Reflexões da Sagrada Escritura: Jesus na Eucaristia é fonte de Vida Sobrenatural

“Eu sou o pão da vida” . “Se alguém comer desse pão, viverá eternamente; e o pão que eu darei é minha carne para a vida do mundo” (Jo. 6, 48 e 52).

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

Demos a palavra ao Papa Leão XIII, de santa memória: 5. “Conhecer com fé íntegra a virtude da Santíssima Eucaristia, tal qual é, é conhecer tal qual é a obra que, na sua onipotente misericórdia, Deus feito homem realizou em favor do gênero humano. Porquanto a mesma fé que nos obriga a confessar e a honrar a Cristo como o soberano Autor da nossa salvação, o qual, pela sua sabedoria, pelas suas leis, ensinamentos, exemplos e pela efusão do seu sangue, renovou todas as coisas, igualmente nos força a crê-lo e adorá-lo assim realmente presente na Eucaristia, onde ele próprio permanece mui verdadeiramente até o fim dos tempos no meio dos homens, e como mestre e pastor cheio de bondade, como intercessor onipotente junto a seu Pai, para haurir em si mesmo e distribuir a eles com eterna abundância os benefícios da sua redenção. Quem atenta e religiosamente considerar os benefícios que emanam da Eucaristia, compreenderá que o mais excelente e o mais eminente é aquele que contém todos os outros, sejam quais forem: com efeito, é da Eucaristia que se transfunde nos homens essa vida que é a verdadeira vida: O Pão que darei é a minha carne para a vida do mundo (Jo 6, 52).

6. Não é só desta maneira (…) que Cristo é a Vida, Ele que declarou que o fim da sua vinda ao meio dos homens era trazer-lhes verdadeira abundância de uma vida mais do que humana: Vim a fim de que eles tenham a vida e a tenham superabundantemente (Jo 10, 10). E, realmente, ninguém o ignora, desde que a bondade e a humanidade de Deus nosso Salvador apareceram (Tito 3, 4) na terra, fez-se sentir uma força criadora de uma ordem de coisas toda nova e a difundir-se em todas as veias da sociedade civil e doméstica. Desde então, novas relações se estabeleceram entre o homem e seu semelhante, novas leis regeram a sociedade e os indivíduos, novos deveres foram impostos, as instituições, as ciências e as artes adquiriram novo surto; mas o principal é que os corações e as mentes foram  reconduzidos à verdade da religião e à pureza dos costumes; bem mais: uma vida toda celeste e toda divina foi-nos comunicada; é o que certamente significam estas expressões frequentemente relembradas na Sagrada Escritura: lenho de vida, palavra de vida, livro de vida, coroa de vida, e, em particular, pão de vida.

7. A vida de que falamos tem muita semelhança com a vida natural do homem, e esta é entretida e fortalecida pelo alimento; deve, pois, aquela ser sustentada e reanimada pelo seu alimento próprio. Importa lembrar aqui em que tempo e de que maneira Cristo nos exortou e induziu a receber convenientemente e dignamente o pão de vida que ele se propunha dar-nos. Quando se espalhou a notícia do milagre da multiplicação dos pães, realizado nas margens do lago de Tiberíades para saciar a multidão, logo muitos afluíram para Ele, esperando talvez obter para si mesmos um benefício semelhante. Jesus aproveitou essa ocasião, e, assim como outrora, à Samaritana que lhe pedia tirar para ela água do poço, Ele mesmo inspirara a sede da água que jorra para a vida eterna (Jo 4, 14), assim também eleva as almas dessa multidão ávida a fim de fazer desejar com mais ardor esse outro pão que permanece para a vida eterna (Jo 6, 27). “Mas esse pão, diz Jesus prosseguindo o seu ensinamento, não é aquele maná celeste que, na sua marcha  através do deserto, vossos pais acharam já pronto; não é sequer esse que, de todo admirados, recebestes recentemente de mim; porém eu mesmo sou esse pão: Eu sou o pão de vida (Jo, 6, 48). E, para ainda mais os convencer desta verdade, dirige-lhes este convite e lhes dá este preceito: Se alguém comer desse pão, viverá eternamente; e o pão que eu darei é minha carne para a vida do mundo (Jo 6, 52). Ele mesmo lhes prova assim a importância desta ordem: Em verdade, em verdade vos digo, se não comerdes a carne do Filho do homem e se não beberdes seu sangue, não tereis a vida em vós (Ib. 54, 10). Longe de nós, pois, esse erro, tão difundido e  perniciosíssimo, dos que pensam que o uso da Eucaristia deve ser quase exclusivamente reservado a esses homens livres de todos os cuidados, acusados de terem o coração estreito, e de só o repouso buscarem num regime de vida mais religiosa. Esse bem, fora do qual nada é mais excelente nem mais salutar, oferece-se a todos indistintamente, sejam quais forem a condição e a categoria de cada um; pertence a todos os que querem (e ninguém há que não deva
querê-lo) alimentar em si a vida da graça, cujo termo é a aquisição da vida bem-aventurada com Deus.

