Reflexões da Sagrada Escritura: Virtudes para uma família cristã.

Nosso caríssimo padre Élcio está de recesso por dois meses para tratamento de saúde, pelo que pedimos suas orações. Durante sua ausência, republicaremos suas colunas mais importantes – a que segue foi publicada originalmente em 16 de janeiro de 2016.

* * *

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

“Irmãos: revesti-vos como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, benignidade, humildade, modéstia e paciência, suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos mutuamente, se alguém tiver queixas contra o outro; assim como o Senhor vos perdoou, perdoai-vos também. Mas sobre tudo isto: tende a caridade que é o vínculo da perfeição; e reine em vossos corações a paz de Cristo, para a qual fostes chamados em um só corpo; e sede agradecidos. Habite em vós abundantemente a palavra de Cristo, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando em vossos corações, com a ação da graça, louvores a Deus. E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obra, fazei tudo em nome do Senhor Jesus Cristo, dando graças por Ele a Deus Pai. Mulheres, estai sujeitas a vossos maridos, como convém ao Senhor. Maridos, amai vossas mulheres, e não sejais ásperos para com elas. Filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor. Pais, não provoqueis à indignação os vossos filhos, para que se não tornem pusilânimes”(Colossenses, III, 12-21).

morning prayer family painlevre 63 rezandoNestas exortações de S. Paulo, temos os elementos indispensáveis para a felicidade das nossas famílias. Assim, o Apóstolo,  às opiniões do modernismo, destruidor dos mais sagrados vínculos, opõe os preceitos e virtudes criadores de uma felicidade e de uma paz ainda possível neste mundo. Aí está o segredo da paz familiar. Nosso Senhor Jesus Cristo afirmou que os filhos das trevas são mais prudentes nos seus negócios que os filhos da luz nos seus. Só para dar dois exemplos: O comerciante, aos clientes oferece prontamente suas mercadorias, ocultando a sua irritação quando as desprezam e sem ofender-se quando as recusam. Que “misericórdia”; que “paciência”; que “benignidade”; que ‘humildade”; que “perdão das ofensas”; que “sorrisos de amabilidade!”

O político a todos acolhe com amabilidade, tolerante com quem o importuna e prestimoso com quem lhe pede auxílio.  O comerciante faz tudo isto como se fosse um santo, mas não: é só para ganhar dinheiro. (Não quero com isto negar que há comerciante santo também).

O político parece praticar virtudes heróicas, mas, na verdade, pensa só em conseguir votos, e, consequentemente, honra e sobretudo, dinheiro. (Também aqui não pretendo negar que possa existir político santo: é difícil, mas para Deus nada é impossível).

Mas, caríssimos, qual destes motivos compara-se ao grande bem na paz familiar? Dádiva do céu, ela transforma o lar em um vestíbulo do paraíso, as agruras da vida em oásis de bênçãos. A paciência, a humildade, a benignidade, a misericórdia, ensinam aos cônjuges  a arte de se suportarem uns aos outros. Sigam os cônjuges os conselhos de São Paulo supracitados, e as divergências que pareciam separá-los virão a soldar ainda mais o vínculo matrimonial. Saibam os cônjuges perdoar-se mutuamente. Enquanto um momento de silêncio restituirá a bonança, um revide protrairá a tempestade por longos dias e semanas inteiras. Tal como Jesus generosamente perdoou nossos graves crimes, perdoem-se os esposos, com igual generosidade, as discrepâncias de temperamento e de caráter.

A caridade é o liame destinado a unir os fiéis entre si e com Deus. Nesta união consiste toda a perfeição cristã. O amor da paz deveria inspirar todos os sentimentos dos esposos como convém a membros de um só corpo. O lar verdadeiramente cristão deveria estar sempre agradecido a Deus pelos favores d’Ele recebidos. Os ensinamentos e máximas de Nosso Senhor Jesus deveriam ser a bússola em toda a sua conduta e empreendimentos. De um lar cristão são banidas e execradas as máximas do mundo.  “Exortai-vos uns aos outros por meio de salmos, hinos e cânticos espirituais”, insiste o Apóstolo, assim apontando-nos na oração a maior garantia de paz para o lar. A oração é, ao mesmo tempo, fonte de onde haurimos as energias necessárias para os momentos trágicos que não faltam na existência de cada indivíduo, como não faltam na vida de toda família. Repudiando os maus conselhos de um mundo colocado no Maligno, busquem os esposos na Santa Religião e no seu Deus o conforto que anima, e da prece fervorosa de um coração que sofre sairá a arma vitoriosa que tudo suporta. “Onde quer que dois ou três se acharem reunidos em meu nome – diz Jesus Cristo – estarei eu no meio deles” (S. Mateus XVIII, 20). Na verdade, nunca um lar se sente mais unido como quando todos os componentes se voltam para Deus repetindo todos a mesma prece divina: “Pai Nosso que estais no céu”. O lar, porém, que ignora a oração encaminha-se para o desmoronamento, enquanto o lar que ora, que reza todos dias o Santo Terço, sela com o nome de Deus e a intercessão de Sua Mãe Santíssima, a sua união e garante a sua felicidade. Seguindo, pois, os conselhos do Apóstolo São Paulo, não será difícil aos nossos lares realizar aquela felicidade que fará das famílias cristãs outros tantos vestíbulos do céu.

