A mais nova crise da UJUCASP.

Por Dr. Rodrigo Pedroso

A UJUCASP (União de Juristas Católicos de São Paulo) passa por mais uma crise. Tudo começou com a notícia do evento “Igualdade de gênero, educação e expressão” realizado pela PUC/SP, no último 31 de maio, às 19h. Estava previsto que o evento seria aberto pela própria reitora da Pontifícia Universidade Católica, contando com uma bancada comprometida unanimemente com a defesa da ideologia de gênero e da legalização do aborto. No evento, também seria lançado o livro Gênero e Educação – Fortalecendo uma agenda para as políticas educacionais.

Ao tomar conhecimento da realização do evento, alguns membros da UJUCASP manifestaram por correio eletrônico seu inconformismo à diretoria e aos demais integrantes da entidade. Tais mensagens mereceram do pe. Rodolpho Perazzolo, diretor eclesiástico da UJUCASP e secretário executivo da mantenedora da PUC/SP, a seguinte resposta:

“Por mais de uma vez, tive oportunidade de dizer que a Universidade é um espaço de livre discussão de posições e idéias, É da essência mesma da Universidade que assim seja. O que me decepciona é que muitos dos nossos são professores ali e não se manifestam nestes temas em que temos posição clara! Preferem o silêncio, a ausência, a crítica estéril, intra-muros, à boca pequena, ao invés de comparecerem e debaterem, na mais rica tradição universitária! Quando celebro os mártires ou os apóstolos, sempre me lembro e me pergunto se estaria preparado para suportar “os cárceres e flagelos” que acompanharam suas vidas. Assim, senhores e senhoras, estão todos convidados a comparecerem ao evento e assumir posição!

Padre Rodolpho.”

A resposta do pe. Rodolpho motivou os seguintes comentários do dr. Rodrigo Pedroso, advogado e também membro da UJUCASP:

“Revmo. Padre Rodolpho

Caríssimos confrades

Com todo o respeito, sinto-me obrigado a não apenas divergir do posicionamento do Revmo. Pe. Rodolpho, como também manifestar minha perplexidade.

Sem querer entrar no mérito do direito canônico, porém mesmo perante o direito positivo secular tal posicionamento é carente de sentido.

É certo que a universidade é um espaço de livre discussão de posições e ideias. Entretanto, não se pode omitir que toda liberdade humana, pelo menos em sentido moral e jurídico, é necessariamente limitada pelas características próprias da instituição em que se desenvolve. E, perante o direito positivo brasileiro, a PUC/SP é uma instituição confessional de ensino, tal como prevista no art. 20, III, da LDB.

Conforme o referido dispositivo da legislação, confessional é a instituição privada de ensino, instituída por grupos de pessoas físicas ou por uma ou mais pessoas jurídicas que atendem a orientação confessional e ideologia específica, sem fins lucrativos, que incluam na sua entidade mantenedora representantes da comunidade.

Portanto, conforme a definição legal, as instituições confessionais de ensino, no direito brasileiro, apresentam uma peculiaridade que limita em seu seio a livre discussão de posições e ideias. Uma instituição confessional de ensino, por definição e por imposição legal, não pode ser neutra, ela existe para promover uma doutrina específica, uma determinada visão de mundo. A discussão de posições e ideias numa instituição confessional de ensino não se pode dar nos mesmos termos que numa instituição laica, até porque se presume que a instituição confessional já assumiu posições sobre algumas coisas, que são, portanto, indiscutíveis e inegociáveis. Numa instituição confessional, a livre discussão de posições e ideias deve desenvolver-se dentro do quadro delimitado pela doutrina por ela adotada e promovida.

A resposta do Revmo. Pe. Rodolpho é falha não apenas por desconhecer totalmente este importante ponto do direito positivo brasileiro, como também por não corresponder aos fatos denunciados. Efetivamente, o que se anuncia na PUC/SP não é um debate pluralista e igualitário entre defensores e impugnantes da ideologia de gênero, em paridade de armas, o que já seria escandaloso numa universidade católica, por meter em pé de igualdade o falso e o verdadeiro. Pelo contrário, trata-se de um evento de pura promoção da ideologia de gênero, em que todos os seus palestrantes estão comprometidos com ela. Entre eles está a prof. Silvia Pimentel, veterana do abortismo nos meios jurídico-acadêmicos brasileiros e especialmente na PUC/SP (aliás, é mais uma vergonha para a PUC/SP que essa mulher seja docente lá) e representantes de diversas ONG’s abortistas.

