Audiência com Dom Manuel Parrado Carral, bispo de São Miguel Paulista – trágico retrato da letargia (ou cumplicidade?) episcopal.

Por Daniel Gerreiro Cavalcante da Silva

Especial para FratresInUnum.com

Este é um relato de minha autoria, Daniel Guerreiro Cavalcante da Silva, a respeito da audiência com o bispo da Diocese de São Miguel Paulista, Dom Manuel Parrado Carral, para tratar dos posicionamentos, pronunciamentos e atitudes escandalosas que envolvem, principalmente, o padre Paulo Sérgio Bezerra, da paróquia de Nossa Senhora do Carmo. Faço uma breve narrativa de minhas impressões do encontro e, em caso de possíveis “escândalos” ou “radicalismos” que aqueles espíritos imbuídos de bom mocismo e do politicamente correto possam encontrar, esclarecer-se diretamente com a minha pessoa, sem envolver nenhum destes citados. Como o bispo não permitira o registro em áudio, nem em vídeo, narrarei os fatos através da memória e de aproximações em determinadas ocasiões, acima de tudo, buscando a maior fidelidade possível. Peço a Deus, a Nossa Senhora e a todos os Santos, para que nenhuma injustiça ou distorção se cometa neste relato.

carrado

Pela primeira vez, no dia dezessete do mês de novembro do ano de dois mil e dezesseis do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo (17/11/2016), foi realizado um encontro com o bispo Dom Manuel da Diocese de São Miguel Paulista, para tratar das inúmeras denúncias, divulgadas, principalmente, através das mídias sociais, blogs e grupos católicos, sobre o caso dos sacerdotes-militantes de movimentos LGBT, causas socialistas-marxistas, envolvendo o padre Paulo Sérgio Bezerra e inúmeros outros militantes da esquerda. Inicialmente prevista para ocorrer às 15:00, a audiência iniciara por volta das 15:30, graças a alguns imprevistos no transporte público da cidade de São Paulo.

Compareceram o Prof. Hermes Rodrigues Nery, Coordenador do Movimento Legislação e Vida, Adriano Neiva, o próprio bispo e eu. Após uma breve apresentação a respeito de quem éramos e qual era nosso objetivo ali – ou seja, representar os inúmeros católicos perplexos com os abusos e heresias propagadas naquela Diocese e, através de uma petição, pedir o afastamento dos sacerdotes envolvidos -, Dom Manuel deixou claro que em hipótese alguma, substituiria ou afastaria o padre Paulo Sérgio Bezerra daquela paróquia ou que, publicaria um posicionamento ou nota de repúdio ao que acontecera. Segundo o bispo, o padre fora advertido e uma ocorrência fora enviada à Nunciatura. Nada mais.

Logo no início desta audiência, nosso colega Adriano Neiva fez a seguinte declaração, ao descrever o que vem acontecendo, não só nesta referida Diocese, mas em inúmeras outras: “Estamos aqui, para representar, todos os católicos que estão indignados com a corrupção – ou distorção, se não me falha a memória – da Sagrada Liturgia”. Mal havia terminado a frase, Dom Manuel respondera, em tom de reprovação: “Vamos tomar cuidado com esses termos!”. Ora, pergunto-me o que seria isto então, se não, realmente, uma corrupção e distorção da Liturgia? Padres que modificam folhetos da Santa Missa exaltando o homossexualismo, recriando orações, na justificava de combater as ofensivas “homofóbicas” dos congressistas conservadores e da sociedade “velhaca”. Leigos abençoando um Sacerdote. Rituais umbandistas dentro de igrejas. Abortistas, socialistas e Drag Queens subindo ao púlpito para tratar de questões condenadas pela própria Igreja [1]. O que seria isto então, Dom Manuel? O cumprimento exato da Liturgia?   

Durante dez minutos, Dom Manuel narrou a situação de sua Diocese, como quem pede por compreensão, contextualizando a situação, abordando a história de sua fundação, sendo uma Diocese fragmentada, em 1989, da atual Arquidiocese de São Paulo, em uma das regiões mais caóticas, pobres e “explosivas” da década de 1980-1990 na metrópole. Para Dom Manuel Carral, a Diocese de São Miguel Paulista é carente de uma identidade que, se encontra ainda em processo de formação. Além disso, ressaltou a longa atuação dos antigos seminaristas e sacerdotes, adeptos da Teologia da Libertação, “defensores das minorias” e de causas sociais que atuam na região há muito tempo. O Padre Paulo Sérgio Bezerra, por exemplo, é sacerdote há trinta e  cinco anos, tendo atuado trinta e quatro anos na mesma Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, segundo o que consta em suas declarações dadas à uma reportagem do Terra Notícias [2], ou seja, atua nesta referida paróquia desde 1982.

