A rigidez do Bispo de Roma em sua agenda. Ou, ainda, dois pesos e duas medidas.

Por G. Pacceli | FratresInUnum.com: Impossível não comentar, em meio a tanto alarde feito pelo Vaticano e toda a mídia ocidental, o recebimento de Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, pelo Papa Francisco, no dia 24 de outubro, sem aviso prévio ou qualquer outro anúncio anterior. Primeiramente, no entanto, vamos aos fatos.

Papa recebe Maduro: aliviar o sofrimento do povo

Segundo a notícia da Rádio Vaticana, o Papa Francisco recebeu para uma audiência o Presidente (ditador) da Venezuela Nicolás Maduro. Diz a matéria: “… o encontro, de caráter privado, se realizou no ‘âmbito da preocupante situação de crise política, social e econômica que o país está atravessando e que se repercute duramente na vida cotidiana de toda a população’.”

A notícia ainda dá conta que o Papa, pediu a Maduro que empreenda o caminho do diálogo a fim de aliviar o sofrimento do povo, em especial dos pobres e promova a coesão social na Venezuela.

E, por fim, a notícia trata do acordo de dialogo que será mediado pelo Vaticano e outras autoridades entre Maduro e sua oposição na Venezuela.

Dois pesos e duas medidas

Na verdade, tal recepção e benção não é novidade para o Papa, e para quem está acostumado a acompanhá-lo, Francisco faz questão de reforçar, se não por palavras, por sinais claríssimos,  sempre seu apoio à esquerda sul-americana e toda a agenda bolivariana na América Latina, ao passo que também deixa claro a sua desaprovação a qualquer regime que saia do contexto bolivariano na região — haja vista os desentendimentos com o novo presidente da Argentina e o cancelamento de sua anunciada visita ao Brasil, em 2017, após chamar de “triste” o momento do país que culminou no impeachment de Dilma.

papa_e_maduro94055

No fim, o Papa mais uma vez deixou claro sua visão política e, na visão de alguns analistas, expressou, de maneira tácita,  seu apoio a Nicolás Maduro e todo seu regime ditatorial, uma vez que o único beneficiado nesse processo de diálogo é seu regime tirânico, culpando pela situação do país a falta de coesão social (ou seja os opositores que querem condições de vida mínima). E, inclusive, aparentemente se esquecendo deste ocorrido em Julho de 2016, e de todo o resto que a ditadura Maduro tem feito contra o povo Venezuelano e contra a Igreja.

Tudo isso então não passaria de uma notícia sem grandes novidades não fosse a costumeira contradição de Francisco, que no mesmo dia, em sua homilia, condenou a rigidez, como noticia novamente a Rádio Vaticana: “Não é fácil caminhar na Lei do Senhor”, comentou o Papa, é “uma graça que devemos pedir”. Jesus o acusa de ser hipócrita, uma palavra que “repete tantas vezes aos rígidos, àqueles que têm uma atitude de rigidez em cumprir a lei”, que não têm a liberdade dos filhos, “são escravos da Lei”. Porém, “a Lei – observou – não foi feita para nos escravizar, mas para nos libertar, para nos fazer filhos”. “Por trás da rigidez, tem sempre outra coisa, sempre! E por isso Jesus diz: hipócritas!”

Repetindo um discurso que o próprio Papa já tinha feito num encontro com bispos recém ordenados em setembro (conforme a notícia do Vatican Insider), no qual ele falou: “E fiquem atentos quando alguns seminaristas se refugiam na rigidez; por baixo, sempre há algo de feio”, ao referir-se à formação de padres.

Aqui fica claro então onde estão os dois pesos e duas medidas do Papa: a rigidez ditatorial de Maduro não é motivo de repreensão, mas de benção e diálogo, enquanto a rigidez na fé é motivo de alarde e esconde algo mal.

Quer dizer que os santos que tanto deram de si para cumprir nos mínimos detalhes seus deveres e alcançar as virtudes de Deus, que tão rígidos foram consigo mesmos e, ao mesmo tempo, exigentes, embora verdadeiramente misericordiosos, com irmãos para que esses alcançassem a Salvação, tinham coisas feias escondidas, mas, regimes ditatoriais que exploram seu povo, matam os opositores e cometem todo tipo de atrocidade, não precisam ser repreendidos.

A pergunta final é: Por que a rigidez de tratamento com aqueles que seguem a doutrina da Igreja não é aplicável àqueles que propagam o socialismo e todos os seus erros?

