Banheiro unissex: a PUC-SP é pioneira!

Por Edson Luiz Sampel 

FratresInUnum.com, 1º de setembro de 2017 – É fácil compreender o porquê da existência de banheiros masculinos e banheiros femininos. Quer-se preservar o pudor. Fedor é tudo que se faz no banheiro, porque nesse recinto urinamos e evacuamos. Qual é a graça de um banheiro? Nenhuma. Nele adentramos por necessidade fisiológica e, aliviados, escapulimos o quanto antes. O banheiro unissex, montado em uma “universidade católica” (pioneirismo da PUC-SP), tem que objetivo? Fraternal compartilhamento de odores dos moços e das moças? Que horror!

Na verdade, o real motivo dessa novidade da PUC-SP é atender a certos alunos que ainda não tinham um banheiro próprio: transexuais, etc. Agora têm! A propósito, na reportagem do Jornal Nacional (29/8/2017), que deu essa “grande notícia”, entrevistou-se um rapaz, que afirmou que se sentia constrangido em ter de se pentear e retocar a maquiagem no banheiro masculino.

Com a palavra sua eminência, o arcebispo de São Paulo e grão-chanceler da PUC-SP! Gostaria de saber se essa novidade, banheiro unissex, é compatível com a moral cristã, vale dizer: no banheiro unissex preserva-se o pudor?

Edson Luiz Sampel

Doutor em Direito Canônico e membro da Sociedade Brasileira de Canonistas (SBC)  

Anúncios

31 Comentários to “Banheiro unissex: a PUC-SP é pioneira!”

  1. É LAMENTÁVEL.

    Até quando vamos ter que ouvir estas coisas? Mas vou cantar uma pedra, escutem: alguns homens irão se fazerem de gays para tirarem proveito dessa situação. Podem esperar. É isso que eles querem. Esperem pelas notícias.

  2. As PUC´s. Acabem com elas. Queimem e joguem sal nas cinzas. Será um grande serviço a evangelização católica no Brasil.

  3. Lamentável. A história da Igreja em São Paulo merecia coisa melhor que esse precipício. O que me faz sentir mais triste é que vai vir uma resposta “ponderada, equilibrada, sóbria, amadurecida na reflexão e discutida entre os irmãos”. Aquela mesma linguagem acomodada e morna de sempre. Você não vê uma atitude dura, uma resposta séria, uma defesa da fé tradicional. Sempre a mesma prostração e morbidez diante do fim da fé nos corações. A nossa religião sempre foi coisa de gente apaixonada, exagerada, de uma Santa Teresinha que queria fugir de casa para se candidatar ao martírio. Neste nosso tempo só temos uns bombas-frouxas que não resolvem m…….. nenhuma. Senhor, mandai do céu um cabra macho pra governar tua Igreja.

  4. Bem, o absurdo de um banheiro unissex em uma universidade católica chega às raias do acintoso, como o próprio autor do artigo indica. Mas acho interessante olhar para esse acontecimento à vista do acontecimento virtuoso que se registrou na PUC-RJ, há poucos dias, com a realização de um evento que tratou da ideologia de gênero à luz da Santa Doutrina.

    Em São Paulo, capital, até onde sei, pelo menos, é onde é celebrado o maior número de Missas de São Pio V no Brasil. Já o Rio despontou com o mencionado evento para levar sanidade a um tema que é caro à agenda globalista e anticristã, como convém a uma universidade confessional católica. Curioso como uma cidade desponta em um fator santificante e civilizado, enquanto que a outra (muitas vezes encarada como rival) desponta em outro fator…

  5. Enquanto a PUC do Rio dá bom exemplo promovendo um evento para condenar e prevenir o meio acadêmico contra os ataques da ideologia de gênero contra a Igreja, temos este deplorável e vergonhoso escândalo na PUC – SP com o silêncio conivente do episcopado paulista.
    Pode-se dizer o que quiser mas o cisma já existe dentro da Igreja, ainda que não o seja manifesto com palavras, mas já se verifica nos fatos e nas ações: bispos tomando atitudes contraditórias; não há mais unidade de pensamento e de pregação. Enquanto Cardeal Burke pede ao Papa esclarecimentos sobre ideologia de gênero, o bispo de Caicó chama o gayzismo de “dom de Deus” (??!!). Cardeal Muller prega a indissolubilidade do casamento enquanto o Superior do jesuítas duvida dos ensinamentos de Jesus (e de 2 mil anos da Igreja) porque “na época não havia gravador para se ter certeza do que Ele disse”.
    Quem quiser pode continuar se enganando, mas um dia, em breve, todos nós teremos que tomar posição dentro deste cisma.
    O mundo vai exigir isto, como foi no tempo de Nero.

