a um Tribunal Internacional, ir a Haia, por exemplo, e submeter-se ao julgamento internacional. Não vejo outro caminho. O outro é a guerra, e a guerra destrói sempre, com a guerra se perde tudo! E também, os cristãos, com a oração, rezar pela paz para que esses corações tomem este caminho de diálogo, de negociações ou ir a um Tribunal internacional. Mas não se podem ter problemas como esses: pensem que os três países caucásicos têm problemas. Também na Geórgia há um problema com a Rússia: não se conhece muito sobre isso… mas há um problema, que pode crescer… não se sabe; e a Arménia é um país sem fronteiras abertas, há problemas com o Azerbaijão. Deve-se ir ao Tribunal internacional se não há diálogo e negociação: não há outro caminho. E a oração, oração pela paz.

Uma pergunta ainda sobre por que o Papa faz viagens a lugares onde se encontram pouquíssimos católicos?

Porque ir à periferia?

Papa Francisco:

Essa pergunta me fizeram após a minha primeira viagem, que foi à Albânia: Por que o Senhor escolheu ir à Albânia na sua primeira viagem à Europa? Um país que não é da União Europeia? Depois eu fui a Sarajevo, na Bósnia Herzegovina, que não faz parte da União Europeia. O primeiro país da União Europeia onde eu fui foi a Grécia, Ilha de Lesbos: o primeiro. Por que fazer viagens a estes países? São três países caucásicos: os três presidentes vieram ao Vaticano para me convidar. E com insistência. E todos os três tiveram um comportamento religioso diferente: os arménios são orgulhosos – e isso sem ofender hein? – orgulhosos de sua “armenidade”… e têm uma história, e eles são cristãos, a grande maioria, mas, quase todos, cristãos apostólicos, cristãos católicos e um pouquinho de cristãos evangélicos: poucos. A Geórgia é um país cristão, totalmente cristão, mas ortodoxo. Os católicos são poucos. Ao invés, o Azerbaijão é um país, creio, 96-98% muçulmano: não sei quantos são os habitantes, porque eu disse dois milhões, mas creio que sejam vinte, não?… são cerca de 10. Sim, cerca de 10 milhões; os católicos são no máximo 600, poucos. E eu, por que vou ali? Pelos católicos, para ir à periferia de uma comunidade católica, que se encontra precisamente na periferia, e é muito pequena. E hoje na Missa eu disse que me fazia recordar a comunidade periférica de Jerusalém, fechada no Cenáculo, esperando o Espírito Santo, esperando poder crescer, sair… é pequena. Não é perseguida, não, porque no Azerbaijão há um grande respeito religioso, uma grande liberdade religiosa. Isso é verdade, eu disse isso no meu discurso hoje. E também esses três países são periféricos, como a Albânia, a Bósnia Herzegovina…E eu lhes disse: a realidade se entende melhor, e se vê melhor a partir das periferias do que do centro. E por isso escolho ir ali. Mas isso não tira a possibilidade de ir a um grande país como Portugal, França, não sei… vamos ver… (SP-BF-MJ-BS)

Anúncios
Tags:

9 Comentários to “Papa: não à teoria do género, acolher todos como faria Jesus.”

  1. … “A Amoris laetitia fala sobre como tratar estes casos, como tratar as famílias feridas e aqui entra a misericórdia. O matrimónio ferido, os casais feridos: entra a misericórdia. O princípio é este, mas as fraquezas humanas e os pecados existem. Porém, a fraqueza e o pecado não têm a última palavra. A última palavra é a da misericórdia! Na Amoris laetitia se fala de matrimónio, do fundamento do matrimónio, como se preparar ao matrimónio, como educar os filhos, e no capítulo VIII, quando vêm os problemas, como se resolvem…
    A se tomar a doutrina por meio dos ensinamentos da A laetitia para tantos casos, no mesmo tom, complica-se; dispensam-se comentarios, pois está bastante interpelada, até dentro do Vaticano, e daria impressão que o papa Francisco seguiria nos mesmos moldes anteriores, não se disporia a revê-la; portanto, permaneceria tudo no status quo!

    • Acho que quando fala fala em “famílias feridas” e “casais feridos”, Francisco fala é dos recasados.

