Nota de esclarecimento do bispo de Caicó, RN.

Senhor bispo, faltou responder: é um dom ou não?

39 Comentários to “Nota de esclarecimento do bispo de Caicó, RN.”

  1. Falsa caridade. A pessoa com ferida homossexual é um doente dos afetos e do espírito; um neurótico, alguém que precisa sim de compaixão, mas a ser exercida com firmeza e não com essa falsa compaixão melosa e desfibrada. Eles não precisam de quem os mantenha cativos nessa condição infeliz, ou que tenha dózinho deles, pois, em sua neurose, eles mesmos são os primeiros autopiedosos, e adicionar mais combustível à sua neurose é ajudar a perpetuá-los nessa autoimagem destrutiva e autofágica.
    Eles precisam de quem os lembre e relembre que eles possuem um sexo designado por Deus, que lhes confere a natureza e a dignidade de varões, ou de varoas, e não a de pessoas com sinal trocado, merecedores de peninha e falsa misericórdia.
    E se o nível de suicídio entre eles está mais alto que nunca, certamente é porque ninguém vive bem na contradição, muito menos eles, que são a um só tempo o prisioneiro e o próprio carcereiro. Com este tipo de adulação falsa e maligna, a contradição fica insolúvel e os leva ao desespero.
    Caridade é lembrá-los que seu sexo responde a um desígnio de Deus, e que ninguém realiza a própria finalidade negando uma obra de Deus.
    Apoia-os quem os levanta do naufrágio de suas vidas afetivas ajudando-os a ter um olhar objetivo e realista sobre si mesmos; quem não os estigmatiza por causa do seu passado, mas lhes mostra que todo dia novo traz consigo novas esperanças; não os encerra na infâmia, não lhes deixa padecer na solidão, não os ridiculariza nem permite que outros o façam. Afinal, a verdade liberta. E liberta não só do estilo de vida homossexual, mas também da autoimagem homossexual, e isto é a própria restauração da identidade da pessoa, tal como Deus a pensou desde toda a eternidade.
    Apoia-os quem percorre com eles o caminho da esperança, e carrega a cruz com eles como se suas fossem.

    • Concordo plenamente!

    • Basicamente o bispo segue a “nova evangelização”, que na prática significa “evangelização nenhuma”. Seguindo essas diretrizes, em nome da “dignidade da pessoa humana” a igreja conciliar pede que deixem os pecadores irem para o inferno em paz!

  2. Se o Senhor bispo tivesse pregado sobre as dubiedades e má interpretação do Concílio Vaticano II, ou sobre a possibilidade dos párocos acolherem deliberadamente os fiéis que solicitarem o Rito Romano Extraordinário, ou pior ainda, que passasse pente fino nos formadores de seus seminários e expurgasse toda ideologia contraria a fé da Igreja, o destino deste bispo, com certeza, seria visitação apostólica, abandono por seus pares da “colegialidade” episcopal, e, por fim, destituição ou renúncia “voluntária”. Mas como o senhor bispo buscou “assimilar a mesma compaixão do Bom Pastor” (sic), não há muito que esperar.

    Paz e bem.

  3. Erra gravemente o bispo de Caicó. Quando o cristianismo, nos primeiros séculos (no confronto com a cultura pagã do Império Romano), enfrentou corajosamente a questão da homossexualidade, rechaçando tal prática, é porque a experiência histórica mostrou que os cultos fálicos da Antiguidade terminavam em sacrifícios humanos, principalmente de jovens e crianças. Daí que Cristo elevou o matrimônio como SACRAMENTO, para evitar o ser humano ficar vulnerável à pior das dominações, que passava também pela perversão sexual. O bispo infelizmente desconhece a História da Igreja e o Catecismo da Igreja Católica.

  4. O Bispo deu uma carteirada bem previsível: “Leio na cartilha do Papa Francisco, logo, quem me acusa de escândalo, o acusa antes”.