    • Exato! Isso é óbvio e ululante! Consequência da falta de uma unidade, de uma casa “sem autoridade paterna”, ou melhor, até pode ter, porém tá parecendo q alguém de fora adentrou no rebanho…lobos.

  6. Na prática, é o fim dos banheiros femininos pois poucas mulheres estarão dispostas a compartilhar o banheiro com homens, ainda mais desconhecidos.

    Não só é uma questão de pudor, mas também de limpeza já que banheiros públicos masculinos são invariavelmente mais sujos que os femininos.

  7. Além de vários agravantes, o grão-chanceler abre uma possibilidade para o crime por estupro, talvez da tragédia alheia se colha algo.

  8. Admissão de banheiro unissex é uma estupidez ideológica característica de locais ético-morais-cristãos em decadencia – PUC-SP, onde as fanáticas esquerdas, por sinal, aliadas do Islã conseguem se impor – pois o Ocidente, desde que os eleitores vêm conspirando contra si e familias ao elegerem os depravados revolucionarios, mais fica à deriva, caso Brasil, optando pelos PSDB-PT: cada vez mais na praça uma nova modalidade de prática de monstruosidade, como quase sempre, imposta sem confrontada!
    Isso é um longo processo subversivo vindo desde as infiltrações na Igreja e em suas instituições por maçons na década de 20, exacerbadas a partir dos anos 60, chegando ao ápice recentemente, como de um mural homo-erótico na catedral de Terni, pró sodomitas dentro do Vaticano, a S Comunhão para adúlteros, “celebrações” das S Missas do vaqueiro, dos congadeiros – esses, em geral umbando-candoblecistas – e mais idem exemplos de sincretismos religiosos e deformidades mentais impingidas no povo por ideologistas das esquerdas!
    Dessa forma, complementam o caos mental as apresentações de novelas, BBBs da Rede Globo da Teleperversão infanto-juvenil-adulta e redes afins que, de forma sutil, lenta e gradual vêm domesticando as mentes para aceitação dessas taras e, nesse ínterim, vão vilipendiando a instituição familiar, a doutrina da Igreja, sendo o pior estar sucedendo sem resistencia dos pastores que deveriam prevenir o povo das pestes que estão dentro de seus lares apenas a um simples “clic”, tornando-se eles centros de doutrinação ideológica-subversiva e contaminando todos os seus membros, sendo que tais programações vão à frente por contarem com telespectadores em imenso número, caso contrario, retirariam da grade programação por baixa audiencia!
    A CNBB, por onde anda para denunciar esses malfeitores à sociedade ou, como sempre, está ao lado desses dissolutos e repugnantes via silencio?
    Enquanto isso, os patifes das esquerdas estão aí à vontade impondo sua agenda também ultra alienante e sociopsicopata!

  9. Caros fraternos, paz e bem!

    “Os corredores do inferno estão pavimentados com crânios de bispos” (São João Crisóstomo)

    Chesterton dizia que a “TOLERÂNCIA é tudo o que resta depois que a pessoa perdeu todos os seus princípios.” Com efeito, tanto a tolerância como também o POLITICAMENTE CORRETO em questões de fé já estão condenados pelos ensinamentos de Jesus, pela tradição cristã e pelo magistério da Igreja.

    Dito isso, a solução para esse problema ora denunciado é simples: Basta que as autoridades da Igreja ajam de duas, uma:

    Ou o Vaticano retira o caráter Pontifício e Católico da PUC (direito de uso dos títulos de Pontifícia e Católica), por grave prejuízo para o interesse da Igreja em virtude das diferenças ideológicas entre o Reitor e professores em relação às posições da Igreja em diversas matérias (ideologia de gênero, teses marxistas…)

    Ou faça mudanças na Universidade, adotando as orientações da Igreja contidas na Constituição Apostólica Ex Corde Ecclesiae:

    “Universidade católica é garantir em forma institucional uma presença cristã no mundo universitário perante os grandes problemas da sociedade e da cultura, [16] ela deve possuir, enquanto católica, as seguintes características essenciais:
    1. uma inspiração cristã não só dos indivíduos, mas também da Comunidade universitária enquanto tal;
    2. uma reflexão incessante, à luz da fé católica, sobre o tesouro crescente do conhecimento humano, ao qual procura dar um contributo mediante as próprias investigações;
    3. a fidelidade à mensagem cristã tal como é apresentada pela Igreja;
    4. o empenho institucional ao serviço do povo de Deus e da família humana no seu itinerário rumo àquele objetivo transcendente que dá significado à vida. [17]”
    Lamentavelmente, os magníficos reitores das PUCs não observam sequer os Princípios norteadores que orientam suas ações, em consonância com os seus Estatutos:

