Um Nobel da Paz infame.

Nobel da Paz dado a Juan Manuel Santos tenta prestigiar um acordo controverso, que os setores progressistas da Igreja apoiam, mas não conta o apoio da população colombiana.

Por Hermes Rodrigues Nery | FratresInUnum.com: Na sexta-feira, 7 de outubro de 2016, o Comitê Nobel da Noruega concedeu o Prêmio Nobel da Paz ao presidente colombiano Juan Manuel Santos, pelo seu acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), acordo este rechaçado pela população colombiana em plebiscito ocorrido dias antes, em 2 de outubro, mas apoiado pelo papa Francisco, “que teve um ‘papel significativo’ no acordo de paz.”1 No mesmo dia, um segundo raio caiu sobre a Basílica de São Pedro, do mesmo modo ao que outro raio havia caído no mesmo local, no dia da renúncia do papa Bento XVI.

juan-manuel-santosA Igreja Católica na Colômbia festejou o acordo de paz assinado em 27 de setembro, e parabenizou Santos. O Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Parolin, esteve presente na cerimônia de assinatura do acordo de paz, como também o núncio apostólico, Dom Ettore Balestrero, e o Presidente da Conferência Episcopal da Colômbia, Dom Luis Augusto Castro de Tunja. Com o acordo, as FARC obtiveram muitos benefícios, dentre eles, a anistia dos crimes cometidos por tantos guerrilheiros e a transição para a vida política legal, favorecendo-os para avançar o projeto de poder do Foro de São Paulo na América Latina.

O acordo foi estrategicamente importante para os objetivos do Foro de São Paulo, no afã de consolidar o projeto de poder da Pátria Grande socialista, a tão sonhada integração latino-americana desejada por Fidel Castro, e os governantes e intelectuais de esquerda. O acordo de paz foi forjado pelos irmãos Castro, em Cuba, pronto para ser executado desde fevereiro de 2012, com anuência de Santos, e todas as forças do internacionalismo de esquerda. No dia 23 de agosto daquele ano o governo colombiano afirmou que faria de tudo para obter o acordo de paz com as FARC.

Dez anos antes, o sentimento do episcopado colombiano em relação às FARC não era o mesmo. Já não se ouviam mais vozes corajosas como a do arcebispo Isaías Duarte Cancinona, assassinado em Cali, em 2002, dentre tantos outros clérigos mortos pelo guerrilheiros das FARC.  Duarte “criticou o então presidente, Andrés Pastrana, por suas tentativas de dialogar com as FARC, alegando que negociar com a principal guerrilha do país era absurdo já que a organização se recusava a cessar fogo durante as conversações.”2 É certo que muitos queriam por termo às guerrilhas e chegar a um acordo de paz (inclusive a Igreja), mas não um acordo de paz forjado pelos cubanos (também em sintonia de Juan Manuel Santos e Hugo Chavez) e fosse condescendente com os guerrilheiros, o ferecendo inclusive vantagens que o favorecessem a não apenas se manterem com poder, mas ampliá-lo. Mas dez anos depois do assassinato de Duarte, o episcopado colombiano parece ter capitulado ao acordo de paz imposto pelos irmãos Castro e o Foro de São Paulo, como lembrou Graça Salgueiro3, o art. 32 da “Declaração de Caracas”, da Resolução Final do XVIII Encontro do Foro de São Paulo:

“El Foro de Sao Paulo expresa su apoyo al proceso de paz en Colombia, donde sigue vigente la lucha por una solución política al conflicto armado, la paz con justicia social y por un nuevo modelo económico y social que garantice los derechos humanos y la protección de la naturaleza, y decide conformar una comisión representativa de los movimientos y partidos políticos del Foro de Sao Paulo, que de común acuerdo con los partidos y movimientos colombianos, visite al país y proponga una agenda de estudio, de contactos y apoyo para los propósitos unitarios.”4

E também ressaltou Graça Salgueiro que:

“…com a aprovação da lei “Marco Legal para a Paz”, conhecida como ‘lei da impunidade’, os terroristas das FARC não têm mais com o que se preocupar em sua sanha assassina, que tem o total apoio do FSP. Não custa lembrar que em 2008 o próprio Lula advogou para que as FARC viessem a se tornar um partido político legalizado, e essa lei vem para provar isto. Segundo um documento elaborado pela Universidade Sergio Arboleda, as FARC voltaram a dominar 50 novos municípios de onde já haviam sido expulsas pela Força Pública em anos anteriores (no governo de Uribe), sendo 155 localidades afetadas pela violência terrorista. Hoje, o Cauca já é conh ecido como o “novo Caguán”, onde comunidades inteiras estão sendo expulsas pelas FARC, que participaram legalmente do último encontro do FSP e falavam cinicamente de “propostas de paz.”5