  5. Senhor Bispo, gostaria de lembrar-lhe que a missão de um Bispo da Igreja não é salvar vidas, mas sim salvar almas. E para salvar almas é preciso anunciar a verdade de Jesus Cristo e defendê-la até o derramamento do sangue, se assim for preciso.
    Não foi assim que agiram os apóstolos e uma multidão de mártires, seguindo o exemplo do Mestre?
    De fato, todos eles preferiram morrer a compactuar com o menor pecado; não fizeram a menor concessão a nenhum ídolo deste mundo. Não se importaram nem um pouco com as suas carreiras.
    Quero lembrar-lhe também que o evangelho de N.S.J.C não autoriza ninguém a aprovar o pecado como sinal de prova de “bondade” e “acolhimento”. Isso é falso. Jesus acolhia o pecador mas exigia a sua conversão: “vai e não peques mais!”
    Eis que o amor do evangelho fora da verdade é puro humanismo. Nada tem a ver com a autêntica fé católica.
    Nesse contexto, adular o pecador para que ele se sinta amado e acolhido é a mais pura demonstração de apostasia e covardia. Com efeito, os suicídios decorrem do vazio produzido pelo pecado na alma dos suicidas. Esses males e outros aumentam na medida em que os fiéis vivem na ignorância total das verdades da fé católica, já não mais ensinadas nas paróquias, em geral.
    Ao invés disso, ensina-se ecologismo, naturalismo e humanismos, frutos podres da maldita TL.
    Se as pessoas vivem de bem com o pecado, cedo ou tarde, haverá de sofrer as consequências.
    Afinal, não nos alertou o Senhor ao dizer aos nossos primeiros pais: “se comerdes desse fruto, morrereis”?
    Pois bem, aconselho que o Senhor reflita bem e combata o pecado com firmeza, santidade e fé e o mal será cortado pela raiz na sua diocese.
    Ao invés de dizer que o homossexualismo é um dom, diga a verdade do evangelho sem medo: o homossexualismo é um pecado mortal, gravíssimo, que clama vingança do céu. Quem estiver nesse estado de pecado, ou qualquer outro pecado grave, CONVERTA-SE enquanto é tempo, pois do contrário MORRERÁ do mesmo modo que morreram os que já se suicidaram.
    Acaso não foi precisamente assim que agiu São João Maria Vianney em Ars?
    Creia-me, Sr. Bispo, funciona sim.

  6. Ué, vai ficar por isso mesmo ou mais cobrança para com esse bispo vai continuar?!

  7. “Não! Vós é que fazeis injustiça, vós é que espoliais – e isso entre irmãos!
    Acaso não sabeis que os injustos não hão de possuir o Reino de Deus? Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos… hão de possuir o Reino de Deus.” (Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios)

  8. Sua Excelência utilizou-se de dois pontos bem claros a meu ver tendo um deles sido mencionado acima:1- Deu uma “carteirada” afinal agora todo mundo joga “na conta” do Papa as presepadas que faz e principalmente quando precisam explicar o inexplicável, talvez se o Papa se ocupasse apenas de confirmar aquilo que diz o Sagrado Magistério da Igreja e parasse de “inventar moda” ou começasse a usar com os Bispos que a exemplo deste falassem contra o Magistério da Igreja o mesmo expediente que usa com os que o contrariam coisas assim não ocorressem. 2- Sua Excelência falou, falou, falou e não disse nada e o que é pior: Deixou no ar a pergunta: é ou não dom de Deus?

