Órgão da CNBB emite nota de esclarecimento sobre fundos destinados a projeto de entidade abortista.

Fundo Nacional de Solidariedade emite nota de agradecimento e esclarecimento

Dom Guilherme Werlang, bispo de Lajes (SC) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Social Transformadora da CNBB assina Nota emitida para agradecer a todos que participaram da Coleta durante a Quaresma e para esclarecer alguns pontos importantes.

Leia a Nota:

Nota de agradecimento e esclarecimento

Conselho Gestor do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS)

Agradecimento

Caros irmãos e irmãs da Igreja no Brasil! Vimos por meio desta Nota expressar nosso agradecimento por sua participação na Coleta da Solidariedade de 2018.

Dom Guilherme

Dom Guilherme Antônio Werlang, bispo de Lages, SC.

O gesto de colaborar com a Coleta no Domingo de Ramos foi uma expressão de sua espiritualidade quaresmal. Assim, sua vivência dos valores do Evangelho se materializou em recursos para o financiamento de projetos sociais em nosso país.

Segundo o Papa Francisco, “ o modo melhor e mais concreto para não fazer do dinheiro um ídolo é compartilhá-lo, dividi-lo com os outros, principalmente com os pobres, ou para levar os jovens a estudar e a trabalhar, vencendo a tentação idolátrica mediante a comunhão. Quando compartilhais e doais o vosso lucro, realizais um gesto de elevada espiritualidade, dizendo concretamente ao dinheiro: tu não és Deus, tu não és senhor, tu não és patrão!”[1]

Queremos, pois, em nome de todos os que serão beneficiados por essa coleta, expressar-lhes nossa gratidão, ao mesmo tempo em que nos dispomos a lhes prestar alguns esclarecimentos.

O Fundo Nacional de Solidariedade (FNS)

O Fundo Nacional de Solidariedade é fruto da Campanha da Fraternidade, iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que, desde 1964, convida os católicos, no período quaresmal, a refletir e agir sobre a situação dos mais pobres e vulneráveis, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja.

O Fundo Nacional de Solidariedade presta um serviço a caridade e busca a emancipação cidadã, fomentando o desenvolvimento comunitário, valorizando práticas e culturas locais, priorizando financiamentos a empreendimentos autogestionários e ambientalmente sustentáveis.

O Fundo Nacional de Solidariedade é formado a partir dos 40 % das coletas nas missas do Domingo de Ramos, realizada em todas as dioceses do Brasil. Ele tem sido gerido por um Conselho Gestor, formado por quatro membros natos (o bispo Secretário Geral da CNBB, o bispo Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Ação Social e Transformadora, o Ecônomo da CNBB e o Secretário Executivo da Campanha da Fraternidade e alguns membros nomeados o Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para Ação Social e Transformadora, o representante dos secretários executivos dos Regionais da CNBB,  uma assistente social da CNBB, um colaborador da CNBB que acompanha os projetos do FNS e um representante da Caritas Nacional).

O Conselho Gestor se encontra ao menos três vezes por ano para o estudo e a aprovação dos projetos recebidos.

Projetos apoiados pelo FNS

Anualmente, é publicado um edital, com as exigências que devem ser observadas por aqueles que apresentam projetos. O edital dos anos anteriores está disponível no site. (fns.cnbb.org.br)

Os projetos para o FNS podem ser apresentados por Regionais da CNBB, por Dioceses, Paróquias, Grupos organizados, Associações, Pastorais, Entidades Sociais sem fins lucrativos etc.

Os projetos são classificados em 3 eixos: (1º) Formação e capacitação; (2º) Mobilização para conquista e efetivação de Direitos; (3º) Superação de vulnerabilidade econômica e geração de renda (projetos produtivos).

Ao ser apresentado, um pedido de recursos deve ter a carta de um Bispo. Além disso, é preciso levar em conta que: (1) a entidade proponente e executora do projeto deverão ser a mesma; (2) a instituição deverá indicar sua conta corrente (pessoa jurídica, seu CNPJ) e comprovar a regularidade de sua situação; (3) antecipar qual será a sua contrapartida, monetária ou em bens e serviços; (4) demonstrar como será a continuidade do projeto; (5) levar em conta que o projeto deve responder a problemas ou necessidades de grupos sociais ou segmentos de excluídos.

