Cardeal Brasileiro ataca críticos de ‘Amoris Laetitia’: Nós somos 200 e eles só são 4.

LifeSiteNews, 29 de novembro de 2016 | Tradução: FratresInUnum.com: Depois que quatro Cardeais expressaram preocupações relativas às ambiguidades em Amoris Laetitia através da publicação do Dubia, o cardeal brasileiro Claudio Hummes os repreendeu dizendo eles estão sozinhos em suas causas.

Lula, católico praticamente para Chalita, comungando por conta própria, sob as bençãos do aposentado Dom Hummes.

Lula comungando por conta própria, sob as bençãos de Dom Hummes.

Apesar do fato de que outros bispos e muitos outros já se juntaram aos quatro compartilhando as mesmas preocupações, o cardeal Hummes procurou minimizar sua parte na controvérsia.

“Nós somos duzentos, enquanto eles são apenas quatro”, vangloriou-se Hummes numa entrevista em espanhol ao “Religião Digital”.

Embora alegando que o cardinalato como um todo apoia o Papa Francisco, Hummes acusa os quatro cardeais de provocar um cisma na Igreja. “A Igreja defende a sua unidade como uma unidade na pluralidade […]. Essa pluralidade é deslegitimada se a unidade é ameaçada por cismas. Estas divisões são o verdadeiro mal, não a pluralidade “.

Apesar da preocupação externada por Hummes, não escapa ao olhar do observador atento que um grande número de cardeais já se uniram várias vezes para defender o Magistério integral e tradicional da igreja. Durante o Sínodo dos Bispos, 13 cardeais assinaram uma carta fraterna dirigida ao Papa abordando a manipulação do Sínodo. Mais recentemente, os cardeais Raymond Burke, Carlo Caffara, Joachim Meisner, e Walter Brandmüller tornaram público seu pedido ao Papa para que ele esclareça o que permanece discutível em Amoris Laetitia.

“A Igreja quer ser aberta a todas as sensibilidades,” Hummes explicou. Mas não há nenhum sinal de abertura para os quatro cardeais da parte de Hummes ou do papa Francisco. Até agora, o papa Francisco não respondeu às dúvidas que foram formuladas em linguagem simples e que devem ser simplesmente respondidas com “sim” ou “não”.

A representação que o Cardeal Hummes faz, segundo a qual a Igreja é um partido democrático no qual a maioria é que dá as cartas – usando o seu exemplo de 4 X 200 – é igualmente defeituosa. O cardeal não se esquece do número de proponentes, mas sim do conteúdo da Dubia. Ao mesmo tempo, não muitos cardeais têm apoiado o Papa Francisco em sua recusa de responder as dúvidas.

“O Papa diz que nós temos que caminhar todos juntos e não excluir ninguém. Não é tão importante o que pensam, o que eles dizem, ou o que fazem… “, Hummes declarou na entrevista. Ele reitera: “Temos que caminhar juntos e encontrar uma forma de fazê-lo sem excluir ninguém.”

“Se alguém quiser excluir-se, então, é problema dele”, acrescentou maldosamente, deixando implícito que os quatro cardeais estão nadando contra a corrente e alguns deles por causa de algum tipo de obstinação pessoal. Na verdade, os quatro já explicaram publicamente que seu interesse reside no esclarecimento de dúvidas para os fiéis. As dúvidas foram originalmente concebidas para serem tratadas de forma privada e os cardeais só resolveram torná-la pública porque o Papa recusou-se a responder ao apelo.

“A uniformidade começa a criar muros e decidir quem está dentro e quem está fora”, explicou Hummes, invocando a imagem popular de um muro, a fim de atacar uma mentalidade conservadora. “O Papa poderia estar muito aborrecido com os motivos que levaram essas quatro pessoas a querer corrigi-lo.”

“Mas ele está totalmente tranquilo. Ele sabe o caminho certo que precisa ser seguido”. Esta declaração parece estar em contradição com relatos do jornalista Edward Pentin segundo o qual o Papa ficou, de fato, furioso com a dubia, “nada feliz”e “fervendo de raiva”.

Cardeal Hummes, ex-chefe da Congregação do Vaticano para o Clero e amigo pessoal do Papa Francisco, teve que esclarecer declarações controversas no passado, entre as quais as de uma entrevista em que disse que ele não poderia dizer se Jesus se oporia ao casamento gay.

Nota do Fratres: não nos esqueçamos das declarações relativizando o celibato sacerdotal, verdadeira obsessão de Hummes, quando acabara de ser nomeado Prefeito da Congregação para o Clero, em 2006. Ao pisar em Roma, foi obrigado a realizar um constrangedor mea culpa público, retificando suas afirmações.
Anúncios

32 Comentários to “Cardeal Brasileiro ataca críticos de ‘Amoris Laetitia’: Nós somos 200 e eles só são 4.”

  1. O Cardeal que lembrou a Francisco, para não se esquecer dos pobres, pois como frade há muito tinha se esquecido, por morar em faustoso apartamento e ser sustentado por associação brasileira muito rica.
    E que agora em nome da CNBB virou ecológico, cuidando da Amazônia, para inglês ver e lhe ajudar com libras esterlinas!