  9. Sabemos que nem todos os cardeais e bispos estão de acordo com certos ensinamentos do papa Francisco de priorizar demasiado a misericordia em detrimento da justiça – cuidar mais da pastoral que da letra, da doutrina – proporcionalmente iguais e verifiquemos se os praticantes da sodomia se dispõem a se penitenciar e sairem dessa vida diabólica!
    “Não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não vos deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem os que se entregam a práticas homossexuais de qualquer espécie”. 1 Cor 6,9.
    Já pensou, por ex., num casal de gays num círculo bíblico estudando as Sagradas Escrituras entre os católicos fieis, mesmo no altar, noutras atividades contaminando o ambiente, com o sacerdote e os fieis consentindo?
    Que paradoxo: o acontecido com o filho da parábola conhecida como a do “filho pródigo”: o mais jovem, retornou para casa arrependido, contrito e, aos invés de gloriar-se de si mesmo e de seus desmandos, humilhou-se, dispôs-se a servir, sem reclamar, aceitou até ser tratado como último dos servos – e foi integralmente salvo!
    Não ferir a sensibilidade dos sodomitas e dos pecadores arraigados noutros pecados, caso dos adúlteros, por ex. a mais, seria seguir uma doutrina politicamente correta, aquela de laboratorios de engenharia social, a da TL, em nome da “não discriminação, não constrangimento etc”., ou seja, os sacerdotes não podem falar mais em pecados mortais, condenação ao inferno – aliás, parece ter sumido de vez das homilias – “para não assustar as pessoas”, porém, dirigirem-se ao povo com homilias “aguas doces, melífluas a ponto de verterem lágrimas de emoção”, como nas seitas protestantes: “todos estão salvos” – pequem á vontade – no entanto, “pecca forte et crede fortius”!
    Uma situação seria vilipendiar os sodomitas objetivando achincalhá-los; no entanto, outra seria os advertir de poderem ir para o inferno e os admoestar, pois os praticantes dessa aberração estão seguramente nas vias conduzentes à geena! Que não se condenem por falta de quem os devia alertar e conscientizar desse gravíssimo perigo!
    “Já vos escrevi na minha carta, para não vos relacionardes com os devassos. Não me referia, genericamente, aos devassos deste mundo, ou aos avarentos, ladrões, ou idólatras, porque, então, teríeis de sair deste mundo. Não. Escrevi que não devíeis associar-vos com quem, dizendo-se irmão, fosse devasso, avarento, idólatra, caluniador, beberrão ou ladrão. Com estes, nem sequer deveis comer”.
    Teremos nós de acolhermos e nos silenciarmos frente a impenitentes, desejando se manterem no pecado em nome de incertos e indeterminados “acolhimento, tolerancia, respeito” para não ferirmos as sensibilidades de quem não deseja se converter?
    Ações dessa formas cabem muito bem para os relativistas adotantes da TL, disfarçada de católica romana, seguidores dos passos do ex frei L Boff, Pe Gutierrez, de D Hélder Câmara, D Pedro Casaldáliga, da CNBB-TL-PT, aí sim!

  10. Olhe aqui, senhor Carlos, o senhor e demais falsificadores do Evangelho vivem no mundo de Poliana, onde tudo é fácil, ameno e florido; acontece, porém, que a realidade é bem outra. Por exemplo, o número de jovens e adolescentes que contraíram Doenças sexualmente transmissíveis nos últimos anos só tem crescido. Se, pois, algum dos seus ouvintes, amanhã ou depois, contrair alguma dessas moléstias por conta dos seus “dons” de prostituidor e falsificador da Palavra de Deus, então boa parte da culpa será sua, e este, decerto, não é o maior dos prejuízos. Acho bom o senhor se retratar ou pegar seu chapéu e sair procurando uma pedra de moinho e um barquinho que leve ao alto mar, para nenhum servo de Deus ter mais qualquer notícia sua.
    E, se o senhor tem algum problema de ordem “afetiva”, será mais coerente e honesto que, deixando o ministério eclesiástico, o senhor ganhe a vida de modo mais coerente e racional.
    Responder

  11. Sr Bispo, continua afirmando que o homossexualismo é “dom” de Deus?

  12. Os brasileiros deveriam estar preocupados em saber o que andam a fazer ou o que fizeram para merecerem este e outros bispos como este …Tal bispo tal povo.