E, caso algum dos nossos cometer a imprudência de seguir o conselho do Revmo. Pe. Rodolpho, comparecendo ao evento e lá assumindo posição, sabemos que seremos acusados de perturbar o simpósio, dirão que nossa manifestação não estava prevista, isso se tiverem a bondade de não nos insultar, agredir e cobrir de escarros. De fato, os defensores da doutrina supostamente promovida pela instituição oficialmente confessional estarão na plateia, no piso, no chão, enquanto os seus inimigos estarão pontificando na mesa, com apoio institucional. Pelo jeito, Revmo. Padre Rodolpho, o senhor não é bom de conselhos e o venerável Cardeal-arcebispo deveria meditar no assunto.

Voltando à legislação, a definição legal do art. 20, III, não é à toa, porque a mesma LDB autoriza, em seu art. 77, a destinação de recursos públicos às instituições confessionais de ensino.

Nesse sentido, quando uma instituição confessional de ensino perde a sua identidade, ela torna-se uma fraude e uma fraude que pode receber recursos da Fazenda Pública. Não dá para nos indignarmos com a corrupção da Lava-jato, da JBS ou de não sei mais o quê, se não tivermos a mesma indignação quando uma instituição se mascara de confessional sem o ser, mas com isso adquirindo prerrogativas na legislação brasileira, como o direito de receber fundos públicos. Aliás, de acordo com a Lei Federal n. 8.429/1992, tal comportamento poderia caracterizar ato de improbidade administrativa, com a responsabilização de todos os que, mesmo não sendo agentes públicos, induziram ou concorreram para a sua prática, ou dele se beneficiaram.

Graça e paz,

Rodrigo R. Pedroso.”

Aos comentários de Pedroso reagiu o pe. Rodolpho renunciando à diretoria eclesiástica da UJUCASP, com as seguintes palavras:

“Considerando as palavras do ilustre Dr Rodrigo Pedroso, e outras que se fizeram ouvir nestes dias, tomo a decisão de entregar meu cargo de Diretor Eclesiástico da Ujucasp ao Eminente Cardeal que me nomeou. Com certeza este sodalício necessita de um Diretor mais “ortodoxo” do que este pobre Sacerdote. Mantenho minhas atividades na PUCSP, como Secretario Executivo da Fundação mantenedora, agindo conforme meus princípios e conforme meu espírito aberto, democrático e cristão verdadeiro, que como Jesus com a Samaritana, ao invés de condenar, mostra a Água Viva da salvação a todos os corações ressecados pelo pecado. Prefiro assim fazer do que partir para o apedrejamento! Proclamo a Boa Nova e não a Lei Mosaica! A todos os irmãos e irmãs desejo Paz e Bem!”

A seguir, a Dra. Ana Paula de Albuquerque Grillo, consultora jurídica chefe da mantenedora da PUC/SP também tornou pública a renúncia a seu cargo na diretoria da UJUCASP.

Entretanto, apesar dos enfáticos termos de ambas as renúncias, no último 2 de junho a UJUCASP divulgou uma nota, atribuída a seu presidente,  informando que, tendo ouvido o cardeal moderador, sua diretoria estava mantida, com todos os membros em exercício de seus respectivos mandatos.

Esperam-se mais novidades nos próximos dias, pois não parece que a singela nota emitida pela diretoria será suficiente para superar a nova crise por que passa a UJUCASP.

* * *

Leia também:

Apague a luz o último a sair.

De saída (II).

De saída.

