Reflexões da Sagrada Escritura: Obsessão diabólica.

“Sede sóbrios e vigiai, porque o demônio, vosso adversário, anda ao redor, como um leão que ruge, buscando a quem devorar” (1 Pedro V, 8).

 

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

Extraí este artigo, em quase sua totalidade, do COMPÊNDIO DE TEOLOGIA ASCÉTICA E MÍSTICA escrito pelo célebre teólogo Padre Ad. Tanquerey. Caríssimos, primeiramente é de grande utilidade trazer aqui a observação inicial do autor: “Sobre a ação do demônio, diz Tanquerey, há dois extremos que evitar: há quem lhe atribua todos os males que nos sucedem; é esquecer que existem em nós não só estados mórbidos que não supõem qualquer intervenção diabólica, mas também as tendências más que vêm da tríplice concupiscência, e que estas causas naturais bastam para explicar muitas tentações. Outros há, pelo contrário, que, esquecendo o que a S. Escritura e a Tradição nos dizem da ação do demônio, não querem admitir em caso algum a sua intervenção. Para nos conservarmos no justo meio, a regra que devemos seguir é não aceitar como fenômenos diabólicos senão aqueles que, ou pelo seu caráter extraordinário, ou por um complexo de circunstâncias denotem a ação do espírito maligno”.  O que é afinal obsessão diabólica? “A obsessão é em substância uma série de tentações mais violentas e duradouras que as tentações ordinárias. “É externa, quando atua sobre os sentidos externos, por meio de aparições; interna, quando provoca impressões íntimas. É raro que seja puramente externa, visto o demônio não atuar sobre os sentidos senão para perturbar mais facilmente a alma. Há, contudo, Santos que, com serem obsediados exteriormente por toda a qualidade de fantasmas, conservam na alma uma paz inalterável”.

1º – “O demônio pode atuar sobre todos os sentidos externos: a) Sobre a vista, aparecendo umas vezes em formas repelentes, para aterrar as pessoas e afastá-las da prática das virtudes (…); outras, em formas sedutoras, para atrair ao mal, como sucedeu frequentes vezes a Santo Afonso Rodrigues. (Hoje podemos dar exemplos na vida do Padre Pio de Pietrelcina). b)  Sobre o ouvido, fazendo escutar palavras ou cantos blasfemos ou obscenos, como se lê na vida de Santa Margarida de Cortona; ou fazendo algazarra, para atemorizar, como sucedia ao Santo Cura d’Ars. c) Sobre o tato, de duas maneiras, infligindo golpes e feridas, como se lê nas bulas de canonização de Santa Catarina de Sena, de S. Francisco Xavier, e na vida de Santa Teresa (…). Há casos, como nota o P. Schram, em que estas aparições são simples alucinações, produzidas por uma super-excitação nervosa; ainda mesmo nesse caso, são temerosas tentações.

2º – “O demônio atua também sobre os sentidos internos, a imaginação e a memória, e sobre as paixões, para as excitar. Como contra a própria vontade, é o homem invadido por imagens importunas, obsessoras, que persistem a despeito de enérgicos esforços; sente-se empolgado pela efervescência da cólera, pelas ânsias do desespero, por movimentos instintivos de antipatia, ou, ao contrário, por ternuras perigosas e que nada parece justificar. Não há dúvida que é por vezes dificultoso decidir se há obsessão verdadeira; mas, quando estas tentações são juntamente repentinas, violentas, persistentes e difíceis de explicar por uma causa natural, pode-se ver nelas uma ação especial do demônio. Em caso de dúvida, é bom consultar um médico cristão, que possa examinar se estes fenômenos não serão devidos a um estado mórbido…” Como deve proceder o Diretor Espiritual em relação às vítimas de obsessão diabólica? Diz Tanquerey: “Deve juntar a prudência criteriosa com a bondade mais paternal. a) É claro que não há de crer, sem provas sérias, numa verdadeira obsessão. Haja, porém, ou não obsessão, deve o diretor ter compaixão dos penitentes assaltados de tentações violentas e persistentes, e sustentá-los com sábios conselhos (…). [O artigo anterior  sobre as tentações poderá servir já de orientação espiritual]. b) Se, na violência da tentação, se produziram desordens sem consentimento algum da vontade, lembrar-lhes-á que não há pecado sem consentimento. Em caso de dúvida, julgará que não houve falta, ao menos grave, quando se trata de pessoa habitualmente bem disposta. c) Tratando-se de pessoas fervorosas, perguntar-se-á a si mesmo o diretor se essas tentações persistentes não farão talvez parte das provações passivas… e neste caso, dará a essas pessoas os conselhos apropriados ao seu estado de alma. d) Se a obsessão diabólica é moralmente certa ou muito provável, podem-se empregar, PRIVADAMENTE, os exorcismos prescritos pelo RITUAL ROMANO, ou fórmulas resumidas: neste caso, é bom não prevenir a pessoa que se vai exorcizá-la, havendo receio de que esta declaração lhe perturbe e exalte a imaginação; basta avisá-la de que se vai recitar sobre ela uma oração aprovada pela Igreja. Quanto aos exorcismos SOLENES, não é permitido empregá-los senão com licença do Ordinário, e com as precauções…” [que serão expostas quando falarmos da possessão].

