Editorial: Um ataque brutal às mulheres Católicas.

Não há acordo: eles creem na “Mãe Terra”, nós cremos na Mãe de Deus.

Por FratresInUnum.com

Por todos os lados, chegam-nos notícias de uma crescente propaganda de bispos contra – pasmem! – a “Consagração a Nossa Senhora” segundo o método de São Luiz Maria Montfort, o uso de cadeias, de véus e de saias por parte de mulheres, e tudo por causa de uma alegada “onda de conservadorismo” que, como surto, teria tomado a Igreja no Brasil.

wp-image-180662913

Eles querem salvar o planeta, nós queremos salvar as almas.

Mas… Por que um pano na cabeça incomoda tanto os bispos? Por que uma saia abaixo do joelho ou uma pulseira gera tanto desconforto? Por que os bispos não criticam o véu das muçulmanas ou as suas burcas? Por que apenas as Católicas os incomodam? Não parece desproporcional a ofensiva, diante de uma minoria de mulheres que adere aos usos mais tradicionais?

Notem a contradição. Enquanto esses senhores se encorajam mutuamente, respaldados pelo estímulo progressista deste pontificado, voltam-se com fúria contra tudo que representa o mínimo vínculo com a antiga religião Católica, cujos resquícios precisam ser definitivamente apagados, para que não reste a mínima lembrança de uma tradição cuja força de atração é capaz de suplantar a nova religião que eles querem trazer à luz. É uma “coragem” contra aquilo que eles “temem”. É uma ofensiva que se demonstra mais do que tudo defensiva. É uma força que se mostra como ostensiva fraqueza.

Nesta hora de impasse, é necessário que as mulheres compreendam que a Providência Divina pôs em suas mãos uma força impressionante! Em cada mulher de véu, de saia, de cadeia no pulso, há uma guerreira, há uma afronta a Satanás, justamente naquilo que ele mais detesta: a lembrança nítida de Maria Santíssima.

As provocações desses senhores só aumentarão, e por um motivo: são eles que se sentem afetados, provocados, insultados pela devoção e piedade daquilo que há de mais delicado e doce, justamente a feminilidade das mulheres Católicas, seu amor reverente a Deus, sua modesta dedicação à Igreja.

Entre os modos toscos com que tratam as coisas sacras e a delicadeza das novas donzelas da Virgem Santíssima há um abismo. Elas são a acusação silenciosa de uma apostasia que eles precisam disfarçar, são uma clarinada de Deus para despertar as suas consciências mortas, são a pregação simbólica de uma santidade que se quer voluntariamente esquecer.

Além disso, são estas mulheres marianas a rejeição de uma nova mariologia que sucumbiu à podridão do que há de pior no feminismo radical. Trocaram a Virgem Puríssima pela “Maria do povo”, um protótipo de militante comunista, engajada em movimentos sociais e lavadeira subversiva… Querem interceptar a devoção a Nossa Senhora Aparecida com esta falsificação brutal, induzindo as pessoas a uma compreensão mariana deformada.

Esta “Maria” inexistente é a do empoderamento feminista, que exige o sacerdócio das mulheres, o destronamento do Verbo que se fez homem. Não é a serva do Senhor. Ela não é serva de ninguém e não tem servos, é libertadora. Por isso, são insuportáveis as correntes, as pulseiras, as cadeias.

Eles querem nos impor a “Maria da Terra”, mas nós cremos em “Maria, Porta do céu”. Eles querem salvar o planeta, nós queremos salvar as almas. Eles querem o mundo, nós queremos a eternidade. Eles pretendem que as mulheres da Igreja sejam um reflexo das mulheres do mundo; enquanto as mulheres da Igreja pretendem ser um reflexo das mulheres do céu, das santas e, sobretudo, da Virgem Santa Maria. Por isso, não há acordo: eles creem na “Mãe Terra”, nós cremos na Mãe de Deus.

Não há motivos para temer. A crise passará e, como disse há cem anos a Virgem de Fátima, “por fim, o meu Imaculado Coração triunfará”! As filhas de Maria continuarão com esta procissão humilde e devota, enfrentarão hostilidades e condenações, não terão afeto de seus padres e prelados, mas prevalecerão.