Anúncios

31 Comentários to “A mais nova crise da UJUCASP.”

  1. Não raro nos deparamos com Sinais de Morte nas PUCs da vida.
    Senão, vejamos:
    Inicialmente, nos solidarizamos com a indignação do Sr. Rodrigo R. Pedroso, que ficou
    perplexo ao tomar conhecimento do famigerado evento supracitado.
    Poderíamos citar inúmeros outros exemplos noticiados pela internet (com endereço eletrônico para fins de conferência), tais como:
    1) Na Portaria da PUC-Minas (R/Nº 021/2015, de 30/03/2015), Dom Mol introduziu o “Nome Social” (Ideologia de Gênero) na comunidade acadêmica da PUC Minas, agindo como se fosse Dom MOLOC, o “deus das moscas”. Nota: o Papa Francisco reiteradamente condenou a “Ideologia de Gênero”, por negar a Dignidade de todo o Ser Humano ao afirmar que ninguém nasce homem ou mulher, mas que cada indivíduo deve construir sua própria identidade.” (Audiência papal de 15/04/2015 – Anexo 6).
    Fonte: http://www.pucminas.br/imagedb/…/DOC_DSC_NOME_ARQUI20150408160853.pdf
    2) Nesta denúncia, a PUC-Minas, organizou o evento III Ciclo de Debates do Grupo Interdisciplinar de Pesquisas Feministas (GPFEM), em 05/04/2016 (com ênfase na Ideologia de Gênero), cuja conferência de abertura ficou a cargo da professora Rita Laura Segato, militante de renome a favor da cultura da morte (aborto), exatamente o contrário do que o Papa Francisco expôs a esse respeito.
    Fonte:
    http://www.pucminas.br/informativo/unidades/materia.php?codigo=1188&materia=19808&PHPSESSID=604c96a30589ceb9a34540cc56bc1c31
    http://ipco.org.br/ipco/escandalo-internacional-puc-minas-promove-ideologia-de-genero-em-evento/#.V8tWu1srLcs
    3) Neste artigo, ele critica o pedido de Impeachment de Dilma formulado pela Ordem dos Advogados do Brasil-OAB.
    Fonte:
    http://epoca.globo.com/tempo/expresso/noticia/2016/03/integrante-da-cnbb-critica-pedido-de-impeachment-de-dilma-protocolado-pela-oab.html
    4) Nesta carta, o reitor da PUC Minas manifesta apoio ao reitor da PUC Goiás, Wolmir Therezio Amado, filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Nota: o PT é o único partido político brasileiro que prevê no seu estatuto a defesa do Aborto (Cultura da Morte), inclusive expulsou dois Deputados federais: Luiz Bassuma (autor do Estatuto do Nascituro), do PT da Bahia e Henrique Afonso, do PT do Acre, por defenderem a Cultura da Vida e serem contra a legalização do aborto, bandeira do PT.
    5) Neste vídeo, Dom Joaquim Mol discursa no carro da CUT rotulando de “golpistas” os políticos favoráveis ao Impeachment da Dilma (07/09/2016, em Belo Horizonte).
    Fonte:


    Diante dessas graves denúncias, as autoridades da Igreja deveriam agir de duas, uma:
    – Ou o Vaticano retira o caráter Pontifício e Católico da PUC-Minas (direito de uso dos títulos de Pontifícia e Católica), por grave prejuízo para o interesse da Igreja em virtude das diferenças ideológicas entre o Reitor e professores em relação às posições da Igreja em diversas matérias (ideologia de gênero, comunismo, luta de classes..);
    – Ou faça mudanças na Universidade, adotando as orientações da Igreja contidas na Constituição Apostólica Ex Corde Ecclesiae:
    “Universidade católica é garantir em forma institucional uma presença cristã no mundo universitário perante os grandes problemas da sociedade e da cultura, [16] ela deve possuir, enquanto católica, as seguintes características essenciais:
    1. uma inspiração cristã não só dos indivíduos, mas também da Comunidade universitária enquanto tal;
    2. uma reflexão incessante, à luz da fé católica, sobre o tesouro crescente do conhecimento humano, ao qual procura dar um contributo mediante as próprias investigações;
    3. a fidelidade à mensagem cristã tal como é apresentada pela Igreja;
    4. o empenho institucional ao serviço do povo de Deus e da família humana no seu itinerário rumo àquele objetivo transcendente que dá significado à vida. [17]”
    Lamentavelmente, os magníficos reitores não observam sequer os Princípios norteadores das PUCs que orientam suas ações, em consonância com os seus Estatutos:
    • Fidelidade à doutrina cristã e respeito aos princípios da Igreja Católica, em seu compromisso missionário para com a educação superior.
    • Promoção do bem comum e da dignidade da pessoa humana.
    • Promoção da formação solidária, interdisciplinar e humanística, orientada por uma perspectiva ética, cristã e católica, respeitadas a autonomia universitária e a liberdade acadêmica
    Na Historia da Salvação, os bispos são sucessores dos Apóstolos (uns de Pedro, outros de Paulo…), mas alguns parecem suceder a Judas Iscariotes (como a história se repete!). Parece-nos que muitos bispos são direta ou indiretamente adeptos da cultura da morte: “ideologia de gênero”).
    Pois bem, caiu no engodo da “Esquerda” e assim como Esaú desprezou a bênção, trocando o seu direito de primogenitura por um prato de lentilhas dos “Senhores deste mundo” , a exemplo de tantos outros JOIOS misturados com o TRIGO.
    É impossível, amigos, agradar a Deus e ao dinheiro (Poder), nos advertiu Jesus.
    Chesterton dizia que a “TOLERÂNCIA é tudo o que resta depois que a pessoa perdeu todos os seus princípios.” Com efeito, tanto a TOLERÂNCIA como também o POLITICAMENTE CORRETO em questões de fé já estão condenados pelos ensinamentos de Jesus, pela tradição cristã e pelo magistério da Igreja.
    Finalizo com a sábia advertência do papa Bento XVI, ao revelar:
    – “Maior perseguição à Igreja” não vem de “inimigos de fora, mas nasce do pecado da Igreja”…

