“Correctio filialis”: um primeiro balanço.

Por Roberto de Mattei, Corrispondenza Romana, 4 de outubro de 2017 | Tradução: Hélio Dias Viana – FratresInUnum.com: Em 25 de setembro, dia seguinte à publicação da Correctio filialis ao Papa Francisco, o porta-voz da Sala de Imprensa do Vaticano, Greg Burke, desmentiu ironicamente a notícia difundida pela agência Ansa, segundo a qual o acesso ao site da Correctio teria sido bloqueado pela Santa Sé: “Imaginem se íamos fazer isso por uma carta com 60 nomes.”

O diretor da Sala de Imprensa, que julga as iniciativas com base no número de seguidores, pode estar interessado em saber que, oito dias após sua publicação online, http://www.correctiofilialis.org teve mais de 180.000 visitantes únicos e 330.000 páginas visitadas. As visitas são provenientes de 200 países diferentes dos cinco continentes. A Itália e os EUA estão à frente no número de acessos.

Além disso, a carta de correção dirigida ao Papa Francisco por 62 estudiosos foi subscrita até 21 de outubro por 216 teólogos, pastores, professores e estudiosos de todas as nacionalidades, cujas assinaturas são visíveis no site. Juntam-se a isso dezenas de milhares de aderentes que afixaram suas assinaturas no site oficial, ou em outros sites católicos que apoiam ativamente a iniciativa, como onepeterfive.com, lifesitenews.com, katholisches.info.

Guido Mocellin, no jornal Avvenire [propriedade da Conferência Episcopal Italiana] de 27 de setembro, teve de admitir que na “blogosfera eclesial”, graças a um “site moderno em seis idiomas”, as “publicações sobre a ‘correção filial’ dirigida ao Papa Francisco ‘por causa da propagação de heresias’ têm estado mais presentes nos últimos dias: constituíram 30% de tudo o que pude consultar entre sábado 24 e segunda-feira, 26 de setembro”.

Caso se queira permanecer no terreno das cifras, o número de cardeais, bispos e teólogos que se levantaram contra a Correctio e em defesa de Amoris laetitia é irrelevante. Mesmo o cardeal mais próximo do Papa Francisco, o secretário de Estado Pietro Parolin, assumiu uma atitude quase equidistante, declarando que “as pessoas que não estão de acordo expressam a sua dissensão, mas essas coisas devem ser fundamentadas, procurando compreender-se mutuamente”.

O que falta em peso, além do escasso número de opositores, é a substância dos argumentos com os quais se tentou replicar a Correctio. O maior esforço, com acrobacias de sofista, se deve ao deputado-filósofo Rocco Buttiglione, no Vaticaninsider no dia 3 de outubro. A passagem central de Amoris laetitia criticada pelos signatários da Correctio, segundo Buttiglione, é “uma coisa absolutamente tradicional que todos estudamos quando criança no catecismo da Igreja Católica, não só naquele novo de S. João Paulo II, mas também no antigo de São Pio X”. É verdade – admite Buttiglione – que existe “uma impossibilidade absoluta de dar a comunhão para aqueles que estão em pecado mortal (e esta regra é de direito divino e, portanto, irrevogável), mas se, devido à falta de plena advertência e consenso deliberado, não há pecado mortal, a comunhão pode ser dada, do ponto de vista da teologia moral, mesmo a um divorciado recasado”. 

Para Buttiglione, como para o teólogo de confiança do papa Bergoglio, Mons. Víctor Manuel Fernández, o problema subjacente seria o da “imputabilidade” dos atos. Uma imputabilidade que faltaria à grande maioria dos conviventes more uxorio, porque as situações concretas em que vivem atenuam a sua responsabilidade e, sobretudo, tornam-lhes praticamente impossível observar a lei do Senhor. Com o que se contradiz tranquilamente o Concílio de Trento, que fulmina com um anátema quem diz que “ao homem justificado e constituído em graça é impossível observar os preceitos de Deus” (Denz-H, 1568). “Porque Deus não manda coisas impossíveis, mas quando manda, adverte que faças o que possas e peças o que não possas, e ajuda a poder” (Denz-H, 1356).

Por outro lado, os bispos que aplicam o ensinamento do Papa Francisco não se inspiram nem no catecismo de São Pio X nem no novo de João Paulo II. Em suas dioceses, os divorciados recasados, perfeitamente conscientes de sua situação, exigem a comunhão, que lhes é concedida, segundo a Amoris laetitia, como um direito legítimo.

