As alegações sobre um escândalo de orgia homossexual regada a drogas na Santa Sé.

Seja qual for a verdade exata por trás dessa história sinistra e perturbadora, ela expõe o comportamento gravemente pecaminoso que vem ocorrendo dentro do Vaticano e que um elevado membro da Cúria revelou que “nunca esteve pior”.

Por Edward Pentin, National Catholic Register, 8 de julho de 2017 | Tradução: FratresInUnum.com: De acordo com relatos da mídia secular, a polícia do Vaticano interrompeu uma orgia homossexual regada a drogas em um apartamento do Santo Ofício. Mas quão verdadeiro é tudo isso?

Palácio do Santo Ofício

Palácio do Santo Ofício

A notícia foi divulgada pela primeira vez em um artigo do dia 28 de junho no jornal italiano Il Fatto Quotidiano: a polícia do Vaticano teria invadido um apartamento no mesmo edifício da Congregação para a Doutrina da Fé, onde descobriram drogas pesadas e um grupo de homens engajados em atividade homossexual. A partir daí, outros proeminentes veículos de comunicação de língua Inglesa  passaram a publicar os detalhes extensivos que haviam sido publicados pelo Il Fatto Quotidiano .

O artigo afirma que o ocupante do apartamento era o Secretário do Cardeal Francesco Coccopalmerio, presidente do Conselho Pontifício para os Textos Legislativos, o mais importante dicastério de Direito Canônico da Igreja.

O relatório afirma ainda que a área do edifício era reservada não apenas para monsenhores, mas funcionários superiores da Cúria, sugerindo que o secretário tinha amigos influentes em postos altos para garantir um apartamento tão prestigiado.

Outros residentes no Santo Ofício teriam reclamado sobre um fluxo constante de jovens do sexo masculino no local e das festas barulhentas no apartamento do secretário – queixas que motivaram a incursão policial. Outras suspeitas foram levantadas também quando outros viram o secretário, que é um monsenhor da Diocese de Palestrina, perto de Roma, tendo acesso a um carro de luxo com placa do Vaticano, que supostamente lhe permitia trazer drogas para o Vaticano, sem nunca ter sido interpelado pela polícia.

O artigo prossegue dizendo que depois do flagrante policial, o secretário foi levado para a clínica Pio XI em Roma, onde foi submetido a tratamento de desintoxicação por consumo excessivo de cocaína. Em seguida ele foi enviado para um mosteiro em um local desconhecido na Itália.

O autor do artigo, Francesco Antonio Grana, disse que Papa Francisco, cuja residência se localiza em Santa Marta, apenas a 500 metros de distância do Santo Ofício, estava ciente da batida policial e da prisão do monsenhor em questão. Grana aponta também para o fato de que a entrada principal para o Santo Ofício se abre para o território Italiano e por isso está fora do controle da Guarda Suíça e da polícia do Vaticano.

“Qualquer um, de dia ou de noite, pode entrar no Vaticano livremente através desta entrada sem estar sujeito a qualquer controle”. Grana observou, acrescentando que isso faz do prédio do Santo Ofício “um local perfeito para desfrutar dos privilégios de extraterritorialidade, sem ter que passar pelo controle tanto do Estado Italiano como aqueles da Cidade do Vaticano “.

Ele também revelou que o cardeal Coccopalmerio havia supostamente recomendado, sem sucesso, que seu secretário fosse promovido a bispo.

O Vaticano se recusa a discutir essa história sinistra. Laura Signore, secretária do comandante da polícia do Vaticano, Domenico Giani, disse ao Register no dia 30 de junho que, “como é de costume”, o comandante da polícia “não pode emitir qualquer tipo de declaração ou conceder entrevistas.”

Ela acrescentou que o artigo “seriamente falta com a verdade” e recomendou que entrássemos em contato com a Sala Imprensa da Santa Sé para obter mais informações.

Vaticano não confirmará

O porta-voz da Santa Sé,  Greg Burke, deixou claro que ele não confirmará as alegações de orgia e não respondeu quando perguntado se ele poderia confirmar tudo ou apenas parte do que foi relatado na reportagem do Il Fatto Quotidiano. Perguntado mais tarde se o Vaticano poderia comentar quando a história houver atingido repercussão global, Burke preferiu permanecer em silêncio.

No dia 6 de julho, o Register chamou o secretário em questão em seu telefone celular, mas ele instantaneamente se recusou a falar quando soube que estava falando com um jornalista, murmurando palavras de  efeito: “Olha, eu não posso falar”, e desligou.

