A propósito da desconcertante participação do abortista Paul Ehrlich em um evento do Vaticano.

Por Prof. João Cláudio | FratresInUnum.com

A propósito da desconcertante participação do abortista Paul Ehrlich em um evento do Vaticano, e do ainda mais assustador silêncio dos papólatras de plantão.

Stefano Gennarini, discípulo de Joseph Ratzinger, responsável pela região Veneto, na Itália, do movimento Caminho Neocatecumenal e diretor do Centro de Estudos Jurídicos do Centro para a Família e os Direitos Humanos  (C-Fam), declarou estar “chocado” com o convite, que, de fato, concede um “imprimatur moral do Vaticano ” às teses de Ehrich sobre o uso do aborto seletivo e do infanticídio como métodos de redução demográfica.

Há em ato uma indiscutível abertura do Vaticano a histerismos ambientalistas, ao relativismo moral sob várias frentes e ao pensamento neomarxista, visível em palavras, atos e silêncios de Sua Santidade, o Papa Francisco; na escolha de seus colaboradores mais próximos, nas nomeações e demissões em institutos ligados mais diretamente à proteção da vida e da família  — que agora têm uma maioria de prelados e leigos de dúbia reputação.

No Vaticano, os elementos mais heterodoxos e debochados, mantidos de rédeas curtas nos papados anteriores, estão à solta. Os que se mantêm fiéis à Igreja, ou foram já dispensados ou estão acuados. Em geral, há um clima difuso de silêncio e terror, como contraponto ao marketing da “misericórdia” e da “tolerância” que se quer vender para a mídia mainstream  para os mais desavisados.

Há em Roma um inegável processo de autodemolição da fé e da moral perenes do Catolicismo.

O que fazer?

Rezar por Roma e pelo nosso Papa. Sem dúvida. Como sempre.

Rezar para que Deus tenha compaixão da sua Igreja e afaste de nós as pragas da heresia e da apostasia.

Apontar sem medo os atentados perpetrados a dano do tesouro perene da Igreja, daquilo que não pode ser modificado em hipótese alguma: Fé e Moral. Indicar, sem receio e sem falsas subserviências, os autores sempre mais ousados e apressados desta obra demoníaca de desmantelamento da última fortaleza contra a cultura da morte, prestes a tomar conta definitivamente desta geração.

Tags:

10 Comentários to “A propósito da desconcertante participação do abortista Paul Ehrlich em um evento do Vaticano.”

  1. “Há em Roma um inegável processo de autodemolição da fé e da moral perenes do Catolicismo.

    O que fazer?

    Rezar por Roma e pelo nosso Papa. Sem dúvida. Como sempre.

    Rezar para que Deus tenha compaixão da sua Igreja e afaste de nós as pragas da heresia e da apostasia.

    Apontar sem medo os atentados perpetrados a dano do tesouro perene da Igreja, daquilo que não pode ser modificado em hipótese alguma: Fé e Moral. Indicar, sem receio e sem falsas subserviências, os autores sempre mais ousados e apressados desta obra demoníaca de desmantelamento da última fortaleza contra a cultura da morte, prestes a tomar conta definitivamente desta geração.”

    —————–

    Estudar o que nos trouxe a tal situação e concluir que o Concílio Vaticano II rejeitou a filosofia e, por conseguinte, a teologia de Santo Tomás de Aquino, substituindo-a por filósofos idealistas e existencialistas. A partir disso, começou uma guerra entre conservadores (que conservam a revolução e a dão uma aparência de normalidade) e progressistas, que concordam que a Igreja precisava evoluir e abandonar os tomistas/tradicionalistas. É a guerra prenunciada nas últimas páginas de O Reno se lança sobre o Tibre, quando se mostra como o Pe. Ratzinger, teólogo pessoal do Cardeal Frings, percebe que o Pe. Karl Rahner talvez fosse muito progressista e passaria a prestar atenção a seus próximos passos.

