Editorial: Nos 500 anos da “Reforma” Protestante. Lutero e Bergoglio, um paralelo inquietante.

Por FratresInUnum.com – 31 de outubro de 2017

Uma heresia como as outras? Decisivamente, não. E isso não em benefício do luteranismo. Aliás, é exatamente o contrário.

As heresias antigas eram primores intelectuais em comparação com o disparate doutrinal de Lutero. O arianismo, embora tenha quase engolido a Igreja, era um erro em que humanamente a inteligência poderia tropeçar; erro que foi debelado com sucesso pela valentia de Santo Atanásio e do povo fiel. Como afirmava São Jerônimo, “enquanto o mundo de improviso amanheceu Ariano, em pé ficava o grande lutador Atanásio”.

“Em vida fui tua peste; morto, serei tua morte, ó papa” – Martinho Lutero.

Já o luteranismo era apenas uma caricatura de cristianismo: o livre exame das Escrituras, que acabava com a unidade da fé; uma Igreja sem sacramentos e sem uma hierarquia com poder de ordem; o desprezo pelas obras, como se a salvação fosse apenas resultado de uma confiança cega, a despeito do pecado. Enfim, a loucura mesma por escrito.

Lutero jamais teria sucesso por causa de suas ideias. Aliás, quando Melancton, seu fiel discípulo, escreveu a Constantinopla pedindo adesão à nova pregação, sua missiva foi desprezada, desconsiderada por causa de sua escandalosa incoerência doutrinal. Foram tratados simplesmente como desequilibrados.

Não fosse o interesse político e econômico que havia por trás da “Reforma”, Lutero teria acabado como um desvairado completo. Contudo, os príncipes alemães, sedentos de independência política em relação a Roma, insuflaram a insurreição luterana. A isto, e apenas a isto, deve-se o sucesso das “ideias” protestantes.

Deste modo, a sangria atingiu a cristandade ocidental, devorando um terço da Europa. O luteranismo foi emplacado propositalmente com um fim: destruir o papado católico e dividir a Igreja. O objetivo foi alcançado com sucesso.

Foi justamente graças à Companhia de Jesus que a Igreja conseguiu reverter a tormenta. Santo Inácio de Loyola, após sua extraordinária conversão, quis começar sua vida intelectual do zero: voltou a estudar com as crianças, reaprendeu tudo novamente, até que ingressou na Universidade de Paris, com a intenção explícita de arrebanhar as mentes mais brilhantes. Oito homens começaram a estudar juntos e, aprendendo como abordar o erro, passaram a estudar minuciosamente o protestantismo e começaram a combater aquele arremedo de cristianismo.

Em todo o território católico, justamente nas demarcações onde avançava a nova religião, jesuítas corajosos fundaram colégios e, assim, através da educação, contiveram a dissolução da cristandade, totalmente fieis à Cátedra de Pedro.

Duzentos anos após a “Reforma”, a maçonaria, oficialmente fundada em 1717, entendeu que a supressão da Companhia de Jesus, das Monarquias e das Instituições tradicionais era necessária para a internacionalização da economia e a refundação da sociedade sobre o novo pilar do capital. Aprenderam com Lutero a destruir a Igreja. Então, podiam jogar fora a nova crença e apenas utilizar seus métodos.

Atualmente, assistimos a um fenômeno parecido. Desde março de 2013, a Igreja Católica é chefiada por um Papa extremamente autoritário, com ideias completamente ineptas, confusas, contraditórias, que tenta a todo custo promover a destruição completa do catolicismo e do papado para trazer à luz um modelo de Igreja profundamente esquizofrênico. Nos discursos e nas ações de Francisco, surge o esboço de um catolicismo que se refunda numa Confederação de Igrejas Nacionais, independentes, que professam doutrinas contraditórias.

Em tempos normais, não haveria a mínima possibilidade de essas ideias ganharem algum prestígio…, não favorecessem elas a Nova Ordem Mundial, o esquema de poder globalista, que se serve da esquerda internacional apenas como instrumento para a destruição da Igreja e de todas as sociedades.

O luteranismo queria destruir a Igreja. O globalismo quer destruir as sociedades, para transformar os indivíduos em átomos soltos, totalmente suscetíveis ao governo planetário multicultural.

