Jornal Agora São Paulo: “Religioso de Itaquera é acusado de ‘gayzismo'”.

Edição do último domingo, 11, do jornal Agora São Paulo, do grupo Folha de São Paulo, repercute caso de Itaquera. 

Fiéis querem expulsar padre que colocou drag queen no altar.

Chamada da capa do JORNAL AGORA SÃO PAULO ANO 18 Nº 6475 – Católicos conservadores querem a saída do Padre Paulo Sérgio Bezerra da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera ( Zona Leste). Eles reclamam que o padre Paulo deixou uma drag queen falar sobre o preconceito contra gays e participar da comunhão em uma missa. Conservadores dizem que o padre estimula o “gayzismo”. O religioso afirma que quem quer a sua saída é inimigo da Igreja.

agora1

PÁGINA A4

Fiéis pedem saída de padre por missa com drag queen

Um grupo de católicos promete não sossegar enquanto não tirar da paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera (zona leste), seu líder, o padre Paulo Sérgio Bezerra.

O principal motivo foi o fato de um homossexual, que trabalha como drag queen, ter falado a fiéis contra homofobia em missa em junho.

agora2

E de ter participado da comunhão, inclusive erguendo o cálice.

Na ocasião, ele vestia roupas comuns.

Uma sequência de fatos irritou os fiéis, liderados pelo Movimento Legislação e Vida.

Primeiro, a missa; depois, a presença do publicitário Albert Roggenbuck, vestido como a drag queen Dindry Buck, no altar da paróquia de Sant’Ana, em Itaquera, do padre Manoel Olavo Amarante.

Nessa igreja também foi lançado livro, com a presença de seis drag queens.

Os dois últimos eventos foram equivocadamente ligados ao padre Paulo.

“Recebemos diversas mensagens de fiéis pedindo para falar com o bispo”, diz Hermes Rodrigues Nery, 51 anos, coordenador do movimento. Na audiência com o bispo Dom Manuel Parrado Carral, da Diocese de São Miguel Paulista, em 17 de novembro, o grupo entregou-lhe uma carta, na qual fala em “promoção do gayzismo e incentivo à militância do LGBT” em Itaquera.

O padre Olavo não é citado.

Segundo Nery, o bispo não vai substituir o padre Paulo, mas eles prometem insistir na proposta, com mobilização nacional pela internet.

Pelo Facebook, Padre Paulo fez sua defesa, que gerou uma guerra de comentários: “ Fiquei incomodada com o discurso de ódio”, diz a redatora publicitária Monise dos Reis Martins Fernandes, 30 anos, que criou abaixo-assinado em prol do padre, até anteontem com quase 3000 adesões. “É o melhor padre de Itaquera, tirá-lo seria uma  injustiça”, disse o guardador de carros Vagner Portela, 25 anos.

Convidado é da Pastoral da Liturgia 

O publicitário Albert Roggenbuck, 40 anos, mora em Itaquera (zona leste) e desde criança tem o hábito de ir às missas de domingo na Paróquia Sant’Ana, onde integra a Pastoral da Liturgia. Ele trabalha fazendo eventos como a drag queen Dindry Buck e calcula ter cerca de 30 shows este mês.

Roggenbuck diz que foi à Igreja Nossa Senhora do Carmo “defender valores contra a homofobia”. Na de Sant’Ana, entrou vestido de Dindry Buck quando voltava de uma festa em homenagem ao Dia da Drag Queen para ser benzido. “Não vou deixar de ser homossexual e nem católico por conta da pressão de gente que nem é da minha comunidade.”

Pároco diz ser alvo de “inimigos da Igreja” 

O Padre Paulo Sérgio Bezerra, da  igreja Nossa Senhora do Carmo, disse que os ataques a ele são realizados por “católicos ultraconservadores”, “fariseus” e “inimigos declarados da Igreja que pensam defender”. A resposta foi dada em sua página no Facebook.

O padre também afirmou que é um bode expiatório. E disse que outras pautas deveriam ser ocupadas no lugar da polêmica, como “#ForaTemer, a luta do MTST e a reforma da Igreja”, entre outros, comprovando a sua postura de esquerda.

Chamado de “o rei do batismo”, por batizar crianças filhas de mães solteiras ou que não tenham se casado na Igreja Católica, o padre Paulo também é conhecido por combater o preconceito contra os homossexuais. No ano passado, distribuiu folheto, durante missa de domingo, com uma oração contra a ofensiva homofóbica. Padre Paulo não quis dar entrevista, mas avisou que não vai mudar sua postura.

