Podem as recentes declarações do Cardeal Müller encerrar os debates a respeito da Amoris Laetitia?

Por Mathias von Gersdorff

A crítica do Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé aos quatro Cardeais que se dirigiram ao Papa Francisco com perguntas sobre a Exortação Apostólica Amoris Laetitia levou muitos a perguntarem se não estaria assim terminada a discussão a respeito do documento papal sobre a família.

Foi o que escreveu, por exemplo, Guido Horst, jornalista do Tagespost, em 9 de janeiro de 2017: “Também o debate público sobre as dubia, as dúvidas dos quatro cardeais, está terminado. Nos círculos de especialistas ele poderá continuar,  porém não serve mais como elemento de motivação.”

O tempo mostrará se essa predição está correta, ou não. Contudo, dúvidas a seu respeito são pertinentes. Por duas razoes:

Primeiro: Entrementes, algumas dioceses – e até muitas conferências episcopais – estão autorizando a comunhão para divorciados recasados, em casos individuais. Isso deveria dar-se, pelo menos teoricamente, após uma verificação cuidadosa e de um caminho penitencial. Abstraindo-se de que os bispos que assim agem estão produzindo fatos que somente poderão ser justificados através de grandes distorções na interpretação da Amoris Laetitia, essas medidas estão muito aquém daquilo que o campo dos progressistas almeja.

Antes dos dois Sínodos realizados nos outonos de 2014 e 2015, estava claro que o progressismo visava a uma total demolição da moral sexual católica. O inicio dessa demolição se daria com a admissão dos divorciados recasados, porém pretendia-se muito mais: a aceitação das parcerias homossexuais, a indiferença moral face aos preservativos, a aceitação das uniões irregulares etc.

Quanto aos divorciados recasados, eles deveriam, em via de regra, ser autorizados a receber a Comunhão, e não apenas caso por caso e depois de uma verificação acurada.

Assim, não é de admirar que as primeiras vozes críticas se façam ouvir e lamentem, a partir de seu ponto de vista, o esquálido resultado dos Sínodos. Por exemplo, a do alemão Joachim Frank, presidente da Associação de Publicitários Católicos da Alemanha (GKPD).

Segundo: A moral sexual católica é um edifício, por assim dizer, moldado de uma peça única. Dele não se podem retirar pedras sem que a construção desmorone.

Uma interpretação liberal da Amoris Laetitia conduzirá assim, forçosamente, a uma situação que deixa a moral sexual católica parecer contraditória. Por exemplo, por que os divorciados recasados estão autorizados a receber a comunhão e os que vivem em uniões livres não?  Esses últimos não estão sequer em estado de adultério.

Os progressistas e a mídia que lhes é simpática vão cuidar para que as exceções (restritivas) aos divorciados recasados sejam cada vez mais ampliadas. Mais cedo ou mais tarde serão admitidos à comunhão não somente eles, mas também outras pessoas que não seguem a moral sexual ensinada pela Igreja.

Isso levará a um imenso número de comunhões sacrílegas e ao esvaziamento da moral sexual católica.

A admissão dos divorciados recasados afeta, ademais, três sacramentos: o do matrimônio, o da penitência (confissão) e o da eucaristia. A compreensão de cada um desses três sacramentos proíbe a comunhão para pessoas que vivem em estado de pecado grave (como é o adultério).

Em resumo: se com base na Amoris Laetitia tiver início um processo de dissolução da moral sexual católica, a Igreja estará ameaçada em seus fundamentos e a Fé católica correrá grave risco.

Não é de admitir que os fiéis católicos aceitem isso pura e simplesmente.

As dúbia dos Cardeais Burke, Brandmüller, Meisner e Cafarra sobre a Amoris Laetitia são no fundo uma tentativa de afastar em seu nascedouro o perigo acima descrito, percebido possivelmente apenas por poucos. Mas, cedo ou tarde, será preciso que surja uma forte reação contra este processo de desagregação da moral sexual católica, pois do contrário a existência da Igreja Católica estaria em perigo. (Tradução do original alemão por Renato Murta de Vasconcelos).

5 Comentários to “Podem as recentes declarações do Cardeal Müller encerrar os debates a respeito da Amoris Laetitia?”

  1. Do Catecismo de São Pio X:
    538) Quais são os Sacramentos que conferem a primeira graça santificante?
    Os Sacramentos que conferem a primeira graça santificante, que nos faz amigos de Deus, são dois: Batismo e Penitência.
    539) Como se chamam, por este motivo, estes dois Sacramentos?
    Estes dois Sacramentos, isto é, o Batismo e a Penitência, chamam-se por este motivo Sacramentos de mortos, porque são instituídos principalmente para restituir a vida da graça às almas mortas pelo pecado.
    540) Quais são os Sacramentos que aumentam a graça em quem a possui?
    Os Sacramentos que aumentam a graça em quem a possui, são os outros cinco, isto é, a Confirmação, a Eucaristia, a Extrema-Unção, a Ordem e o Matrimônio, os quais conferem a graça segunda.
    541) Como se chamam, por esse motivo, estes cinco Sacramentos?
    Estes cinco Sacramentos, isto é, a Confirmação, a Eucaristia, a Extrema-Unção, a Ordem e o Matrimônio, chamam-se Sacramentos de vivos, porque aqueles que os recebem, devem estar isentos de pecado mortal, quer dizer, já vivos pela graça santificante.
    542) Que pecado comete quem recebe um Sacramento de vivos, sabendo que não está em estado de graça?
    Quem recebe um Sacramento de vivos, sabendo que não está em estado de graça, comete um grave sacrilégio.

