Cuba, Coreia do Norte ou Vaticano?

Totalitarismo assumido oficialmente pela corte bergogliana? 

Vaticano bloqueou site que acusa Papa de heresia

Observador – A secretaria de comunicação da Santa Sé bloqueou esta segunda-feira o acesso à página a partir da qual se adere à iniciativa que acusa o Papa Francisco de sete heresias. Dentro do Vaticano, já não é possível aceder à página, promovida por dezenas de teólogos, padres e académicos conservadores. Todavia, fora do Vaticano, é acessível através deste link. “O acesso à página da Web que você está tentando visitar foi bloqueado de acordo com as políticas de segurança institucionais”, lê-se nos computadores dentro do Vaticano.

* * *

O porta-voz da Santa Sé, Greg Burke, por sua vez, negou o bloqueio, afirmando hoje pela manhã, em conferência de imprensa, tratar-se de um sistema automatizado de segurança: “São filtros que são automaticamente acionados para diversos tipos de conteúdo online”.

Tags:

6 Comentários to “Cuba, Coreia do Norte ou Vaticano?”

  1. “Lembrai, lembrai… De um julgamento injusto, do flagelo rasgando a carne, da coroa de espinhos, dos espancamentos, das humilhações, da pesada cruz, dos cravos de ferro atravessando os pulsos e pés, do cheiro de sangue, da agonia, da morte e da ressureição. ’
    Lembrai ó povo católico de onde vem tua força, hoje quase esquecida.
    Lembrai-vos de vossa herança.
    Lembrai-vos do Verbo Encarnado, nascido da Santíssima Virgem.
    Lembrai-vos de um homem pobre que calava os poderosos, andava sobre as águas, aplacava as tempestades, dava visão aos cegos, fazia os aleijados andarem, curava os doentes e ressuscitava os mortos.
    Lembrai-vos Dele, que prometia o Reino dos Céus a quem o seguisse, mostrou que o mais humilde seria o primeiro.
    Lembrai-vos Daquele que disse simplesmente “Venha a mim”, “Siga-me”, “Obedeça-me”.
    Lembrai-vos Daquele que deixou claro que sua principal missão era perdoar os pecados, algo que somente Deus poderia fazer.
    Lembrai-vos Daquele que disse “Eu Sou o Caminho, A Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai a não ser por Mim”, “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;” “Eu sou o pão da Vida, quem come deste Pão, mesmo que morra viverá”.
    Lembrai-vos de Jesus Cristo, o Filho de Deus.
    Lembrai-vos da Santa Ceia, onde nos deu Seu Corpo e Sangue.
    Lembrai-vos de seu Sacrifício na Cruz, onde verdadeiramente tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores; e os seus o reputavam por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
    Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
    Lembrai-vos de um pequeno bando de covardes derrotados, num sótão, em um dia e, poucos dias depois, transformados numa companhia que nenhuma perseguição podia silenciar.
    Lembrai-vos de 12 homens que testemunharam que viram Jesus levantado de entre os mortos, ascendendo aos Céus e depois proclamaram essa verdade durante 40 anos, nunca a negando. Todos eles foram espancados, torturados, apedrejados, colocados na prisão e sofreram mortes horríveis. Teriam suportado isso, caso não fosse verdade?
    Lembrai-vos das perseguições, quando éramos crucificados, apedrejados, flagelados, presos, queimados vivos e jogados as feras.
    Lembrai-vos dos tempos em que nos escondíamos nas catacumbas.
    Lembrai-vos do tempo que o Evangelho conquistou os bárbaros.
    Lembrai-vos do tempo que as nações eram irmãs em Jesus Cristo.
    Lembrai-vos dos cavaleiros, os monges guerreiros que defendiam os fracos.
    Lembrai-vos das glórias da cristandade, suas catedrais e universidades.
    Lembrai-vos dos santos, servos humildes de Nosso Senhor, que conquistaram multidões não com espadas, como os maometanos, mas com Rosários.
    Lembrai-vos de São Domingos Gusmão, São Francisco de Assis, Santo Antônio de Lisboa e São Tomás de Aquino.
    Lembrem-se da batalha de Lepanto, quando as orações do Rosário derrotaram os turcos maometanos.
    Lembrai-vos dos missionários, que foram aos confins da terra pregar o Evangelho.
    Lembrem-se do tempo em que os padres falavam da vida eterna, da indispensabilidade de salvar a própria alma fugindo do pecado e vivendo na graça de Deus.