Para terminar, lembremos algo sobre a MISERICÓRDIA. O Rei Davi era um homem santo. A própria Bíblia mostra-o para os outros reis como um modelo de fidelidade a Deus. Mas, num momento de ociosidade e fraqueza cometeu o gravíssimo pecado de adultério e, em consequência o homicídio, outro pecado muito grave. Deus, através do profeta Natan, abriu-lhe os olhos e tocado de sincero arrependimento exclamou: “Pequei”.  Davi chorou a vida toda estes seus graves pecados. Não perdia oportunidade de fazer penitência e escreveu o Salmo 50, Miserere. Eis apenas alguns versículos deste belíssimo salmo de penitência: “Tem piedade de mim, ó Deus, segundo a tua misericórdia; segundo a multidão das tuas clemências, apaga a minha iniquidade” (vers. 1-3); “O meu sacrifício, ó Deus, é um espírito contrito, não desprezarás, ó Deus, um coração contrito e humilhado” (vers. 19).

 

2 Comentários to “Reflexões da Sagrada Escritura: Virtudes para uma família cristã.”

  1. Hoje em dia há um assedio especialmente encarniçado contra as familias cristãs católicas, sempre em crescente ascensão pois, se desmanteladas, destruídas, toda a ordem social virá abaixo gerando a anarquia, o caos total – meta final dos que conspiram contra elas – além de serem intolerantes e discriminadores dos desafetos, sendo golpes perpetrados pelos material-ateístas ideologistas e alinhados com os globalistas associados aos planos maléficos da ONU-NOM.
    Assim sendo, não é de hoje que está em pleno vigor: “Usem os idiotas nas linhas de frente, instiguem o odio entre classes; destruam-lhes suas bases morais, a familia e a espiritualidade e comerão as migalhas que caem de nossas mesas” – Lênin.
    O pior disso tudo é percebermos ostensivamente que os que deveriam defender as familias nas mais diversas esferas do clero estão silentes ou coniventes com esses conspiradores, sendo muito restrito o número dos que refutam esses revolucionarios de forma aberta e contundentes em os censurarem, denunciando-lhes os planos subversivos de que tanto relatam, deixando de lado o mais importante, necessario e essencial: a que facção pertencem e quais são seus nomes!
    Se conferirmos a violencia no Ocidente, de forma geral, foi por causa de eleitores desavisados em tantos casos ignorantemente optarem por social-comunistas, casos Brasil, PSDB-PT; EUA, partido “Democrata” dos Clinton, Obama etc; França, PS Hollande e sua cria Macron; Alemanha, a (Dil)Merkel etc., implantadores de tudo quanto seja anti cristianismo católico e ainda no presente, para piorar, ainda contando com ajuda até de varios dentro do Vaticano, bem nos antecipando N Senhora do Bom Sucesso: “Tempos funestos sobrevirão, nos quais …. aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão as mãos aos inimigos da Igreja para fazer o que estes quiserem” (II, 98)…
    Especialmente dos anos 60 adiante, com o popularização das tv e correlatos, esses devassos acima se aproveitaram e infiltraram os lares com novelas altamente corruptoras das familias – caso da Rede Globo Telebacanal – e sem serem acossados pelo clero em massa, em cujos conteúdos delas só possuem devassidão, perversão, promiscuidade de todas as formas e variantes, cada vez mais exibidas de formas atrevidas e ousadas!
    Quem sabe a maior parte de nossos dirigentes dos diversos poderes provieram desses ambientes familiares? Bem provável!

    • Certíssimo, meu caro Isaías!
      De minha parte, quanto mais eu me sinto atraído pelo Amor de Deus, mais eu sinto desprezo por este mundo. Eu nem preciso me esforçar para odiar o mundo, nem preciso estudar para refutar seus falsos dogmas. O próprio Espírito Santo nos previne contra as armadilhas do mundo: é a Graça de Deus agindo. Hoje me convenço que a perseverança na Fé nunca será duradoura se não aprendermos a amar a Deus sobre todas as coisas, a começar oferecendo nossas ações diárias a Deus dentro de nossa casa e em nossos relacionamentos.