Cardeal Burke defende signatários de ‘dubia’ em entrevista bombástica à EWTN.

Por LifeSiteNews – 16 de dezembro de 2016 | Tradução: FratresInUnum.com: No programa “The World Over with Raymond Arroyo” da última quinta-feira, o Cardeal Raymond Burke respondeu àqueles dentro da Igreja que estão criticando a ele e a outros três cardeais por pedirem esclarecimentos morais sobre Amoris Laetitia. Ele afirmou que os cardeais não estão criando divisão, mas “abordando” a divisão já existente dentro da Igreja. Ele também insiste que ele “nunca” fará parte de um cisma por defender a Fé Católica, e que ataques contra o matrimônio desestabilizam a Igreja e a sociedade.

5022cardinalbur_00000004739

Cardeal Burke e Dom Athanasius Schneider na Marcha pela Vida, em Roma, 8 de maio de 2016.

Burke diretamente respondeu às afirmações feitas pelos colaboradores próximos do Papa, padre Antonio Spadaro e Cardeal Cristoph Schönborn, sobre Amoris Laetitia. Em particular, ele se referiu à declaração de Spadaro de que o Papa Francisco já respondeu ao dúbia dos quatro cardeais ao aprovar as diretrizes lançadas pelos bispos de Buenos Aires, que permitiram a Comunhão a divorciados recasados. Burke também respondeu à afirmação do Papa Francisco de que pessoas que são excessivamente “rígidas” quanto à defesa da doutrina sofrem de um tipo de “condição”.

Respondendo à afirmação de Spadaro de que Burke e os outros três cardeais estão tentando “potencializar” a divisão e tensão na Igreja, Burke disse, “de fato, estamos tentando tratar da divisão que já está muito potencializada, para usar a expressão dele”.

“Somente quando essas questões, que foram apresentadas segundo a maneira tradicional de resolver questões na Igreja, e que têm relação com matérias muito sérias, somente quando essas questões forem adequadamente respondidas a divisão será dissipada”, afirmou Burke. “Porém, como está acontecendo agora, na medida em que isso continuar, a divisão somente crescerá e, é claro, o fruto da divisão é o erro. E aqui estamos falando sobre a salvação das almas, pessoas levadas a erro em matérias que têm a ver com a sua salvação eterna. Então, o padre Spadaro está muitíssimo errado nessa afirmação”.

Burke declarou estar “muitíssimo ofendido” pela recente afirmação de padre Spadaro de que o Papa Francisco não responde a questões “binárias”.

“É o papel do papa, como pastor da Igreja universal, como guardião da unidade dos bispos e de todo o Corpo de Cristo, responder a essas questões”, disse Burke. “Sugerir que fazer essas questões é sinal de falta de sinceridade é profundamente ofensivo. Posso assegurar que, por mim, e conheço os outros cardeais envolvidos, nós nunca levantaríamos questões a menos que tivéssemos a mais profunda e sincera preocupação pela própria Igreja e por cada um dos fiéis”.

O Papa Francisco “deu sua própria opinião” sobre a Comunhão a divorciados recasados, mas “a questão só pode ser respondida em termos do que a Igreja sempre ensinou e praticou”, declarou Burke. “Não é uma questão de… alguma ideia especulativa que eu possa ter sobre como abordar essas questões, mas de como Cristo em sua Igreja trata essas questões?…. até que se dê essa resposta, nós permanecemos em um estado de confusão”.

Burke e Arroyo discutiram as aparentes incompatibilidades de Amoris Laetitia com trechos da exortação Familiaris Consortio do Papa S. João Paulo II e a afirmação de Schönborn de que se trata de uma “evolução” do ensinamento da Igreja.

“Não se pode ter um amadurecimento de um ensinamento que é uma ruptura com o próprio ensinamento, que é um rompimento com esse ensinamento”, disse Burke. “As afirmações do Cardeal Schönborn a esse respeito não refletem o que se chama de desenvolvimento doutrinal – em outras palavras, através da reflexão da Igreja ela aprofunda sua apreciação de um ensinamento e ajuda os fiéis a praticar esse ensinamento. Neste caso, trata-se de uma completa ruptura com o ensinamento da Igreja, um completo distanciamento em relação ao que a Igreja sempre ensinou e praticou. Um amadurecimento é algo orgânico, onde se vê que aquilo que a Igreja vem ensinando sobre o matrimônio agora é expresso com maior plenitude”.

