Tripé de Cristo-Oxalá da Mangueira não desfila por pressão da Igreja.

Por Extra, 4 de março de 2017 – A Mangueira decidiu ontem à noite não levar para a Avenida no Desfile das Campeãs, neste sábado, uma das alegorias mais marcantes do carnaval: o tripé “Santo e orixá”, que trazia de um lado a imagem de Jesus Cristo e, de outro, a de Oxalá. A Arquidiocese do Rio de Janeiro externou para a Liga Independente das Escolas de Samba seu incômodo com a imagem, e a entidade sugeriu à Verde e Rosa que ela não fosse levada para a Sapucaí. Por regulamento, cada escola tem o direito de não levar uma alegoria para o Sábado das Campeãs, sem punição.

Integrantes da Arquidiocese visitaram o barracão da Mangueira antes do carnaval, para entender o enredo “Só com a ajuda do santo”. Como o desfile trataria da religiosidade do povo brasileiro, a Igreja fez questão de conhecer o projeto, para saber como seria abordado o tema e de que forma apareceriam as imagens. Mas o tripé não estava entre as alegorias que foram apresentadas.

— Queremos manter o bom convívio com a Igreja. Se eles se sentiram desconfortáveis com isso, é natural que a escola decida não desfilar com ele novamente — diz o presidente da Liesa, Jorge Castanheira.

O elemento alegórico, giratório, trata do sincretismo religioso, trazendo o Senhor do Bonfim, venerado sob a imagem do Nosso Senhor Jesus Cristo em ascensão, e Oxalá, orixá associado à criação do mundo. No desfile, ele veio ladeado pela ala “A lavagem do Bonfim”, que venceu o Estandarte de Ouro. A criação é do carnavalesco Leandro Vieira, que renovou ontem seu contrato com a Mangueira para mais um carnaval. Nesta madrugada aconteceu o transporte das alegorias para o Sambódromo, e o tripé ficou no barracão.

tripecristo

De um lado a imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo. Foto: Agência O Globo

— Lamento essa decisão, porque foi uma das imagens mais bonitas do ano. Mas os presidentes da Mangueira e da Liesa chegaram a um acordo, para evitar polêmicas — disse o carnavalesco Leandro Vieira, resignado.

tripecristo2

Do outro lado do tripé, aparece Oxalá, orixá associado à criação do mundo Foto: Agência O Globo

O embate entre Igreja e carnaval é antigo. Em 1989, no caso mais emblemático, a Beija-Flor foi impedida de levar o Cristo Mendigo de Joãosinho Trinta para a Avenida. Ele desfilou coberto com um plástico preto, com a inscrição: “Mesmo proibido, olhai por nós”. Desde então, a relação havia melhorado, especialmente após a entrada do Cardeal Dom Orani Tempesta na Arquidiocese, com diversas imagens de santos passando pela Avenida.

5 Comentários to “Tripé de Cristo-Oxalá da Mangueira não desfila por pressão da Igreja.”

  1. A desastrada permissão de desfilarem símbolos católicos na orgia denominada carnaval é um gravíssimo achaque à fé católica, procedimento muito mais patife se quando provier de eminentes autoridades religiosas que deveriam as primeiras, não só de as desestimularem, assim como tentarem obstruir quaisquer tentativas dessa transgressão!
    As esquerdas dentro da Igreja, por certo, teriam-nas apreciado ou teriam incentivado, pois certamente seria mais um dos fronts para relativizarem a fé católica, desviarem a todos dela e nivelarem seus símbolos externos ao folclore!
    Sentindo-se à vontade, sem serem interpelados, os promotores desses desvios nos próximos partiriam para focarem sob outros ângulos, nos mesmos objetivos acima, de formas cada vez mais ousadas!
    De nossa parte, denunciarmos, cobrarmos com rigidez dos responsaveis, exigindo até retratação desses fautores e boicotando-lhes as celebrações para vermos se acordam!
    “Ensinarão meu povo a distinguir o sagrado do profano, a discernir o que é imundo do que é puro”. Ez 44,23.

  2. Mas continuou havendo Porta-Bandeira de NSa Aparecida e várias alaa com imagens sacras. Ou seja, diante do ocorrido, a arquidiocese apenas é contrária ao sincretismo, e, já que visitou os barracões, tacitamente deu seu aval. Fora o sinal da cruz que fazia parte dancoreografia da Grande Rio. O certo era entrar com ação para impedir qq referência a fé católica, das imagens aos ritos, fosse usada no carnaval. Depois disso tudo, ainda tem gente que acha inadequado imagens em órgãos públicos.