A impressão que tive ao longo desta audiência foi a de certa isenção e, talvez, de justificação, se assim podemos dizer. Dom Manuel Carral disse ter trabalhado muitos anos com Dom Cláudio Hummes, a quem ele muito admira. Apesar de concordar que se tratava de um “absurdo”, referindo-se ao caso do Drag Queen realizar a homilia e levantar o Cálice com o Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo durante a consagração, chamando a atitude do Padre Paulo Sérgio Bezerra de “extrema” ou “radical”, Dom Manuel não pareceu constranger-se com o fato de Marilena Chauí ter recebido uma homenagem dos jovens em plena Santa Missa, comungado com as próprias mãos e por ser, assumidamente, militante socialista, abortista e defensora de ideologias anticristãs ou, por acaso, esta última não dissera que, os defensores da família não passam de “bestas”? [3] Pelo contrário, Dom Manuel procurou logo encerrar este questionamento através de uma simples resposta: “Não há problema algum com a presença de Marilena Chauí, ademais, ela é católica praticante e frequenta a Missa dominical em seu bairro, o Jardins”. Pergunto-me de onde viera esta informação. Seria da própria Marilena Chauí ao tentar convencer o bispo de sua “catolicidade” e de sua recentíssima conversão, anunciada somente ao Reverendíssimo bispo? Ou seria através de uma informação fornecida pelo próprio Padre Paulo Sérgio Bezerra que, segundo afirmações em um vídeo documentado do YouTube, fora convocado a dar explicações sobre a presença de determinados líderes de esquerda, como Guilherme Boulos do MTST, Chico Alencar do PSOL e a própria Chauí? [4]

Apesar de ter permanecido em silêncio durante quase toda a audiência, enquanto o Prof. Hermes Rodrigues Nery, Adriano Neiva e o bispo abordavam estas questões, cheguei a uma conclusão: não é verdade quando Dom Manuel afirma a respeito da “falta de identidade desta Diocese”, mesmo sendo relativamente nova se comparada a outras. Pelo contrário, este mesmo afirmara que, talvez, São Miguel Paulista fosse uma das dioceses mais difíceis de se trabalhar em todo o país. Ora, não seria isto uma identidade? Ademais, em que consiste esta dificuldade? Na profunda ideologização dos sacerdotes que deveriam ser os pastores da Igreja, mas que tratam da Missa e das paróquias como um palco e instrumento de propaganda socialista, frankfurtiana, gramsciana e de outras inúmeras doutrinas anárquicas e anticristãs? A má formação dos católicos que, induzidos ao erro e ao persistirem no pecado, apenas aprofundam e propagam este, como se não tratasse de um pecado? Ou seria a própria pobreza da região em si? Por fim, creio que, nenhum destes questionamentos – ou afirmações, se preferirem -, se sustentam. Em primeiro lugar, parece que há sim uma identidade na Diocese, pois, muitos têm o conhecimento de que se trata de um dos maiores redutos da Teologia da Libertação, se não do Brasil, pelo menos em São Paulo. Não seria isto uma identidade, criada pelos sacerdotes da Diocese e propagada ao longo de todos esses anos?

Bastam alguns minutos de reflexão para desmantelar estas hipóteses. Partiremos por partes:

1) Se o problema consiste nas ideologias anticristãs, condenadas pela Igreja, como o comunismo, o feminismo, o gayzismo, o abortismo e o relativismo, não bastaria um pronunciamento e censura do bispo para que os problemas cessassem? Por ora, Dom Manuel não parece disposto a agir desta forma. Após questionarmos os posicionamentos do padre Paulo Sérgio Bezerra, o bispo dissera que, apesar da “radicalização nestes últimos anos, o padre tem seus méritos”. Após recitar seu “belíssimo” currículo, como se suas boas ações justificassem as doutrinas anticristãs que este vem propagado, o padre Bezerra, segundo o bispo, teria sido responsável pelo auxílio e assistência das comunidades carentes em Itaquera, pela compra de um terreno para os mais necessitados, além dos mais de trinta anos de atuação na região, fato que resultou em uma espécie de enraizamento paroquial. Tirá-lo de lá, nas palavras de Dom Carral, não resolveria em nada o problema, pois, além de possíveis descontentamentos, dos paroquianos e da comunidade, da carência de outros sacerdotes para a reposição, a situação persistiria para onde quer que o padre Bezerra fosse transferido.