Repetimos: a Providência Divina colocou nas mãos das mulheres um poder do qual precisam se tornar conscientes. Coragem! Continuem firmes. A vitória é certa e quem permanecer ao lado de Nossa Senhora, seguramente, com Ela triunfará.

Anúncios
Tags:

30 Comentários to “Editorial: Um ataque brutal às mulheres Católicas.”

  1. Excelente texto! Li cada linha com atenção. Parabéns pela redação, precisa e objetiva.
    .
    E por falar na Mãe de Deus…Nossa Senhora – Ótimos Vídeos, Respostas, Textos, Livros e Áudios! https://www.4shared.com/web/directDownload/OEQf5BhSei/l9hKI7l4.12a89b8c7fdc6d5ad7ccb95c0ddd0fbf

  2. Parabéns! Belíssimo texto! Vamos repassar!

  3. Só uma correção: não é a “antiga religião”, mas sim a VERDADEIRA religião. O que esse bando de apostatas modernistas querem é implantar a falsa religião universal e ecumênica do Anticristo, já denunciada por São Pio X. Que o Senhor ou os converta ou os castigue enormemente!

  4. Decote e roupa colada e curta pode…aparece uma saia modesta já vem o burburinho…”olha a beatinha”

    • Verdade, Luis! Incrível como meu véu na Santa Missa chama mais a atenção do que a moça de legging, a com vestido de alcinha, e a da blusa mostrando a barriga/sutiã!

    • Abençoada beatinha. Quem se considera catolico verdadeiro e nunca enfrentou coisas dessas, faça um bom exame de consciência.

  5. Se os coveiros da Igreja no Brasil, isto é, o irrelevante episcopado nacional – digo: em boa parte, inclusive os conservantes-, se eles, pois, não fossem um bando desorientados crônicos que não inspiram nenhum sentimento de adesão aos seus “projetos pastorais”, então, decerto, teriam assuntos justos e causas inspiradoras a pensar. Como nada fazem exceto seus shows crismais domingueiros, e como o ócio crônico gera tédio e amargura, ficam eles, os coveiros da Igreja, a caçar. Querem cassar, agora, e de novo, mais um ponto de identidade católica.
    Enquanto isso, não conheço um só porteiro ou guardinha predial que não seja “evangélico” (um falante e proselista protestante). Está aí o resultado da “nova-evangelização” da falida igreja conciliar: todos os anos, milhões debandando e milhões não vindo (para a Igreja).
    Mas hybris quietista dos bispos acha que é assim mesmo, acha que os “fenômenos” da sociologia e da antropologia é que vão dar conta de explicar o esvaziamento da Igreja na “maior nação católica do mundo”.
    É é sempre bom lembrar e relembrar. A única arquidiocese do mundo em que o lúgubre Vaticano Dois foi implementado, a arquidiocese do Rio de Janeiro, tendo à testa Eugênio Sales e seu fiel escudeiro Estêvão Bittencourt, é, hoje, uma cidade protestante. Os conservantes realmente fazem mal à saúde “eclesial” (palavra nauseante dentre todas).
    E, como os números falam por si mesmos, entre 2000 e 2010 o número de católicos no país caiu 12,2%; no mesmo período, a população furibunda de hereges protestantes cresceu 44,1% (entre 1991 e 2000, o número desses hereges aumentou 71,1%).
    Doravante, tendo o lúcido e zeloso episcopado nacional à frente, vamos aguardar para ver o crescimento do Islã. Pois as pessoas que deixam as seitas protestantes, depois de terem sido achacadas e tosquiadas pelos salteadores que as empresariam, não retornam à Igreja católica. E é nesse meio que os seguidores de Mafamede hão de fazer neófitos. E há uma curiosa aliança entre movimentos de esquerda e a “juventude islâmica” (nas periferias existenciais, geográficas e econômicas).
    Mas os bispos se incomodam com o véu das senhoras e das moças.