  2. Tchau, querido!
    Por falta de adeus, até logo!

  3. Eu sei bem como é ardiloso esse discurso de que a ‘universidade é aberta’.
    Foi o mesmo discurso que usaram para fazer simpósio sobre igualdade de gênero no Mackenzie (que é presbiteriano, e, por doutrina, também contrário a essa ideologia).
    O que aconteceu no Mackenzie?
    Os ativistas fizeram recrutamento de toda a corja, e durante as palestras faziam uma claque de aplausos para os oradores pró-LGBT, e faziam vaias absurdas aos oradores pró-moral cristã.
    Resultado, o evento foi uma vitória esmagadora do movimento de igualdade de gênero, dentro de uma universidade presbiteriana.
    Vitória irracional, vitória não de argumentos, mas foi vitória. Venceu o mais forte, ainda que estivesse errado.
    Lamentável ver a PUC cair na mesma armadilha.

    • Caro Marcos, o ocorrido na PUC/SP foi muito pior. Não houve sequer um debate com a participação de oradores que defendessem a lei natural e a moral objetiva (o que já seria uma imprudência, como observado pelo senhor). Foi simplesmente um evento de promoção da ideologia de gênero, aberto pela própria reitora da Pontifícia Universidade Católica, em que se lançou um livro defendendo a implantação da ideologia de gênero na educação. Tal evento recebeu o apoio do diretor eclesiástico da UJUCASP (que também é secretário executivo da mantenedora da PUC/SP), aquele que não sabe se vai ou se fica, que ainda, seja por ingenuidade, seja por cinismo, convidou os juristas católicos a engrossarem o público do evento. Se no Mackenzie, de acordo com o que o senhor apontou, houve vitória após uma luta desleal, na PUC/SP a vitória foi tão completa que não houve sequer resistência: os próprios generais abriram as portas da praça forte aos inimigos e confraternizaram-se com eles.

    • Rodrigo, eu não imaginava que estava assim….realmente, a cada dia que passa me convenço de que a barca de Pedro está se tornando um imenso Titanic: arrebentado pelo próprio capitão, com a orquestra continuando a tocar alegremente, enquanto a maior parte se encaminha rumo às profundezas…ou o Senhor intervém para soerguê-lo, ou que nos indique onde estão os botes salva-vidas…

    • Caro Marcos, não tenho intenção de emitir julgamentos sobre a “barca de Pedro”. Falo apenas do que posso testemunhar na PUC/SP e na UJUCASP. Aliás, os problemas da PUC/SP datam de pelo menos uns quarenta anos, de modo que não se os pode jogar nas costas do sumo pontífice gloriosamente reinante, ainda que ao papa caiba a maior soma das responsabilidades na Igreja terrestre, dada a sua constituição hierárquica. Um fraterno abraço,

    • Quanto ao mais, basta-nos a fé na promessa de Nosso Senhor e no nono artigo do Credo: “Credo sanctam Ecclesiam catholicam”. Jesus Cristo nos prometeu que estará conosco todos os dias, na Igreja, até a consumação dos séculos (cf. Mt 28,20). Fora dela não há salvação, nem botes salva-vidas.