O Conselho Gestor do FNS prioriza projetos de caráter inovador e com potencial multiplicador, e não apoia projetos para manutenção institucional.

Excepcionalmente, neste ano a Presidência da CNBB apresentará a 56ª Assembleia Geral da CNBB a proposta de destinar a Diocese de Roraima 40% dos recursos do FNS, para os trabalhos que envolvem a acolhida dos migrantes venezuelanos.

Uma vez aprovados os projetos, é publicada uma lista deles no site da CNBB- Fundo Nacional de Solidariedade (fns.cnbb.org.br). Esperamos ampliar a prestação de contas com dados ainda mais completos.

Projeto aprovado para a ABONG

Dentre os 237 projetos aprovados com os recursos da Campanha da Fraternidade de 2017, um deles foi apresentado pela Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais – ABONG. Essa entidade reúne organizações da Sociedade Civil, sem fins lucrativos, para o fortalecimento da base associativa. Em nome de cerca de cem organizações – dentre as quais, várias ligadas à Igreja -, a ABONG pediu recursos para a realização do V Encontro dessas entidades, em São Paulo. Esse Encontro tinha como finalidade única e exclusiva discutir o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, que é uma agenda política ampla, que tem o objetivo de aperfeiçoar o ambiente jurídico e institucional relacionado às Organizações da Sociedade Civil e suas relações de parceria com o Estado. Assim, a ajuda dada não se destinou a apoiar projetos movidos por ideais divergentes dos valores da fé cristã católica, como por exemplo o aborto. Temos no arquivo do FNS a prestação de contas do evento em questão, bem como todas as notas fiscais, fotografias e a lista de presença do evento.

Comprometemo-nos a analisar mais atentamente os projetos que forem apresentados, bem como a prestar maior atenção aos objetivos das entidades proponentes. O Regulamento do FNS está sendo revisto e aprimorado para ser apresentado ao Conselho Permanente da CNBB.

Reafirmamos nosso compromisso com Jesus Cristo e sua Igreja. Daí nossa disposição de continuar trabalhando de acordo com a Moral Católica e a Doutrina Social da Igreja, para que “todos os povos tenham vida” (Jo 10,10).

Renovamos nossos agradecimentos a todos os que colaboraram com a CF-2018. Cresça, cada vez mais, nosso compromisso com os mais necessitados, segundo o critério apontado por Jesus.

A Virgem Maria, Mãe da Caridade, nos ensine a seguir os passos de Jesus no serviço ao próximo.

Brasília, 08 de abril de 2018.         

Dom Guilherme Antônio Werlang
Bispo de Lajes- SC
Conselho Gestor do Fundo Nacional de Solidariedade – FNS

[1] Discurso do Papa aos participantes do encontro promovido pelo Movimento dos Focolares:https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/speeches/2017/february/documents/papafrancesco_20170204_focolari.html. Consultado em 07 de abril de 2018.

Fonte: CNBB

Tags:

33 Comentários to “Órgão da CNBB emite nota de esclarecimento sobre fundos destinados a projeto de entidade abortista.”

  1. Posso estar sendo exagerado, mas quando vejo padres e bispos se deixarem fotografar não paramentados (ou pelo menos com a gola fechada e o clergyman/colar clerical), bate uma desconfiança forte…

    O hábito faz o monge.

    Quanto à carta, um punhado de promessas vazias. Temos que ver pra crer. E nessa gente da CNBB haja fé para crer…

  2. “discutir o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, que é uma agenda política ampla, que tem o objetivo de aperfeiçoar o ambiente jurídico e institucional relacionado às Organizações da Sociedade Civil e suas relações de parceria com o Estado”

    Meu Deus do céu, porque o suado dinheiro dos fiéis está indo pra esse tipo de coisa? Ninguém nem sabe o que é isso, é um disfarce enorme em torno de palavras que ninguém sabe o que é, capitaneado por uma entidade inimiga da Igreja.

    Não vi NADA de espiritual nessas iniciativas, algo como “aprofundar o conhecimento das crianças no catecismo da Igreja Católica”, NADA! É um horror de cima a baixo, vejam esta: “Mobilização para conquista e efetivação de Direitos”, será que não pensam que a tal “conquista de direitos” envolve também uma “imposição de deveres” sobre outras pessoas? E direitos para quem? É tanto absurdo que é difícil saber por onde começar.