  6. São Luís Maria Grignon de Montfort dizia, em seu Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria, que no final dos tempos se formariam dois exércitos: um de Maria Santíssima, que pelejaria do lado de Deus, e o outro do demônio, que pelejaria contra Deus. Ele diz que muitos serão os que se alistarão no exército de Maria, e que este exército será poderosíssimo. Por outro lado, Nossa Senhora de La Salette nos fala da decadência do clero no final dos tempos. Juntando essas duas informações, compreende-se a oposição de tantos sacerdotes e bispos à devoção à Maria segundo São Luís Maria Grignon de Montfort. Contudo, lembrando Santo Afonso Maria de Ligório, devemos reconhecer, por outro lado, que há muitas formas de honrar Maria e que o método de São Luís não é o único. Cada qual escolhe aquele com o qual mais se identifica. O que não pode é haver a proibição de um método simplesmente por julgá-lo arcaico ou medieval, etc.

    Para finalizar meu comentário, partilho dois pensamentos de São Luís sobre N. Sra.

    “A Imaculada é a vencedora do demônio, é a Mãe de Deus, sempre unida a Deus, cheia de graça, a obra-prima da graça que contém em si toda forma de perfeição e santidade que as criaturas humanas podem atingir.

    “A Imaculada é Aquela cujo amor ilimitado e cheio de veneração anseia pela glória de Deus, combate as batalhas de Deus para derrotar o mal, pelo triunfo do bem, esmaga a cabeça do monstro infernal e destrói todas as heresias do mundo.”

    Fonte: https://aparicaodelasalette.blogspot.com.br/2016/12/sao-maximiliano-kolbe-um-cavaleiro-vai.html

  7. Muito bom artigo. Se dissessem que foi um sacerdote que escreveu ficaria ainda mais satisfeito. A tempos que esperamos da parte da Hierarquia uma reação contra as modas imorais na sociedade em especial nos recintos sagrados. Um desabafo, nem nas Missas Tridentinas, vejo chamarem atenção para isto. Dirá alguém, mas nestas Missas normalmente não vão pessoas mal vestidas. Se mesmo assim os padres chamares atenção, não acham que isto repercutirá na sociedade? Ou mesmos estes padres tem medo de pressão? Voilá Pe. DP…
    Parabéns estas Filhas prediletas da SS. Virgem. Enfrentem e que riem, debochem de vcs. Do alto do céu Nosso Senhor está vos abençoando… Vão assistir com o tempo como as coisas se invertem. Sejam firmes e intransigentes.
    Em tempo… Sempre ouvi dizer que houve um acordo entre dirigentes da Santa Igreja e filhos das trevas em matéria de modas. “Não condenem as modas imorais e não atacamos vcs”. Será verdade? Pela observação da realidade, tudo indica que sim..

  8. Ótimo texto, é lamentável tudo isso mas usemos esse momento de crise de Fé para confirmar ainda mais a nossa vocação de ser cristã neste tempo de neopaganismo.

  9. Os infelizes que procedem desta maneira com a promoção de tais perseguições, revelam de forma explicita aquilo que eles verdadeiramente são. São, não simplesmente arremedos de bispos, mas são verdadeiros falseadores da fé. Com sua retórica luciferina repleta de ironia, sarcasmos e menosprezo atacam algo que é suscitado não pelo espírito do mundo mas pelo sopro do Divino Espírito Santo. Antes de empreender alguma mais mínima ação destas perseguições, há de ser de muito bom alvitre, para o bem de suas próprias almas, que eles façam um bom e profundo discernimento e possam se dar conta de que o que eles combatem não é um modismo… Não é, muito menos, um arcaísmo… Mas é uma manifestação suscitada pelo Altíssimo. Que estes bispos não se anteponham ao sopro do Divino Espírito Santo de Deus, que seguramente há de soprar cada vez mais forte e dobrar-lhes-á, se preciso for… .
    Bendita seja a Santa, Imaculada e Puríssima Conceição da sempre Bem Aventurada Virgem Maria, Santíssima Mãe de Deus !
    Oh Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós !
    Que o Doce, Bendito e Sapiencial Imaculado Coração de Maria seja a nossa Salvação !