Sendo assim, podemos concluir o seguinte: Dom Manuel não pode controlar um padre dentro de sua própria Diocese. Seria como se o bispo estivesse refém do pároco de Nossa Senhora do Carmo, uma vez que este último, não teme ser punido pelo Sumo Pontífice, quanto mais por seu bispo responsável. Duvidam disto? Basta reler o que o próprio padre Bezerra dissera em uma entrevista publicada no Estadão, no Globo e na Folha: “São poucos os padres com coragem de tocar nesses assuntos. Sempre fui assim, mas, com esse papa, sinto mais tranquilidade de que não serei punido.” [5]

Leram bem? O padre Paulo Sérgio Bezerra disse com todas as palavras que, “SEMPRE FOI ASSIM”, contrariando o que Dom Manuel dissera sobre sua “radicalização nestes últimos anos” e que, sente tranquilidade de que NÃO SERÁ PUNIDO. Mais uma vez afirmo, se este sacerdote não teme ser punido pelo Papa, por que temeria ser punido por seu bispo que, nem ao menos o repreende publicamente, uma vez que estas “radicalizações recentes” têm ocorrido desde 2008. Sim, foram inúmeras as denúncias divulgadas por blogs e páginas católicas, destacando-se o Fratres in Unum.

2) Jamais questionamos as ações caridosas do padre Paulo Sérgio Bezerra, mas, enumerar seus méritos, não justifica a destruição e deturpação da Fé Católica que este tem causado. Se a evasão de católicos é crescente, principalmente na Zona Leste de São Paulo e se os que permanecem são mal formados, de quem seria a culpa, então? Das igrejas protestantes pentecostais? Ou dos próprios padres que, descumprem seus papéis de pastores da Igreja e que já não mais falam dos Milagres, da Vida dos Santos e alteram o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, acrescentando um teor marxista, materialista, repleto de referências à “justiça social”? O Padre Paulo Sérgio Bezerra jamais abrirá mão de seus posicionamentos, ele não teme nada.

3) Creio que a suposta “pobreza” da região não justifique a propagação da Teologia da Libertação nesta Diocese. Se fosse assim, as regiões mais pobres do Brasil e do mundo, seriam as mais infectadas. Partindo deste princípio, o Vale do Ribeira, região mais pobre do Estado de São Paulo, seria o exportador de “padres” marxistas e, o Maranhão, considerado o mais pobre dos estados da federação, já estaria em condições cismáticas. Não tenho medo de afirmar que a culpa é dos próprios padres e bispos que permitiram a propagação desta ideologia anticristã pelo Brasil afora. Segundo Dom Manuel, são cinco o número de padres que comungam dos mesmos ideais do padre Bezerra em sua Diocese, porém, Eduardo Brasileiro, um dos militantes da causa gayzista de São Miguel Paulista, afirmou que, já são em número de QUINZE, as paróquias da Diocese que partilham destes ideais. [6]

Além disso, o bispo Dom Manuel afirmou que vivíamos em uma “época de extremos”. De um lado, tínhamos estas posturas “demasiado ideológicas” e de outro, posturas “ultraconservadoras”, como se ambas fossem equiparáveis. E querem saber que o bispo chamava de “ultraconservadorismo”? O uso de véus nas igrejas e aqueles que utilizavam correntes e cadeias em seus braços, como escravos de Nossa Senhora. Pois é, escrever um manifesto “apologético-teológico” em defesa do homossexualismo, como aquele que o padre Bezerra escrevera, intitulado “catolicismo e homoafetividade” [7],  é equivalente ao uso de véus durante a Santa Missa. Defender o socialismo, o homossexualismo e sexo livre é mesma coisa que considerar-se escravo de Nossa Senhora. “Ultraconservadores” e os “defensores de minorias” são ambos extremistas para Dom Manuel.  

O Prof. Hermes Nery requereu de Dom Manuel Carral um posicionamento, o afastamento do padre, uma nota, uma atitude firme em relação a isto. O bispo respondera dizendo que as coisas estão muito difíceis na atualidade, que espera logo se aposentar e dissera que muitos padres não querem nem mesmo tornarem-se bispos diante desta realidade. O Prof. Hermes Nery respondeu dizendo que sempre a Igreja Católica, ao longo da história, foi firme no combate às heresias e na defesa da Sã Doutrina, vicejou com grande força e esplendor. Ao que Dom Carral disse: “A Igreja não tem mais força no mundo”. O Prof. Hermes Nery respondera, com ênfase: “Mas Cristo tem força, sim. Ele venceu o mundo”. O bispo então repetiu, afirmando: “Sim, é verdade. Cristo tem força.”