    • Aproveitando o assunto, reparamos que o bispo que fora preso em Formosa, fez questão de no dia da saída da prisão usar o “uniforme” clerical, com direito a solidéu, faixa, etc. Outra observação, na reunião da CNBB, os clérigos mais pareciam um grupo de sindicalistas reunidos, salvo alguns que traziam alguma insignia que “lembrava” que eram homens religiosos. De certo que o hábito não faz o monge, mas, como dizia D.Lícinio Rangel, ajudava a formar o clérigo. É trite vermos que diante de tanta profanação, de tanta desolação sobre a ;Terra, aqueles que foram escolhidos para pregar o Reino de Deus, se comportem como estranhos a isso, vivem com os privilégios de autoridades religiosas, mas nada ou pouco fazem para converter as almas a Deus. Penso que realiza-se as palavras de Nosso Senhor ao dize: ” (…) quando o Filho do Homem voltar a Terra, encontrar Fé ainda?”. Escândalos de leigos, vai lá, afinal não passamos anos estudando em seminários, doutorando em Roma, etc, agora os clérigos, sobre tudo os bispos, têm a obrigação de apascentar o rebanho que lhes é confiado, ser leões contra as heresias, os erros, os pecados. Média com o Mundo é passagem direta para a condenação eterna, não se pode servir a dois senhores.

  3. “Os projetos são classificados em 3 eixos:
    (2º) Mobilização para conquista e efetivação de Direitos!
    .
    Aí dentro 👆cabe até o diabo!

  4. Essa gente só é capaz de escrever algo utilizando um amontoado de chavões, lugares-comuns e slogans comunistas.
    Que linguagem comunista asquerosa. Que vocabulário porco!

  5. Aqui está a confissão de culpa:
    “COMPROMETEMO-NOS a ANALISAR MAIS ATENTAMENTE os projetos que forem apresentados, bem como a PRESTAR MAIOR ATENÇÃO AIS OBJETIVOS das entidades proponentes. O Regulamento do FNS está SENDO REVISTO e aprimorado para ser apresentado ao Conselho Permanente da CNBB.”

  6. “5. O que queremos
    A Abong, enquanto associação de organizações que atuam em diversas áreas temáticas e dialogando com essas, defende:
    […]
    Legalização do aborto.”
    http://www.abong.org.br/quem_somos.php?id=2
    Chega a ser engraçado imaginar que o autor da nota realmente acreditou que alguém vai levar a sério essas justificativas. É só olhar no site da ABONG e ler a parte institucional. Seria mais digno admitir o erro e se comprometer em não repetir. Postura ridícula.

  7. A solução é passarmos o ano pedindo a todos que conhecemos que não deem um tostão para a campanha da fraternidade nunca e explicar o porquê – aos poucos torna-se de conhecimento amplo.

  8. 1) Não se ouve mais da boca de um bispo uma única palavra sobre salvação das almas. Eles querem é “salvação” do “corpo”. Parecem ministros” da maçonaria ou da onu, mas não da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.
    2) Desculpe, Sr. Bispo, mas sua figura na foto é grotesca. Com essa camisa aberta, parece um homem qualquer, que vai pega sua vara de pesca e vai pro açude no domingo, e não um príncipe do Altíssimo que deveria ser pescador de homens, como Nosso Senhor mesmo disse de seus santos apóstolos.
    3) O aborto não é apenas um “ideal divergente” dos “valores” de uma longínqua e incômoda “fé cristã”; é um homicídio, um pecado que brada aos céus por vingança. Talvez isto não diga muito ao senhor bispo, pois céu é palavra que não se leu também na sua cartinha.
    4) A gramática é a mesma dos discursos infames da esquerda brasileira, essa escumalha vil e miserável, cujo braço cnbbístico foi colocado a nu por um simples mas corajoso fiel brasileiro.

  9. “Não vi NADA de espiritual nessas iniciativas, algo como ‘aprofundar o conhecimento das crianças no catecismo da Igreja Católica’, NADA!” [2]
    A CNBB é uma ONG.

  10. Nos 5 critérios apresentados pelo senhor da foto em mangas de camisa com cara de dono de boteco não há UM SEQUER que chegue perto de mencionar que os ditos projetos devem seguir a Moral Católica e a Doutrina Social da Igreja, levemente citadas ao final da nota. Está aí o problema central! Evidente que esta ausência é proposital, para facilitar a entrada de toda e qualquer “ONG”, principalmente aquelas com bandeiras abortistas, gaysistas, e tudo mais que contrarie os valores do Evangelho e favoreçam os das lojas maçônicas, às quais estes senhores “bispos” estão ligados! Tudo claro como a luz do sol.