  10. Texto excelente e encorajador! Já passei para minha esposa e todas as mulheres devem lê-lo.

  11. Dediquei minha vida para divulgar a Total Consagração à Santíssima Virgem e pago alto preço, tenham certeza disto. Porém, é maravilhoso ver o quanto a perfeita consagração à Nossa Senhora tem sido espalhada aos quatro cantos de Nossa Terra de Santa Cruz. Não será nenhuma investida do inimigo infernal que impossibilitará o Triunfo do Imaculado Coração da Mãe de Deus e Nossa Mãe. É a vontade de Deus, expressa nas Sagradas Escrituras e anunciadas por Nossa Senhora em Fátima. Agradeço do mais fundo de meu coração este belíssimo artigo do Fratres in Unnum, fonte de estímulo e força para que consigamos enfrentar os dardos de injúrias e tristezas que nos são lançados ferozmente por este mundanismo pagão que invadiu nossas vidas. Salve Maria!

  12. Houve nesse editorial a justa referencia que os esquerdistas bispos, mesmo idem tantos sacerdotes nunca atacam “as muié de pano na cabeça” do Islã, filhas da deusa da lua Alah, a qual via seus cupinchas imans e mullahs são doutrinadas por esses “seus representantes” na terra a criarem os neo terroristas, desde o berço, obrigadas a partir da mais tenra idade a incutir nos pequerruchos a doutrina do discriminador e intolerante Alcorão!
    Os antagonistas aos conservadores da Igreja tradicional são os ideologistas comunistas sacerdotes da TL e adeptos de suas ideias, idem varios bispos, os iguais na CNBB e prelados que via silencio nunca a contestam para não causarem “divisões”, ou o que for, e os simpatizantes das esquerdas!
    Apreciaremos as anarquistas feminazistas daqui “defensoras dos direitos da mulheres” baixarem em Riad, em Teerã, no Cairo, em Trípoli etc., e darem demonstrações de força condenando severamente o Islã pela escravização da mulher!
    Que tal protagonizarem umas cenas dessas nesses locais – muito nos comprovará que as defendem, ou como acreditamos, que estão aqui a serviço das esquerdas-NOM, instigando as Lutas de Classes e badernas generalizadas?!
    Mesmo o papa Francisco bajularia as esquerdas e o Islã, e os bispos devem estar seguindo suas orientações, como a mais recente: *”Papa Francisco diz que Países Europeus Devem Dar Dinheiro e Cidadania a Imigrantes e Não Se Preocupar com Segurança” – e as consequencias fatais de receberem terroristas e trucidarem cidadãos dos países que os acolhessem ficariam a cargo dos que acreditassem nessa capciosa mensagem!
    Aliás, à verdade, Alah a deusa lua, hoje recordada em cima dos minaretes das mesquitas sob o quarto crescente, foi escolhida pelo “profeta” Maomé numa “purificação”, entre 360 deuses da Caaba, era a protetora de sua tribo, a Coraixita, certamente julgou nessa deusa a que apresentou as melhores qualidades e condições de gerir seus seguidores, o mais certo!
    Os escritos de S Luís de Montfort a respeito de N Senhora foram escondidos por muitas décadas pelo diabo para que não se publicassem, pois ela o espezinha demasiado: uma criatura humana perfeita, muito elevada acima de todos eles – quanta humilhação – e ainda eles doravante sob os pés dela, sem possibilidade de reversão – quão profundo odio dessa situação!
    *http://hosted.ap.org/dynamic/stories/E/EU_REL_VATICAN_REFUGEES?SITE=AP&SECTION=HOME&TEMPLATE=DEFAULT&CTIME=2017-08-21-06-26-22.

  13. Excelente texto!
    O futuro da Igreja é a Tradição, na simplicidade maternal!

  14. Excelente artigo. Vou repassar a todos os meus amigos! Nesta época em que uma graça ,que não se diria que pudesse existir, ou seja, de modéstia, de pudor, de consagração à Maria Santíssima, esta parte do clero que é esquerdista e decadente, não somente vê com maus olhos, mas critica e persegue!!!
    Já dá para imaginar o julgamento desses aí perante Deus…. Que Nossa Senhora recompense o autor deste artigo.

  15. Todo mundo agora se sente com autoridade suficiente para desautorizar nossos pastores. A Igreja sempre viu em Maria o seu “protótipo”. Ela é modelo da humanidade redimida. Em Maria está a imagem da humanidade acolhedora de Deus e salva por Ele. Esse rebuliço todo que surge diante a posição de alguns bispos não me parece nada com a obediência de Maria.