      Aquelas outras famílias, as que se acham separadas pelo divórcio, essas já nem são mais, aos olhos de Francisco, famílias de verdade.

      Para Francisco, depois do divórcio, é casamento novo e vida nova. A isso ele chama de misericórdia.

  2. 1) Diz B.: “Uma coisa é a pessoa ter essa tendência, essa opção, e também quem muda de sexo.

    Fala-se de “opção”. Logo, é preciso concluir que, segundo B., sexo não decorre da natureza, mas é opção.

    2) “Era uma menina, uma garota e sofreu muito porque se SENTIA garoto, mas fisicamente era uma garota. Quando se tornou adulto foi operado, mudou sua identidade civil, se casou e trabalha no ministério.”. (grifo meu)

    Portanto, segundo B., o critério de identidade sexual não é a natureza, mas certo tipo de sentimento. Em que se distingue essa postura da teoria de gênero que ele diz reprovar? Pois a teoria de gênero diz que o sexo é uma construção social.

    Conclui-se, também, que B. aprova a gravíssima MUTILAÇÃO que se faz com a “mudança de sexo”.

    3) “A imagem de Deus não é o homem, mas o homem com a mulher que formam uma só carne quando se unem no matrimônio. Esta é a verdade”.

    Portanto, para B., não é o ser humano que é imagem de Deus, mas o contrário. Ora, isso é um antropomorfismo que faria Platão vomitar. Além disso, supõe na natureza divina uma dualidade, macho/fêmea, o que é absurdo por vários motivos. Conclui-se que B. parece professar (“esta é a verdade”, sentencia ele) o dualismo dos gnósticos.

    2) “Vai embora porque você é homossexual!”

    Quando é que a Igreja fez isso? Se tivesse feito, como haveria tantos e tantos transviados pontificando e até fazendo apologia da bichice e da mudança de sexo no próprio “clero”…?

    B. sabe bem disso, como se pode entrever e concluir, da sua própria vida (pastoral). Logo, B. sabe muito bem que a Igreja “acolhe” os transviados, logo, ao sugerir que alguém os mande embora, ele o faz justamente para jogar a opinião pública contra a Igreja.

    Enfim, resta dizer que ninguém neste mundo pode negar o direito inalienável de um cristão querer subtrair-se ao jugo dos hereges que ocupam a hierarquia eclesiástica, isto é, ninguém pode negar a outrem o direito de estar moralmente persuadido de que a Santa Sé está vacante ou, na melhor das hipóteses, está ocupada ainda pelo Santo Padre Bento XVI.

    Quero ver quem vai se aventurar a justificar esse vômito de serpentes, baratas e escorpiões vertido pelo tal ocupante putativo da Sé Apostólica.

    Eita! Que o inferno estrá de aberta esperando…

    • / os, logo, ao sugerir que alguém os mandA embora, ele o faz justamente para jogar a opinião pública contra a Igreja.

      / Eita! Que o inferno está de boca aberta esperando…

  3. Acolher a todos como FARIA Jesus? Aqui ele deixa uma hipótese que não passa de sua mera opinião pessoal, pois a Palavra de Deus nos revela uma atitude bem diferente:

    Mateus 7:23
    Então lhes declararei: Nunca os conheci. Afastai-vos da minha presença, vós que praticais o mal.

    1 João 3:10
    Deste modo, conhecemos quem são os filhos de Deus e quem são os filhos do Diabo: quem não pratica a justiça não procede de Deus, nem tampouco aquele que não ama seu próprio irmão.

    João 8:23,24
    E dizia-lhes: Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo.
    Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados.

    João 8:46,47
    Quem dentre vós me convence de pecado? E se vos digo a verdade, por que não credes?
    Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus.

    Mateus 3:12
    Ele traz a pá em sua mão e separará o trigo da palha.Recolherá no celeiro o seu trigo e queimará a palha no fogo que jamais se apaga”.

    Mateus 25.32
    Todas as nações serão reunidas diante dele, e Ele irá separar umas das outras, como o pastor separa os bodes das ovelhas. 33E posicionará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda.