Tags:

10 Comentários to “A rigidez do Bispo de Roma em sua agenda. Ou, ainda, dois pesos e duas medidas.”

  1. Francisco é muito rígido quando se trata de apontar a rigidez nos outros.

  2. Desculpem lá, mas ainda ouvem o que este papa diz? Não viram que ele está totalmente equivocado e que julga que a Lei de Deus é o manifesto comunista?
    Custa-me ouvi-lo a falar repetidamente em hipócritas sendo incapaz de se olhar ao espelho e ver que hipocrisia é colocar-se no trono de Pedro e anunciar Satanás.

  3. Na Colombia, a mediação do Vaticano perdeu em favor do “sim”, que favoreceria os esquerdistas e os narcotraficantes das FARC, por sinal aliados das hienas do PT quando golpeavam o povo brasileiro tentando implantar a mesma desgraça que se abateu sobre a Venezuela!
    A Venezuela, sob as patas dos comunistas, transformou-se num autêntico campo de refugiados desesperados onde falta de tudo, sobrando apenas chantagens, intimidação ao povo para não se manifestar, opressão, boicote de alimentos para manter o povo enfraquecido e nas filas á cata de alimentos e não sair ás ruas para protestar, além de toda a selvageria que os regimes comunistas aportam onde se instalam e por dever de justiça cristã, tem de ser afastado!
    Enquanto isso, o Congresso da Venezuela, liderado pela oposição, disse nesta terça-feira (25) que se prepara para começar os procedimentos para destituir o tirano Nicolás Maduro, capacho de Fidel Castro, acusado pelos congressistas de violar a constituição – uma situação que aprofundaria as querelas e divisões internas!
    Um dos problemas é que o exército da Venezuela protege o déspota Maduro, sob ordens de 60 000 soldados cubanos estacionados no país para garantirem o mantenimento do comunismo no país!
    … “A notícia ainda dá conta que o Papa, pediu a Maduro que empreenda o caminho do diálogo a fim de aliviar o sofrimento do povo, em especial dos pobres e promova a coesão social na Venezuela”.
    Ficam as perguntas: desde quando comunistas dialogam, promoverão harmonia sendo o regime revolucionario marxista, sumamente obsoleto, opressor, caótico e satanista?
    Outros líderes de oposição rapidamente denunciaram as negociações, que devem ser mediadas pelo Vaticano, e disseram que pretendem continuar a campanha de desobediência civil que incluiria um protesto nacional contra o governo na quarta-feira (26).
    Maduro: próximo caudilho a ser deposto, com guerra civil á vista?

  4. Alguém ainda dá ouvidos ao que o Bispo de Roma fala, especialmente, nas famosas homilias no PALACETE S. MARTA???

    Deixa ele soltar palavras ao vento…

    Só uma pergunta… Será que o Bispo de Roma não percebe a sua hipocrisia em não ver sua total incapacidade para assumir o Papado???

    Esse pontificado é um flagelo devido aos nossos pecados…

    Não foi sem motivo que D. Rogelio Livieres passou a noite em claro quando soube da funestíssima “eleição”??? de Bergóglio…

    E Bergóglio não tardou em mostrar sua SUPER MISERICÓRDIA E BONDADE para com ele…

    Pois bem, PAPA DA MISERICÓRDIA, o senhor e seus asseclas mataram um Bispo por pura maldade e VINGANÇA SÓRDIDA, por isso, sua conversa de diálogo, de bondade, de abertura, é uma HIPOCRISIA que a História da Igreja mostrará, e pior, no seu encontro com o Juiz Divino, terás contas a prestar, pois, a quem muito foi dado muito será cobrado…

    O que Vossa Santidade fala, entra pelo ouvido esquerdo e sai pelo direito, direto para o vaso sanitário…

    Com sua batina de Papa, desengonçado como numa mortalha, seus gestos para impactar os tontos de plantão não passam de espetáculos frívolos e decadentes…

    Rainha de Fátima, rogai por nós!

  5. Concordo com a análise da situação política ou social da Venezuela feio por Isaías.
    O contexto actual aponta para um guerra civil.
    o que é de surpreender e lamentar é a total ausência duma posição dos EUA sobre este país.
    Há cerca de 40 anos atrás, por coisas bem menores como na Nicarágua imediatamente esmagaram os sandinistas.

  6. Tenho medo do que pode acontecer quando a Justiça Divina esgotar a sua paciência… Ontem mesmo um novo terremoto atingiu a Itália e, desta vez, os tremores foram sentidos até em Roma… (Vide: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/10/terremoto-de-magnitude-56-atinge-italia.html)

  7. “E fiquem atentos quando alguns seminaristas se refugiam na rigidez; por baixo, sempre há algo de feio”, Francisco ao referir-se à formação de padres.

