Coluna do Padre Élcio: “Amar o próximo como a nós mesmos”.

Evangelho do 17º Domingo depois de Pentecostes –  S. Mateus XXII, 34-46

Sabemos que os mandamentos de Deus são dez. E todos os problemas das sociedades estariam resolvidos se as leis de Deus fossem cumpridas. Os três primeiros, que se referem a Deus, encerram-se nesta fórmula: Amar a Deus sobre todas as coisas. Isto significa a vontade de amar a Deus, não em grau infinito, mas sobre todas as coisas, de preferência a tudo o que Lhe seja contrário. Os outros sete mandamentos se reduzem ao amor do próximo, mas a um amor sincero e eficaz.

Nosso Senhor Jesus Cristo diz q ue o amor do próximo é semelhante ao amor de Deus, no sentido que a caridade é uma virtude única que tem dois aspectos: Deus e o próximo por amor de Deus. Devemos notar que a Lei  manda amar o próximo por amor de Deus.

Na explicação do evangelho do 12º domingo depois de Pentecostes já tivemos ensejo de fazer algumas reflexões sobre o amor de Deus e do próximo (S. Luc. X, 23-34). Vamos nos deter mais um pouco sobre o amor do próximo considerando este detalhe: COMO A NÓS MESMOS.

Nosso amor tem três objetos: Deus, o próximo e nós mesmos. Jesus Cristo manda-nos amar a Deus e ao próximo. É óbvio que Jesus supõe que naturalmente e sem sermos para isto compelidos, nos portemos de tal modo que cumpramos este dever para conosco. Com efeito, o amor de si é essencial ao homem; ele faz parte de sua natureza e é inseparável de seu ser. A Providência divina colocou em nós este sentimento precioso para nos fazer tender à felicidade a que Deus nos destinou. Não podemos nem deturpar nem destruir este sentimento.

Santo Agostinho observa que, embora Jesus não fale da obrigação do amor a nós mesmos, Ele, no entanto, não o omite; supõe-no, porque ordena que amemos o próximo como a nós mesmos. Mas este sentimento do amor a nós mesmos tem necessidade de ser dirigido, e, às vezes, até reprimido, raramente tem necessidade de ser estimulado. Temos a tendência de nos amarmos além dos limites em detrimento do amor que devemos aos outros. É justamente este amor fora dos limites que S. Paulo condena: “A caridade não busca [somente] os seus próprios interesses” (1 Cor. XIII, 5). É este amor excessivo de si que a linguagem humana estigmatiza com o nome de EGOÍSMO.  É evidente, porém, que Jesus prescreve uma igualdade não de sentimentos, mas de deveres. Pois, é-nos impossível, e por conseguinte não nos é mandado que sintamos pela totalidade de nossos irmãos, o que nós sentimos por nos mesmos. Amar o próximo como a nós mesmos, é tratá-lo como nós desejamos que os outros nos tratem; fazer ao próximo o que desejamos
que nos façam, e não fazer o que não desejamos que nos façam. Por exemplo: desejamos ser felizes, e assim devemos desejar a felicidade dos outros. É este o conselho que o velho Tobias deu ao seu filho Tobias: “Acautela-te, não faças nunca a outro o que não quererias que outro te fizesse”. O mesmo ensinou o Divino Mestre: “Assim, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-o também vós a eles; esta é a lei e os profetas” (S. Mateus VII, 12).

Devemos observar, outrossim, que esta igualdade de dever não é de tal modo absoluta que não sofra modificação. Não há circunstâncias em que o amor a nós mesmos deva ser exclusivo; mas pode haver casos em que ele seja preponderante. Na impossibilidade de procurar o bem próprio e o do próximo, deve o amor de si prevalecer. Em se tratando de bens temporais, podemos dar a nós mesmos a preferência; e, em se tratando de bens espirituais, temos o dever. Por mais sagrado que seja o dever  de fazer bem a nossos irmãos, o de nossa salvação eterna é-lhe superior, porque é para nos salvar que devemos fazer bem ao próximo. A mesma lei que nos ordena trabalhar em sua salvação, nos proíbe trabalhar em prejuízo da nossa.

Quando se trata de bens temporais, em caso de conflito dos nossos interesses com os de outrem, se, de ordinário, podemos preferir os nossos, há, no entanto casos em que por dever de estado e em virtude dum contrato tácito ou formal entre nós e a sociedade, nós somos obrigados a nos sacrificarmos em prol dos nossos irmãos e a procurarmos seu bem temporal às expensas do nosso. Estes casos não são raros, por exemplo, na vida do militar, do médico, do magistrado e do padre. E esta obrigação é bem mais grave ainda quando se trata de lhes procurar a salvação eterna, como é o caso do padre. Quantas vezes, nós padres nos expomos a contrair uma doença contagiosa na administração dos últimos sacramentos?!