    • Caro Dr Rodrigo (desculpe pois só agora percebi que é o mesmo que assinou a carta), realmente não se pode esperar salvação pulando fora da Igreja. No entanto, não se pode imaginar que certos padres fazem o que estão fazendo sem que houvesse não somente omissão, mas até mesmo uma simpatia por parte da hierarquia eclesiástica. Quantos e quantos abusos e até mesmo heresias temos visto serem perpetrados por sacerdotes, sem a menor ressalva por parte da hierarquia? Veja-se por exemplo aquele padre esquerdista de São Miguel Paulista, que faz eventos apoiando a causa LGBT até o ponto de entregar o púlpito para travestis. O que aconteceu com ele? Nada. Veja-se outro certo padre cantor, a cada dia se desviando mais da fé católica, rumo a uma religiosidade cada vez mais panteísta, e arrastando milhões com ele – não lhe fazem nada, nem uma singela advertência a portas fechadas. Então não tem por onde: louvo e parabenizo ao sr pelo esforço na luta em que está empreendendo, mas não consigo ver isso como uma mazela isolada na PUC e UJUCASP, e sim algo que tem responsabilidade indireta da hierarquia, desde uns 40 anos em que a Igreja começou a se desintegrar por meio da confusão pós-conciliar. Esse período, aliás, coincide muito com aquele no qual o sr disse terem surgido as mazelas na PUC.

    • Caro Marcos, nisso o senhor tem razão: não se trata, infelizmente, de um problema isolado da PUC/SP e da UJUCASP, nem de algo que tenha começado sob o atual pontificado. Como já tive oportunidade de salientar, dada a constituição hierárquica da Igreja, aos superiores cabem as maiores responsabilidades, na mesma proporção em que se elevam em dignidade e autoridade. Rezemos com muita caridade pelo santo padre e pelos senhores bispos. Fico muitíssimo honrado por seu apoio, mas não tenho pretensões de empreender uma luta: apenas pretendi cumprir com aquilo que me pareceu meu dever na situação em que me encontro, dentro das minhas limitações.

    • Aqui, o referido evento https: //www.youtube.com/watch?v=o6RdfF6gC2w .
      Seria bom que o FIU salvasse uma cópia.
      Pelos cinco primeiros minutos já se percebe o caráter “extremamente democrático” de tal aberração, quando uma dita “artista” joga no lixo a frase “Homem nasce Homem e Mulher nasce Mulher”, e ainda ri, em explícito sinal de deboche…
      Entre 23:50 e 27: 50 são chamados os “palestrantes” para comporem a “mesa”: quanta imparcialidade, se é que me entendem…
      Percebam a fala de Silvia Pimentel entre 29:00 e 32:30: ela entrega tudo e confirma as palavras do Dr. Rodrigo Pedroso sobre o verdadeiro caráter de tal evento… é franca promoção de dourina anticristã e que não se encerra na palestra pois tem franco caráter ideológico e militante!
      E o sr. Rodolpho? Não foi… ele que convida aos outros, não vai ao evento… não faz parte do corpo de palestrantes… isso tem nome, hein… foi proibido democraticamente ou ausentou-se covardemente?
      Não tinha batina para ir? https://www.google.com.br/search?q=Rodolpho+Perazzolo&rlz=1C1AVNG_enBR627BR627&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwjzjci1lKnUAhVHIJAKHcREA08QsAQIVw&biw=1242&bih=580 .
      Estava em alguma reunião com algum grande líder com nome de fruto do mar? https://twitter.com/P_Rodolpho/status/501452994400227328
      Realmente, o sr. não deve ter tempo para defender a Verdade inequívoca de Nosso Senhor Jesus Cristo e, ao contrário, com a sua postura em todo esse caso, mostrou-se favorável ao evento ao não se colocar explicitamente contra ele.
      Ora, não foi Nosso Senhor Jesus Cristo quem disse: “Quem não está comigo está contra Mim”? E Nosso Senhor Jesus Cristo quer que as pessoas perseverem no pecado e se percam para sempre, condenando-se ao inferno, ao mesmo tempo que arrastam outros consigo? O que fará Nosso Senhor Jesus Cristo com aquela àrvore que não dá bom fruto, que não cumpre com o fim para a qual existe, como se mostra nesse caso a PUC/ SP? E quanto à Samaritana, Nosso Senhor Jesus Cristo a converte, retirando-a das vias do pecado…
      E quanto à Universidade Católica e que se diz confessional? Cumpre com o fim para a qual foi instituída ao abrir suas portas aos defensores do pecado, em tudo contrário à Verdade de Nosso Senhor Jesus Cristo? Que “professores” são esses que participam de tal evento, como “palestrantes” ou estando na platéia, e que são sustentados pela Arquidiocese e que usam o nome e o ambiente material da Universidade?
      Conforme o exemplo de S. José,
      Nos SS. Corações de Jesus e Maria.