Enquanto isso, um membro proeminente e confiável da Cúria disse ao Register que ele ouviu de “fontes múltiplas” que a história é verdadeira, inclusive de outros membros elevados da Cúria.

Ele disse que a extensão de práticas homossexuais dentro do Vaticano “nunca esteve pior”, apesar dos esforços iniciados por Bento XVI para erradicar desvios sexuais da Cúria depois do escândalo Vatileaks de 2012.

Uma autoridade do Vaticano que de vez enquando costumava saudar o secretário do cardeal Coccopalmerio, disse ao Register que havia notado que ele não tinha visto o secretário pelo menos por dois meses, e antes que ele desaparecesse, tinha emagrecido muito.

O Register também contactou o Cardeal Coccopalmerio no dia 06 de junho diretamente via e-mail, perguntando se ele poderia confirmar a história, mas até agora ele não respondeu.

Os detalhes precisos dos eventos relatados na Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), portanto, permanecem uma questão em aberto, mas a essência da história parece ser verdade. Se assim for, muitos considerariam tal comportamento ocorrido no Santo Ofício não apenas injusto, mas também altamente sacrílego.

O edifício do Santo Ofício, que também hoje é o lar de algumas religiosas, bem como a CDF, remonta ao século 16. De 1908 a 1965, a CDF era conhecida oficialmente como a Suprema Sagrada Congregação do Santo Ofício e seu objetivo era “difundir a sã doutrina Católica e defender aqueles pontos da tradição cristã que parecem estar em perigo por causa de doutrinas novas e inaceitáveis.”

Desde o pontificado de Bento XVI, o dicastério Vaticano também se tornou responsável por tratar casos de abuso sexual clerical, embora deva ser salientado que esse escândalo parece não ter tido nada a ver com a Congregação.

O Papa Francisco abordou a questão da homossexualidade no Vaticano anteriormente, e, em particular, a existência de um lobby gay. Retornando da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro em 2013, ele disse que ainda que estava pra ver “qualquer um no Vaticano que poderia me dar um cartão de identidade escrito GAY. Mas dizem que eles estão lá “.

Depois de dizer que todos os lobbies são ruins, ele citou o ensinamento do Catecismo contra a marginalização de pessoas homossexuais, dizendo: “Se uma pessoa é gay, busca o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?”

No ano passado, o Cardeal Oscar Maradiaga, um conselheiro próximo ao papa Francisco, reconheceu a presença de um “lobby gay” no Vaticano e disse que “pouco a pouco o Papa está tentando purificá-lo.”

Elmar Mäder, um ex-comandante da Guarda Suíça entre 2002-2008, disse no ano passado que existe “uma rede de homossexuais” dentro do Vaticano,  após uma série de alegações sobre padres homossexuais que trabalham na Cúria. “Eu não posso refutar a alegação de que existe uma rede de homossexuais”, disse ele. “Minhas experiências indicam a existência de tal coisa”, afirmou ao jornal suíço Schweiz am Sonntag.

Até mesmo os demônios se repugnam 

À luz do mais recente escândalo e da situação atual, um ex-oficial instou os leitores a recordar as advertências de Nosso Senhor sobre os atos homossexuais, especialmente entre os sacerdotes, como foi explicado por Santa Catarina de Siena em seus diálogos escritos como se ditados pelo próprio Deus.

A mística medieval, co-padroeira de Roma e Doutora da Igreja, transmitiu essas palavras numa época em que um grande número do clero havia caído em pecado grave.

Esses sacerdotes, Nosso Senhor disse a Santa Catarina, não apenas falham em resistir às suas naturezas decaídas “mas fazem ainda pior quando eles cometem o pecado amaldiçoado contra a natureza [atos homossexuais].”

“Como o cego e estúpido, cuja luz do entendimento foi se esvaindo, eles não reconhecem a doença e miséria em que se encontram”, Nosso Senhor continuou, acrescentando que eles não apenas fazem com que Deus se sinta nauseado, “mas causam repugnância até mesmo aos demônios, a quem estas miseráveis criaturas escolheram como seus senhores”.

Ele acrescentou que “esse pecado contra a natureza é tão abominável que apenas por causa dele, cinco cidades foram destruídas, em virtude do julgamento da minha Justiça Divina, que já não podia mais suportá-las”. O Senhor disse a Santa Catarina que mesmo os demônios sentem “repulsa ao ver um pecado tão grande sendo cometido.”