    Ora, como esperar que todo o clero e toda a hierarquia que aderiram à Revolução, que substituiu Deus pelo homem no centro da Liturgia e de toda a vida católica, consigam restaurar os verdadeiros princípios? Como reclamar da Amoris Laetitia, das famílias católicas com um ou dois filhos, da contracepção, quando se aceita a igualdade dos fins procriativo e unitivo do matrimônio (a procriação não é mais o FIM PRIMÁRIO)?

  2. A Santa Mãe Igreja está entregue aos infiéis. Não fosse por Deus, cairia.

  3. É conveniente notar que a todos os problemas atinentes ao Vaticano em certos tópicos acusado de traição á doutrina da Igreja, de privilegiar desafetos, até mesmo recentemente a mudança brusca de posição de D Muller com relação á A laetitia, bastante questionada à qual fizera sua releitura, acrescente-se o caos da invasão islâmica tendo tudo a ver com o afastamento da fé cristã católica.
    Aliás, de imigração muçulmana apenas propagandística – pois eles nos detestam, não vieram para cá para se submeterem às leis dos países do Ocidente que os acolhem – muito ao contrario: o mundo “pertence” (à deusa da lua) Alah, apesar de essa “religião” ter sido fundada por Maomé em 622 DC!
    “São blasfemos aqueles que dizem: Deus é o Messias, filho de Maria. Dize-lhes: Quem possuiria o mínimo poder para impedir que Deus, assim querendo, aniquilasse o Messias, filho de Maria, sua mãe e todos os que estão na terra? Só a Deus pertence o reino dos céus e da terra, e tudo quanto há entre ambos. Ele cria o que Lhe apraz, porque é Onipotente.” Alcorão. Surata, 5-17
    Note-se que sempre os muçulmanos foram protegidos por todos os países socialistas e comunistas dos quais são aliados – assim como pelos eleitores no Ocidente por elegerem os diabólicos acima, ambos seus carrascos – pois são os que os aliciam para cá por se interessarem que aqui se instale o caos total, correspondendo a erguermos contra nós mesmos o Cavalo de Troia!
    Por outro lado, os cristãos no Oriente Medio estão lançados às hienas sem nenhuma condescendencia do Ocidente desde tantos do Vaticano, além de enquanto estiverem no poder o patife Barack Obama de auspiciosa retirada pela derrota, idem Hollande e a relativista protestante A Merkel! Esses tanto poderiam interferir e pressionarem junto com outros países fora dos regimes suicidas acima no Ocidente, no entanto, são grandes inimigos e traidores da fé, do povo cristãos e de tudo quanto for atinente ao tronco judaico cristão-Igreja católica.
    O arcebispo emérito de Pompeia, D Carlo Liberati, disse recentemente que em 10 anos a Europa será islâmica por causa da “estupidez europeia, do modo de vida ateu e pagão europeu”. Ele ainda condenou a Igreja Católica por doar tanto dinheiro a imigrantes islâmicos. E falou sobre como os seminários não funcionam bem na Europa e estão vazios. E que a Itália está deixando o próprio povo pobre enquanto gasta dinheiro com imigrantes.
    Se fossem realmente imigrantes, mas seriam a vara com que o Senhor quereria vergastar merecidamente o Ocidente pela apostasia…

  4. Senhores, essa pessoa da foto (link abaixo) é uma abortista ferrenha. Clínicas de aborto, institutos etc. Se estão inventando discursos do Papa, então a Santa Sé tem obrigação de desmentir. Se não desmente, então, até prova em contrário, a fonte parece confiável. Traduzo:

    “Sobre muitas coisas não pensamos do mesmo modo, mas a estima recíproca é muito forte”, teria dito o Papa sobre ela.

    Tiveram um e outro encontro. Um encontro amigável durou mais de meia hora do qual se conhece bem pouco. (…) Bergoglio disse ao diretor del Corriere della Sera Luciano Fontana:

    “Emma Bonino é a pessoa que conhece melhor a África e ofereceu o melhor serviço à Itália para conhecer esse Continente. E há gente que me diz: mas são pessoas que pensam de forma muito diferente de nós. Eu respondo: verdade, mas paciência. Precisa olhar para as pessoas, para aquilo que fazem”.