No pontificado de George Soros, Bergoglio escolheu ser apenas coroinha. Por isso, tem este “sucesso”. Mas, aliás, muito entre aspas. De fato, o clero e o povo não estão acompanhando a revolução bergogliana. Por exemplo, as Igrejas na Europa continuam vazias e, na América Latina, como reclamou o próprio George Soros num recente artigo, há uma onda conservadora em plena ascensão.

Nossa geração tem uma escolha a fazer: podemos permanecer inertes e assistir a dissolução completa do catolicismo ou resistir, confiantes no Triunfo do Imaculado Coração de Maria. Ela é a nossa escolha. É a escolha de todo o povo católico militante. Continuaremos a documentar todo o desmonte bergogliano, a atitude complacente dos pastores e a reação sadia de desprezo de todo o povo católico.

Como se sentirá Santo Inácio de Loyola ao ver o primeiro papa jesuíta destruindo tudo aquilo que ele deu a vida por defender e se sentando para comemorar Lutero, a quem o jesuíta São Roberto Belarmino atribuía a alcunha de “Dragão do Apocalipse”, justamente por ter arrastado com a cauda um terço da cristandade para o erro?…

Não desanimemos. Sigamos o exemplo daqueles varões doutos, eloquentes e militantes. Preguemos a tempo e contratempo, oportuna e inoportunamente, ensinemos a doutrina católica e o veneno de Lutero será completamente anulado pela força salvadora da verdade de Cristo, da nossa santíssima Fé Católica, Apostólica, Romana.

Tags: ,

22 Comentários to “Editorial: Nos 500 anos da “Reforma” Protestante. Lutero e Bergoglio, um paralelo inquietante.”

  1. “Como se sentirá Santo Inácio de Loyola ao ver o primeiro papa jesuíta destruindo tudo aquilo que ele deu a vida por defender e se sentando para comemorar Lutero, a quem o jesuíta São Roberto Belarmino atribuía a alcunha de “Dragão do Apocalipse”, justamente por ter arrastado com a cauda um terço da cristandade para o erro?…”
    Ele rasgaria suas vestes e o condenaria como herege e destruidor da vinha do Senhor, algo que nenhum desses ditos bispos e cardeais atuais têm coragem de fazer.

  2. A situação atual é mais grave do que a “Reforma”; nem mesmo Lutero com toda a sua divergência doutrinária e hierárquica acenderia incenso para Buda
    https://fratresinunum.com/2017/10/29/aos-pes-de-buda/

  3. O papa Bento XVI ainda no pontificado, ameaçavam-no sem cessar pela midia globalista, culminando no travamento das operações do IOR pelos acusadores associados e comparsas dos maiores genocidas, como os relativistas parceiros do excomungado heresiarca e blasfemo Lutero, envolvido no exterminio de mais de 100 000 anabatistas, apenas por discordarem dele!
    Assim, Lutero em nada se diferenciaria de Lênin, Stálin, Pol Pot e mais proximamente de Fidel Castro, Kim Jong e de governos comunistas que trucidam também a população por varios métodos diferentes, como a miserabilizando e recebendo de Bento XVI a sentença: “um governo sem principios ético-morais não passa de uma quadrilha de malfeitores”, assim como os regimes comuno e nazifascistas de “trio chuvas ácidas” e “peste vermelha” e de “pestes negras” aos dois últimos listados.
    Porém à sua saída – deposição(?) – houve um regozijo geral, desde as organizações maçonistas à sua midia que controlam em quase totalidade no mundo, mas passaram a contemplar o papa Francisco com elogios, personagem do ano, mesmo em tablóides e revistas anticristãs e por pessoas irrecomendaveis, como os ferrenhos inimigos da Igreja, vinculados à maçonaria, ao marxismo ou ao protestantismo, além dos lobbies gayzistas, abortistas etc.
    Depois de uma A laetitia nº 297 “Ninguém pode ser condenado para sempre pois essa não é a lógica do Evangelho”, sob esse prisma, Juízo Final, pecados nessa vida, condenação ao inferno, sua existencia teriam sido extintos nessa nova concepção pessoal e mais uma infinidade de situações atinentes, assim com inexplicaveis “os bispos, o papa e os sacerdotes não sao a Igreja, mas o povo” entender-se-ia o novo recém estabelecendo “deus-povo”.
    No caso da exigente observância do 6º Mandamento de Deus e da indissolubilidade do Matrimônio tornar-se-iam um ideal inalcançável para todos, apenas por uma virtuosa elite.
    As firmes palavras de Cristo ordenando os homens a observarem os Mandamentos de Deus, sempre e em todas as circunstâncias, e mesmo para tomarem para si sofrimento considerável de forma a fazê-los, em outras palavras, aceitar a Cruz, não mais seria válido como uma verdade absoluta: “E se a tua mão direita te faz pecar, corta-a e lança-a fora de ti; porque melhor te é que se perca um dos teus membros, do que todo o teu corpo vá para o inferno” Mt 5, 30.
    Admitir casais vivendo em “uniões irregulares” à Sagrada Comunhão e permiti-los viverem more uxorio num casamento válido, equivaleria à usurpação de um poder indevido à autoridade humana, seria pretender corrigir a Palavra do próprio Deus, salvando-se entre os discordantes uns muito raros com D Athanasius Schneider em varios locais, esclarecendo: o papa não é proprietario das verdades da Igreja e quando um papa tolera uma ampla disseminação de erros obvios contra a fé, os bispos não devem se comportar como empregados servis, embrulhando-se no silencio”, por sinal, se os leigos não tomassem a dianteira na Correctio Filialis, estaria estagnada até agora…