    Não há uma receita prática e tão pouco uma solução teórica para se lidar com esses problemas de “piedade popular” e por isso os Bispos gozam de autoridade para lidar com essas situações que muitas vezes são extremamente delicadas do ponto de vista prático-pastoral. Não conhecemos a realidade de todas as dioceses, e acho que a maioria das pessoas que estão por aí comentando também não. Mas todos nós sabemos que uma “mariologia” autônoma e emancipada pode ser perigosa, assim como sabemos que uma correta devoção nos apontará para Maria como a primeira figura da fé em Cristo, dentro da história eclesial da fé, como a primeira cristã, como aquela que precede o Povo de Deus no seu peregrinar na fé. Enxergar que nela está uma absoluta disponibilidade e obediência que é abertura a Deus e aos seus critérios, figura profética da Igreja.

    Existem muitos critérios para se tentar um equilíbrio na avaliação teológica e doutrinária bem como na avaliação da prática pastoral. E inclusive a Igreja aponta algum deles, como por exemplo no “Diretório sobre piedade popular e Liturgia. Princípios e orientações” publicada pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, que mesmo dispondo no documento inteiro sobre a autoridade do Bispo em relação à disciplina destas práticas encerra o documento enfatizando: “Corresponde aos Bispos, com a ajuda de seus colaboradores mais próximos, especialmente os reitores de santuários, estabelecer padrões e fornecer orientações práticas, tendo em conta as tradições locais e expressões particulares de piedade popular e religiosidade”. É o Magistério da Igreja mesmo que nos diz isso.

    • Prezado Thiago, Salve Maria (é assim que nós consagrados nos cumprimentamos…)

      Eu acho que os “critérios” usados por alguns de nossos bispos estão em contradição com a doutrina imutável da Igreja. Ao mesmo tempo que desautorizam estas práticas exuteriores de devoção a Nossa Senhora, permitem que uma imagem de Nossa Mãe Aparecida seja usada no carnaval, como o foi neste ano de 2017!

      Esta consagração a Nossa Senhora, os trajes e a famosa ‘candeia’, ou correntinha como preferir, são recomendadas e autorizadas pela Santa Igreja por meio de um dos maiores mariologistas de todos os tempos: São Luis Maria Grignion de Montfort,

      Eis o que os Papas dizem sobre tal Consagração:

      S. S. Pio X: “Recomendamos empenhadamente o admirável Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem do Bem-aventurado Montfort, e a todos aqueles que o lerem concedemos jubilosamente a benção apostólica”

      S. S. Bento XV: “[São Luis] deixou-nos este livro escrito pela sua própria mão (…) de tão grande autoridade e tão grande unção”

      S.S. Pio XII: “[São Luis] conseguiu que a integridade da doutrina católica fosse salvaguardada e que a religião católica iluminasse não apenas os espíritos, mas que viesse a exercer uma influência benfazeja sobre os costumes privados e públicos”.

      S. S. João Paulo II: “A leitura deste livro marcou na minha vida uma reviravolta decisiva (…) a devoção da minha infância e também da minha adolescência para com a Mãe de Cristo foi substituída por um novo comportamento, uma devoção surgida do mais profundo de minha fé, como do próprio coração da realidade trinitária e cristológica”.

    • “É o Magistério da Igreja mesmo que nos diz isso.” Entre um chá de cadeira e outro, em razão do meu trabalho, que é na rua, comprei nas Paulinas o referido documento. Quase 300 páginas. Sem ambições de grande conhecedor de teologia ou como a fé católica se expressa Brasil afora, dou minha mera opinião e desde já esclareço que só li o já referido “Diretório sobre piedade popular e liturgia” até a introdução, pois comprei-o hoje. Na época o Papa João Paulo II pontuava, à guisa de introdução: “Uma liturgia que não tivesse reflexo na vida se tornaria vazia e certamente não agradável a Deus.” Na minha vida vejo o reflexo de percorrer paróquias pro meu filho de cinco anos assistir a uma Missa com o mínimo de distrações e logo terei que pegar o carro. Moro, à pé, no máximo 15 minutos, próximo de três paróquias e está difícil. São Caetano do Sul, um dos maiores IDHs do Brasil e um dos menores em liturgia longe dos barulhos do mundo. Grato pela dica, Thiago, e também aos Fratres por este belo espaço para comentários, raríssimo e bem utilizado. Uma das grandes riquezas do blog.