Para justificar essa prática imoral, chega-se a falsificar o pensamento de São Tomás de Aquino. Mas um valente moralista italiano que assinou a Correctio, padre Alfredo Morselli, mostrou no site Messainlatino em 3 de outubro, a impossibilidade de harmonizar a Exortação do Papa Francisco com a doutrina de São Tomás. O padre Morselli lembra alguns trechos inequívocos do Doutor Angélico que afirmam o contrário do § 301 da Amoris laetitia: “A boa intenção não é suficiente para determinar a bondade de um ato: pois um ato pode ser mau em si mesmo e de modo algum pode tornar-se bom” (Super Sent., lib. 2 d. 40 q. 1 a. 2 co.). “Há algumas [ações humanas] que têm uma deformidade inseparavelmente conexa, como a fornicação, o adultério e outras coisas desse gênero, que não podem ser realizadas de uma maneira moralmente boa” (Quodlibet IX, q. 2 co.).

Em coerência com o tomismo autêntico, Mons. Fernando Ocáriz, hoje Prelado do Opus Dei, por ocasião de um simpósio promovido para celebrar os 20 anos da Humanae Vitae, recordava que “a existência de normas particulares de moral natural, de valor universal e incondicional, pertence à doutrina católica e, portanto, é uma verdade de fé” (Humanae Vitae 20 anos depois, Edições Ares, Milão 1989, p. 129). Entre estas, a proibição da contracepção e do adultério.

Mudou ou mudará o ensino das Universidades da Santa Cruz (Roma) e de Navarra, promotoras desse simpósio juntamente com o Instituto João Paulo II? A pergunta é pertinente, após a entrevista de dia 30 de setembro para a Infovaticana.com, na qual o atual vigário do Opus Dei, Pe. Mariano Fazio, censura outros membros da prelatura que assinaram a Correctio, acusando-os de “escandalizar a Igreja inteira”. A entrevista é curiosa: nem os bispos argentinos nem os malteses, que autorizam o adultério em suas dioceses, são culpados de escandalizar a Igreja, mas sim os que protestam contra esses escândalos. O Papa, segundo o Pe. Fazio, pode ser criticado, mas em círculos privados, nunca publicamente. Na avalanche de comentários contrários, que submergiram o blog de Infovaticana.com, há um que é lapidar: “E São Paulo?”. Não foi o próprio São Paulo quem corrigiu publicamente São Pedro (Gálatas 2: 7-14)? A franqueza apostólica de São Paulo e a humildade de Pedro, Príncipe dos Apóstolos, permaneceram desde então como o modelo da justa relação entre a autoridade e aqueles que filialmente, mas não sem discernimento, lhe obedecem. A fé nunca pode contradizer a razão. Mas recusar-se a pensar é confortável, sobretudo quando o exercício da razão obriga a assumir responsabilidades desagradáveis.

Não se recusa a pensar um dos signatários mais proeminentes da Correctio, o teólogo e filósofo da ciência padre Alberto Strumia, que em uma entrevista de 30 de setembro ao Il Giornale explicou: “A ‘doutrina da Igreja’ não foi inventada por teólogos nem mesmo por Papas, mas é baseada nas Escrituras e enraizada na tradição da Igreja. O Papa está a serviço, como guardião e garante dessa continuidade, e não pode quebrá-la, sequer veladamente, deixando a entender, com uma redação ambígua, que hoje se pode crer e fazer o contrário daquilo que foi ensinado até agora pelo Magistério sobre questões essenciais, como a doutrina dos sacramentos ou da moral familiar, com a alegação de que os tempos mudaram e o mundo exige uma adequação das mesmas. Por isso é um dever de caridade, que tem como escopo a ‘salvação das almas’, como se costumava dizer, assim como a defesa da dignidade do trono de Pedro e daquele que o ocupa, colocar em relevo com o maior respeito esta ambigüidade. […] Ousar dirigir uma correção doutrinal ao Papa pode e deve ser feito somente quando a verdade da fé está em perigo e, portanto, a salvação do povo de Deus”. 

Numa época de obscurecimento das consciências, a Correctio filialis exprime o sensus fidei de dezenas de milhares de católicos que recordam filialmente ao Pastor Supremo que a salvação das almas é o maior bem e que por nenhuma razão do mundo se pode praticar o mal ou transigir com ele.