  4. Da Biografia de Lutero (F. Bentrano) podemos tirar algumas relfexões:

    Lutero gozava os prazeres da vida, da bebida, do sexo até cair inconsciente no chão; Cristo gozava os prazeres terrenos com temperança;
    Lutero gozava dos elogios dos príncipes deste mundo; Cristo foi humilhado e desprezado pelos homens (Isaias 53);
    Lutero era iracundo e detestava ser contrariado; Cristo era manso e humilde de coração;
    Lutero se tornou grande pela revolta; Cristo se tornou grande pela obediência;
    Lutero, seguindo Lúcifer, gritou: “não servirei!”; Cristo disse “seja feita não a minha, mas a Vossa Vontade!”;
    Lutero desprezava os judeus a ponto de classifica-los como “fezes do diabo”; Cristo gastou sua juventude e sua vida para salvar os judeus;
    Lutero ouvia os demônios e dele acolhia algumas ideias; Cristo ordenava aos demônios que se calassem;
    Lutero morreu na glória dos homens; Cristo morreu na Glória de Deus;

    A vida pública de Lutero é a antítese de Cristo; Lutero é um escárnio, um deboche de Lúcifer para ofender Cristo e Sua igreja.

  5. Sinal dos tempos:

    Jovens católicos belgas sendo expulsos da Catedral de São Miguel e Santa Gúdula, em Bruxelas (Bélgica) por recitarem o Santo Rosário em defesa da fé católica apostólica romana.
    Hj na Bélgica, amanhã no Brasil.

    https://odogmadafe.wordpress.com/2017/10/31/catolicos-expulsos-de-catedral-em-bruxelas/

  6. Esses modernistas perderam a noção do ridículo ao ficar “lambendo as botas” desses heresiarcas. É como Padre Fábio de Melo frequentando os “Faustões, Serginhos Groismam” da vida e rebolando requebrando com cantora seminua. Acendem uma vela pra o Diabo e tentam acender outra para Deus, mas não percebem o quão ridículos são. O mesmo se diz de Francisco sentado ao lado de luteranos. Ridículo!!!!!!!!!!!

  7. Meu Deus do céu! Esse desmonte do edifício católico está acabando com as minhas forças físicas. Peço orações para que tenhamos fortaleza. Certamente nós, católicos, vivemos uma grande provação da fé. http://br.radiovaticana.va/news/2017/10/31/vaticano_emite_selo_comemorativo_pelos_500_anos_da_reforma/1346166

    • Que nada! Agora é está ficando bom! Devíamos fazer um brinde à batalha! O Senhor dos Exércitos vai passar o trator em cima desse matagal maldito que o diabo plantou pela mão dos clérigos apóstatas e transviados.

    • Professor Hermes, assim diz as Escrituras:

      “Quando começarem a acontecer estas coisas, reanimai-vos e levantai as vossas cabeças; porque se aproxima a vossa libertação” (Lucas 21, 28).

      E falando em REFORMA, não há como não esquecer este grande Reformador da Igreja:
      SÃO FRANCISCO DE ASSIS.