Quero expor um exemplo que não é dado por Tanquerey mas é próprio meu, e dele fui testemunha: Faz já alguns anos quando fui transferido de uma paróquia para outra. E a primeira coisa que topei na nova paróquia foi um caso que me pareceu preternatural, ou seja, de uma ação do demônio. Um menino, aliás não inteiramente normal mentalmente, mas, como usamos dizer aqui, um pouco retardado, fora por muito tempo molestado pelo demônio.  Suas roupas que estavam no varal dentro de casa e à noite,  eram jogadas pelo chão. Às vezes, o menino amanhecia vestido de mulher. Embora à noite ninguém visse, e as portas e janelas fechadas, apareciam pedras e barros dentro da casa onde estava o menino. Como já faz muitos anos, não me lembro de tudo.  O pároco já havia feito exorcismos e levou até o Santíssimo para benzer a casa. Mas os fenômenos continuavam e por meses e meses. Bom! Primeiro pedi que vigiassem dia e noite o menino, sem ele perceber, é óbvio. Ficou constatado que não era ele que fazia tudo aquilo, mas o fato é que não viam ninguém fazendo.  Instruído já por um fato acontecido em outra paróquia, disse para seus pais de criação que procurassem averiguar bem se aquele menino era batizado. Todos achavam que sim, tanto que já tinha feito a primeira comunhão e se confessava e comungava regularmente. Mas, averiguando cuidadosamente, fora constatado que não era batizado porque seus pais eram espíritas e o “batizaram” no Espiritismo. Foi logo preparado e foi batizado. E a partir do dia do batismo desapareceram todos aqueles fenômenos estranhos.E assim, podemos dizer que o feitiço virou contra o Feiticeiro! Amém!

10 Comentários to “Reflexões da Sagrada Escritura: Obsessão diabólica.”

  1. Pe. Élcio, a sua bênção! Deus lhe pague por divulgar esse assunto referente à ação extraordinária do demônio. Infelizmente esse assunto é envolto em muitos preconceitos, como preconceitos baseados na psicologia moderna e na parapsicologia e outros tipos de cientificismo e racionalismo. Nestes nossos tempos em que aumenta a atividade demoníaca no mundo, é necessário e importante que assuntos como essa voltem a ser tratados e divulgados.
    Parabéns pelo artigo!

  2. Achei muito interessante e elucidativo o exemplo de obsessão dado pelo Pe. Élcio. Se me permitem, gostaria de partilhar mais um exemplo de ação extraordinária do demônio, é de um caso que aconteceu no RS. É importante observar que devido ao ambiente pagão em que vivemos na sociedade de hoje, pós-moderna, os casos de ação extraordinária do demônio vem crescendo.

