Burke despachado para o outro lado do mundo – Artigo do New York Times.

O Cardeal Burke foi enviado à Ilha de Guam para investigar um suposto caso de abuso sexual. Aos “normalistas”, trata-se de uma missão como qualquer outra atribuída a um cardeal. Aos bem informados em Roma, embora designado para o caso em outubro passado, a viagem sem prazo de volta, ocorrida neste exato momento, é uma manobra claríssima para retirar Burke da Cidade Eterna enquanto se “reorganiza” a Ordem de Malta, onde sua cabeça como capelão está em jogo.

Por The New York Times | Tradução: FratresInUnum.com

CIDADE DO VATICANO – O Vaticano enviou o conservador cardeal Raymond Burke à ilha de de Guam no Pacífico para investigar um importante caso de abuso sexual, despachando assim o notável jurista que colidiu repetidamente com o papa Francisco, para uma delicada missão do outro lado do mundo.

De acordo com o Google a distância entre Roma e Guam é de 12.155km.

De acordo com o Google a distância entre Roma e Guam é de 12.155km.

 

A Congregação para a Doutrina da Fé no Vaticano, em outubro passado, nomeou Burke como juiz para presidir o julgamento do arcebispo de Guam, Anthony Apuron, que enfrenta múltiplas denúncias de abuso sexual de coroinhas durante a década de 1970. Foi o que informou a assessoria de imprensa do Vaticano nesta quarta-feira. Apuron negou todas as acusações e não foi criminalmente processado.

Burke, o americano sediado em Roma, deverá entrevistar um ex-coroinha em Guam, na quinta-feira, que diz ter sido abusado sexualmente por Apuron, segundo informação do Pacific Daily News. Essas missões especiais não são incomuns para os cardeais e as entrevistas com as testemunhas são uma parte fundamental de qualquer julgamento canônico.

Os sobreviventes de abuso clerical, no entanto, há muito tempo criticaram o histórico de Burke como arcebispo nos EUA, pelo tratamento dado por ele aos casos de padres abusivos. Burke disse que cada ato de abuso do clero é um “mal grave”. Mas ele também culpou o clero gay pela crise de abuso sexual na Igreja, dizendo que os padres “que eram feminizados e confusos sobre sua própria identidade sexual” foram os que molestaram crianças.

Burke, um advogado canônico de ponta, liderou a Suprema Corte do Vaticano até 2014, quando Francisco o removeu e o nomeou como patrono da Ordem dos Cavaleiros de Malta. Francisco o afastou recentemente daquela posição depois que Burke se viu envolvido na expulsão problemática de um cavaleiro sênior.

A defesa da Doutrina da Igreja por parte de Burke transformou-o em um herói para Católicos conservadores e tradicionalistas descontentes com a prioridade que Francisco dá `a misericórdia em prejuízo da moral. Ele é um dos quatro cardeais que pediu a Francisco para esclarecer sua abertura controversa para católicos divorciados e casados novamente no civil receberem a Comunhão.

12 Comentários to “Burke despachado para o outro lado do mundo – Artigo do New York Times.”

  1. Evitemos a desinformação maliciosa. O Cardeal Burke está participando de uma série de eventos nos Estados Unidos nos últimos dias. Não há nenhum exílio. Além do mais, de qualquer lugar do mundo em que ele estiver, pode usar os mais variados meios de comunicação para seu apostolado.

    Confiram:

    https://www.lifesitenews.com/news/no-stopping-cardinal-burke-during-busy-u.s.-visit-that-culminates-with-whit

    • A informação foi confirmada pela Sala de Imprensa da Santa Sé. O artigo seguinte dá detalhes e fala que a viagem de Burke está sendo interrompida para o compromisso em Guam ainda nesta semana: http://www.onepeterfive.com/rumors-news-cardinal-burke-sent-guam/

    • O esclarecimento de Sr. Ferretti mostra-se oportuno e dissipa a desinformação postada acima, esta sim para confundir os incautos, pois usa a fonte que é a autorizada: a Sala Stampa.
      Ademais, é preciso uma dose ponderável de ingenuidade para acreditar em mera “coincidência”. Está certa a informação e a insinuação do NYT.
      Ferretti, parabéns! Na mosca, não dá motivo para controvérsia.

  2. Evidente que, quanto mais distante de Roma D Burke estiver, melhor será para os incomodados com sua presença, embora devido aos avanços tecnológicos na area de comunicação haja possibilidade de se manter tão bem informado e ligado com os outros cardeais.
    Nem por isso certamente mudará seus rumos de obter as respostas às dubia, continuar em defesa da doutrina tradicional da Igreja em patente confronto com os progressistas que são os modernistas.
    Por outro lado e, fosse o caso, procuraria-se mantê-lo sempre ocupado após essa missão, de forma que lhe sobrasse pouco tempo para se dedicar à questão em que está mais enfocado e, com isso – quem sabe esvaziariam ou mitigariam seu assedio?