    • Fidelidade à doutrina cristã e respeito aos princípios da Igreja Católica, em seu compromisso missionário para com a educação superior.
    • Promoção do bem comum e da dignidade da pessoa humana.
    • Promoção da formação solidária, interdisciplinar e humanística, orientada por uma perspectiva ética, cristã e católica, respeitadas a autonomia universitária e a liberdade acadêmica.

    Pois bem, a título exemplificativo, na PUC Minas, o “magnífico” reitor D. Joaquim Mol (pasmem: bispo auxiliar de BH) implantou pessoalmente o diabólico “NOME SOCIAL”, que exclui peremptoriamente o nome de batismo do aluno, agredindo de morte o direito personalíssimo ao nome previsto na Personalidade Civil de todo ser humano, sem falar dos ensinamentos eternos da moral cristã.
    Senão, vejamos:
    Na Portaria da PUC-Minas (R/Nº 021/2015, de 30/03/2015), Dom Mol introduziu o “Nome Social” (Ideologia de Gênero) na comunidade acadêmica da PUC Minas, agindo como se fosse Dom MOLOC (o “deus das moscas”). Nota: o Papa Francisco reiteradamente condenou a “Ideologia de Gênero”, por negar a Dignidade de todo o Ser Humano ao afirmar que ninguém nasce homem ou mulher, mas que cada indivíduo deve construir sua própria identidade.” (Audiência papal de 15/04/2015).
    Fonte:
    http://www.pucminas.br/imagedb/…/DOC_DSC_NOME_ARQUI20150408160853.pdf
    Pior. A PUC-Minas, organizou o evento III Ciclo de Debates do Grupo Interdisciplinar de Pesquisas Feministas (GPFEM), em 05/04/2016 (com ênfase na Ideologia de Gênero), cuja conferência de abertura ficou a cargo da professora Rita Laura Segato, militante de renome a favor do aborto, exatamente o contrário do que o Papa Francisco expôs a esse respeito.
    Fonte:
    http://www.pucminas.br/informativo/unidades/materia.php?codigo=1188&materia=19808&PHPSESSID=604c96a30589ceb9a34540cc56bc1c31

    Numa carta endereça ao reitor da PUC Goiás, Wolmir Therezio Amado (filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). o reitor da PUC Minas manifesta-lhe apoio a famigerada polêmica ocorrida “intra muros” envolvendo um grupo de alunos cristãos e palestrantes esquerdistas. Detalhe: o PT é o único partido político brasileiro que prevê no seu estatuto a defesa do Aborto (Cultura da Morte), inclusive expulsou dois Deputados federais: Luiz Bassuma (autor do Estatuto do Nascituro), na época do PT da Bahia e Henrique Afonso, do PT do Acre, por defenderem a Cultura da Vida e serem contra a legalização do aborto, bandeira do PT.
    E agora com essa informação da PUC-SP sobre a implantação do “Banheiro transsexual” para seus alunos.
    Meus irmãos, não estamos lidando com universidades ateias, leigas, ou mesmo diabólicas, estamos falando de PUCs da vida. Pior. Colégios católicos mineiros (Belo Horizonte: Santo Agostinho, Loyola….) estão divulgando a Ideologia de Gênero para seus alunos. Essa Ideologia se trata de uma grande Falácia, Engodo, Conto do vigário… e, por trás dela, há um Projeto de Poder Marxista da Cultura da Morte (implantação do comunismo, abolição da família tradicional…), visto que ela quer esvaziar o conceito milenar de Homem e de Mulher. O sexo biológico, portanto, é apenas um dado corporal de cuja ditadura (“burguesa”) nós devemos nos libertar aderindo a ideia totalitária de um gênero. Não faz mais sentido falar de mulher ou de homem, fala-se apenas em gênero. Cada ser humano criaria para si uma identidade que bem entendesse.
    Em síntese, o ser humano seria, para ideologia de gênero, um ser sexualmente indefinido e indefinível.
    Eles defendem a desconstituição do conceito de família (pulverização da família) com vistas a implantar um caos, no qual a pessoa se tornaria um indivíduo solto e facilmente manipulável. Lembre-se de que por trás dessa ideologia, subjaz uma visão totalitária do mundo (a exemplo do nazismo, do stalinismo…).
    Esses ideólogos da cultura da morte agridem os cristãos com os seguintes rótulos: machistas, patriarcalistas, homofóbicos, intolerantes…
    Essas são as armas dos covardes, daqueles que não tem honestidade para explicar o objetivo final da Ideologia de Gênero.
    É preciso orar, jejuar, oferecer penitências e outras armas espirituais (missas…), bem como denunciar os colégios e faculdades disseminadores dessa ideologia, criando grupos de pais, pressões nos políticos para que defendam a verdade, a cultura da vida (família…) em todos os ambientes.