  16. “Elas são a acusação silenciosa de uma apostasia que eles precisam disfarçar”. Destaquei esta passagem para ilustrar minha opinião que de apostasia em apostasia é que se consegue uma “boquinha” lá no Vaticano ou numa arquidiocese ou até mesmo numa diocese mais centralizada. Enquanto isso, pessoas que saem de casa para a Missa, única e exclusivamente para rezar e lutar pela Salvação, são menosprezadas. Para que preocuparmo-nos com Salvação se o Paraíso é aqui na Terra? Lobos! Querem que queimemos incenso para eles como se fazia em Roma na Idade Antiga. E quanto sangue de cristãos foi derramado até a conversão do Império. Nunca devemos nos esquecer que o cristão que não fazia apostasia era severamente torturado e morto. Lembro com júbilo da meditação do então cardeal Ratzinger na Via-Sacra no Coliseu quando substituiu o Papa na época: (Nona Estação) “Quanta impureza existe na Igreja também, e justamente entre aqueles que, no sacerdócio, deveriam pertencer completamente a Ele! Quanta soberba, quanta auto-suficiência!”
    Uma lembrança que quero compartilhar com os jovens: há cerca de uns dez anos, em SP/SP, paróquia Santo Agostinho, bairro Liberdade, duas universitárias assistiam à Missa diariamente logo pela manhã, ou seja, antes das aulas. Uma só usava saia comprida e a que usava jeans não se preocupava que ele fosse justo, muito pelo contrário. E a moda na época ainda incluía uma tal de “cintura baixa”. Ambas usavam véu. Eram de uma docilidade cativante e pouco se assemelhavam a “beatas”.
    Tomo o cuidado para meu filho, menor impúbere, usar calça, sapato e não usar camiseta de super-herois durante a Missa. Como meu empenho é recompensado? Instrumentos musicais elétricos e de percussão em volume alto, músicas profanas e ainda, pasmem, distribuição de bolachas recheadas, pela catequista, logo após a procissão para receber a Eucaristia. Ele tem cinco anos e sabe, em inglês, contar até dez, as cores, os cumprimentos mas, se dependesse dos apóstatas, sequer saberia o significado de uma Ave-Maria. Espero, até a época de catequese para sua Primeira Comunhão, juntar paciência suficiente pois sei que vou precisar. E muito!!!

  17. Lamentável saber dessas investidas contra os consagrados a Maria.
    Muito provavelmente essa aversão deles vem do imaginário popular referente à escravidão que vivemos aqui no período colonial – pessoas em condições subumanas, trabalhando em lavouras e levando chicotadas.
    Isso não tem nada a ver com a escravidão que São Luís Grignion quis aduzir em suas obras.
    O escravo que ele diz é aquele do direito romano, ou seja, aquele que se torna um bem, uma posse, que é um nada, e que não possui nada. E que por ser propriedade da Virgem, ela como boa Mãe evidentemente cuida melhor ainda dessa pessoa, e pode dispor dela de uma forma que não disporia se não fosse consagrado.
    Fiz minha consagração na cidade mineira de Montes Claros, onde o Pe. Zacarias, dos Arautos do Evangelho, vem dando o curso pelo método de São Luis há pelo menos uns 10 anos. Seguramente mais de 5 mil pessoas nessa cidade são escravas da Virgem. Acredito que seja uma das cidades brasileiras com maior número de consagrados a Maria, e felizmente até o presente não soube de objeções do clero nem do bispo local.

  18. E realmente terrível como esta nova teología tenta de todos os modos tirar a Santíssima virgem do meio católico. Eu sou consagrado,uso cadenas, reso o rosario todos os dias e sou muito feliz assim. Amando devotamente minha mae Santíssima.

