Reflexões da Sagrada Escritura: Sobre a maldição das criaturas inanimadas.

ART. II  –  Se é lícito amaldiçoar uma criatura irracional

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

“Vendo uma figueira junto do caminho[Jesus]aproximou-se dela, e não encontrou nela senão folhas, e disse-lhe: Nunca mais nasça fruto de ti. E imediatamente, secou a figueira (S. Mateus, XXI, 19).

O segundo artigo discute-se assim.  –  Parece que não é lícito amaldiçoar uma criatura irracional.

  1. –  Pois, parece que a maldição é sobretudo lícita enquanto visa uma pena. Ora, a criatura irracional não é susceptível de culpa nem de pena. Logo, não é lícito amaldiçoá-la.
  2. – Outro argumento.  –  A criatura irracional não tem senão a natureza, que Deus fez. Ora, esta não é lícito amaldiçoá-la, mesmo sendo a do diabo, como se disse [no artigo anterior]. Logo, de nenhum modo é lícito amaldiçoar uma criatura irracional.
  3. –  Mais outro argumento.   –  A criatura irracional ou é permanente, como os corpos, ou transitiva, como o tempo. Ora, como diz Gregório, em IV Moral. (c. II), “é vão amaldiçoar o que não existe e mau, o que existe”. Logo, de nenhum modo é lícito amaldiçoar uma criatura irracional.

Mas, em contrário, o Senhor amaldiçoou a figueira, como se lê em Mateus XXI, 19, e Jó amaldiçoou o dia de seu nascimento, como se lê em Jó, III, 1.

Respondo dando a SOLUÇÃO.  –  A bendição ou a maldição se aplica propriamente aos seres a que pode suceder bem ou mal, como é a criatura racional. Às criaturas irracionais porém dizemos que acontece bem ou mal, em ordem à criatura racional, por causa da qual existem. Ora, elas se ordenam para esta de muitos modos.

Primeiro, a modo de adjutório, isto é, enquanto satisfazem às necessidades humanas. E deste modo, Deus disse em Gênesis, III, 17: A terra será maldita na tua obra [por tua causa], isto é, que o homem fosse punido pela esterilidade dela. E neste sentido também se entende o outro lugar do Escritura em Deut. XXVIII, 5: Benditos os teus celeiros; e mais abaixo(v. 17): Maldito o teu celeiro. E assim também Davi amaldiçoou os montes de Gelboé, segundo a interpretação de Gregório no L. IV Moral. c. III).

Segundo, a criatura irracional se ordena à racional, a modo de significação. E assim o Senhor amaldiçoou a figueira, como significando a Judeia.

Terceiro, a criatura irracional se ordena à racional a modo de continente, isto é, de tempo ou de lugar. E assim Jó amaldiçoou o dia do seu nascimento, por causa da culpa original que contraiu ao nascer e por causa da penalidades consequentes. E neste sentido também podemos entender que Davi amaldiçoou os montes de Gelboé, como se lê na Escritura em II Reis, I, 21: isto é, pela mortandade do povo que neles teve lugar.

Mas, amaldiçoar as criaturas irracionais enquanto criaturas de Deus, é pecado de blasfêmia. E amaldiçoá-las em si mesmas considerados é ocioso e vão e por consequência ilícito.

Por tudo que acabou de ser explicado, as respostas às três objeções apresentadas no início, se tornam claras.

Caríssimos, até aqui, Santo Tomás de Aquino. Gostaria de completar este artigo com algumas passagens das Sagradas Escrituras como temas de reflexões e profunda meditação: “Se tu não quiseres ouvir a voz do Senhor, teu Deus, para observar e pôr em prática todos os seus mandamentos e cerimônias, que hoje te prescrevo, virão sobre ti todas estas maldições e te alcançarão” (Deuteronômio, XXVIII, 15); “Todas as suas árvores e os frutos da tua terra consumi-los-á a ferrugem. O estrangeiro, que vive contigo no país, levantar-se-á contra ti, e serás inferior. Ele te emprestará, e tu não lhe emprestarás. Ele estará na cabeceira, e tu estarás na cauda. Todas estas maldições virão sobre ti, e, perseguindo-te, te alcançarão, até que sejas destruído; porque não ouviste a voz do Senhor, teu Deus, nem observaste os seus mandamentos nem as cerimônias que ele te prescreveu. Haverá perpetuamente em ti e na tua posteridade sinais e prodígios; porque não serviste ao Senhor, teu Deus, com gosto e alegria de coração, por causa da abundância de todas as coisas. Servirás o teu inimigo, que o Senhor enviará contra ti, com fome e com sede, com nudez e com falta de tudo; ele porá sobre o teu pescoço um jugo de ferro, até que te destrua. O Senhor fará vir sobre ti de longe, e das extremidades da terra, uma nação, à semelhança da águia que voa impetuosamente, cuja língua tu não poderás compreender, nação em extremo arrogante, que não terá respeito pelo velho, nem se compadecerá do menino” (Deut. XXVIII, 42-50).

