Aquela sinistra raiva sentida em Amatrice.

Após a recente visita do Papa Francisco a Amatrice, e a passagem do furacão Matthew pelo Haiti, com 300 vítimas fatais, e sua chegada à Flórida, vale a pena ler o artigo abaixo, de 30 de agosto de 2016.

Por Maurizio Blondet | Tradução: FratresInUnum.com – “Não, não é o momento de se falar com eles sobre Deus…” Assim, mais ou menos (cito de memória), eu ouvi na rádio, padres, frades e um bispo que “davam conforto” às vítimas do terremoto, ou seja, aqueles que em Amatrice perderam membros da família, ou apenas a casa, os pertences e o carro. O tom, entre temeroso e deprimido, deixava claro o porquê: os sobreviventes haviam se voltado contra eles. Os bravos religiosos haviam estendido a mão e aqueles filhos reagiram mordendo-as irritados; cheios de raiva contra Deus, obviamente.

suor-mariana

Irmã Mariana.

Infelizmente, é compreensível. Durante cinqüenta anos, a Igreja não fez outra coisa senão proclamar um Deus otimista que é todo bondade; um Deus que não castiga jamais, de forma que até mesmo o inferno, se existir, está vazio, e ai daquele que ousar dizer que doenças, guerras, desastres podem ser “punições e advertências”! Um Deus progressista e benéfico; a Missa não é mais “o sacrifício da cruz”, mas “um banquete pascal “, não evoca a morte judicial no suplício da Cruz, mas a Ressurreição. No Concílio Vaticano II, a Igreja assegurou que não é o homem que nasceu para servir a Deus, mas o contrário: Deus está a serviço do homem: “A única criatura que Deus amou por si mesma”, canta a Gaudium et Spes, “todos os bens da terra devem ser ordenados em função do homem, o centro e ápice de todos esses”, que “foi constituído senhor de toda a criação visível para governá-la e usá-la, glorificando a Deus”.

Então veio o terremoto, morreram quase trezentos familiares e amigos, crianças e avós, e você descobre, pobre monge ou padre, que os sobreviventes não querem “o consolo da fé” (mas que fé, afinal?), e sim uma coisa bem precisa: saber por que Deus, que é todo misericórdia e onipotência, não salvou seus amigos e parentes, ou o Fiat Punto esmagado pelos escombros, ou as pessoas que morreram sob as lajes de concreto utilizadas como telhados. Caso contrário, vá para o inferno vocês e seu “deus”, pois isso não lhe perdoamos! Não queremos saber de tais orações!

Espero que vocês tenham se dado por conta, caros frades e freiras ou qualquer bispo que teve a mão mordida por seus chamados fiéis, dessa triste realidade: que aquilo que vocês experimentaram pregar depois do Concílio em diante, aquele Deus a serviço do homem que é o topo e centro governador da criação, é um falso deus que pode até funcionar mais ou menos nas Jornadas Mundiais da Juventude, nos eventos festivos e nos domingos na Praça de São Pedro, mas que não tem nada a dizer para aqueles que perderam filhos sob os escombros; não tem uma palavra certa para “explicar” o que aconteceu e acontece com o homem há milhares de anos, o mistério do sofrimento infligido pela natureza àquele que seria “a coroação” e o senhor da natureza. O Senhor é bem outro, e se vê aqui. 

“Por que sofrer, se é inútil?” 

Terrível a condição de uma igreja sem palavras, mordida pelos ‘fiéis’. Terrível a condição dos fiéis, dos homens de hoje perante a tragédia: sofrer um sofrimento irreparável sem motivo, dos quais não sabemos a razão, que, antes, recusa-se a aceitá-la, que não produz nenhuma expiação. Tudo isso já é uma condição muito semelhante ao inferno. Se somarmos aí as blasfêmias, a raiva e as maldições proferidas, a semelhança com a condenação eterna se torna quase identidade.

Digo isso depois de ler o blog de Constanza Miriano, uma grande fiel Católica. Ela havia lançado uma campanha de oração entre irmãos orantes, para que recomendassem ao Pai Celeste as almas de todos aqueles que, tendo morrido em seu sono e sem o tempo necessário para recomendar suas almas a Deus, certamente precisavam dessa ajuda.

No entanto, contra o seu blog se investiram milhares de “blasfêmias” e “insultos surreais”; pessoas que “espumando de raiva e vomitando insultos” lançavam ,ao invés, acusações irracionais, verdadeiros delírios esquizofrênicos. Tudo isso no tom do politicamente correto: rezar pelos mortos “violava a privacidade” de tais mortos; ofendia a sua autonomia e liberdade (“Como você se atreve, e se eles não acreditavam?”), sem refletirem por um momento que um cadáver já não tem qualquer autonomia ou liberdade. Alguns ameaçaram denunciá-la, assumindo (não completamente sem razão) que algum procurador poderia abrir um processo contra essa prática de injustiça intolerável que é recomendar a Jesus as almas dos estranhos, aproveitando-se do fato de que eles “não podem recusar ou se defender (de que? da salvação eterna?). Constanza  disse que “entre os mais espumantes e raivosos estavam vários que se diziam Católicos.” Suponho que são aqueles que “acolheram plenamente a novidade do Concílio”; ou seja, que o homem não deve esperar de Deus outra coisa senão alegria; por que, afinal, para que sofrer, se é inútil? É a pergunta que ressoa no inferno.