E ainda em 2012, explicou que:

“É imperioso se observar que são as FARC quem estão determinando TUDO acerca desse “acordo de paz” que será feito em Cuba, tendo como “garantidores” a Venezuela de Chávez e os Castro, de que tudo o que for acordado será rigorosamente cumprido”. [http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/13363-farc-os-novos-qdonosq-da-colombia.html  O fato é que o acordo, efusivamente aprovado pela Igreja Católica na Colômbia, e rechaçado pelo povo colombiano, favorece os que cometeram crimes no passado recente e não foram punidos, e cria condições políticas para um projeto de poder contrário aos princípios e valores cristãos, como salientou Salgueiro, em 2012:  “Só quem está aprovando são aqueles que se beneficiarão com a impunidade, ou seja, as FARC e seus seguidores como os tais ‘Colombianos pela Paz’, ONG criada pela porta-voz das FARC ‘Teodora de Bolívar’, os políticos ‘ex’ terroristas, os ‘padres’ comunistas e a Justiça a serviço dos terroristas de todos os matizes.”6

E finalmente, quando ainda começavam as negociações do acordo de paz, já se sabia que Santos fez tudo o que fez também pelo afã do Nobel da Paz: “É estarrecedor o que Santos está tramando contra seu próprio povo, apenas para satisfazer sua vaidade pessoal desmedida e doentia de reeleição ou Prêmio Nobel da Paz, sem levar em consideração que deu às FARC um status de Estado dentro do próprio Estado Colombiano, uma vez que as reconhece como um ‘interlocutor’ legítimo com o qual se possa negociar. Isto é crime de lesa-pátria e é como traidor que ele será lembrado pela história!”7

Diante de tudo isso, o presidente da Conferência Episcopal Colombiana afirmou estar “muito feliz”8 com o Nobel da Paz, “como estão felizes todos os colombianos”. O que não é verdade, porque o povo colombiano rechaçou o acordo de paz no plebiscito de 2 de outubro.

Hermes Rodrigues Nery é Coordenador do Movimento Legislação e Vida. 

Notas: 

  1. http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2016/08/31/papa-francisco-elogia-acordo-de-paz-com-as-farc-na-colombia.htm
  2. https://dialogo-americas.com/pt/articles/lider-das-farc-condenado-pelo-assassinato-de-arcebispo
  3. http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/13237-santos-as-farc-e-o-foro-de-sao-paulo.html
  4. http://forodesaopaulo.org/xviii-encuentro-del-foro-de-sao-paulo-declaracion-de-caracas/
  5. http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/13237-santos-as-farc-e-o-foro-de-sao-paulo.html
  6. http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/13377-as-farc-ja-mandam-na-colombia.html
  7. Ibidem.
  8. http://www.agencia.ecclesia.pt/noticias/internacional/nobel-da-paz-igreja-catolica-na-colombia-felicita-presidente-do-pais-pela-distincao/
  9. Ibibem.

 

Anúncios

4 Comentários to “Um Nobel da Paz infame.”

  1. A recente farsa do Premio Nobel ao ex presidente colombiano Juán Manuel Santos foi mais uma encenação teatral bem orquestrada pelas esquerdas, em conluio com o neo comunismo do século XXI, avalizado até do Vaticano, que, de uns tempos para cá tem transitado às vezes nas tortuosas vias desses incorrigiveis delinquentes!!
    Durante estes seis anos de entendimentos secretos entreguistas em Cuba, Santos foi incapaz de exigir dos chefetes das FARC desmobilizarem-se sem minarem as instituições democráticas e a economia de mercado na Colômbia; afinal, haviam dois déspostas esquerdistas patrocinando as “conversações” e logo em Cuba, que esperar?
    Só de ter aceito tentar entender com os desafetos em Cuba, perdeu 50% de possibilidade de vitoria ou de um acordo imparcial!
    Os componentes do Jurado do Nobel da Paz se equivocaram uma vez mais, se é que queriam ajudar a que a paz na Colômbia. Na realidade, o que fizeram foi humilhar os que votaram NÃO no plebiscito e, sobretudo, as vítimas das FARC e ao país que sofreu as atrocidades desse temível bando de narcotraficantes de orientação comuno-marxista durante 60 anos.
    A opinião pública espanhola e sua imprensa de renome, melhor conhecedoras que a Noruega do drama colombiano, condenaram sem vacilar a decisão a premiação do Nobel da Paz a esses e patifes esquerdistas e, pesquisa levada a efeito pelo seu principal diário, o ABC, de Madri, 83% dos interrogados estão contra a concessão desse prêmio indevidamente a Santos por considerá-lo ideológico, comparsa desse grupo de mafiosos das FARC!