Procurado durante três dias por telefone e pessoalmente, o Padre Manoel Olavo Amarante, da Igreja Sant’Ana, onde ocorreu evento com drag queens, não foi encontrado na sua paróquia.

O bispo Dom Manuel Parrado Carral também não deu entrevista. Por meio de nota, a Arquidiocese de São Paulo disse que os bispos das quatro dioceses da capital são autônomos para agir.

Papa é contra a discriminação sexual 

Durante uma viagem de volta da Armênia para o Vaticano, no fim de junho, o papa Francisco disse a jornalistas que estavam com ele no avião que a Igreja Católica deve desculpas aos gays por tê-los marginalizado.

A declaração foi no dia seguinte ao ataque de um atirador a uma boate gay em Orlando, nos Estados Unidos, que deixou 49 mortos.

O pontífice relembrou ensinamentos da Igreja que homossexuais não devem sofrer discriminação. “Eles devem ser respaldados e acompanhados pastoralmente”, afirmou.

Para Daniel Guerreiro Cavalcante, integrante do Movimento Legislação e Vida e que participou da reunião com o bispo Dom Manuel Parrado Carral para pedir a a saída do Padre Paulo Sérgio Bezerra, sacerdotes ligados à Teologia da Libertação (como o pároco de Itaquera) se sentem respaldados por declarações ambíguas do Papa Francisco, “que jamais legitimou isso que eles tem propagado , como ideologia de gênero”.

Cronologia da polêmica 

12 de Junho

O publicitário Albert Roggenbuck, a drag queen Dindry Buck, é convidado pelo Padre Paulo Sérgio Bezerra a participar de missa na paróquia de Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera.

Durante a missa, sem estar caracterizado, participa da comunhão no altar e distribui hóstias.

16 de julho

Vestido como Dindry Buck, o publicitário sobe ao altar da paróquia de  Sant’Ana, em Itaquera, durante Missa, para pedir benção no dia internacional da Drag Queen.

30 de outubro

O salão da Paróquia de Sant’Ana é aberto para o lançamento do livro “Esquadrão das Drags – Arte, Irreverência e Prevenção em Toda Parte”, das jornalistas Roseli Tardelli e Fernanda Teixeira.

Seis drag queens incluindo Dindry Buck, e o Padre Manuel Olavo Amarante, da paróquia de  Sant’Ana, participam.

17 de novembro

Integrantes do Movimento Legislação e Vida entregam carta ao bispo Dom Manuel Parrado Carral, da Diocese de São Miguel Paulista, pedindo afastamento do Padre Paulo Sérgio Bezerra

O argumento é que ele violou o “magistério da Santa Igreja e a Santa Fé Católica” e pregou mensagens “pró-gayzismo”.

Bispo teria ligado para o Padre Paulo para evitar que a polêmica aumentassem.

03 de dezembro 

Padre Paulo posta nas redes sociais que ataques foram feitos por católicos “ultraconservadores” e “inimigos declarados da igreja que pensam defender”.

15 Comentários to “Jornal Agora São Paulo: “Religioso de Itaquera é acusado de ‘gayzismo'”.”

  1. A matéria nos brinda com a grande pérola da semana: ‹‹ Pároco diz ser alvo de “inimigos da Igreja” ››. Padre Bezerra poderia fazer a gentileza de se dedicar ao circo, com todo respeito aos palhaços.

  2. “Católicos conservadores”, não, caro jornalista, apenas católicos. Ou se é católico, ou nada. Não há meio termo.

    • Com certeza, não existe Católico “liberal” nem Católico “revolucionário”. Estes são tão Católicos quanto o diabo é. Catolicismo em si mesmo implica ser conservador, já que nossa crença é bi-milenar e baseada na Tradição, passada de geração em geração. Não há como manter nossa Fé Católica intacta sem agir para CONSERVAR tudo isso que nos foi dado. Quanto a esses “padres” que agem pra destruir a nossa Igreja por dentro, adeptos da religião da KGB, é grande a responsabilidade dos Bispos que se omitem e ainda permitem que ajam livremente dentro da Igreja, quando na verdade, estes deveriam ser todos EXPULSOS. Chega a ser uma insanidade, pra não dizer que são cúmplices de toda subversão que tais “padres” propagam.

  3. A crise metastática que se espalhou pela Igreja é tão grave que um cisma parece ser inevitável. Um caso como esse não deveria passar impune nem um dia sequer. Quantas almas simples, são levadas ao erro, quantas crianças constrangidas desta paróquia estão sendo tiradas da inocência e da pureza por causa de um “padre” como esse. Como pode um bispo se omitir de decidir não afastar os envolvidos. Só por causa de um assistencialismo de fachada ? Será que este bispo acha que não terá que prestar contas a Deus um dia ? Se um caso desse “padre” não é motivo de afastamento, o que mais se precisa fazer ?