    • É isso mesmo, Jean-Marie: os tipos como frei Hummes (o qual fez carreira às custas de apadrinhamento de seu confrade, o meloso frei Arns) são todos mestres em incoerência. Falam, falam e falam dos pobres, sem jamais os verem ou tocarem, ou quando são vistos junto aos pobres, isso é apenas para que sejam fotografados ao lado deles como os políticos costumam fazer. No fundo, toda essa fradaiada franciscana (?) de origem alemã – os Arns, os Hummes, os Boff – vieram de lares miseráveis, pobres filhos de miseráveis e simplórios colonos alemães. Mas até aí, nenhum problema, pois não é vergonhoso ser pobre. Vergonhoso é ser oportunista.

      Muito provavelmente, Hummes foi para o seminário APENAS para aliviar o número de bocas da família. Isso era comum antigamente – mandar o filho para o seminário para economizar em casa. E, como quem nunca comeu melado, quando come se lambuza, os tipos como Hummes, ao fazerem carreira e “vencer”, adiantam-se logo em fazer dinheiro com o mesmo afã neurótico com que fazem a catarse “libertadora” da infância-farinha-com-banana que tiveram: põem-se a falar da pobreza para exorcizar a lembrança da pobreza, mas vivem como sultões. Seu orgulho, sua vaidade, sua autocomplacência e narcisismo adolescente não permite que aceitem a “vergonha” de terem sido miseráveis: têm nojo da pobreza, e tanto têm que correm atrás do antídoto-mor deste mal, a saber, o dinheiro, o rico dinheirinho e as boas relações (que trazem dinheiro).

      Nem é de estranhar que Hummes, quando arcebi. de São Paulo, afetasse cara de nojo ao ter que encontrar-se vis-à-vis com o clero da cidade onde, afinal, há tanto padres simples e… pobres: Hummes os ignorava do alto de sua humildade pobretista. Como Gisele Bündchen na passarela, desfilava do alto do seu triunfo mundano e pagão.

      Que gente esquizofrênica!

  2. Vejam a imagem da eleição do Santo Padre o Papa Francisco, e vejam quem está na sacada da varanda no Vaticano.

    Explica tudo.

  3. Pois é. Jesus também era só um, contra uma horda de fariseus. Santo Atanásio também era só um. A história é pródiga desses exemplos. Mas o “democrata” Cláudo Hummes vive em tempos de democracia, de voto universal, direto, secreto e periódico, então o partido dele “ganhou”.

  4. O cardeal brasileiro Claudio Hummes deveria aprender um pouco de história da Igreja. No tempo de Santo Atanásio não foi bem assim como ele pensa. Apesar de minoria no final prevaleceu o pensamento do Santo.

  5. “Nós somos 200 e eles apenas 4″(…). Ajuda-nos a notar, que assim como no CVII, que os Bispos realmente preocupados com as almas eram a minoria. Vemos claramente que a Verdade não é decidida pela maioria. Assim vemos o resultado de um clero liberal e modernista que colaboram em peso para a auto-destruição da Igreja.
    Enganam-se eles, pois, “as portas do inferno não prevaleceram contra Ela”, e “o Imaculado Coração Triunfará!”.

    Que a Santíssima Virgem nos abençoe.
    Oremos pela santificação do clero.

  6. O discurso de Dom Hummes é semelhante ao que escutávamos até 12/5/2016 – “nós” … “eles”!!!

  7. É cada vez mais evidente que a Igreja está tomada por seus inimigos, e que esses senhores de católicos só têm os titulos e suas profanadas ordens sacras.
    Se há tanto barulho e dificuldade por causa de cinco duvidas sobre a comunhão aos adúlteros. quem dirá como seria se as dubias fossem sobre a liberdade religiosa, ecumenismo, laicismo etc.

  8. Ora, ora, ora…faz-me rir!
    Dom. Marcel Lefebvre também era 1 só.

  9. Religion Digital é o site mais esquerdista que traz notícias sobre a Igreja.
    Não sei quantos outros tem posturas opostas.

