Apague a luz o último a sair.

Benção de cardeal a desfile de escola de samba com imagem de Nossa Senhora Aparecida continua rendendo desligamentos na Ujucasp. 

Por Catarina Maria B. de Almeida | FratresInUnum.com

A sangria na União dos Juristas Católicos de São Paulo – Ujucasp, decorrente da benção de Dom Odilo Scherer ao desfile de carnaval em “homenagem” a Nossa Senhora Aparecida, parece não ter fim.

apagueDepois das saídas de Dr. Ricardo Dip e Dr. Edson Sampel, ontem, desligou-se da entidade o juiz de direito Dr. Daniel Serpentino.

Anteriormente, pela mesma razão, havia se desvinculado também o Dr. Marcelo Andrade, advogado, proeminente membro da Associação Cultural Montfort, em cujo site estão diversas vídeo-aulas por ele proferidas.

Saída essa ainda mais significativa, uma vez que o grupo Montfort vivia, até então, em lua-de-mel com Dom Odilo, tendo recebido gestos de boa vontade do arcebispo e contado, inclusive, com sua participação em um congresso da entidade. O rompimento de tão nobre expoente da associação poderia, de certo modo, abalar essa relação. O temor de que isso ocorresse poderia explicar a tímida manifestação da Montfort acerca do assunto, tendo o Dr. Marcelo que publicar artigo muito mais contundente em outro veículo.

Outros membros da União dos Juristas manifestaram formalmente seu descontentamento com o ato de Dom Odilo, Moderador da entidade, porém, preferiram não se desligar.

Por sua vez, o presidente da Ujucasp, o respeitado Dr. Ives Gandra da Silva Martins, saiu em defesa do Cardeal de São Paulo e tentou vetar a discussão da questão entre as fileiras da Ujucasp, o que acirrou ainda mais os ânimos.

Espera-se que outros membros ainda formalizem seu desligamento, enquanto se cogita a criação de outra associação de juristas católicos para representar os resignatários.

Anúncios

6 Comentários to “Apague a luz o último a sair.”

  1. Ideal seria que D Odilo e mais avalistas desse ultraje a N Senhora Aparecida se envergonhassem e se retraíssem doravante de apoiarem grupos anti cristãos, como os carnavalescos, regados também com recursos públicos, tendo em vista alienar esse mesmo povo que acaba por cair no canto da sereia – conspira contra si mesmo ao prestigiar um dos tentáculos da Besta, o carnaval, o qual visa aliená-lo à fé cristã – também promovido por governos caóticos pois, quanto mais anarquia e baderna, melhor para as ideologias!
    “Aferra-te à instrução, não a soltes, guarda-a, porque ela é tua vida. Na estrada dos ímpios não te embrenhes, não sigas pelo caminho dos maus. Evita-o, não passes por ele, desvia-te e toma outro, Porque eles não dormiriam sem antes haverem praticado o mal, não conciliariam o sono se não tivessem feito cair alguém, tanto mais que a maldade é o pão que comem e a violência, o vinho que bebem. Sal 4 13-17.

  2. Eu gostaria de saber se todos esses digníssimos membros que vão abandonando a associação se manifestaram contra a ideia desde quando começou a ser gestada, pelos idos de 2015, conforme diz reportagem da “Vejinha” deste final de semana.

    Não vi nada contra por lá, mas também não esperava ver tendo em vista a ideologia que tomou conta daquela outrora boa e isenta revista. Mas, também não lembro de ter visto em nenhum outro lugar, aqui, por exemplo.

    Não vi uma linha daqueles doutos desautorizando o Cardeal, em que pese, segundo ele, haver conseguido o aval de outros membros do clero de Aparecida do Norte, por aclamação, à unanimidade.

    Não consta nenhum burburinho. Acicata-me e me encasqueta todo esse alarido agora.

  3. Para que serve uma entidade que congrega juristas católicos se o que o católico deve primar é pela defesa da honra de Nossa Senhora?
    Que direitos são mais fundamentais do que a honra da Mãe de Deus? Se o próprio presidente não se digna defender, para que ficar?

  4. A atitude do douto jurista Ives Gandra da Silva Martins não me surpreende. O uso do cachimbo deixa a boca torta. O longo relacionamento que teve com clientes destacados da nata da esquerda brasileira lhe dá o perfil de conciliador entre as partes, não o de defensor da honra da Virgem.

  5. A cousa que deveras encasqueta é o obediencialismo malsão que certo agremiação impõe a numerários, extranumerários, infranumerários e subnumerários. Mesmo que algum conhecido jurista e sabido frequentador daquele coetus quisesse legitimamente protestar – oh! sacrilégio inominável! – contra a chicana carnavalesca sacramentada pelo Bispo Odilo, logo viria um daqueles sisudos clérigos da escola de samba vaticano dois lembrar-lhe, digo, ao jurista, que a obediência, mesmo que depravada, é superior às três virtudes teologais.

    Por isso, insisto: um dos maiores óbices, senão o maior, à restauração da Igreja são os ditos conservadores. São eles, sempre eles, que ficam maquiando e adornando cadáveres putrefactos não obstante os miasmas e vapores que dele emanam.