Aconselho que leem todo o capítulo 28 do Deuteronômio. É  claro que estas maldições foram lançadas contra o povo judeu caso não observassem os mandamentos de Deus. Mas, quando São Paulo escreve sobre aqueles castigos que caíram sobre Israel, o povo de Deus no Antigo Testamento, diz que tudo foi escrito para servir de ensinamento para todos nós no Novo Testamento. Antes do fim do mundo, o que não significa que virá logo, haverá muitos sinais e entre eles, terremotos em várias partes do mundo. Assim afirmou o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo.  Sempre houve terremotos, mas a cada ano, o seu número vem aumentando. Infelizmente não tenho estatísticas, mas é uma realidade que ninguém pode negar. Deus castiga para salvar. A própria Bondade, onisciente e onipotente, Ele sabe o que mais poderá tocar os corações dos homens, pelo menos daqueles que ainda têm um pouco de fé.

Que a terra está maldita pelo sangue dos inocentes (abortos provocados e muitos inclusive aprovados por lei), as enxurradas de escândalos e uma grande apostasia,  é uma verdade que só um cego voluntário, não reconhecerá! “Maldito aquele que faz a obra de Deus fraudulentamente” (Jer. XLVIII, 10). Se Deus lançou tantas maldições sobre o povo infiel no Antigo Testamento, como não o fará hoje quando crucificam a Jesus de novo em si mesmos e  muitíssimos são inimigos da  Sua Cruz?!

PENITÊNCIA, PENITÊNCIA, PENITÊNCIA! ORAÇÃO, ORAÇÃO, ORAÇÃO! O que Nosso Senhor Jesus Cristo quer é mudança de vida, verdadeira conversão. E Nossa Senhora disse em Fátima: “NÃO OFENDAM MAIS A DEUS, QUE JÁ ESTÁ TÃO OFENDIDO!” Ficarás insensível a este angustioso apelo da Virgem Mãe de Deus?! E negarás que terremotos possam ser avisos pedindo conversão? Se tendes coração de pedra, ficai sabendo que as pedras se fazem corações, para se estremecerem de dor, como aconteceu na morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém!

Anúncios

3 Comentários to “Reflexões da Sagrada Escritura: Sobre a maldição das criaturas inanimadas.”

  1. Penitencia, oração, eis o que o mundo mais precisa e delas mais se parece distar por, no momento, ocupar-se de tantas coisas materiais que cada vez mais o absorvem e lhe roubam o tempo, conduzindo-o para outras direções, que a lugar algum levam, a não ser para a condenação eterna!
    De fato, nossa boca deve estar sempre é bendizendo, em contrario à prática da maldição:
    “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que seja boa para a necessária edificação, a fim de que ministre graça aos que a ouvem”. Ef 4,29.
    Aliás, nesse tempo em que o filho dileto do Iluminismo o heresiarca Lutero está sendo incensado, vendo os malleficios que o aderir a ele trouxe ao mundo, percebemos como ele aplainou as vias para formalizar-se a maçonaria, seguindo dela a eclosão da Rev Francesa e das ideologias que atualmente assolam o mundo, como o deleterio marxismo, o qual está infernizado as nações, caso Brasil com o satanista PT – saiu, mas continuam seus frutos – defensor dos “direitos humanos”(DE BANDIDOS), porém, impondo oficialmente o aborto!.
    A infinda quantidade de seitas originarias dessa rebeldia luteranista é notada a começar de seus asseclas em dezenas de milhares de seita e batendo-se entre si e relativizando a sociedade!
    Entretanto, é bom notar que, para as ideologia vicejarem, necessitam achar terreno ideal pois seu crescimento e das seitas comprovam o decréscimo do nível da prática do tradicional catolicismo, naõ do socializado, do não combate a elas, a começarem de tantos da alta hierarquia, ou pior, associam-se a elas!
    * “Tempos funestos sobrevirão, nos quais …. aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão as mãos aos inimigos da Igreja para fazer o que estes quiserem” (II, 98).
    * N Senhora do Bom Sucesso.

  2. Padre Élcio, a sua benção! Gostaria de pedir ao sr. que, após concluir a presente série de artigos sobre a maldição, o sr. compusesse (se ainda não o fez) alguma série de meditações sobre a virtude da Fé, para nos ajudar a ficar cada vez mais firmes em meio à onda de apostasia e de erros/heresias que estamos presenciando. Obrigado!

    • Caríssimo, fico-lhe muito grato pela oportuna sugestão. Aliás, estou já preparando um artigo sobre APOSTASIA. E depois, farei, se Deus quiser, mais artigos sobre a Fé. Imploro as orações de todos. Realmente, com a graça de Deus, temos que “resistir firmes na fé”. E aquele que perseverar até o fim , este é que será salvo. Duas coisas, segundo a Sagrada Escritura, são necessárias para podermos agradar a Deus: ter fé viva e combater a carne. Hoje, talvez mais do que nunca, grassa a apostasia da fé, e a dos costumes. Caríssimo Bartolomeu, do fundo do coração, envio-lhe a bênção sacerdotal. Que Deus o abençoe e lhe dê uma fé sempre maior.