  19. “E toda mulher que ora ou profetiza, não tendo coberta a cabeça, falta ao respeito ao seu senhor, porque é como se estivesse rapada. Se uma mulher não se cobre com um véu, então corte o cabelo. Ora, se é vergonhoso para a mulher ter os cabelos cortados ou a cabeça rapada, então que se cubra com um véu.”
    (I Coríntios, 11)

    “Esses tais são falsos apóstolos, operários desonestos, que se disfarçam em apóstolos de Cristo, o que não é de espantar. Pois, se o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz, parece bem normal que seus ministros se disfarcem em ministros de justiça, cujo fim, no entanto, será segundo as suas obras.”
    (II Coríntios, 11)

    Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo. (Apocalipse 12)

  20. Além do prelado de Uruaçu, cujo caso este blog denunciou, qual outro bispo está querendo proibir a consagração segundo o método de São Luis?

  21. Caros fraternos, paz e bem!
    Inicialmente, parabenizamos pelo editorial. Coisas piores virão…
    Estamos vivendo a “Grande Tributação”.
    E as profecias precisam ser cumpridas.
    O tempo da Misericórdia está finalizando e iniciar-se-á o Tempo da Justiça.
    O papa Francisco já nos revelou que o munda está vivendo a Terceira Guerra Mundial, mas fragmentada.
    E agora, na visita ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, por ocasião do centenário das aparições da Virgem Maria na cova da Iria, o papa Francisco revelou o seu destino, na oração que proclamou na capela das aparições (em 12/maio/2017:
    O papa Francisco é o “bispo de branco” do 3º Segredo de Fátima.
    E o papa Bento XVI é o último papa segundo a profecia de São Malaquias.
    Tire as suas dúvidas na última frase da oração abaixo:
    Boa leitura!
    Saudações cristãs!
    Renato e família
    Belo Horizonte-MG.
    “PEREGRINAÇÃO DO PAPA FRANCISCO
    AO SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
    POR OCASIÃO DO CENTENÁRIO DAS APARIÇÕES DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA NA COVA DA IRIA
    (12-13 DE MAIO DE 2017)
    ORAÇÃO DO SANTO PADRE
    Capelinha das Aparições, Fátima
    Sexta-feira, 12 de maio de 2017
    [Multimídia]
    Santo Padre:
    Salve Rainha,
    bem-aventurada Virgem de Fátima,
    Senhora do Coração Imaculado,
    qual refúgio e caminho que conduz até Deus!
    Peregrino da Luz que das tuas mãos nos vem,
    dou graças a Deus Pai que, em todo o tempo e lugar, atua na história humana;
    peregrino da Paz que neste lugar anuncias,
    louvo a Cristo, nossa paz, e para o mundo peço a concórdia entre todos os povos;
    peregrino da Esperança que o Espírito alenta,
    quero-me profeta e mensageiro para a todos lavar os pés, na mesma mesa que nos une.
    Refrão cantado pela assembleia:
    Ave o clemens, ave o pia!
    Salve Regina Rosarii Fatimæ.
    Ave o clemens, ave o pia!
    Ave o dulcis Virgo Maria.
    Santo Padre:
    Salve Mãe de Misericórdia,
    Senhora da veste branca!
    Neste lugar onde há cem anos
    a todos mostraste os desígnios da misericórdia do nosso Deus,
    olho a tua veste de luz
    e, como bispo vestido de branco…”
    QUEM VIVER, VERÁ.
    Vem Senhor Jesus!

  22. Satanás sabe que é por meio de Maria que virá sua derrota e por isso os seus [de Satanás] a combatem tanto, por isso Fátima é silenciada, La Sallete esquecida, Aparecida rebaixada a enredo de escola de samba.

    Kyrie Eleison

  23. Se um religioso qualquer, seja Padre, Bispo, Cardeal, Monsenhor, ou o que seja se opõe à algo que é da própria Igreja, e que na verdade ele deveria defender com unhas e dentes, é porque esse infeliz sujeito já deixou de ser um Padre, Bispo, Monsenhor, já não serve mais à Jesus Cristo. E como tal deve ser tratado, como um traidor que é.

  24. Este editorial é no mínimo brilhante.
    Quantas verdades resumidas nestas preciosas linhas.
    Deus abençoe.

  25. Rogério Haeitmann Tridente

    Já que você está disposto a pegar seu carro para participar de uma “Missa descente” vá na paróquia Verbo Divino na Alexandre dumas – Chácara Santo Antônio – São Paulo. Eu Tb saio do Campo limpo pra conseguir participar de uma Missa, e não de uma reunião do partido comunista…

    Nos encontramos lá.
    Forte abraço.