Ao final da audiência, após afirmar inúmeras vezes que as redes sociais estavam tornando a vida das pessoas “um inferno”, Dom Manuel disse-nos que se reproduzíssemos a carta que lhe encaminhamos, na Internet, estaríamos “colocando lenha na fogueira” e “difamando a Igreja”. O bispo afirmou inúmeras vezes que não temia ser punido pelo Santo Padre, pois dedicara toda a sua vida fielmente a Igreja e que estava de “consciência limpa”. Apesar de afirmar que não temia as redes sociais e a Internet, estou longe de crer nisto. Pelo contrário, acho que, publicar a carta e este relato é um dever de todos aqueles que amam a Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

O que o Reverendíssimo bispo Dom Manuel Parrado Carral fará para pôr fim a estas heresias? Permanecerá em silêncio, justificará e exaltará as ações caridosas dos sacerdotes do marxismo? Ou condenará publicamente estes abusos e distorções da Verdadeira Fé?

Que Nosso Senhor Jesus Cristo e Nossa Senhora tenham misericórdia de nós.

FONTES:

[1] – http://oglobo.globo.com/sociedade/religiao/folheto-de-igreja-catolica-pede-enfrentamento-ofensiva-homofobica-16540048

[2] – https://noticias.terra.com.br/brasil/padre-de-itaquera-ataca-ofensiva-homofobica-e-uma-velhacaria,7c4ca9c116c02a979d05ff8f05105ea3nsk0RCRD.html

[3] – http://jovempan.uol.com.br/programas/radioatividade/marilena-chaui-afirma-que-quem-defende-familia-e-uma-besta.html

[4] – https://www.youtube.com/watch?v=aGyA4fWtfHU

[5] – http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,igreja-tem-prece-contra-ofensiva-homofobica-,1712942

[6] – https://www.youtube.com/watch?v=R6YoMBg22jA&t=37s

[7] – https://teologialibertacao.wordpress.com/2015/04/13/catolicismo-e-homoafetividade-ensaio-de-aspiracoes-intuitivas-parte-i/

https://teologialibertacao.wordpress.com/2015/04/16/catolicismo-e-homoafetividade-parte-ii/

Anúncios

26 Comentários to “Audiência com Dom Manuel Parrado Carral, bispo de São Miguel Paulista – trágico retrato da letargia (ou cumplicidade?) episcopal.”

  1. Catolicos Verdadeiros uni-vos, vamos combater com coragem toda apostasia dentro da Santa Igreja.

  2. No fundo tenho até dó de Dom Manuel, pois ele não tem controle da diocese e está literalmente refém desse grupo de padres TLs (Paulo Bezerra, Dimas, Rosalvino, e mais alguns outros). Não acredito que ele (o bispo) seja má pessoa, mas não tem força para lutar contra essa situação. Pelo bem da saúde dele acho que deveria até renunciar…

  3. Recadinho para Dom Parrado Carral, bispo de São Miguel Paulista.
    O chão do inferno esta pavimentado com crânios de bispos. Sto Atanásio.

  4. Belíssimo desabafo. Parabéns ao autor.

  5. Vi um dialogo muito agressivo ao bispo. Penso que si fosse mais respeitoso poderia ser melhor. O padre tem problemas lógico, mas a conversa com o bispo me pareceu um tom meio ameaçador. E ele está fazendo algo sim como se expressou. Ou alguem aqui acha que é facil? O padre tem 34 anos na paróquia, é militante, etc. É facil criticar uma autoridade eclesiástica, mas será que muitas vezes com nossos filhos não somos muito benignos exatamente por julgar a circunstancias e o momento? A finalidade e corrigir o erro e defender os fieis desses erros. Tirar o padre brutalmente que está a frente de uma paroquia a 34 anos pode ter um resultado catastrófico para a propria comunidade. O Bispo não pode falar tudo o que está fazendo, claro, si o pouco que falou já vieram aqui publicar, imagina si fala tudo. Mas por favor gente, não julgue o Bispo deste jeito. Mais respeito por favor! Somos ou não catolicos? Este modo critico de ser cria nos Bispos uma dificuldade com tudo o que é tradicional. Tradicional para eles acaba sendo sinônimo de problema.

    • Um bispo morno!