    É verdade que Jesus veio para a salvação de todos, veio buscar a ovelha perdida, veio regenerar no gênero humano a imagem de Deus perdida pelo pecado original, veio curar os enfermos, ressuscitar os que estavam tanto fisicamente como espiritualmente mortos, mas apenas “aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus, os quais não nasceram por descendência natural, nem pela vontade da carne nem pela vontade de algum homem, mas nasceram de Deus”. (João 1:12-13)

    O que cansa e irrita em Bergoglio é essa sua proposital linguagem dupla, essa ambiguidade que vem do Maligno e que arrasta tantos cegos atrás de sua loucura.
    Não se deixem enganar, toda vez que ele sobe no avião comete um atentado contra a sã doutrina! Dessa vez ele acabou de dar um novo impulso à Ideologia de Gênero da mesma forma como deu à agenda LGBT com o famoso “Quem sou eu pra julgar?”
    E quando achávamos que ele ia corrigir o engano, a emenda saiu pior que o soneto. Ali também ele deixou claro que só era contra o “lobby gay” porque não gosta de “lobby, de máfias”…etc.
    Notem bem que ele sempre fala na primeira pessoa! É sempre o que ele, Bergoglio acha e não o que a Igreja ensina:

    “Eu me referi sobre a maldade que se faz hoje com a doutrinação da teoria do género. Uma coisa é a pessoa ter essa tendência, essa opção, e também quem muda de sexo. Outra coisa é ensinar nas escolas esta linha para mudar a mentalidade. Isso eu chamo de colonizações ideológicas”, disse o Papa”.

    Ou seja, é uma maldade querer fazer doutrinação de gênero nas escolas, tentar mudar a mentalidade das crianças nas escolas. Mas outra coisa perfeitamente aceitável ( na visão dele) é a pessoa ter essa tendência, “mudar de sexo”, ter essa opção”. Ora, se é aceitável que uma pessoa tenha essa “opção”, que mude de sexo…etc, então que mal há em ensinar isso nas escolas? Percebem o estratagema do Maligno?

    E ainda pra corroborar com esse raciocínio luciferino, cita o exemplo do transexual espanhol que lhe escreveu uma carta:

    “O Santo Padre disse que no ano passado recebeu uma carta de um espanhol que contou a sua história de quando era menino e garoto. Era uma menina, uma garota e sofreu muito porque se sentia garoto, mas fisicamente era uma garota. Quando se tornou adulto foi operado, mudou sua identidade civil, se casou e trabalha no ministério.
    “As tendências ou desequilíbrios hormonais causam muitos problemas e devemos estar atentos a não dizer: É tudo a mesma coisa! Mas acolher, acompanhar, estudar, discernir e integrar cada caso, sempre com a misericórdia de Deus.”

    Quer dizer que Deus errou ao criar uma pessoa de um determinado sexo em um corpo diferente? É isso? Como pode uma pessoa que se diz Pontífice tentar justificar do alto da cátedra da ignorância a mutilação de um pobre coitado que sofre transtorno dismórfico corporal? Desequilíbrios hormonais são facilmente corrigidos com terapia hormonal. Qualquer mulher que passou da menopausa sabe disso!
    Se não fosse pela militância diabólica do lobby LGBT, muitas pessoas que sofrem desse transtorno e querem se livrar dele, já teriam obtido ajuda médica ao invés de mutilações que muitas vezes os levam ao suicídio.
    Como muitos pacientes ficam envergonhados e embaraçados demais para revelar seus sintomas, o transtorno dismórfico corporal pode passar despercebido e sem ser diagnosticado por anos. Esse tipo de transtorno é diferente de preocupações normais com a aparência, pois é algo mais profundo e seu diagnóstico se baseia na história da pessoa.
    Se a única preocupação é com a forma e o peso corporal, um transtorno alimentar pode ser o diagnóstico mais preciso ( Anorexia nervosa ou bulimia); se a única preocupação for com características sexuais, é considerado distúrbio de identidade sexual ( Transtorno de identidade de gênero e transexualismo).
    Mas pra Bergoglio, fazendo eco à agenda LGBT, a mudança de sexo é uma opção aceitável, afinal o transexual espanhol, quando adulto foi operado ( mutilado), mudou sua identidade civil, se casou e trabalha no ministério.
    Que ministério? Ele só pode estar falando de algum ministério na Igreja. Daí se explica o travesti no lava-pés e padres dando “bênçãos” a uniões de travestis como ocorreu em uma Igreja Católica na Argentina!
    A ordem de Bergoglio é acolher, acompanhar, estudar, discernir e integrar cada caso, sempre usando um falso conceito da misericórdia de Deus.”
    Portanto não estranhem daqui pra frente, travestis em equipes de liturgia, participando do lava-pés, da catequese e recebendo comunhão normalmente, pois Bergoglio já deu o exemplo:
    https://fratresinunum.com/2015/04/08/francisco-lava-os-pes-de-transsexual-a-quem-depois-e-dada-a-comunhao/

