Coluna do Padre Élcio: “Confessou a Verdade e não a negou”.

Explicação do Evangelho do 3º Domingo do Advento.

Por Padre Élcio Murucci – FratresInUnum.com

S. João I, 19-28
19. Eis o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas a perguntar-lhe: Quem és tu? 20. Ele confessou a verdade e não a negou; e confessou: Eu não sou o Cristo. 21. Eles perguntaram-lhe: Quem és pois? És tu Elias? Ele respondeu: Não sou. És tu o profeta? Respondeu: Não sou. 22. Disseram lhe então: Quem és, pois, para que possamos dar resposta aos que nos enviaram? Que dizes de ti mesmo? 23. Disse-lhes ele: “Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor”, como disse o profeta Isaías. 24. Os que tinham sido enviados eram fariseus. 25. Interrogaram-no, dizendo: Como batizas, pois, se não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta? 26. João respondeu-lhes dizendo: Eu batizo em água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. 27. Este é o que há de vir depois de mim, ao qual eu não sou digno de desatar a correia das sandálias. 28. Estas coisas passaram-se em Betânia, do lado de além do Jordão, onde João estava batizando.

 

Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!

Neste domingo, o santo Evangelho mostra-nos o Precursor novamente dando testemunho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Quão humilde e desinteressado este testemunho!

Divino Menino JesusOs Sacerdotes, os Levitas, enviados de Jerusalém, a cidade santa, vêm  oferecer a João o título de Cristo, de Messias, e colocar aos seus pés as homenagens que este título reclama. O próprio Espírito Santo inspira a S. João Evangelista a frisar enfaticamente a confissão do Precursor, deixando bem clara a retidão deste homem extraordinário: CONFESSOU A VERDADE E NÃO A NEGOU; E CONFESSOU: EU NÃO SOU O CRISTO.  Quantos hoje, seguramente com menos méritos e virtudes que João Batista, aceitam prazerosamente títulos análogos, ou até a si mesmos os atribuem!  Procuram atrair o povo não para Jesus pela santidade de vida; mas pela popularidade torna os fiéis seus fanáticos seguidores. Isto é uma rapina no Templo. Isto é trair a Jesus Cristo, porque para ser popular não se prega o que o Divino Mestre pregou, mas novidades ao sabor do mundo.  São precursores sim, mas do Anti-Cristo.

João Batista não é nem o Cristo, nem Elias, nem um profeta; ele é senão uma voz que clama no deserto. Sim, mas esta voz tão humilde, tão modesta se fez ouvir no mundo todo e ela aqui ainda ressoa e ressoará até o fim do mundo, enquanto que a voz destes falsos profetas modernos, desses pregadores de novidades e pretensas surpresas divinas, a voz, digo, destes soberbos “libertadores” está prestes a morrer, porque Jesus Cristo  sempre vence, reina e impera. Cristo é sempre o mesmo e Seus verdadeiros profetas não pregam novidades ao sabor do mundo, mas sempre a Tradição, procurando levar as almas a Jesus e Jesus às almas.

No início de seu Evangelho, S. João Apóstolo, diz: “Estava no mundo (o Verbo Encarnado) e o mundo fora feito por Ele, e o mundo não o conheceu”. E S. João Batista diz: “No meio de vós está quem vós não conheceis”. Na verdade, Jesus Cristo já estava há 30 anos entre o povo e este não o conhecia e não o recebia como o Messias, Ele, “glória como de Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (S. João I, 14). É uma coisa surpreendente! Mas, caríssimos, não é igualmente incompreensível que Jesus seja hoje também inteiramente desconhecido por muitos? Há vinte séculos, com efeito, que Jesus Cristo está no mundo, o mundo foi feito por Ele, o mundo com suas luzes, com suas grandezas, suas glórias, sua civilização. Tudo o que neste mundo há de santo, de bom, de nobre é obra de Jesus Cristo, é obra de seu sangue, de seus trabalhos, de suas lágrimas, de sua morte, é obra de sua doutrina, obra de sua Igreja, desta Igreja da qual Ele não cessa de ser a alma. E o mundo assim feito por Jesus Cristo não O reconhece, o mundo O ultraja, O blasfema, O rejeita. Cumulados de seus benefícios, esclarecidos por suas luzes, no entanto, rejeitam a vida abundante que Jesus lhes oferece. Os homens de nosso tempo, em grande parte, talvez na maioria, recusam seu Benfeitor, menosprezam o seu único Guia, perseguem-No por toda parte, desprezam Sua Lei nas instituições, nas famílias e nas escolas.