      Como não agradecer a tantos santos que refutaram a Reforma Protestante:

      – São Thomas More, mártir e autor da obra clássica: UTOPIA, ex-primeiro ministro do rei Henrique VIII (que para separar-se da sua esposa, criou a sua própria Igreja: Anglicanismo). Para São Thomas More (patrono dos diplomatas) foi reservado o seguinte epíteto: “o homem que não vendeu a sua alma”.

      – São Francisco de Sales, Santo Inácio de Loyola e São Pedro Canísio (que, devido ao seu trabalho árduo, reconduziu tantos alemães à verdadeira fé, que mereceu do Papa Leão XIII o título de “segundo apóstolo da Alemanha) e a lista não para por aí…

      Saudações cristãs!

      Em tempo: obrigado Santa Teresa D’Avila pela REFORMA DOS CARMELOS!

  8. Papa Francisco pode até dar declarações ambíguas. Mas tem assuntos onde ele é inequívoco e implacável, até mais que Bento 16. Sobre a Ideologia ditatorial do Gênero, por exemplo, ele chega a usar expressões fortes como colonialismo cultural, chantagem, maldade com crianças…..E por falar nisso: A campanha FORA BUTLER tem sido acusada – por esquerdistas, direitistas, liberais e conservadores- de querer censurar o debate público e sufocar o direito de livre opinião e expressão da dona Judith Butler..

    Concordaria plenamente com essa crítica se realmente houvessem duas opiniões em cena. Não é o caso, porém.

    Não tem a menor lógica alguém entrar em casa para assassinar meu filho e eu propor um debate democrático sobre a eventual razão que ele poderia ou não ter para matar meu filho.

    E é facílimo provar, com centenas de fatos, que esse “estupro” e violação da inteligência e consciência e demais direitos do povo – sobretudo dos mais pobres – já ocorreu e está ocorrendo abertamente.

    A ideologia do gênero já provocou e tem provocado concretamente prisões , cerceamento da liberdade, demissões, ruína de empresas, abusos sexuais, e até assassinatos e suicídios (veja o caso dos gêmeos Renner. O Dr Money – mentor de Butler e um dos maiores pais da teoria do gênero – nunca foi responsabilizado legalmente pela morte de suas duas cobaias e pela violação sexual de várias crianças por pedófilos que ele pagava para testar, em seu laboratório, a “sensibilidade erótica” de crianças de 5 e 6 anos. Um monstro moral.).

    Então, claramente, não se trata de um debate de ideias que estão disputando entre si ,em pé de igualdade. Os dois sujeitos em cena são claramente identificáveis: um está amarrado e amordaçado e o outro está com o revólver em sua nuca, impedindo que ele abra a boca. A situação é totalmente assimétrica.

    Um debate livre e democrático deve se dar em condições equânimes. Butler não está em pé de igualdade com quem ela finge debater (e muito menos em condição “inferior”, como pretende fazer crer). Ela está com o revólver na nossa nuca.

    Não é uma mera intelectual que vem propor uma ideia possível entre outras, na arena plural do pensamento público, uma ideia passível de discussão e livre adesão ou não.

    Ela e sua seita de crentes do gênero já mandam no pedaço e ditam as regras na ONU, nos ministérios da (des)educação de vários países e na mídia. Já são, em suma, polícia do mundo.

    Não se trata pois da hipótese de que , no futuro, os ditadores e censores do gênero possam vir a nos dar uma porretada e nos amarrar e amordaçar.

    ELES JÁ ESTÃO FAZENDO ISSO, AGORA! E querem fazer ainda mais, amordaçar mais , dominar muito mais, e é para isso que Judith Butler vem, e é para isso que ela atua (e é muitíssimo bem financiada por quem tem interesse nessa escravização mental do povo).

    É contra esse MANDO arbitrário – entendo eu – que se insurge a petição, mesmo que não tenha explicitado muito isso.

    Dizer fora Butler, é dizer: tira essa sua mordaça da nossa boca! Tire o revólver da minha nuca. Interrompa já esse estupro cultural e essa ditadura ideológica! Não vamos admitir que você nos amarre ainda mais do que já tem amarrado.

    Como estamos prestes a entrar numa opressora camisa de força que será a Base Nacional Curricular que quer impor a censura do gênero, nunca é demais insistir nesse ponto: quem são mesmo os reais CENSORES, nessa história toda?