Mas essa raiva é bem conhecida por mim: eu não posso abordar a questão da religião e da sua necessidade sem despertar (não no meu site, mas em outros que me reproduzem) a mesma matilha de raivosos, irritados e cheios de escárnio e ódio – tudo em medida excessiva, patentemente sem motivo.

São intervenções que lamento não tê-las arquivado para mostrar a loucura espumante; são exorcismos de pobres almas perdidas que, com insulto e escárnio, exorcizam um medo que têm na alma: e se tudo for verdade? E se eu tivesse que mudar de vida? Almas que não querem ser salvas, que não querem que se ore por elas – o que já é outro ingrediente do inferno.

O ponto é que esse fervor de raiva, ódio e terror, este pandemônio que os monges e padres têm experimentado ao lidar com “pessoas comuns” atingidas por catástrofes, tem pouco pra se traduzir em ação. Digo, ação coletiva, de praça pública ou legislativa. Entre esses meus leitores espumando de ódio há aqueles que se perguntam: como é que na minha cidade a igreja é maior do que a prefeitura (porque ela existe há séculos antes da prefeitura… mas ele, o ignorante, como um sapato surrado, sente isso como uma injustiça – uma injustiça contra o laicismo secular, a modernidade na qual  vive como um inseto no queijo).  Já um outro, a propósito dos recentes ataques terroristas islâmicos, aproveita para gritar: “precisamos banir todas as religiões! Eles são a causa da intolerância e das guerras! Milhões de vítimas da Inquisição”.

Mais cedo ou mais tarde, creio que mais cedo do que mais tarde, esse uivo e latido se tornará um ato legislativo; o parlamento vai aprová-lo; talvez sob a pressão “popular” que pedirá a matança de freiras e padres e a destruição de igrejas.

Eu não quero evocar aqui o terceiro segredo de Fátima, ou as visões de Cornacchiola. Mas, parece-me que aqueles padres em Amatrice e arredores começaram a sentir um perigo desconhecido, extremo.

“Vós sois o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, com o que se há de temperar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens”.

Eu sempre me perguntei por que será que não bastava que o sal insípido fosse apenas jogado fora, mas tinha que ser ainda “pisado pelos homens.” Receio que a resposta não poderia ser mais clara.

Tags:

8 Comentários to “Aquela sinistra raiva sentida em Amatrice.”

  1. Bravo!

  2. Texto claro e objetivo. Espetacurlamente verdadeiro!

  3. texto, simples direto e real …..

  4. ” Que o Senhor nos dê a paz de coração, que nos retire todo desejo de avidez, cobiça e luxúria. Não! Paz, Paz! Que nosso coração seja um coração de homem e de mulher. Que não haja mais divisões entre as religiões: todos, todos, todos! Porque todos somos filhos de Deus. E Deus é um Deus da Paz. Não existe um deus da guerra: o que faz a guerra é maligno, é o diabo, que quer matar a todos”. Papa Francisco – Homilia Santa Marta, 20 de setembro de 2016.
    Quando veja certas calamidades, caso Haiti, recordo do vodu, um modelo de satanismo amplamente praticado talvez pela maior parte da população e seriam os flagelos castigos para esse povo?
    No Oriente Medio, caso Siria, varios países patrocinando o caos, postos seus apoiadores no poder pelas esquerdas “católicas”, mesmo cristãos apoiando o Obama e os cismáticos “cristãos” o Putin, os 2 batendo-se em terreno alheio e nesse fogo cruzado, os cristãos são as maiores vítimas!
    Dos EUA? Dispensam-se comentarios, um dos exportadores mundiais de mazelas e satanismo, e já começaram os castigos nesse povo!
    O caso Amatrice, quem sabe seria por fazerem da Casa do Senhor Deus uma exposição devassa, cabível a um bordel?

    • Bem lembrado em relação ao Haiti. Haiti que nesses dias foi atingido pelo furação Matthew, o qual deixou 900 vítimas.

  5. Acho um dos piores tipos de cegueira espiritual não conseguir ver nas calamidades ou desgraças um castigo de Deus, ou pelo menos, uma consequência dos pecados, seja dos próprios pecados, seja dos pecados dos ancestrais ou da coletividade.

  6. Achei pouco comentado o furação que atingiu o Haiti no último dia 04 de outubro. Penso que seja um exemplo de castigo ainda mais forte do que o do terremoto em Amatrice. Em Amatrice, o número de vítimas foi 250 (cf. http://veja.abril.com.br/mundo/terremoto-na-italia-deixa-247-mortos/ ), enquanto que no Haiti o número de vítimas já chega a 1000 (http://www.dw.com/pt-br/a-nova-cat%C3%A1strofe-haitiana/a-36015497), tendo ficado praticamente toda devastada essa ilha caribenha. Não esquecendo que antes desse furação, esse país já tinha sido atingido por um terremoto.

  7. Excelente artigo!!! Deveria ser impresso e distribuído na porta das igrejas em cujos altares se prega uma teologia materialista. Na verdade, a humanidade de hoje tem o espírito do Mau Ladrão: se és Deus, porque não me salva?