  10. Vitoria garantida de 200 x 04, não é isso, D Hummes, favas contadas… Veremos!
    O que o senhor cardeal amigo de Lula e das esquerdas certamente não conta é com os reservas; estão aguardando a hora de entrarem em ação e são varios, contando apenas entre os altos hierárquicos da Igreja!
    No tempo do arianismo, 95% dos prelados por varios motivos se tornaram arianos e acaso venceram a parada final, não foi a verdade que prevaleceu sobre o erro?
    Oficialmente, esses 4 bispos representam S Atanasio enfrentando os arianos e os derrotando depois de passar por severas perseguições e ameaças, que fora até excomungado!…
    Oportunamente, após os inimigos da Igreja chegarem forçosamente à conclusão que não passariam por cima da verdade por interesses escusos, S Atanasio foi reabilitado!
    Hoje é talvez o maior apologeta da Igreja, que mais a defendeu em situações críticas como aquela não aquietando-se enquanto não dispersou os hereges e restaurou a verdade!
    Acreditamos serem os 04 a versão século XXI de S Atanasio, ainda mais por os interpelados não aceitarem se justificar de cometimento de desvio na fé, comportando-se como as esquerdas que inadmitem estar erradas!

  11. Alguém avise Claudio Hummes que não, os 4 Cardeais não estão sozinhos… a imensa maioria dos fiéis, está com eles!

  12. Na listinha dos cardeais da REGUA E COMPASSO do jornalista italiano Mino Pecorelli, Sua Emin era candidataço ao cargo!
    Sua Emin. é do Partido dos Trabaiadô?
    Mas que Astaroth deve estar muito agradecido pelo gesto de ser dada a Comunhão para um de seus filhos prediletos sim,sim, não tenho dúvidas e nesse dia entre a capetada deve ter tido até aquela comemoração especial!
    Já copiei essa foto!
    Pouco tempo atrás ele foi em BH pregar retiro para os padres, instruir eles, coisa boa, sabiam dessa?

  13. “Nós somos 200 e eles apenas 4″

    R- 4… com a ajuda de todos os santos e anjos da Milícia Celeste. Vai encarar?

  14. “Pluralidade” palavrinha mágica da Teologia da Libertação para aceitar o pecado sem corrigir o pecador e o herege. Vamos ver se no Céu tem “pluralidade”: se no Evangelho das Vestes Nupciais entrou alguém na Festa do Noivo sem as vestes adequadas e se os anjos atiraram ou não no fogo do abismo quem não estava com as vestes adequadas. Reparem como debaixo de “palavrinhas mágicas” eles escondem toda uma falsa doutrina que contraria a Doutrina de Cristo. Eles se tornaram panteístas, isso sim…

  15. O pseudo-epíscopo Hummes errou a conta:
    são os quatro, mais todos os cardeais, bispos e papas de antes do Vaticano II; são os quatro, mais os Apóstolos, os Profetas, os Mártires; são os quatro, mais todos os Anjos e Santos do Céu; são os quatro, mais Jesus, Maria e José; são os quatro, mais a Trindade Santíssima.
    Já com os tais duzentos, com Bergoglio à frente, também não são só duzentos: com eles estão todos os demônios e réprobos do inferno, e todos os ímpios do mundo, além de todas as maldições espirituais divinas.
    E, de minha parte, eu invoco com todas as minhas forças a Justiça Divina, com seus mais ardentes rigores, em testemunho contra Bergoglio e seus comparsas. Se há um Deus justo no Céu (e há!), que Bergoglio e seus asseclas sejam tratados com mil vezes mais rigor que Maomé e Lutero, por estarem enganando as almas com uma quimera mais perigosa que a destes!

  16. “Nós somos 200 e eles só são 4”.
    (Claudio Hummes)
    ————————————————————————

    A Verdade e o Número
    Santo Atanásio de Alexandria

    Homilia contra os que consideram o número [a maioria] como prova da verdade.

    «De Deus devemos esperar a força e as luzes necessárias para combater a mentira e o erro e a Ele recorreremos para obtê-las. Ele é o Deus da Verdade, Ele tirou-nos do erro e da ilusão, Ele diz-nos no fundo do coração: “Eu sou a Verdade”, Ele sustenta a nossa esperança e anima o nosso zelo, quando nos diz: “Tende confiança, Eu venci o mundo.”

    Depois disto, como não sentir compaixão pelos que medem a força e o poder da Verdade pelo grande número? Esqueceram, portanto, que Nosso Senhor Jesus Cristo não elegeu senão doze discípulos, gente simples, sem letras, pobres e ignorantes, para opô-los ao mundo inteiro, e que não lhes deu, como única defesa, outra coisa que a confiança Nele?…

    Quão admirável é a força da Verdade! Sim, a Verdade é sempre vencedora, ainda que seja sustentada por um número muito pequeno. Não ter outro recurso senão o grande número, recorrer a ele como a uma muralha contra todos os ataques, e como a uma resposta para todas as dificuldades, é reconhecer a debilidade da sua causa, é convir na impossibilidade em que se está de defender-se, é, numa palavra, reconhecer-se vencido….