  4. Com base no que aconteceu no Mackenzie, o convite desse padre poderia ser traduzido por: “Venha aqui expor a moral cristã para estudantes que estarão especialmente organizados para te vaiar e defender a causa LGBT”.

  5. O velho “fermento dos fariseus” nas palavras do padre Rodopho.

  6. Parabéns, dr. Pedroso, por sua defesa da lei natural e da Fé diante dos clérigos prevaricadores. Precisamos de mais homens como o sr., que possam dar testemunho da Verdade no meio dos juristas e advogados. Que Deus lhe pague.

  7. A resposta do Dr Rodrigo Pedroso, com seus altos e abrangentes conhecimentos jurídicos foi avassaladora, acachapante e, como o Pe Rodolfo estatelou-se no chão após, teria partido para o vitimismo, algo proprio de esquerdistas ao se sentirem derrotados e, ao mesmo tempo, teria tentado excitar dos sentimentalódes aquele – ah, coitado, Pe Rodolpho Pezzarolo foi tão nobre, educado, não merecia esse tipo de resposta, foi tão gentil, né?…
    Se o sr. cardeal moderador estaria de acordo com isso, manter esses de comportamentos laicistas após esses fatos, comportaria-se como os que surfariam de acordo com a onda: desejaria agradar a gregos e troianos, típico da atualidade, sempre se dar bem com todos e, nesse caso, a Pia Universidade Católica deveria retirar o católica e colocar outro nome qualquer, pois um assunto desse calibre deveria apenas caber e ser debatido em instituições estudantis politicamente corretas!
    Doutra forma, a PUC, que se apresentaria confessional católica, deveria ser oposta a esse tipo de ideologia contida no pacote ligado à Ideologia de Gênero, jamais deveria se ajuntar ao relativismo, ainda mais num assunto do teor do cínico “Igualdade de gênero, educação e expressão”, no entanto, vinculado a marxistas, desequilibrados mentais + esquizofrênicos!
    Debater o apoio a monstruosidades cabem nos sociopsicopatas vermelhos, vinculados a partidos comunistas da rede nazifascista, os quais são todos sumamente conspiradores contra a Igreja, confessos anti cristãos, perversos, devassos, anarquistas e diabólicos os quais, no momento, para piorar, ainda são aliados do Islã!…

  8. Agora, reunião em Brasília com entidades como CNBB, Anamatra, Abong, partidos e movimentos para construção de frente ampla pelas Diretas.

  9. Caro Rodrigo,
    Sou prof univ, dou aula em duas univ privadas cariocas, e o que vejo nelas (nao sou prof da PUC) é o mesmo cenário nefasto. Em uma delas, a diretoria é composta por homossexuais assumidos, os quais após assumirem a direção vem promovendo uma troca lenta de todos os funcionários, no lugar contratam não apenas simpatizantes mas homossexuais também assumidos….a mudança também vem ocorrendo entre os alunos, no período da tarde é fácil encontrar jovens do mesmo sexo se beijando no pátio. O curso de direito promoveu, em passado recente, uma série de palestras…de 5 palestras, 3 envolviam a pauta LGBT.
    Professores de tendências de direita são afastados, enquanto…professores de filiação maçônica (assumidamente, vão com camisa da maçonaria dar aula) continuam firmes (nao vi um ser dispensado, até agora), ao serem confrontados (os maçons) argumentam que não aceitam nas lojas deles homossexuais…rsrsrs
    E pensar que no passado, esta mesma univ foi um colégio católico!!! Possui uma bela gruta com uma imagem de Nossa Senhora, a qual sempre está com flores e uma igreja, nas dependências, a qual, foi desativada, não sabem o que fazer com ela !!!!
    Ambiente de discussão no meio universitario?!!! Prepare se para as consequências, serás classificado como facista e nazista…isto se não tiveres de lidar com algum processo movido por algum aluno ofendido com os seus argumentos. Não receberas apoio nenhum do clero.
    Está ai uma boa cruz a se carregar, cruz esta que vergonhosamente não carreguei até agora.
    Parabéns, pela sua coragem, caro Rodrigo!!! Que escolheste não abraçar o indiferentismo maçônico, tão presente nos meios universitários e principalmente dos cursos de direito.
    Aliás, em várias discussões com colegas de trabalho, professores, maçons…eles sempre argumentam que no final nao existe diferenças entre católicos, protestantes, umbandistas e eles…que inclusive, existem vários Padres católicos nas suas lojas maçônicas !!!! Padres, que possuem o mesmo espírito de abertura que o Padre Rodolpho, aliás não aceitaram a renúncia dele, não é ?!!!? Curioso…
    Bom, Salve Maria e força no combate !!!
    Abs,
    Rick