      “Sê vigilante e consolida o resto que ia morrer, pois não achei tuas obras perfeitas diante de meu Deus.
      Lembra-te de como recebeste e ouviste a doutrina. Observa-a e arrepende-te. Se não vigiares, virei a ti como um ladrão, e não saberás a que horas te surpreenderei.” (Ap 3: 2,3)

      “Conheço as tuas obras: não és nem frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente!
      Mas, como és morno, nem frio nem quente, vou vomitar-te.” (Ap 3: 15,16)

      “Aconselho-te que compres de mim ouro provado ao fogo, para ficares rico; roupas alvas para te vestires, a fim de que não apareça a vergonha de tua nudez; e um colírio para ungir os olhos, de modo que possas ver claro. Eu repreendo e castigo aqueles que amo. Reanima, pois, o teu zelo e arrepende-te.” (Ap 3: 18,19)

    • Julio, não justifica deixar de lado as propostas da Igreja calcadas no magistério sagrado da Igreja pelas mazelas dos fiéis que ali encontram refúgio, vamos ser conviventes com paróquias selk service? Viramos protestantes? Perdão mas discordo.

  6. Supliquemos um São Carlos Borromeu para nossos tempos!

  7. Quanta omissão….no fundo ele concorda com estas aberrações…..

  8. O Bispo está “sentado em uma bomba relógio”, ele não bate de frente para não explodir e sobrar fagulhas para ele vindo de Roma. Nenhum arcebispo, no politicamente correto, quer ser conhecido como polemista e linha dura, pois não é bom para a imagem.

    O problema é que esse discurso ameno e compreensivo, esperando o tempo passar para não escandalizar e lá, lá, lá, lá….é exatamente o que se pratica na Igreja há 60 anos!!! E os frutos são terríveis pois para proteger o lobo, perde-se as ovelhas!

    E o clero não acorda!

  9. Parte do clero (grande parte!) é composta por covardes mornos e politicamente corretos!

  10. … “Dom Manuel Carral disse ter trabalhado muitos anos com Dom Cláudio Hummes, a quem ele muito admira”
    Pelo que sei, nada há de se admirar em D Hummes-TL, pois é um dos que dariam aquela força aos comunistas no Brasil, pois ele mesmo se diz amigo particular do comunonazifascista Lula – varias fotos juntos – e poderia ser um infiltrado na Igreja! Pode um religioso consciente de seu dever ter vínculos com os filhotes de Satã?
    Marilena Chawi católica praticante e comunista ao mesmo tempo, *vomitando no video por si mesma numa reunião de peStistas, aos sorrisos de Lula, sendo que ela de forma cabal e ostensiva declara odiar a classe media, compartilhando da mesma mafia comunista?
    Ela aprecia é a JUSTIÇA SOCIAL de que tanto propagam os comunistas, que se traduz por IGUALITARISMO DA MISERIA, a mesma praticada em Cuba contra o indefeso povo cubano, e onde se assenta a peste comunista do martelo e foice, com todos dependentes e escravizados pelo opressor deus-Estado!!
    Essa revolucionaria e histérica sedizente filósofa, mas militante vermelha, para destilar o odio interior, em se referindo à classe media classificou-a dentre bem mais termos de “arrogante, petulante, conservadora, reacionaria, **terrorista… até isso.
    Quanto a D Manuel ter dito que “a Igreja não tem mais força no mundo”, a se basear numa CNBB das esquerdas, é fato; ela deu via seus pronunciamentos e silencio das armadilhas contra a fé e contra o povo imensa ajuda para os comunistas do PT alçarem ao poder e se manterem sem serem questionados por quase 14 anos, impondo sua ideologia intrinsecamente má por meio das devassas e ideologizadas novelas e afins, pervertendo o povo e ela silente, anuente, é isso!
    A CNBB, por ex., deveria estar sendo questionada por religiosos componentes do episcopado em discordancias públicas, como procedia D Luiz Bergonzini, que não assistia à complacencia dela com o erro em cima do muro e nada dizia: ao contrario a desafiava e dizia “não posso concordar com certos irmãos do episcopado”!
    Assim sendo, sem haver interpelação contra os podres poderes que nos cerceiam, particularmente de governos material-ateístas ou venham de onde vierem, a Igreja perde força e até tornar-se sal de pouca serventia na sua parte humana: os que forem complacentes com os erros, por serem da alta hierarquia, seriam dentre os maiores promotores!
    ***“Tempos funestos sobrevirão, nos quais …. aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão as mãos aos inimigos da Igreja para fazer o que estes quiserem” (II, 98).