  11. A imagem do Bispo em questão não inspira confiança. Se ele tratar das finanças da CNBB como trata-se a si mesmo, pode mudar o discurso porque não convencerá ninguém.

  12. Recordo aqui a presença de D Guilherme Werlang no 11º Encontro Nacional da Pastoral da Juventude(revolucionaria), realizado em Manaus, de 11 a 25/01/2017, avalizado pelo Papa Francisco que se dirigiu por carta aos esquerdistas Aline Ogliari e Alberto Chamorro, dirigentes da Pastoral da Juventude(do PT-TL)!
    Houve também ao final entre os participantes a imensa foto numa bandeira vermelha ao centro do incensado e sedizente exemplo de um “cristão”, o conhecido carniceiro material-ateísta e pobrista de plantão Che Guevara; nela constaria D Sergio da Rocha e com toda certeza de D Guilherme Werlang entronizando com os comparticipantes desse encontro das hostes esquerdistas, solenemente apresentando o BANDIDO PREFERIDO DELES, O CARNICEIRO CHE GUEVARA e distintivos mais que o acercam: a bandeira vermelha, a qual representa o sangue dos adversarios junto à estrela de cinco pontas que é o pentagrama satãnico!
    Observe-se que o Vaticano dirigiu-se prioritariamente em mais à jovem Aline Ogliari, 23 anos, que em sua página no Facebook, naquele mesmo dia apologizava: “Viva Evo Morales e Fidel Castro – Seguimos adelante, nuestra Pátria Grande! – e até hoje mantendo-se no mesmo ritmo; certamente todos passaram por intensa lavagem cerebral e a psicopatia ideológica marxista que comumente desanda em surtos psicóticos, não é fácil de ser erradicada, pois penetra até no âmago da alma e, ao mesmo tempo associada ao satanismo, apenas se resolverá com exorcismo!”
    Toda essa mensagem aparentando esclarecedora de D Werlang mais se pareceria uma prestação de contas de socialistas, jamais merecedores de credibilidade ou convincentes, notinhas evasivas, capciosas pois os documentos conhecidos anteriormente da CNBB e seus projetos “espirituais” se apoiavam nas diretrizes dos ideologistas do PT e em mais PCs, dentro dos quais se encontrariam membros da judaico-maçonaria travestidos de dignitarios eclesiásticos, cujos objetivos se concentrariam em tentarem implodir a Igreja e sua doutrina!
    Nem de longe a CNBB promovia o catecismo católico, a conversão pessoal e dos povos, insistir sobre a necessidade de amar ao Senhor Deus, as virtudes e evitar os pecados – esse e inferno desapareceram completamente das homilias, nem nas celebrações doravante esvaziadas das recentes Quaresmas nada ouvi – embora essas se tenham transformado patentemente pela CNBB desde varios anos em procedimentos de ONGs! Então, após excessiva entronização da misericordia do Vaticano desatrelada da justiça, a situação deteriorou-se em mais!
    freirojao.blogspot.com.br/2014/04/a-campanha-da-fraternidade-e-prestacao.html
    freirojao.blogspot.com.br/2014/07/cnbb-elogia-comunista-e-toma-surra-de.html
    freirojao.blogspot.com.br/2014/04/pelo-padre-marcos-mendes-dinheiro-de.html

  13. Podiam colocar um dos requisitos para aprovarem o projeto “compatibilidade com os valores da Fé Católica”

  14. A ABONG é uma ONG, uma instituição política que defende o assassinato de crianças em gestação (este é o aborto a que se refere) com unhas, dentes e todos os instrumentos médicos necessários para este fim.
    Portanto, se a CNBB não sabe disto, não deveria estar recolhendo dinheiro de fiéis para aplicá-los, sabe Deus onde.

  15. Ai ai ai é de chorar.

  16. Resumo: “Sim, nós pegamos o dinheiro dos fiéis para dar ao diabo, mas a palestra do diabo não foi sobre aborto”.

  17. Como saber que a figura da foto é um Bispo da Igreja Católica? A camisa aberta no peitão é um “traje eclesiástico digno”? Sem o devido “hábito clerical” a conversa sofre, de saída, um déficit de credibilidade. E não me venham tachar de esteticista.