  10. Ocorrem-me à mente aquelas comédias de Monthy Piton e congêneres, nos quais, bem diante do inimigo a ser combatido, os generais da mesma tropa começam a discutir sobre as cores de sua farda, enquanto são massacrados pelo unívoco exército inimigo.

  11. Fato curioso vem agora a propósito.
    Ano passado, o filho do presidente da UJUCASP, no exercício da presidência do TST, condecorou o diretor executivo de relações institucionais da JBS, um dos delatores premiados que sacodem nossa República, com a Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho:
    http://www.tst.jus.br/documents/10157/0851fbd2-65a2-43ad-a201-d69bf1c0e118
    (tá lá no final da pág. 3).
    Que fez ou prometeu de tão grande o atual delator premiado para merecer tal comenda?
    Teria o ambicioso numerário querido seguir os passos do ministro Fachin?
    http://noblat.oglobo.globo.com/meus-textos/noticia/2017/05/jbs-cabo-eleitoral-de-fachin.html
    Aliás, o ínclito presidente dos Juristas Católicos foi defensor entusiasta da nomeação do abortista Fachin para o Supremo Tribunal Federal.
    http://www.conjur.com.br/2015-abr-27/juristas-assinam-carta-apoio-indicacao-fachin-supremo
    “Eu quase que nada sei. Mas desconfio de muita coisa” (Guimarães Rosa).
    “A ambição sujeita os homens a maior servilismo do que a fome e a pobreza” (Marquês de Maricá).

  12. Não me surpreende mais nenhum absurdo vindo das atuais universidades e colégios “católicos”. O clero que deveria zelar por tais instituições é composto, em sua maioria, de sacerdotes que estão na faixa dos 50 anos ou mais. Tais sacerdotes tiveram a sua formação de seminário quando a “teologia” da libertação estava em seu auge. Dentre as muitas características desse claro que eu poderia citar, eu ressaltaria a total ausência de espiritualidade (para eles não passa de pieguice); o horror à liturgia, sobretudo aos paramentos; a relativização da doutrina católica milenar e o amor incondicional ao marxismo e tudo o que a ele é relacionado. Daí que não é incomum tal clero defender abertamente, sem nenhum pudor ou medo de punição, toda a pauta marxista que a cada dia que passa vem ganhando mais força no seio da sociedade, incluindo-se aí o aborto, o casamento homossexual, a ideologia de gênero, a total liberdade sexual, etc.
    No caso da Arquidiocese de SP, esse clero está representado naqueles que se formaram no longo tempo que dom Arns esteve a frente da arquidiocese. Mesmo dois arcebispos depois de dom Arns, tal clero continua firme e forte e ocupando cargos estratégicos.
    Passam o dia pregando “pobreza e misericórdia”, mas são vistos em carrões de luxo e muitos escondem (ou nem fazem tanta questão assim de esconder) suas aventuras amorosas com amantes. E assim eles seguem, espalhando a sua maléfica doutrina, em paróquias, escolas e faculdades, e sem nenhum peso na consciência, afinal, são eles os melhores representantes da “neo-igreja” surgida em 2013.
    Ressalta-se, contudo, que tal situação não se restringe ao clero secular. É sabida por todos a situação de muitas ordens religiosas e de suas obras.
    Eu mesmo tirei meus filhos do colégio São Luís (dos jesuítas) por conta da triste situação em que vem entrando nos últimos anos. A religião foi praticamente abolida do cotidiano da escola e já há até um “coletivo feminista”. Um médico amigo meu tirou o filho do colégio Santa Cruz por razões semelhantes… Parafraseando a frase bíblica: será que quando vier o Filho do Homem, encontrará fé nas instituições de ensino católicas?
    Por isso, parabenizo o Dr. Rodrigo pela coragem de enfrentar e tornar pública tal situação. Que a união seja a nossa força.