3 Comentários to ““Correctio filialis”: um primeiro balanço.”

  1. E entre os nomes eu encontro este:

    Fr. Michael E. Rodríguez BA (Phil.), STB (Theol.)
    Priest of the Diocese of El Paso, Texas (USA)

    Espero que ele esteja bem.

    Que Deus faça fulgurar a luz da Verdade sobre este nosso tempo!

  2. … “Greg Burke, desmentiu ironicamente a notícia difundida pela agência Ansa, segundo a qual o acesso ao site da Correctio teria sido bloqueado pela Santa Sé: “Imaginem se íamos fazer isso por uma carta com 60 nomes.” Não teriam sido impactados pela quantidade de pessoas embora apenas 2 bispos, mas a pressão pela quantidade, gestos inesperados e até mesmo ousados de eminentes teólogos, milhares de leigos nada afeitos a ensinamentos que poderiam apresentar imprecisões, ambiguidades, conteriam ou levariam a heresias, como “Lutero, testemunho do Evangelho, a S Comunhão para recasados “sob certos casos a se discernirem””?
    “… Mesmo o cardeal mais próximo do Papa Francisco, o secretário de Estado Pietro Parolin, assumiu uma atitude quase equidistante, declarando que “as pessoas que não estão de acordo expressam a sua dissensão, mas essas coisas devem ser fundamentadas, procurando compreender-se mutuamente”. Assim sendo, prove-nos com argumentos bem alicerçados onde erramos e mudaremos de ideia, basta-nos apenas isso!.
    Noutro tópico, Rocco Butiglione se apoiando no suposto teólogo D “Tucho” Fernández, se fosse aderente aos material-ateistas seria muito benvindo com suas ideias de relegar o pecado ao nada ou deixá-lo a criterio pessoal, mesmo de alguém o considerar como tal ou não e, bem que poderia se ajuntar a tantas seitas por aí, onde a missão deles é garantirem dinheiro e “fazerem milagres”!
    Corroborando o acima os: “Canones de iustificatione” – 1568 828 Can. 18. Si quis dixerit, Dei praecepta homini etiam iustificato et sub gratia constituto esse ad observandum impossibilia: an. s. (cf. DS 1536 ). – an(atema) s(it).
    Assim, deduzimos que em constante estado de pecado, a pessoa pode se levar até ao endurecimento de coração, entorpecimento da mente, a ponto de nem mais distinguir o erro da verdade e, nesse mundo relativista, repleto de falsos profetas – até a partir de certos clérigos, mesmo de dentro da Igreja – é facílimo chegar a esse ponto!
    …” Em suas dioceses, os divorciados recasados, perfeitamente conscientes de sua situação, exigem a comunhão, que lhes é concedida, segundo a Amoris laetitia, como um direito legítimo”. Caiam na cilada de a receberem, assim profanando a S Comunhão e, desde já candidatos ao inferno, não bastando o miserável estado em que se encontram e, acaso dentro dele, se rebelarão indomitamente contra os que os conduziram para lá, os desencaminhadores, mais ainda potenciais candidatos à condenação!
    … “A entrevista é curiosa: nem os bispos argentinos nem os malteses, que autorizam o adultério em suas dioceses, são culpados de escandalizar a Igreja, mas sim os que protestam contra esses escândalos. O Papa, segundo o Pe. Fazio, pode ser criticado, mas em círculos privados, nunca publicamente”. Porque então o papa evitou que isso sucedesse, respondendo prontamente aos 4 cardeais e teria atendido ao pedido deles de os esclarecerem, sendo que lho fizeram de modo oculto, já que veladamente nos representavam?
    Quanto à questão de dividirem a Igreja, cairem em cisma, nada mais ou menos: “chame os outros do que v é e acuse os outros do que v faz” – Lênin.

  3. O Opus Dei é sempre uma incógnita. O prelado fala uma coisa, o vigário diz outra. E assim vão levando. Leitor voraz de São Josemaria Escrivá, me pergunto: o que o santo pensa disso? Politicagens à parte, precisamos de uma prelazia pessoal do Papa com mais empenho contra as distrações propostas pelo Concílio Vaticano II. Quem sabe a FSSPX não faça bem este papel? É coisa para se pensar.