    • Luis Fernandes, a falta de bons bispos não é um problema exclusivo do Brasil. O que é notável no Bispo de Caicó, a sua inspiração, é o Papa Francisco, o Bispo de Roma. Se tal bispo, tal povo, então, quando se trata do bispo de Roma, isso atinge a todo orbe Católico.

    • Nós aceitamos o castigo… E vós outros, lusos, o que haveis feito?

  13. Queimou legal o filme do Bergoglio, ao dizer: “em razão da minha prometida fidelidade ao Papa Francisco” e pondo em “prática os ensinamentos de seu magistério”.

  14. Aprofundada nos ultimos decenios. Traducao: Nao vale o que tinha sido dito nos ultimos milenios. Me lembra o que alguem disse de um falso “guru’” da India : ” (com palavras sabiamente escolhidas) ele nos permite pecar como nunca pecamos”.

  15. Não sei o que foi pior: a emenda ou o soneto.

  16. Bom, depois de ler e reler a dita nota, achei por bem dissecá-la por parágrafos porque de fato ela merece uma resposta.
    No primeiro parágrafo da famigerada nota, esse senhor cita sua palestra sobre o tema da “homoafetividade”( urrgh!) como sendo uma homilia para o encerramento da Festa de Santa’Ana.
    Ora, creio eu que os devotos de Santa’Ana que ali se encontravam, esperavam no mínimo ouvir um sermão sobre a santa de sua devoção, a mãe da Bem-Aventurada e Puríssima Virgem Maria, ao invés de uma defesa do pecado impuro contra a natureza!
    Como sempre, ele se doeu por causa das contestações que se levantaram pelo escândalo que ele provocou. Mas do escândalo mesmo, ele não se mostra nem um pouquinho arrependido.
    Essa infeliz nota foi divulgada apenas para mostrar que errado é quem o contestou. Ele está certíssimo! Só está seguindo o “magistério”…mas afinal que “magistério” segue esse “Kasper do Sertão”?
    Esse senhor se esquece de que ele não foi elevado à dignidade de sucessor dos Apóstolos pra emitir “pontos de vista” pessoais! Isso ele deixa lá pras “nêgas dele”.
    Falando como Bispo ele tem por obrigação e dever de ofício, conservar santamente e expor fielmente o depósito da fé, ou seja, a revelação herdada dos Apóstolos.
    Ainda nesse segundo parágrafo da nota, ele tenta novamente se justificar “linkando” desonestamente o índice de suicídios na cidade de Caicó à mentira propagada pelo lobby LGBT de que os sodomitas se suicidam por causa da discriminação contra eles.
    Ora, basta dar um google em “suicídios na cidade de Caicó” e cai a farsa!
    http://crn.imprensa.ws/preocupacao-aumenta-o-numero-de-suicidios-em-caico/
    Que a Cidade de Caicó figura entre as cidades do Brasil com altos índices de suicídios, isso é fato. Mas que esses suicídios estejam ligados a “homofobia”, fica por conta da criatividade desse bispo.
    O tema foi tratado pela Secretaria Municipal de Saúde de Caicó através de palestras para Prevenção de Suicídio na Prática Clínica. E segundo palavras do Médico Psiquiatra, Dr. Marcelo Modesto, a maioria está ligado a problemas psiquiátricos.
    Usar a tragédia do suicídio de pessoas com problemas psiquiátricos pra justificar a promoção da agenda LGBT foi golpe baixo da parte desse senhor.
    E novamente, lá vem ele com outro golpe baixo no terceiro parágrafo ao usar o Evangelho de Mateus-13, 44-52 da Festa de Sant’Ana para doutrinar a assembleia segundo o seu “ponto de vista”.
    Ora, se procurar, com um pouco de boa vontade, existe não sei quantas “reflexões” ou comentários dos Padres da Igreja sobre esse Evangelho! E com uma riqueza de doutrina, com uma sabedoria sobrenatural que certamente é o leite espiritual que aqueles pobres fiéis estavam precisando!
    Interessante é que no final da nota, ele até cita Santo Agostinho! Então alguma coisa ele conhece dos Padres da Igreja, mas só pra cavar ali ou aqui uma frase de efeito que possa ser usada pra justificar seu flagrante modernismo.
    No quarto parágrafo da infeliz nota, ele mesmo confessa como instrumentalizou o Evangelho de Mateus 13, 44-52 para empurrar o Evangelho segundo Kasper pra massa ignara!
    Não vou nem entrar na citação que ele faz do parágrafo 2358 do “Novo Catecismo” porque isso é outra discussão.
    Mas o fato é que ele está apenas repetindo feito papagaio a doutrina kasperiana de que “gay se nasce”. Uma doutrina que é facilmente desbancada pelo princípio da não-contradição.
    Kasper disse em entrevista ao Corriere dela Sera, que “: a homossexualidade não reflete o plano original de Deus, mas todavia é uma realidade, porque gay se nasce.”
    Ao que seu interlocutor respondeu com muita propriedade:

    “Na verdade, suas palavras, Eminência Reverendíssima, são claríssimas: o senhor diz que “a inclinação homossexual não reflete o projeto original de Deus” mas logo em seguida diz, “todavia é uma realidade”, não porque a homossexualidade é uma realidade como um monte de outras coisas que não refletem o projeto original de Deus (como colocar o dedo no nariz, roubar uma marmelada e até coisas mais graves), mas “por que gay se nasce”. Olha a confusão! Que pergunta pode surgir quando se afirma ao mesmo tempo qual é o “projeto original de Deus” e qual é o projeto do “gay se nasce”?
    Me parece lógico deduzir que o senhor, Eminência Reverendíssima, está convencido de uma das duas seguintes conclusões, e que o seu questionamento se encaixa dentro da seguinte alternativa: ou Deus se existe, não tem nada a ver com o nascimento de ninguém (ergo, não tem nada a ver com a criação presente, pois Ele criou o mundo há algum tempo atrás mas depois deixou correr à revelia como um joguinho impulsionado por uma mola, (o que seria uma patente heresia); ou Deus se existe, adora criar coisas novas que são contrárias ao seu projeto inicial ( heresia dupla)”.

    Então voltando ao “Kasper de Caicó”, constatamos que ele apenas repete do púlpito a mesma heresia e ainda no quinto parágrafo diz que está convicto que não agiu de má-fé e nem quis induzir ninguém ao erro!
    Ora, só nessa nota ele deixa patente a sua má-fé em pelo menos três ocasiões:
    1- Ao usar a tragédia do índice de suicídios motivado por transtornos psiquiátricos para justificar sua promoção da agenda LGBT.
    2- Ao aproveitar-se da grande platéia que ali estava para a Festa de Sant’Ana para instrumentalizar o Evangelho do dia para promover o “evangelho segundo Kasper”.
    3- Ao propagar a mentira do “gay se nasce” que não é comprovada nem pela ciência e muito menos pela Fé Católica.
    Mas agora ele se sente plenamente justificado, afinal o “Papa Francisco” o pediu para não ficar muito obcecado com temas como aborto, divórcio e a condenação de atos homossexuais! Como se alguma vez na vida ele tivesse se preocupado com esses temas!
    Aborto, Divórcio e Sodomia nunca foram preocupação de nenhum Bispo liberal, que dirá “obsessão”.
    Várias mulheres que se suicidaram em Caicó vinham passando por problemas afetivos no casamento. Divórcio e famílias separadas representam um grande fator de depressão tanto para mulheres como para os filhos.
    Mas pra que ficar obcecado com esses assuntos não? Aborto também está diretamente ligado a muitos casos de depressão. E o número de suicídios devido à depressão só aumenta no mundo inteiro. Mas pra que ficar obcecado com esses temas não é? A moda do momento é suicídio por causa de “homofobia” e se não tiverem casos pra justificar, a gente inventa!
    Eu queria só saber quando foi que o Senhor Bispo se preocupou em seguir sua “prometida fidelidade ao Sucessor de Pedro”, quando o Pontífice em exercício era Bento XVI!
    Quantas são as paróquias de sua Diocese que celebram o Summorum Pontificum? Será que ele segue à risca o Documento da Igreja que proíbe a entrada de pessoas com tendências homossexuais nos Seminários, ou o Seminário de sua Diocese é outra “gaiola das loucas”?
    Obediência de conveniência! A Igreja Bergogliana está de portas abertas pra acolher, instruir, discernir e levar a salvação a todos sem excessão? Não, a excessão são apenas os Católicos tradicionais que não concordam com heresia e sacrilégio!
    Esse senhor tem lábia de camelô, mas a última coisa que ele professa é a Doutrina da Igreja, se é que a conhece!
    Sua fidelidade é às idéias kasperianas/bergoglianas porque ele compartilha do mesmo “ponto de vista”. Se entrar um Pontífice fiel à doutrina ele volta a agir como sempre agiu a CNBB, ignora e continua propagando seus “pontos de vista que não passam da vista de um ponto”.
    Finalizando, quero lembrá-lo de seu lema episcopal: “Olharão para aquele que transpassaram (Jo 19, 37) que está diretamente relacionado ao Evangelho de Mateus 12-36:

    “Mas eu lhes digo que, no dia do juízo, os homens haverão de dar conta de toda palavra inútil que tiverem falado. Pois por suas palavras você será absolvido, e por suas palavras será condenado”.
    (Mateus 12:36,37)

    • Perfeito. Que Deus a abençoe.

    • Senhora, seus comentários são uma benção, anseio por eles porque contribui com o meu aprendizado e crescimento espiritual! Rezo para que Deus lhe conserve por muito tempo no bom combate e lhe dê consolo e forças para suportar a sua duríssima provação. Amém…

    • Perfeito Dona Gercione! Que a Virgem interceda Sempre pela sua abençoada vida!

  17. A emenda foi muito pior.Tentou inutilmente justificar o injustificável. E o pior é sua obstinação no erro, porque não reconheceu que chamar de dom de Deus à homossexualidade foi um escândalo gravíssimo! Sem contar que é uma blasfêmia!

  18. Eu acredito que o Sr. Bispo de Caicó,com essa desastrada opinião,não tenha ainda estudado a carta de São Paulo aos romanos, em especial o Capítulo 1 versículos 27 e 32.

  19. Só fico impressionado em como o clero mudou de atitude com relação ao papado.
    Até a renúncia de Bento XVI, papas eram criticados sempre, vistos como líderes inconvenientes.
    Mas depois da eleição (fraudulenta) de Bergoglio, todos começaram a ser papistas ao extremo….seria um ‘movimento da Graça’ visando a salvação das almas, ou é apenas uma sintonia de vícios, um conluio para terminarem de afundar a barca?

  20. Isso NÃO É uma retratação da HERESIA que ele afirmou em púlpito.
    Portanto, não resolve o problema.

  21. Viraram todos papistas!

  22. Mas o CIC não diz que ser homossexual é pecado. Diz que exercer a homossexualidade isso sim já é pecado. O Bispo deixou isso claro.

    • O CIC não diz que o homossexualismo é dom de Deus, como disse o Bispo no vídeo e não ‘desdisse’ no na Nota de Esclarecimento.

  23. Ele se esconde atrás de Francisco! Francisco tb está errado. Pronto.

  24. Desprezível retórica em vez de obediência aos Mandamentos, O que realmente me estarrece é que o Episcopado está sendo “renovado” velozmente e com sofreguidão pelo Papa Francisco e todos os nomeados tem seu mesmo “ponto de vista” sobre o Catecismo ou sobre o que se diz que Jesus possa ter dito, já que não existiam gravadores nem o Filho de Deus se empenhou em registrar no Cartório suas declarações. Além do mais as pessoas já sabem de cor a doutrina, é feio falar de pecado, expiação, bla, bla, bla… E altissonantes nulidades, coniventes e para comprazer seu caudilho, com retórica e verborragia querem calar o Verbo!