    ** Chame os outros do que v e acuse os outros do que v faz – Lênin.
    *** N Senhora do Bom Sucesso.

  11. Moro em Itaquera, COHAB II para ser mais exato… sabe qual é a realidade daquele lugar? Extinção de Católicos… as coisas ditas pelo Bispo não refletem a realidade… o ser humano tem a necessidade de seguir regras… a liberdade é justamente isso, ter limites bem delimitados, anarquia só traz confusão e sensação de vazio e desorientação. Quem conhece o bairro de São Miguel Paulista sabe que tem igreja protestante uma em cima da outra… a avenida Nordestina mesmo é cheia de igrejas protestantes, do início ao fim, de um lado e de outro… e essa é a realidade de todo o extremo leste da cidade! Impossível andar um Sábado de manhã pelo meu bairro sem encontrar duplas de Testemunhas de Jeová em todas as esquinas, diversas assembleias de Deus. No centro de Itaquera, próximo a Nossa Senhora do Carmo, tem uma Congregação Cristã no Brasil enorme, no Jardim São Pedro também, assim como no centro de Guaianases! E essas igrejas protestantes são todas cheias, todos os dias da semana, muito longe da realidade “Católica”, só se vê gente nas Igrejas aos Domingos ou dias de guarda, não são Católicos de verdade. No prédio donde eu moro somos poucos, a maioria é protestante, os poucos Católicos são pessoas briguentas, implicantes, fofoqueiras, etc. Não tem Católicos no extremo leste de São Paulo, os que atendem por Católicos, não o são de verdade. Por isso que eu digo que o catolicismo aqui morreu! Os meus últimos anos na escola foram marcados por salas majoritariamente protestantes! Eu mesmo achava que não existia mais catolicismo no mundo… cresci em lar protestante, tinha uma visão caricata da Igreja, que a Diocese de São Miguel Paulista retrata bem! Dom Manuel peca pela cumplicidade, omisso, omissão também é pecado, tão ruim quanto os executantes do pecado em si! Vejam o meu caso, eu só tenho 19 anos de idade, cresci em uma família protestante e estou no catolicismo tradicionalista, o ser humano necessita de seguir regras! Só as encontrei no verdadeiro catolicismo! Por isso a Igreja perde fiéis para “evangélicos”, realidade essa do mundo inteiro, muito mais evidente desse lado da cidade, em contra partida o catolicismo tradicionalista de crescido, em lugares de resguardo da fé protestante, como no caso dos EUA! Muitas denominações protestantes pregam com grande vigor uma boa conduta moral… meus avós me levavam para a igreja e eu sempre gostei do jeito das testemunhas de Jeová de encarar a vida, a moral ali dentro é muito cobrada e os que se entregam a uma vida desregrada sofrem punições. É isso que falta na Igreja, cobrar e punir, só se fala em amor e salvação, amor e salvação, amor e salvação… essa ladainha já encheu! Gosto das homilias de Dom Bruno (Mosteiro de São Bento), sempre repreensivas! Gosto de sair da Santa Missa pensando em que melhorar, em que ponto da minha vida devo ter uma boa conduta, os vícios que devo perder, as boas qualidades que tenho que ganhar e aprimorar… a crise é na Igreja, graças ao Vaticano II, enquanto a Igreja continuar assim, ela vai ir ficando cada vez mais vazia… Nosso Senhor Jesus não esta preocupado com números, 8 salvaram-se do dilúvio, 3 de Sodoma e Gomorra, esta Deus preocupado com o número de adoradores? Nosso primeiro Sumo Pontífice escreveu em uma de suas cartas que “o amor a Deus significa observar os Seus mandamentos”! Rezemos para que Dom Manuel saia da passividade e que o novo Bispo venha cheio de amor a Deus para que essa triste realidade passe! No último Sábado, tivemos a primeira Santa Missa Tridentina por aqui… no Jardim dos Ipês, na região de São Miguel, um lugar carente, uma Igreja minuscula, difícil acesso, pouco divulgado, e qual foi o resultado? Fiéis ao lado de fora para poderem assistir a Missa, notei que grande parte ali não conhecia a Missa, eram paroquianos de lá mesmo! E fiquei contente em saber que vai ter Missa Tridentina lá todo mês! É o primeiro passo! Rezemos a Nossa Mãe rica em misericórdia para que isso cresça!
    Ó Maria Concebida sem pecado original, rogai por nós que recorremos a Vós!

  12. Vocês esperavam alguma coisa diferente? Eu não. De tudo o que foi relatado aqui, tem uma verdade bem profunda: NENHUM BOM PADRE QUER SER BISPO. Isso é um fato. Carregar um fardo desse é insuportável. Como consertar os erros que foram plantados por décadas na mentalidade do clero e dos fiéis? Simplesmente insuportável. Eu não saberia o que fazer…

  13. Marilena Chauí mora no Jardins e odeia a elite branca e burguesa? Ah, tô me tornando socialista agora! Jardins, aí vou eu!