  2. Quem supuser ao acaso que os quatro os cardeais proponentes de pedido de esclarecimento, por conseguinte, uma resposta do papa Francisco às dubia desistiram do intento, estariam se enganando, pois apenas lhe dão tempo.
    Na paroquia de S Raymundo de Peña Forte, VA, respondendo a uma pergunta numa conferencia a 24/03/17 pp, o Cardeal Leo Burke, que encabeça os questionamentos, deu a entender que nada mudou correlacionado ao que, se necessario for, passará ele os associados a correção, para que tudo se adeque à doutrina de sempre da Igreja.
    Esses acima e mais coligados, com toda razão, não aceitam nivelar e se agregar à força N Senhor Jesus Cristo-Igreja e sua doutrina com os heresiarcas Lutero e Henrique VIII com suas todas incontaveis seitas alopradas!
    Ter-se-ia uma impressão desde Roma que se desejaria protestantizar a Igreja, abafando-lhe a doutrina de sempre com sua rígida doutrina e dogmas para uma religião prêt-à-porter, como as seitas protestantes e outras paralelas pagãs, mercadorias de gôndolas de supermercados, onde v escolhe as que mais lhe convierem e atendem a todas as opções do cardapio modernista, cujo ingrediente principal é o alienante relativismo!
    http://adelantelafe.com/card-burke-reafirma-habra-correccion-formal-francisco-no-responde-las-dubia/

  3. O Cardeal Müller noutra época fez uma releitura da ‘Amoris laetitia’, li e não concordava em certos pontos, com ela.
    Como que agora vai querer tentar barrar os 4 cardeais?
    Se agir assim estaria dando testemunho contra ele mesmo.

  4. Não há menor dúvida que os 4 CARDEAIS não voltarão a trás e deixarão a DOUTRINA da Igreja jogada na lama por aqueles, ou melhor, por aquele que deveria ser o primeiro a zelar pela integridade da mesma e não o faz por querer agradar a Deus e ao diabo ao mesmo tempo, sendo “simpático” à mídia, que ademais, está fazendo, mutatis mutandis, o mesmo que fez com o Papa Bento…

    ( Pergunta do jornalista sobre se a comunhão pode ser dada a divorciados e “recasados”…)

    _ Significa que poderão comungar?

    (Resposta de Bergóglio):

    _ Esta é uma coisa… é a última. Integrar na Igreja não significa “comungar”, porque eu conheço católicos recasados que vão à igreja uma vez por ano, duas vezes: “Mas, eu quero comungar!”, como se a comunhão fosse uma honorificência, não? Um trabalho de integração… todas as portas estão abertas. Mas não se pode dizer, (…) “podem comungar”. Isto seria uma ferida também aos matrimônios, ao casal, porque não fará com que eles sigam por este caminho de integração. E estes dois eram felizes! E usaram uma expressão muito bonita: “Nós não fazemos a comunhão eucarística, mas fazemos comunhão na visita ao hospital, nisto e naquilo….”. A integração deles permaneceu ali. Se há alguma coisa a mais, o Senhor dirá a eles, mas… é um caminho, é uma estrada…”

    Bergóglio se enrolou profundamente em atacar, se propositalmente ou não a Deus pertence saber, os SACRAMENTOS da Igreja, sobretudo, o SACRAMENTO DOS SACRAMENTOS que é a SANTÍSSIMA EUCARISTIA…

    Pessimamente assessorado, com a ilusão de poder agir ainda como quando Arcebispo de Buenos Aires, usando a tonta e tola “Misericórdia” X Verdade, ou “Misericórdia”X Doutrina, que é típico da tl diabólica e asquerosa, ele está mais que enrolado…

    2017….ANO MARIANO…Pedidos da Santíssima Virgem de Fátima não atendidos há anos, tentarem ofuscar os 100 APARIÇÕES DE FÁTIMA com os 500 anos da derrocada e infeliz deforma protestante e herética do pai das heresias Lutero…

    Rezemos, e muito, porque a IGREJA singra águas revoltas e escuras…

    POR FIM MEU IMACULADO CORAÇÃO TRIUNFARÁ!!!! Ainda não triunfou…

  5. ” (…) uma tentativa de afastar em seu nascedouro o perigo acima descrito, percebido possivelmente apenas por poucos.”

    O verdadeiro perigo é sempre o mesmo, embora multiforme: desde que o diabo, lilith e a pomba-gira insuflaram na cabeça dos papas e dos bispos que todos eles poderiam sapatear em cima do Magistério, contradizendo grosseira, material e formalmente o que já fora estabelecido, o princípio mesmo da obediência ao Magistério foi arruinado e arrombado.

    Pois, se a Igreja sempre disse X e o mitrado Y – invocando obediência e acatamento religiosos – diz Z (contrário a X), então vale tudo, ou, melhor, nada mais vale.

    Por isso mesmo, os confusos burocratas oficialistas do Ecclesia Dei, não conseguindo driblar a lógica, exigem aos antiquaristas sem doutrina que os procuram que estes JAMAIS ousem contrapor um documento do Magistério (autêntico) ao outro (o putativo).

    Enfim resta constatar que essa fétida gangrena se alastra sempre mais, dada a molície, a picaretagem e falta de hombridade que grassam no clero e nos ambientes outrora católicos em geral.

    Essa gente não presta pra nada. Nem pra ser pisada como sal insosso.

    Nem o diabo as vai querer, de tão ruins e fátuas .