    Que o vosso grande número me apresente a Verdade em toda a sua pureza e seu brilho. Estou disposto a render-me e a minha derrota é segura; mas que não me dê como prova e razão nada mais que o seu próprio grande número e a sua autoridade: é querer causar terror e dar medo, mas de nenhum modo persuadir-me-ia quando dez mil homens se tivessem reunido para fazer-me acreditar em pleno dia que é noite, para fazer-me aceitar uma moeda de cobre por uma moeda de ouro, para persuadir-me a tomar um veneno descoberto e conhecido por mim, como alimento útil e conveniente. Estaria obrigado por isso a crer-lhes?

    Portanto, já que não estou obrigado a acreditar no grande número, que está sujeito ao erro nas coisas puramente terrenas, por que é que quando se trata dos dogmas da religião e das coisas do céu, estaria eu obrigado a abandonar os que estão afeiçoados à Tradição dos seus Pais, os que crêem com todos os que Existiram antes deles?…

    Porquê, então, estaria eu obrigado a abandoná-los para seguir uma multidão que não dá nenhuma prova do que afirma? …

    “Não sigais a multidão para fazer mal, nem o juízo acomodes ao que parece do maior número, se com isso te desvias da verdade”.

  17. Sr Cardeal vocês podem ser 200 mas uma maioria também pode errar. Basta ver que foi uma maioria que gritou há dois mil anos atrás: crucifica-o.
    O senhor parece fazer o mesmo. Infelizmente.

  18. El Magisterio se ha «degradado» por la negativa de respuesta del Papa a los cuatros cardenales
    El más destacado filósofo católico de Alemania ha salido en defensa de los cuatro cardenales que pidieron al Papa Francisco que aclare las ambigüedades en su Exhortación Apostólica Amoris Laetitia respecto a los sacramentos para los católicos divorciados vueltos a casar.

    http://infocatolica.com/?t=noticia&cod=27954

  19. 4+1 (olha eu aqui, tá me vendo não?) Se Vossa Eminência Reverendíssima olhar bem, vai ver mais gente. Bem debaixo do seu sacrossanto nariz, inclusive.

  20. Já que o Papa está tão tranquilo assim e tem 200 ajudantes tão competentes e capazes, por que não responde as perguntas que foram feitas com argumentos melhores?

  21. Quem já viveu debaixo das ordens de Claudio Hummes sabe bem o quão democrático ele é. 4 Cardeais + A VERDADE IMUTÁVEL DO EVANGELHO = ARGUMENTO IMBATÍVEL. A conta certa é essa aqui.

  22. Um recado se S Atanasio para o cardeal Hummes e mais do bloco dos 200:
    “A desgraça é tanto maior quanto mais individuos envolvidos com ela”!

  23. A declaração, vindo de quem veio, é lixo!

  24. Duas correções no comentário acima: A primeira… Declaração vindA de quem veio…; A segunda: destinar a tal declaração para o lixo, é ser muito condescendente.

  25. A História da Igreja nos mostra que provavelmente os quatro estarão certos…

  26. Parece-me que passou desapercebido de Fratres in Unum a entrevista do cardeal Gerhard Muller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé à agência austríaca Kathpress. O purpurado falou no perigo de polarização na Igreja e informou que a Congregação não vai responder aos quatro cardeais, pois ela age e fala com a autoridae do Papa. Não quer polêmicas e muito menos criá-las. Mas no fim da entrevista dá seu parecer pessoal sobre o tema levantado pelos quatro cardeais. Recordou que, a propósito da comunhão para os divorciados em segunda união, a Congregação para a Doutrina da Fé já em 1994 tinha negado a três bispos alemães esta possibilidade. Ou seja, o cardeal Muller, pessoalmente, concorda com as apreensões dos quatro cardeais.

  27. Cardeal Hummes, por favor, apenas responda as cinco perguntas da carta dos quatro cardeais. Eles não querem a divisão, justamente querem evitar o cisma. Para tal, estão apenas pedindo esclarecimento. Por favor, ajude o Papa nesta missão.

  28. No ano passado ouvi uma homilia de D. Claudio Hummes onde ele afirmou categoricamente que ninguém era condenado ao inferno. Pergunto: onde ele aprendeu isso? Da Sagrada Escritura? Da Sagrada Tradição? Dos Santos? De São Francisco de Assis,Fundador da Ordem que ele pertence, que pelo contrário exortava sobre o perigo do pecado mortal e da condenação, bem registrado no “Cântico das Criaturas” como segunda morte, morte da alma? Ou será que Stalin ou Hiltler apareceram para ele em sonho e revelaram que o inferno não existe?

  29. Obrigado pelo texto, Com amizade; José

  30. Segue aqui a minha dúbia : Dom Hummes é católico? ( ) sim ou ( ) não?