    A campanha já está enorme e pode crescer ainda mais:

    http://www.citizengo.org/pt-br/fm/108060-cancelamento-da-palestra-judith-butler-no-sesc-pompeia

  9. Olhando do ponto de vista sobrenatural, o que vemos no cenário inaugurado pelo gesto de Lutero é simplesmente catastrófico. Ao longo desses 500 anos, quantos milhões de crianças morreram sem o Batismo por culpa do Protestantismo! Quantos milhões de adultos, pela mesma causa, morreram voluntariamente sem se confessar! Quantos milhões de Santas Comunhões deixaram de ser recebidas, sendo trocadas por “Ceias” nas quais assumidamente só se distribui puro pão! Quantos milhões de Rosários deixaram de ser rezados a Nossa Senhora! Quantos milhões de imagens sagradas foram profanadas! Quantos milhões de livros heréticos disseminados pelo mundo! Um dilúvio, enfim, de pecados graves por um lado; uma quantidade inestimável de bens espirituais impedidos por outro; legiões de almas perdidas eternamente – e por toda essa desgraça haveremos de comemorar, de festejar?!… Haveremos de nos alegrar num dia em que, por assim dizer, os próprios Anjos do Guarda choram à lembrança dos seus ex-protegidos que agora ardem e arderão para sempre no inferno por culpa do Protestantismo?… Hoje é um dia de luto pela ruína e perda das almas; não um dia de festa…

  10. Se não me falha a memória, João Paulo II também fez lançar um selo comemorativo dos 500 anos do nascimento do heresiarca Martinho Lutero. E não só isso. Mas mandou colocar flores sobre a campa do frade apóstata.

  11. Eu queria acordar aterrorizado e contar para alguém o pesadelo horroroso que estou vivendo e vendo, e ouvir “magina, a Igreja do Cristo? A Igreja do Papa? A Igreja de Roma? Nunca! Vá falar com o Pároco, esse pesadelo deve ser algo diabólico”. Mas não… essa é a realidade… Lutero aos pés da Cruz no selo comemorativo (sic) dos 500 da reforma (sic) protestante. Católicos sendo retirados pela polícia de dentro de uma Catedral por estarem rezando o Rosário. Um mundo débil propagando uma torrente de mentiras da revolução protestante… e é claro, cadê nosso bravo clero desmentindo tudo isso e exaltando a Santa Madre Igreja? O Arcebispo de São Paulo, Cardeal Scherer queimando incenso a Buda.

  12. O objetivo do papa certamente é a comunhão total com os luteranos. E não está longe disso.

  13. Ainda estou tentando encontrar a suposta heresia difundida pelo S. Padre o Para Francisco.
    Dizer que o nome de Deus é Misericórdia não me parece heresia, ao contrário, é uma síntese evangélica.
    Relembrar aos fiéis que seguimos a Jesus Crucificado, que de fato ressuscitou, mas antes entregou-se por amor, não me parece nova doutrina. Mas combate o romantismo de uma fé frouxa. Assim como Cristo devemos pegar a nossa cruz e segui-lo.
    Afirmar em tempos como este que existe um vazio no coração do homem, e que este vazio está sendo preenchido com coisas, bens, prazeres em ritmo de consumo assustador, só podendo ser reordenado quando o homem entender que este vazio só pode ser preenchido por Deus, também não me parece heresia.
    Mesmo as discussões geradas pela Amoris Laetitia não possuem fundamento, uma vez que o S. Padre deixa claro logo no início do documento que a ninguém caberá fazer interpretações do texto fora da Tradição do Magistério da Igreja.
    É preciso ter cuidado quando queremos ser mais católicos que o S. Padre o Papa.

    • Prezado Firmino

      Ninguém está se arrogando o fato ou o direito de ser mais católico que o Santo Padre o Papa. Mas será que o irmão não vê que a Igreja sangra? Não percebe o nível baixíssimo a que decaiu o povo e o clero, o alto clero e o baixo clero? As ordens religiosas e os leigos? Isto tudo não lhe chama a atenção? Não teria o amigo o interesse de conhecer as causas para avaliar as consequencias? Ou o amigo acha que nunca estivemos tão bem como hoje?

      Antes de lhe dar as respostas (que não tenho) apenas lhe faço as perguntas para trazer-lhe reflexão.

    • Ele é como o comunismo… o discurso é belo, inspirador. Mas na prática não tem nada disso. Não digo que ele é herege, mas que ele fomenta a heresia nos fiéis e no clero com suas declarações e ações… isso é mais do que evidente!