Quem hoje conhece verdadeiramente a Jesus Cristo? Quem estuda Sua doutrina, quem procura se compenetrar de Suas máximas? Quem possui à fundo Sua Moral? E o pior, caríssimos, é que se realiza a palavra de Davi: “O injusto (pecador) disse em si mesmo que queria pecar; não há temor de Deus ante seus olhos. Porque ele procedeu dolosamente na sua presença, de sorte que a sua iniquidade se tornou mais odiosa. As palavras de sua boca são iniquidade e engano; não quis instruir-se para fazer o bem” (Salmo XXXV, 2-4). Hoje a maioria das mentes esta abarrotada de lamas pútridas de novelas e filmes imorais. Há fanatismo para os “ídolos” do futebol, do cinema, da música etc. Sobre eles sabem os mínimos detalhes. Mas não sabem o mínimo sobre Jesus Cristo. Como isto é triste!

Temos que lembrar aos homens modernos que Jesus Cristo é o único nome dado aos homens pelo qual podemos ser salvos (Cf. Atos IV, 12); não podemos encontrar a salvação senão em Jesus Cristo. Para ser salvo por Jesus Cristo é necessário primeiramente conhecê-Lo. “A vida eterna é esta: Que te conheçam a ti como um só Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (S. João, XVII, 3). Embora já transcorridos mais de 2 mil anos, ainda se faz necessário lembrar à humanidade que Jesus é a Porta pela qual é preciso entrar na verdade e na vida: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo” (S. João X, 9).

Jesus é porta pela qual entramos na verdade sem limite e na vida sem fim. É preciso conhecer esta porta. Sem isto, choca-se contra a muralha, cansa-se e esgota-se por querer fazer uma passagem onde não há passagem possível; permanece-se do lado de fora, sem a verdade e sem a vida; debate-se nas trevas do erro, e extingue-se nos estertores da morte. Jesus é, pois, o caminho, a porta, a verdade, a vida e a luz!

Caríssimos, seja, pois, nosso maior empenho conhecer sempre melhor a Jesus e amá-Lo sem limite. S. Paulo colocava este conhecimento de Jesus acima de todos os conhecimentos, perto do qual o universo com todos seus tesouros não é nada: “Aquelas coisas que eu considerava como lucro, considerei-as como perdas por amor de Cristo. E na verdade tudo isso tenho por perda perante o eminente conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor, pelo qual renunciei a todas as coisas e as considero como esterco, para ganhar a Cristo” (Filip. III, 7 e 8). O conhecimento de Jesus Cristo, no entanto, não é um conhecimento só especulativo; é acima de tudo um conhecimento prático. Devemos ser o
perfume de Jesus na nossa conduta. Jesus é o modelo e nós somos como pintores. Nossa vida é a tela sobre a qual é necessário que reproduzamos traço por traço o protótipo divino que devemos ter sempre diante dos olhos. Se, portanto, conhecermos verdadeiramente a Jesus Cristo, infalivelmente este conhecimento aparecerá nos nossos atos.

O primeiro sinal pelo qual se manifesta o conhecimento de Jesus Cristo é o amor: “Quem não ama, não conhece a Deus, porque Deus é caridade” (1 João IV, 8). Deus, com efeito, sendo caridade, e Jesus Cristo não sendo senão a caridade de Deus tornada sensível pela Encarnação e Redenção, segue-se que conhecer a Jesus e não amá-Lo são duas coisas incompatíveis. E se amamos verdadeiramente a Jesus, amamos também os nossos irmãos. Daí S. João dizer neste mesmo capítulo no versículo 11: “Caríssimos, se Deus nos amou assim, devemos nós também amar-nos uns aos outros”. Os primeiros cristão conheciam a Jesus Cristo e O amavam de verdade, e por este amor, amavam seus irmãos. Viviam como se fossem “um só coração e uma só alma”, de tal modo que muitos pagãos se convertiam e exclamavam: “Vede como eles se amam!”

O segundo sinal pelo qual possamos saber se verdadeiramente conhecemos a Jesus é se nós observamos os seus mandamentos: “E sabemos que O(Jesus) conhecemos por isto: se guardamos os seus mandamentos. Quem diz que O conhece e não guarda os seus mandamentos, é um mentiroso e a verdade não está nele” (1 João II, 3 e 4).

