Foto da semana.

Abadia de Lagrasse, França, 20 de abril de 2018 – O Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, celebra a Missa tradicional e visita o túmulo do Irmão Vicente Maria da Ressurreição, religioso da ordem dos Cônegos Regulares da Mãe de Deus — ordem dedicada à celebração da Missa no rito tridentino – a quem visitou e celebrou o funeral há dois anos.

3 Comentários to “Foto da semana.”

  1. Tenho a impressão de que o cardeal Sarah seria um grande Papa!

  2. Cardeal Sarah é uma ilha fortificada de santidade no meio do oceano de maus pastores infiltrados no colégio de cardeais do Vaticano. Indico-lhes um obra do cardeal: “A força do silêncio” (contra a ditadura do ruído), com o prefácio do papa Bento XVI. Leitura imperdível!

  3. Mas é isto mesmo que o Papa Bergolgio deseja: enfraquecer os dicastérios da Cúria Romana e empoderar as Conferências Episcopais, criando igreja “nacionais”, consequentemente causando graves danos ao conceito de fé “católica”.

    Bergoglio não tem coragem de propor o que ele realmente pensa (cf. “opiniões pessoais versus Fé revelada.”)- e é lógico que ele concorda com Reinhard Marx. Ao redigir seus documentos confusos, ele simplesmente espalha a dúvida e não confirma ninguém na Fé, sendo que esta é sua missão. Aliás, Bergoglio não é o Papa da Fé, é o Papa do “politicamente correto”. (cf. “Pedro não é mais a rocha que era, pelo contrário, o pastor está dizendo às ovelhas: ‘vá e se vire para encontrar algo para comer’”).

    Felizmente os planos do Papa Bergoglio são similares aos do Lula e da Dilma: vão todos por água abaixo. Vejam no que deu até agora o projeto da reforma da Cúria Romana em elaboração dos chamados “C9” (conselho composto por nove cardeais, entre eles Reinhard Marx e Maradiaga): desde 2013 esse assunto vai e volta; vai e volta… E até agora nada… Sem contar o escândalo do vazamento de informações confidenciais divulgadas por dois componentes da tal “comissão”. (Os dois foram detidos).

    Assim são os projetos humanos que não são executados conforme a vontade de Deus.

    Para finalizar, ressalto mais uma importate frase da reportagem: cf.: “a fé e a unidade da Igreja não estão sujeitas a voto”. Ora, mas não é este o método utilizado pelos Sínodos dos Bispos implementado pelo quase “São Paulo VI”? (certamente não será santo da minha devoção. rsrsrs).