8. E prazam ao céu façam uma justa ideia da vida eterna e não a percam de vista aqueles, sobretudo, cujo talento, atividade, autoridade tanto podem para dirigir os acontecimentos e os homens. Mas, ao contrário, vemos e deploramos que a maioria deles consideram com orgulho o haverem inculcado ao século como que uma vida nova e próspera, porque, graças ao seu impulso, o obrigam a marchar a largos passos para toda sorte de progressos e de maravilhas. Na realidade, para qualquer lado que se dirijam os olhares, o que se verá é a sociedade humana, se se afastar de Deus, ao invés de fruir da tranquilidade que deseja, ser, ao contrário, presa de angústia e de agitação, como o doente atormentado por uma febre ardente: ao passo que ela aspira ansiosamente à prosperidade em que coloca a sua única esperança, vê-a desaparecer e fugir-lhe no momento em que acredita possuí-la. Efetivamente, os homens e os Estados dependem necessariamente de Deus, de sorte que não podem viver, nem mover-se, nem fazer  qualquer bem senão em Deus, por Jesus Cristo, de quem têm promanado e promanam abundantemente todos os  bens, os melhores e os mais preciosos.

9. Ora, a fonte e o princípio de todos esses bens é sobretudo a sagrada Eucaristia: esta entretém, fortifica essa vida cuja privação nos causa tamanho pesar, e aumenta maravilhosamente essa dignidade humana de que se faz tanto caso agora. Com efeito, que coisa maior e mais desejável do que nos tornarmos, tanto quanto possível, participantes e associados da natureza divina? Ora, é isso precisamente o que Cristo nos concede na Eucaristia, pela qual ele prende e une a si ainda mais estreitamente o homem, elevado pela graça até à divindade. Há, com efeito, esta  diferença entre o alimento do corpo e o da alma: que aquele se converte na nossa própria carne, ao passo que este nos transforma nele; e, a este propósito, eis o que Santo Agostinho faz o próprio Cristo dizer: Tu não me  transformarás em ti como faz o alimento de tua carne, mas serás transformado em mim (Conf. lib. 7, c. 10).

AVISO: Até aqui são palavras do Papa Leão XIII, na Encíclica Sobre Santíssima Eucaristia, “Mirae Caritatis” escrita em 1902.

Quero aproveitar o ensejo para avisar ao “FRATRES IN UNUM” e aos seus caríssimos leitores que ficarei em recesso nesta coluna por 2 meses a partir do dia 17 de julho. Farei, se Deus quiser OS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS DE SANTO INÁCIO (30 dias) e depois farei várias consultas e tratamentos médicos. Caríssimos, peço-lhes a caridade de vossas valiosas orações e, desde já, vos agradeço. Que Deus Nosso Senhor abençoe a todos e os cumule de escolhidas graças. Salve Maria! Amém!

Anúncios

4 Comentários to “Reflexões da Sagrada Escritura: Jesus na Eucaristia é fonte de Vida Sobrenatural”

  1. A SS Eucaristia é a fonte e ápice de toda a vida cristã, não sendo sem motivos que, prioritariamente, as forças do mal tentam ofuscar sua validade e a desmerecer de todas as formas possíveis, a começar do audacioso Lutero, seguidor dos Iluministas, que se precipitou em a atacar, desafiando o proprio Nosso Senhor Jesus ao negar a Doutrina Transubstanciação, conforme a Igreja tem realizado em vinte séculos, por meio dela, tem gerado tantos santos e doutores na fé.
    Os demais sacramentos, igualmente todos os ministérios e tarefas apostólicas se lhe vinculam, nela contendo todo o bem espiritual da Igreja, o próprio Senhor Jesus Cristo, nosso Redentor e Salvador.
    Assim, os maiores inimigos da Igreja conspiram contra a SS Eucaristia, sem cessar, como podem:
    O Jornal do Recife, por ex., órgão da maçonaria, na edição de 18/09/1897, lançou a pergunta: “O que adianta, que utilidade tem a Missa?” “A Missa é uma mentira convencional como outra qualquer”. Ainda do mesmo jornal: “O celibato clerical é um absurdo! o voto da castidade, uma blasfêmia!… Do livro “Um Cristão Católico” – Recife – 1898.
    No presente momento, notamos varias formas de A profanar, desde a inconveniente recepção nas mãos, dessa forma, facilitando cairem partículas no chão que são pisoteadas por pés imundos, até desvios para cultos satãnicos!
    Há uma omissão quase geral de doutrinar os fieis para recepção da SS Eucaristia, jamais advertindo de como se prepararem adequadamente, desde a alma – o essencial – até exteriormente, de forma piedosa, com ações de graça e de como se apresentarem com a devida modestia!
    Ao Revmo sacerdote modelo de fé em franca extinção, Pe Elcio, proveitosos exercicios espirituais e breve retorno com boa saúde para continuar o imenso bem que nos tem feito!

  2. Bom tratamento !

  3. Devemos hoje,quiçá mais do que nunca,aumentarmos a nossa devoção a Jesus Eucarístico,uma vez que muitos daqueles que dizem nutri-la “comungam” na mão,não acreditam na Presença Real de Jesus na Eucaristia,não se ajoelham perante o Ostensório,fazem dança na frente do mesmo,ou seja,Jesus só é mais um detalhe no meio dessa invencionice que não condiz com absolutamente nada do ensinado pela Santa Madre Igreja nesses seus mais de 2000 anos de existência.

  4. Os que admiramos o zelo sacerdotal e o profundo conhecimento da doutrina católica tradicional que possui o caríssimo Padre Élcio Murucci temos a certeza de que retornará renovado com abundantes graças do retiro inaciano e com a saúde fortalecida.