  3. “…padres que eram feminizados e confusos sobre sua própria identidade sexual foram os que molestaram crianças”, disse o Cardeal. Ora, sinceramente, e alguém duvida disso, já que falamos principalmente de abusos de meninos? Mas não se pode defender isso abertamente, pois tem a maldita questão do politicamente correto.

  4. Determinar ao Cardeal Burke que interrompa a sua viagem e cancele os compromissos agendados nos EUA e retorne imediatamente a Roma para ser enviado para uma ilha perdida no meio do Oceano Pacífico sob o pretexto de investigar um caso de pedofilia, não deixa dúvidas, tem conotação de punição sim! Há que se investigar, mas a forma e o momento tem conotação de represália; Certamente o eminente cardeal vai acatar a ordem com humildade.

    “Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de mim.
    Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós.
    Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens.
    Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha” (São Mateus, 5:11 a 14)

  5. Parece normal. Ninguém comissionaria um Diácono para interrogar um Arcebispo. Além disso, sendo canonista, e muito mais que isso, sendo (ainda) Cardeal, Burke fará um bom trabalho.

    • É mesmo? Então, por que Sua Santidade não o manteve no Supremo Tribunal da Nunciatura Apostólica? Tirou-se um canonista para colocar uma diplomata no órgão de jurisdição máxima da Igreja, você acha isso normal?

  6. Então tá! Despacharam o Burke para o fim do mundo e deixam o “Côco Palmeiras”, respondendo a Dubia e dizendo que casais em adultério que “não conseguem guardar a castidade” podem sim comungar!
    Notem bem que nem é o Prefeito da Congregação pra Doutrina da Fé que foi encarregado da tarefa, mas sim um prefeito do Conselho Pontificio pra textos legislativos. Em suma, Bergoglio, O Omisso, mais uma vez se abstém do dever de confirmar os irmãos na fé ( se é que ele tem alguma autoridade pra isso!) e passa a bola pra um subalterno.
    E aí está a confusão instaurada: Jesus diz uma coisa sobre adultério e pecado mortal, a Igreja confirma isso por mais de 2000 anos e vem a dobradinha herética Kasper-Bergoglio e mandam os lacaios dizerem que o que não tem remédio, remediado está. Se dois adúlteros não querem se separar e não conseguem ficar sem sexo, então que entrem na fila da Comunhão assim mesmo!
    Enfim, Burke acaba de chegar ao exílio como mostra a foto de um correspondente do Vaticano. Certamente esse caso vai ser daqueles, tipo “justiça brasileira”, onde um processo corre por anos…até a prática da Comunhão em adultério e a Comunhão compartilhada com os hereges luteranos não suscitar mais nenhum escândalo entre os católicos mornos.
    Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?

  7. A movimentação dos altos prelados pode prenunciar sua ascensão ou queda. Astana está muito longe, no distante Cazaquistão. Poucos brasileiros sabem apontar exatamente onde fica. Mas o seu bispo auxiliar, Dom Atanásio Schneider, viaja por todo o mundo a toda hora. Não será surpresa para mim quando o chapéu de cardeal coroe sua bem-sucedida carreira eclesiástica.
    .
    Muito se comenta sobre o cardeal Burke. No mesmo tom, só vi falarem, nos últimos vinte anos, a respeito de Joseph Ratzinger, cardeal prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, e depois Papa. Como vivemos na Era do Caos, é difícil fazer um prognóstico infalível, pois todas as idas ficam sujeitas a voltas, reviravoltas e contravoltas. Talvez me digam que é puro “wishful thinking”. Pois bem: prepara-se, ouso dizer, a próxima subida ao trono pontifício de Burke.
    .
    Se não for isso, o Papa Francisco implementa toda a sua agenda revolucionária e demolidora e os corações católicos terão muito mais ainda que sofrer. E a Esposa de Cristo, maquiada, desfigurada, não terá outro brilho e beleza senão o que acumulou em seu passado glorioso. Se Cirene entrou para a história por causa de Simão que ajudou Cristo a carregar a Cruz, Guam, na Micronésia, terá sua notoriedade como sepulcro do Cardeal Burke. Miserere nobis, Domine!

  8. Sua Eminência cardeal Burke está aguardando algum “martírio” ou irá cumprir o que prometeu: a Correção Formal para depois do Natal de 2016?

  9. É bom mesmo que Sua Santidade afaste os bons da Cidade Eterna; assim, quando a ira divina se precipitar sobre a Roma, não sobrará um capanga do bando chefiado por Bergoglio.