  2. E o papa Francisco confirmando mais uma vez de não está sendo pastor do rebanho de Cristo, porque para ele, mais importante* do que a comemoração do Tricentenário da Aparecida, confirmou sua ausência, é beneficiar e apoiar inimigos históricos de Cristo e da Igreja: encontro com comunistas e marxistas no Vaticano*; visitar os maiores perseguidores históricos dos cristãos, islâmicos; fazer acordos com regimes totalitários e governos autoritários, Cuba, China e Rússia.

    Está deixado as ovelhas aos lobos. Tudo isso para pontífice, é mais importante do que a comemoração especial da Padroeira do país mais católico do mundo. Não seria surpresa se ele for na comemoração dos trezentos anos da maçonaria e no centenário da assassina revolução russa, 2017 poderá ser a conclusão do 3° Segredo de Fátima. (Encontro Mundial de Movimentos Populares no Vaticano):
    *http://www.abim.inf.br/encontro-mundial-de-movimentos-populares-no-vaticano/#.WAowY-UrLIU

  3. Dialogar com um mundo que nega Deus e os princípios cristãos, impossível! Jesus se recusou a dialogar com o príncipe deste mundo quando este se aproximava dele. “Já não falarei muito convosco, porque vem o príncipe deste mundo, e ele nada tem em mim” Jo 14,30

  4. Não é apenas o prêmio Nobel dado a Juan Manuel Santos que é infame e sim todo o Comitê do Nobel.
    Foi-se o tempo em que tal instituição representava algo de realmente nobre!
    Alfred Nobel deixou claro em seu testamento que o Comitê deveria selecionar “a pessoa que terá feito o maior ou melhor trabalho para promover a fraternidade entre as nações, a abolição ou redução de exércitos permanentes e pela realização e promoção de congressos de paz.”
    Mas a partir da década de 80, o Parlamento Norueguês, conhecido como Storting, foi dominado pelos esquerdistas do Partido Trabalhista e como o responsável pela escolha do Comitê do Nobel, aderiu sem um pingo de vergonha à onda do politicamente correto.
    Assim lá se vão várias décadas em que o Prêmio é concedido a embusteiros como Rigoberta Menchu, uma índia ativista guatemalteca que fabricou sua autobiografia recheada de mentiras, guerrilheiros comunistas assassinos como o Norte Vietnamita Le Duc Tho, e terroristas como Yasser Arafat .
    Recentemente, o prêmio perdeu de vez o respeito ao recompensar o mentiroso Al Gore e o fraudulento Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU, bem como o incompetente Barack Obama, já no primeiro ano de sua presidência.
    Até a União Européia recebeu o prêmio Nobel. Agora eu pergunto: em que a União Européia contribuiu para a paz? Mais contraditório ainda é um Comitê norueguês homenagear a União Européia com um prêmio Nobel enquanto eles mesmo se recusam a fazer parte de tal União!
    Além disso, é sabido que a União Européia financia o terrorismo contra Israel. Todos os anos, a UE dá mais de 500 milhões de euros para a Autoridade Palestina, com pouca supervisão sobre como esse dinheiro é gasto. É muito provável que parte dos fundos que a União Européia repassa para a Autoridade Palestina são desviados para os terroristas, que compram armas e munição para ataques contra Israel.
    O prêmio dado a Juan Manuel Santos é portanto apenas mais um exemplo dessa degradação do Prêmio Nobel da Paz e de como os destinatários recentes do prêmio falharam totalmente em cumprir os critérios estabelecidos por Alfred Nobel.
    Reconhecimento de realização genuína foi substituído pelo pior tipo de genuflexão diante de ícones liberais esquerdistas ou muçulmanos.
    Infelizmente até o Nobel de Literatura está indo pelo mesmo caminho. O prêmio que era destinado a promover escritores desconhecidos internacionalmente mas que possuem uma produção literária de qualidade, esse ano foi para um cantor de protesto americano, Bob Dylan! Porque eles não possuem a categoria “grammy” do Nobel, encaixaram Bob Dylan no prêmio de literatura.