    Senhores pastores, lembrem-se da advertência do Filho de Deus:
    “Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o ESPÍRITO SANTO não será perdoada. Se alguém disser uma palavra contra o Filho do Homem lhe será perdoado, porém se disser contra o ESPÍRITO SANTO, não lhe será perdoado, nem neste mundo e nem no futuro”. (Mt 12, 31-32). E o que enquadraria no pecado contra o Espírito Santo?
    Santo Tomás de Aquino na “Suma Teológica” sintetizou em seis situações:
    1) Desesperação da Salvação (Judas Iscariotes)
    2) Presunção de se Salvar sem merecimento.
    3) Negar a Verdade conhecida como tal (Pilatos).
    4) Ter inveja das mercês (graças, virtudes e dons) que DEUS concede a outros.
    5) Obstinação no Pecado.
    6) Impenitência final.
    No caso da PUC-SP, encaixaria no item 3 (negar a verdade conhecida como tal). A verdade sobre a criação (Adão e Eva), a verdade sobre a dignidade de todo ser humano (criados à imagem e semelhança de Deus)…
    Concluindo…
    O papa emérito, Bento XVI, é um profeta, ao revelar:
    – “Maior perseguição à Igreja” não vem de “inimigos de fora, mas nasce do pecado da Igreja”. No avião que o transportava até Portugal (2010), o então Papa Bento XVI sublinhou que os mesmos não apenas provocados por pessoas “fora” da Igreja.
    -“Os ataques ao papa e à Igreja não vêm só de fora, os sofrimentos da Igreja vêm do seu próprio interior, do pecado que existe na Igreja”, declarou.

    “Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra? (Lucas 18:8)

    Com a palavra o cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo…

    Saudações cristãs!

    Renato e família

  10. Será que o eminente cardeal de São Paulo, quando estiver na PUC-SP, passará a usar esse revolucionário banheiro? Realmente eu fiquei curioso…

  11. Paulo, eu notei sim. É completamente sem sentido um banheiro coletivo unissex, como parece ser o caso desse criado na PUC-SP. Só não entendo para que tanto barulho, quando a solução é tão simples. Qual é o problema de deixar essas pessoas com transtorno de identidade de gênero usarem banheiros individuais? Como inclusive já existem para pessoas com deficiência física. O custo é menor que um banheiro coletivo, o espaço é menor que um banheiro coletivo, a limpeza é do mesmo jeito de um banheiro coletivo e é mais seguro que um banheiro coletivo.

    • Mas aí não tem graça. Ninguém vai. O objetivo é fazer com que todos usem um único banheiro para mostrar que masculino e feminino são construções sociais que temos que superar.

      Para essa turma, ninguém já nasce homem ou mulher. É uma questão de escolha.
      Só os gays nascem gays.

  12. Acho tão simples a solução. Um banheiro unissex, mas individual. Só entra uma pessoa de cada vez, como nos banheiros de dentro de nossas casas. Qual seria o problema de um banheiro assim na universidade?

    • O custo, o espaço, a limpeza e a segurança.

    • Ana, será que v não notou que os apreciadores desses maluquices e quererem colocar na marra são os caras dos partidos vermelhos ligados com as UNE dos maconheiros e uma rendição da PUC de engolir um sapo desses?

  13. Uma atitude de “vanguarda” assim, só mesmo numa PUC ou num Seminário…

  14. Já passou da hora de acabar com esses lixos de perversão ideológica, esses antros subversivos chamados “universidades católicas” que se de fato já foram Católicas algum dia faz tempo, muito tempo. Hoje elas se especializaram em perder almas. Quer ver almas perdidas, procure uma universidade qualquer, principalmente “católica” que lá pode-se encontrar aos montes.

  15. A Arquidiocese nada fará??

    • Provavelmente, vai fazer um evento inaugurando o “grande feito” em prol do combate à homofobia.