    • Caríssimo Alex, obrigado pela ilustração. Tudo indica que estes fenômenos são demoníacos. O que o demônio quer é que se chame a ele mesmo como solução do problema, (na verdade para atrair mais adeptos seus através do Espiritismo) o que acontece quando se recorre ao Espiritismo. Mas Deus permite estas coisas (e estão se multiplicando, inclusive aqui na minha terra) para confundir o demônio e tirar proveito para a salvação das almas. Em São Fidelis, RJ, faz tempo, acontecia numa casa do interior exatamente como no vídeo. O padre procurou saber como era aquela família. Os pais amasiados, todos os filhos que eram muitos, sem batizar. O padre exortou a que os pais se casassem. Aceitaram. aí o padre preparou todos os seus filhos, e depois os batizou. A partir daquele dia a paz reinou naquele lar e naquela moradia. De um mal Deus tira um bem!
      O mundo está simplesmente infestado pelos demônios sobretudo, por dois piores deles, O DEMÔNIO MUDO, que afasta as pessoas da oração e da confissão; e o demônio ASMODEU (=DEVASTADOR) é o demônio que trabalha para a maçonaria, o comunismo e o modernismo para devastar as famílias. Este demônio conseguiu que desde 2009, na Suécia, se celebrassem entre os Luteranos “casamentos” entre pessoas do mesmo sexo. Lá a igreja Luterana nomeou uma bispa lésbica em Estocolmo. Apenas 5 anos após o Concilio Vat. II, cujo escopo principal era fazer ecumenismo, a Igreja luterana da Suécia permitiu a ordenação de mulheres. Pelos frutos se conhece a árvore. Agora, após o ato ecumênico do papa Francisco, prestemos atenção quais serão os frutos! Ainda bem que os poucos católicos de lá, reagiram santa e heroicamente. Que Deus os preserve dos demônios que causam apostasias. Que Nossa Senhora e São Miguel Arcanjo os defenda e que continuem dando testemunho da Verdade! Amém!

    • Reverendíssimo Pe. Elcio, muito obrigado pelo seu comentário! Confesso que aprendi muito com ele. Não sabia da existência desse demônio mudo nem sobre como ele age. Sobre o demônio Asmodeu, já tinha ouvido o Pe. Gabriele Amorth falar dele, mas não sabia que ele era tão atuante no mundo de hoje nem que ele está ligado à Maçonaria. De fato, precisamos conhecer nossos inimigos para combatê-los. Nesse sentido, tem havido um grande crescimento de interesse do público em geral por exorcismos e demonologia. Confesso que também eu me interesso por esses temas, embora ainda tenha muito a aprender. Se me permite, faço um desabafo em relação em minha cidade. Moro em uma cidade do interior de Minas Gerais, na região do Alto Paranaíba, onde há uma presença muito forte e atuante do ocultismo, devido a vários motivos, que resumiria a alguns motivos, a saber: ser a Maçonaria fortíssima e atuante em minha cidade, também estar presente em minha cidade a Sociedade Rosa Cruz, os centros espíritas e terreiros que existem na cidade. Mas o pior de tudo isso é que o bispo e o clero da minha cidade e diocese são indiferentes a essas realidades e extremamente céticos em relação ao poder e aos modos de agir do demônio.

  3. Seria muito importante que assuntos como esse voltassem a ser tratados nos seminários, pois hoje em dia, exceto as honrosas exceções, a grande maioria do clero não sabe quase nada sobre as formas de ação do demônio.

    É preciso voltar a ensinar nos seminários teologia mística e demonologia.