É mister também no exercício da caridade fraterna distinguir duas espécies de deveres, uns interiores, outros exteriores. Podem haver motivos legítimos que dispensem destes últimos, mas jamais haverá razão que impeça de cumprir os primeiros. Exemplifiquemos: você é pobre e, por conseguinte, não podes dar esmola. Você está enfermo, por isso mesmo estás dispensado de prestar serviços mais pesados. Mas os deveres interiores são sempre praticáveis. Se alguém não pode fazer em a seus irmãos, pode e deve ao menos desejar-lhes o bem. Se alguém não pode prestar ajuda material aos seus irmãos, pode, ao menos, ajudá-los com suas orações.

Amar o próximo efetivamente e em verdade e não só de boca, mas na medida de nossas possibilidades e enquanto o permitem nossos recursos.

“Meus filhinhos não amemos de palavra e com a língua, mas por obra e em verdade”  (1 João III, 18). Aqui está o lado positivo da máxima do Divino Mestre: “Assim, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-o também a eles”. Dar de comer a quem tem fome, de beber a quem tem sede, visitar e consolar os doentes e aflitos, dar vestes boas aos maltrapilhos, cobertas aos que estão passando frio etc.

Vejamos agora o lado negativo: “Não fazer a outrem o que não gostaríamos que os outros nos fizessem”. Daí, ficam aqui proibidas todas as maldades: a inveja, a ira, a discórdia, a dissensão,  as querelas, as inimizades etc. São enfim as obras da carne enumeradas por S. Paulo  na sua Epístola aos Gálatas V, 19-21. E o Apóstolo após  a enumeração destas obras que vêm da carne, termina com esta terrível advertência: “Os que as praticam, não possuirão o reino de Deus”.

Meditemos, outrossim, nestas outras palavras do Apóstolo dos gentios: “Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de um modo digno da vocação a que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com paciência, suportando-vos uns aos outros por caridade, solícitos em conservar a unidade do espírito pelo vínculo da paz. Há
um só corpo e um só Espírito, como também vós fostes chamados a uma só esperança pela vossa vocação. Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo. Há um só Deus e Pai de todos, que está acima de todos, e atua por todas as coisas e reside em todos nós” (Efésios IV, 1-6). Somos todos irmãos, por natureza, de Adão e por adoção, de Deus. Assim, como os primeiros cristãos, todos deveriam viver realmente como irmãos, como se em todos batesse um só coração e os animasse uma só alma.

Nosso divino Salvador deseja que todos nós cumpramos o seu mandamento novo: “Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”. Amém!

Tags:

4 Comentários to “Coluna do Padre Élcio: “Amar o próximo como a nós mesmos”.”

  1. Obrigada padre Élcio! Seus artigos são sempre maravilhosos!

  2. Deus lhe pague. Lendo para a família.

  3. DIVINO MESTRE e SENHOR, querido nosso SALVADOR….mostras-TES quando VOS martirizaram, segundo viu Santa Faustina, Piedade e Amor ‘intenso’ e Divino, orando ao Divino Pai Eterno por eles todos…Quando refletimos sobre o que nos fala a Santa, ‘vemos’ espiritualmente a cena de todos martírios, detalhes por detalhes, nos impressiona, quase assusta…
    Ai nos lembramos de uma ‘fala’ de São Paulo, em uma de suas epistolas “Ainda não chegaram até ao sangue quanto aos vossos pecados.” Me perdoem, são lembranças que guardo…talvez um pouco diferente, mas me assusta também!
    Quanto então amamos nossos irmãos todos, irrestritamente, independente de seus erros, das dores que nos causam…, se temos de seguir os Passos do Amado Mestre JESUS CRISTO…oras…AMEMOS sim!
    E JESUS CRISTO, segundo Santa Faustina ‘ouviu’, ORAVA pelos algozes no momento exato que sofria das imensas dores…Sigamos o Caminho do nosso Salvador; sejamos Verdadeiros, não só de palavras, mas atitudes, atos, porque somos ‘vigiados permanentemente por DIVINO PAI ETERNO, se inclina e observa nosso mais intimo ser! Temos uma Herança como filhos legítimos, VIDA ETERNA!
    “EU SOU…CAMINHO, VERDADE e VIDA” “EU SOU…ALFA e ÔMEGA”
    Sua bênção Sacerdote Élcio.

  4. O mandamento novo do Divino Mestre: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei!” Jesus é o Salvador, é o Cordeiro de Deus QUE TIRA OS PECADOS DO MUNDO. Mesmo curando os corpos, Jesus visava salvar as almas levando os pecadores à conversão, a terem fé na sua Divindade, e consequentemente a reconhecerem que Ele era o Messias. Assim deve ser o nosso amor ao próximo: o acolhimento benigno, a mansidão, as obras de caridade, tudo devemos fazer com a intenção de procurar salvar as almas. Mas Jesus, quando necessário, usou também a severidade, mas, mesmo assim era também visando a salvação das almas dos pecadores orgulhosos como eram os fariseus, por exemplo. Assim, pode acontecer que devamos usar também a severidade. Mas, neste caso, devemos tomar muito cuidado, porque Jesus, sendo Deus, via o íntimo das pessoas, e nós só vemos o exterior. Nós, também pobres pecadores, devemos rezar muito para que o nosso zelo seja sempre segundo o Sagrado Coração de Jesus.
    Caríssimo Elyseu, que Deus o abençoe!

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de Fratres in Unum.com. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s