  18. Enfim para que serve a Cnbb ? Já está mais do que claro que Onde estes bispos estão a santa Igreja não está, só existe uma finalidade a destruição dos fiéis catolicos que não se deixam manipular com ideologias mentirosas e enganosas usando o pobre povo ignorante da verdadeira doutrina para manipular como fazem os políticos.

  19. discutir o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, que é uma agenda política ampla e não cabe ao sindicato dos Bispos (CNBB) participar deste debate, outra coisa vim com esta história que a coleta da Quaresma é para ajudar a desenvolver certos trabalhos em ONGs, Associações, Etc, isso é enganação. Se querem realmente ajudar peguem este dinheiro que foi doado por nós e distribuem a para paróquias que realmente precisam, que não tenha nenhuma infraestrutura se quer para dar uma catequese descente.

    O fato dos Bispos não falarem ou não citarem mais sobre a catequese, é porque eles precisam ser catequizando, pois parecem que se esqueceram ou mesmo que não aprenderam nada. Catequizar é fazer ecoar a Palavra de Deus a todos que desejarem ouvi-la. Assim, “O catequista é, de certo modo, o interprete da Igreja junto aos catequizando e à comunidade. Ele lê e ensina a ler os sinais da fé, entre os quais o principal é a própria Igreja” Assim, ele desenvolve verdadeiro respeito e dedicação a Deus.

    A CNBB, (sindicato dos Bispos), parece não temer mais a Deus e faz o que quer, e engana seus fieis com falsas promessas, busca ostentar privilégios, fazem pactos com o diabo, usam as sagradas escrituras para se beneficiar, roubam a comunidades, compram fazendas, carros de luxos, lotéricas, etc… assim é hoje o retrato desta falida CNBB (sindicato dos Bispos).

    Ai vem este senhor de nome Dom Guilherme Antônio Werlang, bispo de Lages, SC, com estas desculpas esfarrapadas, com essas falsas promessas, não meu caro Bispo, os fieis não são mais os bobos da corte, ou vocês mudam a forma de agir e de se comportarem, principalmente nas vestimentas, ou vamos nos unir e mudarmos todos vocês, nem que para isso tenhamos que acabar de vez com essa instituição que para nós católicos não serve mais pra nada a não ser enganar e roubar os fiéis da Santa Igreja Católica Apostólica Romana. A muito vocês não tem parte com Cristo, a muito tempo que se tornaram Judas Iscariotes.

  20. Questão de Enem:

    Ao analisar a vestimenta e os ideais, você deverá listar, do mais provável para o completamente improvável, o que imagina ser a profissão do senhor da foto. Ao final, deverá dizer qual profissão você tem certeza de que o senhor da foto não exerce:

    (a) caminhoneiro;
    (b) dono de boteco;
    (c) servidor público aposentado;
    (d) professor de geografia no ensino médio;
    (e) bispo da Igreja Católica;

    Resposta: A, D, B, C. Pelos ideais e a vestimenta, o senhor da foto não exerce a profissão da letra E.

  21. Nos domingos de ramos não contem com a minha doação!

  22. A ABONG e a CndoB são duas ongs se ajudando mutuamente.

  23. Eis um legítimo bispo da igreja conciliar!
    Diante disso, deve-se refletir antes de se criticar os “apóstolos” ou os “bispos” de certas denominações evangélicas…
    Melhor parar com a hipocrisia e olhar para a igreja do Vaticano II…
    Este novo Catolicismo aggiornado adotou TODAS as práticas de seus “irmãos separados”…
    Como nos disse Nosso Senhor:
    Pelos frutos conhecereis a árvore…

  24. Pura retórica e dissimulação verbal.

    O fato é que o clero comprou a “plataforma inclusiva” das esquerdas. O discurso da “valorização da diversidade”, amplamente promovida pelas oblíquas e açougueiras ONGs amigas da CNBB, é a penúltima novidade encampada pelas mentes vazias e estúpidas do episcopado brasileiro. Não sei se há meia dúzia exceções dentre esses coveiros da Igreja católica no Brasil.

    A tal “plataforma inclusiva” contempla toda a agenda de corrosão final do cristianismo. O leitor avisado sabe bem do que se trata. Não é necessário elencar.