  14. Tudo isso é fruto da apostasia generalizada. Bispos como esse Dom Manuel que não podem sequer controlar um padre dentro de sua própria Diocese, parecem ter cabeça só pra carregar mitra. Faltam-lhes, inteligência, coragem, sabedoria e sobretudo a fé sobrentaural.
    Como administradores infiéis esquecem-se de que não tardará o dia em que o Patrão virá pedir-lhes conta de sua administração.
    É por isso que assim como o administrador infiel da Parábola, a fim de conquistar e manter amigos, ele entra numa renegociação com a doutrina em prejuízo do que é devido ao patrão, ao mesmo tempo em que passa a impressão de ser um homem justo, que se esforça por cumprir a lei e ganhar a simpatia dos devedores.
    Eu só lamento pelas ovelhas que se deixam guiar por esses maus pastores que não passam de cegos conduzindo um rebanho de cegos.

  15. “Ao que Dom Carral disse: ‘A Igreja não tem mais força no mundo’. O Prof. Hermes Nery respondera, com ênfase: ‘Mas Cristo tem força, sim. Ele venceu o mundo’. O bispo então repetiu, afirmando: ‘Sim, é verdade. Cristo tem força.'”. O relato é bem significativo, mas o trecho que pincei é preocupante, para dizer o mínimo.

    O Reverendo Bispo não acredita mais na Igreja, perdeu sua identidade católica – que tipo de liderança poderá exercer junto aos padres, seminaristas e leigos? O efeito é a dissolução no modernismo… Ao confirmar que Jesus Cristo tem força, mas a Igreja não, o Reverendo Bispo faz eco ao protestantismo e aos esoterismos que identificam em Jesus Cristo uma força como a de um “avatar”.

    Mas, de qualquer forma, parabéns ao Daniel Gerreiro Cavalcante da Silva e ao Prof. Hermes Rodrigues Nery pela atitude!

    Uma coisa que venho refletindo ultimanente é que, sem entrar no mérito de que o real seguimento de Nosso Senhor impõe escolhas claras e definitivas, e ainda que estejamos alicerçados em boa formação como católicos, leituras, vida de oração etc., temos que ver outro elemento das situações em que nos defrontamos: estamos lidando com BRASILEIROS e suas brasileirices, dado que não pode ser subestimado, nem relativizado, e nem encarado em abstrato; é bastante real e concreto, e que não aparece apenas quando vamos afirmar nossa fé, mas em todos os aspectos da vida (o tumulto que tem vivido nosso país, sua crise em várias frentes, e a falta de perspectiva para sua normalização certamente colocam todos nós em agonia).

    O “fator Brasil” pesa, e como, nessa hora (complicação pouca é bobagem rs)

    Que a alegria do Evangelho, e o portentoso legado da Santa Madre Igreja, nos mantenha de pé e seguindo, aconteça o que acontecer!

    Coração de Jesus, que tanto nos amais/ Fazei que vos ame cada vez mais!

  16. Esse triste episódio é uma fotografia fidedigna do momento histórico que vivemos. Isso tudo é fruto do famoso Plano Masterplan que já está em curso na Santa Igreja há mais de meio século. Muitos e muitos bispos, e sacerdotes em geral, são infiltrados na Igreja para miná-la. Que infiltrados são esses? São comunistas, maçons e aliados que se mancomunaram para destruir a Igreja de Cristo. E o plano maquinado está dando certo. E nada os detém. O povo católico (leigos e clérigos) assistem imobilizados e confusos os fatos que se sucedem. O que fazer? Rezar não é o suficiente, embora essencial. temos que orar e lutar, reprimir, enfrentar. Já que são infiltrados não possuem legitimidade para falarem em nome de Deus nem da Igreja. São inimigos luciferinos que estão agindo como se fossem sacerdotes. Por isso devem ser enfrentados e destituídos de seus postos. temos que desmascará-los e desarmar esse plano diabólico que traçaram contra a Igreja, e nós católicos não podemos ficar com mesuras e mi-mi-mi diante desses demônios. Eles não são cristãos nem católicos. São diabos que devem ser destruídos.

    • Caro Sival,

      Faço uma pequena correção em vosso texto para poder, na idéia geral, concordar contigo:

      “São comunistas, maçons e aliados que se mancomunaram para destruir a Igreja de Cristo. E o plano maquinado está dando certo [ apesar de sabermos que, em termos finais, jamais prevalecerão ] E nada os detém [ humanamente falando, sim ] O povo católico assiste imobilizado e confuso os fatos que se sucedem. O que fazer? [ Somente ] Rezar não é o suficiente, embora [ primordial e ] essencial: temos que orar e lutar, reprimir, enfrentar. Já que são infiltrados não possuem legitimidade para falarem em nome de Deus nem da Igreja. São inimigos luciferinos que estão agindo como se fossem sacerdotes. Por isso devem ser enfrentados e destituídos de seus postos. temos que desmascará-los e desarmar esse plano diabólico que traçaram contra a Igreja, e nós católicos não podemos ficar com mesuras e mi-mi-mi diante desses demônios. Eles não são cristãos nem católicos. São diabos que devem ser destruídos.”