  3. No dia 15 de fevereiro de 1926, Jesus apareceu à Irmã Lúcia e perguntou se ela já havia espalhado a devoção à sua Santíssima Mãe. A Irmã Lúcia então quis saber o motivo da devoção dos cinco primeiros sábados. Ao que Jesus respondeu:

    Minha filha, o motivo é simples: são cinco as espécies de ofensas e blasfêmias proferidas contra o Imaculado Coração de Maria.

    1ª. As blasfêmias contra a Imaculada Conceição;
    2ª. Contra a sua virgindade;
    3ª. Contra a maternidade divina, recusando, ao mesmo tempo, recebê-La como Mãe dos homens;
    4ª. Os que procuram publicamente infundir, nos corações das crianças, a indiferença, o desprezo, e até o ódio para com esta Imaculada Mãe;
    5ª. Os que A ultrajam diretamente nas Suas sagradas imagens”.

    (Cfr. Memórias e Cartas da Irmã Lúcia, Porto, 1973).

    1- Ora, blasfêmias contra a sua Imaculada Conceição já não são mais prerrogativas de pagãos e hereges protestantes! Quando vemos padres e até bispos pregando que Maria era uma mulher como outra qualquer, usando músicas profanas para homenageá-la em missas de caráter duvidoso, tá explicado pelo próprio Cristo como isso ofende o Imaculado Coração de Maria.

    2- As ofensas contra sua virgindade já ouvimos à exaustão: que Maria teve outros filhos, que a virgindade de Maria foi inventada pela Igreja para coibir a liberdade sexul da mulher, críticas às aparições de Lourdes…etc.

    3- Contra a sua maternidade divina, ou seja a negação da divindade do próprio Cristo. Mas se pensam que isso ficou lá no tempo da heresia ariana estão enganados! A famigerada teologia da libertação é uma das que mais negam a divindade de Cristo em nossos dias.

    4- Estamos assistindo ao vivo e à cores a quarta blasfêmia contra o Imaculado Coração de Maria, ou seja a destruição da família. Destruindo-se o modelo nuclear de família, onde as crianças irão se espelhar pra saber a diferença entre um pai e uma mãe? Se já não conseguem discernir sequer a diferença entre um pai e mãe terrenos, que dirá o Pai e a Mãe celeste!

    5- Finalmente chegamos ao ponto que está sendo discutido nesse post: a blasfêmia dos que ultrajam Maria em suas imagens sagradas. Acham mesmo que Nossa Senhora está feliz em ver a imagem de seu Filho Crucificado, desfilando em uma orgia que promove todos os pecados que foram motivos do seu suplício e morte na cruz? Acham mesmo que colocar a imagem da padroeira em um sambódromo é alguma homenagem à Maria?

    Tenho certeza que Jesus olha para esses carnavalescos com o mesmo olhar que dirigiu aos seus algozes do alto da cruz:
    _ Pai, perdoai-lhes porque eles não sabem o que fazem!
    E não sabem mesmo! Mas quanto a esses bispos e padres que compactuam com essa palhaçada, eu não tenho a menor dúvida de que o juízo será severo, como bem descreve o profeta Oséias:

    “Entretanto, ninguém poderá acusar {o povo}, nem o repreender, mas eu censuro a ti, ó sacerdote.
    Tu tropeçarás em pleno dia, assim como o profeta durante a noite. Far-te-ei perecer,
    porque meu povo se perde por falta de conhecimento; por teres rejeitado a instrução, excluir-te-ei de meu sacerdócio; já que esqueceste a lei de teu Deus, também eu me esquecerei dos teus filhos”.
    Oséias 4:4-6

    O Evangelho do Primeiro Domingo da Quaresma fala claramente das tentações do demônio. E a grande tentação do sal é perder o sabor, é a tentação de uma igreja que quer parecer muito politicamente correta aos olhos do mundo.
    Cristo como homem se submeteu à tentação e venceu-a, para que ao doar o seu Espírito, toda a Igreja fosse igualmente capaz de combatê-la e vencê-la. Se já não o faz, é porque o sal perdeu o sabor e só serve mesmo pra ser pisoteado pelo mundo.

  4. Tudo isso é programado, satanicamente programado pela congregação de satanás.

  5. Pelo menos a Arquidiocese do Rio fez alguma coisa já que a de São Paulo demonstrou apoio à essa blasfêmia.