    Não se supreendam também com “drag queens ” distribuindo comunhão como aconteceu em uma igreja em Itaquera:
    http://blog.opovo.com.br/ancoradouro/drag-queen-faz-homilia-e-distribui-comunhao-em-paroquia-de-itaquera/

    “Quando pois virdes a abominação da desolação, predita pelo profeta Daniel, estabelecida no lugar santo (aquele que lê, entenda:) Então, fujam”!
    Finalizando, o que o artigo acima não conta é que a viagem de Bergoglio à Georgia foi um tremendo fracasso.
    Os jornais italianos noticiaram esse fracasso contando como os Ortodoxos o receberam: com a maior frieza, se recusaram a fazer qualquer oração conjunta, nenhuma delegação ortodoxa compareceu à missa papal e ainda proibiram seus fiéis de comparecerem, sem falar nas demonstrações dos ortodoxos em frente à Nunciatura com cartazes que chamavam Bergoglio de arquiherético e anticristo.

    http://www.ilmessaggero.it/primopiano/vaticano/schiaffo_messa_ortodossi_papa_georgia_delegazione_patriarcato_ecumenismo-1999028.html

    http://linkis.com/www.ilgiornale.it/ne/d8g1D

    http://www.askanews.it/esteri/cartelli-ultra-ortodossi-in-georgia-papa-eretico-non-e-benvenuto_711907377.htm

    Bela figura ele fez!

  4. Uma grande dor!!! Que Nossa Senhora ampare a Santa Igreja!

  5. Bergoglio ensina:
    Eu tive duas surpresas na Geórgia. Uma é a Geórgia. Eu nunca imaginei tanta cultura, tanta fé, tanta cristandade. Um povo crente, com uma cultura cristã muito antiga, um povo de muitos mártires. E eu descobri uma coisa que não conhecia: a amplidão desta fé georgiana. A segunda surpresa foi o Patriarca: é um homem de Deus, este homem me comoveu. As vezes que eu o encontrei saí com o coração emocionado, e com a sensação de ter encontrado um homem de Deus. Verdadeiramente, um homem de Deus. Sobre as coisas que nos unem e nos separam, eu diria: não vamos discutir as questões de doutrina, vamos deixá-las para os teólogos, eles sabem fazer isso melhor do que nós. Discutem e são bravos, são bons, têm boa vontade; os teólogos de uma parte e da outra. O que devemos fazer nós, o povo? Rezar uns pelos outros. Isso é muito importante: a oração. E segundo, fazer as coisas juntos: há os pobres, trabalhemos juntos com os pobres; há este problema, podemos resolvê-lo juntos? Vamos fazer isso juntos; há os migrantes? Vamos trabalhar juntos… Vamos fazer as coisas de bem pelos outros, juntos. Isso podemos fazer. E este é o caminho do ecumenismo. Não só o caminho da doutrina: este é o último; se chegará ao fim. Mas vamos começar a caminhar juntos. E com boa vontade, isso pode ser feito, se deve fazer. Hoje o ecumenismo se deve fazer caminhando juntos, rezando uns pelos outros. E que os teólogos continuem conversando entre eles, estudando entre eles.