Burke denunciou a “politização da Igreja” que ocorreu com os ataques aos quatro cardeais, através dos meios de comunicação, realizados pelos defensores de um relaxamento na prática da Igreja. Essa “politização” é “muito aumentada por todas essas formas de intervenção midiática, é muito prejudicial e estão causando um grande dano ao bem comum na Igreja”, afirmou.

“Eu percebo que um espírito mundano, um espírito terreno entrou na Igreja, que divide seus membros em vários campos: liberais e conservadores”, disse Burke, sendo esses últimos “os ‘fundamentalistas’, como alguns adoram aqueles de nós que estamos lutando para defender o ensinamento constante da Igreja”.

Burke também respondeu à recente entrevista de Dom Athanasius Schneider na qual ele explicou a “estranha forma de cisma” que se dá hoje na Igreja. Schneider enfatizou como “muitos eclesiásticos guardam uma unidade formal com o Papa, por vezes, para o bem de suas próprias carreiras e por uma espécie de papolatria”, mas, “ao mesmo tempo, romperam os laços com Cristo, a Verdade, e com Cristo, a verdadeira cabeça da Igreja”. Fizeram-no ao negar a verdade do matrimônio e ao aderir “a um evangelho da liberdade sexual” que rompe com o sexto mandamento, afirmou.

Burke falou do assunto na mesma linha de Schneider, explicando que os que defendem o ensinamento perene da Igreja são o contrário dos cismáticos.

“De minha parte, nunca serei parte de um cisma”, disse Burke. “Sou Católico Romano e defender a Fé Católica Romana não é a causa de me separar da Igreja. E, então, eu simplesmente pretendo continuar a defender a Fé por amor a Nosso Senhor e por seu Corpo Místico, por meus irmãos e irmãs na Igreja, e creio que os outros cardeais têm o mesmo espírito”.

Quando Arroyo questionou Burke sobre as afirmações do Papa Francisco de que pessoas que estão “meio que presas em sua ‘rigidez’ quanto a doutrina e, por outro lado…, sofrem de uma compulsão ou condição”, o Cardeal afirmou que os dúbia “não são reações de pessoas que sofrem de desordens emocionais”.

“Nossa apresentação de cinco perguntas é feita com grande serenidade e respeito”, disse. “Estarmos profundamente preocupados com a verdade da doutrina da Fé e sua integridade não é sinal de enfermidade”.

10 Comentários to “Cardeal Burke defende signatários de ‘dubia’ em entrevista bombástica à EWTN.”

  1. Muito bom! sensato.

  2. E o Magistério vivo??

  3. Perfeito!

    “de fato, estamos tentando tratar da divisão que já está muito potencializada, para usar a expressão dele”.

  4. Os quatro cardeais apelaram ao “princípio de não-contradição”, quer dizer: ninguém pode estar sentado e de pé AO MESMO TEMPO, nem querer conciliar o Magistério da Igreja até Bento XVI com a doutrina alcoviteira de Kasper/Bergoglio. Por outras palavras: não se pode dizer que o matrimônio é indissolúvel, mas, ao mesmo tempo, segundo certo “juízo pastoral”, dizer, ensinar e agir como se ele não o fosse… “Pastoralmente”, e não só, isso equivaleria a reconhecer a paridade de condição e, portanto, de direitos, entre o sacramento e o concubinato adúltero.

    Causa nojo, portanto, a cara de pau com que a maior parte do clero tem tratado desse problema. Está tudo tão enfermiço e moralmente necrosado que até mesmo os que discordam do Decâmeron de Bergoglio se escondem na moita da covardia, dando gritinhos e grunhidinhos como garotinhas de maria-chiquinha que tremem de medo de lobo mau argentino e de outras nacionalidades.

    Sejam homens ou pelo menos finjam que são. Os cardeais precisam de apoio público e sonoro.
    Ou, como dizia Mons. Lefebvre: “faça o que é certo e não se preocupe com o resultado”!

    Amém.

  5. DÚVIDA

    A “Correção Formal” dos cardeais terá algum efeito prático caso o Papa a rechace?