    Acabo de ler os “Escritos do primeiro século Franciscano”, compilado de escritos DO PRÓPRIO São Francisco de Assis, assim como suas primeiras biografias, escritos de seus companheiros frades e outros que com ele conviveram. E então percebo como é triste ver um Papa (que diz ter escolhido o nome de Francisco para homenagear o santo Francisco de Assis) dizer que devemos ficar “…atentos quando alguns seminaristas se refugiam na rigidez; por baixo, sempre há algo de feio”. Ora, o que pensará ele de São Francisco de Assis que muitas vezes era censurado pelos seus irmãos frades pela excessiva rigidez que tinha para consigo, a qual as vezes maneirava um pouco por sua santa humildade e santa obediência? Será que este Papa (?) se atreveria a aplicar seu julgamento conclusivo também a São Francisco?

    Perdoai-me Senhor, perdoem-me irmãos, mas eu – maldito pecador – a cada dia me convenço de que Bergoglio não pode ser Papa… Se me equivoco, isto se deve à minha ignorância e à abundância de meus pecados.

    • Boas colocações, José Santiago Lima! Às quais coloco as minhas: a situação, sabida por nós, é escandalosa, o Pontificado de Francisco está muito ruim… E digo isso batendo em minha boca, pois o Papa Francisco é meu pai espiritual, assim como de todos os demais católicos. O Papa Francisco faz o melhor que pode, dentro da formação que recebeu e, acerca disso, podemos dizer que sua formação foi pífia. Nosso Pontífice certamente observava os poucos “seminaristas rígidos” de sua Casa de Formação, e, espelhando as expectativas de seus colegas mais liberais e superiores idem, os via com reprovação desde o início. E repete esse parecer hoje em dia. Em parte, ele é culpado pela atual situação… em parte.

      Ao mesmo tempo, um hábito do Papa que considero positivo (já que também tenho) é o de ter abandonado a TV há muitos anos. Só que no caso dele, isso não se converteu em um legítimo crescimento na piedade, ou na busca da verdadeira cultura católica… Ele é bastante sorridente e carismático como pessoa (nenhum outro líder de alcance mundial o equipara nesses quesitos, todos os demais lhe são inferiores), só que essas demonstrações exteriores não se sustentam por muito tempo, como o próprio noticiário católico tem mostrado, incluindo o “Fratres in Unum”. Faço suposições dos motivos por que o Divino Espírito Santo permitiu que Jorge Mario Bergoglio chegasse ao papado, e uma ponderação recorrente tem sido a de oferecer a muitos católicos um espelho de si mesmos: fazem de tudo para ficar bem ante quem não se importa com eles, mas deixa de fazer a lição de casa.

      “Olha só”, na certa passa isso pelo limiar da percepção de muitos homens e mulheres batizados, dia após dia, “O Papa é tão liberal e moderno, não sabe mais da Igreja do que eu, não é mais santo do que eu, não é mais fiel do que eu, não é mais reverente com relação ao passado do que eu, é tão impulsivo quanto eu, faz tanta média quanto eu por aí”… “Puxa, ele é maravilhoso e perfeito! Minha Nossa, como eu sou maravilhoso e perfeito também, como perde quem não é como eu!”… Enfim, é uma tragédia, mas se ponderarmos é possível extrair o ensinamento. Veja que não tenho absoluta certeza de que essa é a pedagogia do Divino Espírito Santo para lidar com a situação atual, tenho muito o que aprender sobre nossa Santa Madre Igreja, e peco diariamente como todo mundo. Só que o atual Papa, ponderando, como referi anteriormente, não deixa de favorecer o livre-arbítrio e uma saudável percepção dos nossos pontos fracos e lacunas, para que nos adiantemos no caminho estreito ensinado por Nosso Senhor Jesus Cristo. Isso é mérito do Divino Espírito Santo em nós diante da confusão, e não do Papa Francisco em si, ou de supostos méritos nossos. Aliás, é bem possível que o nosso atual Pontífice seja a pessoa mais resistente à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade que há no mundo e, obrigatoriamente, o mais apegado às seus caprichos pessoais e autoenganos também…

      Quem leva a sério sua Iniciação Cristã, a salvação da sua alma e um mínimo de sanidade, nestes tempos, olha mais para os Papas Santos de outrora, e muito pouco para o atual. Só mesmo os católicos-jujubas e os inimigos da Igreja o veem como um “Anjo de Deus que chegou na hora certa”, como ouvi de meu padrinho de Crisma outro dia… Coração de Jesus, que tanto nos amais, fazei que vos ame cada vez mais!

  8. Enquanto o povo venezuelano é espoliado pelo ditador Maduro o papa o recebe como se fosse um católico fervoroso. Realmente o episódio é realmente deprimente. Em tempos não muito distantes um sujeito desse no mínimo seria tido como persona non grata.

  9. “Papa recebe Maduro: aliviar o sofrimento do povo”. Ele (ditador barato) foi sim buscar aval para massacrar o povo da Venezuela.