      E acrescento: eis aí mais um fruto da “primavera da Igreja”, da “revolução de 1789 dentro da Igreja”, da teologia da libertação… gostaria muito, mas muito mesmo, que os católicos dignos deste nome caíssem na real: será que tudo isso que acontece em São Miguel Paulista é somente fruto do acaso? já não basta toda a conversa de todas as décadas passadas com toda essa gente posta dentro da Igreja para sabotá-la? esperar o que de “dom” Parrado ( ou “parado”… )?

      Aqueles que são a causa do problema, sem uma real conversão, daquelas de estontear o mundo, jamais poderão ser a resolução do problema…

  17. Já explodiu. Nada que se publica no Fratres fica escondido. O Fratres é o site mais lido pelo episcopado brasileiro. É muito provável que o telefone do Núncio já tenha tocado. Isso é se o Bispo não foi ele mesmo na casa do Núncio chorando e pedindo pelo amor de Deus pra ser transferido. Ninguém merece um Clero desse tipo. Todo mundo fica amarrado, parecendo o Congresso Federal porque se o Odebrecht abrir a boca ficam dois ou três, se muito. Nesse Clero é a mesma coisa, se o juntar o Monsenhor e o Pároco denunciado e falarem metade do que sabem, ficam o mesmo tanto dos deputados. A operação abafa já está em execução. Aguardemos.

  18. Tenho dó dessa diocese com esse bispo…tive o desprazer de conhece-lo aqui na arquidiocese de São Paulo… Talvez esses bispos não conheçam o código de direito canônico.
    ” Do processo para a destituição ou transferência de párocos” leiam 1740 em diante, mas quero ressaltar
    Cân. 1741 – As causas pelas quais o pároco pode ser legitimamente destituído de sua
    paróquia são principalmente estas:
    1º modo de agir que traga grave prejuízo ou perturbação à comunhão eclesial;
    2º imperícia, bem como doença mental ou física permanente, que torne o pároco incapaz
    de desempenhar utilmente seus deveres;
    3º perda da boa fama junto aos paroquianos honrados e respeitáveis, ou aversão contra o
    pároco, as quais se prevejam que não cessarão em pouco tempo;
    4º grave negligência ou violação dos deveres paroquiais, que persista mesmo depois de
    advertência;
    5º má administração dos bens temporais com grave prejuízo da Igreja, sempre que não
    se possa dar outro remédio para esse mal.*

  19. “Da Capa Magna à Drag Queen” (1962-2016)

    Evolução dos usos e costumes litúrgicos da igreja em saída (de cena):
    Diocese de Santo André.

    Estreando pela quinta vez: Bispo Carral, o Prelado que não suspende a Bezerra e permite a propaganda transviada diante das criancinhas da primeira comunhão”!

    Mais iniciativas virão: aguarde.

  20. Minha sugestão é a publicação desta materia na Gazeta de São Miguel ou no jornal São Paulo Leste.
    Apesar das adaptações que o texto teria que sofrer.

  21. Não sei o que podemos fazer além de rezar. Penso que somente nós os, leigos católicos, podemos fazer algo. Padres e Bispos ficam amarrados sujeito a afastamento e punições. Mas nós leigos não podemos ser punidos ou impedidos de ir a Santa Missa. Já passa da hora de ficar somente indignado virtualmente.

  22. Amigos, viva Cristo Rei!

    Uma pitadinha da doutrina católica em meio a tanta apostasia:

    “(…) todos e cada um dos ou Bispos, Arcebispos, Patriarcas, Primados, ou de qualquer outra dignidade eclesiástica superior; ou bem Cardeais, Legados, (…) que *até agora* houvessem sido surpreendidos, ou houvessem confessado, ou fosse convictos de haver-se desviado (da Fé Católica), ou de haver caído em heresia, ou de haver incorrido em cisma, ou de havê-los suscitado ou cometido; ou também os que *no futuro* se apartarem da Fé Católica, ou caírem em heresia, ou incorrerem em cisma, ou os provocarem, ou os cometerem,(…) ficarão privados também por esta mesma causa, *sem necessidade de nenhuma instrução de direito ou de feito*, de suas hierarquias, e de suas igrejas catedrais, incluso metropolitanas, patriarcais e primados” (Papa Paulo IV – Bula Cum Ex Apostolatus Officio).

    Simples de entender como dois mais dois são quatro!

    Abraços a todos,

    Sandro de Pontes