  6. “Respondendo à afirmação de Spadaro de que Burke e os outros três cardeais estão tentando “potencializar” a divisão e tensão na Igreja, Burke disse, “de fato, estamos tentando tratar da divisão que já está muito potencializada, para usar a expressão dele”.
    O comportamento de Spadaro é tipicamente esquerdóide, na avidez de se defenderem a qualquer custo, “chamam os outros do que são e acusam os outros do que fazem”, ou seja, comportam-se esses como cismáticos e divisionistas, porém acusam os outros de os serem; no entanto, é bom frisar que esse comportamento está muito suspeito, fartamente conhecido esse falsario esquema, para não o intitular de “manjado”!
    Recordemos aqui para se ter ideia quem seriam os cismáticos, avalizando o abaixo, da “confissão sem confissão”:
    … *”Quarta Feira de Cinzas pp., num sermão aos missionarios da Misericordia durante a missa em que receberam seu “mandato”, em que inclui “faculdades de absolver certos pecados reservados à S Sé (dos quais podem ser todos absolvidos por qualquer sacerdote paroquial), dito aos missionarios – incrivelmente que a essa altura não surpreende – que devem oferecer a absolvição incluindo-se aos penitentes que estão muito envergonhados como falarem e não expressaram nenhum propósito firme de emenda porque pretendem voltar a pecar”…
    *Christopher A Ferrara – CFNews. 17/03/16.
    CC: §1456: “A declaração dos pecados ao sacerdote constitui uma parte essencial do sacramento da penitência: “Os penitentes devem, na confissão, enumerar todos os pecados mortais de que têm consciência depois de examinar-se seriamente, mesmo que esses pecados sejam muito secretos e tenham sido cometidos somente contra os dois últimos preceitos do decálogo (Cf Ex 20,17; Mt 5,28.), pois, às vezes, esses pecados ferem gravemente a alma e são mais prejudiciais do que os outros que foram cometidos à vista e conhecimento de todos”.
    Quando os cristãos se esforçam para confessar todos os pecados que lhes vêm à memória, não se pode duvidar que tenham o intuito de apresentá-los todos ao perdão da misericórdia divina. Os que agem de outra forma, tentando ocultar conscientemente alguns pecados, não colocam diante da bondade divina nada que ela possa perdoar por intermédio do sacerdote. Pois, “se o doente tem vergonha de mostrar sua ferida ao médico, a medicina não pode curar aquilo que ignora”.

  7. O Cardeal Burke e o Bispo Schneider são os baluartes da Fé nesses tempos tempestuosos e negros que atravessamos na Igreja Romana. Bergoglio e sua turma tropa de choque estão a toda usando todos os meios, inclusive a pirotecnia midiática a seu favor. Mas será debalde. Deus não se sujeita à criatura. Como um corpo morto que vai necrosando à medida que avança o tempo, o governo nefasto de Jorge Bergoglio está em estado adiantado de putrefação. Ele já não convence mais ninguém, a não ser os incautos e alienados que entram em transe ao respirar o incenso que se alastra pelos turíbulos do modernismo diabólico que sufoca a Igreja. Não tenhamos dúvidas, os nossos prelados corajosos enfrentarão nebulosos momentos a partir de agora. Eles serão alvos de toda sorte de ataques e retaliações que emanarão dos palácios vaticanos sob o tacão do argentino. Como num tango mal dançado, os que hoje estão no governo da Igreja cairão feio num escorregão, quando Deus assim quiser. São tempo de provação num mundo paganizado e averso á mensagem cristã, onde os lacaios da Serpente não se cansam de agir de maneira ostensiva e inteligente. Dentro da Igreja há infiltrados e corruptores dos fiéis, que hoje se encontram confusos e desorientados por falsos ‘pastores’ que se encastelaram em suas torres de marfim. Mas isso tudo vai mudar. Vai haver uma mudança drástica. San Gennaro que o diga!

  8. Parece que o cinismo revolucionário tomou conta da Santa Igreja, assim como tomou conta da terra de Aparecida, e agoira eles já se sentem livres para dizer as coisas de maneira mais cínica como : ”Se trata de uma evolução do ensinamento da Igreja” ou “O Papa Francisco não responde a questões binárias”.
    Mas diferente do Brasil, lá haviam homens que não se calaram, e enfrentaram de frente os cínicos, o que mostra que ainda existem homens com coragem neste mundo e que seguem a Jesus.

    Dominus Salvator noster est

  9. Já escrevia o pe Tam FFSPX em 1993:
    (…)
    Una ruptura en el mismo interior de la Iglesia Conciliar – porque el frente modernista no es uniforme: aun manteniendo una unidad disciplinaria, está muy dividido en el plano doctrinal. Se asistirá a la formación de una iglesia católico-liberal y de otra católico-progresista.
    http://www.marcel-lefebvre-tam.com/pdf/spagnolo/libro_4.pdf

    O que assistimos hoje é isso.