    São Pio X ensina:
    “Quando se pensa em tudo que foi preciso de forças, de ciência, de virtudes sobrenaturais para estabelecer a cidade cristã, e nos sofrimentos de milhões de mártires, e nas luzes dos Padres e Doutores da Igreja, e no devotamento de todos os heróis da caridade, e numa poderosa Hierarquia nascida no céu, e nas torrentes da graça divina, e tudo isto edificado, travado, compenetrado pela Vida e pelo Espírito de Jesus Cristo, a Sabedoria de Deus, o Verbo feito homem; quando se pensa, dizíamos, em tudo isto edificado, fica-se atemorizado ao ver novos apóstolos se encarniçarem por fazer melhor, através da atuação dum vago idealismo e de virtudes cívicas. Que é que sairá desta colaboração? Uma construção puramente verbal e quimérica, em que se verão coruscar promiscuamente, e numa confusão sedutora, as palavras liberdade, justiça, fraternidade e amor, igualdade e exaltação humana, e tudo baseado numa dignidade humana mal compreendida. Será uma agitação tumultuosa, estéril para o fim proposto, e que aproveitará aos agitadores de massas, menos utopistas. Sim, na realidade, pode-se dizer que o Sillon escolta o socialismo, o olhar fixo numa quimera.
    35. Tememos que ainda haja pior. O resultado desta promiscuidade em trabalho, o beneficiário desta ação social cosmopolita só poderá ser uma democracia, que não será nem católica, nem protestante, nem judaica; uma religião (porque o sillonismo, os chefes o afirmaram, é uma religião) mais universal do que a Igreja Católica, reunindo todos os homens tornados enfim irmãos e camaradas “no reino de Deus”. – “Não se trabalha pela Igreja, trabalha-se pela humanidade”.
    NOTRE CHARGE APOSTOLIQUE
    Sobre os erros do Sillon
    Carta Apostólica do Papa S. Pio X
    promulgada em 25 de Agosto de 1910

    São Pio X foi não somente um grande santo, mas um verdadeiro Papa!
    São Pio X rogai por nós a Nosso Senhor e Sua Mãe Santíssima.

    • São Pio X verdadeiro Papa: investido de Autoridade e exercendo-a em nome de Deus e conforme a vontade expressa pelo mesmo Deus.

      No último Domingo, dia 02 de Outubro, estava ministrando uma aula de catecismo, sobre os Sacramentos e, conforme ensino, relembrava à sala:

      “Eu sou uma pessoa Nobre em função de meu Batismo, que me fez Católico, Apostólico e Romano.

      Pergunto: O que é uma pessoa Nobre?

      Responde a sala: é aquela pessoa que venera a Deus, venera a Igreja, venera Papai e Mamãe e venera à Autoridade.

      Pergunto: Quem tem Autoridade?

      A sala responde: quem, conforme os desígnios de Deus, está posto em condição hierárquica superior para cumprir Sua vontade expressa nos Mandamentos.

      Pergunto de sopetão: Então, imaginem que eu sou um padre e que quero casar um Homem com uma cadeira; posso?

      A sala responde: não, porque a cadeira não é viva, não é uma pessoa, não pode receber o Sacramento.

      Pergunto: e se eu quisesse casar um Homem com outro Homem; posso?

      A sala responde: Não

      Pergunto: E por que não? eu sou padre, posso dar o Sacramento.

      A sala responde: Não pode não, porque não é a Vontade de Deus”

      Detalhe: nesta história real, tratava-se de uma turma de 06 ( seis ) anos de idade; isso mesmo: crianças de 06 ( seis ) anos de idade sabem e professam a Verdade.

      Não entra na minha cabeça que adultos não se convençam da verdade inequívoca de Nosso Senhor Jesus Cristo e de Sua Igreja… não se trata de falta de aptidão intelectual, fato!

  6. Vou ser sucinto, muitas das coisas que abordaria já foram plenamente esmiuçadas pelos demais. Sobre alguns pontos na fala do “Papa” acho que se ninguém falasse até as pedras clamariam (São Lucas 19:40)

    “Quem sou eu para julgar” as ambiguidades de Bergóglio?
    “Não sabeis que julgaremos os anjos? Quanto mais as pequenas questões desta vida!” (I Coríntios 6:9)

    Bergoglio disse: – “Quando uma pessoa tem essa condição e chega diante de Jesus, o Senhor não lhe dirá: Vai embora porque você é homossexual! Não!”
    “Acaso não sabeis que os injustos não hão de possuir o Reino de Deus? Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos,… hão de possuir o Reino de Deus” (I Coríntios 6: 9,10)

    “O homem que viveu como um animal, não merece assentar-se entre os anjos.” (Efésios 5:5)

    Concluo com Santo Agostinho “As devassidões contrárias à natureza devem ser condenadas em toda a parte e sempre, como o foram os pecados de Sodoma” “embora os impuros possam envelhecer, o vício da impureza (homossexualismo) não envelhece neles”