  4. Parabéns, vocês fazem um trabalho fantástico
    Que Nosso Senhor Jesus Cristo abençoe o trabalho de vocês.

  5. Padre Paulo Sergio Bezerra é mais um relativista, agindo como esquerdista, e de ideologistas possui todos os ingredientes em seu âmago; deveria estar é nos acampamentos do MST ou nos seminarios da TL; prestaria excelente serviço ao niilismo!
    Acusa os outros do que é, de inimigos da Igreja conspirando contra si, porém, pelas suas ações é ao inverso, é um adotante da doutrina do vitimismo para se defender, essa tática dos componentes de partidos comunistas desse método de se fazer de vítima alheia está muito “manjado”, o ParTido dos Trabaiadô trabaia com esse modelo diariamente, ideal para ator em palcos, como novelista dramaturgo; precisa arranjar outro esquema, Pe Bezerra, pois essa chantagem está demasiada conhecida e já não cola mais!
    Seria mais um infiltrado a serviço dos globalistas? Corresponderia a um desses apóstatas que está a serviço de podres poderes!
    Sendo sacerdote, mais ainda se excomungou automaticamente de gravíssima profanação à S Eucaristia por: “Não lanceis aos cães as coisas santas, não atireis aos porcos as vossas pérolas, para que não as calquem com os seus pés, e, voltando-se contra vós, vos despedacem”. Mt 7,6.
    Usando o papa Francisco como escudo por não discriminação de gays? Outra farsa! Poderia deturpar-lhe linguagem, ou não; no entanto, antes dele, a Igreja nunca marginalizou gays, mais reprimirá sem comiseração os procedimentos sodõmicos e, quem os acobertar, não passaria de heterodoxo, mera opinião pessoal, portanto inválida, recusável – venha de onde vier!
    “Meu povo foi destruído por falta de conhecimento. Uma vez que vocês rejeitaram o conhecimento, eu também os rejeito como meus sacerdotes; uma vez que vocês ignoraram a lei do seu Deus, eu também ignorarei seus filhos”. Os 4,6.
    “Mas agora estou escrevendo que não devem associar-se com qualquer que, dizendo-se irmão, seja imoral, avarento, idólatra, caluniador, alcoólatra ou ladrão. Com tais pessoas vocês nem devem comer. 1 Cor 5,11”.

  6. A meu ver seria excelente se as pessoas que combatem esses padres traidores (progressistas, novos Judas Iscariótis), expusessem, tanto quanto resumida, mas de modo claro, a doutrina da Igreja sobre esses assuntos, como homoxessualismo, aborto, divórcio, condições requeridas para uma comunhão não sacrílega (como a maioria na atualidade). A razão é que o público, em geral, não sabe praticamente nada sobre o ensinamento autêntico da Igreja. Ora, é preciso que os católicos conheçam a Doutrina da Igreja. É preciso que entre a doutrina e a mentalidade do fiel haja uma harmonia global. Que o conjunto da doutrina, enquanto doutrina, agrade a mentalidade do fiel, que ele simpatiza com ela e a quer bem. O fiel deve estar convicto de que, se a doutrina fosse outra, ele não quereria aquela outra doutrina e teria obrigação moral de não só rejeitá-la mas também de lutar contra ela. Portanto, caso se mexa na doutrina, ele se sinta como se mexesse na própria pupila de seus olhos!
    Esta é a posição verdadeira. É preciso, portanto, haver não só o conhecimento da verdade. Além do conhecimento e da correspondência do intelecto à verdade, é preciso que haja uma adaptação da mentalidade e da personalidade à doutrina. A pessoa tem que amar aquela doutrina pelo feitio de sua mentalidade, para, por sua vez, reciprocamente, a doutrina ir lhe fornecendo, sempre, coisas novas e antigas (“nova et vetera”), porque assim o indivíduo tem curiosidade de conhecê-la ainda. Então, às vezes, ele tem prazer em revê-la e, às vezes, ele tem prazer em fazer novos descobrimentos nela.
    Os descobrimentos são de várias maneiras. Ou ele tem uma inteligência desenvolta e descobre, por si, novos aspectos, ou ele, fiel católico, é uma pessoa estudiosa e aprende novos aspectos proporcionados ao seu nível intelectual. Não vai ser no mesmo nível de outras pessoas, mas proporcionalmente à capacidade de cada um.