    Lembrai-vos de quando não havia altares-mesa no estilo luterano em nossas igrejas, mas somente altares-mores voltados para Deus, cuja própria aparência despertava o sentido de temor respeitoso e reverência nas pessoas.
    Lembrai, lembrai… de quando não havia tradicionalistas, porque não havia necessidade de descrever qualquer católico com essa expressão. Todos os católicos aceitavam instintivamente o que uma série de papas havia prescrito como parte da própria profissão de nossa fé: “Admito firmemente e abraço as tradições apostólicas e eclesiásticas e outras observâncias e constituições da Igreja.”.
    Lembrai-vos de quando não havia leitores leigos, “ministros da Eucaristia” leigos ou meninas no presbitério, mas somente padres, diáconos a caminho do sacerdócio e os acólitos, que eram a fonte primária de geração após geração das vocações sacerdotais, que enchiam os seminários.
    Lembrai-vos de quando não havia música profana durante a Missa, mas somente canto gregoriano ou polifonia, despertando a alma para a contemplação do divino, ao invés batidas de pés, palmas ou puro tédio.
    Lembrai-vos de quando os padres rezavam em latim, e a missa era contemplativa e meditativa. Todos podiam rezar o terço durante o silencio e as igrejas eram cheias.
    Lembrai, lembrai…do tempo em todos católicos carregavam um terço no bolso, e o rezavam todos os dias.
    Lembrai-vos de quando não havia seminários vazios, conventos vazios, paróquias abandonadas e escolas católicas fechadas. Havia somente seminários, conventos, paróquias e escolas repletas de católicos fiéis provenientes de família numerosas.
    Lembrai-vos de quando não havia “ecumenismo.” Havia somente a convicção de que a Igreja Católica é a Igreja única e verdadeira, fora da qual não há salvação. Os católicos seguiam o ensinamento da Igreja que “[diz] que os fiéis não podem de maneira alguma assistir ativamente ou participar de qualquer culto de acatólicos,” e eles compreendiam mesmo se apenas de maneira implícita.
    Lembrai-vos de quando não havia “diálogo.” Havia somente evangelização pelo clero e apologistas leigos com o objetivo de converter as pessoas à verdadeira religião. E havia os convertidos, que entravam para a Igreja em números tão grandes que parecia mesmo que os Estados Unidos estavam se tornando uma nação católica, uma vez que 30 milhões de americanos ouviam o programa de rádio de Dom Fulton Sheen todo domingo.
    Lembrai-vos de quando não havia defecções em massa do sacerdócio, das ordens religiosas, e de leigos, levando à “apostasia silenciosa” na Europa e em todo o Ocidente. Em vez disso, havia aquilo que um Padre do Concílio Vaticano Segundo descreveu no início do Concílio: “a Igreja, não obstante as calamidades que grassam no mundo, está experimentando uma era gloriosa, se vocês considerarem a vida cristã do clero e dos fiéis, a propagação da fé, e a influência universal salutar que a Igreja possuía no mundo de hoje.”
    Lembrai-vos de quando não havia “Católicos Carismáticos,” “Neo-Catecumenais,” ou outros “movimentos eclesiais” promovendo novos modos estranhos de culto inventados por seus fundadores. Havia somente católicos, que praticavam o culto da mesma maneira que seus antepassados com continuidade inquebrável durante séculos.
    Lembrem-se do tempo em que a Igreja não precisava imitar seitas protestantes para ficar pop.
    Lembrai, lembrai, do tempo em que a palavra divórcio não fazia sentido. Homens e mulheres casavam-se para toda a vida.
    Lembrai-vos do tempo em que ter filhos não era considerado fardo, mas sim a coisa mais importante para as famílias.
    Lembrai-vos do tempo em que os padres catequizavam seu rebanho. De quando o sim era sim e o não era não.
    Lembrai-vos do tempo que os padres atendiam confissões todos os dias, e ninguém precisava marcar hora para se confessar.
    Lembrai-vos do tempo que os todos católicos tinham horror ao pecado. Ao contrário de hoje.
    Lembrai-vos de quando tudo mudou, quando o espirito mundano invadiu a igreja. No Concílio Vaticano II.
    Lembrai-vos do que pediu a Santa Virgem em Fátima.
    Lembrai-vos que ela disse que seu Imaculado Coração triunfará.
    “Salve Rainha, Mãe de Misericórdia,
    Vida, doçura e esperança nossa, salve!
    A Vós bradamos, os degredados filhos de Eva.
    A Vós suspiramos, gemendo e chorando
    neste vale de lágrimas.