    • Prezado Carlos, fico muito honrado por seu apoio. Apenas fiz o que me pareceu ser meu dever. Por outro lado, não sei se podemos falar em “neoigreja”, nem que ela tenha surgido em 2013. Para ficar num único exemplo, em 2007 um bispo italiano escandalizou sua diocese sendo retratado num mural homoerótico pintado em sua própria igreja-catedral. O que fez Bento XVI? Elevou o pândego a arcebispo e o nomeou presidente do Pontifício Conselho para a Família, cinco anos depois. Os problemas da Igreja têm causas mais profundas e é confundi-las com os sintomas reduzi-los a esta ou àquela pessoa. Uma dessas causas é que não somos tão santos quanto devemos ser. Busquemos as virtudes e rezemos com muita caridade por nossos prelados e pelo santo padre. Um fraterno abraço,

  13. É triste ver um sacerdote, cuja dignidade supera o mais elevado dos serafins​, ser publicamente desmascarado pela digna e honesta posição de um leigo. A apostasia, de fato, chegou ao cume da igreja. Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!!

  14. Renúncia já não é mais ato unilateral receptício? Como pode ocorrer de permanecerem na diretoria da entidade os membros que renunciaram?

  15. Com a experiência de ter filhos que cursaram tanto a PUCSP como o Mackenzie, posso afirmar que é mais fácil perder a fé católica na PUCSP que na presbiteriana Mackenzie!

  16. Universidade aberta? alguém diz ai para o sacerdote que local realmente aberto é o inferno que aceita tudo, seja católico até sacerdote, muçulmano, gays, lésbicas, judeus, comunistas etc. e onde o reverendíssimo sacerdote achou que é certo debater coisa que é sabidamente errada, se debate teses para melhorar algo, não para validar algo que já foi testado e aprovado a duras penas que é ruim pra alma, para sociedade e para salvação
    .

  17. Subscrevo integralmente, caro dr. Rodrigo Pedroso.

  18. Por que o homem, tendo certeza que 2+2=4, precisa criar um debate com o título “Dois mais dois são cinco”?
    É vontade mesmo de arrastar multidões ao erro….
    A sujeira não para por aí: na página do evento, no Facebook, consta o seguinte texto:
    “Nessa direção, ressaltamos a Nota Técnica nº 2/2017/PFDC, de 15 de março de 2017, sobre um modelo de “notificação extrajudicial” divulgado na Internet que pretende proibir a discussão sobre assuntos envolvendo gênero e sexualidade nas escolas. Por isso, contaremos com a presença da Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão, Dra Deborah Duprat.”
    Ou seja: a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão já emitiu uma nota técnica que funciona como “vacina” contra qualquer tentativa de os pais ou qualquer outra pessoa impedir o debate relacionado às questões de gênero!
    Um calhamaço de 34 páginas (http://pfdc.pgr.mpf.mp.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/grupos-de-trabalho/direitos-sexuais-e-reprodutivos/atuacao-do-gt/nota-tecnica-2-2017-pfdc) para proteger o direito de se propagar tais ideias…
    A Barca não está naufragando, mas nunca foi sacudida tão violentamente! E quantos caem no mar? Impossível contar. Que estejamos agarrados de alguma forma à Nave da Salvação, com a força da sã doutrina, até passar essa tempestade…

  19. Esperar que o pseudo-clero gosmento, sujo e depravado defenda a moral católica? Mas como…? Afinal, “ninguém odeia a própria carne”.
    Pois se elas levam uma vida transviada, franqueando o púlpito até mesmo às Dragon Queens, como na diocese do episcopete Carral, como esperar coerência dessas garotas? E se o Ex-Futuro-Paulo-VII fulminasse, do alto de sua cátedra de chucrutal, um anátema contra a bandalheira desses filhos da PUC… sofreria ele alguma pressão por conta d´algo oculto, acomodatício e subterrâneo? Pois é de se estranhar a cumplicidade apóstata do Ex-Futuro-Paulo-VII, cabendo-lhe, nesse preciso affair e noutros, os adágios “quem cala, consente” e “quem usa, cuida”.
    Ora, mais cômodo esperar que uma maquiada dona de bordel defenda a moral cristã, e com mais propriedade, que a alcateia padresca reinante.
    Compremos, pois, guarda-chuvas reforçados para a vindoura chuva de enxofre.
    Que uma imensa cratera engula logo os filhos da PUC e os burlescos mantenedores desse festim diabólico em que ela se transformou desde a maviosa primavera do Papa Bom (de garfo). Aliás, “pelos frutos a conhecereis…”