Caríssimos, é possível, com efeito, conhecer a Jesus, ter penetrado no misterioso santuário de seu Coração Sagrado, ter medido a altura, a profundidade, a largura e o comprimento de seu amor por nós, sem se sentir animado de um santo zelo por observar seus mandamentos com uma fidelidade inviolável, a tal ponto que nem as ameaças, nem as torturas, nem a morte serão capazes de nos levar a nos afastarmos d’Ele,  de Seus mandamentos, de sua Doutrina, de Sua Igreja!? É o que nos mostra a vida dos santos, dos mártires, das santas virgens, das almas consagradas a Deus nos claustros e também dos leigos fervorosos que desprezam os prazeres que o mundo oferece. Eis o que o grande Apóstolo S. Paulo dizia num arroubo de amor a Jesus: “Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação? ou a angústia? ou a fome? ou a falta de agasalho, ou o perigo? ou a perseguição? ou a espada? … “Nenhuma criatura nos poderá separar do amor de Deus que está em Jesus Cristo Nosso Senhor” (Rom. VIII, 35 e segs).

Termino com a oração de Sta. Catarina de Sena: “Ó doce e amoroso Verbo, Vós dissestes-me: ‘Eis que eu te preparei o caminho e abri a porta com o meu Sangue; não sejas portanto negligente em segui-lo. Toma o caminho traçado por mim, eterna Verdade, e marcado pelo meu Sangue’. Ânimo, pois, alma minha, levanta-te e segue o teu Redentor, porquanto ninguém pode ir ao Pai senão por Ele. Ó doce Cristo, ó Cristo amor , Vós sois o caminho e a porta por onde nos convém entrar para chegar ao Pai”. Amém!

Tags:

One Comment to “Coluna do Padre Élcio: “Confessou a Verdade e não a negou”.”

  1. Deparamo-nos no presente com imensa quantidade de novidadeiros litúrgicos, indo desde as missas-shows, em que os celebrantes mais se parecem animadores de auditorios, acompanhados de sons estridentes, comunicando-se com imensa plateia que ora ovaciona ou apupa aos apelos do comunicador, como vemos nos diversas apresentações artísticas, nesse caso, o sacro transforma-se num simples evento profano!
    Assim, estimula-se o emocionalismo, como se ele convertesse as pessoas para a fé cristã e no verdadeiro Jesus Cristo bastante exigente e que inadmite vacilações em O seguir, o de sempre, jamais o modelo midiático sempre sorridente, evidentemente, conversão de dentro para fora, sucedendo ao contrario, no caso acima que mais dissipa os cristãos para o relativismo; assim, desvirtuam tudo o proposto pelo precursor de N Senhor, S João Batista, pregador e exemplo da austeridade e da penitencia.
    Nesse ínterim, aqueles repassam uma doutrina mitigada em que apenas prevalece a misericordia sempre desatrelada da justiça, à base de: “ninguém pode ser condenado para sempre por essa não ser a lógica do Evangelho” dentre mais similares que, numa igreja protestantizada “de todos desde já antecipadamente salvos” cativaria os ouvidos cominchões, sempre à espreita de uma doutrina fácil, acessível a todos “em quaisquer situações em que se encontrem, mesmo em flagrante adulterio”. porém, profundamente contrastando com: “se o justo se salva com dificuldade, que será do ímpio e do pecador? 1 Pd 4,18.
    … “De igual modo, sabemos que ela(a justiça) não é feita para os justos, mas para os transgressores e insubmissos, para os perversos e pecadores, para os profanos e irreverentes, para os que matam pai e mãe, para os assassinos, para os que vivem na prática de imoralidades sexuais e os homossexuais em geral, para os sequestradores, para os mentirosos e os que fazem juramentos falsos; e para todo aquele que se revolta contra a sã doutrina. 1 Tm 9-10.
    Outros maleficios desses misericordiosistas atuais não poucos trata-se de enganarem os incautos e desinformados na fé católica, levando-os aos pecados “sem culpa” e até à perda da salvação, pregadores de um evangelho fraudado, adaptado aos tempos, circunstancias e conveniencias de momento e, em tratando da Palavra de Deus, os falsificadores e oportunistas buscam obter lucro por meio da deturpação do conteúdo sagrado pela propaganda enganosa, como nas seitas protestantes, mercadores dos conteúdos bíblico!
    Dessa forma, pouco ou nada preocupados com o prejuízo que podem causar na vida das pessoas por adotarem, por ex., num certo evangelho da “prosperidade” ou similares focados no dízimo, aguardam em mais são os resultados “positivos” de suas ganâncias financeiras e de poder!
    Assim, quantas não poucas vezes apoiadores de partidos de esquerdas, os quais são as seitas de vadios cultuadores da cobiça, da inveja e do desejo desenfreados de se apossarem dos bens alheios para se enriquecerem ilicitamente, por isso, ambos, além de tudo, ainda serem bandos de sanguessugas e parasitas!