    Eia, pois, advogada nossa,
    Esses Vossos olhos misericordiosos
    A nós volvei,
    E, depois desse desterro,
    Mostrai-nos Jesus, bendito fruto do Vosso Ventre.
    Ó Clemente, Ó Piedosa, Ó Doce Virgem Maria.

    Rogai por nós Santa Mãe de Deus,
    Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém”.

    Acompanha o Rosário, eis a oração que nos diz como devemos rezar pelo Reino de Maria. Como Trata-la, quem somos, o que é este mundo, quem Ela é para nós, e o que devemos lhe pedir.
    Salve Mãe Rainha
    Deste seu escravo inútil.

  2. Quem diria, hein?

  3. Recordo aqui de D Jan Pawel Lenga na sua “Carta aberta de um arcebispo sobre a crise na Igreja”, tb nesse site, em que ele relatou :
    … “É difícil acreditar que o Papa Bento XVI renunciou livremente ao seu ministério como sucessor de Pedro.”
    … “Eu sou forçado a recorrer a este meio de expressão público porque receio que qualquer outro método seria recebido com um muro de silêncio e indiferença.”
    “… Fica cada vez mais evidente que o Vaticano, através da sua Secretaria de Estado tomou a estrada do “politicamente correto” e nesse, especialmente, o método no presente estaria se pautando de forma a livrar o papa Francisco via bloqueio de sites ou o que for para acobertá-lo; ter-se-ia até a impressão de o Vaticano estar repleto de suspeitos maçônicos que comandariam o processo de camuflagem dele a críticas ou a assedios.
    Enquanto isso, “o porta-voz da Santa Sé, Greg Burke, por sua vez, negou o bloqueio, afirmando hoje pela manhã, em conferência de imprensa e que se trataria de um sistema automatizado de segurança: “São filtros que são automaticamente acionados para diversos tipos de conteúdo online”… que ao acaso tentem romper o bloqueio que teríam feito, como uma muralha eletrônica, para imunizar o papa Francisco a censuras com esses subterfugios acima, relatando uma, embora equivalendo a outra!

    • Antes do ultimo conclave, em 02/17/2013 um editor anonimo postou num grande forum sobre conspiração que o próximo papa seria Argentino, possivelmente Bergóglio.
      Respondendo às perguntas ele deu as seguintes respostas:
      “He’s gonna be argentinian, don’t know exactly which one but i know this for sure, wait till it becomes true!:) You’re half right OP.”
      “I am guessing Sandri or Bergoglio.”
      “I have my info, this isn’t a guessing.”
      “Then you have no idea what’s going on with our world.
      Everything is pre-planned, everything.”
      “Well, it’s a very long explanation, but i can sum it up.
      The US wants to control again South America after losing their influence. (see Venezuela, Brazil, and many others)
      Aswell my source stated that this next pope will be the last one.
      That’s all my info on this.”
      link dessa discussão:
      http://www.godlikeproductions.com/forum1/message2143087/pg1

  4. Não creio que nesse caso caiba uma comparação com esses dois países, já que em ambos até mesmo o acesso à internet é muito difícil (na Coréia do Norte é impossível). Esse tipo de controle é muito comum na ditadura maoísta chinesa.