Como remédio, Santa Catarina relata Nosso Senhor dizendo:

“Nunca deixe de oferecer-me o incenso perfumado das orações para a salvação das almas, porque Eu quero ser misericordioso para com o mundo. Com suas orações, suor e lágrimas, eu lavarei o rosto da minha noiva, a Santa Igreja. Eu mostrei-lhe antes seu rosto como de uma donzela cujo rosto estava todo sujo e deformado como se fosse uma leprosa. O clero e toda a Cristandade são os culpados disso por causa de seus pecados, apesar de receberem seu alimento do seio dessa noiva.”.

Anúncios
Tags:

6 Comentários to “As alegações sobre um escândalo de orgia homossexual regada a drogas na Santa Sé.”

  1. É interessante notar que Greg Burke preferiu ficar em silêncio ao ser perguntado sobre isso.A impressão que dá é que este é o lema do Pontificado de Francisco:”Alguém questionou?Silencie.”.Já foi assim com as Dubia,foi assim com a expulsão do Cardeal Müller,e não dá explicação agora.

  2. A infiltração maçônico-judaica e de seus subsidiarios comunistas na Igreja foi um plano bem orquestrado e anterior ao Vaticano II; visava a desmoralização e desconstrução dos valores e verdades vinculados à tradição cristã e tais conspirações atingiram o auge quando da realização desse Concilio, muito aguardado pelos revolucionarios e os conspiradores que o infiltraram e nele imporem suas agendas abomináveis, caso de adesão à pedofilia, uso de drogas, práticas homossexualistas etc.
    O vazamento de informações sigilosas da KGB por delatores dissidentes do regime soviético se comprovou nas suspeitas que maçons e comunistas promoveram uma ação simultanea na erosão das instituições religiosas, infiltrando nas carreiras eclesiásticas maus elementos e corruptores, e já alçados às posições do topo eclesiástico!
    Dessa forma, acinte provocando retumbantes mega escãndalos das formas mais execraveis, tais clérigos seriam suficientes para abalarem o Vaticano, visando criar o caos entre os pastores e, resultando disputas, promoverem a dispersão do rebanho católico, com a formação de seitas paralelas, pois o protestantismo parceiro revolucionario com sua doutrina relativista, nesse caso seria aliado, bastando fornecer-lhes recursos para se expandir e arrebanhar os católicos dispersos, o mais importante.
    Em 1862, o maçom Eliph Levi afirmou: “Chegará o dia em que o papa revogará todas as excomunhões e os anátemas serão suprimidos. Nesta época, todos os judeus, muçulmanos, ateus e hereges serão abençoados e recebidos pela Igreja Católica. Esta suportará novos dogmas e carregará uma nova religião, com um novo ministério que trará rituais atípicos. Dentro de um século, o culto a Deus orientado pela liturgia e pelo cerimonial, assim como os rituais e regulamentos da Igreja Católica Romana, irão sofrer uma transformação total em um Concílio Ecumênico”.
    Não é incomum no presente nos depararmos com varios sacerdotes dissolutos “católicos” que são alinhados aos acima, caso dos TeeListas; até alguns bispos por apoiarem ostensivamente comunistas e serem aliados dos degenerados acima!
    Nos relatorios da KGB constariam imensas infiltrações nas seitas protestantes, praticamente todas dirigidas por eles e em conferencias episcopais, caso CNBB.

  3. Deixemos de ingenuidade, o Papa Francisco não considera homossexualismo e adultério como sendo pecados. “Se o instinto e a volúpia empurram, então não pode ser pecado porque fazem parte da natureza do homem criada por Deus”, assim eles pensam. Pecado é a falta de comunhão com o Papa e com a CNBB e falar que a religião católica conduz à salvação. Pecado é falar mal de Lutero e de Maomé.

  4. As legislações italiana e vaticana não permitem posse de grande quantidade de droga. Assim sendo, o que este povo está fazendo fora da cadeia? Quem é amigo de Francisco está dispensado de cumprir a lei?

  5. Se o Estado do Vaticano se cala diante do crime de tráfico e posse de drogas em seus próprios palácios, temos um problema seríssimo e já passa da hora de medidas drásticas serem tomadas. O silêncio acaba se tornando conivência.

  6. Orgia homossexual dentro da CDF? Ora, qual o problema? Se é dentro da Igreja é porque estão procurando Deus, e “se uma pessoa é gay, busca o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?”.

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de Fratres in Unum.com. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s