    Aquilo que fazem???? Matar bebês?? Roma perseguiu o Cardeal Lefebvre pelo único crime de guardar a Tradição e a Fé. E esse pessoal é recebido com honras? Condecorado? Apresentado ao mundo, às mulheres como pessoas a serem estimadas? Como modelo??

    “Roma perdeu a Fé, está em apostasia” (Cardeal Lefebvre).

    Não estou dizendo que este Papa é o Anticristo.

    Mas um precursor quem não viu ainda? Ser cego não é postura de católico, ainda mais diante de tão repetidos avisos do Céu, de Santos, místicos, revelações da Virgem Maria e até membros do clero importantes que estão alertando sobre tudo isso.

    http://www.miopapa.it/il-papa-rivede-lamica-emma-bonino/

  5. Há evidências de que o próximo de Francisco será atacar a liturgia tradicional (http://www.sensusfidei.com.br/2017/01/18/um-grilo-em-santa-marta/#.WID-kuDmPqA)

    “O Papa acaba de criar uma comissão — sua típica estratégia de destruição —liderada pelo arcebispo Arthur Roche, responsável por revisar a instrução Liturgiam autenticam”

    “Quem está por trás de todas essas mudanças, segundo afirma Sandro Magister, é um amigo do Papa Francisco. […] : Andrea Grillo, um leigo casado e com dois filhos, e professor no Ateneu Santo Anselmo, em Roma.”

    “Como podemos ver em seu currículo,[http://andreagrillo.altervista.org/curriculum.html] é um personagem extremamente criativo. Mas o que causa mais temor são as suas publicações. Aqui[
    http://www.cittadellaeditrice.com/munera/lund-la-comunione-e-la-donna-vescovo-questione-ecumenica-e-questione-cattolica/%5D se pode ler o seu artigo defendendo a ordenação sacerdotal de mulheres, e um outro intitulado Oltre Pio V. La riforma liturgica nel conflitto di interpretazioni, Quiriniana, 2007 (Além de Pio V. A reforma litúrgica no conflito de interpretações). A sátira é apresentada com as seguintes palavras:

    A reforma litúrgica do Concílio Vaticano II está em risco de não ser compreendida. Vários sinais levantam dúvidas e perplexidades no corpo eclesial. Extensões da validade do “indulto” para o uso do Missal de Pio V, pedido mais amplo das línguas mortas, entrevistas desenvoltas ou superficiais com altos funcionários da Cúria Romana, rigidezes pouco justificadas — ou, pior, justificadas-— como traduções, inversões da prioridade entre mistério e disciplina.

    O objetivo que tem este ensaio é redescobrir as razões profundas que nos permitem ler a reforma litúrgica como uma passagem necessária na consciência eclesial contemporânea, nem contra nem sem Pío V, mas certamente além de Pio V.

    Nós não decidimos — desesperadamente — ser os últimos cristãos ainda fiéis a uma grande tradição (somente) antiga, reduzida à figura de um belo passado para encerrar em um museu, com ar condicionado e sistemas de segurança, mas sem vida e sem filhos.”

    “E tome mate! Este é o assessor litúrgico do Papa Francisco. Preparemo-nos, porque se esta é a opinião que Grillo tem da liturgia tradicional, podemos prever quais serão seus próximos passos. Magister afirma[http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/2017/01/11/un-despido-una-demolicion-aqui-esta-la-nueva-curia/] que será a “correção” do motu proprio Summorum Pontificum… Ou seja, termina a possibilidade de ter com toda legitimidade e legalidade a missa tradicional, tal como quis o Papa Bento XVI.”

    Obs: Apesar das ameaças de Bergolío, creio que ele não vá comprar briga com a liturgia tradicional, ele está esgotado em todos os sentidos percebe-se pelos seus sermões ,por isso, acredito que assim como a comissão para o “diaconato feminino” não deu em nada, essa comissão de liturgistas modernistas terá o mesmo destino.

