Histórico e exclusivo: Dom Pestana e Fátima (parte 2).

Publicamos a segunda parte da entrevista concedida por Dom Manoel Pestana Filho, bispo de Anápolis, Goiás, de 1978 a 2004, seis meses antes de seu falecimento, a Anthony Tannus Wright, de FratresInUnum.com.

Ver também: 

Histórico e exclusivo: Dom Pestana e Fátima (parte 1).

Dom Pestana: + 8 de janeiro de 2011. RIP. A última entrevista: “Enquanto a luz do sacrário estiver acesa, sabemos que Alguém nos espera”.

3 Comentários to “Histórico e exclusivo: Dom Pestana e Fátima (parte 2).”

  1. Off top.
    Gostaria de lembrar que hoje, 24 de maio, é dia de orações pela China, país onde a Igreja é fortemente perseguida.
    http://br.radiovaticana.va/news/2017/05/24/dia_de_ora%C3%A7%C3%A3o_pela_china_dom_shao_ainda_nas_m%C3%A3os_da_pol%C3%ADcia/1314490

  2. Admirável a coragem de Dom Pestana em tocar em assuntos considerados tabus para os progressistas, como o Concílio Vaticano II. Agora fazendo uma comparação da época dessa entrevista com os dias de hoje, é impressionante como as coisas estão acontecendo de uma maneira vertiginosa. O Papa Francisco está empreendendo uma revolução veloz dentro da Igreja e parece que qualquer tentativa de recuperar algo anterior ao Concílio Vaticano II está fadado ao fracasso.

  3. O Concilio Vaticano II em principio, teria deixado de lado em condenar o material-ateísta comunismo para receber os ortodoxos, no entanto, teria sido uma cilada pois esses eram varios do PC russo travestidos de prelados, tencionando interferirem nele e evidentemente deixaram seus rastros em certos escritos pois, só de seu conteúdo niilista não ter sido formalmente condenado, depois do cometimento de varios graves crimes contra a humanidade, casos dos genocidios de Holodomor e mais de parte dele foi uma vitoria dos vermelhos!
    As mensagens de N Senhora em Fátima foi um alerta geral à humanidade, mas pareceria não ter dado o merecido respeito a ela e veio a II Guerra Mundial.
    “Haverá um concílio ecumênico no próximo século, após o qual haverá o caos na Igreja.” (Profecia atribuída a São João Bosco. Predição de 1862, ano do inicio do Concilio Vaticano II).
    No Concilio Vaticano II em 1962, o antropocentrismo foi instigado e ganhou fôlego novo e, com os retoques na liturgia nos parãmetros criatividade, adesão a ritos estranhos e até a cultos animistas, como sucedeu com varios prelados chilenos compartilhando deles, a criação dos prelados do Pacto da Catacumbas via esquerdistas com a fraudulenta Teologia da Libertação, a famigerada TL., não deixaram de ser dos subfrutos desses relativistas infiltrados, assim como protestantes, todos conhecidos como subsidiarios da maçonaria.
    O grande problema desse concilio foi que nele já existiriam varios adeptos da maçonaria como altos dignitarios ocupando postos de comando na Igreja, tomaram a frente na subversão dos valores cristãos para o relativismo, assim como o proprio Paulo VI ao final dele admitiu com varios lamentos que esse Concilio não só atingira não atingira seu propósito de ser proveitoso, mas abrira varia brechas para o relativismo!
    Dessa forma, o Concilio fõra em boa parte deleterio para a Igreja, facilitando a Russia espalhar seus erros, pois a Igreja católica ainda era o último obstáculo para instalação da subversão geral, parecendo cada vez mais sedimentá-la com sucesso via ideologias, refletindo seu incremento assentado na apostasia dos católicos!