  25. Humildemente, assino embaixo. Acolher o homossexual para pô-lo no bom caminho, sim. Isso é cristão. Agora, aproximar-se dele, para dizer-lhe: ‘não ligue para as críticas’, você tem o ‘direito’ de ser o que você quiser, sem medo de ser ‘feliz’, ai já é maldade, é deixa-lo seguir, célere, para a beira do Abismo. Isso é Diabólico!

  26. Eu acho que quis dizer que a vida do homossexual é dom de Deus, como qualquer vida humana é dom, mas ter tendências homossexuais não é dom, podendo até ser pecado caso a opção de vida seja exercer de forma ativa essa desordem sexual que nalguns casos ( poucos) não se conhece a origem. Será que assim já está explicado? O problema foi que no exemplo prático que o Bispo deu, o jovem homossexual nunca foi ter com o Bispo, ou seja, ficou a ideia de que queria seguir a vida de pecado, à margem da moral cristã.

    • Com que intuito vc está torcendo o sentido óbvio das palavras do sr Carlos? Muitíssimo estranha e suspeita essa sua benevolência descabida.

    • Não, Teresa, não tente “tapar o sol com a peneira” amenizando as palavras infames e inaceitáveis deste Bispo, ele foi claro aos 1m54s do vídeo: “Na perspectiva da Fé, [o homossexualismo] só pode ser dom de Deus”

  27. Se é dom de Deus, deixou de ser pecado? Ou é dom de Deus e pecado ao mesmo tempo? Como pode ser isso?

  28. O homossexualismo não é nem doença, nem uma opção social e nem tão pouco “dom de Deus”. Ele é tão somente um grave defeito moral, decorrente da tendência desordenada fruto do pecado original. Ele pode ser desencadeado por uma educação não proporcionada às diferenças entre meninos e meninas, pela doutrinação da mídia ou até mesmo de “pastores” como esse supracitado. Fruto da famigerada e tosca “Teologia da libertação” esse “Bispo”, falou muito e não disse nada, apenas ecoa palavras soltas e vãs numa tentativa de querer retratar o irreparável, nesse caso a absurdas heresias que propagou durante a homilia na festa da mãe da Virgem Maria (Santa Ana) e sabe Deus se nãos as faz durante outras. A equipe que Bergoglio espalha pelo mundo está cumprindo direitinha a agenda que se propõe a destruição da Igreja, o que nos resta é rezar e pedir auxilio ao céu, pois se depender dos homens que teriam que puni-los vamos ver cada dia aberrações como essa.
    1 Tm 1,9-11: “Sabemos que a Lei não é destinada aos justos, mas aos iníquos e rebeldes, ímpios e pecadores, sacrílegos e profanadores, parricidas e matricidas, homicidas, impudicos, pederastas, mercadores de escravos, mentirosos, perjuros e para tudo o que se oponha à sã doutrina, segundo o Evangelho da glória do Deus bendito, que me foi confiado”.

  29. A notar a insistência do senhor Bispo no termo “homoafetivo”, evitando o correto – homossexual – mesmo que tenha de citá-lo, por conta do parágrafo do CIC. Como já li em outro artigo, usa-se e dissemina-se uma linguagem imposta ideologicamente de cima a baixo, fartamente adotada na grande mídia e em redes sociais, além de movimentos das ditas “minorias” (aquelas, eivadas de anticristianismo).
    Demais disso, a ligação forçada de suicídios com “homofobia” é plena de vigarice intelectual e alegação falaciosa, tanto quanto à mentirosa afirmação do “gene gay” (e mesmo que fosse verdade, não significaria, “per se”, uma informação genética correta, visto as anormalidades que podem e de fato ocorrem na hereditariedade).