  4. Sabe-se que o modo ordinário da ação demoníaca é a tentação que normalmente nos assedia, como sugerindo maus pensamentos ou nos instigando a vivermos uma vida a nossos criterio, deixando de lado o seguimento das Leis do Senhor, ainda mais nesse mundo em que o pecado de todas as formas está à vista de todos, facilitando as quedas!
    Então, pervertendo-nos contra o 6º Mandamento, o qual é confrontado de forma audaz, exibitoria, provocante e seduzente é ostensiva, acontecendo a quem, após ceder às tentações, particularmente quem seguidamente sem oposição vai caindo nelas, poderá lhe advir a obsessão, digamos IIª etapa, que não deve ser confundida com a possessão, a qual seria a IIIª fase, em que a pessoa passa a ser conduzida a partir de dentro.
    A obsessão, por sua vez, é quando o inimigo assedia a cidade, sitia-a, tentando, sem sucesso, invadi-la e acaba por retornar ou ficar sem grandes vitorias, por nesse caso por a pessoa estar espiritualmente bem defendida por prática de uma fé consistente, garantia de se livrar pelos menos da IIª, mais ainda da IIIª – embora o Senhor poderia permitir, digamos a IIª fase, como sucederam com varios santos .
    Somos como uma cidade murada que está sendo atacada, e a possessão se dá quando o ataque consegue romper as barreiras, digamos o clímax, IIIª fase.
    A internet hoje em dia é um poderoso canal de levar ao satanismo varias pessoas, incl. até crianças, como pelos desenhos “infantis” em que há varias situações em que elas são envolvidas, inocentemente sem darem conta dos perigos, como por sugestão invocando os “bruxinhos do bem, espíritos protetores” e outros entes demoníacos – desde tenra idade já algo vinculadas a esses seres tenebrosos!

  5. Parabéns ao padre Élcio por recordar e defender a doutrina tradicional dos teólogos sobre a ação extraordinária dos demônios – doutrina esta que é tão combatida pelos absurdos da parapsicologia propagada no Brasil pelo jesuíta padre Quevedo (http://institutopadrequevedo.com.br/).

  6. Pe. Élcio, muito obrigado pela sua pesquisa e por se importar em dividi-la conosco. São textos riquíssimos e bem práticos. Deus o conserve e Santíssima Virgem o proteja.

  7. Nessa semana, assisti durante a madrugada mais uma vez o excelente filme “O Ritual” baseado em fatos reais (recomendo a todos). Nesse filme Michael Kovak é um seminarista cético e decidido a abandonar seu caminho na igreja, mas seu superior o orienta a passar um período no Vaticano para estudar rituais de exorcismo. Uma vez lá, suas dúvidas e questionamentos só aumentam, após seu contato com o padre Lucas, um famoso exorcista; as suas reflexões sobre a crença no diabo e em Deus não param de crescer. A maior beleza nesse filme esta na conversão de padre Kovac que também se torna um exorcista.
    Nesses tempos impios que vivemos, muitas pessoas deram as costas à Deus e a fé de muitos esfriou, antes as possessões eram tratadas por um padre piedoso, agora na maioria das vezes é tratada infrutiferamente por uma psicologa mais deprimida e possuída que o próprio paciente. Não tenho dúvida que essa ideologia blasfema que permeia até entre os sacerdotes e esse índice alarmante de violência e de suicídios tem origem em possessão diabólica.
    Os ato do exorcismo praticamente foi abandonado pela igreja, os poucos padres que ainda o exercem são ridicularizados pela sociedade e até por colegas e superiores. Diante da ausência de fé e do apoio de padres exorcistas, infelizmente o demônio cada vez mais ganha terreno, Resta-nos a fé, o jejum e o poder da oração para resistir e afastar o maligno…

  8. Julgo necessária uma observação sobre esta matéria da OBSESSÃO diabólica. Trata-se de ataques extraordinários do demônio. Portanto, não é necessária e comumente uma como segunda etapa de um vício adquirido. Neste caso, ou seja, a passagem de pecados repetidos para um hábito ou vício, não significa necessariamente uma obsessão diabólica. A pessoa pode cair neste estado habitudinário sem que haja ataques extraordinários do demônio. Há sim, uma consequência das próprias paixões não dominadas. É obvio, outrossim, que o demônio se aproveita da concupiscência para tentar com mais êxito o pecador até levá-lo ao hábito de um pecado, isto é, ao vício. Em poucas palavras: a obsessão diabólica entra nos fenômenos EXTRAORDINÁRIOS, e não na gênese comum das paixões.
    Quero que os leitores fiquem bem conscientes de que esta matéria, isto é, obsessão e possessão, é muito delicada, e, por isso, mister se faz não esquecer a advertência prévia feita no início deste artigo.