Nota de esclarecimento da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Nota enviada à redação de FratresInUnum.com pela Arquidiocese de Belo Horizonte, acerca de matéria do site espanhol InfoCatólica, por nós traduzida e comentada.

A Arquidiocese de Belo Horizonte esclarece que as informações publicadas na reportagem não condizem com as orientações do Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra. Os trechos destacados estão descontextualizados, interpretados de modo a não traduzir o que realmente estabelece o Projeto de Evangelização.

Em comunhão com a Igreja, a Arquidiocese de Belo Horizonte partilha a convicção de que o Matrimônio é a união entre homem e mulher, a exemplo da Sagrada Família de Nazaré. Ao mesmo tempo, conforme orienta o Papa Francisco, busca acolher e acompanhar, sem exclusões e julgamentos, dando testemunho da misericórdia de Deus, que a todos alcança.

Nesse sentido, a Arquidiocese de Belo Horizonte lamenta não ter sido procurada pelos responsáveis pela elaboração dessa reportagem para os devidos esclarecimentos. Coloca-se à disposição para apresentar, de modo devidamente contextualizado, o Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra, fruto de atenta escuta das muitas comunidades de fé, em sintonia com os desafios do mundo contemporâneo.

Alguns artigos de dom Walmor que contestam a chamada ideologia de gênero:

Educação em pauta

 http://www.arquidiocesebh.org.br/site/artigoArcebispo.php?id_artigoArcebispo=10884

Família, tocha acesa

http://www.arquidiocesebh.org.br/site/artigoArcebispo.php?id_artigoArcebispo=11773

Princípios e ideologias

http://www.arquidiocesebh.org.br/site/artigoArcebispo.php?id_artigoArcebispo=10834

9 Comentários to “Nota de esclarecimento da Arquidiocese de Belo Horizonte.”

  1. Trechos descontextualizados ? Que complementação de contexto é necessária após se dizer que “(…) a família é a união das pessoas na consciência do amor (…)”, tendo-se dito antes que “O Matrimônio (…) não restringe a compreensão da existência de outras configurações familiares” ? Ou então que “(…) todas as famílias (…) se sintam pertencentes (…) com seu testemunho de amor” ? Testemunho de amor compreendido… e reconhecido pela Igreja como válido ? O problema não é a descontextualização, mas a ambiguidade útil para agradar gregos e confundir troianos… Tá faltando uma caneta desblasfemadora aqui, aí o texto ficaria: “Promover ações pastorais capazes de apresentar, através do acolhimento e do diálogo, o modelo da verdadeira família àquelas configurações de pessoas que vivem um arranjo desfigurado deste mesmo modelo, a fim de que elas se sintam pertencentes, de fato, à comunidade que edificam com seu testemunho de amor, após transformarem suas vidas à luz do Espírito Santo.”

  2. A “nota de esclarecimento” nada esclarede. Até porque o centro da questão não é a definição de matrimônio mas de FAMÍLIA. Em nenhum lugar o artigo que critica o documento da Arquidiocese critica a posição da diocese quanto ao matrimônio, mas à FAMÍLIA. A dissimulação desavergonhada CONTINUA.

    A “nota de esclarecimento” também não explica POR QUE a arquidiocese está se valendo da retórica da identidade de gênero em sua composição.

  3. É muita cegueira ou muita malícia ou má vontade mesmo desses progressistas liberais que chegam aqui dizendo que o Fratres interpretou errado o que está óbvio. O texto é bem claro!
    O matrimônio ‘não restringe’ a compreensão da existência de outras configurações(???) familiares…
    Quais configurações? Será aquela do “toda forma de amar vale a pena?” Hômi com hômi? Muié com muié? Ou três…quatro hômis? Ou três…quatro muiés? Ou, de repente…um hômi e um animal? Ou uma muié e um animal? AS CONFIGURAÇÕES SÃO INFINITAS…
    São essas CONFIGURAÇÕES que agora os Católicos somos ‘convidados’ a chamar de FAMÍLIA?

  4. Esta resposta da arquidiocese de BH me lembrou na hora em que li de tantos políticos deste país: “não foi isso que eu disse!”, “essa assinatura não é minha!”, “não sou eu na foto/filmagem!”, “não era dinheiro aquilo que coloquei no bolso!”… tentativas de negar o óbvio, de desdizer o que já foi dito com todas as letras, de justificar o injustificável.

  5. Disse nada com nada!

    Decadente, inobservância total dos preceitos cristãos.
    A Igreja no Brasil, por sua CNBB, caminha aos infernos.

  6. Se acaso os textos oficiais da Arquidiocese de BHorizonte distribuídos às paroquias – se o foram – se conformarem exatamente como publicados na Infocatólica, de fato estão e muito a desejarem, pois os antecedentes conhecidos de incensarem esquerdista são notorios, tendo à frente o arauto das esquerdas D Joaquim G Mol..
    Prestigiam demais o Cardeal Hummes que permitiu à sua prensença que o satanista Lula se desse a S Comunhão, e aquele, tempos atrás, foi a essa cidade pregar retiro para os sacerdotes – haja quem suporte ouvi-lo, pois já vi certos escritos dele transcendendo a relativismos, não poucos!
    Outro relativista muito comemorado e sempre presente em eventos nessa cidade é o ultra modernista pe Fabio de Melo, e sempre distribuindo seus livros de “espiritualidade” num programa denominado “Questões de Fé”, apresentado pelo Pe José Cãnddido da Silva, levado ao ar aos sábados de 10 30 às 12 00, ofertando obras do falecido teelista Pe Libanio, Zé Vicente e mais socialistas.
    Nesse programa, além desse apresentador recomendar tais obras, sempre se entusiasma de compartilhar amizade com pastores protestantes, ao invés de combater esses hereges e excomungados!

  7. Essa nota ambígua lembra a língua bífida, própria do diabo.

  8. “a chamada ideologia de gênero”, qual he o nome certo então?