    Está aí, em plena vigência, o que Agostinho ensina em “A cidade de Deus” sobre o “mistério da iniquidade”: que os maus e fingidos, dentro da Igreja, serão em tão grande número, que eles formarão o povo do Anticristo.

    Et tunc revelabitur iniquus, quem significari Antichristum nullus ambigit. Alii vero et quod ait: Quid detineat scitis et mysterium operari iniquitatis 160 non putant dictum nisi de malis et fictis, qui sunt in Ecclesia, donec perveniant ad tantum numerum, qui Antichristo magnum populum faciat; et hoc esse mysterium iniquitatis, quia videtur occultum (DCD, XX, 19, 3)

    NÃO DÊ NUNCA MAIS NEM UM CENTAVO PRA ESSE GRÊMIO DE DANADOS.

    Estão ai os frutos do convescote de lúcifer.

  25. Não agem como Bispos, não se vestem como Bispos, não se parecem com Bispos. Será que ainda podem ser chamados de Bispos?

  26. Mesmo que a ABONG não tenha usado o dinheiro da Campanha da Fraternidade para financiar diretamente o aborto (era só o que faltava), o simples fato da ABONG, conhecida instituição pró-aborto, ter concorrido a um edital da CNBB – com carta de recomendação assinada por um bispo – e ter ganho ajuda financeira da CNBB, já é por si escandaloso ao extremo. Essa nota é a confissão das denúncias que foram feitas. O mínimo que se poderia esperar é a renúncia de D. Guilherme Werlang da comissão que preside pois S.Exa. Revma. evidentemente desconhece a natureza e os objetivos das instituições que sua comissão generosamente apoia com recursos dos fiéis.

  27. Semelhante à baunilha presente em vários produtos industrializados, ou a suspeitíssima fluoretação da água encanada e envasada que nos vendem, a CNBB consegue acrescentar “pão com mortadela” em tudo o que faz. É um negócio impressionante isso.

    Glorioso São José, terror dos demônios, rogai por nós.
    São Gabriel de Nossa Senhora das Dores, guia dos confusos, rogai por nós.
    São Gabriel de Nossa Senhora das Dores, luz dos duvidosos, rogai por nós.
    São Gabriel de Nossa Senhora das Dores, descanso dos cansados, rogai por nós.
    Santo Antônio de Pádua, martelo dos hereges, rogai por nós.
    São Luís Maria de Montfort, filho muito dedicado da Igreja e do seu Chefe, rogai por nós.

  28. Esta “nota de esclarecimento” da CNBB, só pelo fato de ser assinada por Dom Guilherme Werlang, produz efeito contrário ao desejado (que seria de “esclarecer”). Assim, o tiro sai pela culatra… Sobretudo em razao do prelado que assina o “esclarecimento”, pois ninguém acreditará no que ele afirma. Vendo a foto dele, todo mundo já fica com um pé atrás, não inspira confiança — muito pelo contrário… Ademais, a CNBB não faz o “mea culpa” por ter doado o dinheiro de esmolas dos fieis para a ABONG!

  29. Pra bom entendedor, meia cusparada basta:

    Diz a “Nota” de Dom Tonhão:

    “2º) Mobilização para conquista e efetivação de Direitos;”

    Alguém desconhece que tipo de “Direitos” (das famigeradas minorias) estão em pauta?

    Os [bispos] que não concordam com isso vão se fazer de desentendidos em nome da sua “unidade” [na desgraça e na condenação eterna]?

  30. Esse pessoal precisa mesmo de pobres para manter uma agenda conforme a dialética materialista.
    Basta ver o chorão Boff: Lula não vai mais poder andar abraçado aos pobres. E para manter podres sempre pobres, sem serem capazes de prover o necessario, sem a ajuda do Estado, para as suas vidas, é preciso , hoje, de um partido socialista do perfil do PSB, ligados as agendas da ONU 2030( http://www.psb40.org.br/tag/onu/http://www.psb40.org.br/tag/onu/) que corresponde a propria agenda do Sindicato dos Bispos do Brasil. Esse pessoal vive da massa pobre para se manter no poder. Tenho razões para acreditar que esses apostatas já flertam com o PSB. Vamos ficar de olho.
    P.S.: esse partido de define assim: PSB 40 – Socialismo e Liberdade.