Intolerável!

uruacu

Esta é a imagem da consagração após Missa (rito de Paulo VI) do último dia 8, solenidade da Imaculada Conceição, que deflagrou a ira do bispo de Uruaçu, Goiás, e o fez promulgar um decreto pomposo, afetando ortodoxia e erudição contra “qualquer tipo de Consagração a Nossa Senhora que fomente manifestações contrárias à reta praxe cristã”.

Essa é a hipocrisia dos novos fariseus que fustigam os simples e devotos fiéis e fingem não ver a trave nos seus próprios olhos.

Nosso blog permanece em recesso.

Anúncios

17 Comentários to “Intolerável!”

  1. O Decreto carece de matéria grave, logo é nulo!

  2. Está certíssimo o bispo! Parem de falar mal deste homem piedoso! Para lhes ensinar, deixo em anexo um vídeo demonstrando uma legítima manifestação da reta praxe cristã, a verdadeira devoção à Nossa Senhora que está, esta sim, alinhada com os dois mil anos de culto à Santíssima Virgem, manifestação de ortodoxia para lhes servir de lição!

  3. Salve Maria.

    Para começar o título em latim está errado:
    “VERUM ET AUTHENTICUM CULTUM BEATAM MARIAM SEMPER VIRGINEM ”
    o correto seria:
    “SUPER VERUM ET AUTHENTICUM CULTUM BEATAE SEMPER VIRGINIS MARIAE”

  4. Uma das contradições desse decreto e do bispo está no fato de que o mesmo bispo que emite um Decreto contra “qualquer tipo de Consagração a Nossa Senhora que fomente manifestações contrárias à reta praxe cristã”, apoia a MISSA SERTANEJA do Padre Junior Periquito em sua diocese, bem como o “apostolado” deste padre em todo país.
    http://delas.ig.com.br/comportamento/as-missas-exoticas-que-conquistam-cada-dia-mais-fieis/n1597586882460.html

    • Não sei como funciona a missa serteneja do lugar em que você se referiu, mas à culturação do povo e da região em uma missa é algo muito normal. As músicas podem sofrer influência da cultura, sem que haja uma ruptura na liturgia. Este caso da consagração já é totalmente diferente. Estão se criando um novo ritual, abrilhantando algo que não deve ser assim.

  5. Lembrando que o bispo não ataca o método monfortino de consagração; antes deseja que ele não se desvirtue com interpretações errôneas.

    Eu mesmo já ouvi difusores desta devoção ensinando que para a validade da consagração era preciso que as mulheres usassem calças, coisa que o livro (lido por mim mais de 6 vezes) não fala.

    • Ele ataca o uso do véu, das correntes e do título de “escravo” atribuido aos consagrados, TODOS PRÁTICAS PRESCRITAS PELO MÉTODO MONFORTINO. Se isso não é um ataque AO MÉTODO, então eu não sei o que poderia ser um ataque.

  6. Só um possesso para se levantar contra algo tão digno para a Santíssima Virgem Maria.

  7. É verdade…as imagens valem mais que mil palavras. Basta fazer uma busca na internet, dando o nome do misericordioso prelado (que além do latim sem pé nem cabeça ignora toscamente um tema clássico da devoção mariana) para concluir uma coisa: essa gente não convence. Muito pelo contrário.

    Motus velocior in fine: segue rápida a desintegração completa e inglória da seita carnavalesca. Vide supra o comentário de Anderson Fortaleza. Aquilo pode.

  8. Um bispo criticando o uso do véu? É isso mesmo que eu li? Então ele mandará tirar os véus das imagens de Nossa Senhora por serem inadequados? Esse ser é mesmo um bispo católico?

  9. Infelizmente os dignos prelados já não parecem mais conscientes de seus deveres de pastores, ao contrário, parecem estarem mais preocupados em ferir os conceitos tão puros dá praxis dos fiéis de hoje que amam a Cristo com tanta piedade que comungam e logo após a missa vão para a balada.
    Apóiam padres que cantam , dançam, dão selinho diante das câmeras de TV, usam calças de calboy, sem nenhum pudor.Mulheres usando véu realmente disvirtua o verdadeiro culto à Virgem Maria.,que deve achar inconveniente ver seus devotos sendo ridicularizados, por querer viver suas vidas conforme o Evangelho.
    Realmente posso me sentir segura dá salvação , já que pecado não mais existe,e quem ensina são sábios pastores.

  10. Todas as homenagens que se prestarem a N Senhora são poucas, levando em conta que jamais as apreendeu para si; ao inverso, era totalmente despreendida de si, como nos deparamos na Bodas de Caná, “Fazei tudo quanto Ele vos disser”.
    Bem que poderia como as mulheres desse mundo e dizer: aguardem, que logo darei um jeito nessa falta de vinho para vocês!
    Ela é nossa intercessora junto a Jesus, corredentora também, e sempre se colocou como serva do Senhor: “Faça-se em mim segundo a tua Palavra”.
    Nem resquicios de a devoção a ela a endeusar, pois diferentemente de todos nós, já que não possuía pecado algum, jamais se apropriou dessas homenagens por não ser contaminada com as paixões e fragilidades que nos são inerentes!
    Dessa forma, jamais vetar-lhe quaisquer homenagens por que motivos forem: ela as transfere a seu Filho, Jesus!
    Salve, Maria!

  11. Prezados Irmãos em Cristo!!!
    Vamos ter prudência em estar passando qualquer tipo de informação adiante ou até esta julgando o bispo sem sabermos o que realmente está acontecendo. Primeiro ponto a ser considerado, isto é um documento para uma Igreja Particular, uma diocese, e não se aplica ao restante do Brasil, segundo ponto não sabemos a real situação da devoção na Diocese, terceiro ponto a devoção não é dogma e nem Sacramento, não entendo por que esse estardalhaço todo, vamos rezar para que Cristo, cabeça da Igreja, nos ajude a entender que na Igreja existe uma hierarquia, que ele constituiu e peçamos a Virgem Maria, que ao seu exemplo possamos ser dóceis, obedientes e humildade, para merecermos a eternidade.

    • 1 – Não importa se é apenas uma diocese, nenhum bispo tem direito deproibir o que a Igreja aprova e permite. Aliás, é justamente por não estarmos submetidos à autoridade dessa diocese que temos a obrigação de apontar o absurdo e o erro do seu decreto.
      2 – Se há grupos sectários, que sejam apontados seus erros e que esses sejam corrigidos, mas daí a banir de forma autoritária práticas piedosas aprovadas pela Igreja, vai uma grande distância.
      3 – Não importa se não é dogma ou sacramento, é uma prática devocional particular aprovada pela Igreja a qual nenhum bispo tem autoridade para proibir.
      3 – Nenhuma hierarquia tem autoridade para proibir o que a Igreja permite.

    • …Possamos ser dóceis ao autoritarismo, obedientes à anarquia e humildes na omissão. Belo ideal de esquizofrenia “eclesial” imposta por uma hierarquia que está devastando o pouco que resta da Igreja católica.

  12. Sinal dos tempos!

  13. Li o decreto e observei que deveria ter sido revisado em alguns pontos. Para evitar mal entendidos e separações. O Paraco hoje em dia deve ter muito diálogo com alguns grupos que seguem ou querem seguir com doutrinas super ortodoxas de tradicionalistas. A respeito do uso do véu é mais uma devoção particular milenar da Igreja de Cristoa pouco obrigatória e não deve ser citada como algo a ter cuidado.