  7. O NOVO PADRE PINTO. Se for de congregação o bispo tem de “devolver” para a ordem religiosa para tomarem conta. Como fez o Arcebispo na época do polêmico padre Pinto, em Salvador.

  8. http://www.nlucon.com/2016/10/padre-catolico-homenageia-drag-queens.html
    O engraçado é que esse padre Olavo é considerado um dos mais conservadores da diocese de S. Miguel. Imagina se na fosse…

  9. O cisma já está consumado, e bem fácil saber quem o provocou. Pois não há continuidade alguma entre a fétida seita conciliar e a Igreja de Jesus Cristo. Tal seita não tem amparo em nada: nenhum Padre da Igreja, nenhum Doutor, nenhum Santo ensina o que a seita do Vaticano Dóis ensina em matéria doutrinal, disciplina dos sacramentos e sobre aquilo que concerne aos atos de jurisdição e de governo. Há evidente e completo isolamento da práxis da seita em relação a todos e cada um desses pontos. Paradoxalmente, o parâmetro mais próximo de avaliação são as comunidades cismáticas do Oriente, as ditas “igrejas ortodoxas”. Nenhuma belas põe a mão na cumbuca de João XXIII, cheia de escorpiões e serpentes.

    Enfim, nem a seita quer os católicos nem os católicos a querem. Não temos a mesma religião, nem a mesma moral, nem a mesma visão de mundo. Resta aos católicos advertirem aos incautos, aos simples e aos de boa fé de que a igreja de Bergoglio, isto é, e a igreja que saiu do Vaticano Dóis não é a Igreja de Deus. É uma seita gigante – herética, cismática e, agora, clara e escandalosamente apóstata.

    Caiu de podre. Nem poderia ser diferente.

    Sugiro que os tags desse fórum, ao tratarem da seita, sejam doravante indexados por “atualidades, ANTI-IGREJA”.

  10. Diante da hipocrisia desse padre e da inação do bispo local, gostaria de sugerir ao Movimento Legislação e Vida que se dirigisse agora ao próprio povo da paróquia e diocese em questão, alertando diretamente os fiéis a que se afastem das missas desse padre. Seria bom, por exemplo, produzir alguns milhares de panfletos e distribui-los na frente da igreja do tal padre. Poderiam também reunir fiéis para rezar o terço na frente dessa igreja, em ato público de reparação pelos sacrilégios e heresias desse padre. Enfim, todo esforço possível para afastar o povo desse péssimo sacerdote será muito louvável.

  11. OFF: Rezemos pela saúde – e pela conversão! – de dom Paulo Evaristo Arns, internado no fim de semana.

    http://www.msn.com/pt-br/noticias/brasil/dom-paulo-evaristo-arns-passa-mal-e-%c3%a9-internado/ar-AAltfep?li=AAggV10&ocid=mailsignout

  12. A única coisa que tira bispo ou padre do lugar hoje (porque o papa tem asco) é dinheiro. Se mostrar que o bispo ou os padres em questão gastaram R$0,01 com algo indevido ganha- se o apoio do povo e do Papa na hora.

  13. A Teoria da, Conspiração vai além de uma mera teoria. É uma realidade palpável. O Masterplan está em pleno e glorioso curso. Está evidente que esses ‘padres’ são ativistas gayzistas infiltrados na Igreja para destruí-la por dentro. Os culpados disso são os bispos lenientes e, quem sabe, cúmplices. A confusão se instalou com o apoio explícito da Mídia esquerdista e anti-católica. O povo católico assiste perplexo sem saber como reagir em meio ao caos instalado. Como cascata em furor caudaloso a gênese da confusão vem de cima, lá do Sólio Pontifício, com as ambiguidades que só favorecem os movimentos cuja etiologia se encontra na Revolução denunciada pelo nosso saudoso Plínio de Oliveira. Os ‘pastores’ da Santa Igreja negociam com os lobos rapaces que salivam diante das ovelhas assustadas. Pobres ovelhas que estão nas mãos de mercenários travestidos de ‘pastores’. Diante de tanta perversão pós-conciliar, cujo veneno tóxico já havia sido estancado por São Pio X, alvejando o Modernismo diabólico, mas que, favorecido por altos prelados purpurados conciliares conseguiram fazer a incipiente fumaça de Satanás que foi introduzida na Igreja tornar-se um fragoroso e inexorável incêndio infernal.

  14. Exatamente, se as consequências de um cisma são a quebra de continuidade e o surgimento de uma nova realidade, o cisma ocorreu nos anos 60. Oremos pela conversão do Vaticano e dos bispos do Brasil!