  6. Os progressistas são outro tipo de protestantes. Enquanto os ditos evangélicos se fazem crer mais fiéis que os católicos, os progressistas se fazem crer melhores intérpretes das Escrituras que os católicos e transformam o amargo em doce e o doce em amargo. Para eles Jesus não é tão exigente e nem o diabo é tão assustador.
    Não foi a própria Mãe de Jesus que disse que Roma perderia a fé e seria sede do anticristo?
    Conforme analisou o prof. Roberto de Mattei sobre o esdrúxulo “Fiat Lux”, a projeção do fundo do mar representou o rio silencioso que corria nos subsolo de Roma durante décadas, emergiu e inundou a cidade a luz do dia.
    E como não falar em cisma se presenciamos realidades e representantes distintos na Igreja? Uma é a de Cristo, com valores inegociáveis, de caminho estreito, que exige renuncias e que pratiquemos os mandamentos para que Cristo, único Senhor seja conhecido e amado; a outra é a dos 50 tons de cinza que tem por finalidade servir o homem (vide bula da misericórdia), na qual nem tudo é preto ou branco, que não tem qualquer coisa de rígido, já que não se pode colocar o peso de tamanha responsabilidade sobre pessoas limitadas (ou seja todos nós), se reverencia qualquer divindade e o que importa é o consenso em nome da paz.
    Peçamos o triunfo do Imaculado Coração.

  7. Enquanto conserva silêncio absoluto proposital diante do importantíssimo pedido de esclarecimento dos cardeais dos “dubia” e de diversos outros pastores, Francisco prepara terreno para novas rupturas heréticas:

    1) uma “interpretação eclesial comum da Igreja, da Eucaristia e do ministério eclesial” entre luteranos e católicos (além da “comunhão eucarística” em comum, talvez “missas” em comum, suponho), intento que está aos cuidados de uma Comissão de diálogo luterano-católica da Finlândia, conforme ele declarou nesta quinta-feira 19/01 em audiência a uma delegação luterana presente no Vaticano (nessa mesma ocasião, ele afirmou, recordando o encontro de Lund em outubro passado: “a intenção de Martinho Lutero, quinhentos anos atrás, era a de renovar a Igreja, não de dividi-la”.

    2) Talvez um “ministério ordenado” diaconal para mulheres, e padres casados, a começar sob um pseudo-ad-experimentum na Amazônia, o que pode estar implícito na intenção do foco “discernimento vocacional” do próximo sínodo (sobre “Juventude, fé e discernimento vocacional”).

    Na cúria, especialmente em departamentos importantes, como a CDF e a Congreg. para o Culto Divino, o papa (putativo?) tem feito vários desmandos, sob a ditadura da “misericórdia”. Deus se apiede de nós e nos livre do mal infiltrado e cada vez mais disseminado.

  8. Estamos vivendo em uma Era onde a calúnia, a difamação e a injúria são a regra para as pessoas boas, para as que são más só recebem elogios, exaltação e enaltecimentos.
    Sempre ocorre de estar falando com alguém e esta pessoa estar caluniando, difamando ou injuriando uma pessoa indevidamente. Quando questiono quanto a fonte da informação ou apresento informações que contestam aquelas que ele estava divulgando imediatamente se forma aquela face de afetação ao invés de um constrangimento (e eu nem faço questão da pessoa ser grata por eu tê-la corrigida porque aí seria querer demais). É como se estivéssemos cortando o barato delas, se imputar falsas ações ou qualificações a alguém não fosse nada demais (ou então depende da pessoa a quem estas qualificações estão sendo imputadas).
    Eu acredito que aí esteja a raiz de todos os males hoje em dia, o pecar contra o oitavo mandamento e não acredito que será revertido. Os bons vão ser cada vez mais perseguidos e os maus mais exaltados (pelo visto até mesmo pelo papa).

    • Antes que alguém diga alguma coisa, eu sei, é claro, o principal é o primeiro mandamento é o principal pois é a própria Verdade, e se estamos faltando com a verdade estamos pecando contra Deus. Mas o oitavo mandamento fica muito evidente.