    • Fernando Firmino,

      Mutatis mutandis, é preciso ter cuidado quando o S. Padre o Papa quer ser mais “MISERICORDIOSO” que o próprio Cristo Jesus com relação ao casamento indissolúvel, canonização de Lutero…”

  14. Foi a isso tudo, e muito mais que não se pode falar por medo de ofender às senhoras, que levou a GRANDE patuscada inventada por “São” João XXXIII, implementada por Paulo Sexto e confirmada por “São” João Paulo Segundo. Definitivamente, eu não tenho nem quero ter a mais remota participação nesse sabá. Quem segue as doutrinas do Vaticano Dois e tira todas as consequências de seus princípios infectos e malsãos PERDE (por ignorância, por culpa própria ou por ignorância culposa) a fé católica. É o que temos visto.
    Aos quietistas, obediencialistas e oficialistas deve-se advertir que, se a vida e a doutrina dos santos são mesmo verdadeiras, como de fato são, então tais oficialistas e defensores da patuscada chamada Vaticano Segundo perigam gravemente perder a alma. Se tudo aquilo é falso, sendo produto de mentes doentias e da visão de história prevalente à época daquelas pessoas (santos), então tudo é uma grande palhaçada e tanto faz ser católico, budista ou luterano, pois não há nada a se perder. Nessa última opção, ninguém perde nada; mas, como não se trata mesmo de loucura nem de palhaçada, então esses tais obediencialistas e oficialistas, os defensores das heresias e desmandos de Bergoglio, os rubricistas do rito pífio de Paulo VI, os profanadores da imagem de N.Sa. Aparecida , os incentivadores e praticantes da sodomia e do adultério poligâmico e pagão estão mesmo em péssima situação cuja gravidade é desesperadora.
    É preciso escolher…. E agir…

  15. Prezados,

    Ontem postei aqui um comentário sobre a incongruência de datas no parágrafo quarto deste editorial que anteriormente dizia:

    “Lutero jamais teria sucesso por causa de suas ideias. Aliás, quando Melancton, seu fiel discípulo, escreveu a Constantinopla pedindo adesão à nova pregação, *o Imperador simplesmente desprezou a missiva*, desconsiderando-a por causa de sua escandalosa incoerência doutrinal. *Quase cem anos mais tarde, voltaram a escrever ao Imperador bizantino, o qual sequer quis continuar os diálogos diplomáticos com a Alemanha. Foram tratados simplesmente como desequilibrados.*”

    Questionei, portanto, como seria possível, tendo a heresia reformista ocorrido em 1517, um discípulo de Lutero ter obtido uma resposta do Imperador Bizantino, já que o Império caiu em 1453?

    Ao acessar agora o blog, vejo que o parágrafo foi genericamente alterado e meu comentário alertando para o desacerto, sumariamente apagado sem nenhuma resposta/satisfação.

    Erros em datas e fatos históricos são bastante comuns e não há vergonha alguma em assumir um engano como este que, em nada, desvaloriza a crítica do editorial.

    Acompanho o trabalho do Fratres há bastante tempo e, embora jamais tenha comentado as publicações por aqui, realmente esperava maior hombridade por parte do blog, assumindo seu erro, reparando o engano e agradecendo o alerta oriundo de um leitor.

    A atitude da administração demonstrou pouca humildade e desrespeito por aqueles que acompanham e compartilham seus textos. Lamentável…

    • Caro Sr. GVBuzzi, salve Maria! Fizemos o ajuste tão logo alertados pelo senhor, cuja gentileza em nos apontar esse erro agradecemos. Pedimos que continue nos ajudando, sempre que possível, pois somos falíveis como qualquer um. Somente apagamos o comentário, pois imaginamos que não faria sentido mantê-lo após a correção, podendo desviar a atenção do debate na caixa de comentários para aspectos acidentais. Estávamos redigindo um email para agradecê-lo (apesar de nossa demora, pelo que também nos desculpamos…), porém, com este seu comentário, fazemo-lo aqui: muito obrigado!

  16. Ferretti, muito feliz o editorial do Fratres, parabéns. Havemos de lutar por nossa fé e pela honra da nossa Santa Igreja até quando Deus nos der vida e forças!
    E os comentários do PW também são impagáveis. Adoro lê-los. São ácidos, mas são cirúrgicos.