Pe. Tom Uzhunnalil livre – Deo gratias!

Rezei todos os dias pelo senhor, oferecendo meus sofrimentos por sua missão e para o bem da Igreja”.

Por ACI | Tradução: FratresInUnum.com: VATICANO, 13 de setembro de 2017 – O padre Tom Uzhunnalil, libertado na terça-feira, 12 de setembro, 18 meses após ter sido sequestrado no Iêmen por terroristas do Estado islâmico, seguiu para o Vaticano, onde foi recebido pelo papa Francisco.

“Rezei todos os dias pelo senhor, oferecendo meus sofrimentos por sua missão e para o bem da Igreja”, disse o padre salesiano de origem indiana ao Santo Padre.

O Pontífice recebeu o padre Tom em sua residência na Casa Santa Marta. Assim que o viu, o missionário ajoelhou-se diante do Papa, que rapidamente o ajudou a se levantar. Francisco abraçou-o e assegurou-lhe que continuaria rezando por ele como havia feito durante o seu cativeiro. O padre salesiano então beijou-lhe as mãos.

De acordo com o jornal do Vaticano L’Osservatore Romano, ele contou durante sua conversa com o Papa, padre Tom explicou que sua maior tristeza durante o cativeiro era não  poder celebrar a Eucaristia, “embora todos os dias eu repetisse mentalmente, no meu coração, todas as palavras da celebração”.

Ele também afirmou diante do Papa que, agora que está livre, continuará “rezando por todos os que estão espiritualmente ao meu lado”. Em particular, disse que se recorda das quatro religiosas e os doze anciãos que pereceram durante o ataque dos terroristas.

O Pe. Uzhunnalil foi seqüestrado no dia 4 de março de 2016 depois que um grupo de jihadistas do Estado Islâmico invadiu o abrigo para idosos e deficientes administrado por um grupo de religiosas Missionárias da Caridade em Aden, no Iêmen.

Durante o ataque, os terroristas assassinaram quatro freiras, doze anciãos e sequestraram o padre salesiano.

O estado de saúde do padre Tom é bom, apesar do longo cativeiro. Em carta divulgada pelo Reitor-Mor dos salesianos, padre Angel Fernández Artime, ele assegura-nos que “não foi pedido pagamento de qualquer resgate à Congregação salesiana e que ele não tem notícias de que qualquer pagamento tenha sido feito”.
Além disso, em sua carta o Reitor-Mor expressou “nossa profunda gratidão a Sua Majestade o Sultão de Omã e às autoridades competentes do Sultanato pelo trabalho humanitário que realizaram.

Tags:

5 Comentários to “Pe. Tom Uzhunnalil livre – Deo gratias!”

  1. “Rezei todos os dias pelo senhor, oferecendo meus sofrimentos por sua missão e para o bem da Igreja”, disse o Pe Tom, embora por tanto tempo aprisionado, certamente não está a par do que por hora sucede no Vaticano e suas preces não teriam sido direcionadas para que os problemas que surgem na Igreja em que se envolveria o papa Francisco aumentassem – teriam sido desviadas para outras intenções, seria o mais provável!
    A sua libertação foi reviver pois cair sob as patas dos demonios ambulantes das falanges do Islã é quase impossível, ainda mais se souberem tratar-se de religiosos…

  2. É um milagre que ele tenha sido libertado. Parecia que os sequestradores não o iriam libertar… Que Deus seja bendito pela sua libertação! Agora acho difícil de acreditar que não foi pago resgate.
    Off-topic. Hoje,16 de setembro, faz um ano que o Pe. Gabriele Amorth, que foi o maior exorcista dos nossos tempos, faleceu. Que ele possa ser lembrado em nossas orações.

  3. Graças a Deus!

  4. Também foi libertado um padre filipino que estava nas mãos de sequestradores.

    http://br.radiovaticana.va/news/2017/09/18/filipinas_depois_de_quatro_meses_libertado_padre_chito/1337448

    Já repararam que de uns anos para cá, em países onde o terrorismo é forte, os padres têm se tornado alvos de terroristas. Seria isso um sinal dos tempos?