  16. Com esta medida as placas de sanitários masculino e feminino passaram a ser discriminatórios.

  17. Fiz meu Bacharelado em Direito numa universidade protestante, Mackenzie, presbiteriana, e ali, uma graduação elitista como é o caso do Direito, convivi com negros e muitos bolsistas. Sobre a PUC/SP era comum dizer que ali se “paga até o ar que respira”. Ora, quanto do materialismo do mundo ainda vamos ter que divagar se uma entidade sem fins lucrativos deve servir à nação como um todo, não só em parte. Dom Odilo que me despulpe, está só interessado em galgar algum carguinho no Vaticano, como Dom Cláudio, que criou uma graduação em Teologia, com aval do MEC, na UNIFAI – fiz parte desta turma, mas só no primeiro semestre – que contava com Domingos Zamagna (tradutor de textos da Bíblia de Jerusalém), Pe Fernado Cardoso (programa “Páginas Difíceis da Bíblia”, Rede Vida), Pe Tiago (canonista e doutor em patrística), Pe Milton Sreiber (vigário da PUC) e Pe Severino (pároco da catedral e membro do conselho da UNIFAI). Detalhe, apesar de professores estrelados, a graduação era tão desorganizada que durou apenas o tempo da primeira turma.

  18. Um dia essa universidade foi católica

  19. “Os corredores do inferno estão pavimentados com crânios de bispos” (São João Crisóstomo) (II)

    Sobretudo de bispos cardeais que não se conformam por não ter de tornado Paulo VII…

    “Será que o eminente cardeal de São Paulo, quando estiver na PUC-SP, passará a usar esse revolucionário banheiro? Realmente eu fiquei curioso…”

  20. É uma medida descriminatória, quem tem pudor e moral foi constrangido e não usará os sanitários. Essa Sodoma e Gomorra é mais um sinal do fins dos tempos…

  21. “…é atender a certos alunos que ainda não tinham um banheiro próprio: transexuais, etc.”

    A sua tácita ou expressa autorização sanitária do Gão-Chanceler Odilo, condoído pela falta de espaço reservado às maiorias, nos permite, com toda a justiça, inferir certas cousas sobre sua vida privada…

    Merece o ocorrido ser lavrado nos anais da grotesca derrocada conciliar..

  22. Enquanto isso, Madre Francisca Enrolanda retoca o capítulo “De Ars Tacendi” das constituições a serem aprovadas por sua Eminência o Grão Chanceler; consta também que certo deuteronotário apostólico compõe o moteto “Turris Babelica” em homenagem ao Beato Montini. A primeira apresentação será na PUC, defronte ao disputado banheiro em pauta, com a presença dos ex futuro Paulo VII e numeroso clero.

  23. O Brasil está importando essas bestialidades. No exterior, infelizmente, em determinados locais encontramos apenas banheiros unissex. É um atentado aos bons costumes. Estão querendo tornar normal o que é patológico. Não sei o que está acontecendo com a igreja, que nos últimos anos, vem permitindo todo tipo de coisas politicamente corretas.

  24. Lastimável! Anti-católico e anti-cristão! A PUC cada vez mais se salienta por não ser nem Pontifícia, nem Universidade e nem Católica! Banheiros unissex?! E o que é o sexo unissex? Pelo que me consta, Deus criou Adão e Eva, não Adão e Ivo e nem Eva e Ivete! Mas o que diabos está acontecendo com as pessoas que comandam a PUC? Não deveria esta Universitas Magistrorum et Scholarium ser um baluarte da Igreja Católica? Por que não é? Diferentemente de Martinho Lutero, heresiarca, não vou sair da Igreja por causa de desmandos como estes. Muito pelo contrário, eu fico e quero que os traidores, fracos e covardes caiam fora. Parem de usar o nome Católica nesta Universidade e podem fazer o que quiserem! Vocês não são católicos! Sumam!

  25. Grotescos esses bolivarianos, uma hora pedem vagões do metró só para mulheres e depois banheiros promíscuos…

  26. Enquanto disponibilizarem banheiros unissex como terceira opção, pois as mulheres heterossexuais (e provavelmente até as lésbicas, por precaução) não os utilizarão, não haverá risco ao pudor. A questão surgirá quando essa modalidade, pretensamente humanitária, se revelar o que realmente é: etapa para implantação unicamente de banheiros unissex sob a alegação de que a modalidade ora implantada constitui inaceitável isolamento e discriminação aos trangêneros.